1. Spirit Fanfics >
  2. Rockstar >
  3. I am strong, love is evil

História Rockstar - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - I am strong, love is evil


Fanfic / Fanfiction Rockstar - Capítulo 2 - I am strong, love is evil

Chegamos ao hotel onde todas as bandas iriam se hospedar. E sério, estava um caos naquele lugar, uma bagunça na recepção, isso que dá juntar um bando de roqueiros num único lugar.

— Esse hotel vai ficar destruído antes mesmo do festival acabar. — Brian comentou.

— Eu concor... — Johnny parou de falar quando passou duas loiras ao nosso lado. — Oi meninas! Como vão? — E ele saiu atrás delas.

— Ninguém merece. — Pamela falou revirando os olhos. 

— Acho melhor pegarmos logo as chaves dos quartos. — Aline disse indo na frente. 

— Vamos.

Fui na frente e encarei um dos caras que estavam na recepção. 

— Wild Side. — Falei o nome da banda.

Ele apenas se virou, pegou cinco chaves e me entregou.

— Aqui estão.

— Obrigada. — Falei e me virei para o resto da banda. — Peguem a chave de vocês e mais tarde nos encontramos para ir ao festival.

— Ok.

— Brian, entrega a chave do idiota. — Falei entregando a chave do Johnny a ele.

— Pode deixar.

POV Pamela

Assim que peguei minha chave, vi Izzy andando pelo saguão, como se estivesse procurando alguém. Peguei minha mala de rodinhas e saí dali o mais rápido possível.

Entrei no elevador e suspirei aliviada por ele não ter me visto e antes mesmo das portas se fecharem, uma mão impediu e Izzy entrou. 

— Eu estava te procurando. — Ele falou se aproximando e as portas do elevador se fecharam.

— Eu nem sabia que já tinha chegado.

— Chegamos primeiro que vocês. — Ele falou sorrindo. — Vai ficar no mesmo quarto que eu?

— Ah... — Procurei uma resposta. — Não.

— Por quê? — Ele perguntou franzindo o cenho, confuso com aquilo.

— Bom, porque... — Procurei uma resposta. — Porque eu vou ficar no mesmo quarto que a Cris, sabe? Ela precisa de mim.

— Ela está bem?

— Está. Quer dizer, não. Bom, mais ou menos. — Me enrolei um pouco para falar.

Eu me sentia um pouco mal mentindo para o Izzy, mas esse desgraçado merece.

— Ok. — Ele concordou tranquilamente.

O elevador se abriu e eu saí de lá sem dizer uma única palavra.

Olhei para trás e vi que ele ficou no elevador e voltou novamente para o saguão. Suspirei pesado e quando fui olhar para frente, me esbarrei em alguém.

— Opa! Vai com calma. — Ouvi uma voz bastante familiar falar.

— Steven? — Perguntei surpresa ao vê-lo.

— Oi, Pam. — Ele falou sorrindo.

Nossa! Aquele sorriso fazia meu corpo todo amolecer.

Steven Adler era o dono do sorriso mais bonito do mundo! Eu sempre tive uma queda por ele e apenas a Cristina sabia disso. Se o Izzy soubesse ele, com certeza, arrancaria meu fígado com a mão.

— Seu quarto é nesse corredor? — Ele perguntou.

— Sim. E o seu?

— No andar de baixo. O do Slash é aqui e eu vim falar com ele.

— Ah sim, entendi. — Falei.

Fiquei o encarando de cima embaixo e nem estava prestando atenção no que ele estava falando.

— Onde está o Izzy?

— Quem? — Perguntei meio perdida.

— Izzy Stradlin. Seu noivo. — Ele falou e acabei ficando irritada ao lembrar.

— Ele está lá embaixo. — Falei séria.

— Ok. Eu vou lá falar com ele.

— Vai lá.

— Foi bom te ver. — Ele disse sorrindo e saiu.

Revirei os olhos e caminhei em direção ao meu quarto. Lembrar do Izzy me faz lembrar da droga da mensagem e isso me deixa puta.

POV Cristina

Eu estava andando por um corredor, procurando pelo meu quarto.

— Olha quem apareceu. — Ouvi uma voz familiar atrás de mim e parei de andar na mesma hora.

Me virei para ver quem era e dei de cara com o ruivo mais louco que já conheci em toda a minha vida.

— Axl. — Falei e dei um sorriso. — Quanto tempo, não é mesmo?

— É. — Ele deu um sorriso de lado. — Você anda um pouco sumida. 

— Eu não ando sumida, você que some.

— Bom, isso não importa agora. — Falou se aproximando. — O importante é que você está aqui e eu também.

— Nem vem. — Falei o empurrando.

— Qual o problema? — Perguntou se fazendo de desentendido.

— Você sabe muito bem qual é o problema. Sabe que eu tenho namorado e fica dando encima de mim.

— Alex Turner? Ele nem vai ligar.

— Para com isso, Axl. — Falei me virando para ir embora.

— Não foi ele mesmo quem te traiu e ainda tatuou o nome da vadia? — Perguntou rindo e eu parei de andar. — Me diz, ele ao menos pensou em tatuar o seu nome no braço dele? 

Fechei os olhos irritada. E não, Alex nunca nem ao menos pensou nessa possibilidade, até porque eu acho isso babaquice.

— Tchau Axl. — Falei continuando a andar.

Procurei pela droga do meu quarto e finalmente o encontrei. A porta do quarto da frente foi aberta, revelando Alex.

— Oi. — Ele falou fechando a porta atrás dele e se aproximou. — Eu estava te procurando.

— Pra? — Perguntei erguendo a sobrancelha.

— Conversar... Olha, tem um mês que voltamos e você continua me tratando desse jeito.

— Exatamente, meu querido, tem um mês que voltamos e você continua com essa porcaria no seu braço.

— Eu ia tirar, mas... — Eu o interrompi.

— Eu estou cansada, Alex. — Falei em um tom calmo. — Depois a gente conversa, ok? — Perguntei.

— Ok. — Ele apenas afirmou compreensivo.

Abri a porta do meu quarto e entrei.

Fechei a porta, deixei minha mala de lado e me joguei na cama.

Era um saco ficar brigada com o Alex, mas eu fico irritada só de lembrar daquela maldita garota e daquela maldita tatuagem.

Peguei meu celular e resolvi pôr uma música para poder tomar um banho. Entrei debaixo do chuveiro frio para poder relaxar e estava tudo bem até tocar Is This It do Strokes. Essa era a música que eu e Alex sempre escutávamos e cantávamos juntos, uma vez combinamos que se um dia brigássemos, um teria que cantar essa música para o outro como pedido de desculpa, foi a coisa mais idiota que combinamos.

Cris? — Ouvi a voz de Pamela. — Preciso falar com você.

— Estou ouvindo. Só desliga essa música, por favor. 

Claro. — Ela respondeu e a música parou.

— O que houve? — Perguntei enquanto terminava de lavar o meu cabelo.

Eu encontrei o Izzy no elevador e pra me livrar dele tive que dizer que ia dormir aqui com você.

— Tudo bem. 

E encontrei o Steven também.

Na mesma hora eu parei. Eu sabia que a Pam tinha uma grande queda pelo Steven.

— E o que aconteceu? — Perguntei com um certo receio.

Nada. Só conversamos. Mas ele está uma delícia, sabia? — Ela perguntou e eu ri.

— Se o Izzy souber disso, ele te mata. — Comentei e de repente tive uma ideia.

Desliguei o chuveiro, me enrolei na toalha e corri de volta para o quarto.

— Eu já sei como me vingar do Alex! — Falei determinada. 

— Como? — Ela perguntou confusa.

— Eu vou dar o troco. Fazer com ele o mesmo que ele fez comigo. — Falei dando um sorriso de lado.

— Vai trair o Alex?

— Vou!

— Você é louca. — Pamela riu da minha cara e rapidamente se levantou como se tivesse tido uma ideia. — Eu também já sei o que vou fazer com o Izzy!

— O quê?

— Vou trair ele com o Steven. — Disse sorrindo maliciosa e eu franzi o cenho.

— Amiga... — Eu comecei e ela me encarou. — Eu sei que já é errado trair, mas não acha que é pesado demais trair com o melhor amigo dele?

— Ele tem várias mensagens de vadias no celular dele, o que você quer que eu faça? — Perguntou indignada.

— É, você tem razão. — Concordei.

— E você? Vai fazer isso com quem? — Perguntou curiosa e eu sorri.

— Pense em um homem filho da puta e multiplique.

— Ah não. Sério? Com ele? — Perguntou surpresa.

— Qual o problema? Ele é um gostoso.

— Sim, eu concordo, mas ele é muito vagabundo.

— Eu não vou casar com ele, só vou transar.

— Não vai tatuar o nome dele no seu braço não, não é? — Ela perguntou rindo da minha cara.

— Vai se fuder, sua cachorra. — Falei rindo e joguei um travesseiro na cara dela.

— Vai logo se arruma para irmos, tem várias bandas para assistir hoje. — Ela disse rindo.

— Tá. Já estou indo.

POV Off

Enquanto isso no quarto do Axl...

— Adivinha quem eu acabei de ver. — Steven disse se jogando encima da cama do ruivo.

— Não sei. Não sou vidente. — O ruivo disse sem dar importância para Steven.

— A gostosa da Pamela.

— A noiva do Izzy? — Axl perguntou confuso e encarou o loiro.

— Ela mesma. — Ele falou encarando o teto com um sorriso bobo.

— Cara, ela é a mulher do seu melhor amigo! — Axl falou jogando um travesseiro na cara do loiro.

— Olha quem está falando! — Steven retrucou irritado. — Você não é nem um santo, Axl.

— Eu não disse isso. — Revirou os olhos. — Mas logo você fazendo essas coisas?

— Mas você não acha que ela combina mais comigo do que com o Izzy? — Perguntou encarando o ruivo.

— Eu não acho nada, eu que não quero estar na sua pele quando o Izzy descobrir essa merda.

— E é exatamente por isso que eu prefiro conversar com o Duff. — Steven disse se levantando dá cama.

— Graças a Deus! — Axl disse levantando as mãos para cima, como se estivesse realmente agradecendo.

— Idiota! — Steven falou fazendo bico e saiu do quarto.

Quando Steven saiu do quarto, deu de cara com Izzy e o loiro se assustou.

— Steven, por acaso você viu a Pamela? — O moreno perguntou. 

— Quem?

— Pamela. — Ele disse e ficou confuso. — Minha noiva.

— Ah tá! A Pamela. Aquela Pamela, né? Que toca bateria e é amiga da Cristina. — Falava nervoso.

— É, essa mesmo.

— Não. Eu não a vi.

— Ah, valeu. — Falou e saiu.

Izzy entrou no elevador e Steven balançou a cabeça negativamente.

— Estúpido! — Disse batendo na própria testa.

[...]

Cristina, Pamela e Brian estavam andando pelo gramado onde haviam várias pessoas esperando o show de uma banda que eles nem ao menos conheciam. Enquanto a banda não subia no palco, estava tocando músicas do Aerosmith.

— Hoje já tem bastante gente. — Brian comentou.

— Ei, o que você está fazendo aqui mesmo? — Cristina perguntou parando de andar para encara-lo.

— O que foi? Vai me expulsar agora? — Brian perguntou indignado.

— Não idiota, era para você estar transando com a Aline agora. — Pamela falou.

— Não, o Johnny já está fazendo isso por mim. — Falou decepcionado.

— O quê? — Cristina perguntou surpresa. — O Johnny está traçando a Aline?

— Eu não acredito nisso! — Pamela falou dando um cascudo na cabeça do Brian. — Como você deixou isso acontecer? Deixa de ser burro!

— Oi gente. — Johnny falou sorriso se aproximando deles.

Por impulso, Cristina deu um soco nele que o fez cair no chão.

— CARALHO! — Ele reclamou. — Por que você fez isso?

— Porque você é um imbecil! — Ela falou irritada e saiu andando na frente.

— Minha vontade era de te dar outro soco, babaca! — Pamela falou com Johnny e saiu atrás de Cristina.

— É cara... — Brian riu. — Dessa vez eu vou ter que concordar com elas.

Ele saiu e deixou Johnny totalmente confuso.

— Mas o que eu fiz? — Se perguntou ainda deitado no chão.

Os três continuaram andando pelo local e logo depois decidiram ir ao backstage ver como estava o movimento por lá.

— Iiiih, já não gostei. — Pamela falou revirando os olhos.

— Por quê? — Brian perguntou.

— Olha quem está ali. — Apontou para Mick Jagger mais à frente conversando com algumas pessoas.

— Eu não entendo o que você tem contra ele. — Brian falou.

— Não fala isso com ela, pelo amor de Deus. — Cristina pediu.

— Eu vou começar desde o início! — Pamela falou.

— Eu avisei. — A morena disse e saiu de perto para não ouvir a história de Pamela pela milésima vez.

Ela ficou andando sozinha pelos enormes corredores do backstage quando encontrou Axl no meio do caminho.

— Está me seguindo? — Ele perguntou sorrindo de lado.

— E se eu estiver? — Perguntou o provocando. — O que você vai fazer quanto a isso?

— Eu vou... — Ele sussurrou coisas tão provocantes no ouvido da garota que a fez ficar completamente molhada.

— Tudo bem. — Ela falou sem jeito e o afastou dela. — Tudo bem. — Ela respirou fundo.

— O que foi? — Ele perguntou rindo dela. — Não gostou?

— Eu não disse isso.

— Então você gostou.

— Eu também não disse isso.

— Você é uma garota bem difícil, hein. — Ele falou sorrindo. — Gosto assim.

— Cris? — Ela escutou a voz de Alex atrás dela. — Tem algum problema aqui? — Perguntou encarando Axl.

— Não. Nenhum. Vem Alex. — Falou o puxando dali.

Ela o levou em direção ao hotel em que estavam hospedados, enquanto isso com Pamela...

— E é exatamente por isso que eu não gosto do Mick Jagger. — Pamela terminou de explicar satisfeita com sua história.

— Não acredito que você está contando a história do Mick Jagger de novo. — Ela escutou a voz de Izzy atrás dela e arregalou os olhos.

— É, vou indo nessa. — Brian disse saindo de lá.

Pamela se virou e encarou seu noivo, que estava de braços cruzados.

— Eu acho que precisamos conversar. — Ele falou.

Pamela apenas concordou e os dois saíram dali.

Com Cristina...

— Tá bom, já chega! — Alex falou parando de andar e a fez parar também no meio do corredor do hotel.

Ele a puxou pelo braço para fazê-la encara-lo.

— O que você estava fazendo com o Axl? — Perguntou irritado.

— Nada. — Deu de ombros. — Só estávamos conversando

— Sei... — Disse desconfiado.

— O que foi? — Ela perguntou cruzando os braços. — Vai ficar com ciuminhos para cima de mim agora? Você não tem esse direito, Alex.

— Você é minha namorada! Eu tenho direito sim.

— Acho que você perdeu o posto de namorado depois que meteu o pau em outra buceta, não é mesmo? — Soltou um riso sarcástico.

Alex ficou bastante irritado com o comentário dela e revirou os olhos.

— Quando é que você vai me perdoar por isso? — Ele perguntou cansado daquela história.

— Eu não sei vou conseguir te perdoar por completo, Alex. — Ela disse agora chateada. — Você me magoou muito. — Ele engoliu o seco e ficou sem ter o que dizer. — Eu ainda te amo, mas preciso de um tempo para pensar melhor sobre nosso relacionamento. Desde que resolvi te perdoar alguns meses atrás, não temos sido os mesmo, você sabe disso.

— É. — Ele suspirou e encarou o chão. — Eu sei.

Ela se aproximou dele e deu um beijo em sua bochecha.

— E me faz um favor. — Ela começou.

— O quê?

— Remove essa droga de tatuagem, ela me irrita.

— Pode deixar. — Ele deu um pequeno sorriso. — Eu vou fazer outra por cima.

— Ótimo. — Ela disse e saiu, o deixando para trás.

Alex estava feliz por saber que os dois ainda estavam juntos, mesmo que Cristina precisasse de um tempo. Mas de uma coisa ele tinha certeza, ele não iria desistir dela.

Com Pamela...

— O que está acontecendo, Pamela? — Izzy perguntou assim que eles entraram no seu quarto do hotel.

— Quer mesmo que eu diga? — Ela perguntou e ele ficou confuso. — Pois eu prefiro que você me diga.

— Dizer o que, meu amor? Desde hoje de manhã você anda estranha e eu não sei o que... — Ele parou de falar quando se lembrou da mensagem que recebeu mais cedo no seu celular. — Você viu? A mensagem, você viu, não é?

— É... Eu vi sim. — Disse chateada. — Eu não esperava isso de você, Izzy, depois de tanto tempo juntos! Eu confiei em você, pus minha mão no fogo por você e é isso que eu recebo? Chifres?

— Pamela, me deixa explicar o que aconteceu, não precisa ficar chateada com isso.

— Como não ficar chateada sabendo que o homem que eu amo me traiu? — Perguntou alterada. — E eu fiquei esperando, achando que uma hora você fosse me contar, mas nem isso você teve coragem de fazer!

— Vamos conversar e resolver isso, amor. — Pedia triste.

— Eu preciso de um tempo, sabe? Para poder pensar melhor sobre nós dois, ver se vai valer a pena ter essa conversa

— Não faz isso, Pamela. — Pediu se aproximando dela.

— Me dê um tempo, por favor. — Ela dizia se afastando dele.

Izzy ficou em silêncio e Pamela resolveu sair quarto antes de começar a chorar. Ela odiava chorar, ainda mais na frente de macho.

Ela andava às pressas pelos corredores, quando se esbarrou em alguém.

— Cuidado, morena. — Steven disse sorrindo.

— Desculpa. — Ela falou séria.

— O que houve? — Perguntou preocupado. — Você parece triste.

— Ah, não é nada, eu estou bem. — Deu de ombros.

— Tá legal. Eu vou assistir ao show o show do Bon Jovi hoje, quer ir comigo? — Perguntou e Pamela viu uma perfeita oportunidade para se vingar do noivo.

— Claro! — Sorriu. — Eu iria adorar assistir ao show com você.

— Então vamos!

Os dois entraram no elevador e saíram do hotel para ir ao local do show que era logo ali do lado.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...