História Rockstars Teens - Capítulo 50


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amizade, Amor, Comedia, High School, Musical, Romance
Visualizações 20
Palavras 3.690
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Saudações, pudinzinhos!
Não me matem por ter demorado rsrsrs : D
Sinto muitissimo <3
Não é nada com que vocês precisem se preocupar.
Mas sem mais delongas, fiquem com o capitulo de hoje!
Boa leitura.

Capítulo 50 - Enchantment


Dry's Flashback ON:

*3 anos atrás*

Vamos combinar que mudar de estado é uma merda pra qualquer um? Quer dizer, você passa praticamente a vida toda em um único lugar com os amigos mais legais que alguém poderia ter e não importa se você tem apenas 11 anos e ainda tem muitas pessoas e lugares pra conhecer, é tudo estranho.

O bairro, a escola, as pessoas, tudo!

E tudo piora quando se está entrando na pré-adolescência e seus pais resolvem vir com certas conversas.

E quando você do nada sente uma bizarra atração pelas meninas da cidade grande? Uma garota sequer podia sorrir pra mim ou me pedir uma caneta emprestado e eu já achava que ela “estava na minha”. Só depois percebi que as coisas não são bem assim...

Eu também resolvi que precisava de amigos, sei lá. Eu tinha amigos em Princeton, Nova Jersey, não tantos, mas eram os melhores. Foi mais ou menos por aí que conheci Greg e, mais tarde, o Ed..

Eu estava perdido em Matemática, as coisas eram bem mais avançadas naquele colégio. Nunca fui um expert em exatas, como o Nick, por exemplo, mas em Jersey conseguia aprender de boa a matéria. Eu devia estar com a maior cara de paisagem do mundo a ponto de alguém reparar.

???: Tá perdido? – um garoto ao meu lado, moreno de cabelos um tanto compridos, perguntou em sussurro, inicialmente não tinha entendido – A matéria, tá perdido nela? – assenti que sim – Imaginei. Você não viu isso na sua antiga escola, não é?

Dry: Não, não vi – respondi sem graça e balançando os ombros.

???: Bem, se quiser, eu posso dar uma ajudinha.

Fiquei pensativo por um tempo, mas resolvi que sim, que mal faria? Podia ser uma chance de tentar me enturmar com aquele ali, que pelo que observei, era bem popular, mas bem simpático, diferente de muitos “nariz em pé” que eu vira por ali.

Dry: É, se não for incomodo...

???: Relaxa, cara. Seria legal.

Dry: Então, tudo bem.

???: Ótimo! Aliás, eu sou o Greg Roberts. E você... É Adryano, não é?

Dry: É, mas... Prefiro só Dry.

Greg: Okay, então. Dry. Combina mais com você – comentou e rimos com isso

A partir dali, comecei a andar com aquele cara e foi muito bom. Até porque a Bella já estava a tentar se enturmar por ali, por que não tentar também? Tanto que um pouco depois, fiz amizade com um outro amigo do Greg, Edward Jones, ou Ed.

Mas como o foco aqui não é isso, vamos avançar um pouco. Para o ano seguinte.

Estávamos nós três conversando no corredor, encostados nos armários próximos ao meu.

Greg: Eu e Ed pensamos em entrar para o time de basquete.

Ed: Nunca pensou em entrar, Dry?

Dry: Não, pelo menos no momento... Sei lá. Mas quem sabe um dia.

Ed: Acho que você tem potencial, se resolver entrar iria se sair bem.

Dry: Valeu, cara – falei com uma leve risada.

Continuamos a conversar, porém, em um momento, minha atenção é desviada para trás dos meus amigos. Mais especificamente, umas garotas que andavam pelos corredores. Na verdade, nem andavam e sim desfilavam.

Os dois também olharam para elas após perceberem que eu estava distraído.

As garotas eram muito lindas. Tipo, tão bonitas, mas tão bonitas que pareciam umas daquelas veelas de “Harry Potter”. Aquela beleza que simplesmente se destacariam em qualquer lugar. Eram duas meninas, que pareciam irmãs ou algo assim de tão parecidas, ambas loiras de olhos azuis acinzentados, se vestiam de um jeito como se quisessem de fato se destacar na multidão. Mas uma em especial me chamou mais atenção. Parecia ser a mais velha ou pelo menos a mais madura.

Quando vimos, todos os garotos do corredor pararam para olhar as mesmas passarem.

Greg: Nossa... – suspirou.

Ed: Quem será que são elas? – Ed tirou as palavras da minha boca.

Ao passarem por nós, deram uma risadinha e a – aparentemente – mais velha delas, deu uma piscadela para um de nós.

Continuávamos a seguir o andar delas com os olhos, quando sinto algo batendo no meu braço e finalmente me fazendo voltar a realidade. E quando fui ver, era ninguém mais, ninguém menos que a minha irmã.

Dry: Que droga, Bella! O quê que há?! –cpergunto irritado.

Bella: Eu estou falando com você, cabeça de vento! – rebateu no mesmo tom – Mas esqueça! O que deu em vocês três, hein?! Estão tão estranhos... – nos olhou de cima a baixo desconfiada.

Dry, Greg, Ed: Nada!

Ao falarmos ao mesmo tempo, nos entreolhamos e Bella pareceu mais desconfiada.

Bella: Tá legal... – revirou os olhos e resolve não insistir, em seguida olhou diretamente para o Ed e suspirou – Oi, Ed...

Ed: Oi – sorriu simpaticamente.

Ela cora levemente e sai correndo. Vai entender as esquisitices da minha irmã perto do Ed.

Um pouco depois, estávamos na sala de aula quando o diretor, na época, pede licença para falar com o Prof. Rodrick, e em seguida entrou na sala acompanhada de duas garotas.

Diretor: Alunos, temos duas novas alunas conosco. Elas são Kate e Karrie Holister – ai então percebi que eram as meninas do corredor. E alguns cochicharam uns com os outros, pois supostamente aquelas duas eram filhas do corretor famoso Andrew Holister. E todos os garotos tornaram a olhar para elas – Espero que façam com que elas sejam bem-vindas. E espero que gostem do colégio – terminou a frase olhando para as garotas.

Kate e Karrie: Temos certeza que sim – falaram sorridentes.

Após me pegar ainda contemplando a beleza da mais velha. Tentei desviar o olhar, pois aquilo estava ficando esquisito, mas sou impedido quando ela olhou diretamente para mim. Deus, ela tinha olhos penetrantes... Daí ela sorriu de ladinho e deu uma piscadela para acabar ainda mais comigo.

Greg: Caras... Viram só aquilo? – falou meio que a suspirar.

Dry: Claro que sim...

Greg e Dry: Ela sorriu para mim... – falamos em uníssono e nos entreolhamos surpresos – É o que?!

E as garotas se sentaram em carteiras ao meio no outro lado da sala e já começaram a se entrosar com as outras meninas e alguns meninos ali.

Ed: De qual vocês estão falando? – perguntou com os olhos semicerrados.

Eu torcia mentalmente para Greg não falar a mesma que eu.

Greg e Dry: A mais velha – e mais uma vez nos entreolhamos espantados.

Ed: Eu sou do contra... Prefiro a de cabelo mais curto – se referiu à, aparentemente, mais nova das irmãs.

Eu e Greg estranhamos a preferência dele, pois a tal parecia ser a mais lesada e está a todo momento querendo imitar a mais velha, mas não dissemos nada sobre isso.

E só depois de um tempo, fui entender a paranoia da Bella em querer ter cabelo curto naquela época... E falando nela, ela de cara não gostou muito das garotas.

Dias depois, nós, os garotos, continuávamos a babar pelas meninas. Era algo tão involuntário e um tanto irritante. Eu fiquei até com receio por estar a fim da mesma menina que o Greg. Um dia então, eu estava pegando alguns materiais para a aula seguinte e sinto um leve cutucão no ombro e me viro pensando que fosse a Bella, talvez. Mas não. Era uma das garotas novas. Mais especificamente, a que me chamou mais atenção.

Kate: Olá – falou com um sorriso de lado.

Dry: O-oi – respondo meio sem graça – Você é... Karrie ou... ?

Kate: Kate! Eu sou a Kate, a Karrie tem o cabelo mais curto – respondeu dando um sorrisinho.

E ela estava me deixando estranhamente nervoso. Eu era tão idiota! Uma garota me deixar nervoso.

Kate: Você é o Dry, não é? – assenti, ainda nervoso, que sim – Ah, que nome legal e diferente.

Ri de leve com o comentário e cocei a nuca.

Dry: Valeu hahah...

Kate: Escuta, a verdade é que... – ela se aproximou ainda mais de mim – Te vi aqui e te achei bem bonitinho – me espanto quando ela fala isso e ela riu – Que foi? É verdade – e enrolou uma das mechas de cabelo na ponta dos dedos.

E ela fazia certos joguinhos pra me seduzir. Aquilo me deixava muito nervoso. Odiava aquela sensação. Mas era inevitável.

E ela continuou com aquilo por dois dias seguidos. Eu, Ed e Greg – e praticamente todos os meninos da escola – só sabíamos falar daquelas gêmeas.

Estávamos na mesa do Greg, Ed e os amigos, na época que eu andava mais com eles, observando as garotas conversando com outros alunos.

Ed: Essa blusa da Karrie é nova?

Greg: Acho que ela já usou essa antes. Mas acho que nunca com essa calça – observou e concordamos – E já viram esse vestido novo da Kate?

Dry: Pois é... Caiu tão bem nela – comento sorrindo que nem idiota.

Após mais uns segundos olhando, nos tocamos que estava ficando estranho e concordamos em parar por um tempinho.

Greg: Hey, tenho que dizer uma coisa... – eu e Ed perguntamos o que era – É que... A Kate falou comigo ontem... – falou coçando a nuca.

E senti algo estranho. Algo como... Ciúmes? Ora, mas que idiota! Não pode ser!

Dry: É mesmo?!

Greg: Sim... – falou coçando a nuca – Nossa... E ela realmente é muito gata.

E essa onda de ciúmes percorreu em mim por um bom tempo... Um longo tempo. Até me irritava muito.

Bella: Meninos! – minha irmã chegou atrapalhando a visão que estávamos tendo – Queria a ajudinha de vocês – fez uma carinha fofa.

Dry: O que foi agora?! – digo impaciente e revirando os olhos.

Bella: Quero tomar um minutinho da atenção de vocês pra me ajudar nesse abaixo-assinado. É para fazermos voltar o clube do livro – e o mostrou rapidamente para nós.

Greg: Quantos nomes já tem aí?

Ela pareceu receosa em responder, mas levantou lentamente o papel para vermos melhor e respondeu envergonhada.

Bella: Só dois... Da Emília Fields e da Louise Baker, mas elas topam qualquer coisa, então nem conta direito... – e realmente só tinha os nomes delas.

Ela sorriu como se implorasse por ajuda e topamos assinar. Quando chegou na vez do Ed, ela demorou um pouco para entregar-lhe a caneta e o fitou demoradamente.

Bella: Oi, Ed... – falou suspirando.

Ed: Oi... – sorriu de forma simpática novamente.

Eu e Greg nos entreolhamos – na época não entendíamos o porquê da Bella ficar assim perto do nosso amigo –, aí finjo uma tosse e ela desperta do transe e entrega a caneta rapidamente. Após Ed terminar de assinar, entrega para ela.

Bella: Valeu, meninos! – sorriu envergonhada e saiu correndo.

Ed: Dry, na boa, qual é a da sua irmã? – perguntou coçando a nuca.

Dry: Eu sei lá. Ela age assim desde que você foi lá em casa meses atrás – comento também curioso.

Ele apenas assentiu e pareceu pensativo.

Aí, tornamos a olhar para as gêmeas. Ambas sorriram e acenaram na nossa direção novamente e, mais uma vez, eu e Greg ficamos em duvida sobre pra qual de nós dois Kate olhava.

Dry: Hey, Greg, o que a Kate falou pra você? – deixo escapar a pergunta e me arrependo no mesmo instante.

Greg fez uma cara de garoto de 12 anos “apaixonado” – o que ele era mesmo – e respondeu.

Greg: Bem, ela chegou de repente e já me deixando sem reação. Me perguntei porque afinal ela tinha ido falar logo comigo... Ela falou umas coisinhas... E disse que e achou bem bonitinho – nisso a onda de ciúmes voltou – E cara, não sei como, mas essa menina me hipnotiza.

E voltou a olhar para ela.

Nesse momento, uma dúvida surgiu: “será que ela estava dando em cima de mim e do Greg ao mesmo tempo?” e senti uma certa raiva disso... Mas foi só bater o olho nela de novo que esqueci-me completamente.

E resolvi nem comentar com o Greg sobre minha suposição, pois talvez devesse ser coisa da minha cabeça.

Quer dizer, eu tinha a mais absoluta certeza de que era coisa da minha cabeça e que eu estava sendo infantil. Caso encerrado. Ou era o que eu pensava...

Mas... não é que ela (parecia) revezar esses joguinhos comigo e com o Greg pelo resto dos dias. E ficava com dúvidas e mais dúvidas. Aquilo irritava. Quer dizer, já tomei a decisão de que era coisa da minha cabeça... Aí as duvidas voltavam de novo... E também estava começando a me irritar o fato da Bella perceber algo estranho entre mim e a Kate.

Bella: Qual é a sua com a aquela ‘chatonilda’ da Holister número 1?! – perguntou sem mal me cumprimentar ao chegar aos nossos armários. Após eu fingir uma cara de dúvida, ela prosseguiu – Você fica todo bobão quando aquela ‘assanhadinha’ dá em cima de você! Você não percebeu que ela está dando em cima de você?! – falou muito irritada.

Dry: Er... Talvez – digo sem graça – Mas e daí?

Ela me olhou de forma indignada com as mãos na cintura.

Bella: “E daí” que eu me preocupo! Ela é cruel! Ambas são! Ela e a Holister número 2. Duas cascavéis com roupas de marcas tão chiques que nem eu sei pronunciar o nome, batons exagerados e cílios postiços enormes!

Dry: Você não está exagerando um pouco?

Ela fez outra cara de indignação.

Bella: Não, acredite... – sua expressão mudou para uma desanimada – Elas estão na mesma aula de História que eu... E não foram muito legais comigo...

Dry: Você tem certeza? – indaguei desconfiado.

Como assim aqueles rostinhos bonitos “não eram legais” ?

Bella: Claro que eu tenho! Elas não foram legais comigo e com boa parte da galera, não notou isso não?! – falou irritada e eu realmente nem tinha reparado. Aí depois parecia supor algo – Espera aí... De que lado você está?!

Dry: De nenhum, caramba! Só acho que está sendo um pouco precipitada, não?

Bella: Não! Eu não sou precipitada! Você que é um lesado que não percebeu que a Kate está dando em cima de você e do Greg AO MESMO TEMPO só porque ela quer beijar um de vocês! – falou rapidamente.

Caraca, eu já tinha esquecido daquilo, mas... Que história de querer beijar um de nós dois é essa?!

Eu comecei a rir sem acreditar.

Dry: Que?!

Bella: É! Adivinha, eu ouvi ela falando com a Karrie, a Sally e a Liz sobre uma aposta entre as gêmeas, pois elas querem saber quem perde o "BV" primeiro, aí a Kate meio que está fazendo jogo sujo, pois está dando em cima de dois garotos e ela estava tendo a ideia de também se chegar no Hugo Trainor, mas ela foi convencida pelas outras que já era exagero, e a Karrie... – ela bufou antes de continuar – A Karrie está dando em cima do MEU ED!!!

Dry: Tá, primeiro... “SEU” Ed ? – pergunto estranhando.

Ela corou violentamente e arregalou os olhos se dando conta do que disse.

Bella: É, er... O-o meu AMIGO Ed... O NOSSO amigo Ed... – tentava corrigir o que disse – Ah, o Ed, tá legal?!

Dry: Tá bom... Agora... Que papo de aposta é esse? Anda vendo o filme “Como Perder um Homem em 10 Dias” demais, é?! – ela estava prestes a falar mais alguma coisa, mas ouvimos o sinal tocar –Tenho que ir. Aula de Química – falo fechando meu armário e andando rapidamente, e ela não consegue dizer mais nada.

Eu estava tentando esquecer a suposição que eu tinha feito, mas aí veio Bella com a mesma que eu e ainda esse lance da aposta. Mas não, não, não. Ela não estava dando em cima de mim e do Greg ao mesmo tempo e muito menos tinha aposta alguma.

Mas por que Bella diria isso?

Ah, poderia ser pra chamar atenção. Ela adora um drama de vez em quando.

É, agora sim... Caso encerrado.

*No dia seguinte...

Kate: Oi, ‘Dydy’! – ela estava me chamando assim desde mais cedo.

Era irritante, mas eu mal conseguia me mexer quando ela passava por mim, muito menos dizer uma coisa que preste.

Dry: O-oi, Kate... – digo quase gaguejando.

Kate: Então, bonitinho... – ela chegou mais perto de mim pondo a mão no meu ombro – Porque será que você não tem nenhuma namorada?

Me espanto com a pergunta repentina, mas não me importei tanto e fui sincero.

Dry: Ah, sei lá. Eu não estou muito afim, pelo menos no momento – respondo balançando os ombros – De qualquer forma, não ligo muito pra essas coisas.

Eu via ela apenas assentindo com a cabeça. Aí depois ela começou a enrolar a ponta de uma das madeixas loiras.

Kate: Entendi... Ou você ainda não achou uma garota boa – ela ficou de frente para mim, muito perto. Tão perto que apostava que ela sentia minha respiração terrivelmente ofegante. E me hipnotizou novamente com aqueles olhos azuis acinzentados.

Dry: Caraca! Você tem olhos penetrantes... – deixo escapar e me arrependo no mesmo instante.

Ela apenas riu levemente e quando me dei conta, ela já havia me puxado pela jaqueta que eu usava e me beijou.

Como posse definir esse momento? Ah! Estranho. Porque eu achei bom – naquele momento –, ela é a maior gata e beijava bem. Só que ao mesmo tempo foi horrível. Era o meu primeiro beijo, não tinha a menor ideia do que eu estava fazendo.

Depois disso, eu jurava que ela estava na minha... Cara, que ingênuo eu era.

Só sei que ao procura-la no dia seguinte todo “apaixonado”, até que me deparo com a seguinte cena. Era em um outro corredor, estavam lá as gêmeas e suas amigas e tinha mais uma garota que não conseguia identificar quem era. Mas pareciam estar tendo alguma discussão.

Sally: Você não é grandinha pra ler essas bobagens de criança, garota?! – falou com um livro na mão em tom debochado.

???: Não são bobagens de criança! – a outra menina parecia irritada.

Karrie: São sim hahah. Menina, vê se cresce!

Liz: Ah, ela é assim mesmo desde que chegou na escola, toda esquisitinha e ainda se acha a maior descolada.

E as amigas riram debochando da outra menina, que a única coisa que pude ver dela era cachos dourados presos em duas tranças.

???: Me devolvam meus livros e me deixem em paz, se não...

Kate: “Se não” o que?! – Kate disse rindo em ironia.

Sally: Vai nos fazer dormir lendo Clarice Lispector?!

A loira cacheada bufou.

???: “Se não” vou chamar o meu irmão mais velho!!! – praticamente gritou e na mesma hora reconheci aquela voz terrivelmente esganiçada.

Sally e Liz riram mais ainda.

Liz: Que irmão mais velho?! Ele não é seu irmão de verdade, garota.

Gêmeas K: Como assim? – disseram confusas em uníssono.

Sally: Não sabiam?! Eles não são irmãos de verdade...

???: FICA QUIETA!!!

Liz: Ela é adotada!

As gêmeas riram em deboche.

Kate: Jura?! Bem, explica muita coisa... – falou dando de ombros.

Karrie: É, quer dizer ela é tão estranha... Em alguns anos vira problemática.

E nesse momento andei apressado em encontro à Bella e aquelas garotas.

Dry: Deixem ela em paz!

Kate: Oi, Dydy... – acreditem ou não, àquela cara de pau tentou me beijar.

Apenas me afastei dela e me mantive firme.

Dry: Não me chama assim, garota!

À essa altura, todos que passavam pelo corredor pararam pra ver o que estava rolando ali. Típico, não?

Dry: É melhor as pestes deixarem a minha irmã em paz ou... – apenas dei uma rápida risada cínica – Não vão querer saber o que pode acontecer.

Aí a Kate tentou mais uma vez um daqueles joguinhos pra me seduzir e piscando os olhos falou.

Kate: Ah, Dry... Você fica tão lindo irritado... – e se aproximou de mim aos poucos e – Não esquece do que rola entre a gente...

Eu ri de sarcasmo e disse:

Dry: Kate, não rola NADA entre a gente. Foi SÓ um beijo – falei firmemente e ela me olhou sem acreditar.

As amigas e a irmã dela riram baixinho e após manda-las ficarem quietas falou.

Kate: Está me rejeitando?! – perguntou revoltada e assenti que sim – Tem ideia de quantos garotos matariam pra ficar comigo?!

Dry: Eu tenho é pena deles, sabia?!

E alguns do corredor – entre eles a minha irmã – riram de Kate.

Kate: Está bem – disse perdedora, mas tentava manter sua postura autoritária – Não preciso de você. Tenho várias opções. Você é só um esquisitinho! E alias, obrigada por “me ajudar” a ganhar a aposta.

Ah, a tal aposta. E ela ainda fala com orgulho. Aff, que idiotice. E ela se foi com as garotas. Bella se aproximou de mim pegando no meu ombro.

Bella: Sinto muito por ela... Você merece coisa melhor – apenas assenti e falei que não ligaria pra isso.

Mesmo que eu tenha ficado chateado, afinal caí que nem patinho nos encantamentos daquela bruxinha de uma figa. Me senti um completo idiota. Um fraco por ter me deixado levar assim.

Dry: Relaxa, passou – apenas disse isso. Aí notei que ela ainda estava triste, por todo o lance do “ela é adotada” – Não liga pra elas, você é minha irmã sim.

Ela sorriu e me abraçou. Por um curto período, até eu mandar ela me largar. Sempre fui assim hahah.

Enfim, a história se espalhou – de forma distorcida, claro –  e meu grupo com o Ed e o Greg se desfez aos poucos. Ao descobrir que aquelas cobras conseguiriam. Fizeram todo um joguinho com os meus melhores amigos e eles acabaram namorando. Aí achei melhor me manter longe.

Dry's Flashback OFF:

***

Dry terminou de relatar quando já estávamos na encruzilhada das ruas das nossas casas.

Zoe: Ah, Dry. Isso foi horrível – peguei em seu ombro solidária.

Dry: Esquece, tá tudo bem... – foi interrompido pela irmã.

Bella: Não está, não! Você ainda continua com essa paranoia e generalizando as garotas que você tem interesse.

Dry: Não se mete, Bella. É assunto meu – falou na defensiva.

Bella: Mas não é justo! Nem com você nem com a Lice! Pois ela gosta de você e você dela – disse irritada – Mas o “senhor orgulho” se fecha para os sentimentos! Isso tem que acabar!

Aí os irmãos começaram outra das suas briguinhas. Novamente.

Nick: Ainda estou impressionado com o nível de crueldade das cascáveis de sombra – disse tipicamente e pondo as mãos no bolso.

E eu também estava pasma.

Isso explica muita coisa sobre o nosso Dry. Quer dizer, ele sempre teve esse jeitinho mais fechado e intenso, mas se intensificou com essa decepção.

CONTINUA NO PRÓXIMO CAPÍTULO>>>


Notas Finais


É isso por hoje, pudinzinhos!

[Me desculpem se teve muitos erros, é porque na hora de postar deu um bug e muitas partes foram deletadas, aí tive que reescrever muitas partes na pressa, mas em breve vou revisar e corrigir, okay?]

"Mal-feito, feito" e "Que a Força esteja com vocês"
Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...