História Roger - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Piece
Personagens Gol D. Roger
Tags Gold D Roger, One Piece, Roger
Visualizações 7
Palavras 2.016
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Fantasia, Luta, Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Yo Minna! Saudades :3
Não desisti! Vou continuar postando capítulos a medida que eu escrever! Quero terminar essa história! Se puderem me acompanhar :3 Peço perdão por não ser um autor que poste sempre, mas minha vida é uma loucura! Espero que curtam!

Capítulo 14 - Punho da Justiça


Nunca se escutou tantas sirenes tocarem ao mesmo tempo no East Blue. As bases da marinha responsáveis pela segurança das ilhas do mais pacato dos oceanos surtaram.

― Quantas chamadas! Eu não dou conta de atender a oito Den Den Mushis de uma vez ― reclamou um dos marinheiros frente a vários Den Den Mushis na sala de comunicação de uma das bases.

― Como construíram essa coisa gigantesca sem a permissão do governo? Não consigo entender ― comentou outro ao observar pela janela os paredões que cercavam a base.

― Denúncias estão apontando para Dorado. Isso é obra daquele maluco insano ― informou um jovem ruivo que estava tranquilamente encostado na parede da sala afiando sua espada.

― Tudo indica que sim, Momonga-sama. O responsável por isso é o Ibrahim, sem sombras de dúvida ― concordou o marinheiro. ― Você pretende intervir, Capitão?

― Não... Sengoku preferiu ir pessoalmente. Parece que o Garp foi até Dorado por conta própria e está desaparecido há alguns dias. Não consigo entender porque o Sengoku o defende tanto. Garp-san é muito impulsivo ― respondeu Momonga, demonstrando certa repulsa em relação ao comportamento do companheiro.

Dorado: Rayleigh e Garp VS Sebastian

― O que diabos causou esse abalo? Toda a base, tremulou ― Rayleigh questionou buscando resposta após a luta ser paralisada devido aos tremores.

“Será que Ibrahim acionou a tal Cerca que esse maluco mencionou mais cedo?”,questionou-se em silêncio o marinheiro.

― Doréréréré! Começou! ― celebrou Sebastian.

― Pelo jeito, vamos ter que adiantar as coisas aqui, Rayleigh-san. Ibrahim está meio apressado. Precisamos pegá-lo antes que ele faça outras besteiras ― disse Garp.

― Hehehe, eu também acredito que está na hora de pegar pesado. Porém, não se preocupe quanto ao Ibrahim, meu capitão já está tomando as medidas necessárias. Roger definitivamente vai chutar a bunda dele ― informou Rayleigh confiante.

Ao ouvir o nome de Roger, Garp demonstrou certa surpresa.

“Roger?! Será que...”

.

Entrada Principal da base subterrânea do Sebastian.

Enquanto isso, Shakky, utilizando um soldado de Rafi, adquiriu a senha de acesso ao controle do portão de entrada e o abriu. Um pouco assustada com os tremores de antes, aguardou ansiosamente para que o portão abrisse completamente.

― Esses tremores, isso não cheira bem ― comentou Makoo preocupado.

― Isso com certeza tem relação com o projeto que Ibrahim tem desenvolvido nos últimos três anos. Ele tem capturado escravos e piratas por todo o East Blue e os forçado a trabalhar em algo ― supôs um dos prisioneiros.

― Realmente, é verdade! Nós somos forçados a adquirir recursos minerais nessa base subterrânea e esses recursos são usados pelos escravos e piratas na construção de alguma coisa ― completou outro.

“Ele tem construído algo?”, pensou Shakky um pouco antes de seus olhos avistarem a parte externa da base. Era possível enxergar dali os paredões erguidos sobre o oceano.

― Mas o que diabos é isso?! ― perguntou assustada.

― Uma cerca...?! ― expressou Makoo meio confuso.

― Caraca, que paredão sinistro é isso? ― questionou a voz masculina que aproximava-se por detrás dos distraídos prisioneiros.

― Roger! Que bom que está bem! ― exclamou Shakky ao avistar o dono da voz. Correu e o abraçou firme. ― Onde está o Rayleigh-san? ― perguntou logo em seguida.

― Está lutando contra o Sebastian! E quanto ao Itaro? ― respondeu, para logo em seguida também realizar um questionamento.

― Ficou para trás lutando contra um outro oficial do Ibrahim.

― Dadas as circunstâncias, parece que temos apenas mais dois problemas pertinentes: Ibrahim e essa estrutura estranha que apareceu sobre o oceano ― concluiu Roger.

― Realmente, porém, precisamos buscar entender a situação antes de confrontá-lo diretamente ― aconselhou Shakky ao sentar no chão e segurar um pedaço de madeira que usou para fazer alguns riscos na areia. ― Muito bem, precisamos planejar uma rota de fuga, esses paredões com certeza já chamaram a atenção da marinha, é uma questão de tempo até eles aparecerem por aqui. E eles não são tão simpáticos com garotos que andam dizendo ser pirata por ai. ― Sorriu para Roger. ― O plano é o seguinte ― continuou ―, Makoo-san vai liderar os prisioneiros e recuperar o navio utilizado pelo Roger mais cedo na costa leste e leva-lo para a costa sul da ilha e deixa-lo preparado para zarpar a qualquer momento. ― Makoo acenou com a cabeça concordando. ― Enquanto isso, eu e o Roger vamos procurar uma forma de chegar até o Ibrahim. No caminho, preciso entrar em contato com Yumi, devo a ela desculpas e ela pode ser uma importante aliada ― concluiu Shakky. ― Alguém precisa ficar aqui para orientar Itaro e Rayleigh, eles devem estar próximos ao palácio, caso necessitemos de uma assistência urgente ― completou Shakky após lembrar-se.

― Yosh! Vamos lá então! Estou animado para chutar a bunda daquele Ibrahim ― expressou entusiasmado antes de com um impulso deixar de estar agachado.

― Roger, só quero que saiba de uma coisa antes ― pediu a morena.

― O que é, Shakky?

― O motivo pelo qual Ibrahim quer me capturar é que tenho em minha posse uma chave que dá acesso a uma Cúpula subterrânea, que abriga uma arma poderosa ― informou.

― Humm... Tudo bem, é só impedirmos que ele a tome de você. Quando eu chutar a bunda dele, isso não será mais um problema.

― Você não entendeu... Ibrahim quer essa chave mais que tudo. Não sei os métodos que ele pode utilizar para tentar consegui-la, mas quero que me prometa: se ele conseguir abrir aquela Cúpula, me prometa que destruirá completamente o que ela abriga? ― pediu Shakky com seriedade.

Roger a encarou por alguns segundos, para logo em seguida responder calmamente.

― Sim, prometo!

― Então vamos lá!

Escadarias de acesso ao andar inferior.

― Caaaaramba, acabei cochilando depois da luta. Tenho que aprender a armazenar mais energia enquanto utilizo aquela técnica. Dessa forma, o que deveria ser uma vantagem passa a ser justamente o contrário ― comentou consigo mesmo Itaro, enquanto subia as escadas apressadamente. ― Se não fosse aquele tremor, acho que estaria dormindo até agora Hehehe.

Sala Lateral do Andar Principal: Rayleigh e Garp VS Sebastian

Sebastian sem sua flauta passou a utilizar um triângulo para gerar suas ondas sonoras. Com toques repetitivos gerava pulsos sonoros em direção aos seus adversários. Rayleigh mantinha-se firme por estar usando tampões. Garp, no entanto, utilizando a técnica Soru, esquivava-se do alcance dos pulsos.

― Garp! Precisamos trabalhar juntos para nos aproximar! Consigo ler seus lábios, vamos manter contato ― solicitou Rayleigh.

― Ok! ― respondeu Garp.

― Doréréré! É inútil, não vou permitir que se aproximem. Se eu fosse você Garp, ficaria bem longe. Sua audição já deve estar bem debilitada. Não é qualquer um que suporta tantos danos internos como você sofreu hoje ― Sebastian aconselhou.

Garp chamou a atenção de Rayleigh para si e apenas movimentando os lábios comunicou:

“Meu soco é como um canhão. Só preciso acertá-lo uma vez!”

― Entendido! ― confirmou Rayleigh.

Sebastian produziu ao seu redor um campo sonoro. Sentou-se em posição de meditação e permaneceu em silêncio.

“O que ele está fazendo?!”, pensou Garp.

Após alguns segundos daquela forma, os olhos de Sebastian pareciam ainda mais insanos. Seu queixo longo foi tomado por um perverso sorriso.

― Preparem-se para conhecer o silêncio da morte! ― anunciou. ― Tudo vibra... as rochas, o metal, o sangue de vocês. Consigo receptar cada frequência com exatidão ― explicou.

― Do que está falando? ― questionou Rayleigh.

― Minha próxima técnica, vai sepultá-los por debaixo dos escombros dessa base ― informou. ― Kyomei (Ressonância) ― anunciou antes de expressar uma única nota com seu triângulo. O som emitido fez com que toda a estrutura da base começasse a balançar.

― Cuidado, Garp! ― alertou Rayleigh ao perceber que um pedaço do teto iria atingir o marinheiro.

Garp, contudo, conseguiu desviar-se.

― Doréréré. A frequência que eu emiti é a mesma frequência de vibração das moléculas que constituem o material abundante dessa sala. Nesse momento estamos mergulhados em uma elevada quantidade de energia que literalmente vai fazer essa construção ruir ― explicou sua técnica.

As paredes pouco a pouco começaram a degradar-se, o solo começou a ficar arenoso e as estruturas metálicas entortaram.

― Com as minhas habilidades, conseguirei sobreviver. Não digo o mesmo de vocês ― debochou enquanto com suas mãos tocava o instrumento que alimentava sonoramente a camada que o protegia.

― Garp, tenho um plano! ― o espadachim manifestou-se, e o marinheiro atento o escutou. ― Enquanto ele se protege daquela forma, ele está incapacitado de realizar um outro ataque. O plano dele é nos matar com os escombros. Mas eu não planejo ficar parado esperando a minha morte.

― Doréréréré. Bem pensado, espadachim. Mas diga-me, o que pode fazer pra salvar sua vida? ― ironizou.

― Garp, não sei se é possível, mas vou tentar cortar o som. Caso der certo, esteja preparado para entrar com tudo naquela camada de proteção e arrebentar com a cara dele ― pediu Rayleigh.

― Muito bem! Manda ver!

― É inútil! MORRAM LOGO DE UMA VEZ! ― Sebastian os amaldiçoou.

Rayleigh, por sua vez, concentrou-se. Colocou a espada de volta na bainha, mas não a retirou de sua mão. Encarou Sebastian e serenamente anunciou:

― Rakuen No Tobira ( A Porta do Paraíso).

Em um movimento muito rápido desenhou no ar com o corte da espada a figura de um retângulo, retraiu para si a espada e a impulsionou para frente, fazendo com que a ponta dela coincidisse com o centro da figura geométrica. O corte antes desferido foi lançado, produzindo um enorme ruído em direção a camada sonora de Sebastian, a danificando.

Assim que Garp percebeu que Rayleigh havia obtido sucesso, utilizou a técnica Kamisori e passou pela passagem aberta pelo ataque do espadachim. Segurou Sebastian pela gola de sua camisa branca com a mão esquerda e estendeu o punho direito para trás.

― Como eu disse ao Rayleigh, prepare-se... Meu soco é como um canhão! ― disse Garp antes de sorrir.

Os olhos de Sebastian arregalaram-se ao perceber que não teria como esquivar-se.

― Seigi No Ken (Punho da Justiça). ― Com o punho direito Garp acertou em cheio o centro do rosto de Sebastian. O soco foi tão forte a ponto de quebrar alguns de seus dentes e nariz e deixa-lo inconsciente.

Mesmo após Sebastian ser derrotado, a sala onde se encontravam continuou a deteriorar-se.

― Temos que dar o fora daqui Rayleigh ― Garp chamou a atenção do outro ao olhar para a estrutura.

Em algum lugar do oceano próximo a ilha de Dorado...

― Como esses paredões surgiram aqui, no meio do oceano? ― questionou um dos tripulantes do navio que velejava nas águas calmas daquela região do oceano.

O navio robusto de velas azuis carregava no topo de seu mastro uma bandeira pirata. Era o símbolo de Tai, o Gralha.

― Sem sombras de dúvidas, a origem dessa coisa é em Dorado. Aquele moleque do chapéu de palha... É para lá que ele foi! ― analisou o capitão, ao caminhar lentamente pelo convés com os braços cruzados.

― Quer dizer, que você acredita que o garoto está por trás disso, capitão? ― questionou Ogre curioso.

― Não seja idiota! Aquele garoto é só um imbecil que por sorte conseguiu escapar de mim uma vez. Ele não tem influência e inteligência o suficiente para estar por trás de algo desse tipo. O único homem capaz de levantar uma muralha em meio ao East Blue sem chamar a atenção da marinha, ou melhor, do Governo Mundial, é aquele rei pomposo de Dorado, o Ibrahim ― concluiu Tai.

― O que vamos fazer, capitão Tai? Vamos nos arriscar ir até lá, mesmo sabendo que a marinha possivelmente está se direcionando para lá nesse instante? ― perguntou Ogre.

― Não há dúvidas que sim! Toda velocidade em direção a Dorado!! ― ordenou. ― Aquele garoto me fez passar vergonha frente aos meus homens, e pelo meu código de honra, isso é imperdoável. Vou perfurar seu coração, Roger.


Notas Finais


É isso ai! Espero que tenham gostado! Comentem por favor :) Até o próximo galera!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...