1. Spirit Fanfics >
  2. Romanogers Oneshots >
  3. Trabalho com 5 idiotas (Parte II)

História Romanogers Oneshots - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Sim, eu sei que faz 2 meses que não atualizei essa fanfic, é que meu mundo ficou doido!

E como prometido mudei a parte final do capítulo que já tinha postado, espero que gostem!!

Obrigada pelos comentários e boa leitura!!

Capítulo 6 - Trabalho com 5 idiotas (Parte II)


Fanfic / Fanfiction Romanogers Oneshots - Capítulo 6 - Trabalho com 5 idiotas (Parte II)

Natasha Pov.

Passei a volta inteira sem dar uma palavra, a não ser que fosse extremamente necessária, como não podia andar muito fiquei sentada no canto com o pé apoiado em outra cadeira. Fiquei no canto mais distante do Quinjet, queria acalmar minha raiva e ficar com meus pensamentos, errantes ou não, só não queria ser incomodada, o que todos entenderam.

Depois de algumas horas, voltamos pra Shield, ajudei no que pude para mandar os reféns para fora da nave e depois sai de lá. Steve bem que tentou oferecer ajuda, mas, eu ainda estava com raiva e recusei com um rosnado. Sou orgulhosa e teimosa, um dia isso vai me quebrar.

Quando desci os degraus do Quinjet meu pé machucado já tinha o que tinha que dá e cedeu, o que fez cair lindamente com a bunda no chão. Era só o que me faltava hoje.

- Vamos, Nat - dizia Steve - Eu sei que você está com raiva e até entendo, mas, você não tem condições nenhuma de chegar até a ala médica, a menos que queira ir pulando num pé só. Deixa eu te ajudar, por favor - pediu com aquela cara de cachorro abandonado.

Dei um belo de um suspiro, nem Odin iria resistir a esse olhar dele, olha que eu tento. A contra gosto aceitei sua ajuda acenando com a cabeça em concordância. Ele gentilmente levantou-me no colo e foi andando comigo até a ala médica.

- Natasha, eu...

- Rogers, concordei em você me levar para a ala médica, não concordei em conversar com você - digo azeda.

É eu sei que estou sendo uma idiota, mas, essa sou eu. Quero sossego e paz, se possível longe de 4 marmanjos da minha equipe e 1 namorado muito persuasivo. Quando eu quiser falar com eles, eu falo, agora não!

Quando chegamos, fui atendida pelos médicos que logo fizeram uma bateria de exames, eu tinha duas costelas trincadas e pé quebrado, o que levaria algumas semanas para voltar ao normal. Esse é meu castigo por trabalhar com 5 idiotas. Fui liberada depois de várias horas, queriam que eu ficasse em observação, mas, recusei, já vou ficar de molho por um bom tempo, não quero ficar trancafiada num quarto de hospital.

Saí do quarto com o tronco enfaixado, mas, coberto por uma camisa grande que eu tinha na bolsa, e uma bota de gesso. Quando sai, vi todos Clint e Steve sentados em frente à sala, a minha espera. Tentei passar por despercebida, mas, eles já tinham notado minha presença e já estavam de pé assim que passei por eles.

- Vamos Nat, deixe seu orgulho de lado. Eu quero te ajudar! - dizia Steve.

- Tasha, não seja teimosa, sentimos muito pelo que aconteceu - dizia Clint.

- Obrigada, Rogers e Barton! Mas, eu sei me cuidar muito bem! - digo teimosamente indo até os elevadores - Eu conheço meus limites, acreditem! Já vou ficar de molho por um bom tempo, não quero ter que ficar dependendo de ninguém por esse tempo!

- Natasha, por favor, somos seus amigos! - dizia Clint.

- Isso não é ficar dependente dos outros, isso é ser auxiliado pelos outros - diz Steve já perdendo a paciência - Somos amigos com Clint disse, companheiros de equipe, temos que ajudar uns aos outros...

- Engraçado que eu vi muito da ajuda de vocês na nossa última missão - rebati sarcasticamente - Ajudaram tanto que estou agora de licença por 2 meses. Então não estou no clima para papo furado - digo entrando no elevador e sumindo da vistas deles.

Passei boa parte do tempo na Torre, pois não podia dirigir e nem fazer nada, e Tony não me deixava sair sem acompanhamento, então de teimosa que eu sou, só saia do quarto no extremo necessário. Pareço criança birrenta, mas, minha psicologia hoje em dia está no nível de 5 anos.

- Vamos, Natasha - dizia Clint do outro lado da porta - Você não pode passar a sua vida inteira nesse quarto.

- Não me desafie, Barton - rebato calmamente continuando a ler o livro.

- Vamos, Nat! Realmente sentimos muito - dizia Steve.

- Diga isso para minha perna e para minhas costelas, talvez elas possam conversar com vocês - digo calmamente.

- Peraí, Romanoff - dizia Bruce - Sei que fizemos burrada, das grandes, aliás, mas, estamos pedindo desculpas, será possível você nos atender?

- Vou anotar seu pedido na minha agenda, se eu tiver um tempo, talvez eu possa atendê-lo.

- Vamos, Lady Natasha - dizia Thor - Deixa eu conversar com você antes de voltar pra Asgard. Não quero ir com minha querida amiga aranha chateada.

- Pode ir, Thor! Você está perdoado! - digo com sinceridade.

- Sério Romanoff - dizia um Tony exasperado - Você perdoa o cachinhos dourados, mas, a nós não!

- Ele pediu com gentileza, Stark - rebato - Vocês estão quase arrombando minha porta com suas vozes. Então se fizerem o favor de saírem daqui eu agradeço e muito!

- Ah se você não abrir essa porta e não falar comigo, vou ficar aqui - dizia Steve - Até você abrir essa porta!

- Eu também! - dizia Clint.

Escutei quatro baques surdos, que provavelmente Tony, Bruce, Clint e Steve sentando em frente à porta.

- Sério pessoal, só quero um momento só - digo relutante.

- Você passou esse mês quase todo sem falar conosco - rebatia Clint - Eu não vou desistir nem tão cedo, até você abrir essa porta!

- Bem vocês quem sabem! Boa noite então! - digo fechando o livro, desligando a luz e indo dormir.

Bem que eu tentei dormir, mas, minha consciência não me deixou dormir tranqüila até o amanhecer, pensando em 4 idiotas que ficaram no corredor. Sim eles ficaram, eu pedi a Jarvis que me mostrasse o lado de fora da minha porta, Thor já deve ter ido pro seu mundo e os outros estavam amontoados ao redor da porta, numa posição nada confortável.

Fiquei na minha cama, discutindo comigo mesmo se devia abrir a porta ou não. Sei que erraram e erraram feio, mas, não poderiam passar a noite aqui sem que amanhã acordassem com dores nas costas ou um belo de torcicolo. Odin, por que eu tenho que amar tanto esses idiotas?!

Suspirando pesadamente, levantei da cama e fui até a porta e abri, a cena que se seguiu me fez rir. Os 4 estavam tão amontoados na porta que quando a abri, eles caíram de costas no chão. Não sei o que os acordou, ou foi a queda ou minha risada, sei que vi 4 pares de olhos inquisitores pousados em minha pessoa.

Quando se deram conta que a porta estava aberta, levantaram-se num pulo e começaram a pedir desculpas e perdão por várias maneiras e vários jeitos. Eu juro que queria manter minha cara de séria, mas, estava muito engraçado e acabei rindo sem querer.

- Sério, Romanoff?! Estamos aqui pedindo mil desculpas e tudo o que você faz é debochar de nós? - perguntava Bruce.

- Desculpe, Bruce! - digo tentando esconder a risada - Mas, é que vocês estão engraçados pedindo assim - digo ainda rindo.

- Ah quer saber, pra mim já deu - diz Tony virando as costas e indo embora.

- Pra mim também - diz Bruce indo junto.

- Tasha, isso já é palhaçada! - dizia Clint ficando com raiva - Pedimos desculpas e tudo que você faz é rir. Então não nos leva a sério. Quando você tiver vontade, fala com a gente - e foi embora.

Olhei para Steve procurando apoio, mas, via uma expressão de desapontamento em seus olhos.

- Eu não queria rir de vocês, juro - digo com sinceridade.

- Mas, riu - rebateu Steve - E isso não teve a menor graça. Já que nossas tentativas são tão insignificantes para você, vamos sair do seu caminho - disse e foi embora também.

Jura?! De vítima passei a ser vilã nessa história. Sei que fiz mal em testá-los e provocá-los, mas, não tive intenção de humilhar. Afinal, eles são meus amigos, acima de tudo, bem Steve nem tanto, mas, essa parte é melhor deixar pra lá. Agora como vou dormir com a consciência mais pesada que antes.

Narrador Pov.

Vomir 2014.

- Natasha não! - implorava Clint a beira do penhasco preso as cordas, percebendo o que a amiga iria fazer - Por favor, não - implorava com lágrimas nos olhos.

- Desculpe Clint! Mas, é preciso - dizia Natasha confiante mesmo com lágrimas em seus rosto - Diga aqueles 4 idiotas que eu os amo.

- Por favor, Nat! Deixe eu ir - pedia Clint.

- Desculpe cérebro de passarinho, mas quem manda sou eu!  - brinca Natasha - Eu estou tranqüila! Tudo bem! Diga ao Rogers que eu o amo - disse antes de dá um impulso na parede do penhasco e se soltar da mão de Clint.

- O que? Não - gritava Clint desesperado vendo sua amiga cair para a morte.

Houve um clarão e o mundo de Clint ficou preto, quando abriu os olhos estava em uma poça d'água bem perto de onde ele e Natasha haviam pousado a nave. Algo pesava em sua mão, quando ele abriu viu uma pedra brilhante.

- Nat - disse em frangalhos.

Complexo dos Vingadores 2023

- Finalmente - disse Tony quando todos chegaram - Parecia que essa viagem não ia terminar nunca.

- Vamos lá Stark, não foi tão ruim assim - disse Bruce/Hulk convencido - Pelo menos você conseguiu a pedra.

- E você acha que eu não iria conseguir cabeça de brócolis? Aí você ofende minha capacidade intelectual - brinca Tony fingindo estar chateado - Claro que precisei da ajuda do picolé aqui.

- Ei, deixe-me fora dessa - exclamou Steve.

A brincadeira rola solta entre a equipe, mas, apenas um membro da equipe parecia estar fora do corpo naquele momento. Não havia cor em seus olhos e nem emoção, parecia estar vazio. Tentava a todo custo não cair na plataforma de tanta dor que estava sentido. Foi quando Bruce/Hulk notou sua presença e a falta de alguém ao seu lado que a equipe tomou consciência que havia algo de errado.

 - Clint, cadê a Nat? - perguntou Bruce/Hulk.

Clint então levantou o olhar e todos souberam o que havia acontecido. Não precisavam de explicação de nada, só o olhar atormentado e as lágrimas no rosto do colega de equipe bastou para saber que haviam perdido a companheira de equipe.

- Não! - disse Steve com um olhar tão perdido quanto o de Clint.

- Legolas, isso é mentira não é? - perguntava Tony controlando suas emoções - Natasha está vindo. Estou certo? Por favor! Diga-me que isso é mentira!

- Lorde Natasha não pode nos deixar, o que faremos sem ela? - gemia Thor - Ela está bem, daqui a pouco ela volta!

- Vamos esperar! Talvez ela tenha se perdido no reino quântico e estará de volta daqui a alguns segundos - disse Bruce/Hulk.

Seria cômico, se não fosse trágico. Clint poderia até ver Natasha chutando a bunda daqueles 4 idiotas para que acordassem. Quando se lembrou da amiga uma dor avassaladora passou pelo seu corpo e ele tinha que sair daquela máquina o mais rápido possível, antes que matasse alguém ali.

- Ela disse que ama vocês antes de pular para a morte - disse Clint cortando a conversa - Eu preciso respirar! Tome essa pedra  idiota- disse entregando a pedra para Tony e saindo correndo da máquina.

Thor Pov.

“Ele é meu irmão” – Thor.

“Ele matou 80 pessoas em 2 dias” – Natasha Romanoff.

“Ele é adotado” – Thor.

Minha pequena lady aranha, não posso acreditar que você se foi. Por favor, não! Eu não suporto mais perde amigos nessa batalha sem fim. Não você, você é nosso forte, nossa coluna de sustentação nessa equipe de loucos. Mesmo pequena você era a mais forte e mais valente de todos. Eu tenho que acordar desse pesadelo, alguém me ajude.

Bruce/Hulk Pov.

"Eu odeio minha vida" - Bruce.

"Vamos lá verdão, só porque você não conseguiu me vencer no Mortal Kombat não quer dizer que seja ruim, talvez péssimo" - Natasha Romanoff.

"Você não está ajudando, Romanoff" - Bruce.

Minha pequena Natasha, por favor, volte! Eu não sei o que será de nós sem você. Podemos parecer que não lhe damos o devido valor, mas, você é nosso alicerce, nossa muralha, quando as coisas vão mal. Você está lá para todos. Odeio aqueles que dizem que você não tem coração, você tem e é o maior e melhor de todos. Por favor, volte! Eu não tenho certeza se isso vai dá certo sem você ao nosso lado. Essa sua cabecinha vermelha funciona melhor que qualquer máquina que já criamos. Pela minha sanidade, volte!

Tony Pov.

"Deixa ver se eu entendi, você acabou de concordar comigo?" - Tony Stark.

"Eu posso retirar o que disse" - Natasha Romanoff.

"Não! Não pode, não!" - Tony Stark.

Vermelhinho, aranha mor, cabelo de fogo... Minha querida amiga Natasha. Nunca nesses anos todos que nos conhecemos eu me referi a você como amiga, agora do fundo do meu coração me arrependo do fundo da alma de não ter dito o quanto você é valiosa não só na equipe como na minha vida. Você sempre chuta minha bunda, discute comigo, manda-me para lugares nada agradáveis e até já me bateu certas vezes, mas, eu sei que no fundo era para o meu bem, para que eu acordasse e levantasse a cabeça. Você tinha um dom que poucos têm que era manter a equipe unida e forte, era nosso elo quando estávamos fracos e separados, era nossa cola quando estávamos quebrados. Onde você estiver quero que saiba o quanto valiosa era sua amizade.

Steve Pov.

"Vou precisar de uma carona" - Natasha Romanoff.

"Tem certeza disso?" - Steve.

"É! Vai ser divertido!" - Natasha Romanoff.

Preciso respirar antes que eu enlouqueça. Isso só pode ser mentira, não posso crer no que está acontecendo, estou num pesadelo, preciso acordar rápido. Ela não pode ter ido, não isso é injusto, Natasha tem que estar bem e viva. A idéia de perdê-la por uma pedra idiota é muito para assimilar, na realidade a idéia de sua morte é impossível de assimilar, eu não consigo pensar direito, minha mente viaja em várias imagens nossas desde nosso primeiro encontro até quando ela disse "Vejo você em um minuto". Nossos momentos loucos com os vingadores e nossos momentos de amor dentro e fora do nosso quarto. Sim, eu amo Natasha Romanoff e sua estranha maneira de chutar minha bunda quando bem entende. Isso me mata, porque eu nunca disse a ela que de fato eu a amava, fiquei com receio que ela fugisse no minuto seguinte que eu declarasse meu amor. É eu sou um idiota e um covarde, pode me xingar a vontade. Eu Capitão América, enfrentei os piores vilões do mundo, mas não fui capaz de dizer a mulher da minha vida que a amava. Agora nem sei mais o que fazer. Esse mundo já perdeu totalmente a cor que restava nele.

Narrador Pov.

A equipe estava em torno de Tony e de Hulk, os quais estavam organizando a manopla para ativar as pedras. A tristeza ainda estava presente no semblante de todos na sala, mas, eles tinham que fazer isso, tinham que fazer valer o sacrifício da companheira de equipe. Não poderiam deixá-la morrer em vão. Quando Hulk colocou a manopla e se preparou para estalar os dedos, cada um foi em busca de proteção, então ele ativou as pedras.

No começo ninguém entendeu nada, parecia como era antes, então o telefone de Clint começou a tocar e as máquinas da sala começaram a pipocar com várias notícias de que algumas pessoas que foram reduzidas a pó começaram a voltar do nada, como num estalar de dedos.

Estavam tão eufóricos que mal escutaram um movimento na sala onde a máquina do tempo estava, só quando tiros foram escutados que todos tomaram um susto e correram para saber o que acontecia.

- Olhe aqui sua Avatar ambulante, fique longe dessa máquina, ou eu juro que estouro seus miolos - dizia uma voz muito conhecida.

Natasha Pov.

Eu não sei o que aconteceu comigo, num minuto eu estava na pedra vendo todos os meus amigos sofrerem pela minha morte, vou te contar foi uma das coisas mais difíceis que eu já presenciei na vida, eu amo esses 5 idiotas mais que minha própria vida, e no outro estou em pé na máquina do tempo onde horas antes viajei no tempo com Clint. Primeira coisa que eu vi foi Nebulosa mexendo na máquina, mas, meu instinto disse que não era a Nebulosa que conhecíamos que tinha nos ajudado a caçar o Thanos, era uma Nebulosa totalmente diferente. Aí daquele que não agradas meus instintos, está pedindo para ser mandado para o cemitério.

- O que pensa que está fazendo? - perguntei atraindo sua atenção.

- Ah, eu só estava verificando a máquina - Nebulosa disse sem me olhar nos olhos, aquilo aguçou ainda mais minha curiosidade.

- Vou perguntar mais uma vez, o que pensa que está fazendo? - perguntei me aproximando mais ainda dela.

- Verificando se a máquina está tudo bem - Nebulosa disse - Porque é proibido?

- Se é proibido eu não sei, mas, que se você não é o Tony ou o Bruce, é melhor se afastar dessa máquina - digo séria levantando a arma.

- Você não manda em mim, sua terráquea maldita - disse Nebulosa tirando uma arma não sei de onde, mas, antes que ela começasse a atirar, fui mais rápida e atirei em sua mão desarmando-a.

- Olhe aqui sua Avatar ambulante, fique longe dessa máquina, ou eu juro que estouro seus miolos - digo apontando a arma para a cabeça dela.

Então eu sinto a presença de mais pessoas na sala e vejo o resto da equipe ali parados. Ah como eu senti falta desses idiotas.

- Mal saio por alguns minutos e vocês arranjam confusão - brinco emocionada. 


Notas Finais


Quem sabe eu faço a parte III, mas, essa vai demorar só um pouco. Irei atualizar as outras fanfic's assim que meu cerébro sair do branco criativo. Espero que tenham gostado!!
Acima de tudo se cuidem e fiquem bem. Beijos!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...