História Rome In 365 Days - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Il Volo
Personagens Gianluca Ginoble, Ignazio Boschetto, Personagens Originais, Piero Barone
Tags Gianlucaginoble, Ignazioboschetto, Ilvolo, Pierobarone, Roma, Romance
Visualizações 16
Palavras 1.874
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoinhas,reescrevi o segundo capítulo porque achei o outro ruim,espero que gostem desse e eu queria saber uma coisinha...
Vocês preferem que eu coloque uma foto de como eu imaginei a Alissa ou preferem imaginá-la por conta própria? 🤔🤔Eu sempre me pergunto sobre isso,sabe? Já que eu sempre descrevo um personagem de um jeito e o povo me diz. ''Nossa,eu imaginei tal personagem de forma diferente!' então...é isso.
Espero que gostem do capítulo!😊😊

Capítulo 2 - Buongiorno,Itália!


Fanfic / Fanfiction Rome In 365 Days - Capítulo 2 - Buongiorno,Itália!

Capítulo 2

''Buongiorno,Itália!"

ALISSA'S Point Of View

Ás 17 h 30 minutos cheguei no aeroporto Internacional de Roma,durante toda a viagem  fiquei acordada,parte dela eu estava conversando com Dante que foi vencido pelo sono e adormeceu três horas depois de termos saído de NY,eu o acordei assim que a aeromoça avisou que faltava pouquíssimo para finalmente aterrissarmos ,descemos juntos na plataforma de desembarque e pegamos as malas caminhando em direção ao aglomerado de pessoas aguardando seu familiares ou amigos saírem do voo. Dante me explicou algumas coisas antes de seguir seu caminho,infelizmente não teria como continuarmos nossa travessia juntos conversando pois ele pegaria um trem em direção a Siena,na Toscana,mas antes ele me ajudou com a localidade do meu alojamento,de acordo com suas explicações,ele era relativamente perto do centro histórico,o que facilitaria um pouco a minha vida,também me explicou onde pegar o táxi,já que para mim,todas as saídas eram parecidas demais.

- Bem ali você encontra os táxis,espero que pegue um motorista educado,os romanos costumam ser um pouco estressados.Foi um prazer conhecê-la,Alissa,espero que podemos nos esbarrar novamente! - ele sorri,nos abraçamos brevemente,como se fossemos amigos de longa data.

- Obrigada pela conversa e pelas informações,também adorei conhecê-lo,Dante! - acenamos e assim nos separávamos,ajeito as alças de minha mochila no ombro,ego minhas malas e sigo na direção indicada pelo moreno,paro lembrando que não pedi o número do telefone dele. Bato internamente minha mão na testa.

Que ótimo,Alissa,lá se foi sua primeira amizade pegando um trem para a Toscana,vocês nunca mais irão se ver! 

Suspiro e sigo em diante,já que Dante já deve estar dentro de um trem mesmo,levo alguns minutos até atravessar o aglomerado de gente,algumas esbarram em mim,outras desviam,sorte a minha ter nascido e crescido em NY,lá o metrô é desse jeitinho,levemente,ou muito,isso depende do seu ponto de vista,tumultuado. Chego viva do lado de fora do aeroporto,minha missão agora é encontrar um carro vago,tropeço um pouco nos mus sapatos,coisa normal de mim mesma,enquanto caminho pela calçada até avistar um senhor grisalho fumando encostado num carro,tinha cara de ser um bom motorista,ignorei o cheiro de nicotina enquanto me aproximava moldando em minha cabeça o que iria falar,eu costumava assistir a vídeos de entrevista na língua,ouvia música mas de qualquer forma sempre dizem que escutar um nativo falando é complicado,as vezes não entendemos.

Seu nome é Giuseppe,um senhor de cabelos grisalhos,talvez uns centímetros mais baixo que eu,tem uma cara séria e fala pelos cotovelos,foi isso que descobri quando entrei em seu táxi,entreguei o papel com o endereço do alojamento,ele disse a mesma cois e a que Dante,o lugar é relativamente próximo do centro histórico e é claro que teve aquela conversa que basicamente foi: ''De onde você vem?" e ''Veio fazer o que por aqui?Passeio?",conversamos sobre filhos,ele tem três filhas e uma delas tem a minha idade,ele me perguntou como fiz para meus pais me deixarem vir para outro país sozinha,dirigimos durante trinta minutos até chegarmos até o local.Um prédio não tão alto de aparência antiga,senhor Giuseppe abre minha porta e estende a mão me ajudando a sair do carro,sorrindo,ele abre o porta-malas tirando as malas,suspiro olhando para lugar,como se dona nada eu adquiri-se a visão de raio-x do Superman para enxergar o interior do lugar.Abro minha bolsa para pegar o dinheiro convertido.

- Quanto ficou,senhor? - pergunto me virando para o taxista,ele terminava de fechar o porta-malas,ajeita o boina em sua cabeça e nega.

- Nada,criança,não vou ser o primeiro a extorquir seu dinheiro aqui.- hesito um pouco antes de guardar de volta a quarteira.- É esse o lugar onde irá ficar?

- Sim,de acordo com o e-mail,é sim e tem certeza de que não preciso...-tento pagar pela corrida mas ele novamente balança sua cabeça negando.

- Não,menina,já disse,não vou extorquir você. Quer ajuda para levar as malas?

- Não se preocupe,já ajudou bastante,senhor,obrigada mesmo! - coloco a mochila nas costas,pego minhas malas sorrindo.Não faço ideia de quanto ficaria a corrida mas tenho certeza que esse dinheiro que me foi poupado faria a diferença durante essa semana de adaptação,ele segurou a ponta da boina e inclinou a cabeça dando a volta até o lado do motorista.- Ah,desculpe mas será que poderia me dar um cartão,é que...não quero ficar perdida por aqui e é legal ter uma pessoa para...bom.- ele me olha sorrindo,parecia até meu avô quando estava vivo,o sorriso sempre era gentil por mais que sua cara fosse de sério.

Ele entrou no carro e saiu vindo até mim,me estendeu um pequeno cartão branco,o pego olhando o número escrito ali,viro o cartãozinho encontrando seu nome.'Giuseppe Fronte',sorrio.

- Obrigada.

-  Prego,criança! As vezes não atendo o celular mas minha esposa sim,então,pode falar com ela,o nome é Laura,ela me avisa e irei encontra-lá.Espero que fique bem,menina! - eu aperto sua mão sorrindo,verdadeiramente contente de ele não ser um maníaco ou um daqueles taxista tarados,digamos que tive péssima experiência com taxistas em NY,eles não costumam ser tão gentis assim.

Aceno quando ele entra dentro do carro partindo,olho para o cartão e o guardo em minha carteira para não perdê-lo,pego as malas e entro no prédio,e a aparência antiga não fica somente do lado de fora,por dentro era exatamente assim porém não tem cheiro de local velho, antes de confirmar minha documentação para ingressar a universidade,eu informei que ficaria em um loft apartment não muito longe da Uni,eu queria ter privacidade e além de que ter um loft seria bom,um teste drive antes de começar a me planejar para viver sozinha.Antes de minha chegada eu havia conversado com a senhoria,ela informou que o lugar estava em bom estado e que alugava para intercambistas de todas as partes do mundo,a encontrei assim que coloquei os pés dentro do lugar,ela saiu de uma das portas á direita do lugar.A senhora Zanotti,é tremendamente esquisito chama-lá de senhora levando em consideração sua aparência que é conservada para alguém de quase cinquenta anos,ela me ajudou a subir as malas pelas escadas em caracol,conversamos sobre como ficaria meu aluguel,que não era caro comparado aos outros lugares que Kat e eu buscamos na internet,eu o quitaria semestralmente,achei ótimo,achei perfeito e isso não pegaria tanto em meu bolso e muito menos dos meus pais. Não havia elevador por conta do prédio ser antigo,as escadas era o único meio de chegar ao andar onde eu ficaria,ela tirou de seu bolso um molho de chave e retirou uma delas,girou-a na maçaneta e empurrou a porta dupla do lado esquerdo do corredor.O prédio parecia pequeno apenas do lado de fora,aqui é imenso!

- Aqui está! - ela disse me deixando entrar primeiro,era um lugar grande,grande demais apenas para mim.- Está mobiliado e decorado mas se quiser mudar a cor das paredes ou algum móvel me avise antes ,conheço um lugar de decoração que os preços são ótimos.- ela continua enquanto anda pelo lugar,a sigo deixando minhas malas em um canto,seguimos para trás de um balcão.- Aqui é a cozinha,tem utensílios nela e eu reformei recentemente essa área,era aqui que ficava o fogão,troquei por algo mais moderno,ele ficará aqui no balcão e o forno fica bem aqui!

Um forno embutido,um fogão também embutido na mármore do balcão,quatro cadeiras altas próximas ao balcão,uma geladeira que parecia com a que tenho em casa,a pia ficava  de frente para o balcão do outro lado da cozinha,armário nas paredes numa altura mediada.A senhora Zanotti é baixinha,acho que é por isso.

- Tudo está bem novo! - digo olhando cada detalhe da cozinha.- É perfeita!

- Que bom que gostou,venha ver o restante! - ela me conduz pela sala,não há tapetes do local,de acordo com ela,eu poderia colocar se eu assim quisesse mas acho que sem é melhor,assim não fico respirando feito louca,há um sofá média no centro da sala,uma mesinha delicada e pequena de centro,uma televisão  pequena,passando pela sala,dava para ver em claramente a cozinha, ela empurra a porta dupla de madeira escura e lá se encontra um quarto,há uma cama de casal,com um lençol branco,travesseiros da mesma cor,um guarda-roupas de madeira escura e de aparência antiga,uma cômoda pequena  e uma escrivaninha de frente para a janela com cortinas brancas também.- Esse é o quarto,os móveis são reformados,a cama é de casal pois...sei como vocês adolescentes são com visitas.

Pisco um pouco atônita,levemente envergonhada mas apenas balanço a cabeça,saímos do quarto e ela me mostra uma outra porta,era o banheiro,ele era bem claro,uma pia pequena,um negócio estranho ao lado do vaso sanitário.Não sei que diabos é isso e também não perguntei,há uma banheira de granito branca,chuveiro,cortinas transparentes no box.Há um pequeno armário abaixo da pia e lá se encontra toalhas,essas ela me diz que as colocou ontem,quando recebeu minha confirmação,assim como os lençóis limpos,fronhas e panos de prato. Tudo parecia perfeito e em ótimo estado.

- Bom,é isso,não é muito mas espero que fique confortável durante seu ano por aqui! - ela diz sorrindo,a mulher não tinha nem ao menos uma ruga em seu rosto,quero pergunta-lá sobre a fonte da juventude mas apenas agradeço pela gentileza.

- Obrigada,senhora Zanotti,o lugar é perfeito,ficarei a vontade por aqui.- ela sorri ainda mais,não vejo nada de rugas.Essa mulher não tem quase cinquenta,não mesmo! A acompanho até a porta,ela me entrega a chave do lugar e do prédio,eles trancam a porta lá embaixo,me pergunta se gostaria de jantar mas eu recuso,estou para lá de cansada e so quero tomar um banho,vestir uma blusa larga e dormir até minha bateria estar carregada,a agradeço mais uma vez e fecho a porta do meu loft. Teria que me acostumar a chamar o loft de meu loft.

...

Acordei pela manhã com o despertador do meu celular avisando que o dia havia começado,eram seis da manhã,eu tinha que arrumar minhas coisas e dar minha primeira passeada pela cidade histórica,pulei da cama,que é bem confortável,inclusive,em meus pijamas habituais,não havia tirada nada da mala sem ser ele,andei até o banheiro,lavei o rosto,escovei os dentes e penteei meus cabelos. Organizei minhas coisas no guarda-roupas,na cômoda pequena que coube minhas calcinhas,meus sutiãs.minhas regatas e minhas saias sem problema algum,deixei as roupas mais 'pesadas' no nas gavetas do guarda-roupas,não consegui as dobrar como minha mãe mas pelo menos nada ficou tumultuado ou embolado ali dentro.Mamãe ficaria orgulhosa!

Coloquei meu próprio lençol na cama antes de dormir,apenas um costume que peguei de meu pai,coloquei fronhas minhas,sentindo o cheiro da minha casa,tirei as fotos que havia trago na mochila e as coloquei no criado-mudo e na cômoda,deixei meus livros na escrivaninha de frente para a janela,tirei meu macbook da mochila também,o pluguei na tomada verificando a voltagem,tudo certinho já que havia trago adaptadores. Vasculho a mochila para tirar o restante das coisas e encontro o Cd que Kat colocou.Sorrio e o deixo na escrivaninha,coloco as malas em cima do guarda-roupas e saio do guardo carregando comigo minha pequena e única bolsa de passeio,apenas pra colocar minha carteira,celular e a câmera que trouxe comigo. Pego as chaves do loft,do prédio e as coloco no meu chaveiro,a chave também da minha casa em Nova York estava ali,calço meus tênis e dou uma última olhada no apartamento. Ok,tudo certo,saio descendo as escadas,abro a porta saindo e respirando profundamente.

Buongiorno,Itália! - digo começando a andar,pego a câmera dentro da bolsa,apenas para tirar as fotos para o meu álbum,as aulas começam daqui há alguns dias,eu teria bastante tempo para conhecer um pouquinho de Roma.


Notas Finais


Baci😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...