1. Spirit Fanfics >
  2. Romeu e Julieta - Versão Jikook >
  3. Aplausos

História Romeu e Julieta - Versão Jikook - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, voltei e desculpa a demora. Ultimamente estou ocupada e para piorar, meu doguinho está doente. Porém reservei esse tempo para postar mais dois capítulos da fanfic e dizer que as minhas histórias estarão no Wattpad hehehe.
.
Boa leitura

Capítulo 15 - Aplausos


Fanfic / Fanfiction Romeu e Julieta - Versão Jikook - Capítulo 15 - Aplausos

Os galos cantam anunciando a chegada de um novo dia, Senhor e Senhora Park haviam acordado cedo e preparavam tudo referente a festa. A ama andava de um lado a outro, mostrando tudo para os criados e ditando ordens vindo de seus patrões.

Senhora Park estava perdendo a paciência e ao ver que já era tarde, andou até a ama de Jimin.

Senhora Park: Querida - exclamou, tocando no ombro dela - Chame Jimin, ele precisa se arrumar.

Ama: Certo, eu irei.

Assim a ama saiu da cozinha, atravessou o grande salão, subiu as escadas e adentrou o quarto de Jimin.

Andou até as janelas e abriu as cortinas, as grandes portas que levava até a varanda e sorriu ao ver o jovem ainda dormindo.

Ama: Acorde, querido Jimin - disse, puxando o lençol - Seu casamento é hoje.

A ama andou até o closet e pegou a roupa de Jimin, pôs sobre uma pequena poltrona e voltou a olhar o jovem rapaz.

Ama: Querido - ando até ele e sorriu - Você precisa acordar, veja o dia e observe ele está lindo.

A senhora tocou na têmpora do garoto e sentiu a pele fria, mexeu em seus cabelos e desceu a mão até o seu peito. 

O coração já não pulsava e seus lábios estavam pálidos, além de suas pálpebras estarem levemente arroxeadas.

Ama: Meu menino - exclamou choramingando - Acordei por favor, acorde. Por favor, acorde - correu até a porta e gritou em plenos pulmões - SOCORRO, AJUDEM-ME. SOCORRO.

A senhora Park adentrou o quarto com algumas criados e ambos estavam espantados.

Senhora Park: Por que tanta gritaria!? - exclamou, entrando no quarto desesperada.

Ama: Oh, dia triste.

Senhora Capuleto: O que aconteceu? - perguntou desesperada.

Ama: Olhe agora - exclamou, apontando para Jimin.

A senhora Park chegou-se perto da cama de Jimin e tocou em seu filho, ele estava frio e sem batimentos cardíacos.

Senhora Park: Oh! Meu filho - disse, debruçando-se sobre ele e chorando - Por favor, acorde... Acorde, meu filho.

Senhor Park: Que zorra é essa? - adentrou no quarto e empurrou alguns criados - A princesa está esperando. Onde está Jimin?

Ama: Ele está morto - sussurou para si mesma.

A senhora Park abraçava o seu filho e chorava, a dor que ela sentia não era qualquer dor. 

Ela havia perdido seu único filho.

A senhora balançava o corpo dele e os criados puxaram a mesma de cima de Jimin, Senhor Park estava paralisado e a ama havia desmaiado.

Senhora Park: MEU FILHO - exclamou em desespero nos braços dos criados - EU QUERO O MEU FILHO, POR FAVOR... JIMIN, ACORDE.

Senhor Park: Meu filho...

A senhora deitou sobre o corpo de seu filho e sussurrava pedidos de desculpas, o Frei Namjoon adentrou no quarto e o sorriso em seu rosto desbotou.

Namjoon: O noivo está pronto!? - perguntou, notando o movimento diferente ao redor da cama de Jimin - Onde ele está!?

Senhor Park: Sim, ele está pronto - respondeu.

A princesa estava na companhia de suas damas de honra, entraram no quarto e a mesma andou até o leito de seu amado e franziu o cenho. 

Jiwoo: Por que ele não está arrumado? Por que ainda dorme? - questionou com os olhos marejados.

Senhor Park: Ele irá a igreja, sem nunca poder voltar de lá - falou ele - Oh querida Jiwoo, a morte cortejou o seu noivo, deitou-se com teu noivo. Levou o meu herdeiro, meu único herdeiro.

Jiwoo: E-ele está... - soltando o buquê - Não... Não... Meu amor.

Senhora Park: Dia infeliz, maldito, desgraçado!!!

Soobin: A morte deitou-se com o seu filho, dia escuro e lamentável - aproximando-se deles - O dia amanheceu e levou a única alegria da casa, levou o jovem rapaz que iria se casar e hoje, ele irá a igreja. Mas não irá sair dela como um marido prudente, mas sim, um amante morto.

Senhor Park: Eu não tive a oportunidade de dizer a ele quanto o amo.

Namjoon aproximou-se deles e tocou no ombro da senhora que estava abraçada com o seu filho, ela não queria sair de perto dele. 

Namjoon: Peço calma, por favor - falou, olhando para a madame - Desordem não fará que ele volte a vida, fiquem calmos. Sei que esse não é o melhor momento para pedir isso, porém escutem o que tenho a dizer. Irei preparar o velório e enterro o jovem e as cridas cuidaram no corpo de Jimin, irão vesti-lo e ele irá descer para o Hall perto do jardim.

Todos obedeceram e Namjoon - que havia levado um amigo -, entregou a carta ao jovem e o mesmo pegou seu cavalo e correu o mais rápido que podia para entregar a carta ao jovem Jeon.

Porém a notícia da morte de Jimin havia chegado aos membros do grupo de JungKook e um deles correu até seu amigo, para lhe dar a notícia.

JungKook: Olá, amigo - disse, abraçando Kai e dando tapinhas na costa dele.

Kai: Vim trazer notícias sobre Jimin - respondeu um pouco indiferente. JungKook nota o medo e tristeza na voz de Kai e franzi o cenho.

JungKook: O que há? Diga de uma vez.

Kai: Seu amado jaz no sepulcro da família Park e agora, ele se tornou uma estrela no céu - retirando o chapéu e apertando - Sinto muito lhe trazer essa notícia.

JungKook empalidece e roga pragas aos céus e terras, sentia seu coração despedaçado. Não havia motivos para viver e sabia o que deveria fazer, seu pai lhe ensinou a sempre ser corajoso e que toda decisão levaria a uma consequência.

E ele sabe qual será a consequência.

Jeon tomou o cavalo de seu amigo e partiu para Seul, não iria demorar a chegar na cidade, já que ele ainda estava na mesma. Agora o seu objetivo era se encontrar com o seu amado, nem que seja em outra vida.

JungKook para em um boticário e bate na porta da loja, esperando alguém vir abrir.

JungKook: Olá, senhor boticário - gritou ele, ao mesmo tempo que batia na porta.

Boticário: Quem está me chamando!? - resmungou, descendo as escadas e abrindo a porta - O que queres agora, meu jovem? Está tarde e as nuvens anunciam a chegada da chuva.

JungKook: Por favor, ajude um jovem amante que não tem mais o que fazer - jogando-se aos pés do homem - Meu amor se foi, morreu... Me deixou sozinho neste mundo sôfrego e não posso viver sem ele, não posso. Dêem-me um veneno.

O boticário ergue o garoto e leva-o até uma cadeira, Jeon senta-se e enxuga as lágrimas que escorriam pelas bochechas.

JungKook: Dêem-me um veneno - exclamou mais uma vez.

Boticário: O amor é forte, meu jovem - respondeu, pegando um frasco na prateleira - Você se separou do seu amor e irá se encontrar com ele, não desanime. Mas se queres morrer, lhe dou esse veneno.

JungKook: Hoje irei me encontrar com o meu amor - pegando o frasco e pagando ao senhor.

Boticário: Não, não irá - disse tristemente - Você terá apenas o mesmo fim.

JungKook ignorou o senhor e saiu em disparada até a mansão dos Park.

Boticário: Pobre jovem, você foi infeliz nessa vida e morrer é uma solução viável para você - suspirou - Irá ter outra chance, nem todos tem outra chance e será feliz, eternamente feliz.


Mansão dos Park, Seul - Coréia do Sul.

XXX: Olá, Namjoon - disse, adentrando no jardim da grande casa e entregando a carta - E-eu não consegui.

Namjoon: Como assim? 

XXX: Fui impedido de ir por algumas senhoras, elas me pararam e começaram a fazer perguntas sobre o jovem Jimin - respondeu a ele.

Namjoon: Oh céus - sentando-se na fonte e pensando nas consequências que iriam aparecer.

XXX: E vi Jeon sobre um cavalo e estava vindo para cá - disse.

Namjoon levantou-se e correu até o sepulcro da família Park, viu a porta aberta e sem guardas.

Jimin jazia deitado sobre a pedra fria e ainda sem sinal de vida.

Ainda havia chance de salvar os dois, iria até a abadia para conseguir ajuda.

Assim que Namjoon saiu, JungKook chegou e viu que ninguém estava ali. Adentrou na pequena caverna e viu alguém, uma mulher.

Estava errado, Jiwoo estava chorando ao lado do corpo de Jimin.

JungKook: Princesa - exclamou e acabou assustando a jovem menina.

Jiwoo: Um Jeon - disse, assustando-se - Você é Jeon JungKook, você matou Taehyung e veio ver a morte de mais um Park!?

JungKook: Jamais - negou com a cabeça e se aproximou do corpo de Jimin - Esse inimigo, não odeio e sim, eu amo. Deve ser confuso para você ou não, porém deves saber que eu amo esse jovem e nunca irei viver ao lado dele. Não como sempre quis, como uma família e agora, a morte cortou a linha da vida de meu amor. E ela terá que cortar a minha também, sem ele, não quero viver.

Jiwoo esboça um sorriso no rosto e coloca a mão de Jeon sobre a mão do Park, as beija e ergue-se devagar.

Jiwoo: Eu sempre soube que ele nunca me amou ou amou outra mulher - respondeu, dando de ombros - Espero que seja feliz, jovem Jeon e faça-o feliz.

Jiwoo saiu do local e deixou os dois a sós. JungKook pega o frasco e abre, olha para Jimin e deposita um beijo em seus lábios.

JungKook: A vida sem você, não terá cor - tomou o líquido e sentiu um grande formigamento no corpo, o seu coração se apertava contra o peito e o último sopro de vida foi dado.

JungKook caiu no chão do local, morto.

Namjoon adentra o sepulcro e vê JungKook morto no chão e Jimin despertava aos poucos, o desespero era nítido.

Jimin: Frei? Onde está você? - perguntou, despertando aos poucos e se deparou com seu amor morto aos seus pés - JungKook!? Meu amor? O que---

Namjoon: Irei buscar ajuda - saindo do local as pressas.

Jimin: Meu amor? O que...- tocando em seu rosto e vendo o frasco de veneno ao lado do corpo - Soube que estava morto e não conseguiu viver sem mim, não sei se sinto alegria ou tristeza. Irei fazer o mesmo - pegou o frasco e virou em sua boca, mas não havia líquido nenhum - Bebeu tudo e não deixou nada para mim!? Deve haver algo em seus lábios - beijou o seu amado, mas nada surtiu - Seus lábios estão quentes e sem vestígios do veneno. Porquê!? Oh cupido maldito.

Namjoon: Entrem, a jovem está por aqui - falava o frei, entrando com mais alguns guardas.

Jimin: Oh céus!!! - exclamou, chorando junto ao corpo de Jeon, apertou-se contra ele e sua mão tocou uma adaga que estava no cinto de JungKook - Por você, meu amor - tomou a adaga e enfiou a lâmina em seu peito, caindo sobre o corpo do maior.

Namjoon: A desgraça está feita - falou, olhando para os corpos no chão - Levem-nos daqui.

Os guardas levam os corpos para fora, senhor e senhora Park vêem o seu filho sendo conduzido para uma mesa. Assustam-se ao ver Jeon JungKook acompanhando o corpo do filho, e os pais de Jeon, junto com o príncipe chegam no local. 

Príncipe Hoseok: O que está aconte... - caminhando apressadamente e parando ao ver o corpo de Jimin e JungKook sobre uma mesa.

Senhora Park: O que...

Jiwoo: Amor - exclamou a princesa ao lado do príncipe - Foi por amor, eles amavam-se em segredo por medo de vocês. Além de serem rivais, eram homens, em meio a pessoas egoístas e burras, pessoas como eles morreram. Eles se amavam, um amor proibido em todos os sentidos e que mesmo assim, continuaram a se amar - andando até os corpos e pegando na mão de JungKook - Esse rapaz não cometeu crime algum contra a família Park, se amar é um crime. Então todos devem ser presos, eles não são culpados pelo ódio que quatro velhos esnobes e cheios de orgulho cultivaram durante anos, e por culpa de vocês eles morreram.

Príncipe Hoseok: A rivalidade entre vocês causaram desordem nas vida deles e mesmo assim, conseguiram amar - exclamou, se pondo ao lado de Jimin.

Namjoon: Eu sou um cúmplice do amor deles - falou, andando até os dois - Os dois se apaixonaram e decidiram-se casar, e assim, eu fiz. Mas como Taehyung matou Yoongi e JungKook se vingou, matando Taehyung. Ele teve que ir embora e consequentemente, Jimin teria que se casar com Jiwoo. Ele apareceu desesperado e dei uma solução, entreguei um remédio a ele, o mesmo tomaria e iria cair num sono profundo. Todos pensaram que Jimin estaria morto, logo enviei uma carta para JungKook, entretanto a mesma não chegou. E ao chegar no sepulcro viu seu amado morto e assim, se matou - todos prestavam atenção na história e senhora Jeon olhava tristonha para senhora Park - Jimin despertou e viu Jeon morto, logo cravou a adaga em seu peito.

Jiwoo: O mundo tem tantos problemas para se resolver e ainda há pessoas se importando com dois homem se amando - resmungou, ao ouvir alguns burburinhos - Pensem no que fizeram, terão a vida toda para isso.

Senhora Park: Nosso ódio causou tudo isso - disse, andando até os Jeon - Eu sinto muito.

Senhor Jeon: Somos culpados pelas mortes dos nossos filhos e viveremos com essa dor - andando até o senhor Park - A partir de hoje, seremos um só.


Notas Finais


Aff, sem condição


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...