História Romeu e Julieta - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais, Romeu e Julieta
Tags Romance
Visualizações 9
Palavras 1.752
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Romance e Novela, Suspense

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 1 - Capítulo 1 o baile de máscaras


Fanfic / Fanfiction Romeu e Julieta - Capítulo 1 - Capítulo 1 o baile de máscaras

Capítulo 1  


Aquela não era uma noite comum em Verona,os portões da mansão dos Capuletos estavam lotadas de pessoas, naquela noite um baile de máscaras iria acontecer, aonde a jovem filha do Sr Aloart Capuleto iria arranjar um pretendente para ser o seu futuro marido. 


Dez horas da noite todos os portões da mansão seriam abertos, muitos estavam mascarados incluindo o próprio senhor Aloart Capuleto,que estava ao lado de sua mulher, recebendo os convidados. 


Em cima do salão havia o quarto da única filha do casal,ela estava sentada em uma cadeira perto da sua penteadeira,lá ela penteava os seus longos fios de cabelos que iriam até a sua cintura, os seus olhos verdes encarava fixamente o espelho,os seus lábios eram rosados e se destacava na pele pálida da jovem garota, naquela noite ela estava com um belo vestido verde água,e alguns colares com esmeraldas,a suas pequenas mãos iriam até uma máscara com lindos detalhes dourados,a única coisa que animava a garota naquela noite,era o fato de usar a mesma máscara que a sua avó usou antes de conquistar o seu avô,e ficaram juntos até a morte,com um sorriso em seus lindos lábios ela colocava a máscara em seu rosto e fica segundos se olhando no grande espelho,sem bater na porta a sua ama entrava no seu quarto. 


Ama:- por minha virgem!..aonde anda está pequena? Julieta, Julieta


Julieta:- que há?quem está me chamando? 


Ama:- Julieta, não lhe reconheci, vossa mãe. 


Julieta então se levanta,e segue o caminho até às escadas do grande salão, enquanto ela descia os degraus todos a olhava, admirando a beleza daquela jovem,uma mulher de longos cabelos ruivos encaracolados observava a menina que seria a sua filha, até que ela chegava bem próxima da mulher. 


Julieta:- eis-me aqui Senhora minha mãe,que desejas?


As mãos da ruiva protegida com uma luva segurava a mão de Julieta,a menina avistava no centro do salão, senhor Paris que estava a admirar a beleza de Julieta,a ruiva sussurrava durante o caminho,até o conde.


Eloá:- já é tempo de pensar em seu casamento,se não me engano,com tua idade,já era a tua mãe, e não sei se percebeu,mas o valente Paris anda interessado em cortejá-la.


Julieta:- procurarei aceitar a sua corte. já que é de seu agrado.



Eloá:- eu sabia minha filha! Bem o conde nos espera. 



Enquanto isso,o herdeiro dos Montecchios estava sentado em uma cadeira,com um dos convites do grande baile na casa dos Capuleto, ele acreditava que lá estaria a sua ex esposa,que ele queria reencontrar. 


Romeu:- que desculpas usaremos para penetrar no baile? 


Benvolio:- apenas aproveitamos a hospitalidade do anfitrião e breve partiremos.


Mercurio :- Gentil Romeu, queremos dançar 


Romeu:- sinto o chumbo da alma..


Mercurio:- estas apaixonado? 


Romeu:- terno ser é o amor? Áspero e rude demais. pungente como espinhos. 


O rapaz dos olhos azuis,e cabelos longos olhava o convite novamente, aonde estava escrito que era um baile de máscaras,ele dá um sorriso de canto de boca e olhava para mercurio,ele pega uma cadeira aonde havia uma caixa de papelão cheia de máscaras. 


Mercurio:- uma boa ideia Romeu! 


O dos olhos azuis então pegaria uma máscara, escura e olhava fixamente para um espelho,e colocava a máscara em seu rosto. 


Romeu:- é assim que trarei ela para os meus braços novamente... 


Eles andavam pelas calçadas bem movimentadas de Verona,até chegar na frente da grande mansão,os portões ainda estavam abertos, mercurio se aproximava de Romeu e falava bem de surdina. 


Mercurio:- se o amor é áspero castigo,seja áspero como ele. 


Romeu então encarava o barbudo que colocava a máscara,o loiro logo resmungava. 


Benvolio:- vamos,e assim que lá dentro estivermos,que cada qual cuide só de sua pernas


Todos já estavam mascarados, então entraram,Romeu estava encantado com a festa dos Capuletos, claro que os Montecchios faziam festas,mas não era tão badalada quanto aquela,ele andava pelo salão em busca de sua amada,mas o Máximo que conseguia encontrar era moças casadas,ou moças que não o interessava, até que ele observa de longe a menina dos olhos verdes que iluminava aquele salão. 


Romeu:- quem és tu? Linda jovem? 


Ela parecia estar perdida, lentamente o Montecchio se aproximava da Capuleto,o azul dos olhos do rapaz encantavam a garota,a sua ama estava bem próxima do casal,e os olhava fixamente. 


Ama:- criado? Quem é esse jovem,com a minha pequena Julieta? 


Criado:- não sei.. acho que és um... Montecchio!  


Ama:- não, não é um Montecchio, eles não teriam a tamanha audácia..ou teriam? 


Romeu pega nas pequenas mãos da mais nova e a beija. 


Romeu: - linda e Nobre donzela, daria a honra de dançar com este admirador? 


Ela somente balança a cabeça afirmando,e logo começariam a dançar,a menina olhava fixamente para o Montecchio,até que o seu Primo Teobaldo surgiu no final da primeira valsa,e assim assustando Julieta. 


Teobaldo:- querida prima! 


Ela não falava nada, seus olhos pertenciam ao Romeu,o Teobaldo olha para o rapaz e o reconhece, aliás Romeu já ganhou muitas batalhas contra o Teobaldo. 


Teobaldo:- um Montecchio?— o Romeu percebe que foi reconhecido,e fica olhando para o Teobaldo,a sua mão e a de Julieta continuam juntas. 


Teobaldo:- como se atreve miserável? Vim até aqui? 


O mercurio percebe a movimentação naquele local e iria até o Romeu,o segurando pelo braço, fazendo com que o mesmo soltasse a mão de Julieta. 


Mercurio:- o que há Romeu?


Teobaldo:- ele mesmo! O infame Romeu!...


Mercurio:- Acalma-te Teobaldo, deixá-o em paz! Se comporte como perfeito gentil homem, Verona se orgulha da conduta tão exemplar deste jovem. 


Teobaldo:- não poderei suportá-lo 


Romeu:- já estou indo embora... não achei o que vim procurar,mas encontrei algo melhor. 


Ele se referia a Capuleto,e ao lado de mercurio o Romeu irá embora, Julieta se aproximava de sua ama.


Ama:- quem é aquele rapaz que os seus olhos brilharam só de vê-lo? 


Julieta:- não entendi muito,mas sei que o seu nome é Romeu.. 


Ama:- o único Romeu que eu conheço é um Montecchio,tens sortes que não é ele minha pequena,ele é da família inimiga.


Julieta cantarolava e dançava sozinha pelo salão,e os poucos sairia dele,ela dançava pelos corredores,até chegar em seu quarto,e se jogar em sua cama,a Julieta arrancava aquela máscara de seu rosto,e não demora muito para cair no sono,do jeito que estava. 


No dia seguinte... 


Eloá já estava acordada, naquela manhã o sol iluminava os corredores da grande mansão,a ruiva caminhava até o quarto no final do corredor que era o de sua filha,ao chegar ela vê a Julieta ainda com o vestido, sapatos e joias da noite anterior, e a máscara ao seu lado,a dos olhos cor de mel sentava na cama ao lado de Julieta, ela fazia cafuné na menina até que ela despertava do seu sono. 


Julieta:- Senhora minha mãe? 


Eloá:- está na hora de levantar minha querida, vamos a feira! 


Julieta:- ah, estou muito cansada minha mãe.. 


A menina levanta o seu corpo e fica sentada na cama, Julieta era tão perfeita que nem descabelada ficava feia. 


Eloá:- você tem 10 minutos para ir na mesa! Estamos a sua espera. 


Eloá sai do quarto e fecha a porta, Julieta se joga na cama novamente e cochila por alguns segundos,até a luz do sol clarear o seu quarto, enquanto isso,o Montecchio Romeu estava indo para a mesa do café da manhã, aonde todos do seu clã estavam,ele estava atrasado mais finge não se importar,ela senta na mesa ao lado de sua irmã caçula.


Anastacia:- Romeu,por onde tem andado? 


O Montecchio olhava fixamente para a morena enquanto ajeitava o guardanapo em seu colo. 


Romeu:- a procura de Rosalinda. 


Marcos:- e a achou? Não quero que os Capuletos descubram que o meu filho não consegue segurar a própria esposa. 


Romeu:- não achei ela, porém uma moça chamou muito minha atenção. 


O Sr Montecchio começou a rir enquanto olhava para o seu filho. 


 Marcos:- e quem seria a dama? 


Romeu:- não me recordo de seu nome,mas nunca me esquecerei do seus olhos verdes! 


O loiro falava com um belo sorriso em seu rosto, fazendo que a Montecchio Também abrisse um lindo sorriso,até o mercurio abrir a sua boca: 


Mercurio:- a mulher que o Romeu está falando é Julieta,a primogênita do Aloart e Eloá Capuleto. 


O pai de Romeu arregalou os seus olhos e deu um tapa na mesa. 


Marcos:- não quero você com graça com uma Capuleto! Poxa Romeu com tantas jovens solteiras! Você vai logo na filha dos nossos inimigos?


O loiro apenas abaixou a sua cabeça,mas logo abria um sorriso ao ver a pequena mão de sua irmã caçula encima da sua.

 

Romeu:- Julieta Capuleto,um nome tão perfeito, igual a dona dele...  


Katarina:- Romeu,vamos a feira... preciso de umas coisas. 


Romeu:- claro minha irmã, só termine o seu café... 


Logo mais tarde, Julieta e Eloá estavam na feira,Eloá estava distraída com algumas colônias, Julieta aproveita a sua distração para ir em uma barraca de livros,e lá novamente ela encontra o seu amado. 


Romeu:- Julieta? 


Ele abre um sorriso,e Julieta o retribuí,eles ficam alguns minutos se encarando,até a pequena Albina de Maria Chiquinha aparecer. 


Katarina:- Romeu?


Romeu:- sim minha querida? 


Ele ainda olhava fixamente a Julieta.


Katarina:- posso brincar? 


Romeu:- claro, vá 


A menina sairia correndo em direção de umas crianças, Romeu e Julieta continuaram se olhando e apressando a beleza um do outro.


Romeu: - meu lábio,

peregrino solitário, demonstrará, com sobra, reverência.


JULIETA: - Ofendeis vossa mão, bom peregrino, que se mostrou devota e reverente. Nas mãos dos santos

pega o paladino. Esse é o beijo mais santo e conveniente.


ROMEU: - Os santos e os devotos não têm boca?


JULIETA: - Sim, peregrino, só para orações.


ROMEU: - Deixai, então, ó santa! que esta boca mostre o caminho certo aos corações.


JULIETA: - Sem se mexer, o santo exalça o voto.


ROMEU -eis o devoto. Em tua boca me limpo dos pecados.


O Montecchio então se aproxima mas e mas do rosto de Julieta,a garota poderia sentir a respiração ofegante do rapaz,e ele o cheiro das flores daquela Linda donzela,logo um beijo seria iniciado,um beijo gostoso,ambos se entregaram aquele ato carinhoso,mais logo se separaram por falta de ar.


JULIETA - Que passaram, assim, para meus lábios.


ROMEU - Pecados meus? Oh! Quero-os retornados. Devolve-mos.


JULIETA - Beijais tal qual os sábios.


Então a Capuleto aparecia no lado de Julieta,ela encarava o Montecchio sem saber as suas origens. 


Eloá:- Julieta,minha filha, precisamos ir


Julieta:- vá na frente mamãe, preciso de alguns livros.. 


Eloá então seguiria o caminho na feira e assim deixando Julieta e Romeu sozinhos novamente.


Julieta:- Romeu oh Romeu, preciso ir... 


Romeu:- espere! 


Julieta:- me encontre está noite,na sacada da mansão dos Capuletos. 


Romeu:- assim que o sol se pôr,eu estarei lá 


Continua..



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...