História Romione - grama recém cortada, pergaminho novo e Ron - Capítulo 76


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Arthur Weasley, Carlinhos Weasley, Córmaco Mclaggen, Dominique Weasley, Fleur Delacour, Fred Weasley, Fred Weasley Ii, Gina Weasley, Gui Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Hugo Weasley, Jorge Weasley, Lilá Brown, Lílian L. Potter, Lucy Weasley, Luna Lovegood, Molly Weasley, Molly Weasley II, Percy Weasley, Roxanne Weasley, Viktor Krum
Tags Amizade, Romance, Romione
Visualizações 274
Palavras 2.901
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 76 - Minha bruxinha


Fanfic / Fanfiction Romione - grama recém cortada, pergaminho novo e Ron - Capítulo 76 - Minha bruxinha

POV Rony

Fazia dois anos que o pai de Hermione havia nos deixado, o primeiro ano foi extremamente difícil para ela e sua mãe, mas as coisas passaram a ficar um pouco mais fáceis depois do segundo ano. Ainda lembravam com saudades nas datas especiais, mas sem choro, apenas com recordações felizes e compreendia totalmente esse processo, passei exatamente pela mesma coisa com Fred.

Amélia era uma ótima pessoa e ajudava muito em casa, todo dia chegávamos e tudo estava organizado e um delicioso jantar preparado, ela ainda levava e buscava as crianças na escola e nos sábados os levava para passear, aproveitava esses momentos para ficar a sós com Hermione. Nos domingos todos íamos à toca ou a casa dos tios de Hermione.

Rose tinha completado sete anos e Hugo cinco, eles estavam crescendo rápido, assim como meus sobrinhos. Victorie a primeira Weasley da segunda geração estava indo para Hogwarts naquele mesmo ano, Gui andava preocupado em deixá-la ir sozinha, para todos nós ela ainda era um bebê, por sorte Ted também entraria para a escola no mesmo ano então ele poderia proteger minha doce sobrinha. Tiago tinha acabado de ter sua primeira experiência com magia e Harry e Gina estavam radiantes, era um acontecimento importante, eles nos contaram animados durante um jantar em casa, Tiago como sempre tinha quebrado uns vasos que Gina havia comprado voando de vassoura pela casa mesmo ela o proibindo, ele era um menino tão terrível para traquinagens quanto os filhos de Jorge. Gina em um momento de raiva escondeu a vassoura como castigo. Em um sábado todos estavam almoçando quando Tiago começou a discutir com a mãe que queria vassoura de volta, ele era malandro e tentava negociar o castigo, Gina sabia que ele já tinha tentando pegar a vassoura escondida e se negou a negociar então ele ficou furioso e a vassoura disparou do armário da cozinha onde Gina havia escondido para a mesa de jantar, todo almoço se espalhou pelos ares quando a vassoura bateu com violência na mesa. Harry ficou orgulhoso, mas Gina dobrou o castigo do garoto o proibindo também de jogar quadribol com os primos e tios por três meses.

Já os gêmeos de Jorge entrariam no próximo ano para Hogwarts e tinham passado pela primeira experiência com quase oito anos, os dois conseguiram finalmente arrombar o estoque que Jorge tinha em um galpão nos jardins da toca, meu irmão ficou tão orgulhosos que nem mesmo brigou por eles terem explodido vários fogos e quase incendiado o galpão durante a primeira experiência com magia, estavam tentando acessar aquele estoque desde que começaram a dar os primeiros passos, eram duas pestinhas. Angelina por outro lado os pegou pelas orelhas e confiscou todos os produtos das gemialidades que tinham roubado do estoque naquela tarde de domingo, a explosão foi tão grande quando abriram o galpão que todos ficamos com os ouvidos zumbindo por pelo menos uma semana. Observava ansioso o desabrochar da magia em meus sobrinhos, era perceptível que sempre era relacionado com algo que amavam e que ocorria quando estavam em um momento de raiva ou frustração, não via a hora de acontecer com meus dois pequenos, Hermione se preocupava achando que não os aceitaria se fossem trouxas, os amaria de toda e qualquer forma, mas tinha certeza que seriam bruxos.

Victorie por sua vez era uma menina extremamente vaidosa desde nova e quando completou nove anos fez as maquiagens de Fleur flutuarem até o seu quarto logo depois que a mãe a proibiu de pegar seu batom escondido, Gui naquele dia a levou para comprar sua própria maquiagem em comemoração. A Sra. Tonks contou em um dia de visita aos Potters que com Ted foi também algo muito especifico da personalidade do próprio Ted, ele estava tentando se esconder dela que o procurava com raiva depois dele ter quebrado mais uma janela com uma goles, ele tinha oito anos e tentou se esconder mudando a cor da roupa para a mesma da cor das paredes.

Hermione falava que ainda era cedo, ela teve a sua com quase oito anos, mas era a Hermione, ela era muito avançada para sua idade desde sempre. Por outro lado tinha certeza que Rose havia puxado a mãe, a minha aconteceu com dez anos em um dia que estava nervoso com meus irmãos, Fred e Jorge estavam zombando do meu “atraso”, eles conseguiram com oito e ficavam me apavorando falando que era um aborto, acabei acertando os dois com duas panelas da mamãe e no fim ainda fiquei de castigo por ter aberto a testa dos meus irmãos.

Estava atento a Rose mais do que nunca, não queria perder sua primeira experiência por nada, Hermione tinha me apelidado de corujão de tanto que ficava em cima de nossa princesa. Ela andava desconfiada e um pouco estressada com a pressão, um dia quando estávamos em seu quarto e ela olhava um pouco triste para mim enquanto lia um livro de Runas sem entender quase nada. Justo no dia do livro de Runas, Hermione tinha inventado uma noite de garotas e saído com minha sogra, irmã e minhas cunhadas. Aceitei porque sabia que ela precisava se distrair um pouco, sempre ficava triste perto da época em que seu pai se foi, assim como minha sogra, tinham saído para assistir uma peça e depois jantariam.

- Papai, você vai me amar menos se não for uma bruxa? – Ela perguntou com olhos marejados.

- Claro que não meu amor! É impossível te amar menos, vem cá – A puxei para um abraço. – Desculpa se o papai foi um pouco sem noção com isso, bruxa ou trouxa sei que será uma mulher incrível como sua mãe! – Acariciava seus cabelos. Ela sorriu.

Quando Rose finalmente dormiu percebi como estava sendo um completo babaca e que minha esposa para variar estava certa. Precisava relaxar e dar espaço para Rose se ela fosse uma bruxa aconteceria e não teríamos qualquer controle disso. Estava na sala assistindo um filme enquanto as crianças dormiam quando Hermione e Amélia chegaram rindo como duas adolescentes.

- Devo me preocupar com minhas garotas? Arrasaram algum coração? – Perguntei desconfiado com as sobrancelhas erguidas.

- Eu não! Mas a mamãe... – Hermione dizia rindo deixando Amélia tão vermelha quanto ela mesma ficava quando estava constrangida.

- Filha! Que absurdo, Antônio apenas foi gentil! – Ela olhava para a filha chocada.

- Quem é esse Antônio? – Perguntava perdido.

- Um amigo de tio Marcos, os encontramos no restaurante junto com Will, Oswaldo e tia Clara. Ele ficou completamente encantado com mamãe! – Hermione a cutucava.

- Que besteira, estou velha para isso! – Ela desviava do assunto.

- Imagine Amélia, ainda é uma gata! Mas quero conhecer esse Antônio e saber de suas intenções. – Falei sério.

- Oh querido obrigada, mas não se preocupe, Roberto foi e sempre será o amor da minha vida! – Ela falou saudosa – Bom, vou dormir boa noite meus amores e obrigada pela noite maravilhosa filha! – Ela deu um beijo em cada um e subiu.

Hermione se aproximou charmosamente e se sentou ao meu lado no sofá, ela usava um lindo vestido vinho e saltos pretos com uma meia calça que deixava suas pernas maravilhosas. Ela me deu um beijo casto e apoio a cabeça em meu ombro.

- Se divertiu? – Perguntei acariciando seus cabelos.

- Muito! Obrigada por ficar com as crianças amor, você tinha razão realmente precisávamos dessa noite, essa época é sempre muito difícil e meu pai não gostaria de ficar sendo lembrado com tristeza. – Ela suspirava.

- E esse carinha ai? – Perguntei desconfiado.

- Que bonitinho! – Ela apertava minhas bochechas – Adoro como cuida da minha mãe! – Ela me enchia de beijos. – Vai gostar dele, ele é um fofo, não tem nem metade do charme de papai, mas acho que seria ótimo ela ter um namorado, duvido que volte a se casar um dia ela ainda ama muito meu pai, mas um companheiro gentil para passear pode ser muito bom. – Ela falava animada.

- Claro isso se ele passar pela minha aprovação! – A provocava.

- Ok... Mas pegue leve, ele é um cara legal! – Ela revirava os olhos. – E como foi a sua noite? – Ela mudava bruscamente de assunto assim como de humor.

- Foi ótima, mas precisamos conversar. – A observava preocupado. – Mione, respire, mas Hugo aprontou de novo. A professora ficou furiosa, ele levou alguns produtos da gemialidades que pegou com os gêmeos de Jorge, aquelas pestinhas contrabandearam do estoque da toca de novo, papai andou até fazendo uns feitiços de proteção, mas está cada vez mais difícil conseguir segurar aqueles dois. – Hermione já estava de cara fechada. – Han... Ele realmente passou dos limites e foi difícil explicar como uma criança de cinco anos quase explodiu uma sala. Respira amor... A escolinha convidou Hugo a se retirar permanentemente... – Ela explodiu.

- Onde ele está? Vou matar esse garoto! Ele fez de propósito Ron! Hugo quer sair da escolinha desde que pisou lá! – Ela dizia furiosa.

- Amor eu sei, mas não está funcionando, não adianta Hugo puxou para o meu lado não é brilhante como você ou Rose. Acho que chegou a hora de o deixarmos seguir o próprio caminho, não há nada de errado em esperarmos a carta de Hogwarts, você já o ensina tanta coisa em casa, ele vai estar preparado! – Tentava convencer minha esposa furiosa.

- E depois Ron? Ele vai abandonar Hogwarts como você? E se ele nem mesmo for bruxo! – Ela caia no choro.

- Amor, desculpa! Sei que não é a melhor época para conversarmos disso, sei como fica sensível nessa época, mas uma hora descobriria que ele foi expulso. Conversei com ele, Hugo prometeu que nunca vai abandonar Hogwarts, ele vai se formar e se não receber a carta vai entrar para uma escola regular assim que completar os 11 anos, até lá estudará em casa. – E olhava com calma.

- Mas ele vai ficar aqui em casa! Nada de ficar o dia todo aprontando na toca com os primos, vou pedir para mamãe o educar nesse tempo, ela sem duvida vai gostar da ideia, anda um pouco entediada e até comentou que pensa em procurar um emprego para se distrair. Seria bom para os dois. – Ela finalmente cedia.

- Tudo bem, concordo. – Sorri. – E também tem Rose... – Comecei.

- Rose também foi expulsa? – ela perguntava ainda mais chocada.

- Não amor! Calma, acho que isso nunca vai acontecer! – Caia na risada. – Só que acho que pisei na bola com ela, Rose percebeu minha preocupação em relação a sua primeira experiência bruxa... Ela acha que não a amaria mais se não for uma bruxa. – Falei culpado.

- Ron... sei que a ama mais que tudo, já te falei precisa dar espaço a ela, se for vai acontecer e se não for, ela já é um destaque na escolinha trouxa, será uma grande mulher! – Ela me abraçava.

- Eu sei é sua filha! – A beijei com amor.

(...)

No dia seguinte acordei cedo para fazer o café em família, era uma linda manhã de sábado. Todos ainda dormiam, minha esposa esboçava um sorriso satisfeito, me convencia que era consequência da quente noite de amor que tivemos. Depois de um banho demorado desci para a cozinha, estava colocando a mesa quando as crianças desceram e me deram um beijo rápido, saíram correndo em seguida levando junto a bola de pelos de Hermione no colo, o gato me olhava com mau humor enquanto Rose falava que ia colocar laços nele.

Minha sogra desceu logo em seguida e me ajudou a terminar de colocar a mesa. Ela chamou as crianças e fui abrir a janela para receber as corujas. Tinha recebido uma carta de Percy, ele, Audrey e as crianças estavam passando férias na Romênia com Carlinhos, meu irmão estava radiante Molly II tinha finalmente passado pela sua experiência bruxa, ela tinha a mesma idade de Tiago e já tinha nove anos, como o pai era orgulhosa de títulos. Percy incentivava ela falando que um dia seria monitora, até deu seu antigo broche de monitor para ela, na carta meu irmão contava que há três dias Molly ficou furiosa quando Lucy jogou suco de abóbora nela e no broche durante uma briga de irmãs, ela limpou o sugo com magia o fazendo sumir enquanto gritava com Lucy, fiquei feliz e orgulhoso de minha sobrinha.

Hermione tinha acabado de chegar à mesa quando contei as novidades, percebi que Rose ficou um pouco incomodada, mas Molly era mais velha que ela em dois anos e Alvo que tinha sua idade ainda não tinha passado também pela experiência em magia e sabia que Harry compartilhava o mesmo medo que eu, mas no caso dele pelo menos já tinha um filho bruxo. Lilian ainda era muito novinha, tinha a mesma idade de Hugo, Lucy e Louis, filho caçula de Gui e com eles ainda não tínhamos motivos para preocupações. Rose andava se pressionando mais depois que Dominique, a segunda filha de Gui e Fleur que tinha a mesma idade dela e de Alvo passou pela experiência há uma semana, vaidosa como a irmã e a mãe, Nick fez o vestido da irmã desaparecer a deixando sem roupa, o vestido apareceu em seu guarda roupa no mesmo dia depois que reviraram o chalé das conchas.

- Amor fique feliz por sua prima, Molly é mais velha, ainda terá muito tempo! – Hermione percebeu sua carinha triste e a consolava. – Agora vai brincar com a vovó e seu irmão, vou ajudar o papai com o almoço! – Ela sorria, Hugo mal esperou e correu para o quintal, Amélia precisou incentivar Rose a seguir com ela para o quintal.

Estávamos preparando o almoço e aguardando os Potters, tínhamos os convidado para o almoço e seria ótimo para Rose se distrair, ela adorava os primos e os padrinhos. De repente ouvimos um grito de Hugo e corremos para o quintal.

- Me coloca no chão sua bruxa! – Hugo gritava de ponta cabeça agarrado a um livro flutuando a quase quatro metros de altura. Rose estava furiosa logo à frente e Amélia tentava em vão alcançar o neto.

- Filha! – Corri e a rodopiei no ar, finalmente tinha acontecido!

- Pai! – Hugo gritou quando começou a cair, por sorte Hermione estava atenta e agiu rapidamente amortecendo a queda com um colchão inflável que fez surgir magicamente logo abaixo de Hugo.

- Opa! Alguém em casa? – Ouvi a voz de Harry vindo da sala, eles deviam ter acabado de chegar. Logo meus sobrinhos chegaram no quintal correndo e beijando todos.

Amélia contava animada da novidade para todos, Rose não queria brincar e ficou em um canto lendo e Hugo roubou seu livro de Runas, ela não conseguiu alcançar o irmão que voava rapidamente em sua vassoura de brinquedo, Rose era péssima em voar e nunca tentaria alcançar Hugo usando uma vassoura, então houve a explosão de raiva. Ela virou o irmão de ponta cabeça e a vassoura continuou andando por mais um metro até que caiu no chão, Hugo ainda segurava o livro ameaçando rasgar suas folhas se ela não o soltasse quando chegamos.

Gina pulava animada falando que aquilo merecia uma comemoração! Ela levaria Rose no dia seguinte para comprar um presente. Todos a abraçaram dando os parabéns, minha filha era uma bruxa, mal conseguia conter o orgulho em meu peito, Hermione também sorria bobamente. Depois do almoço estava conversando com Harry no quintal observando as crianças brincarem enquanto as mulheres estavam na sala em uma conversa animada.

- Agora só falta Alvo, ele me preocupa é tão diferente dos irmãos, com Tiago e Lilian sempre é tudo muito mais fácil! – Ele suspirava preocupado. – Lilian é minha princesinha, ela me vê como seu herói e Tiago é o meu parceiro, ele me idolatra, foi o primeiro e fizemos tudo juntos. Agora Alvo é diferente, ele se isola e detesta o assedio pela fama que temos no mundo bruxo, Tiago é mais extrovertido e até faz caretas para as fotos dos repórteres, parece adorar ser o centro das atenções. Já imagino como dará trabalho a Minerva quando chegar a Hogwarts! – Ele observava o filho com orgulho.

- Vai acontecer Harry, filhos são diferentes mesmo. Veja como demorei para conquistar Hugo, agora ele é meu cúmplice em tudo. Claro que ele é o maior puxa saco da mãe, mas é para mim que corre quando apronta. – Acenava para Hugo que me mostrava de longe uma nova pirueta que tinha conseguido com a vassoura, Hermione nos mataria se o visse, ainda mais quando soubesse que eu que ensinei aquilo, por sorte ela estava distraída rindo na sala.

- É diferente Ron, você infelizmente perdeu um tempo com Hugo, eu sempre estive lá com Alvo, mas ele não me da qualquer abertura. – Ele olhava o filho com atenção.

Alvo conversava com Rose distraído, ele era seu melhor amigo e sempre aparecia em casa, eram inseparáveis. Tiago ao contrário do irmão dava piruetas ainda mais arriscadas que Hugo que o olhava com admiração, Lilian brincava em um canto com Amélia, mostrando suas bonecas.

Quando os Potters foram embora, Amélia levou as crianças ao cinema. Pedimos comida e estava vendo um filme com Hermione.

- Como se sente? – Ela perguntou sorrindo, Hermione como eu parecia estar distraída pelo grande acontecimento com Rose.

- Radiante! Ela é incrível, vai ser a bruxa mais fantástica do mundo depois de você! – A beijei.

- Te amo! – Ela respondeu se aconchegando mais em meu ombro.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...