História Room mate - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Teen Wolf
Visualizações 175
Palavras 15.292
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Lemon, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Demorou mas chegou, gente
Era para eu ter postado isso ontem. Mas eu apaguei
Gomen

Capítulo 3 - 3


Derek suspirou, jogando a cabeça para trás, afim de encarar o teto. Sua mente estava um tanto bagunçada nos últimos dias. Kali, surpreendentemente, não lhe procurou mais depois do dia em que ele e Stiles fingiram estar tendo relações sexuais na frente da mulher. Quer dizer, ela até lhe procurou no estacionamento, na manhã seguinte. Derek ficou furioso ao ver a morena parada ao lado do se carro, mas logo suavizou a sua expressão ao ouvir o questionamento da mulher. Kali havia ido até si apenas para questionar se o que tinha visto na noite anterior era verdade, se ele e Stiles realmente estavam se relacionando.

Derek não pensou duas vezes em responder. Manter a mentira foi mais fácil do que ele esperava, o difícil fora convencer Kali de que ele realmente estava se envolvendo com o vizinho de baixo. A mulher insistia que ele provasse que ele a havia superado, que o que tinha com Stiles era verdadeiro. Talvez Derek tenha sido um pouco... Rude com a resposta que deu. Ninguém gostaria de ouvir um “o beijo é melhor do que o seu, até o sexo com ele é melhor do que com você”, principalmente do seu “marido”. Ver a expressão de choque da mulher acariciou um pouco o ego ferido do moreno. Mas ele não sentiu pena. A morena não teve pena de si na hora de lhe trair, Deus sabe quantas vezes, então por que ele deveria ter?

Ele agradeceu o efeito de suas palavras ao ver como Kali o deixou sair do estacionamento, tão passiva a situação, perdida em pensamentos. O Hale se sentiu aliviado. Quem sabe assim ele tivesse mais paz? E foi o que ocorreu. Kali não mais lhe procurou depois da conversa no estacionamento. Mas em compensação, o desgraçado do Enis voltou a lhe procurar. O homem tinha a cara de pau de lhe chamar para sair como se nada tivesse acontecido. O que ele tinha na cabeça? Por acaso achava que o seu sobrenome era Shepherd e o dele era Sloan? E não importava quantas vezes Derek o mandasse a merda, Enis sempre retornava a falar consigo. Seja por mensagem, ligação ou até mesmo cara a cara. Porque, sim, Enis tinha a cara de pau para isso.

Aquela insistência toda por parte do ex-melhor amigo fazia com que o humor de Derek fosse ao inferno. O homem estava estressado com o calvo, como se o trabalho já não lhe estressasse. Para completar tudo, ele não conseguia tirar da cabeça a ideia absurda de Lydia sobre ele estar gostando do seu colega de apartamento. O mais estranho de tudo era que, a cada dia que passava, a ideia absurda ia deixando de ser tão absurda.

Como ele percebia?

Simples.

Desde o dia em que ele acordou na cama de Stiles, que foi o mesmo em que ele abraçou o outro nu na frente de Kali, Derek vinha sentindo algo estranho quando sabia que o homem estava por perto. Sempre que o via ele sentia o corpo esquentar, além de seus olhos insistirem em seguir o Stilinski. Era automático. Quando o Hale menos esperava, seus olhos verdes estavam vidrados no castanho, como se o analisasse em segredo. Assim que Stiles se virava em sua direção, Derek desviava o olhar para qualquer outra coisa.

O cheiro do Stilinski, sempre que passava pelo mesmo, lhe deixava um tanto inquieto, como se precisasse fazer alguma coisa, mas não tinha nada para fazer, além de suas bochechas arderem levemente. Aquilo era angustiante. Lydia insistia em lhe encher o saco durante o intervalo para o almoço, sempre perguntando algo sobre Stiles, o que não ajudava em nada a lhe distrair. Ele precisava de um tempo. Precisava pensar. Precisava de paz.

E foi por isso que ele decidiu faltar ao trabalho nos últimos dois dias. Ele passou a manhã inteira jogado no sofá, assistindo televisão. Na verdade, apenas encarando o aparelho eletrônico, pois a sua mente estava em outro lugar, mais especificamente em Las Vegas, pensando em como Stiles estaria se saindo no torneio. O castanho havia viajado para a cidade dos jogos há três dias atrás. Levando apenas uma mala com roupas e uma mala pequena com controles e baterias recarregáveis completamente carregadas. O Hale não conseguia desviar o olhar do homem, impressionado com a aparência do mesmo na noite de sua partida.

Stiles tagarelava sem parar as regras para cuidar de Nogi e Void, mas tudo o que o moreno de olhos verdes fazia era observar o quão bonito o outro estava com aquela camisa longa branca de manga cumprida, junto do colete jeans e da calça jeans preta. O Hale não podia negar, o outro estava perfeito.

O moreno de olhos verdes suspirou. Maldita hora em que Lydia foi colocar aquilo em sua cabeça. Agora, ele nem podia mais olhar para o castanho sem se sentir um idiota. Ah, ele queria tanto matar a ruiva. Ele não conseguia dizer o que diabos estava acontecendo consigo. Ele não era idiota. Sabia que estava gostando do seu colega de apartamento. Mas ele não entendia como e quando aquilo começou. Até umas semanas atrás ele era só um cara hétero divorciado que morava com um amigo, hoje ele era o bi curioso apaixonado pelo homem que dormia no quarto ao lado.

Era uma mudança um tanto drástica e repentina para ignorar e não fazer questionamentos. O homem suspirou novamente, enquanto sentia Void se deitar ao seu lado, usando o braço do sofá como travesseiro. O Hale olhou para o felino, vendo o mesmo lhe fitar com tédio, enquanto usava as unhas no sofá, manhosamente, antes de ignorar a sua imagem e olhar para a frente, para em seguida fechar os olhos. O moreno apenas permaneceu a encarar o gato por um tempo, antes de seguir o seu exemplo e tentar descansar. Derek estava exausto da sua semana cansativa. Assim que fechou os olhos, o seu celular tocou em sinal de chamada. O homem se esticou para o alcançar na mesa de centro afim de atender, no entanto, ao ver o nome que brilhava na chamada, o Hale suspirou e abaixou o volume do aparelho. Ele já não aguentava mais as tentativas de Enis.

Ele já estava farto daquilo.

A campainha tocou e Derek se levantou, já imaginando de quem se tratava. Quando abriu a porta do apartamento, o moreno de olhos verdes encontrou Jackson carregando uma bolsa plástica com vários salgadinhos dentro e outra com vários pacotes de doces. O louro de topete lhe cumprimentou com um aperto no ombro e um “ e aí?” antes de Scott adentrar o apartamento com uma bolsa plástica com leite condensado, outra com limões e uma mochila nas costas. O moreno de queixo torto cumprimentou o mais alto com um aperto de mão enquanto seguia para a cozinha. Isaac veio logo atrás, trazendo algumas garrafas de bebida.

- já está na hora? – indagou Derek vendo os amigos de Stiles se instalarem na sala, quer dizer, em metade da sala, já que eles fizeram de tudo para se sentarem longe de Void, que apenas abriu um dos olhos para os observar.

- já. Vem cá. Tem como você... Sabe? Resolver com ele? – indagou Jackson vendo Isaac seguir para a cozinha, enquanto Scott tirava o notebook da mochila.

Derek sorriu, negando com a cabeça, antes de se aproximar do felino e o pegar no colo, falando que o mesmo deveria deitar em sua cama enquanto os rapazes estivessem ali. Ele colocou o bichano, cuidadosamente, deitado ao lado de Nogi, que deitado de barriga para cima ocupava metade de sua cama. O felino olhou para o humano, vendo o mesmo lhe fazer um leve carinho na cabeça como pedido de desculpas, antes de o ver se retirando do quarto. O Hale chegou a sala sendo encarado por Jackson, que estava franzindo o cenho em sua direção.

- ainda não sei como pode pegar o diabo no colo sem sofrer nada – murmurou o Whittemore vendo o Hale sorrir.

- eu também não sei essa cisma dele com vocês – falou Derek vendo o louro negar com a cabeça.

- ótimo. Ele foi embora. Começa logo com isso, Scott – disse Isaac ao retornar da cozinha com copos e uma faca.

- eu já estou entrando – disse Scott enquanto dedilhava no teclado.

- qual é o jogo que ele vai competir hoje? – questionou Derek se jogando no sofá enquanto Jackson virava dois pacotes de Doritos numa tigela enorme.

- Blazblue e Street Fighter – respondeu Jackson já comendo dos salgadinhos triangulares.

Derek encarou o trabalho de Scott, pensativo. Eles haviam feito esse mesmo processo no dia anterior. O torneio começara no dia anterior, já tendo alguns jogos finalizados, como o que Stiles e fora o campeão, The King of Fighters. O Hale, inicialmente, ficou surpreso com a quantidade de pessoas que havia no evento. Ele não imaginava que fosse ter tanta gente. O choque maior veio quando, numa vídeo chamada no intervalo da categoria, Stiles revelou a quantidade de participantes do evento. Nunca que Derek fosse imaginar que só de competidores fossem haver dez mil pessoas. Ele jamais imaginaria que haveria tanta gente em evento de um esporte em ascensão.

Mas o choque logo foi passando quando o moreno de olhos verdes passou a reparar no castanho. Stiles usava um moletom preto de capuz que o dava um ar misterioso sem tirar a beleza de seu cabelo ao deixar o topete exposto. Derek não pôde deixar de admirar o castanho enquanto o mesmo conversava animadamente com eles sobre Vegas e sobre a festa de recepção que era dada todo ano. O Hale sorria ao ver os dentes brancos exibidos num sorriso maroto enquanto o dono do sorriso falava como fora engraçado os participantes se juntaram para beber e dançar durante a festa, fazendo uso das boas praticas esportivas e não se considerando rivais fora dos games. O sorriso do Hale morreu aos poucos quando uma mulher simplesmente surgiu do nada, beijando a bochecha do castanho e os cumprimentando rapidamente antes de sumir na multidão, deixando todos confusos.

- beleza, já começou – disse o moreno de queixo torto apertando um botão no teclado e a transmissão fora exibida na tela, revelando uma batalha entre um homem mascarado e uma jovem garota que usava uma grande espada.

Dois quadrados eram exibidos nos cantos da tela, rebelando dois homens com os olhos vidrados em algo. O moreno se sentou ao lado do namorado, que servia os dois com refrigerante, enquanto Jackson abria uma garrafa de cerveja. Derek se contentou com o refrigerante enquanto via o round ser finalizado com a vitória sendo da garota de espada. As imagens dos jogadores foram aumentadas, tomando toda a tela e fora nesse momento em que Derek o viu pela primeira vez naquele dia.

Lá no fundo, de braços cruzados, mochila nas costas e pirulito na boca, apenas observando os seus adversários se enfrentarem, estava Stiles. Vestido com um moletom cinza, novamente usando capuz. O castanho de olhos claros desviou o olhar para a direita para responder a alguém que havia falado consigo. Derek sentiu vontade de sorri, mas se controlou. Era incrível como Stiles tinha esse poder sobre si, de lhe fazer sorrir apenas de o ver.

E novamente a sua confusão apenas aumentava. Ele não aguentava mais aquilo. Precisava resolver aquilo. Ele tinha que entender o que realmente estava se passando consigo. Aquilo não poderia perdurar mais. Ele havia se decidido. Quando Jackson, Scott e Isaac fossem embora, ele iria se focar em apenas entender o que estava acontecendo consigo e o que ele deveria fazer. Jackson se animou ao seu lado e foi só então que Derek notou que a partida anterior havia acabado e que, agora, era Stiles em que iria jogar. Foi uma disputa um tanto acirrada, mas Stiles acabou ganhado por 3 X 1. Jackson quase tinha um troço a cada round. Quando questionado pelo Hale, o louro respondeu que era algo como “Síndrome de bom atleta”. Não importava o esporte. Jackson iria simpatizar com um lado rapidamente e passaria a torcer pelo mesmo com vontade.







Derek suspirou enquanto analisava aqueles arquivos enviados a si por sua secretária. Ele ainda não havia retornado para o trabalho. Permanecia sentado em sua cama com a calça do seu pijama e sem camisa, mesmo com o ar-condicionado ligado, e com o notebook no colo. As cortinas estavam fechadas e as portas também para que nada lhe atrapalhasse ali.

O motivo de não ter retornado para o trabalho?

A confusão quanto ao que sentia em relação ao castanho continuava, para o seu infortúnio. E, para completar tudo, Stiles retornava de viagem naquele dia. Ou seja, ele tinha pouco tempo sozinho no apartamento para conseguir tentar resolver o seu problema interno. Por isso havia pego mais um dia de folga. Para tentar acabar com isso antes de o castanho chegar. Mas até agora, nada havia sido resolvido. A sua dúvida permanecia ali, a sua confusão não fora reduzida em nenhum aspecto. Cansado de não conseguir resolver as coisas apenas fazendo questionamentos em sua mente e não chegar a lugar algum, Derek minimizou todas as abas do trabalho e abriu uma aba na janela anônima do navegador.

Ele iria apelar.

Os seus dedos começarem a se mover, nervosos, sobre o teclado. Logo haviam várias abas abertas. Abas constrangedoras que com toda a certeza Derek desejava que ninguém soubesse que ele abriu. Depois de responder a quis e ler revistas femininas e homossexuais com várias manchetes como “qual é o seu tipo de garoto” o Hale quis se matar. Nada. Ele não havia feito nada, praticamente. A sua dúvida continuava ali. As revistas só falavam de famosos bonitos que deixavam adolescentes enlouquecidas, os quiz só faziam questões estereotipadas como, “Rock, divas do pop, ou hip hop?”

Pois é, a apelação não serviu de nada. Aquilo lhe frustrava. Se ele, realmente, estivesse gostando de Stiles, ele temia que coisas ruins acontecessem. Como perder a amizade do castanho, ou até mesmo perdeu o Stilinski para outra pessoa enquanto permanecia em sua dúvida. Ele não queria pedir a ajuda de alguém. Seria vergonhoso demais. Suspirando, Derek jogou a cabeça para trás, encarando o teto. Como ele poderia resolver algo tão pessoal e complicado no conforto do seu quarto, sem precisar que ninguém invada a sua privacidade?

Aquilo era tão complicado. Ele não conseguia imaginar como adolescentes de hoje em dia conseguiam passar por isso, sendo que ainda moram com seus pais e dependem deles, tendo que esconder muita coisa para se manterem assim. Aquilo era muito difícil. Não havia enfrentado algo do tipo nem mesmo na faculdade, que é onde esse tipo de questionamento costuma surgir com frequência. Ele sempre foi tão decidido do que gostava. Nunca imaginou que algum cara pudesse despertar o seu interesse algum dia. Até já havia zoado o seu amigo teu, sem nenhum tipo de preconceito, quanto a isso.

O seu colega de dormitório havia se interessado por um calouro do curso de Lydia na época. Fora engraçado como tudo ocorreu. Primeiro, eles foram amigos virtuais que nunca trocaram fotos ou coisas do tipo. Se conheceram jogando um MMORPG famoso da época. Já nesse tempo, Theo já havia demonstrado um certo vício em conversar com o rapaz pelo chat do jogo. Então o rapaz se formou na escola e foi para uma faculdade. Durante uma festa, Lydia apresentou o calouro Liam para o Raeken. Os dois louros se gostaram de cara. Em poucos minutos já agiam como melhores amigos. Até que, inevitavelmente, o assunto acabou chegando no jogo. Os dois ficaram surpresos ao descobrirem quem realmente eram. Aquela informação não os afastou, pelo menos não instantaneamente. Alguns semanas depois eles mal se falavam. Quando cumprimentavam em grupo eram desastrados, como se não soubessem mais como interagir um com o outro.

Derek, preocupado com o colega de quarto, foi conversar com o mesmo. Ele ficou surpreso quando Theo disse que suspeitava estar apaixonado pelo Dunbar. O drama de Theo fora maior do que o de Derek, com certeza. O Raeken ainda dependia, financeiramente, dos pais. E ser homossexual naquela época não era algo muito bem visto. O louro chorou alguns dias, se embriagou em outros. Fora angustiante. Derek pediu ajuda a Lydia para tentar ajudar o louro, e a ruiva revelou estar na mesma situação com Liam. Os dois pediram ajuda ao irmão do namorado, hoje marido, de Lydia, que já era gay assumidamente na época. Ethan tivera uma conversa privada, rápida, com cada um. Derek não se lembra muito bem do que ocorreu em seguida. Só se lembrava de Theo devolver um DVD sem imagem na capa para Ethan, agradecendo o que ele havia feito por ele.

Derek suspirou cansado.

O quanto ele precisava de um Ethan agora, mas tinha receio de pedir por ajuda? Ainda encarando o teto, a mente curiosa de Derek começou a trabalhar em uma dúvida que ele havia se esquecido completamente que tinha. O que era aquele DVD que Theo havia entregue para Ethan? Era raro um DVD não ter imagem na capa. Geralmente só havia dois motivos para aquilo. Ou o DVD era uma cópia, ou era...

Derek corou enquanto erguia a cabeça lentamente. Agora fazia sentido. Theo havia passado uns dias, depois da conversa com Ethan, com a porta trancada e som alto ligado. O louro costumava sempre deixar a porta aberta e poucas vezes ligava o som. O Raeken só se trancava quando ia assistir pornografia. E, bom, para o DVD pertencer a Ethan e ter ajudado Theo a se decidir quanto a Liam, só poderia ser um filme para maiores de dezoito com apenas homens. O coloração da face de Derek não se mantinha vermelha pela descoberta, mas sim pelo que sua mente tramava naquele momento. Mordendo o lábio inferior, Derek ponderou por um bom tempo, apenas observando o notebook em seu colo. Ele não acreditava que estava mesmo pensando naquilo.

- eu não acredito que vou fazer isso – murmurou o moreno de olhos verdes fechando todas as abas da janela anônima e abrindo mais uma.

Os dedos de Derek se moveram agilmente, novamente, sobre o teclado. Ele encarou a url digitada por si, antes de apagar a mesma com velocidade. Ele não iria apelar para aquilo, era desespero demais. O grande X da questão era: Derek estava desesperado. Com mais lentidão, Derek redigitou o endereço eletrônico, antes de, com muita luta, apertar o Enter. Anos. Fazia anos que ele não acessava aquele site. Mas muitos anos mesmo. A vida de casado é complicada demais para se usar aquilo, ainda mais com frequência. Assim que a interface principal do site carregou, Derek procurou pelo ícone de pesquisa, clicando no mesmo e vendo o piscar da barra do cursor do teclado, indicando que ele já podia digitar. O moreno encarou o teclado como se o mesmo lhe julgasse pelo que ele estava fazendo naquele momento. Mais lentamente do que deveria, Derek digitou as três letras que ele tanto temia digitar ali, antes de apertar o Enter com a estranha sensação de que estava decapitando algo no meio do ato.

Dignidade, o nome.

Imagens e mais imagens de homens nus surgiu a sua frente, o deixando mais vermelho ainda. Para lá de envergonhado, porém curioso, Derek desceu a página, olhando para o que ele havia pesquisado com atenção. Um certo nome lhe chamou a atenção, assim como toda a frase e a imagem do vídeo que era usada como capa. Derek olhou para a porta do quarto uma última vez, antes de clicar na palavra “Room Mate” e uma outra página carregar, revelando um vídeo. Assim que deu play no vídeo, Derek cruzou os braços enquanto analisava a imagem carregar.

Quando o vídeo se iniciou, Derek permanecia a soltar uma lista de xingamentos para si mesmo, dizendo o quão estava envergonhado por precisar assistir um filme pornográfico para descobrir se gostava da coisa ou não. Quando os dois atores começaram a se beijar, Derek se sentiu um idiota por estar ali, enquanto xingava por lembrar o quão ridículo um roteiro pornográfico poderia ser. Ele estava bem. Não havia nenhuma alteração em seu corpo. Nada. Talvez só uma sensação estranha no peito por ter, acidentalmente, imaginado beijar os lábios de Stiles daquela forma. Mas aquilo não queria dizer nada. Pelo menos era o que ele pensava... Ou queria pensar. Quando o sexo oral começou, Derek olhou para sua cintura. Havia ficado meia bomba, ainda não queria dizer nada, afinal, uma boca era uma boca. Não era?

Quando dera por si, Derek já estava arfando enquanto sua mão acariciava o seu falo por debaixo dos lençóis. Ele não conseguiu evitar. Acabou ficando tão duro que seu pau doía logo no início da penetração. Ele resistiu a vontade de se masturbar por um tempo, mas quando sentiu a possa de pré-gozo que se formou no pé do seu pênis, já que o líquido pingava em seu baixo ventre e escorria para a sua virilha, ele não conseguiu resistir mais. Levou sua mão para o seu pau e passou a bater uma. Suspirando, imaginando como seria fazer aquilo com Stiles. Ele sentia tão errado em bater uma punheta pensando em seu colega de apartamento, mas o prazer que sentia era tão bom. Havia séculos que não fazia aquilo. Ele não se lembrava que o toque de sua mão em seu pênis rígido poderia ser tão gostoso. Ele suspirava sentindo os seus dedos, de vez em quando, apertando a sua glande, fazendo mais de pré-gozo minar da fenda. O seu pau pulsava sempre que ele fazia isso e também quando, no final do percurso do vai e vem, ele apertava mais a mão, pressionando o falo.

Derek estava tão absorto no prazer que podia sentir sozinho, que se quer notou o orgasmo subindo pelo seu corpo enquanto os seus pés se contorciam, estalando os seus tornozelos. Quando dera por si, ele estava gemendo, com o pau pulsando em sua mão, despejando o seu sêmen contra o lençol. Um dos jatos atravessou o tecido fino e atingiu o seu peito e o queixo, lhe surpreendendo. Fazia séculos que não se masturbava e tempos que não sentia um orgasmo. Estava a tanto tempo sem qualquer tipo de ato sexual, que fizera o seu orgasmo ser intenso com apenas uma masturbação. Com o corpo ainda anestesiado pelo recente orgasmo, o qual não sentia há um bom tempo, Derek ficou apenas a tentar recuperar o fôlego. E foi respirando com dificuldade, que Derek fora pego de surpresa pelo latido de Nogi. O cachorro de pelos continuou a latir com frequência, deixando o Hale em alerta.

O moreno de olhos verdes limpou o peito com o lençol, antes de vestir suas roupas de baixo e se erguer, caminhando na direção da porta do seu quarto. Antes de abrir a porta, o moreno de olhos verdes pegou um taco de beisebol que havia perto do seu guarda-roupa. Ele abriu a porta, devagar, olhando com cuidado ao redor. Ele ouviu passos do lado de fora e o som de algo caindo do chão, enquanto Nogi permanecia a latir. Derek, ao ver que o corredor estava vazio, seguiu para a sala com cuidado, sempre segurando o bastão erguido, pronto para acertar a cabeça de qualquer um.

- PORRA! ME SOLTA! – Derek ouviu o invasor gritar enquanto ouvia Nogi rosnar, assim como Void, que miava grosso para alguém.

Derek não conseguiu esconder o desgosto ao reconhecer a voz do invasor. Caminhando com velocidade na direção da sala apenas por receio de Nogi acabar ferindo a perna do homem ao ponto de terem de amputar a mesma e o pobre animal ser sacrificado, Derek teve a visão de Enis estirado no chão da sala, provavelmente por ter tentado dar a volta no sofá para escapar do cachorro, mas fora uma tentativa idiota, já que o cão poderia muito bem pular o sofá. Nogi chacoalhava a calça de Enis, enquanto Void miava grosso e rosnava para o intruso caído.

- Nogi, solta – ordenou Derek e o cachorro o fez mas permaneceu ao lado de Enis, enquanto rosnava.

- mas que porra! Desde quando você cria demônios?! – indagou o calvo, ainda nervoso com todos aqueles dentes afiados direcionados para si. Derek cruzou os braços e rolou os olhos.

- desde que saí de casa. Nogi, senta e para – ordenou Derek vendo o cachorro lhe obedecer, sentando e parando de rosnar.

- como consegue viver sem medo dessa coisa lhe atacar? – indagou Enis se erguendo e ajustando a roupa ao corpo, enquanto dava a volta no sofá, ficando atrás do mesmo, longe do animal.

- como entrou aqui? – indagou Derek, entediado.

- do jeito de sempre, arrombando – respondeu o seu ex-melhor amigo dando uma olhada ao redor, enquanto apontava para a porta, que só então o Hale notou estar aberta para Deus e o mundo observarem o interior do apartamento. Olhando para o chão, Derek pôde ver a madeira estirada no mesmo.

- MAS QUE PORRA VOCÊ FEZ?! – gritou o moreno de olhos verdes apontando para a porta no chão.

- mas em que toca nerd você veio se enfiar, hein? – questionou o calvo odiando a decoração do local.

- o que porra veio fazer aqui? – indagou Derek vendo o Stokes dar de ombros.

- vim pegar suas coisas e levar você de volta – respondeu o homem com tamanha naturalidade, que parecia que ele não havia o traído ao levar a esposa do amigo para a cama.

- mas nem... – Derek fora cortado quando viu um corpo entrar voando e acertar um chute com os dois pés nas costas do seu ex-melhor amigo, vendo o mesmo cair por cima do sofá.

- FOI VOCÊ QUE FEZ ISSO, NÃO FOI, FILHO DA PUTA?! – gritou Stiles se erguendo e pulando o sofá.

- FILHO DA... – o grito de dor de Enis fora calado por um soco.

- FOI VOCÊ, NÃO FOI? – Stiles voltou a socar o homem algumas vezes antes de Derek correr para o retirar de cima do calvo.

- Stiles, pelo amor de Deus, calma – pedia o Hale enquanto lutava para segurar o castanhos.

- NÃO! Eu vou foder com esse cara. Depois vou foder a vida dele! – exclamou o castanho vendo o homem que arrombou a sua porta se erguer com a boca sangrando e o rosto vermelho de tantos golpes.

- você até que é forte para um viadinho magricela – disse Enis já erguendo os punhos. O sangue de Stiles ferveu.

- Enis! – repreendeu Derek vendo o calvo mover os dedos, como se chamasse por Stiles.

- solta ele, Derek. Quero ver se ele pode comigo preparado – ditou Enis cuspindo no carpete.

- CALA A PORRA DA BOCA, ENIS – gritou Derek, não vendo a expressão de ódio do Stilinski.

Em um segundo, o mundo girou e Derek se viu no chão, com uma dor enorme no ombro direito. Ao olhar para o lado, ele viu Stiles erguer Enis nas costas e o jogar no chão, do mesmo jeito que fizera consigo, antes de girar o braço do calvo e pisar em seu ombro, fazendo o mesmo se deslocar. Derek sabia pois ouvira os ossos do Stokes estalando no processo, antes de ouvir Enis gritar de dor.

- grita. Grita que eu quero ouvir mais. – ditou Stiles antes de chutar o abdômen do outro.

- Stiles! – repreendeu Derek antes de correr e se jogar no castanho, o derrubando no chão.

- seu filho da puta! – exclamou Enis, se contorcendo no chão.

- ENIS, SAIA DAQUI, AGORA! - ordenou Derek enquanto tentava segurar o colega de apartamento no chão.

- isso não vai ficar assim – ditou Enis se erguendo e correndo com a mão no ombro.

- EU VOU LHE CAÇAR, INFELIZ! E LHE ESPANCAR ATÉ ME SENTIR SATISFEITO! – gritou Stiles enquanto era preso pelo enorme corpo de Derek no chão.

Quando Derek jugou que Enis já podia ter saído do prédio, ele soltou Stiles. O Stilisnki se levantou, irritado olhando para as suas malas do lado de fora do apartamento, já imaginando que não poderia alcançar o maldito Enis mais. Resmungando, ele foi buscar as malas, enquanto era encarado pelo Hale, que ao ver o que o castanho fora fazer, se aproximou para ajudar. Quando Stiles jogou a mala sobre si, Derek fora questionado, num tom mau humorado, por que havia prendido o outro no chão enquanto Enis fugia.

- porque você poderia ser preso por tantas agressões – respondeu o moreno e aquilo pareceu ser o suficiente, já que Stiles nada mais falou.

O castanho ainda permaneceu com um bico nos lábios, enquanto desfazia as malas. Derek observou o castanho, por um tempo, se sentindo um tanto culpado pelo mau humor do mesmo. Stiles ganhara as categorias que participou do torneio, deveria estar feliz ao chegar em casa e colocar os troféus na prateleira, mas ele apenas sustentava aquele bico nos lábios. O Hale não pôde segurar o suspiro antes de descruzar os braços e coçar a nuca, nervoso.

- escuta. Quanto a porta, pode ficar tranquilo que eu pago – ditou o moreno de olhos verdes chamando a atenção do castanho.

Stiles respirou fundo, largando a camisa xadrez que tinha em mãos e olhando para o moreno que se encontrava apoiado na porta do seu quarto, lhe observando com atenção.

- Não é o dinheiro da porta o problema aqui, Derek. É a dignidade. A segurança. A honra. O filho da puta arromba a nossa casa e saí impune?! - argumentou Stiles, irritado, ouvindo o celular de Derek vibrar no bolso e vendo o mesmo mexer no aparelho.

- na verdade, você o deixou com um ombro deslocado, provavelmente uma costela quebrada, e ele acabou de me mandar uma mensagem dizendo que está com um dente faltando e que provavelmente está aqui – disse Derek sorrindo enquanto mostrava a mensagem para o Stilinski, que não conseguiu deixar de rir.

- AH! Eu preciso achar esse dente – disse Stiles correndo para a sala e tratando de procurar pelo osso arrancado do maldito que arrombou o seu apartamento.

- ACHEI – gritou erguendo o dente entre os dedos, antes de o colocar na estante de jogos.

- por que esta guardando? – indagou Derek vendo o outro observar o dente com um sorriso nos lábios.

- quando ele voltar vou enfiar esse dente no pau dele e vou empurrar até o final. Vão precisar abrir ele para tirar essa merda de lá – respondeu o mais baixo com uma animação assustadora na visão do Hale.

- tudo bem, então – murmurou Derek olhando desconfiado para o mais baixo.

Derek passou algum tempo admirando o castanho. Ele acabou se perdendo em sua admiração, passando tanto tempo naquela posição, olhando para o outro, que acabou chamando a atenção de Stiles, que se virou sorrindo para si. Derek corou com o olhar do outro em si e desviou o mesmo. Stiles franziu o cenho para si, antes de apontar o dedo para o seu rosto, deixando Derek nervoso.

- você ia fazer a barba? – questionou o Stilinski vendo Hale lhe fitar confuso.

- fazer a barba? Por que acha isso? – perguntou Derek, perdido.

- tem um creme branco em sua barba. Parecido com o creme barbeador – ditou o castanho apontando para o próprio queixo e Derek levou os dedos ao próprio, sentindo algo molhado em seu queixo. Ao puxar os dedos para o campo de visão, ele corou fortemente ao se lembrar do que se tratava aquele creme branco.

- melhor não, hein? Você fica um homão da porra, assim – alertou o castanho dando um tapa em seu ombro antes de seguir para o quarto, deixando um Derek corado perdido em pensamentos.







Stiles estava jogando Dragon Ball FighterZ, jogado em seu sofá, com uma fatia de pizza pendurada em sua boca. Para o castanho, não havia nada melhor do que ficar em casa, sem fazer nada. Ele pretendia ficar ali por algumas horas. Por mais que tivesse jogado num torneio recentemente, ele gostava de ficar sem fazer nada enquanto dedilhava num joystick. Era revigorante, para si. Não importava quantas vezes fizesse isso. O seu vício não diminuía, não se tornava monótono, não lhe entediava, nunca. O que surpreendia a maior parte do seu círculo de amizades.

O homem de cabelos castanhos finalizou a fatia de pizza que segurava entre os dentes, antes de procurar o canudo da garrafa de refrigerante que estava na mesa de centro, que fora aproximada do sofá para que ele pudesse beber sem precisar sair da posição principal. Quando ele iria levar mais uma fatia de pizza a boca, a campainha tocou, o fazendo revirar os olhos. Ele gemeu de preguiça enquanto se levantava lentamente, na esperança de que a pessoa fosse embora.

Para o seu azar, quando a pessoa tocou a campainha novamente, ele já estava atrás da porta. Olhando pelo olho mágico ele não conseguiu reconhecer aquela pessoa. Ele abriu a porta, olhando diretamente nos olhos castanhos escuros da mulher de cabelos negros que caíam sobre os ombros, elegantemente. De fato, ele não se lembrava de a conhecer. Deveria estar perdida, pelo modo como analisava tudo no corredor. A morena lhe olhou de cima a baixo, lhe analisando cuidadosamente, antes de franzir o cenho em sua direção.

- boa tarde – Stiles cumprimentou simpaticamente sorrindo minimamente na direção da morena, que permanecia com um olhar de julgamento para cima de si.

Ele não esperava, de forma alguma por aquilo. Quando deu por si já estava com o rosto virado na direção da parede, com a bochecha ardendo devido ao golpe da mão da mulher. Os dedos dela com toda a certeza deixariam marcas em sua face pelo resto do dia. Sorrindo minimamente, Stiles deslizou a língua pelos lábios, enquanto voltava a olhar para a mulher, a vendo lhe lançar um olhar de ódio. O homem levou a mão para o rosto, acariciando o mesmo. Havia sido um belo tapa, ele tinha que admitir. O castanho viu a mulher erguer a sobrancelha esquerda de um jeito bastante conhecido por si. Ele se viu surpreso por um momento, antes de sorrir largo.

- você deve ser a mãe do Derek – disse vendo a mulher colocar as duas mãos da alça da bolsa, mal sabendo ele que era um modo de se controlar para não lhe desferir outro tapa.

- e você deve ser o vadio que destruiu o casamento do meu filho – soltou a mulher, irritada.

- vejo que conversou com a puta da sua nora – disse o castanho vendo a morena fechar o semblante, como se o repreendesse.

- olhe a língua ao falar da minha nora. Alguém como você não tem o direito nenhum de falar de uma mulher de família – repreendeu a morena vendo o castanho rir nasalado.

- se aquilo é mulher de família, eu não sei mais como chamar uma mulher casada – comentou negando com a cabeça e recuando alguns passos.

- por favor, entre. Não se sinta acanhada – convidou o Stilinski vendo a mulher, de queixo erguido, num ato esnobe, adentrar o seu apartamento.

- será breve. Vou pegar as coisas dele e irei embora – falou ajustando a alça da bolsa ao ombro.

- na verdade, eu creio que vá demorar um pouco. Eu não vou deixar que pegue as coisas do seu filho – informou o castanho fechando a porta e caminhando na direção da sala, vendo a morena lhe fitar com seriedade.

- e quem você pensa que é para impedir uma mãe? – questionou a mulher já preparando o spray de pimenta em sua bolsa.

- não vou deixar você ser manipulada por uma vagabunda. Eu gostei de você. Tem uma mão pesada, gosto disso numa mulher. Aceita um café? – questionou vendo a mulher franzir o cenho em sua direção.

- não vou cair na sua lábia barata – alertou a mulher, defensiva, vendo o outro dar de ombros.

- vamos conversar na cozinha, eu já ia ter que preparar o jantar, mesmo – sugeriu o homem, antes de se virar surpreso para a mulher quando a mesma gritou assustada.

A morena olhava para os próprios pés, suspirando aliviada ao ver que, o que havia se enroscado em sua perna do nada era apenas um felino de pelos negros. Ela se assustou novamente quando sentiu algo molhado nas costas de sua mão. Olhando para o lado, ela pôde ver um enorme cachorro farejando a si, lhe encarando um tanto acuado. Stiles sorriu, vendo o cachorro lamber a mão da mulher uma vez, antes de se sentar no corredor.

- queria saber o que vocês, Hale’s, tem. Meus bichinhos não são amigáveis com todo mundo de primeira – falou o castanho e a mulher se sentiu um pouco mais confortável, chegando a acariciar a cabeça de ambos brevemente.

- PRINCIPALMENTE O GATO! – Stiles elevou a voz, perdendo o momento em que a mulher se erguia rapidamente, se afastando do felino.

- ainda não me respondeu. Café? Ou prefere um suco? – indagou quando a Hale adentrou a cozinha.

- um café – respondeu vendo o homem retirar uma xícara do armário.

- é melhor se sentar. O seu filho ainda vai demorar um pouco para chegar – disse o castanho já preparando tudo o que iria usar para preparar o jantar

Uma hora se passou e a mulher já se sentia muito mais confortável e mais calma na presença do homem. Stiles não ousou explicar o que havia ocorrido para Talia. Ele sabia que a mulher não iria confiar em si a tal ponto. Por isso apenas ficaram discutindo coisas comuns, como as manias de Derek dentro de casa. Stiles ria de como a mulher parecia irritada com os hábitos do filho, mesmo que usasse um tom nostálgico na voz de vez em quando. Foi através dela que Stiles descobriu mais sobre Laura e Cora, as irmãs do moreno com quem dividia o apartamento.

Talia ficou surpresa, de imediato, com o estilo de vida adolescente do castanho. Ela achou um tanto bonito da parte do Stilinski quando o homem disse que passou a comer menos porcaria com a convivência com o seu filho, dizendo que ele passou a cozinhar mais por causa do moreno. Os dois foram surpreendidos quando Nogi passou a latir animado na sala. Eles estavam conversando tão animadamente que não ouviram o som das chaves na porta e a mesma se abrindo. Apenas notaram os latidos e o som da porta sendo fechada com certa força.

- ele chegou – disse Stiles enquanto vestia as luvas para abrir o forno.

- você não tem noção da fome que eu estou. Deu para sentir o cheiro assim que o elevador abri...u – falava o moreno de olhos verdes enquanto adentrava a cozinha retirando a gravata. Ele perdeu a voz assim que viu a mulher sentada na mesa da cozinha, enquanto Stiles estava abaixado para pegar algo no forno.

- mãe?! O que a senhora está fazendo aqui? – indagou o Hale mais novo vendo a mesma se erguer, enquanto sorria em sua direção.

- oi para você também – disse a mulher se aproximando para abraçar o filho, que correspondeu o mesmo ainda confuso.

- oi. O que está fazendo aqui? – perguntou vendo a mulher tomar uma expressão de surpresa por um momento antes de começar a lhe golpear no braço usando a bolsa, repetidas vezes.

- vim pegar as suas coisas! Ainda não acredito que fez isso! – exclamou a Hale mais velha, furiosa.

- é o quê?! – questionou Derek, perdido.

- como você teve a coragem abandonar a sua mulher, por causa das mentiras de um vizinho que mora embaixo de vocês?! – indagou Talia, indignada.

- como? – perguntou Derek, perdido.

- olha. Nada contra. Você é bonito, cozinha bem. Poderíamos ter sido muito amigos. Mas caiu muito no meu conceito ao inventar essas mentiras sobre a minha nora. – falava Talia, não entendendo os risos contidos de Stiles e o queixo caído do filho.

- Mãe! Mãe! Podemos conversar? – questionou Derek, segurando a mulher pelos ombros.

- eu vou colocar a mesa e lavar os pratos. Podem ir – falou o castanho já abrindo os armários.







- me desculpe pela minha mãe. Ela é meio louca, às vezes. Mas é boa pessoa – pediu o Hale enquanto enxugava os pratos e os entregava para o castanho, que os guardava.

- está brincando?! Eu adorei a sua mãe! – exclamou o Stilinski enquanto fechava o armário dos pratos e o Hale pendurava o pano que usou num gancho.

- pelo jeito ela gostou de você, também – disse Derek se lembrando de como a mulher saiu do apartamento, implorando desculpas ao castanho até entrar no elevador e dizia estar muito arrependida do tapa que havia dado no rosto do mais baixo.

- ela tem uma mão boa. Você deve ter sofrido na infância – brincou o castanho vendo o moreno sorrir.

- nem. Meu pai não deixava. Ele ficava com um aperto no peito e botava na cabeça que não seriam bons pais daquele jeito. Aí pronto. Quando minha mãe já preparava a mão, ele já soltava um “NÃO!” – brincou o Hale vendo o outro rir, fazendo as suas bochechas corarem um pouco.

- e seus pais? Foram rigorosos com você? – indagou Derek vendo o castanho pensar um pouco.

- não sei. Eu sou órfão – respondeu Stiles vendo o moreno lhe fitar surpreso.

- f-foi mal. Eu... – o mais alto começou a se desculpar.

- relaxa, cara. Eu cresci num orfanato de uma igreja da cidade. Fugi quando completei quinze anos – explicou vendo o outro lhe fitar atentamente.

- deve ter sido difícil – murmurou Derek pensativo vendo o outro dar de ombros.

- nem tanto. Vamos falar de outra coisa que o clima ficou de bad – respondeu enquanto iam para a sala.

Derek estava reunindo coragem para falar com o castanho sobre irem ao cinema ou a qualquer lugar. Ele nunca foi de ficar parado quando se tratava de relacionamentos. E mesmo sendo pego de surpresa nesse tipo de paixão, ele não pretendia ficar parado. Ele conseguiu acordar do seu choque quando Lydia lhe deu um pequeno ponta pé para que pudesse tomar alguma atitude. “Ou você chama ele para sair, ou eu vou falar com ele”. Quando ele se viu um pouco preparado para fazer o convite, a campainha tocou, quebrando a sua coragem em pedaços.

- eita que hoje está movimentado. Eu sou antissocial, gente. Eu moro num condomínio justamente para reduzir o número de pessoas que batem em minha porta – o castanho reclamou para o nada enquanto abria a porta. Derek franziu o cenho ao ver o castanho jogar a cabeça para cima e abrir os braços dramaticamente.

- O QUE EU FIZ, DEUS?! POR QUE ESSE DEMONIO NA MINHA VIDA?! PORQUE ISSO NÃO É UMA MULHER, É UM DEMÔNIO! – gritou o castanho antes de Derek rir, enquanto se erguia, já imaginando quem seria na porta.

- espero que ela tenha lhe odiado – Kali sorriu ladina vendo a marca vermelha no rosto de pele pálida.

- está brincando?! Ela me chamou para passar o dia de Ação de Graças com eles – respondeu Stiles vendo a mulher sorrir, descrente.

- até parece. Essa marca vermelha aí nem deve ter sido de um tapa só – soltou Kali, ainda sorrindo vitoriosa. O sorriso da mulher morreu quando Derek apareceu atrás do castanho, novamente.

- fecha essa porta e vem – pediu o Hale escondendo parte do rosto na curva do pescoço do outro.

- até parece que ela gostou disso. Talia não é o tipo de mulher que deixaria o filho ser assim – ditou Kali, com seriedade, apontando para a cena a sua frente. Derek tomou um ar sério por um instante.

- meu anjo, conheci ela hoje, mas sei que ela é das minhas. E vai por mim, o seu filme não está bom com a patroa, não. Pelo jeito que ela saiu daqui, ela só não bateu lá em cima para não ser presa – disse Stiles antes de começar a fechar a porta devagar.

- agora se nos dá licença, vamos aproveitar que eu voltei de viagem e tirar o atraso – falou o castanho antes de fechar a porta na cara da mulher, que apenas deu as costas, nervosa.

Stiles trancou a porta e passou a corrente da mesma, vendo, pelo olho mágico, a morena ir embora. Suspirando, ele se virou para o corredor que levava da porta para a sala, vendo Derek apoiado na parede, pensativo. Stiles franziu o cenho. Talvez ele estivesse abalado por rever a mulher. Era comum isso ocorrer com os homens. No início do fim do relacionamento eles estão bem, tocando a vida, mas depois de um tempo eles começam a sentir saudades e até a se arrepender.

- você está bem? – questionou ficando de frente para o outro naquele corredor um tanto pequeno.

- estou, estou. Eu só... estava pensando – respondeu o moreno, num quase sussurro de tão baixa que estava a sua voz.

- você sabe que pode falar comigo sobre qualquer coisa, não é? – indagou o Stilinski colocando as mãos nos ombros do mais alto, numa tentativa de apoio moral.

Derek ergueu o olhar para o colega de apartamento, vendo o mesmo lhe encarar com aqueles olhos brilhantes tão perto de si. O olhar direcionado especificamente para os seus olhos lhe fazia corar. Analisando o rosto do outro, tão perto do seu, Derek se pegou olhando para a marca um tanto rosada da mão de sua mãe no rosto do castanho. Stiles se viu surpreso quando o Hale levou a mão ao seu rosto, mais especificamente para a marca rosada, tocando a mesma com as pontas dos dedos.

- ainda arde? – questionou deslizando a ponta dos dedos, lentamente, pela bochecha alheia.

Stiles sentiu o rosto arder de vergonha com o olhar sério e pensativo do outro em si, somados ao toque suave dos dedos alheios em sua bochecha. O Stilinski abriu e fechou a boca, sem saber o que responder. Ele nunca pensou que estaria numa situação um tanto... delicada, com o seu colega de apartamento. Não que ele não a desejasse. Ele a desejava já fazia algum tempo. Ele não via Derek com esses olhos quando ajudou o mesmo a sair de casa. Ele se quer sabia de sua existência até aquela noite. Mas depois de um tempo, aquilo começou a lhe atormentar, silenciosamente.

- n-não – respondeu agradecendo por sua bochecha já estar vermelha antes mesmo daquilo ocorrer.

- você parece nervoso – Derek mantinha a voz suave ao falar com o mais baixo.

- um pouco – disse engolindo em seco.

- eu estou, também... muito – o moreno confessou vendo o castanho morder o lábio inferior.

- você tem algum motivo para estar nervoso? – indagou o castanho levando a mão direita para a testa do outro, deslizando o indicador pela mesma, ajustando o cabelo um tanto grande, gerando uma leve carícia no processo.

- tenho... E você? – sussurrou Derek engolindo em seco ao ver o outro se aproximar um passo, lhe prendendo a parede.

- também. E eu estou ficando mais nervoso - respondeu num sussurro enquanto descia a mão da testa para o rosto do moreno.

- eu digo o meu se você me disser o seu – sugeriu Derek vendo o outro menear positivamente.

- eu acho que entrei tanto no meu personagem que é atraído por você, que eu me tornei ele – sussurrou Derek, nervoso, levando o polegar ao lábios do castanho.

Derek estava tão nervoso com o silêncio que se seguiu, que ele começou a sentir a garganta se fechar, com um nó crescendo nela, assim como suas pernas ficarem moles. Stiles riu nasalado, sentindo todo o seu nervosismo ir embora com as palavras de Derek que ele não viu problemas em erguer a cabeça e aproximar o seu rosto do rosto do moreno de olhos verdes. O Hale começou a respirar num ritmo acelerado enquanto sentia a boca de Stiles se aproximar da sua.

- eu tenho certeza de que me apaixonei pelo meu colega de apartamento – confessou Stiles, num sussurro.

Derek já sentiu o peito ir a loucura com o hálito do outro batendo contra os seus lábios, quando a sua mente finalmente processou o que lhe fora sussurrado, então? Ele sentiu um peso enorme ser retirado de si quando, num toque singelo, Stiles juntou os seus lábios, enquanto acariciava o seu rosto ao deslizar sua mão para o seu ombro. Derek, quando se viu livre da surpresa, fechou os olhos, passando a aproveitar a dança que seus lábios executavam com os do outro. O Hale abriu os lábios, pedindo passagem com a língua, a qual fora imediatamente cedida. Quando se separaram, lentamente, Derek, ainda aliviado, olhou curioso para o castanho que apoiou a testa em seu peito.

- o que foi? – questionou vendo o castanho cerrar os dedos ao redor de sua camisa.

- não é nada. Só pensei comigo mesmo “Porra! Isso foi melhor do que eu imaginei” – respondeu o castanho causando um sorriso tímido no mais alto.

- você não quer.. sei lá... sair comigo? – indagou Derek vendo o outro menear positivamente.

- cinema. Sexta. Eu pago a pipoca – respondeu Stiles, sorrindo, vendo o outro sorrir contido, antes de lamber os lábios.

- agora não é a hora em que você sobe a arquibancada para assistir o seu irmão correr? – indagou Derek vendo o outro sorrir maroto.

- você pegou uma referência antiga?! Agora me deu vontade de lhe beijar de novo – brincou Stiles vendo o outro sorrir vitorioso.

- e o que está lhe impedindo? – perguntou Derek vendo o outro lhe fitar surpreso.

Stiles puxou o outro pela mão, o guiando até a sala, onde se sentaram no sofá. O Stilinski se sentou ao lado do Hale, passando a beijar o mesmo enquanto procurava pelo controle da televisão, que se encontrava entre Derek e o braço do sofá. A posição um tanto sugestiva do castanho, que algumas vezes apalpava a sua coxa, na procura pelo controle, acabou atiçando o moreno de olhos verdes, que se encontrava sensível nos últimos tempos. Quando o beijo se encerrou, Stiles estranhou a vergonha que o outro sustentava no rosto. O moreno de olhos verdes até mesmo afastou um pouco a cintura de si, como se tentasse evitar que ele chegasse perto.

- algum problema? – questionou Stiles vendo o outro esconder os lábios, brevemente.

- n-não. Nenhum – respondeu de prontidão, cruzando as pernas.

Stiles olhou para as pernas cruzadas de Derek e sorriu.

- você está com vergonha só por que ficou de pau duro? – perguntou acariciando o queixo barbado com o polegar, fazendo Derek ficar mais vermelho ainda por ter sido pego.

- eu não estou duro! – ralhou Derek, ainda corado, apertando mais o abraço de suas pernas uma na outra. O sorriso de Stiles se tornou ladino.

- está tudo bem. Não tem do que se envergonhar, cara. Acontece – disse Stiles dando um selinho no moreno, que lhe fitou sério.

- eu não estou, cara! – exclamou ainda vermelho.

- ah, não? – indagou se colocando de joelhos e se aproximando mais.

- n-não – respondeu Derek, um tanto receoso da aproximação alheia, principalmente quando a mão do castanho desceu do seu queixo para o seu peito.

- então quer dizer que, se eu descer a minha mão, eu não vou encontrar algo duro e pulsante? – questionou Stiles sorrindo com o suspiro que o Hale deixou escapar com o seu sussurro em seu ouvido. Derek sentiu o seu pau pulsar novamente.

- não – mentiu Derek, receoso.

- tem algum problema se eu tocar aí, agora? – Stiles sussurrou sensualmente no ouvido do maior, acariciando o pescoço do mesmo usando o mindinho de sua mão que se encontrava em seu ombro, enquanto a outra já se encontrava deslizando pelos gomos do abdômen do Hale sobre a camisa.

- ou você prefere ir devagar? – questionou deslizando a ponta do nariz na pele morena do outro.

- porra! Assim é sacanagem! – exclamou o moreno, já um tanto entregue as carícias do outro.

- e então? – Stiles retirou a mão do abdômen de Derek, passando a brincar com o nó da calça moletom do mesmo.

- e-eu não sei – respondeu enquanto abaixava o olhar, vendo a mão do castanho começar a brincar com dois dedos em seu abdômen novamente, imitando pernas.

- você não precisa responder agora, se não quiser. Apenas procure algo para a gente assistir enquanto eu vou tomar um banho, ainda sinto o suor do calor do forno – disse o castanho beijando o homem mais uma vez, antes de se levantar e dar as costas para o Hale, que lhe fitou instantaneamente.

Derek engoliu em seco ao ver o castanho, no meio do corredor, tirar a camisa e a arrastar até o quarto enquanto coçava o ombro. O Stilinski seguiu para o banheiro do próprio quarto, sumindo do campo de visão do moreno, que permaneceu a encarar o interior do cômodo, já que a porta ficou aberta. Ele pensou por alguns minutos no assunto. Ele estava nervoso com isso. Eles mal começaram. E Derek nunca havia feito isso com outro homem. Esse era o verdadeiro X da questão. Derek não sabia como fazer. Bom, ele assistiu um filme adulto com dois homens no dia anterior, e sabia a teoria básica: um ficava por cima e o outro por baixo. Mas ele não sabia a execução e sentia que deixaria o ato horrível para o outro.

Ele nunca havia colocado um pau em sua boca antes. Já havia masturbado outros homens, algumas vezes, durante alguns grupais que tivera na faculdade e algumas experiências leves na adolescência, coisa que muitos fazem, normal. Mas ele nunca havia se quer sentido o gosto, nunca havia sentido contra o seu, ou qualquer outra parte do seu corpo que não fosse a mão. Nunca havia tido, se quer, a vontade de sentir. Mas quando pensava em fazer com Stiles a situação mudava completamente. Ele queria sentir na sua pele, queria poder saber como era, queria sentir o gosto, queria sentir contra o seu, chegava até a pensar em sentir em si.

Com Stiles era diferente.

Ele queria.

Queria poder sentir o corpo do castanho no seu, a boca do outro em seu corpo, o tudo que o corpo do castanho pudesse proporcionar ao seu. Ele queria fazer. Sentia o desejo de fazer de tudo que pudesse. Queria trocar de posições, de funções, queria trocar até o ambiente. E foi pensando assim que Derek se decidiu. Olhando para baixo e ainda vendo o volume do seu membro em sua calça. Ele se ergueu, vendo que tanto Nogi quanto Void ainda estavam comendo, e se dirigiu pelo corredor até alcançar o quarto do castanho. Fechando a porta com cuidado, ele pôde ouvir o trinco estalar ao encaixar no buraco no batente da porta, antes de ouvir apenas o som do chuveiro ligado. Receoso, ele retirou a própria camisa, a deixando ao lado da cama.

O moreno de olhos verdes se sentou na cama, ainda pensativo. Ele se perguntava se iria se sair bem, como ele deveria começar com um homem. Se questionava se, ser direto demais era uma boa, ou talvez Stiles gostasse de preliminares intensas. Derek se sentia animado, pois se pau pulsava fortemente contra a sua roupa, mas sentia o receio de acabar estragando tudo diminuir aos poucos a sua vontade de seguir em frente. Ele estava tão perdido em seus próprios pensamentos, que se quer ouviu o chuveiro ser desligado, muito menos a porta do banheiro se abrindo. Stiles olhou, surpreso, o homem descamisado sentado em sua cama. Por um momento, ele sorriu e a excitação que surgiu no sofá, ao descobrir o estado do Hale e sumiu durante o seu banho de água gelada, retornou. Ele mordeu o lábio inferior enquanto desfazia o nó de sua toalha, quando notou os ombros um tanto encolhidos do outro. De desfazer o nó, suas mãos passaram a refazer o mesmo. Devagar, ele subiu na cama e, de joelhos, caminhou até chegar ao moreno. Se surpreendeu ao ver que o outro estava tão pensativo que se quer notou a movimentação no colchão. Stiles levou suas mãos úmidas e frias devido ao banho até as costas do moreno, acariciando, gentilmente, sem nenhuma intenção secundária. Derek se sobressaltou, surpreso, e olhou para trás, encontrando um castanho de toalha atrás de si. Derek analisou o corpo um tanto molhado de Stiles e engoliu em seco, nervoso, porém, sentindo o seu membro pulsar com o que via.

- está tudo bem? – indagou Stiles vendo o moreno, envergonhado, menear positivamente.

- s-sim. E-eu só... estou um pouco nervoso – respondeu voltando a olhar para a frente e ficando a apreciar a carícia feita em suas costas.

- olha, está tudo bem, não precisamos fazer, se não se sentir confortável – ditou o castanho transformando a carícia em uma massagem nos ombros.

- eu quero fazer. É a minha primeira vez com um cara. Mesmo que eu deixe para depois, eu vou ficar assim quando tentarmos fazer novamente – argumentou Derek se virando e olhando nos olhos do Stilinski, enquanto segurava uma das mãos do mesmo na sua.

- não quero que se sinta desconfortável. Eu vou sentir que estou abusando de você – falou pegando a outra mão do moreno na sua.

- você não vai – ditou o Hale, imediatamente.

- então me diga o que te deixa tão nervoso – disse o Stilinski se sentando sobre os próprios pés, permanecendo de joelho na cama. Derek escondeu os lábios, enquanto os lambia no interior de sua boca.

- é que... eu fico pensando... e se você não gostar? E-e-eu não sei fazer isso! E se eu estragar tudo? – confessou Derek abaixando o olhar para não enxergar a expressão do outro.

- eu só vou gostar, se você gostar. E você não vai estragar tudo, Derek. Você vai ver que é apenas sexo. Ninguém nasce sabendo agradar alguém. Você apenas começa e vai pegando o jeito. Vai ser o de sempre. Dois corpos, duas bocas, prazer e orgasmo. Simples – explicou Stiles vendo o Hale lhe fitar um pouco mais calmo.

- eu ainda fico me perguntando se vou estragar tudo. Eu não sei se... – o moreno de olhos verdes foi calado quando os lábios do castanho se juntaram aos seus.

- vamos jogar – disse Stiles assim que finalizou o beijo, se movendo para a beirada da cama e se sentando na mesma.

- jogar?! – questionou Derek, confuso, se perguntando o que raios videogames iriam fazer para ele esquecer o seu medo de estragar a noite.

- é. Vai ser tipo um tutorial de como dar prazer para o outro. Você está com medo de que eu ache ruim, não é? Então nós vamos dizer do que gostamos e o outro vai fazendo. Depois é cada um por si, certo? – sugeriu o Stilinski vendo o Hale menear positivamente.

- ótimo. Aqui. Me beije – ditou o castanho se aproximando um pouco, vendo o outro obedecer imediatamente.

Beijar era fácil, ali. Eles já haviam feito isso antes, e Derek estava querendo muito aquilo no momento. Comparado a agora, o começo fora um pouco agonizante para eles. Eles começaram a mover os lábios, os sugando, antes de Stiles pedir passagem com a língua. Os dois músculos começaram a se mover juntos, suavemente. Com o desejo crescendo em ambos os lados, o que antes era um movimentar suave começou a se tornar uma disputa. Stiles pegou a mão de Derek e a levou para o seu torso, antes de se separar brevemente.

- faça carinho no meu corpo – falou rapidamente, contra os lábios do outro, que deixavam a respiração um pouco acelerada escapar e bater contra os seus lábios, o que lhe deixava mais aceso.

- certo – disse Derek já obedecendo ao outro e deslizando sua mão por todo o peito, antes de descer para a barriga quase lisa do homem.

Fora um pouco estranho, para Derek, aquilo. Sua mão sentiu com a falta das curvas de seios no peito masculino do Stilinski, assim como estranhou a presença de curvas ao tocar os quatro gomos que começavam a crescer na barriga do outro. Fora estranho, mas não quer dizer que ele não tinha gostado. O toque de sua pele na pele do outro, tão intimamente... O moreno suspirou ao sentir as mãos de Stiles fazerem o mesmo em seu torso. Ele gostava quando as mãos do castanho deslizavam pela lateral do seu torso, enquanto, calmamente, puxavam o seu corpo para junto do dele. Stiles quebrou o beijo, novamente, puxando o lábio inferior de Derek com os seus, o sugando, enquanto o outro suspirava com o ato.

- pescoço – foi tudo o que o castanho disse, enquanto inclinava um pouco a cabeça para o lado.

Derek não precisou de mais nada para levar os lábios ao queixo do outro. Stiles suspirou com as mordidas leves que o Hale distribuiu pelo seu maxilar até alcançar o seu pescoço. Quando os lábios do outro começaram a trabalhar em seu pescoço, Stiles suspirou pesado, chamando a atenção de Derek. Aquele era o seu ponto fraco. Bastava atacar o seu pescoço para lhe fazer derreter nas mãos de qualquer pessoa. O moreno de olhos verdes pareceu notar que aquilo lhe agradava mais do que o normal, pois as mãos do mesmo passaram a trabalhar mais em sua cintura, enquanto ele se concentrava em atacar o seu pescoço com mais intensidade.

- assim – suspirou o castanho enquanto levava suas mãos as costas do outro, puxando o corpo do moreno para mais perto, enquanto o homem subia os lábios até o lóbulo de sua orelha. Derek lambeu o mesmo uma vez antes de parar o que fazia.

- algum problema com marcas? – questionou Derek, em um sussurro, enquanto voltava a trabalhar mais com as mãos no torso do outro.

- vai fundo, lobão – respondeu Stiles, no ouvido do outro, antes de começar a morder o lóbulo da orelha do moreno, que suspirou quando Stiles o envolveu nos lábios, sugando o mesmo e dando lambidas leves na ponta, enquanto puxava o lóbulo ao se afastar lentamente.

- e você? Algum problema com marcas? – questionou Stiles começando a lamber a pele do pescoço do outro, o deixando um tanto mais passivo as suas carícias.

- não – o Hale respondeu rápido, como se tivesse receio de a resposta não sair com o trabalho do outro em seu pescoço.

Derek aproveitou a inclinação da cabeça do castanho, que trabalhava em deixar beijos e mordidas em seu pescoço, para morder a clavícula e o ombro do mesmo, tratando de distribuir chupões pelo local, no intuito de deixar bem claro que ele havia tocado o outro daquela forma. Stiles puxou os fios negros de sua nuca, puxando a sua cabeça para trás, arrancando um suspiro pesado de seus lábios, antes de roubar um gemido baixo quando tratou de chupar uma área bastante visível do seu pescoço. No final das contas, ele não era o único a deixar avisos por ali. Com toda a certeza do mundo Lydia iria lhe encher de perguntas, mas ele não estava nem aí para isso. Ele só queria continuar com o que estava fazendo agora. Stiles soltou o seu cabelo, passando a empurrar, suavemente o seu corpo pelos ombros, para que se deitassem na cama.

Derek mordeu o lábio inferior quando Stiles passou a descer os lábios do seu pescoço para o seu torso, enquanto deslizava as mãos pela lateral do seu corpo. As mãos dos castanho pressionaram a sua cintura, enquanto o mesmo com os dentes sobre a pele do moreno, suspirando com o cheiro e o calor do corpo do Hale que serpenteou com a cintura, gerando um certo atrito entre os seus membros escondidos pelas roupas e pela toalha, gerando suspiros em cada um. O castanho passou a dar atenção um dos mamilos do outro, que levou suas mãos, desesperadamente, ao corpo do mais baixo, deslizando as mesmas pela pele clara enquanto suspirava com as mordidas e lambidas do outro. Derek se surpreendeu consigo mesmo. Nunca pensou que fosse se sentir tão quente assim. Tão necessitado de mais, tão ansioso.

O Hale gemeu baixinho quando a mão de Stiles deslizou pelo seu abdômen, até alcançar o seu pau suplicante, o apertando levemente por cima da calça, em um tortura prazerosa. Derek respirava pesado, enquanto investia contra a mão de Stiles, na tentativa de receber mais daquele prazer que lhe fazia gemer com tão pouco. Ele não sabia dizer se era por ser a sua primeira vez com um homem, ou se era por causa de Stiles, mas aquilo estava muito intenso para se comparar com as suas noites com sua ex-esposa. Todas as noites que tivera com Kali, inclusive a sua primeira com a mulher, se quer chegavam aos pés daquilo. O moreno suspirava e mordia o próprio lábio, tentando conter os gemidos manhosos para si, enquanto movia o seu pau para de encontro com a mão de Stiles, não notando o olhar predatório do castanho sendo direcionado para o seu rosto. O Stilinski estava apreciando os suspiros do outro, assim como as estocadas suaves que o mesmo dava em sua mão.

- alguém está bem animado – provocou Stiles apertando a mão sobre o membro se Derek, sentindo o quão duro o mesmo estava.

- não faz isso, cara. E-eu estou tão duro que está doendo – implorou o moreno vendo o castanho sorrir com sua confissão.

- é? Então vamos dar um jeito nisso – ditou o Stilinski começando a trilhar beijos e lambidas pelo torso do Hale, descendo cada vez mais, deixando o outro mais ansioso.

Derek quase surtou quando Stiles parou no cós de sua calça moletom, olhou diretamente em seus olhos ansiosos e sorriu travesso, antes de, após lamber os lábios, pegar uma das pontas do nó que prendia a calça ao seu corpo com os dentes. O outro ficou tão sensual naquele ato que Derek não pode deixar de suspirar, observando o castanho sugar a ponta do cordão, sensualmente, antes de o morder novamente, para enfim o puxar, desfazendo o nó. Derek sentiu o seu pau pulsar três vezes apenas ao ver a ponta do cordão deslizar pelos dentes de Stiles ao ser sugada pelo castanho. O sorriso travesso de Stiles voltou ao seu rosto ao sentir as pulsações do pau do ouro em sua mão. Sentir as reações de Derek em sua mão lhe deixava tão duro quanto o Hale.

- vai continuar? – questionou Stiles, envolvendo o cós da calça com os dedos, indicando o que iria ocorrer dependendo da resposta.

O moreno de olhos verdes mordeu o lábio inferior, nervoso, antes de menear positivamente. O Stilinski sorriu largo antes de, lentamente, puxar a calça de Derek. O moreno se sentiu esquentar ainda mais quando, a cada leve puxada, Stiles beijava a pele que era descoberta. Derek se viu ansioso quando faltava apenas mais uma leve puxada em sua calça e o seu pau pulsante saltaria para fora, atingindo o rosto se Stiles. No entanto, para o seu infortúnio, Stiles se afastou para retirar a sua roupa por completo. Ainda que não tenha ocorrido o que ele esperava, fora excitante ver o olhar predatório do Stilinski para o seu membro, o que lhe deixou um pouco mais animado com aquilo. Stiles apenas jogou as calças de Derek para qualquer lugar do quarto e tratou de engatinhar um pouco até se colocar sobre o corpo do moreno novamente.

- vamos começar a esquentar as coisas – ditou antes de beijar os lábios do outro.

- tudo bem? – indagou após se afastarem.

- certo – respondeu Derek apalpando o corpo do castanho enquanto o mesmo sorria e lhe tomava mais uma vez os lábios nos seus.

Stiles voltou a descer pelo corpo do Hale, trilhando o mesmo com beijos e lambidas, às vezes o mordendo de leve. Quando se colocou deitado entre as pernas de Derek, Stiles olhou para o rosto do mesmo, o vendo vermelho, lhe encarando com os lábios entreabertos, enquanto o pênis do moreno pulsava em antecipação. O moreno de olhos verdes suspirou quando Stiles lhe envolveu o pau com a mão. Fora um toque simplório, mas que lhe agradou incrivelmente. O castanho passou a lhe masturbar enquanto observava as suas reações atentamente. Derek não conseguia fazer mais nada além de manter os olhos fixos na cena a sua frente e deixar os lábios entreabertos para o que os seus suspiros pudessem sair. Um sorriso safado moldou os lábios do Stilinski quando o mesmo aproximou o rosto do pau em sua mão, apenas para suspirar contra o mesmo, o sentindo pulsar ao toque de seu hálito quente.

- você está realmente gostando, não está? – indagou o castanho lambendo da base até a cabeça, não se importando com os poucos pelos que tocaram sua língua.

- Sti – Derek gemeu o nome do castanho, fazendo o Stilinski sorrir travesso.

- você gosta quando eu uso a língua aqui? – questionou o castanho dando algumas lambidas na glande, vendo pré-gozo minando da fenda.

- gosto... muito – respondeu o moreno vendo o outro sorrir mais, enquanto erguia um pouco o torso.

- eu vou começar com a brincadeira – ditou o mais baixo e antes que pudesse dizer que não havia entendido, o mesmo suspirou pesado quando sentiu o calor da boca do castanho envolver a cabeça do seu membro e o toque também quente, porém úmido da língua de Stiles voltar a acariciar a sua glande.

- porra – foi tudo o que saiu da boca de Derek quando Stiles começou a sugar a cabeça do seu pau.

O moreno direcionou os seus olhos verdes para baixo, gemendo baixinho, vendo o castanho começar a engolir o seu membro aos poucos. Ele tentava analisar o modo como o castanho fazia, mas era difícil de processar alguma informação que não fosse o prazer que sentia com a carícia da língua macia do outro em seu pau. Stiles ia, aos poucos, colocando mais de si dentro da boca, usando a mão como auxílio. Quando o Stilinski retirou a mão de seu pau foi que Derek desistiu completamente de analisar algo, sendo surpreendido quando o outro engoliu o seu pau por inteiro, encostando os lábios na base e a ponta do nariz no seu baixo ventre.

- puta que pariu, Stiles -

O moreno gemeu, sentindo o Stilinski se afastar, voltando a deixar apenas a cabecinha na boca, antes de afastar, sugando a cabeça macia do pau de Derek, como se a tentasse manter em sua boca, gerando um estalo pequeno quando a extremidade arredondada e rosada escapou dos lábios do castanho. Ele olhou para baixo, vendo o outro cheirar o seu membro, antes de voltar a lamber o mesmo. Stiles subiu até a glande, antes de descer até a base, empurrando o membro contra o próprio dono, dando para si mais espaço para afundar o rosto entre as pernas de Derek, acolhendo uma das bolas do mesmo na boca.

O Hale olhava, surpreso para o castanho, suspirando com a sucção em suas bolas, assim como o deslizar da língua habilidosa do outro em cada uma. O castanho, para o desanimo de Derek, abandonou suas bolas e passou a beijar e chupar a parte interna de suas coxas, enquanto as afastava. O Hale não se importou muito por o castanho abrir ainda mais suas pernas. Quando ele decidiu que seguiria em frente com aquilo, já havia aceitado que aceitaria ficar por baixo, se assim Stiles quisesse. Ele apenas queria sentir e dar prazer para o castanho. O seu orgulho masculino não era afetado se fosse com o Stilinski, mesmo que ele estivesse um pouco nervoso. Stiles parou de acariciar suas coxas com os lábios e a língua, o que lhe deixou ansioso.

- sabe... Eu gosto quando me tocam aqui – o mais baixo sussurrou contra aquela região jamais tocada do corpo de Derek.

Para a surpresa do Hale, e alívio, diga-se de passagem, Stiles passou a sugar e mordiscar o períneo do moreno e não o seu buraco intocado, que se contraía a cada vez que o pau rígido de Derek pulsava, em apreço a carícia do castanho ali. Para o Hale, fora excitante ver o rosto do outro entre suas pernas, com suas bolas sobre o nariz do Stilinski. Derek suspirou apoiando a cabeça no travesseiro de Stiles. Ele nunca pensou que aquela região pudesse dar prazer. Mas ali estava ele, respirando um pouco pesado devido a uma boca lhe chupando naquele pequeno espaço. O castanho não se demorou ali, pois logo voltou a engolir o seu pau, desta vez com mais vontade. O castanho parecia estar faminto por aquilo, já que o fazia com tanta habilidade e voracidade. O Stilinski o engolia por inteiro, antes de voltar a subir e descer, sempre deslizando a língua por toda a extensão, se deliciando com os gemidos que o moreno soltava.

- Stiles – Derek chamou pelo castanho, em meio a gemidos, ouvindo o mesmo apenas gemer em resposta.

- eu... Quero... Tentar – falou o Hale, nervoso, entre suspiros, gerados pelo prazer que Stiles lhe proporcionava.

O castanho sorriu, ainda com o pau enfiado em sua boca, antes de o enfiar por completo em sua boca, mais uma vez, para em seguida o abandonar, sugando a cabeça com vontade, capturando o pré-gozo que ali minava. Ele lambeu os lábios, sorrindo para Derek, antes de voltar a trilhar beijos pelo corpo moreno malhado, desta vez se dirigindo para o rosto do homem deitado em sua cama. Quando alcançou o rosto do Hale, o Stilinski tratou de tomar os lábios do homem nos seus, iniciando um beijo afoito.

- você quer me chupar, é? – questionou o castanho, num sussurro, enquanto mudava o alvo de seus lábios dos lábios de Derek, para o pescoço do mesmo. O Hale corou com as palavras do castanho, mas sentiu o membro pulsar com a ideia.

- q-quero – respondeu também em um sussurro, sentindo os lábios habilidosos em seu pescoço, distribuindo chupões que deixariam marcas em seu pescoço, como se já não tivessem bastado os do outro lado.

O Stilisnki parecia querer deixar bem claro que ele já havia superado sua ex-mulher. Stiles sorriu com a resposta nervosa do outro e levou uma das mãos ao rosto de Derek, deslizando o polegar sobre os lábios alheios, sentindo o hálito do outro bater em seu dedo quando suspirava. Para Derek, foi impossível conter a vontade de levar a língua até o polegar alheio, sentindo Stiles permitir que o mesmo adentrasse sua cavidade bucal.

- você quer foder sua boca lentamente com o meu pau? Quer usar essa língua travessa nele? – sussurrou Stiles contra o rosto do Hale, encarando atentamente o seu dedo abandonar a boca alheia. Derek corou violentamente, sentindo o seu membro pulsar com a ideia.

- quero – Derek sussurrou o Hale vendo o outro sorrir para si.

Stiles fora surpreendido quando a sua toalha fora arrancada de sua cintura. Ele sentiu o alívio em seu membro, que já pedia liberdade há muito tempo, mesmo que não fosse um incômodo tão grande quanto uma calça ou uma roupa liberdade Quando deu por si, Derek já havia os girado na cama e se colocado sobre si. O moreno atacou o pescoço do castanho ouvindo o mesmo gargalhar um pouco com a sua velocidade em mudar de posições. O Hale tratou de fazer o que sempre fazia em suas noites, cque fora o mesmo que Stiles fizera em si: começou trilhando beijos até o peito. Mas antes que pudesse acolher um dos mamilos do outro em seus lábios, Stiles segurou seus ombros, o afastando brevemente.

- o que? E-eu fiz alguma coisa? – questionou o Hale, ficando nervoso com o olhar um tanto acanhado do castanho.

- não, não. Você está sendo ótimo. É só que... Eu só ia dizer que não... Gosto muito de atenção nos mamilos – respondeu Stiles dando de ombros, enquanto sorria minimamente na direção do moreno, que meneou positivamente, anotando aquela informação em sua mente.

- certo, entendi – respondeu sentindo as mãos de Stiles deslizarem de seus ombros para o seu rosto, lentamente, em uma carícia acolhedora.

- você é tão lindo – sussurrou o castanho acariciando o rosto do Hale, que virou um pouco o mesmo para poder beijar a mão do castanho.

- e você é perfeito – ditou o moreno deslizando as mãos pelo corpo do mais baixo, antes de se inclinar para voltar a beijar o torço do mesmo.

- não nos mamilos – o Hale sussurrou para si mesmo, antes que seus lábios tocassem a pele alheia.

O moreno de olhos verdes voltou a beijar e mordiscar a pele alheia, passando pelo peito do castanho e seguindo para o abdômen do mesmo. O Hale gostou de sentir o corpo do castanho tremer com o seu toque naquela região. Suas mãos se moveram para a lateral do corpo de Stiles, sentindo a pele do outro em seus dedos, fazendo o castanho suspirar. Derek se viu nervoso quando finalmente alcançou a virilha do castanho. Ele não esperava que fosse tão grande. Ele envolveu o pau de Stiles com a mão, o sentindo pulsar, se impressionando com o quanto ainda ficava exposto. Já estava óbvio para si que não conseguiria colocar aquilo na boca por inteiro. O Hale começou a bater uma para o castanho, lentamente, vendo o outro respirar com mais dificuldade.

- vamos lá – murmuro para si mesmo, aproximando o rosto, lentamente, do pau do castanho.

O moreno de olhos verdes colocou a língua para fora, tratando de deslizar com a mesma pela pele lisinha do pau alheio, sentindo o gosto novo dominar a sua língua. Não era ruim. Era... Novo. Demorou mais algumas lambidas para Derek se adaptar e passar a apreciar o sabor. Descendo as suas lambidas, o Hale chegou as bolas de Stiles. O moreno achou melhor começar por ali. Ainda não estava preparado para colocar aquilo em sua boca. Então optou por seguir para os testículos do castanho. Ele não teve dificuldade alguma ali. Já havia pego o jeito com a língua. Colocou uma de cada vez na boca, as sugando, antes de as abandonar, deixando um estalo ecoar. O próximo alvo de sua boca fora o períneo do castanho, que suspirou pesado com a carícia. Ouvir Stiles gemer baixinho fora uma boa recompensa e um estimulante perfeito para o Hale prosseguir com o ato. Criando coragem aos poucos, Derek fora subindo suas lambidas até alcançar a glande, onde deu duas lambidas tímidas sentindo a macies da mesma e o gosto do pré-gozo do parceiro.

O Hale, receoso, envolveu a cabeça rosada com a boca, sentindo o pau pulsar na mesma, assim como o seu próprio. Era estranho sentir o seu próprio pau pulsar por apenas colocar um pau em sua boca. Primeiro, Derek a sugou com vontade, brincando com a língua ao redor da cabeça rosada do pau de Stiles, ouvindo o castanho gemer um pouco mais audível. Aquele doce som que alcançou os ouvidos de Derek fora o empurrão necessário para que o homem começasse a mover a cabeça, lentamente, acolhendo mais daquele generoso pau em sua boca. Fora difícil, ele tinha de admitir. Ele não conseguiu colocar mais do que o equivalente ao que sua mão cobria do pau de Stiles em sua boca, mas ele já havia recebido boquetes. Derek sabia que quando não se consegue engolir tudo, usar a mão ajudava bastante. E fora isso o que ele fez. Colou a sua mão aos lábios e passou a subir e descer tanto a mão quanto a cabeça no mesmo ritmo.

- cuidado com os dentes – alertou Stiles fazendo uma careta quando, por descuido, os dentes de Derek acabaram raspando a cabeça do seu pau.

Derek meneou positivamente, tratando de cobrir os dentes com os lábios. O castanho gemia com a carícia que recebia. O prazer aumentou quando a outra mão de Derek fora levada para as bolas do castanho. Derek ergueu o olhar para Stiles, vendo o mesmo lhe fitar com um brilho predatório nos olhos, enquanto os lábios entreabertos deixavam não só suspiros como também gemidos escaparem de sua boca.

- você não sabe o quão bonito você fica com um pau na boca – disse o castanho vendo o outro rir, quase se engasgando com o seu membro na boca.

- não fale esse tipo de coisa! – exclamou Derek, ainda rindo, mas não parando de movimentar sua mão no mesmo ritmo que mantinha com a boca.

- só estou dizendo a verdade – argumentou o castanho sorrindo travesso.

- não pensei que fosse gostar tanto disso – disse o Hale voltando a chupar o castanho, que riu nasalado, antes de gemer ao sentir a língua de Derek circundando a cabeça do seu pau.

Derek já havia passado alguns bons minutos chupando Stiles quando abandonou o pau do castanho, dando uma última sugada forte na cabeça rosada antes de começar a subir novamente, trilhando beijos até o rosto do Stilinski, que não demorou a tomar a sua boca em um beijo necessitado. Quando finalmente separaram os lábios, em busca de ar, os dois permaneceram com os corpos grudados sobre a cama, com as testas também coladas, enquanto apreciavam a respiração alheia em seus rostos.

- eu quero transar com você – ditou Derek acariciando o rosto do castanho, que sorriu para si, envolvendo o seu pescoço com os braços.

- e como vai ser? – questionou Stiles mordiscando o queixo do moreno, o provocando.

- eu... Quero que você me foda – respondeu Derek, surpreendendo Stiles.

- mas assim? Na primeira vez? – questionou Stiles ainda em choque.

- eu quero ser diferente com você. Não quero ser o cara do estereótipo. Eu quero que dê certo com você – confessou o Hale dando um selinho no castanho, que, envergonhado, sorriu e girou, lentamente, os corpos sobre a cama.

- eu vou ser carinhoso. Também quero que dê certo com você – ditou Stiles, distribuindo beijos nos lábios de Derek, enquanto alcançava o lubrificante na gaveta do criado.

- agora, fique de quatro – disse o Stilinski dando um aperto leve na cintura do moreno de olhos verdes, que lhe obedeceu, envergonhado.

- você vai sentir uma certa ardência no começo – alertou o castanho já despejando o lubrificante em seus dedos.

Derek, receoso e ansioso, apenas mordeu o lábio inferior e esperou pelo castanho. Quando sentiu um toque gélido em seu buraco virgem, o moreno sentiu um calafrio gostoso percorrer o seu corpo. O toque gélido se intensificou brevemente quando sentiu o dedo de Stiles espalhar o líquido transparente pelo local, antes de forçar a entrada, sutilmente. Assim como lhe alertado, o Hale sentiu uma ardência lhe incomodar em seu interior com a invasão do dedo de Stiles. Levou alguns bons minutos, sim, até que ele se acostumasse com aquele dedo indo e vindo em seu interior. Quando o castanho introduziu o segundo dedo, com um acréscimo de lubrificante, Derek soltou um “inferno”. A ardência havia retornado e mais intensa. Stiles largou o tubo de lubrificante para passar a masturbar o parceiro, para ajudar a aturar a primeira preparação.

- você ficar perfeito assim, sabia? Meu pau dói de tão duro por lhe ver assim – falava Stiles provocando o outro

- estou doido para foder essa bunda, enquanto bato uma para você. Você gemendo o meu nome, enquanto goza nos lençóis – ditou o castanho, sentindo o pau de Derek pulsar e o buraco do mesmo se contrair ao redor dos seus dedos, que já tesouravam o interior do mesmo.

- porra! Stiles... Não fala essas coisas! – repreendeu o moreno cerrando o punho ao redor dos lençóis.

- por que? Se eu quero mesmo foder você nessa cama, com você gemendo o meu nome e gozando muito – provocou o castanho já introduzindo o terceiro dedo, mas fora surpreendido quando Derek se afastou, fazendo os dedos escorregarem para fora de si.

- não! Chega de dedos. Eu quero o seu pau, agora – ordenou o Hale ainda se mantendo de quatro.

- Derek, eu não quero machucar você – alertou Stiles, sentindo o pau pulsar com a imagem do buraco do Hale se contraindo, empinado em sua direção.

- não vai. Só mete logo – ordenou o moreno olhando por sobre os ombros, vendo o castanho se esticar para pegar uma camisinha e abrir a mesma com os dentes.

- você que manda, Lobão – ditou o Stilinski despejando um pouco de lubrificante no preservativo antes de se aproximar do corpo do outro.

- eu vou colocar – alertou o castanho.

Derek tremeu ao sentir o toque da cabeça do pau de Stiles na sua entrada. Quando Stiles começou a forçar a entrada, o Hale cerrou os dentes, antes de abaixar a cabeça e morder um dos travesseiros. O castanho parou de se mover, passando a acariciar o corpo do parceiro, tentando o distrair da dor momentânea. Derek mordia o travesseiro, enquanto tentava conter a vontade de gemer de dor. Se ele soltasse algum som de dor, sabia que Stiles iria parar e, agora, ele queria aquilo mais do que tudo. Ele queria poder acordar no outro dia, e pensar que havia feito sexo com o outro, enquanto dividiam a cama, dormindo de conchinha.

- já vai passar – disse Stiles deslizando as mãos pelas costas de Derek.

- já passamos da metade – ditou o Stilisnki enquanto levava uma de suas mãos para o pau de Derek, passando a masturbar o mesmo para ajudar a aliviar a dor do mesmo.

- beleza, pode continuar – falou o Hale, ainda com os punhos cerrados. Stiles passou a empurrar mais a sua virilha contra a bunda de Derek, vendo o seu pau sumir quase que por completo, se enterrando por inteiro no Hale.

- você é grande para caralho! – exclamou Derek sentindo o quão dolorida estava a sua bunda naquele momento, que era apenas o início do ato.

- relaxa que já entrou – ditou o Stilinski ainda masturbando o homem.

- graças a Deus! - murmurou Derek.

Se passaram quinze minutos até que Derek se sentisse mais confortável. Ele já até sentia um certo prazer com aquele enorme pau em seu interior. Tanto que, aos poucos, ele começou a se mover, iniciando um lento e sutil vai e vem, indicando ao outro que já poderia se mexer. Stiles decidiu, silenciosamente, acompanhar Derek no movimento. Aos poucos, ele ia se retirando do parceiro, para em seguida voltar a penetrar o mesmo. Não demorou muito para que logo o movimento sutil se tornasse voraz e o silêncio se tornasse gemidos altos, sendo acompanhados pelo som do impacto entre os seus corpos.

Derek nunca imaginou sentir aquilo. Aquele prazer era incrivelmente novo. A dor ainda existia, mas ela era na turbilhão de sensações que o Hale sentia. O moreno de olhos verdes sentia o corpo esquentar a cada movimento do pau de Stiles seu buraco. Quando o castanho começou a acelerar os movimentos foi que Derek perdeu completamente o controle. Ele não conseguia controlar os gemidos que saiam de sua boca. Normalmente, o moreno de olhos verdes teria vergonha dos sons que deixava escapar, mas, ao ouvir os gemidos baixos de Stiles e o mesmo pedir para que ele gemesse, Derek se sentiu mais solto.

- Porra! Mais. Mais rápido – pediu o moreno, empinando mais a bunda, enquanto deitava o torso na cama.

Stiles nada falou, apenas segurou na cintura do parceiro e passou a acelerar ainda mais os seus movimentos. Derek passou a gemer mais alto ainda, sem controle algum dos sons que saiam de sua boca e como saiam. Um tapa estalado fora dado em sua bunda e o Hale se esforçou um pouco para olhar por sobre o ombro.

- sua bunda é perfeita, Derek! – exclamou Stilinsk antes de desferir mais um tapa nas nádegas do moreno.

- me fode, Stiles! Mais forte! – pediu o Hale, pouco se importando com o que dizia. Ele apenas queria sentir mais daquele prazer intenso e novo.

Stiles sorriu, parando de se mover, o que incomodou o Hale, que ergueu o torso para protestar. E foi quando Derek virou o rosto para Stiles que o castanho empurrou o seu pau para dentro do buraco pedinte do moreno, que gemeu alto, sentindo o corpo ficar mole com o ato. Um sorriso largo surgiu nos lábios de Stiles, que repetiu o ato, ouvindo o que parecia ser mais um grito do que um gemido.

- porra! Isso é bom! – exclamou Derek antes de sentir mais um tapa em sua bunda.

- você gosta de ser fodido, ahn? Gosta de sentir o meu pau bem fundo em você? – indagou o Stilinski se curvando para alcançar a orelha do outro.

- sim. Agora me fode mais rápido – pediu Derek sentindo o Stilinski parar de se mover atrás de si.

- você quer que eu te foda rápido? – indagou castanho dando mais um tapa na bunda do moreno, que lhe fitou por sobre os ombros.

- quero! – respondeu Derek rebolando no pau de Stiles, o incentivando a se mover, mas nada ocorreu.

- você quer que eu vá fundo e rápido nesse seu buraco louco por pau, hein? – provocou Stiles vendo o moreno se virar um pouco e estender a mão em sua direção.

Stiles se viu surpreso quando a mão de Derek se fechou em seu pescoço. Mas não reclamou. O aperto não era forte para lhe incomodar. Para falar a verdade, aquilo lhe excitou mais. Era como se Derek estivesse desesperado para sentir mais do seu pau dentro dele. Aquilo fez o seu pau pulsar dentro do Hale.

- se mexa, Stiles – ordenou Derek vendo o castanho sorrir ladino em sua direção.

- aperte – ordenou o mais baixo sentindo o aperto se intensificar minimamente, na medida certa para não lhe fazer perder o ritmo da respiração.

- agora me fode – ordenou o Hale e, finalmente, Stiles voltou a se mover.

- mais rápido – ditou o moreno e logo Stiles estava acelerando o seu vai e vem, criando estalos ao bater com a virilha na bunda redonda do parceiro.

- assim? – indagou com certo esforço na voz devido ao sua movimentação.

- porra! ISSO! – gritou em resposta, antes de soltar o pescoço do castanho e levar suas mãos ao seu pau, voltando a se deitar com a bunda empinada para o castanho.

Derek passou a gritar de prazer a medida em que se masturbava. Stiles, notando o orgasmo do outro se aproximando, colocou as mãos das mas costas do moreno, o pressionando contra a cama, antes de erguer os joelhos da cama e passar a acelerar ainda mais o ritmo em que empalava o seu pau na entrada pedinte do Hale, ouvindo os gritos de Derek se intensificarem.

- ISSO! ME FODE! – gritou o moreno antes de atingir o orgasmo, despejando o seu sêmen nos lençóis da cama.

O Hale permaneceu imóvel na cama, apenas aproveitando a sensação pós-orgasmo e as estocadas que Stiles dava em si. Não demorou muito para que Stiles saísse do seu interior com certa pressa e removesse a camisinha, passando a se masturbar. O castanho se jogou sobre Derek, encaixando o pau entre as pernas do Hale e gemendo contra a nuca do homem quando o seu pau pulsou algumas vezes, despejando o seu gozo nos lençóis. As respirações descompassadas foram as únicas coisas audíveis no quarto por um tempo. Derek sentiu Stiles rolar para o lado e se jogar deitado na cama.

- precisamos trocar os lençóis antes de dormir – ditou o castanho olhando para o moreno, vendo o mesmo tentar menear positivamente.

- isso foi... nunca senti nada assim – confessou Derek ainda respirando com dificuldade.

- você está bem? – indagou o castanho vendo o moreno rolar em sua direção, deitando e olhando para o teto por um tempo.

- minha bunda está doendo, mas eu estou legal – respondeu o Hale olhando para o castanho, que levou uma das mãos ao seu rosto, acariciando o mesmo.

- é normal na sua primeira vez – disse o castanho antes de beijar o moreno.

- temos que tomar banho – falou Derek abraçando o castanho.

- você vai na frente que eu vou trocar os lençóis – disse Stiles antes de os dois se levantarem.


Notas Finais


E como sempre, sou horrível em lemons
Novidades? Nenhuma


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...