1. Spirit Fanfics >
  2. Roommate >
  3. Espaço

História Roommate - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Eu demorei de novo, eu sei (╥﹏╥)
Tentei escrever durante a quarentena, mas acabei ficando com um artblock gigantesco...
Boa leitura!

Capítulo 5 - Espaço


—Luffy, espera! —O grito de Nami pôde ser ouvido de todo o corredor.

Todos se viravam para ver melhor a cena do garoto correndo e a ruiva tentando alcança-lo.

—Por favor, espera! —Nami parou abruptamente, fazendo com que Luffy também parasse ao ouvir seu pedido.

Ele olhou para trás, estava com lágrimas nos olhos, mas se recusava a chorar na frente de todos na faculdade, gostava que todos o vissem como alguém animado e feliz.

Nami andou até ele e o abraçou. O contato foi o suficiente para entender o quanto o amigo sofrera com o que acabara de ouvir. Apertaram o abraço e Luffy se permitiu derramar algumas lágrimas escondidas.

—Vem, vamos voltar pra mesa. —Olhou em seus olhos e sorriu triste. —As meninas estão preocupadas.

Lembrou-se como saiu correndo e como deve ter deixado as amigas desnorteadas. Oh não, não poderia deixar isso assim. Afirmou para Nami que iria voltar, deram as mãos e caminharam calmamente de volta o local que estavam antes.

As pessoas ao redor, não entenderam nada do que estava acontecendo. Muitos se preocuparam com Luffy, já que ali ele era muito querido e estimado e nunca o viram naquela situação antes. Entretanto decidiram deixar os amigos lidarem com isso entre si.

Ao ver as amigas, Luffy correu para encontra-las e começou a explicar o que havia acontecido. Suas palavras estavam rápidas e emboladas, mas ainda assim, as duas entenderam o que ele falava, devia estar muito triste.

—E me desculpa, não queria que vocês ficassem mal. —Sorriu triste coçando a cabeça. —Eu só fiquei triste na hora, não sei como lidar com isso muito bem.

Vivi pegou na mão do amigo e o fez sentar.

—É normal ficar triste. —Vivi beijou sua testa e sentou-se novamente ao lado da namorada. —Principalmente nesse momento. Só não esconde de quem gosta de você.

Luffy confirmou. Robin o olhava com muita tristeza, se sentia péssima de ter causado aquele sentimento no garoto que parecia tão feliz.

—Luffy? —A morena chamou. —Me desculpe, eu não devia ter falado aquelas coisas para você, eu não queria que você ficasse triste.

Ele então apertou as mãos da mais nova amiga e sorriu, dessa vez seu sorriso largo e contagiante estava de volta e não aparentava ser falso.

—Não tem o que desculpar. Você só me pediu um favor. Você não sabia de nada. Eu só não vou poder fazer o que você me pediu.

—Claro, eu nem devia ter pedido nada.

Se abraçaram e combinaram de sair em um momento melhor. Ainda queria conversar melhor com as meninas, mas precisava ir para aula.

—Vamos, o professor já passou. —Nami chamou o amigo.

 

xXx

 

Luffy estava a aula toda mandando bilhetes para a amiga, não conseguiria se concentrar no que o professor falava nem que tentasse muito. Nami por outro lado, estava se esforçando ao máximo, mesmo que estivesse preocupada com o outro.

—Vai, Nami. Me diz o que fazer. —Luffy tentou sussurrar, mas sua voz saiu mais alta do que o esperado.

Shanks, o professor que estava ministrando a aula, olha em direção ao aluno e suspira ao perceber que é Luffy quem estava fazendo bagunça, de novo.

—Mais uma vez conversando durante a aula, não é Luffy? —Sua voz não era séria, sabia que o aluno não fazia por mal, tratavam aquilo mais como uma piada entre eles.

—Desculpa professor, é que eu tô meio apaixonado e não sei o que fazer. —O professor sorriu, negando com a cabeça, enquanto todos da sala começaram a rir da resposta tão sincera de Luffy. —Eu preciso da Nami pra me ajudar.

—Bom, espero que você consiga resolver isso, mas deixe sua colega prestar atenção agora. —O olhou sorrindo. —Você deveria fazer o mesmo.

Nami não estava envergonhada, já havia se acostumado com o jeito do amigo e do professor. Pareciam parceiros conversando e sabia que Luffy o admira muito, por isso provavelmente irá fazer o que o professor manda.

—Ah Shanks, eu não consigo prestar atenção agora. Como saber se a pessoa que você gosta, não te odeia? —Luffy estava realmente sério com sua pergunta.

A turma ainda estava rindo, todos ali também estavam familiarizados com a forma que os dois se tratavam, mas ainda achavam graça do jeito espalhafatoso do colega de classe.

—Luffy, eu já disse que a gente conversa sobre isso depois. —Nami respondeu baixo para ele.

—Ninguém conseguiria odiar você, sei disso. —Shanks respondeu sorrindo. —Mas esse não é o momento de discutir sobre. Ok?

O moreno cruzou os braços e bufou em sua cadeira, sabia que devia estar parecendo uma criança birrenta, mas não se importava. Apenas queria que alguém o ajudasse naquele exato momento.

—Voltando ao assunto, o trabalho que irá compor esta primeira nota deve ser entregue na próxima segunda-feira. Estarei na faculdade até às dezoito horas, depois disso não aceitarei mais trabalho algum. —O ruivo escreveu no quadro branco seus horários da segunda-feira, onde poderiam encontra-lo pela faculdade durante aquele dia. —Por favor, não esqueçam de me entregar e não deixem para última hora.

—Ei, você já começou? Pode me ajudar? —Um dos alunos cutucou Luffy, que apesar de manter-se em sua pose de birra, estava prestando atenção.

—Eu já fiz. —Respondeu e sorriu para o colega de cabelos verdes. —Te passo algumas referências por e-mail, Barto.

O garoto ficou em êxtase, podiam ver os seus olhos brilhando. Era um grande admirador de Luffy, via o quanto se esforçava com suas obrigações acadêmicas, sem deixar de ser divertido e bem humorado. Esperava ser como ele algum dia.

Nami olhava a cena feliz, era muito bom que o amigo pudesse se distrair com outras coisas naquele momento. Esperava que ele logo ficasse bem, queria poder dizer a Luffy tudo o que conversava com Bepo, mas achava que não devia. Iria dar apenas algumas dicas.

Quando a aula acabou, os dois passaram a caminhar em direção ao pátio. Nami iria se encontrar com Bepo e Luffy iria se encontrar com Zoro e Sanji. Estavam sentados os esperando.

—Luffy, sobre o Law... —Nami começou. —O que você quer fazer agora? —Ele ficou sério.

—Acho que eu preciso dar espaço a ele. —Olhou para cima, não era acostumado a ser tão sério assim, aquilo o incomodava um pouco. —Eu... Não faço por mal sabe? —Encarou a ruiva. —Eu antes só gostava de ver as reações dele, agora eu gosto de, sei lá, tudo nele.

Ela o abraçou novamente, não sabia como, mas precisava conforta-lo.

—Olha, eu venho conversado com o Bepo. —Falou e logo foi interrompida pela chegada de Sanji e Zoro

—Aquele amigo do colega de quarto do Luffy? —Zoro perguntou, sentando-se em frente aos amigos que estavam sentando no chão. —O fofinho de cabelo branco?

—Sim, nós estamos saindo. —Ela respondeu sorrindo e logo viu a cara surpresa dos três amigos. Olhou para Luffy —Eu ia contar hoje, mas acabei esquecendo com tudo que aconteceu.

—O que aconteceu? —Sanji perguntou confuso, a conversa parecia séria.

—É que eu tô gostando do Torao, mas ele me odeia e quer trocar de quarto. —Luffy respondeu simplista.

—Não fala assim! —Nami segurou suas mãos. Não acreditava que Law o odiava ou algo do tipo, apenas era mais reservado. —Eu acho que ele só não tem o mesmo ritmo que você. Sabe, você é bem elétrico quando quer.

—E também, você dá em cima dele o tempo todo. —Zoro falou enquanto deitava no colo do namorado. —Vai que ele ficou com vergonha.

—Se fosse só isso, ele podia falar comigo. —Cruzou os braços novamente, realmente não gostava daquele sentimento.

—E você ia parar? Você mesmo disse que gostava de ver a reação dele. —Nami perguntou.

—Claro que ia! —Luffy respondeu. —Eu já disse a ele que não ia fazer algo que deixasse ele mal ou algo do tipo.

—E o que ele disse? —Sanji perguntou. Estava fazendo cafuné na cabeça de Zoro.

—Bom, ele ficou com vergonha, eu acho que deu um sorrisinho, mas não falou nada. —Estava tentando lembrar dos acontecimentos da noite do bar. —A gente meio que quase se beijou no fim de semana, mas eu não sei...

—Explica melhor o que aconteceu. —A ruiva pediu. Luffy as vezes era meio confuso.

—Então, quando a gente voltou do bar, eu dei em cima dele, só que eu fui mais direto, né. —Deitou de costas no chão, pondo as mãos atrás da cabeça. —Mas também falei algo meio “ah, vou esperar o momento que você quiser” e ele não negou nada. Ai no dia seguinte, as coisas ainda tavam meio confusas pra mim, eu tinha bebido muito, ele disse que foi só isso mesmo, eu fiquei meio "tá tudo bem?” e ele “ah, não” aí eu “tem certeza?” só que ele se aproximou de mim. —Parou um pouco de falar para recuperar o fôlego. — E eu deixei porque pensei que ele ia me beijar, mas o meu celular tocou, ele se afastou e depois a gente ficou assistindo filme.

—Quem era no telefone? —Zoro estava com os olhos fechados, parecia muito sereno deitado.

—E isso lá é importante? —Sanji perguntou, dando um tapa na testa do namorado.

—Ai! —Ele exclamou pondo a mão onde foi atingido. —Eu só sou curioso.

Luffy riu, gostava de passar o tempo com os amigos pois mesmo que estivesse triste, eles o faziam rir.

—Era o Ace. —Respondeu. —Ei, posso dormir na casa de vocês hoje? —Direcionou a pergunta ao casal de amigos.

—Você vai ficar evitando ele? —A ruiva perguntou, imitando o amigo loiro e dando uma tapa na testa de Luffy. —Vocês precisam conversar pra resolver essa relação doida, não se afastar.

—Ai! Eu não vou evitar ele, só hoje pra poder pensar um pouco. E ele que quis se afastar primeiro. —Fez um biquinho com os lábios, novamente parecendo uma criança birrenta.

—Olha, vocês dois cuidem dele, eu preciso ir. O Bepo tá me esperando. —Nami o avistou chegando ao pátio e acenou para ele. Se levantou e andou em sua direção.

Bepo acenou para os meninos de longe e em seguida pegou a mão de Nami para saírem.

—Eles ficam fofos juntos. —Luffy estava sorrindo, gostava muito de ver seus amigos felizes.

—Você vai mesmo dormir lá em casa? —Sanji perguntou. —Também acho que vocês deveriam sentar e conversar.

—Não acho que conseguiria fazer isso hoje. Por mais que eu quem tenha criado qualquer coisa na minha cabeça ou não, eu ainda tô um pouco magoado. Meio que, eu gosto dele, não quero me afastar, mas não quero tá junto se não for o que ele quiser, eu quero que ele me queira, isso faz sentido? —Luffy parecia confuso com seus próprios pensamentos, não sabia nem se dizia coisa com coisa.

—É, você tá apaixonado mesmo. —Zoro comentou rindo. —Preciso ligar pro Ace.

Então Luffy repetiu o gesto de Sanji também e deu um tapa na testa do amigo de cabelos verdes.

—Vamos só passar no quarto pra eu pegar umas coisas. —Luffy pediu. —Ainda tem ganja? Deu vontade agora.

 

xXx

 

—Então, o Law vai mudar de quarto? —Nami havia pensado em não falar sobre o assunto, mas como já haviam falado sobre os dois anteriormente, decidiu que talvez não houvesse problema.

—Como assim? —Bepo ficou um pouco nervoso.

—O Luffy me falou algo do tipo, mas ele vai? —Olhou em seus olhos, estava séria.

—Sabe quando eu falo que o Law é tímido? —Coçou a cabeça e mexeu um pouco em seus cabelos tingidos de branco. —Ele é muito mais do que eu realmente falo. E não só tímido, super metódico, ele ficou meio sem jeito com o Luffy e todo o jeito que ele não entende.

—E aí, ele decidiu trocar de quarto?

—Eu falei pra ele conversar antes de tomar uma decisão, mas ele é tão teimoso! —Começou a falar frustrado. —Agora ele mudou de ideia.

—É, isso eles têm em comum, não sabem conversar. Mas é bom que ele tenha mudado de ideia. O Luffy tá realmente gostando dele. —A ruiva o olhou novamente, mas agora estava sorrindo. —Você acha que é reciproco?

—Olha. —Colocou a mão no queixo, demonstrando que estava pensando. Nami achou seu gesto muito fofo. —Eu até acho que sim, só não sei se ele já percebeu isso.

Os dois deram risada do comentário. Nami sabe ser bem persuasiva quando quer e ela realmente queria saber mais sobre o assunto. Ainda que achasse que deveriam deixar que os dois se resolvessem.

—Olha, o Law tá ali. —Bepo apontou para uma mesa reservada naquele outro pátio que se encontravam.

Ao perceber o amigo se aproximando, Law o cumprimentou com o olhar. Olhou para a garota ao seu lado e só então se deu conta, que a pessoa com quem o amigo estava falando há algum tempo, era a amiga de Luffy. De toda forma, estava muito feliz pela felicidade do amigo.

—Oi, tudo bem? O que você tá lendo? É pro seu curso ou de alguma eletiva? —Nami estava sorrindo, já se sentou na mesa tentando puxar assunto.

—Oi, sim, sim, tudo bem. E com vocês? —Respondeu transparecendo nervosismo, realmente nunca iria se acostumar com pessoas tão extrovertidas. —É um estudo sobre bombeamento cardíaco, é pra minha especialização. —Levantou um pouco o livro para que ela pudesse ler.

Bepo estava se divertindo com a cena, não era incomum ver o amigo constrangido, porém ultimamente estava acontecendo até demais.

—Legal. —Nami percebeu que Law ficara um pouco acuado com o tanto de perguntas que lhe fizera. —Desculpa se eu perguntei demais.

—Não, tudo bem, só não estou acostumado. —Respondeu dando de ombros.

—Então, como vocês já se conhecem, eu não preciso apresentar vocês tanto assim. —Bepo começou a falar e apontar de um para o outro. —Essa é a Nami, a gente tá se conhecendo e esse é o Law, meu amigo de infância e colega de quarto do seu amigo.

Nami sorriu para o moreno, que a princípio apenas acenou com a cabeça, mas logo se forçou a sorrir também. Gostaria de ser menos introvertido.

—Vocês ficam bem juntos. —Comentou os observando.

—Obrigado. —Bepo sorriu. Nami o abraça, ficam bem feliz com o comentário, sentem-se como se houvessem recebido algum tipo de benção de seus amigos.

No momento seguinte, Law recebe uma mensagem no celular, que o faz sorrir inconscientemente. Nami se inclina um pouco e vê o nome de Luffy brilhando na tela do celular e então dá um olhar sugestivo para Bepo. O moreno a frente está tão entusiasmado com o recebimento da mensagem, que nem percebe os movimentos dos dois a sua frente.

Law destrava seu celular e abre a mensagem de Luffy, porém seu sorriso, completamente inconsciente, morre na mesma hora.

 

[Luffy]
Vou dormir fora.
Até logo.

 

As mensagens eram completamente impessoais, não combinavam nada com sua foto de contato calorosa e amigável. Law não entendeu nada naquele instante. Será que ele estava chateado com algo? Ou tinha descoberto sobre a mudança de quarto? Resolveu enviar uma mensagem também.

 

[Você]
Aconteceu algo?
Onde você vai ficar?
Se precisar de ajuda, pode pedir.

 

A resposta chegou logo em seguida, também de forma seca. Inclusive ignorando algumas de sua mensagem.

 

[Luffy]
Vou para a casa do Zoro, volto amanhã.

 

Law parecia meio chocado, nem mesmo quando ele negava suas investidas a si fora tratado com tanta frieza. É possível que ele tenha cansado de sua enrolação? E enrolação do quê, exatamente? Estava tão confuso.

“Será que eu gosto dele?”

“...”

“Eu acho que sim!? Isso é tão confuso!”

—Tá tudo bem? —Nami se aproximou dele, estava realmente preocupada.

—Ah, sim... Era o Luffy, ele disse que vai dormir fora. Nada demais.

Nami e Bepo trocaram olhares, realmente não queriam se meter, mas viram que se ninguém fizesse nada, os dois iriam ficar nisso para sempre.

—Law. —Bepo chamou sua atenção. —Acho que vocês deveriam sentar e conversar.

—Como assim? —Precisava de alguma ajuda, mas não sabia realmente como pedir.

—Eu sei de algumas coisas do Luffy em relação a você, assim como provavelmente o Bepo sabe coisas suas em relação a ele. Normal. —Ela disse. —A gente não vai dizer nada a mais, porque vocês precisam se entender sozinhos, mas pra isso vocês precisam conversar. Já passou da hora até.

Law suspirou audivelmente, sabia que ela estava correta. No começo, não se importaria se ele gostaria ou não de si, na verdade, antes queria até que ele gostasse menos, para que pudessem tomar distância um do outro.

Agora já havia se acostumado com o jeito do outro. A forma que estudava ouvindo música, como sempre ria muito alto, independente da hora e se iria levar multa ou não, tinha até começado a achar fofa a forma que ele se mexia o tempo todo.

—Tudo bem. Eu vou fazer isso. —Olhou de volta para os dois que o encaravam. —Obrigado.

“Droga, eu realmente estou começando a gostar dele.” 


Notas Finais


Esse capítulo era pra ser um pouquinho maior, mas acabei dividindo em dois, achei que combinaria melhor.
Isso significa que provavelmente vai ter um capítulo a mais do que eu esperava, o que me lembra que já estamos na reta final! Esse já é o antepenúltimo, talvez o penúltimo.
Também estou pensando sobre um epílogo em relação a outros casais, mas isso fica mais pra frente, me digam o que vocês acham <3
Até logo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...