1. Spirit Fanfics >
  2. Rosa e Filmes Melosos >
  3. Conflitos Familiares

História Rosa e Filmes Melosos - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Ta... eu vou postar as vezes nos sábados, mas só quando os meus capítulos prontos passarem de quatro. Mas não se preocupem, nas terças e quintas vão ter capítulos também.

E nos sábados eu vou atualizar nesse horário okay? Não vai ser as 11:20 haha.

Mas vamos pro capítulo né?

Capítulo 3 - Conflitos Familiares


Deveriam ser 11 horas da manhã e SeungWoo estava em casa naquela manhã, observava a filha mais velha pintar um tela branca, que agora tinha algumas outras cores ali.

Ele gostava daqueles momentos com SooYoung, a garota estava catatônica. Ela não falava e sempre tinha o olhar fixo em algo, exceto quando estava pintando.

SooYoung tinha dificuldades em conhecer pessoas também, tanto que só se sentia bem perto de pessoas a qual ela já conhecia antes da doença. Como a sua família e a família Kim, a família do namorado, fora isso, SooYoung nunca conseguiu ficar no mesmo ambiente que alguém estranho por muito tempo.

O pai da Han estava pensando na garota que tinha ido falar com ele no domingo à noite, será que ela era realmente a sua filha? Minju disse que ela tinha 20 anos e era filha de Lee KaEun, sua ex namorada. Começou a fazer as contas e lembrou-se de quando a mulher foi embora de Seul, contou nove meses desde essa época e percebeu que era possível sim que ChaeYeon fosse sua filha. Mas por que KaEun nunca havia o contado sobre isso?

SooYoung notou que o pai estava estranho, então, tentou se comunicar da maneira que podia. Se aproximou dele devagar e segurou as mãos do homem, este, que saiu de seus pensamentos e olhou para a filha. Era a primeira vez em semanas que SooYoung puxava conversa com alguém da família. SeungWoo sorriu, aquilo era um progresso, depois de semanas.

A filha inclinou a cabeça levemente para o lado e SeungWoo entendeu o que ela quis dizer no momento.

— Está tudo bem, o seu pai só está um pouco avoado hoje. – respondeu, mas SooYoung franziu o cenho, queria que ele contasse o que estava acontecendo, só não sabia como falar aquilo. Os dois ficaram por um longo tempo até SooYoung falar.

— Contar... – SeungWoo arregalou os olhos, sorrindo ainda mais logo após. Sua filha tinha falado, apenas uma palavra, mas ela falou.

— Você que eu conte? – perguntou, SooYoung apertou um pouco as mãos dele. – Okay... Vem, vamos nos sentar então. – os dois se sentaram na cama da garota. – Uma garota veio até mim, ela acha que eu sou o pai dela. – contou, rezando para que SooYoung não respondesse aquilo de um jeito ruim, o que de fato, ela não fez. Estava interessada naquilo então só sorriu de canto. – Ela é mais velha do que você, então faria sentido ela ser minha filha. – SooYoung se levantou devagar e foi até onde os seus desenhos ficavam. – O que você está procurando?

Ela voltou com uma folha nas mãos e mostrou para o pai, era um desenho de duas garotas abraçadas, uma delas estava de costas, e a garota que estava de frente era idêntica à ChaeYeon.

— Como você... – a porta do quarto foi aberta, revelando a esposa do Han, que tinha uma expressão raivosa no rosto.

— Precisamos conversar. – foi o que falou, antes de ir em direção ao próprio quarto.

— Você vai ficar bem sozinha? – SeungWoo perguntou, olhando para a filha, que em resposta, sorriu de canto, olhando nos olhos dele. – Eu já volto. – deu um beijinho na testa da garota e saiu do quarto, indo até a esposa. – Eunbi? O que aconteceu?

— Você tem uma filha! E nem me contou! – exclamou, estava prestes a dar um tapa no homem, se não fosse pelos reflexos do mesmo.

— Ei... calma, eu vou te explicar tudo. – SeungWoo estava calmo, afinal, não tinha motivos para estar nervoso. – Eu ainda nem tinha me envolvido com você quando eu me relacionei com a mãe da garota. – explicou. – E ela nunca me falou sobre uma filha.

Eunbi não tinha gostado nenhum pouco daquilo, não conseguia acreditar no marido. Pensava que ele tinha passado por todos esse tempo com a mãe da garota e com ela.

— Eu não acredito em você. – foi sincera, e SeungWoo já sabia que ela falaria aquilo.

— Eu sei que você não acredita, também não acreditaria se fosse ao contrário. – estava sendo compreensivo. – Mas... foi o que aconteceu. Eu só descobri que tinha uma filha com 20 anos ontem, da própria boca dela.

— Por que você não me contou? Você poderia ter me contado! – Eunbi tinha várias qualidades, mas como todo mundo, ela também tinha defeitos, e os seus principais defeitos eram nunca se colocar no lugar dos outros e nunca pensar antes de falar.

— Eu precisava processar aquilo! Você pode se colocar no meu lugar? – SeungWoo já estava ficando irritado, mas não iria gritar com a esposa. Não queria ser esse tipo de homem, e nem queria que SooYoung ouvisse algo.

— Agora se coloca no meu lugar! – exclamou Eunbi. – Você contou isso para a sua filhinha catatônica! Mas não contou para a sua própria esposa.

SeungWoo arregalou os olhos incrédulo, ela não tinha falado daquele jeito sobre a própria filha, tinha?

— Sim, sabe por que eu contei isso pra ela? Ela PEDIU pra mim contar pra ela. – dessa vez, quem arregalou os olhos foi Eunbi, por que o seu marido mentia daquele jeito?

— Ela não fala já fazem quatro semanas. – falou. – Como você quer que eu acredite nisso?

Os dois continuaram discutindo e SooYoung ouviu algumas coisas, o suficiente para saber que eles estavam brigando, então tapou os ouvidos para não ouvir nada.


DongPyo e YeoJin entraram na casa e logo ouviram os pais discutindo. DongPyo correu até o quarto de SooYoung e a viu tapando os ouvindos com as mãos, chorando.

— Soo... calma. – a irmã olhou para ele, mas não removeu as mãos dos ouvidos.

YeoJin viu aquilo e foi em direção ao quarto do pais, furiosa.

— VOCÊS PODEM PARAR?! – gritou, assustando ambos os pais que pararam de discutir. – Eu não sei o que aconteceu, mas lembrem-se que vocês deixaram uma pessoa que tem uma DOENÇA MENTAL ouvir tudo. – Eunbi e SeungWoo se sentiram culpados, mas a mulher apenas foi até o banheiro do quarto e se trancou lá.

— Eu vou ir ver a sua irmã, me desculpa por te fazer ver isso. – se pronunciou SeungWoo, mas YeoJin não deixou.

— Deixa ela respirar um pouco, o DongPyo já está cuidando dela. – falou a mais nova.

DongPyo abraçava a irmã mais velha, ela não parava de chorar, mas também estava abraçando o irmão. Ela empurrou ele levemente e DongPyo a encarou confuso. Então, SooYoung apontou para o desenho que estava no chão, o mesmo que tinha mostrado para SeungWoo antes.

O mais novo segurou o desenho e ficou mais confuso ainda ao ver a irmã de seu colega ali.

— Por que a irmã do Eunsang está aqui? – perguntou e SooYoung olhou nos olhos dele. DongPyo ficou surpreso com aquilo, afinal, a irmã nunca olhava nos olhos de ninguém. Os dois ficaram olhando um para o outro, SooYoung estava confortável naquele momento.

— Irmã... – murmurou, fazendo o Han mais novo quase ter um surto interno. *"Ela falou?"* era o que pensava.

— Sim, ela é irmã do Eunsang... – começou, mas SooYoung negou. – Não? – a mais velha apontou para a garota ao lado de ChaeYeon, que estava de costas. – É você? – SooYoung o olhou. – Mas... por quê? – perguntou mas a mais velha não falou nada, ela não conseguia se expressar como queria.

— Ei... Soo... – os dois ouviram a voz do pai. – Me desculpa pelo o que você ouviu tá? Eu não queria discutir com a sua mãe. – falou se aproximando da garota.

SooYoung pensou e bem devagarinho segurou a mão do mais velho. DongPyo tinha achado aquilo incrível, assim como SeungWoo. Por mais que fosse de um modo muito lento, a garota estava interagindo, estava tentando conversar. E aquilo era um progresso, um grande progresso.

YeoJin bateu na porta do banheiro onde a mãe estava, até a mulher a abrir e revelar o rosto, ela estava chorando.


— Me desculpa. – abraçou a filha, repetindo aquilo várias vezes. YeoJin retribuiu ao abraço confusa.

— Me... desculpa? 'Pra mim? – perguntou. – Você precisa falar isso para a SooYoung, mamãe, você deve desculpas para ela. – sussurrou, quase chorando junto com Eunbi, afinal, era a mãe dela de qualquer jeito e ela tinha um carinho enorme pela mulher.

— Você... tem razão. – respondeu e se separou da filha, secando as lágrimas em seguida.


Já era de tarde, na casa dos Lee, Nako e Eunsang estavam fazendo a lição de casa no quarto do garoto, até ele tocar em um certo assunto.

— Você sabe que os gêmeos são filhos do SeungWoo... não é? – perguntou, sem desviar o olhar do caderno.

— Ah, sim, eles me falaram isso. – respondeu, olhando para o Lee.

— Você não acha estranho? – Nako não entendeu a pergunta, o que ela deveria achar estranho, afinal? – Ser amiga dos meio-irmãos da Yeon. – explicou.

— Um pouco. – respondeu. – Mas eles são legais. – acrescentou, se lembrando de YeoJin falando sobre a escola e de DongPyo falando sobre a família, sobre filmes e sobre as unhas que ele tinha pintado, o gêmeo era tão fofo e tão bonito, os lábios cheinhos dele falando tudo de uma maneira empolgada.

— Por que você está sorrindo? – a intercambista saiu do transe, ficando envergonhada. – É por causa de quem? DongPyo? A YeoJin? – provocou.

— Ah... – coçou a nuca. – Eu só estava pensando no que o DongPyo tinha falado.

— Você está pensando no que ele falou, ou na boca dele se mexendo? – a Yabuki corou, abaixando a cabeça e assentindo. – Eu sabia. – riu.

Nako terminou a sua lição de casa logo em seguida, pegando o seu material e indo para o quarto, para falar com a sua mãe. Mas mal conseguia se concentrar enquanto falava com ela, estava pensando no garoto das unhas cor-de-rosa e se perguntava o porquê.


Jantar em família na casa de SeungWoo nunca foi algo ruim, mas naquele dia, o clima estava diferente. Eunbi ao menos olhava no rosto do marido, DongPyo e YeoJin ao menos falaram sobre o primeiro dia de aula, ou sobre como a aluna nova era fofa e engraçada. SeungWoo não falou sobre a empresa, mesmo tendo novidades. Já SooYoung não tinha muita opção, sem ser comer a comida que o pai dava em sua boca.

— Hoje, eu convidei a CEO da nossa empresa para almoçar e passar a tarde aqui, na sexta-feira. – contou SeungWoo. – Se estiver tudo bem para você, é claro. – acrescentou, olhando para a esposa.

— Sexta-feira? Tudo bem. – falou seca, SeungWoo apenas suspirou e voltou a alimentar a filha.

— Hoje a gente fez amizade com a garota nova, a intercambista, sabe? – começou YeoJin. – E o DongPyo veio o caminho todo até aqui falando dela, acho que ele está apaixonado. – tentou aliviar o clima.

— Ah sério? – Eunbi se pronunciou. – Qual é a Host Family dela?

— A família Lee, mamãe. A Yabuki Nako é a Host Sister do Eunsang. – SeungWoo gelou ao ouvir o nome do garoto, seu filho estava interessado na intercambista que estava na casa de sua ex? Isso só poderia ser brincadeira, não é?

— Então o nome dela é Yabuki Nako. – concluiu a esposa.

Assim que todos ali, tinham terminado de comer, o que demorava um pouco já que um dos pais sempre comiam depois, por causa de SooYoung. DongPyo e YeoJin foram para os seus quartos, Eunbi foi para o seu e foi clara com SeungWoo que não era para ele dormir lá, tendo que ficar no quarto de hóspedes.

SooYoung estava no seu quarto, continuando a pintura que estava fazendo, pintava uma garota, a qual ela tinha sonhado dias atrás. As madeixas castanho-escuro, na altura dos seios e levemente ondulados. A garota sorria e seus olhos sorriam junto, ela estava grávida.

A Han tinha ficado com aquele sonho em mente, lembrava da garota grávida, nos seus 7 meses, em uma tarde de novembro, acariciando a barriga enquanto sorria e falava com o bebê. Depois, falava com a própria SooYoung, contava sobre o namorado e sobre como amava ele.

E essa garota aparentava ser muito nova, devia ter os seus quatorze ou quinze anos de idade. Falava sobre a garotinha que estava em sua barriga alegre e falava que a filha amava escutar música, porque sempre se mexia quando tinha música por perto.

SeungWoo passou no quarto para dar os remédios para a filha e olhou para a tela, reconhecendo a ex. KaEun sempre foi uma mulher linda, desde que SeungWoo a conhecia. E, não pode negar que a achou magnífica quando a viu ser nomeada a nova a CEO da empresa a qual ambos trabalham. Mas, essa KaEun que estava na tela, era a de 21 anos atrás, ele lembrava disso.

— Por que você pintou... ela? – perguntou surpreso. SooYoung sorriu de canto, agora sabia quem era a mulher. – É... venha tomar o seus remédios, Soo. – mudou o assunto, ainda surpreso.

Após SooYoung tomar os remédios e se deitar na cama, já coberta, SeungWoo abriu a porta para sair do quarto. Mas a garota não queria que seu pai saísse, então tentou falar pela terceira vez no dia.

— P-Pai. – chamou, com dificuldade, e SeungWoo ouviu, se virando no mesmo instante. SooYoung sorriu ao ver o mais velho se virar.

— Você quer que eu deite contigo? – perguntou, mesmo já sabendo a resposta. SooYoung assentiu depois de um tempo, fazendo SeungWoo ir até a cama e se deitar ao lado da filha. Essa, que não retirava o sorriso do rosto.

A mais nova não demorou para pegar no sono, mas o pai não, afinal, ela tinha o chamado para ir deitar com ele. Coisa que ela nunca fez nesse período, então aquilo era um grande avanço.


Notas Finais


É... o que vocês acharam? Gostaram? Não gostaram? Por quê?

Então... até terça feira! Vocês podem me seguir no Twitter (@pyofly e @gaeundays) e podem me marca pra falar da fanfic e tals KKk.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...