História Rosa nunca é demais - Capítulo 171


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Lemon, Pantera Cor De Rosa, Yaoi
Visualizações 23
Palavras 1.226
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Crossover, Ecchi, Fantasia, Ficção, Fluffy, Harem, Hentai, Lemon, LGBT, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Sobrenatural, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Necrofilia, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa leitura meus gatinhos e minhas gatinhas.

Capítulo 171 - A Nonna paga


Avalanche on

- Puta que pariu, acabaram com a maionese.

{ - Foi mal, fiquei com desejo de pão com mortadela e maionese.

- De novo? Você não tinha acabado de ter desejo de bolo de aipo com cenoura?

{ - Já estou de nove meses bem, essas coisinhas aqui tem mais fome que o pecado da gula.} - ele massageia a barriga e vai de volta pra sala se sentar no colo do Danny.

- Ou, tio Art, comi vai ser quando eles nascerem? tem certeza que tá tufo bem com eles? Por que meus bebês nem os do Angêlo não saíram ainda?

- Isso é meio estranho, tipo, quando um neném nasce ele puxa tofos de uma vez, então esse negócio de todos engravidarem de uma vez foi basicamente uma tentativa de vários bebês nascerem e preencherem o espaço de mortes erradas no mundo.

- Então um só vai nascer se todos entrarem em trabalho de parto?

- Isso bebê, agora vai lá ficar com o Consta que já, já eu trago a janta.

- Art, eu te adimiro, você tá com um bebê de nove meses na barriga, morrendo de dores e mesmo assim continua ajudando todo mundo e pondo o conforto dos seus filhos e fo seu sobrinho acima da dor.

- É o meu jeitinho, agora vai lá encima chamar o meu bebê de cabelos castanhos e o marshmallow dele, sim?

- Ok. - subo as escadas e vou na ponta do pé até o último quarto do corredor.

              O que tinha lá? Um lindo garoto de cabelos castanhos penetrando um fofo garoto de cabelos brancos e com fogo espalhado pelo corpo.

           Agora a pergunta, o que fazer quando se vê uma cena dessas? Não sei o normal, mas eu tirei minhas calças pulei encima deles, com a mira no rabo do Leonard e eles não reclamaram, ganhei até um boquete do Crowley no final e paguei um pro Leonard também, e a porra dele tem gosto de leite com achocolatado, sério!!!

- Essa foi boa. - ele se deita na cama e puxa eu e o Crow pra deitarmos ao lado dele.

- Dá pra se ter uma boa relação a três desse jeito né?

- A três?

- Ser bígamo ainda é crime?

- Depende do país.

-  Vamos descer? Seu pai tá chamando?

- Vamos lá bebê? - colocamos as roupas e vamos pra cozinha, onde tinha un baixinho ruivo (Miguel) full puto batendo no Guerra, ou pelo menos tentando e cortando tudo com a espada no caminho.

- Alguém acalma ele? Não queria que meus filhos perdessem um dos pais.

- CALADO, E FICA PARADO PRA QUE EU POSSA TE ESGOELAR DE UMA VEZ.

- O que você fez agora? - o Lúcifer prende o irmãozinho pelos braços e ele fica tentando se soltar.

- Eu não fiz nada, ele surtou do nada.

- Do nada meu cu, no caso o dele. - o Chisai aponta pras calças do Miguel, que tavam manchadas de sangue e começando a escorrer no chão.

- Que porra é essa?

- Filho, não tem esse negócio de estourou a bolsa não, aqui o que estoura é uma bolha de sangue mesmo. - o Art começa a segurar a própria barriga.

{ - Ta doendo.}

- Porra MiG, não dava pra esperar a janta pra querer ter esses bebês?

- A culpa não é minha seus paus no cu.

- Lúci, hospital, agora.

- Ei, o meu Angel ta perdendo sangue aqui.

- Ele e todo mundo Oli, mas nós precisamos de alguém pro parto, AGORA.

- Sobrou pra mim. - a Nonna põe as luvas e leva geral pros quartos lá de cima.

- Vai ser agora, eu acho que vou desmaiar.

- Só você mesmo. Pelo menos não é igual ao Danny aqui que já desmaiou, né Consta?

- Ava, leva gelo lá pra cima...

Quebra de tempo

Oliver on

- Você vai morrer desse jeito.

- Não vou ter um ataque antes de ser pai. - cruzo oe braços e fico olhando pela sala.

- Se vocês estão nervosos imaginem eu, que estou com os filhos ameaçados por uma bruxa.

- É por isso que vamos nos mudar por um tempo/sempre.

- Aonde vamos sogrinho?

- Para uma casa que eu arrumei lá em Liand.

- Liand?

- É a ilha que fica no meio do triangulo das bermudas, quero ver alguém chegar lá perto.

- E como nós vamos pra lá?

- Vamos passar a noite aqui e amanhã vamos viajar até o porto mais próximo e embarcar no S.S.Piratas ao mar.

- Faz tempo que não vejo a tia Jack, saudades dela.

- Ou - a Nonna aparece na porta - as crias estão engomadinhas nos cobertores. - acelero pra dentro dos quartos até chegar no meu e do Angel e ver ele na cama fazendo careta pra quatro babyes, e sim, eu quase dei um garotinho fino pra caralho quando vi aquelas fofuras.

- Vai ficar aí fazendo essa cara de retardado ou vai vir ver seus filhotes? - ele faz aquela carinha debochada e eu e tro no quarto e me deito ao lado dele.

- Quem é quem?

- Quis escolher com você. - ele me entrega uma menina de olhos azuis e um menino de olho rosa e outro azul.

- Esse aqui é o Yuu e essa aqui a Katy.

- Então essa menininha aqui vai ser a Yuli e esse lindo aqui vai ser o Haru.

- Não teriam nomes melhores...

Danny on

            Abro a porta e vejo um gato arcos íris brincando com outros quatro bebêzinhos enquanto fazia biquinho pra um dos menininhos.

{ - Oi.}

- São tão lindos, iguais a você.

{- Tem seu gene, então claro que seriam lindos.}

- Esse é o Rick né? - pego o filhotinho de orelhas de gato do colo dele.

{ - E essa aqui de cabelos pretos é a Diana.}

- Agora pode me falar o porquê dos outros dois terem orelhas de coelho e o outro ter asas e antena.

{ - Ganhamos um coelho e uma abelhinha}.

- Lá vem...

Constantine on

- Chisai? - bato na porta do quarto e aguardo resposta, no caso um choro.

- Pode entrar. - abro a porta e vejo ele equilíbrando dois filhotes em um braço e dando mamadeira pro outro com a mão livre.

- Quer ajuda?

- Sim, a Calissa é bem gulosa, acabou de sair e avançou no mama.

- Me da os outros aqui.

- Segura o Kipline com cuidado por favor, vai deixar o menino cair no chão.

- Não vai acontecer isso.

- E o Robin, está bem?

- Ta sim, parece que não gosta de ficar parado, esta coisinha não parou desde que saiu.

- Vai dar trabalho...

Guerra on

- Miguelzinho. - entro na sala com uma caixa de bombons e com três mamadeiras.

- Dá uma aí que essas porra tão com fome.

- Se depender do pai que tem eles vão falar mais palavrão que...

- Como é?

- Nada não, amor da minha vida, e como essas coisinhas fofas do cacete estão?

- A Cecília, o Ren e o Lucky? Ótimos, nasceram gordinhos, mas estão ótimos.

- Ei, agora você vai deixar de ser gordo.

- Estou sinceramente pensando em ensina-las a meter a porrada no pai...

Lúcifer on

- E aí meus bebês?

- Nasceu bem e eu já estou bem.

- Já ta de pé?

- Já e vou lá fazer mamadeira pro Regin.

- Regin? Bom nome, mas, por que?

- Tenho meus motivos, bom, ele tem.

- Ele?

- KARMINHA.

- O que essa porra quer de nós?

(- Não revelo meu segredo, mas quem Once Upon a Time vai ser o culpado pelo próximo casal aqui).

- Ei, vamos precisar comprar leite né?

- A NONNA PAGA.

- Teu cu cor de rosa...


Notas Finais


Bem, aja cria agora kkkk
E esse cap foi um "presente" pra minha miga M_E_O_W que tá fazendo alguns aninhos (não sei quantos) hoje...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...