História Rosas Azuis - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Heterossexualidade, Homossexualidade, Máfia, Romance, Violencia
Visualizações 6
Palavras 2.249
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Consegui trazer o capítulo antes do final de semana,como havia dito não teria muito tempo para escrever como antes mas faria o meu melhor.E ainda vou ter aula no sábado por causa de meio ponto.
Espero que gostem do capítulo e me digam o que acharam.

Capítulo 6 - O encontro - Chapter 3


Fanfic / Fanfiction Rosas Azuis - Capítulo 6 - O encontro - Chapter 3

(Capítulo parcialmente feito pelo telefone)

 

A semana ocorreu normalmente,no trabalho quase não teve nenhum movimento por causa de toda aquela “guerra de gangues”.Final de semana foi o pior dia de todos,somente duas pessoas foram até o café e se continuasse desse jeito,Samantha começaria a demitir os funcionários e ainda não posso perder esse emprego.

Eu estava muito ansioso com o meu encontro com Connor,tudo aconteceu muito rápido,quando nos beijamos eu nem sabia seu nome.Mas espero que tudo mude com esse encontro,se não for para frente vai para trás.

Ele parece ser alguém muito legal e gentil,mesmo que só o tenha visto algumas vezes eu realmente sinto alguma conexão com ele.

Ele me mandou uma mensagem me dizendo que me pegaria na minha casa as 14:00.Ele disse que queria passar a tarde inteira comigo,mas ainda não sabia aonde iríamos pois ele queria que fosse surpresa.

Como sempre escolhi minhas roupas bem antes do horário marcado,mas não peguei nada demais pois não queria demonstrar que estava desesperado.Que eu com certeza estou.

Um blazer cinza com uma camisa branca e uma calça um pouco mais escura do que o blazer e um sapato preto.

Acho que estou elegante demais,mas não me importo pois duvido que ele iria querer me ver de roupas no final de tudo.

Como sempre fazia antes de ir a algum lugar,tomei banho e lavei,sequei e pentiei o cabelo, escovei os dentes,passei desodorante,perfume e coloquei minha roupa.Tudo em 2 horas.

Connor chegou em cima da hora,e fiquei feliz em ver que ele era pontual que nem eu.

 

— Você está um gato - Connor me disse depois de sair do carro e me dar um selinho bem carinhoso nos meus lábios.

— Parecia que o final de semana não chegava nunca - Eu disse um pouco corado.

— Não precisa ficar envergonhado perto de mim,quero te deixar o mais a vontade possível.

— Eu sei e que…

— Algo está te incomodando ?

— E que e meu primeiro… - Eu estava confiante de verdade,mas isto não mudava nada o fato de que eu não tinha a menor ideia do que eu tinha que fazer em um encontro.

— Sua primeiro encontro será comigo.Que honra

Dito isso ele ligou o carro e seguimos o caminho para algum lugar que ele não queria me dizer qual era.

Agora que consegui reparar na roupa dele percebi que ele também não estava tentando me agradar com roupas.Uma jaqueta xadrez vermelha com preto comum,uma calça jeans preta e um sapato de cano alto bege só que um pouco mais escuro.Ele também usava alguns anéis e um colar no pescoço.

 

— Não tem chance nenhuma de você me dizer aonde estamos indo ?

— Você e muito impaciente.Estamos quase chegando.

— Você disse isso a uns 10 minutos e ainda não chegamos a lugar algum.Ja chegamos no centro da cidade,se não for aqui onde vai ser ?

— Fora da cidade.Uns 20 minutos.

— Continua sendo muito vago com as respostas.

Ficamos o caminho inteiro nessa conversa,eu insistia e ele não falava nada.Algumas vezes ele falava que estava chegando mas ainda assim não dizia aonde era.

 

— Chegamos.

 

Ele me disse quando eu já estava quase

dormindo de tanto cansaço.

 

— Mas...Não tem nada aqui.So tem mato.

— A gente vai ter que andar um pouquinho para chegar aonde eu realmente quero te levar.

— Ainda bem que vim de tênis.Mas você poderia ter avisado que seria na mata porque esse blazer e bonitos mas ele e muito calorento.

— Não se preocupe,você vai tirar suas roupas daqui a pouco.

— Acho que ainda não cruzamos essa linha de intimidade.

— Eu não estou falando de sexo.

 

Adentrando na mata havia um pequeno caminho de terra que ele disse que deveríamos seguir que chegaríamos exatamente onde queríamos.

Nao demorou muito para chegar numa pequena cabana uma pouco velha.Era uma construção muito bem feita,parecia ter sido construída com todo o carinho que alguém poderia ter.Para ter sido feita num lugar como esse,imagino que era para alguém descansar.

Toda feita de madeira e parecia ser muito aconchegante para duas pessoas.

E não muito ao lado,tinha um lindo e brilhante lago.Nao era fundo mas a água era tão cristalina que era possível ver tudo que estava na água.

Oh.

Era por isso que ele disse que tirariam os a roupa.

— Aqui e tão lindo ! - Eu estava completamente admirado com o lugar.Tão calmo e lindo.

— Pensei que seria um ótimo lugar para passar o tempo.

— Com certeza foi uma ótima ideia.Um tempo ao ar livre era tudo que eu precisava,fora de toda a correria da cidade.

— Já são 3 da tarde,temos até as 8 da noite para aproveitar.Vamos fazer esse tempo valer a pena.

— Mas como vamos fazer para nadar ? Eu não gosto muito de ficar nu perto de alguém…

— Não se preocupe,seremos só eu e você aqui.

— E porque eu realmente não gosto.Me sinto completamnete desconfortavél.

— Tudo bem,eu espero até o dia que se sentir a vontade comigo.Mas eu realmente não tenho nada aqui comigo.Só se tiver alguma coisa dentro da cabana.

— Alías,a cabana e sua mesmo ?

— Era dos meus pais,mas eles faleceram e deixaram tudo para mim.Filho único.

— Oh...Sinto muito.

— Eu cansei de ficar em pé,vamos para dentro.

 

Caminhamos para o lado de dentro e foi como o lado de fora.Bonita mas completamente simples.Na sala havia uma lareira,uma poltrona e um sofá para duas pessoas feitos de couro,um tapete que cobria quase todo o chão e uma mesinha de vidro no centro.Um pouco ao lado da entrada havia a escada que levava para a parte de cima,onde ficavam os quartos.Ambos tinham uma cama de casal e uma guarda roupa.

Era um lugar muito aconchegante para se passar o final de semana.Uma pena que só ficaria algumas horas em um lugar tão calmo e silencioso.O único som que havia por ali era o som natural da floresta.Pássaros,o vento batendo nas folhas,o cair da cachoeira,a água batendo nas pedras.

Parecia um sonho.

Mas cansei de ficar observando o lugar e procurei nas gavetas alguma roupa que me service para ir nadar.Vasculhei em todas as gavetas mas só tinham roupas femininas então fui procurar em outro quarto e a única coisa que achei foi uma camisa de mangas longas gigantes.Parecia até um vestido de tão longa,chegava nos meus joelhos.Resumindo,estava perfeita para passar o dia nadando.

 

— Connor !!! - Eu gritei Connor de lá de cima,já que ele estava retirando as coisas do carro.Quais esqueci completamente de ajudar - Eu achei uma camisa perfeita para nadar.

— Era do meu pai.Que surpresa,achei que minha mãe havia jogado tudo fora depois que ele morreu.

— Seu pai morreu antes da sua mãe ? - Acho que comecei a tocar um ponto sensível dele,pois ele começou a ficar meio estranho.

— Sim,quando eu tinha 12 anos.Minha mãe o acompanhou um ano depois.

Ele terminou de carregar as coisas do carro e nos sentamos no sofá perto da lareira.Iriamos nadar depois de descansarmos um pouco.

 

— Mas e você,Eliott ? Alguma história trágica de infância ?

— Eu não sei como meus pais estão hoje em dia.Quando tinha 18 eu saí de casa pois ele jamais aceitariam um filho gay.Depois me mudei para Nova York e comecei a trabalhar e não muito tempo depois eu fiz faculdade de artes cênicas.

— Uma puta história.Seus pais simplesmente cortaram todo o contato por causa de uma bobagem dessas ?

— Foi mais da minha parte que paramos de conversar.Eles me ligaram algumas vezes mas não aguentei e mudei de número rapidamente.Mas desde aquele dia tive que fazer acompanhamento com uma psicologa,e ainda descobri que tenho asma.Não uma grave,mas uma que precisaria de uma bombinha toda hora que chegasse.

— Que duro.Estranho pensar que você,com essa carinha tão fofa,passou por tudo isso.

— Mas você não me disse muita coisa sobre você.

— Eu sempre vivi em Nova York,depois que meus pais morreram fui morar com uma tia que nem conhecia e fique por lá até que me formei e comecei a trabalhar.Ganhei meu próprio dinheiro e fui prum apartamento qualquer no centro.

— Acho que ambos tiveram vidas bem ruins no começo.Ainda bem que hoje em dia está tudo diferente de antigamente.Mas você não me disse com o que trabalha ?

— Importação e exportação de produtos.

— Nunca vi uma faculdade sobre isso...Mas não vim aqui para falar de ninguém.Quer ir nadar ?

— Quero,mas eu vou nadar pelado.

— Tudo bem,só me espera pra trocar de roupa.

 

Eu fui para o quarto onde deixamos nossas coisas e troquei de roupa rapidamente,pois estava ansioso demais.Achei bem estranho o trabalho dele,nunca ouvi falar.

Escutei um barulho que parecia ter vindo do lago.Connor não devia ter aguentado me esperar.

Eu sai da cabana e quando vi ele já estava nadando.Realmente pelado.Eu consegui ver seu corpo incrivelmente musculoso e definido.Todas suas tatuagens estavam amostra,havia uma no peito escrito Thug Life,aquela que eu havia visto no outro dia em seu braço realmente se estendia por todo o membro,uma pistola perto de sua virilha.No outro braço não tinha muita coisa como o resto do corpo,só uma tatuagem de um OVNI escrito believe.

Eu entrei com muito custo pois a água estava muito fria,chegava a ranger os dentes.

 

— Anda logo,daqui a pouco já teremos que ir.Por isso que pulei de uma vez.

— Eu não vou pular,depois eu quebro alguma coisa ou sei lá.

— Cansei.

 

Dito isso ele veio incrivelmente rápido e em um movimento brusco ele me puxou com toda a força para dentro da água.

— FILHO DA PUT… - Eu berrei de tão gelada que estava a água.

— Não está desse jeito,seu exageradinho.

— Cuzão.

— Eu bem que gostaria de ver o seu.

Ele disse arrancando um riso meu,me fazendo esquecer o frio que estava a água.Ele me pegou no colo e começou a distribuir chupões por todo meu pescoço.Sua boca macia me fazia soltar gemidos toda hora,até que ele chegou na minha boca e me deu um delicioso e demorado beijo.

Eu já estava com tesão naquele momento e pude sentir seu membro ereto roçar na minha bunda.Estava muito gostosa aquela situação.

Infelizmente,ficamos sem ar e tivemos que parar.

— Quero fazer isso com você todo dia. - Ele sussurrou manhosamente no meu ouvido.

— Eu também - E voltei a beija-lo.

 

Fomos para uma pedra que tinha ali perto e nos deitamos,com ele em cima de mim;Mal paramos de nos beijar e ele ja deixava ainda mais chupões pelo meu pescoço.Entrelaçei meus braços em seu pescoço e o puxei para mais perto,dando um sinal para que continuasse com mais força.E assim o fez.

Eu não me importava com as marcas que ele deixaria depois,pois só me concentrava no prazer e amor do momento.Ele voltou para minha boca e colocou uma perna no meio das minhas,pressionando meu membro.

Ele começou a desabotoar minha blusa e a cada botão que ele tirava,dava algum chupão no meu peito.Ele estava quase tirando minha roupa quando eu o impedi.

— N-Não… - Eu estava gaguejando - Eu não estou pronto para isso ainda.

— O que ? Voce quer dizer…

— …

— Oh...Entendi.Você nunca fez não é ?

— Não...Mas não é como se eu não quisesse fazer com você.Querer eu quero mas não estou preparado.

— Não se preocupe,não vou te forçar a nada que não queria fazer.Mas eu estarei te esperando.Espero muito ser sua primeira vez.

— Eu realmente agradeço sua compreensão.Vamos voltar pra dentro,está frio demais para nadar.

 

Assim fizemos.Saímos do lago e fomos para dentro da casa nos secar.Só tinha uma banheiro então tomamos banho juntos,uma mão boba aqui e ali e uns beijinhos(chupões por toda parte),mas nada muito fora do comum.

Colocamos nossas roupas de novo e fomos para a sala ficar perto da lareira até que desse o horário.Faltava umas duas horas até termos que ir embora e durante esse tempo ficamos na cabana.

Estava muito aconchegante deitados no sofá perto da lareira,estava tão quentinho.

 

— Uma pena que teremos que ir daqui a pouco.Está tão gostoso aqui. - Eu disse quase sussurrando.

— E mesmo.Ainda bem que teremos varias oportunidades daqui para frente.

 

Connor levantou e foi para o andar de cima em um dos quartos,me deixando com cara de sonso por simplesmente ter saido sem falar nada.

Não demorou muito e ele voltou com um cd em suas mãos,parecia estar escrito “amor” nele.

 

— O que é isso ?

— Um cd de músicas românticas dos meus pais.Eles sempre escutavam quando estavam sozinhos.O que acontecia depois que aumentavam a música até o talo não me interessava em nada.

— Espero que eles tenham bom gosto.

Connor colocou o cd no tocador e esperou até que a música começasse a tocar.A primeria música era “Last Kiss”,de Trent Dabbs.

Connor estendeu sua mão para mim,que entendi com um sinal para dançar.Aceitei seu convite e levantei do sofá.

Dançavamos colados um ao outro,hora ou outra ele me jogava para frente e me puxava para uma pirueta.Era tão bom estar na sua presença,era como se nada pudesse me atingir quando estava com ele.

Ficamos ali por um bom tempo,até quando a música acabou nos não paramos.

 

— O que nos somos ? - Eu encostei minha cabeça em seu peitoral.

— Depende.O que você acha que somos ? - Ele levantou meu queixo com seu dedo indicador,me fazendo olhar para ele.

— Não é simplesmente um rolo qualquer.Temos fortes sentimentos um pelo outro.

— Eu quero ficar com você todo o tempo possível,dormir com você,comer com você,ver algum filme de drama num domingo onde ambos estão usando pijamas.Eu quero você na minha vida.

— Eu também,eu quero passar o resto da minha vida com você.

 

Ele me pegou no colo e me olhou firmemente nos olhos.

 

— Eliott jane...Você me daria a honra de ser seu namorado ?

 


Notas Finais


Eu gostei muito de fazer esse capítulo.
Uma parte do capítulo,em que eles contam partes da sua vida,pareceu meio preguiçoso mas na verdade foi por causa da reclusa que os personagens tem ao contar seu passado pois ambos odeiam essas lembranças.

A música de hoje e "Trent Dabbs - Last Kiss"

https://www.youtube.com/watch?v=JAhB_LwQKzM&t=131s


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...