História Royal Rebel - Sasusaku - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Itachi Uchiha, Kiba Inuzuka, Killer Bee, Madara Uchiha, Mikoto Uchiha, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Coroa, Hentai, Love, Luta, Poder, Romance, Sakura Uchiha, Sasuke Uchiha, Sasusaku, Trono
Visualizações 113
Palavras 2.318
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, vim por meio desta atualizar essa historia maravilhosa.
Chegamos a parte de conhecermos mais sobre o nosso querido Sasuke.
Quero dizer que eu amei fazer a visão do Sasuke e mostra-las a vocês.
Espero que gostem ^^

Capítulo 15 - Sasuke Príncipe Sem Reino


Fanfic / Fanfiction Royal Rebel - Sasusaku - Capítulo 15 - Sasuke Príncipe Sem Reino

Depois do aviso de meu tio, Sakura aparentava estar mais aflita. Eu odiava vê-la dessa forma e não poder fazer nada para ajudá-la. Quando ele deixou o palácio com Devis praticamente carregando-o, meus pais suspiraram aliviados. Fazia dezesseis anos que eu não os via e eles não mudaram nada. Minha mãe correu para me abraçar. Sentir seu cheiro adocicado de nozes fez com que eu me recordasse do tempo de quando era menino e sempre que acontecia alguma coisa, dona Mikoto ia e me abraçava.

Passei a mão em seus cabelos negros e a apertei com mais força. Desde que Itachi e eu fomos obrigados a nos esconder e consequentemente perdermos as pessoas que amamos, eu havia me fechado e posto a máscara que todos passaram a conhecer. Desde cedo tive que aprender a me virar. Morar longe da minha família apenas com o meu irmão me dando suporte foi bem difícil.

Seus olhos começaram a derramar lagrimas aflitas e ao mesmo tempo de felicidade. Olhei para Sakura que observava a cena com cuidado; minha mãe soltou-se de meus braços e logo meu pai veio e repetiu o mesmo gesto que minha mãe.

—Filho, nem acredito que finalmente estamos todos reunidos. –Minha mãe disse alegremente. —Agora podemos voltar juntos para casa!

—Sim, sua mãe tem razão, vocês já passaram tempo demais longe de casa. Está na hora de retornarem. –Meu pai complementou.

—As coisas são complicadas, meu pai. –Itachi comentou enquanto sentava-se em uma cadeira. —Sasuke e eu temos nossa vida agora, não é como não quisemos voltar, porque queremos, mas arrumamos um trabalho e muitos dependem de nós.

—Não é bem um trabalho que vocês gostariam que tivéssemos, mas juntamos muito dinheiro por conta dele. –Pronunciei. —Há muitas coisas que devem ser resolvidas no momento, Madara acabou de declarar guerra contra nós!

—Na verdade contra a nova rainha. –Meu pai disse. —Não iremos nos meter nisso.

Vi Sakura cerrando o punho enquanto sentava-se em uma das cadeiras do salão. Agora havia muita coisa para que ela tomasse de conta, com o meu tio declarando guerra e meu pai não querendo se envolver, as coisas ficariam mais difíceis, afinal várias vezes lutamos contra os soldados do reino e eles facilmente perderam para nós, imagina para os soldados que vivem apenas de guerra? Caminhei na direção da rosada e ficando atrás dela, toquei em seus ombros.

—Na verdade, isso tem muito a ver comigo, afinal Sakura e eu iremos nos casar, sendo assim essa declaração também me afeta.

Minha mãe ficou surpresa assim como o meu pai. Itachi apenas sorria, pois já sabia dos meus planos para com a rosada. Desde o dia em que a encontramos na caverna, eu soube que ela seria minha, afinal uma deusa como ela são poucos que acham. Meus pais abriram a boca para falarem algo, mas cessaram de repente.

—Rei e rainha Uchiha, perdoe-me a interrupção, mas, eu sei bem que Ieor é um reino neutro e com isso quando fiquei sabendo que se juntariam a Sgarlaid fiquei feliz, contudo, eu não poderia deixá-los assinar um acordo com quem só iria rouba-los. –Ela suspirou. —Sasuke e eu havíamos decido nos casar há um tempo e mesmo que nosso matrimonio seja realizado, não quero que se sintam pressionados a fazer uma aliança comigo. Se não desejam entrar em conflito com os Tsukuyomi, eu os entendo. Na realidade pouco sei da verdadeira história que está por trás tanto do seu reino como de Madara, mas o pouco que eu sei, posso lhes assegurar que ele jamais tomará o meu reino.

—Sasuke não lhe contou o que aconteceu? –Minha mãe perguntou.

—Ele ficou de me contar, mas devido os acontecimentos que estávamos envolvidos não tivemos tempo para conversamos sobre isso.

—Está confiante que pode vence-los? Seu primo não parecia tão confiante assim, já que propôs uma aliança. –Meu pai disse observando as ações de Sakura. A minha rosada odiava que duvidassem de sua capacidade, ela mais do que ninguém sabia do que era capaz.

—Sim, estou confiante, afinal Kiba sempre foi fraco e não sabia lidar com um exército. Desde pequena, Majestade, fui treinada e preparada para ser rainha, sendo assim nesse reino não existe nenhuma outra pessoa mais qualificada do que eu e logo terei Sasuke me ajudando, então não tenho com o que me preocupar.

—Confias tanto assim em meu filho e em suas habilidades? –Ela assentiu e isso me encheu de orgulho. Apertei seus ombros como se estivesse fazendo-lhe uma massagem.

—Bem, eu sei que houve muita confusão, mas espero que fiquem para a festa que povo está realizando, a comida que estava apenas concentrada aqui boa parte foi entregue para a festa. Sei que deve ser algo diferente do que estão habituados, mas tento certeza que irão gostar. Senão quiserem, Akane irá lhes mostrar o aposento de vocês.

Meus pais se afastaram e começaram a conversar baixinho, o meu irmão veio e abraçou Sakura e logo em seguida a mim. Tinha muitas coisas que ainda devíamos resolver, mas naquele momento devíamos aproveitar e curtir a nossa primeira vitória. Tomei a mão de Sakura e a guiei até o seu quarto, antes de irmos ficar com todos eu gostaria de um tempo a sós com ela.

Quando entramos no quarto virei-a para mim e fiquei observando seus olhos. Eu nunca disse a ela, mas sempre pude ver em seus olhos uma menininha doce que não deveria fazer o que ela fazia, mas se eu falasse sobre isso com ela, com toda a certeza a do mundo, Sakura me mataria. Esse tempo que passamos ajudando as vilas e conquistando a lealdade do povo, pude notar mais características boas do que antes. Ela me abraçou envolvendo seus braços em minha cintura, seus lábios foram parar em meu pescoço depositando selares e leves mordidas.

Uma coisa era certa, quando ela me provoca dessa forma, sei que estar me desejando mais do que antes. E mesmo que eu tenha tentado avançar o sinal várias vezes ela sempre deixou claro o seu desejo de consumar o nosso ato de amor após o casamento, então ficávamos apenas em provocações e toque íntimos que me fazem ansiar pela recompensa final. Para mim não existe outra mulher tão linda como ela. 

—Sasuke, conseguimos! –Ela sorriu animada, foi o sorriso mais verdadeiro que ela me mostrou durante o tempo que estamos juntos. Parecia uma menininha que havia acabado de ganhar um presente de seus pais. —Há tanta coisa que devo fazer, que precisarei de um tempo para me organizar.

—Lembre-se que o nosso casamento deve ser feito bem antes de começar as outras coisas. –Beijei sua testa vendo-a fechar os olhos. —Hoje vamos apenas curtir a nossa vitória, amanhã começamos a planejar as outras coisas. –Me aproximei do seu ouvido. —Hoje, Sakura, eu só quero curtir você, a noite toda, minha rainha.

Vi seus pelos se arrepiarem e ela me lançou um olhar com luxuria. Eu desejava essa mulher mais do que já fui capaz de desejar alguém. Não resistindo aos seus lábios carnudos passei a beija-la com intensidade e ferocidade. Suas mãos pequenas agarram minha nunca tentando ficar no controle. Essa é a minha Sakura, dominadora e ao mesmo tempo levemente submissa, pelo menos a mim. Minhas mãos passaram a tocar sua cintura apertando e puxando-a cada vez mais para perto de mim. Fomos ficando sem ar por conta do nosso beijo e fomos parando aos poucos, mesmo querendo continuar tínhamos uma festa de coroação para ir.

—Vamos, o povo está aguardando a única rainha. –Tomei sua mão direita e passei a circular o seu dedo anelar. —Me perdoe se eu nunca lhe dei uma aliança de noivado.

—Não tem problema, afinal nós não precisamos dessas coisas para nos mostrarmos comprometidos um com o outro.

—Como se sente ao saber que não pegará mais em uma espada e terá que usar vestidos? –Zombei um pouco.

—Quem você pensa que liderará os soldados na guerra? –Ela tocou em meu rosto me deixando estático. A última coisa que eu quero é que ela se envolva nessa guerra, Sakura poderia muito bem liderar a salvo dentro do castelo, mas como a conheço bem isso nunca aconteceria. —Até você está começando a duvidar de minhas habilidades? Quem sempre foi a melhor em sua guilda? Exatamente, eu, então me venha com esse assunto agora. Amanhã iremos começar a montar a nossa estratégia para a guerra, temos que refazer o treinamento dos soldados e dos guardas das fronteiras, o bastardo do meu primo deixou o meu reino em desordem.

Sem dizer mais nada caminhamos indo em direção a praça central de Konoha onde estava acontecendo a grande festa de comemoração. Meus pais decidiram ficar no palácio, eles ainda estavam intrigados com a repentina mudança de líderes em Sgarlaid, pelo olhar repreendedor de meu pai, com certeza ele não iria apoiar Sakura tão cedo. Se eu ainda o conheço, Fugaku não iria mais voltar aqui, já que ele preferiria mante-se neutro em várias questões e foi por exato motivo que o meu irmão e eu tivemos que deixar nossa casa e partirmos para um lugar totalmente desconhecido.

 Durante a festa Sakura estava mais leve por conta do bom vinho, já eu estava me sentindo como nunca me sentir. A verdade é que não posso pôr em palavras esse sentimento que nem ao menos sei qual é. Itachi estava comemorando também e ao ver os meus aliados da guilda, um sorriso ladino surgiu em meus lábios. Naruto, o terceiro no comando. e meu melhor amigo. estava junto com Neji, nosso arqueiro, e Shikamaru—o nosso estrategista—eles se aproximaram me cumprimentando com um garrafa de rum em suas mãos, a bebida que mais apreciávamos em Sgàilean, e pelo qual o nosso pequeno reino era famoso, além de ser famoso pela melhor guilda de mercenários de todo o continente—o Sharingan.

—Sasuke, Itachi! –Naruto disse ao chegar próximo de mim. —Se eu soubesse que a Sakura era uma princesa, com toda a certeza desse mundo eu iria investir nela. Aceita? –Apontou para a sua garrafa em mãos, apenas neguei com a cabeça tentando não me descontrolar e acabar com a festa.

—Toma cuidado com o que diz, Naruto. –Itachi disse. —Sasuke seria capaz de matar qualquer um que fale de sua noiva!

—O que?! –Naruto, Neji e Shikamaru disseram juntos. —A deusa rosada está noiva do Sasuke? –Naruto perguntou encarando-me. —E desde quando eles estão namorando?

—Boa pergunta, também gostaria de saber. –Meu irmão disse. —Eu sempre soube que você tinha uma queda por ela e tudo mais, mas como a deusa de gelo aceitou você?

—Por que devo falar sobre minha vida pessoal? –Revirei os olhos.

—Porque somos seus amigos. –Foi a vez de Neji pronunciar. —Então nos diga tudo e não nos esconda nada.

—Vocês parecem um bando de mulherzinha que gostam de fofocar. Minha vida não se diz respeito a vocês.

—Rá! Você que pensa! –Itachi pronunciou. —Se perguntarmos para a Sakura ela vai nos dizer, e ainda por cima nos dirá as humilhações que o meu irmãozinho passou pra conquista-la.

—Certo, certo. –Me dei por vencido. —Foi em Valence há onze meses. Sakura e eu estávamos realizando o nosso trabalho e depois de provoca-la soube que os meus sentimentos eram correspondidos, a partir daquele momento decidimos ficar juntos, só que em segredo. Eu não queria outros comentassem sobre a nossa relação e Sakura também não queria. Vocês sabem como ela é.

—Eu quero detalhes! –Naruto berrou atraindo a atenção de Sakura, que passou a caminhar até nós que estávamos reunidos. —Sakura! Quero dizer, vossa majestade!

—Naruto, pessoal! Que bom que vieram. Quando chegaram em Konoha? –Sakura perguntou se aproximando e sentando-se ao meu lado.

—Assistimos sua luta. –Shikamaru pronunciou calmamente. —Embora dava para perceber que era uma luta ganha, afinal suas habilidades estão em outro nível. Só fiquei abismado de ver o líder dos Tsukuyomi presente, Sasuke nos contou da aliança, mas não achei que ele realmente viesse assinar.

—Oh, Sasuke, Madara não é o seu tio? –Naruto disse. —Que problema, hein? Afinal ele louco, não é? Depois de tudo o que fez com a sua família e com vocês, ele tem coragem de aparecer mesmo sabendo que seu pai está aqui, amigo, não sei como sua mãe reagiu...

Sakura fechou os olhos lentamente ouvindo a conversa de Naruto, vi seu punho fechar devagar e suas pálpebras abriram ao mesmo tempo. Ela passou sua esquerda sobre o cabelo o colocando para trás da orelha e continuou a presta atenção ao que o Uzumaki dizia. A minha rosada estava desconfortável, eu havia prometido contar tudo a ela, mas não tive coragem, assim como Sakura o meu orgulho também foi ferido, mas não foi só ele, eu perdi tudo e tive que recomeçar minha vida longe da minha família, falar sobre isso não era uma das coisas que eu mais gostava, mas iria contar tudo a ela.

A rosada é minha família, assim como os meus companheiros de guilda.

—Naruto, estamos aqui para falarmos de coisas boas. –Sakura disse tentando não soar arrogante, mas sem efeito. —Então se quer falar sobre esse tipo de assunto, sugiro que apareçam na minha sala de reuniões, todos vocês, lá poderemos conversar melhor.

Toquei em sua mão e ela não recusou o meu toque, mostrando assim que agora estávamos livres para demonstrarmos parcialmente os nossos desejos, afinal eu ainda não gostava de toda demonstração de afeto em público, nunca foi do meu feito, entretanto dessa vez eu estava abrindo uma exceção para nós. Voltamos a conversar sobre as missões que passamos, no caso Naruto era o que mais estava entusiasmado.

A festa durou até o amanhecer, as pessoas já estavam cansadas, então Sakura e eu junto com os membros da guilda presente seguimos para o castelo, Akane sob ordens da nova rainha guiou os meus companheiros para os quartos de hospedes, enquanto eu e a rosada seguimos para o seu quarto. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...