História Royals - Fillie - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Stranger Things
Visualizações 583
Palavras 1.830
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Nudez, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Como sou uma pessoa muito boazinha ( e ansiosa) trouxe antes de sexta ksks


Boa leitura e se preparem pra ter ranço de todo mundo outra vez... :3

Capítulo 15 - Chapter Fifteen


POV NOAH

 

Eu já não agüentava mais ficar naquela mesa, aquele conversa estava insuportável e eu nem acreditava que estava mesmo ouvindo todas aquelas insinuações, aquilo era demais pra mim.

 

Pedi licença antes de o café terminar e me retirei dali, precisa respirar, pensar... Fui para o jardim, eu gostava daquele lugar. Comecei a caminhar por ali enquanto os pensamentos invadiam minha mente.

 

Eu sei, já me conformei que e impossível que a princesa de Brow sinta algo por mim... Mas sei la, ainda e difícil e parece que vai ficar mais difícil ainda se as coisas continuarem como foram hoje.

 

Fico contente que ela e Finn estejam se dando bem, eu quero que ambos sejam felizes...

 

Mas ainda sim dói...

 

-Muitos pensamentos? – uma voz feminina perguntou, me virei dando-me de cara com Kamila.

 

Ainda tinha isso... Por que ela não me contou que era filha do embaixador? Ela sabe de tudo o que aconteceu ontem, será que contou pro seu pai?

 

-Ah. Oi, Kamila. – Falei desanimado.

 

-Você gosta dela. – ela disse do nada atraindo meu olhar.

 

-Como? – perguntei sem entender, ou sem querer entender.

 

-Millie. Você gosta dela. – quase engasguei, como ela sabia? Alguém contou? Minha mãe? Ela anda com a boca bem grande ultimamente...

 

-Como você... Não, Kamila, não gosto não! – falei atrapalhado, ela riu fraco.

 

-VI o jeito que se importa com ela, príncipe. A forma como estava incomodado com as brincadeiras do meu pai no café e também você quase explodiu de ciúmes ontem, quando ela disse que cuidaria dele. – a morena disse, cocei os cabelos e suspirei.

 

-Não pode contar isso a ninguém! – falei serio, ela sorriu.

 

-Não vou, não se preocupe. – sorriu. – Deve estar com raiva de mim... – começamos a andar lado a lado.

 

-Raiva não, mas curioso. – admiti.

 

-Não contei quem era, por que... Vocês me tratariam diferente, como todos fazem e eu não gosto disso. – eu nem precisei perguntar...

 

-Esta tudo bem. – ela sorriu pra mim.

 

-Ela sabe? – perguntou e eu arqueei uma das sobrancelhas. – Millie. Ela sabe que tem sentimentos por ela? – explicou.

 

-Não, e  nem saberá. – bufei.

 

-Isso não deve ser fácil... Ela e noiva do seu irmão, e me desculpe dizer, vejo que ela gosta dele nos olhos dela, o mesmo com ele. – assenti com a cabeça. – Desculpe. – pediu.

 

-Não, esta tudo bem. Já me conformei com isso. – disse.

 

-Não foi o que pareceu hoje...

 

-E complicado. – ela assentiu.

 

-Gostaria de saber como e isso... – aquilo me chamou minha atenção.

 

-Isso o que? – perguntei, apontei pra um dos bancos de madeira que se encontrava alguns passos de nos, caminhamos ate ele e nos sentamos.

 

-Gostar de alguém. – falou.

 

-Nunca gostou de ninguém? – perguntei, ela negou com a cabeça.  – E por que não?

 

-Nunca da tempo. – falou com um riso fraco, arqueei a sobrancelha sem entender. – Eu vivo com meu pai, dês de que minha mãe faleceu... já fazem uns quinze anos isso. E, ele e o embaixador, nunca para em um único lugar e de queda, eu também não. Quando me aproximo de alguém, eu tenho que ir embora. Mal tenho tempo de fazer amizades quanto mais de gostar de alguém. – ela dizia sem me olhar, aquilo fez algo se aquecer em meu peito.

 

-E por que você não fica? – ela me encarou. – Em um lugar só, seu pai deve saber se virar bem sozinho... – sorrimos.

 

-Não tenho coragem de deixá-lo, ele e tudo o que tenho e eu sei que sou tudo o que ele tem também. – assenti. – Mas gostaria de ter um amigo comigo, alguém da minha idade sabe... – sorri.

 

-Sei sim... – confirmei.

 

Kamila me encarou sorrindo fraco, ela era bonita, seus olhos eram uma mistura de verde e castanho claro que me deixavam encantado...

 

-Esta me olhando estranho. – ela disse rindo, balancei a cabeça espantando tais pensamentos.

 

-Desculpe, e que estava pensando em algo.

 

-No que? – perguntou, visivelmente interessada.

 

-Quer ir passear na cidade? – convidei. – Sei que vai embora só ao entardecer, acho que não terá nada de melhor pra fazer aqui... A não ser que queira tomar chá enquanto eu e o Finn tem aula de espada. – falei brincalhão, ela gargalhou.

 

-Ai deus. As damas daqui fazem isso? – perguntou.

 

-Ah, elas fazem sim. – confirmei. – Mas então, cidade ou dois magrelos sem camisa? – continuei brincando.

 

-Apesar de a segunda opção ser bem tentadora... Mentira, vamos pra cidade! – rimos juntos.

 

 

POV FINN

 

-Millie, esta tudo bem? – perguntei.

 

Eu e ela estávamos no meu quarto, saímos da mesa para conversarmos sobre a tal proposta, mas dês de que chegamos ela se prendeu a vista da janela e não me disse nada. E eu odeio quando as pessoas fazem isso.

 

-Olha, se você esta assim por causa da brincadeira na mesa, todo mundo sabe que e brincadeira. – eu tinha visto como ela tinha ficado incomodada com aquilo.

 

-Não e isto, Finn... – Murmurou sem me olhar.

 

-Então o que é?! – perguntei já impacientes. – Dês de que chegamos você não disse nada. – ouvi um suspiro.

 

-Só estava pensando na proposta que ele nos fez. – ela se virou pra mim e caminhou ate  mim se sentando ao meu lado na cama.

 

-E uma boa proposta.... precipitada, mas boa. – comentei, Lillis era um reino com grande porte de armas, poderíamos conseguir ótimas alianças com isso, ela seguia pensativa. – Divida o que esta pensando comigo? – pedi segurando sua mão entre a minha, ela respirou fundo.

 

-Nos nem temos filhos ainda, Finn. Nem nos casamos. – disse me olhando, sorri.

 

-Mas um dia vamos nos casar, vamos ter filhos. – ela olhou pra baixo como se algo tivesse errado. – O que foi? – perguntei, ela negou com a cabeça. – Você tem algum problema pra ter filhos? Algo assim? Eu não to entendendo o por que você ta assim! – falei frustrado enquanto me levantava.

 

-Não, Finn... Não e isso. Quer dizer, minha mãe teve algumas complicações pra conseguir me gerar mas... minha saúde e perfeita, você não tem que se preocupar com isso. – falou se levantando também.

 

-Então o que é? – talvez eu tenha erguido um pouco meu tom de voz.

 

-Eu não quero que meus filhos sejam presos a alguém, Finn! – ela disse alto também, quase que me assustando, não sei se a já vi falando assim antes.  – Não quero que tenham que conviver com alguém por obrigação, quero que sejam livres que possam ter a chance de amar alguém de verdade. – ela suspirou e me deu as costas

 

Mas algo em mim se machucou com aquela frase.

 

Preso.

 

Obrigação...

 

E assim que ela se sente então?

 

-Então e isso? Você se sente assim, Millie? Presa a mim? Esta aqui por obrigação?  – perguntei, quase que gritando, mas fadasse.

 

-Você sabe que sim, Finn! – ela disse alto. – Você sabe bem do por que estou aqui, não faça tempestade em um copo da água. – bufei.

 

-Sabe... – ri sozinho. – Eu sou muito trouxa por pensar que sei la... Algo tivesse acontecendo entre nos. – ela me encarava. – Mas e tudo obrigação né?! – foi a ultima coisa que eu disse antes de sair daquele quarto a deixando sozinha.

 

Comecei a andar pelos corredores sem rumo, ate que acabei sentindo um corpo menor se chocar contra o meu.

 

-Olhe por onde anda. – A voz de Iris ecoava pela minha cabeça.

 

Agi por impulso, ou talvez não.

 

A boca da loira já se remexia contra a minha e estávamos dentro de uma sala deserta, quando eu me dei por mim...

 

POV MILLIE

 

Ele entendeu tudo errado!

 

Sim, estou aqui por obrigação. Ele sabe, eu vim pra Wolfhard por causa disso. Mas, eu não me sinto presa a ele, já me senti, por muito tempo, mas agora não!

 

Eu...gosto dele!

 

Ele e complicado, e nervetico mas eu gosto dele.

 

Sai atrás dele, não queria que ele entendesse as coisas erradas, mas sabe... depois da cena que presenciei, acho seriamente que ele esta errado, não e ele que e trouxa por achar que podia existir algo entre nos, sou eu...

 

Finn simplesmente agarrou Iris, a beijava de um beijo tão indiscreto que me dava ate enjôos.

 

Ele não me viu ali, tomou a loira pela mão e a levou pra dentro de uma das salas ao mesmo tempo que eu sentia uma lagrima solitária molhar meu rosto.

 

Aqui não e mesmo o meu lugar...

 

 

POV REI ERIC

 

A porta de minha sala foi aberta, e então pude ver o homem.

 

-Entre soldado. – mandei, ele entrou e se sentou a minha frente.

 

-Estou ansioso pra saber qual meu novo trabalho, majestade. – Disse o homem, ele era o meu melhor e de mais confiança soldado.

 

-Na verdade será algo bem complexo. – já avisei.

 

-Tenho certeza que darei conta.

 

-Ótimo. Na verdade, você vai agir como um espião. – ele arqueou uma das sobrancelhas interessado.

 

-Interessante.

 

-Preciso que viaje ate o reino de Tesler -mabe, leve sua família junto. Diga que se cansou de Wolfhard, que o enganamos ou fizemos algo a sua família. Se mostre totalmente contra nos, entende? – o homem assentiu. – Tome a confiança do rei. Preciso de informações, preciso saber o que ele esta armando, não só contra a princesa de Brown mas também quanto ao nosso reino. Sinto que tem algo muito grande ai e nos não podemos correr risco. -  terminei.

 

-Compreendo, senhor. Vou fazer tudo o que eu puder pra ajudar. Vou avisar a minha família, partiremos hoje mesmo! – assenti, ele era competente.

 

O homem se reverenciou e então saiu dali, agora eu descubro o que planejam contra nos...

 

 

POV MILLIE

 

Eu não ia ficar mais aqui. Não mesmo, não depois do que presenciei. Eu sempre, mesmo não gostando disso, respeitei minha ligação com ele. Nunca nem se quer me passou pela cabeça a possibilidade de me ver com outra pessoa, de o trair assim...

 

Mas pelo visto ele não pensa dessa forma.

 

Entrei em meu quarto enquanto ainda tentava conter as lagrimas e fechei a porta com força.

 

-Ai que susto! – foi Sadie quem disse. – Ei, o que aconteceu? – a ruiva perguntou ao ver meu estado.

 

-Nos vamos embora, Sadie! –falei seria enquanto ia em busca dos meus baús.

 

-Mas por que? O que aconteceu? – continuou.

 

-Aqui não e meu lugar. – falei sem olhá-la, eu não gostava nada de chorar na frente das pessoas.

 

-Mas e o Finn, hoje de manhã... – a cortei.

 

-Eu errei. Wolfhard não e o meu lugar e nem Finn e com quem tenho que ficar. Vamos voltar pra Brown. – ela segurou meu braço me obrigando a virar pra ela.

 

- O que esse filho da mãe fez, Millie? – perguntou seria, engoli a seco e limpei meu rosto com as mãos.

 

-Não fez nada, Sadds. – ela me olhou com a sobrancelha arqueada.

 

-Se você não conta eu mesmo descubro. – Ela me soltou  e saiu dali a passos firmes.

 

Era só o que faltava...

 

-Sadie, espera! – gritei mas ela não me deu ouvidos.

 

Um fato sobre Sadie Sink, ela pode ser doidinha e escandalosa na maior parte do tempo. Mas não ouse fazer algo a quem ela gosta, por que se não ela vira uma galinha quando mechem com seus pintinhos...


Notas Finais


Mete a porrada, Sadie!!

Esse deslize do Finn vai causar e muito...

Comentem!! <3

Agora eu devo mesmo voltar só na sexta ksksk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...