História Royals - Fillie - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias Stranger Things
Visualizações 497
Palavras 2.369
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Nudez, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ainda chocada com a quantidade de comentários no capitulo anterior!! Amo vocês!! Vou responder todos agora. C:

Boa leitura!!

Capítulo 16 - Chapter Sixteen


POV NOAH

 

-Hum, esse com certeza e o melhor sorvete que já comi nessa vida! – Kamila disse com a boca cheia de sorvete.

 

-Realmente, e muito bom! – falei concordando.

 

-Você esta pensativo ou e impressão minha? – perguntou.

 

-Não... – sorri. – E só que, Millie e Finn sofreram um ataque aqui na cidade, isso me faz ficar meio alerta sabe. – comentei.

 

-Mas estamos com os guarda, acho difícil que algo aconteça. – ela colocou outra colherada na boca, o jeito que comia era adorável.

 

-Na verdade foram nossos guardas que os atacaram. – ela arregalou os olhos esverdeados.

 

-Isso e serio? – assenti que sim. – Que loucura!

 

-E sim... Mas vamos falar de outra coisa.

 

-Certo. – sorriu. – Me conte um dos reinos de Stranger que você ainda não conhece e quer conhecer? – perguntou curiosa.

 

-Acho que eu gostaria de conhecer Matarazzo, temos amigos lá, mas nunca tive a chance de conhecer o lugar. – contei.

 

-Matarazzo e um lindo reino, e eu adoro o senso de humor do príncipe Gaten. O conhece? – perguntou.

 

-Sim, somos amigos de data. – ela assentiu sorrindo.

 

-Eu acho que conheço praticamente todos os reinos de Stranger, só aqueles mais pequeninos que não.

 

-Eu gostaria de poder viajar assim... conhecer lugares e pessoas novas, culturas... – falei sincero ela sorriu.

 

-Poderia vir comigo, Noah. – disse a olhei com os olhos arregalados.

 

-Como?

 

-Você, poderia vir viajar comigo e com meu pai. E meio loucura mas... – ela gargalhou contidamente, me olhava de um jeito que me encantava.

 

-Na verdade não e loucura... – falei.

 

-Não?

 

-Não.

 

Na verdade essa parecia ser a solução dos meus problemas...

 

 

POV SADIE

 

Ah, mas aquele vagabundo iria pagar seja lá pelo que ele fez pra fazer minha amiga chorar. A ele iria... Ou eu não me chamo Sadie Sink.

 

Sai andando por aqueles corredores, eu não fazia a mínima idéia de onde estava mais ia o encontrar.

 

-Sadie, para! – Millie gritou vindo atrás de mim.

 

-Aonde ele esta, Millie? – perguntei com raiva.

 

-Deixa isso pra lá, vai... – A garota ainda chorava.

 

-Deixar pra lá? Millie ele te fez chorar. – eu gritei.

 

O resto aconteceu muito rápido, uma porta se abriu atrás de mim e de la vi nada mais nada que menos que o príncipe de Wolfhard e uma loira vagabunda saindo todos vermelhos, suados e desarrumados de uma sala escura. Eu perdi a cabeça, a carinha que Millie fez, a cara de pateta de Finn e o sorrisinho cínico daquela garota...

 

Perdi a cabeça, não pensei duas vezes antes de ir pra cima dos dois, tratei de tirar uma bela quantidade de cabelos loiros daquela cabeça oca e deixar um belo roxo no nariz daquele otaria.

 

Serio, se quiser, você pode mexer comigo, mas não ouse fazer mal a quem eu gosto!

 

Um dos guardas viu toda a cena e veio apartar a briga enquanto Millie pedia pra mim parar com aquilo. E o que aconteceu? Bom... fomos os quatro parar na sala do rei.

 

-Quem e que vai me explicar o que aconteceu ali, o por que estavam agindo como uns animais? – perguntou o homem que tinha cabelos brancos na cabeça.

 

-Eu não fiz nada, majestade. Quem chegou me atingindo foi essa ruiva sem educação, deveria estar com o povo, não tem classe alguma pra estar aqui em nosso castelo. – Disse Iris com a voz chata que ela tem, revirei os olhos.

 

-Você ta querendo perder o resto dos seus cabelos, meu anjo? Não né?! Acho melhor ficar quietinha então. Minha paciência com você já acabou sabe... – Falei provocativa a olhando.

 

-Senhorita Sink, eu não vou tolerar esse comportamento no meu castelo. – Eric disse serio.

 

Finn e Millie estava calados, lado a lado eles encaravam o chão... O rosto de Millie ainda estava meio molhado e avermelhado e Finn... bom, ele iria se lembrar de mim por alguns dias.

 

-Acho que ela deveria voltar pro reino dela, aonde já se viu um comportamento como este. – A loira continuava.

 

-Você quer calar a boca! – falei irritada.

 

-Apatow, eu sei o que faço. E Sink, estou pensando seriamente nisso, se esse comportamento se repetir eu serie obrigado a avisar Brown sobre sua volta. – Eric disse me olhando, aquilo me fez suspirar enraivecida, mas a voz de Millie me fez despertar me.

 

-Na verdade, Majestade. Peço que peça mesmo a Brown pra que envie os barcos para nos buscar. Eu decidi ir embora daqui. Eu e Sadie. – Ela disse com a voz meio abafada.

 

-Millie... – Finn a olhou, ela fechou os olhos e se levantou.

 

-Me de licença, majestade. – ela pediu e então caminhou ate a porta.

 

-Princesa. – a voz de Eric a fez voltar a nos encarar. – Você tem certeza disso? – perguntou.

 

Minha amiga encarou ao noivo e então uma lagrima solitária desceu por seu rosto.

 

-Eu tenho sim, majestade. – dito isso ela saiu dali.

 

O príncipe de Wolfhard se pôs de pé e tampou o rosto com as mãos, gritando ali.

 

-Eu só faço merda! – disse ele enraivecido.

 

-Ainda bem que você sabe. – falei o olhando.

 

-Sink. – o rei chamou minha atenção.

 

O garoto bufou e então saiu dali as pressas indo a direção contraria de onde Millie tinha ido.

 

-Espero que as duas se comportem. – o rei se levantou saindo dali, também.

 

Apatow me encarou com um sorriso cínico nos lábios.

 

-Acho que eu posso te dar Tchauzinho, não e mesmo? – disse ela, revirei os olhos.

 

-E eu acho que eu posso terminar de arrancar esses cabelos ridículos seus né?! – falei.

 

-Ouse... – desafiou-me.

 

-Sabe... eu acho que não vou perder meu precioso tempo com você não. Sua vadiazinha.

 

-Sua o que?

 

-Vadiazinha. – repeti.

 

-Retire o que disse, agora! – falou com os braços cruzados contra o corpo.

 

-Eu não, e exatamente isso o que eu você é?! Quem transa com homens comprometidos e outra coisa e eu não to sabendo? – falei, ela não disse nada, apenas me deu as costas e saiu andando.

 

Essa Apatow ainda vai ver quem sou eu...

 

 

POV FINN

 

 

Dias se passaram e agora eu me sentia completamente sozinho nesse castelo, ou melhor eu estava sozinho...

 

Noah saiu em viajem com o embaixador do sul e a sua filha, Kamila.  Falando nele, eu e Millie negamos a proposta que nos foi feita, ou melhor, meu pai negou em nosso nome pois eu e ela nem se quer nos olhamos nos últimos dias.

 

Apatow foi embora de Wolfhard junto da família, não sei dos motivos mas de qualquer forma a presença dela não faz diferença alguma aqui.

 

E agora... Estou aqui, no porto. Pronto pra me despedir dela.

 

O dia estava pacato, o barco havia acabado de chegar e as coisas de Millie e Sadie já estavam sendo embarcadas.

 

A morena tinha seu rosto num tom de vermelho, acredito que esteve chorando. Não vou dizer que a conheço bem, pois não conheço, ela ainda e um mistério pra mim.

 

Sorri fraco ao me lembrar dos bons momentos que passei ao lado dela, tudo que fantasiei que um dia passaria do seu lado.

 

De queda o arrependimento veio também... Eu sei que errei, e que o que fiz não deveria ter sido feito. Mas fiz, e não tem como voltarmos no tempo.

 

-Finn. – a voz dela me despertava, a encarei, estava a minha frente agora e olhava no fundo dos meus olhos, como não fazia a tempos.

 

-Millie. – engoli a seco.

 

Ela respirou fundo e me estendeu um envelope, o peguei em mãos meio confuso, o que era aquilo?

 

Ela não disse mais nada, apenas me deu as costas e caminhou ate o barco, ela parou ali e se virou pra mim uma ultima vez antes de entrar de vez no barco. Uma lagrima molhou seu rosto e aquilo fez meu peito se apertar.

 

-Eu vou sentir sua falta, Mills... – Admite baixinho pra mim mesmo.

 

Assisti aquele barco partir ate que já fosse pequeno a minha vista.

 

Eu tinha a perdido.

 

Voltei pro castelo e fui direto pro meu quarto, o problema e que ate ali eu me lembrava dela, eu acho que esse erro sempre iria me acompanhar, eu sempre me culparia por não ter ela mais.

 

Estava sentindo raiva, raiva de mim mesmo... Eu precisava descontar isso em algo.

 

Encontrei uma barra de ferro que estava perto da lareira, geralmente usada para mexer na lenha velha, mas hoje, iria ser minha arma...

 

Tomei o ferro em mãos e o encarei por algum tempo, meu primeiro alvo foi o espelho que estava ali, gritei e acertei o objeto com tudo no vidro o vendo se estilhaçar em vários e vários pedacinhos.

 

Respirei fundo... O abajur foi o próximo, seguido dos portas retratos em cima da cômoda e de alguns vasos de flores.

 

Não estava adiantando nada!

 

A porta do quarto foi aberta de uma vez e Winona apareceu ali, a mulher arregalou os olhos ao notar o estado que estava.

 

-Finn, o que esta fazendo? – perguntou, sorri de lado.

 

-Estou procurando alguma coisa pra descontar minha raiva. – falei e então lancei o objeto com tudo sobre um quadro que estava na minha parede. – Só que ainda não achei. – a mulher revirou os olhos.

 

-Pare com isso! Destruir seu quarto não vai fazer a culpa que sente por ela ter partido, ir embora! – disse entrando no quarto, ela pulava alguns caquinhos dos vidros que estavam espalhados pelo chão.

 

-Ah, então acha que eu deveria ir quebrar o dela também? – perguntei cínico enquanto caminhava ate a porta que outrora me ligava a ela.

 

Aceitei a madeira com força fazendo um barulho alto ecoar por todo o quarto, meu peito subia e descia e a raiva? Ela continuava ali.

 

-Pare com isso! Me de agora esse cabo de metal. – a mulher estendeu a mão mas eu neguei. – Agora, Wolfhard. – exigiu ela.

 

-Você não manda em mim! – falei serio, ela riu.

 

-Eu mando sim, Finn. Você e praticamente meu filho, eu te criei re te amo como mãe. Agora me de isso. – ela estendeu a mão outra vez.

 

 

A entreguei o cabo, as palavras de Winona faziam meu peito doer também, será que eu sempre vou tentar afastar de mim todos que gostam de mim? Ela tem razão, ela sempre foi como uma mãe pra mim e eu nunca dei valor a isso.

 

A dei as costas e caminhei ate a janela quebrada, gostaria de vê-la ali no jardim, conversando com Sadie ou então reclamando de como as damas do castelo se tratam só de garotas fúteis.

 

-Você a ama, Finn? – Winona perguntou, me virei pra ela sem entender. – Millie. Você a ama? – respirei fundo.

 

-Eu não sei. – admiti. – Nunca amei pra saber o que e isso. – a mulher sorriu.

 

-E claro que já amou, querido. – ela se sentou na minha cama, deu duas batidinhas ao seu lado e eu me sentei la.

 

-Não, eu nunca amei. Todas as mulheres que já tive comigo se tratavam apenas de desejo, nada de amor. Eu não sei o que e amar.  – bufei, por que eu queria chorar.

 

Talvez por que sou um homem adulto tendo que admitir que nunca amou ninguém na vida.

 

-Não me refiro a isso. Me refiro a amor, você não ama a seus irmãos? Não a ama ao seu pai, ou então a mim? – ela perguntou praticamente me obrigando a deitar sobre suas pernas, gostávamos de fazer isso quando eu era menor.

 

-Você já amou alguém? – perguntei.

 

-Eu te amo. – disse ela com as mãos nos meus cabelos.

 

-E como sabe disso? – ela sorriu.

 

-Sei por que me importo com você, Finn... Por que não gosto de te ver mal ou doente. Por que toda vez que você esta triste e como se alguém tivesse esmagado meu coração. Por que sem duvidas nenhuma se eu tivesse que escolher entre o seu bem estar ou o meu, eu iria escolher o seu. Por que te quero perto de mim. – Aquilo me fez fechar os olhos.

 

-Você acha que ela me ama? – perguntei.

 

-Você acha que ela te ama? – eu odeio quando ela faz isso.

 

-Não.

 

-E por que não?

 

-Por que eu não mereço o amor dela. – tive que admitir. – Eu não mereço o amor de ninguém, Winona. – Me sentei outra vez na cama, a mulher me olhou com um pequeno sorriso.

 

-E claro que merece! Todos merecemos! E sabe, Finn... Millie te ama. – engoli em seco.

 

-E por que acha isso. – eu temia sua resposta.

 

-A vi chorar por três dias seguidos, e sempre que eu perguntava qual o motivo ela encarava essa porta que separa o quarto de vocês. – ela apontou pra porta.

 

-Talvez ela só não quisesse que essa porta existisse. – falei desdenhoso, ouvir que ela esteve chorando por tanto tempo e que e bem possível de que o culpado seja eu me deixava mal.

 

-Não seja marreto! – brigou ela. – Ela te ama! E se você a ama Finn, vá atrás dela, pare de perder tempo. Ficar quebrando toda a mobília e decoração do castelo não vai adiantar nada. Seja homem! – ela praticamente berrou, quase me assustei, Winona não era disso. – Aprendi algo recentemente, quer saber o que foi? – assenti. – Nos nunca sabemos quanto tempo nos vamos ter pra fazermos o que temos que fazer, por isso, não perca tempo, querido. Se a ama, vá atrás dela. Se eu estivesse com o meu tempo acabando sabe qual seria a coisa que eu mais gostaria de ver nesse mundo? – perguntou, uma lagrima rolou por seu rosto, a amparei com meu dedão antes que caísse sobre seu colo.

 

-O que, Win? – perguntei.

 

-Gostaria de te ver feliz, mas feliz de verdade, meu menino. Gostaria de te ver com quem ama do seu lado. Quem sabe formando sua própria família, com filhos... Imagine os filhos de vocês... – ela sorriu, lagrimas e mais lagrimas molhavam seu rosto, eu não entendia bem o que ela queria dizer com tudo isso, mas estava lutando pra não chorar. – Se a ama, Finn. Vá atrás dela. – disse e me abraçou, ficamos um bom tempo assim ate que ela me soltou limpando seu rosto, fiz o mesmo, já que algumas lagrimazinhas foram inevitáveis. – Pense nisso, meu menino. – ela beijou o topo da minha cabeça e se levantou.

 

A assisti caminhar ate a porta, mas antes que ela realmente saísse do quarto eu a chamei.

 

-Win.

 

-Sim, Finn? – ela sorriu fraco.

 

-Eu te amo.

 

 


Notas Finais


Sadie saiu na porrada com a Iris, mas acabaram que elas foram embora... :C
Mas e essa conversa da Win e o Finn <3 Sera que ele a ama? Sera que vai atras dela? Perceberam que ele ainda não leu a carta que a Mills deixou??
Noah viajou junto com a Kamila. Shippam Nomila? ( Ke?!)
Comentem!! Eu adoro ler vocês...

E tem uma bomba chegando aqui na historia, literalmente falando!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...