História Royalty - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber, Selena Gomez
Personagens Justin Bieber, Selena Gomez
Tags Demi Lovato, Gigi Hadid, Jelena, Justin Bieber, Kendall Jenner, Selena Gomez, Taylor Swift
Visualizações 56
Palavras 2.641
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura!
LEIAM AS NOTAS FINAIS.

Capítulo 5 - Minha querida irmã


Fanfic / Fanfiction Royalty - Capítulo 5 - Minha querida irmã

Selena Gomez 

Meu coração está acelerado, a boca seca e as mãos trêmulas. Não consigo pensar em nada. É como se o mundo estivesse parado ao meu redor. Minhas forças acabaram e eu só consigo ficar quieta, a espera. 

- Selena, você precisa comer – a voz de Ashley toma conta dos meus pensamentos, ela senta ao meu lado e segura minha mão. – Vai ficar tudo bem. 

Quero mesmo acreditar nisso. Chegamos no hospital minutos depois da ambulância, estávamos apenas eu, Gigi e Ashley, Vanessa ficou cuidando da fraternidade. Desde que chegamos ficamos na sala de espera, mas não falaram nada até agora. 

- Por que ela faria isso? – falo baixinho com Ashley. A loira me olha e acaricia meus cabelos, procuro Gigi com o olhar e encontro a outra loira comprando um café. 

- Não sei, ninguém nunca sabe o que está passando na cabeça de uma pessoa – mas podemos ajudar. Não consigo tirar a parcela de culpa da minha cabeça. Fico me lembrando de quando Demi chegou na casa. 

Demetria sempre foi muito bonita e chegou com a sua mãe, quando sua mãe descobriu que ela foi aceita veio até mim, ela me implorou para que eu cuidasse de sua filha. A mãe dela me avisou que Demi nunca foi uma menina comum, cheia de problemas e com uma vida difícil. Me lembro até hoje o que falei para ela. 

- E quem não tem problemas? Ela vai ficar bem, eu vou cuidar dela como se fosse minha irmã – fui sincera. Consegui ver o desespero e a preocupação nos olhos daquela mulher, depois disso ela voltou para sua cidade mais tranquila. Eu tentei cuidar de Demi, fiz o máximo que pude mas levando em conta aonde estamos agora, não deu certo.

- Parentes de Demetria Devonne Lovato – eu e as meninas levantamos rapidamente e o médico se aproxima, ele pergunta algumas coisas para então falar. – O quadro da Srta. Lovato está ótimo, ela teve uma queda de pressão com os remédios que anda tomando. 

- Remédios? Que remédios? – o médico dá uma olhada na ficha dela, meu coração estava bem mais aliviado. Foi como se tirassem um peço das minhas costas. 

- Antidepressivos, são muito fortes e na maioria dos casos causam tontura e enjoo, raramente um desmaio – ela tomava antidepressivos? Pensei que Demi estava bem, mas pelo que parece ela luta sozinha e eu fico ocupada demais me preocupando com problemas bobos ao invés de olhar para as minhas irmãs. 

- Podemos vê-la? – Ash quem pergunta e o médico assente, ele avisa que ela está dormindo mas que podemos ficar no quarto. 

Demi estava serena em sua cama. Ela parecia tão tranquila, como se estivesse tendo um ótimo sonho. Nós nos sentamos ao seu lado e ficamos em silêncio, esperando que ela acordasse. 

- Que dor de cabeça – um resmungo rouba minha atenção. As outras já dormiam mas eu não conseguia. Demi estava abrindo os olhos com uma careta, ela se assusta ao perceber aonde está, mas ao me encontrar se acalma. 

- Oi linda, que bom que está bem – acaricio seus cabelos e ela sorri. Demi segura minha mão junto de seu rosto e não consigo segurar as lágrimas.

Esse gesto de ternura me deixava emocionada, depois de tudo que passou consigo sentir que eu sou seu porto seguro, isso me trazia sentimentos novos. 

- Está tudo bem, eu estou bem, não chore – ela limpa minhas lágrimas e abre um lindo sorriso. Sento na ponta da cama ao seu lado e ela tenta se sentar. 

- Você me deixou tão preocupada, fiquei desesperada, nunca mais faz isso comigo – mais lágrimas desciam pelo meu rosto. Me sentia tão responsável por ela e pelas garotas que se alguma coisa assim acontecesse eu ficaria desesperada. 

- Está tudo bem, eu estou aqui com você – abraço seu corpo frágil e me sinto melhor. Demi acaricia meus cabelos e me dá um beijo. 

- Demi? Você acordou – Gigi fala um pouco alto demais, ela abraça Demi fortemente e começa a tagarelar. Ashley acorda logo depois e também recolhe Demi em seu abraço. 

- Nunca mais nos assuste dessa forma – a menina assente rindo. Elas ficam conversando durante horas e nem percebem quando eu saio do quarto. 

Precisava de ar e não aguentava mais ficar naquele hospital. Meu corpo estava cansado desse dia maluco e tudo que eu quero é a minha cama. Sou tirada dos meus pensamentos pelo toque do meu celular. 

- Alô? – atendo sem nem olhar quem era. Queria ir para o meu quarto e não falar com ninguém durante duas semanas. 

- Oi Sel, está tudo bem? – reconheço a voz de Cody, é a primeira vez no dia que escutei a voz dele direcionada a mim. A única coisa que eu queria agora era um abraço do meu melhor amigo. 

- Oi Cody, se eu dissesse que está, estaria mentindo – sento na beira da calçada e encaro o céu estrelado – Demi está bem, mas eu estou péssima. Tive um dia tão difícil e ver a garota que eu deveria cuidar caída no chão...- não consigo continuar, é como se algo estivesse entalado na minha garganta. Escuto a respiração calma de Cody para então escutar sua voz. 

- Você não tem culpa, sabe disso? Demi tem problemas como todas da sua fraternidade – sua voz estava tão serena. Sentia tanta falta dele, meu melhor amigo é o que eu mais precisava neste momento – Eu amo você e estou aqui para o que precisar 

- Eu também amo você, Cody – sorrio sozinha e depois de me despedir, desligo a chamada. Levanto para voltar ao hospital mas dou de cara com Justin e este não estava nem um pouco feliz.  

- Justin? O que faz aqui? – me aproximo mas ele se afasta e cruza os braços. Tive a certeza de que ele escutou toda a minha conversa com Cody.

- Nem eu sei, você já teve apoio suficiente por hoje – ele evidência, completamente irritado. Justin odiava que pegassem no seu pé, mas é MUITO ciumento, o que é meio injusto. 

- Vai começar? – reviro os olhos e cruzo os braços ficando frente a frente com ele. – Entenda que o Cody é meu melhor amigo, e mesmo eu fazendo tudo por você, ele veio antes de você e eu nunca perderia ele por causa dos seus caprichos. 

Bieber não fica nada feliz com a minha resposta. Ele bufa e entra no hospital sem nem olhar na minha cara. Sempre gostei de quando ele tem esses ataques de ciúmes, mas nesse momento eu só queria um abraço e alguém para dizer que eu sou capaz. 

Depois de encarar o vazio da rua por mais alguns minutos decido entrar no hospital. Na sala de espera estava Justin, sentado com o olhar em seu celular. Passo direto e entro no quarto de Demi, ela sorri ao me ver e mesmo sendo algo fofo isso quebra meu coração. 

- Selena, está tudo bem? – ela pergunta com a preocupação evidente em seu tom de voz. Eu me aproximo da linda garota e assinto, acariciando seus cabelos. 

- Está tudo ótimo, e você? Está melhor? – ela assente sorridente. Demi me preocupava bastante, pois nunca sabia o que se passava em sua cabeça. E um sorriso pode ser um ótimo disfarce. 

- Infelizmente, eu tenho que voltar para a fraternidade, mas Ashley vai ficar aqui com você – Demi faz uma careta mas entende. Eu sou a presidente e não posso ficar muito tempo afastada sem dar uma justificativa. Eu deixo um beijo na testa de Demetria e me despeço de Ashley. 

Ao sair do quarto encontro Justin no mesmo lugar que antes mas sem o celular. Quando ele percebe minha presença levanta e suspira, parecia desconfortável. O loiro se aproxima e pede licença para Gigi se afastar. 

- Precisamos conversar – assinto contra a minha vontade. Justin me leva até o lado de fora do hospital, o estacionamento. 

- O que você quer falar? – eu estava tão cansada que não conseguia conversar muito bem. O dia tinha sido tão cansativo. 

- Eu não quero que fale com Cody, ele não é confiável – não consigo conter a risada. Como assim ele quer me proibir de falar com alguém? E esse alguém é o Cody, meu melhor amigo de infância. 

- Desculpa Justin, mas você não tem nenhum direito sobre mim. Cody é meu melhor amigo desde os 10 anos e você não pode me pedir uma coisa dessa. – ele fica pensativo. Justin odeia quando não fazem o que ele quer e eu não costumo dizer não para ele. 

- Você gosta dele? – ele parecia irritado. Não entendia o por que de tanto alarde, ele sempre soube da minha história com Simpson. 

- Justin, meu amor, você sabe que Cody é como se fosse meu irmão. Eu não gosto dele do jeito que gosto de você – era verdade, eu amava Cody mas como um amigo e sempre seria assim.

- Tem certeza? Você não vai mais beija-lo? – assinto e reviro os olhos. Justin sorri e me puxa para os seus braços. Era tudo que eu precisava, um abraço apertado. Ele me beija, calmamente e deliciosamente. Precisava de Justin, ele é meu calmante. 

- Eu estou enlouquecendo – aperto meus braços em torno de seus ombros. Precisava me sentir segura, era como se estivesse em constante estágio de declínio. 

- Vai ficar tudo bem, você consegue dar um jeito nisso – sorrio, era tudo que eu precisava ouvir. Era ele quem eu precisava ao meu lado. Espero que esse sonho que estou vivendo com ele não tenha um fim. 

- Vamos pombinhos – Gigi aparece na entrada. Nós damos as mãos e seguimos para o carro de Justin. 

 

Ainda dava para escutar as risadas e conversas das garotas do lado de fora da casa. Elas ainda estão acordadas e pareciam animadas. Peço para Justin esperar do lado de fora e o loiro não se incomoda. 

Entro com Gigi ao meu lado, as garotas estavam espalhadas pela sala. Cada uma em seu pequeno grupo. Umas conversavam, outras escutavam música e algumas liam umas revistas. Ao me ver todas levantam e arrumam a postura. 

- Boa noite, vocês não deviam estar dormindo? – encaro Vanessa no canto da sala, ela faz uma cara de culpada e abre um sorrisinho. – Não importa, podem ir dormir. 

- Com licença, posso perguntar uma coisa? – uma das garotas levanta a mão, era uma loira de olhos azuis e bem magra. Eu permito que ela faça a pergunta. – Como nossa irmã está? 

Todas pareciam preocupadas e isso me deu mais forças, andei com Gigi até o começo das escadas ficando acima dos primeiros degraus. As garotas acompanhavam meus passos com atenção. 

- Demetria está melhorando, ela teve uma queda de pressão e precisa do apoio de todas vocês, amanhã ela já poderá voltar para casa – todas comemoram, era bom ver que se importavam umas com as outras. Consigo ver Sabrina em um canto da sala, sozinha e me sinto mal. E se ela fizesse o mesmo que Demi fez, nunca me perdoaria. 

- Garotas, acalmem-se – Vanessa pede silêncio e todas voltam a me encarar. Nos meus primeiros anos demorei a me acostumar com essa atenção toda, sempre fui tímida e contida mas tive que mudar isso.

- Quero dizer que se tem alguém aqui passando por problemas, qualquer problema, falem comigo ou com alguma outra irmã. Somos uma família e vocês podem contar umas com as outras, aqui somos protetoras e vamos cuidar de vocês. Não deixem chegar em um ponto drástico, por favor, me importo com vocês – todas as meninas ficam quietas e assentem, mando todo mundo para seus quartos. Chamo Sabrina em um canto, ela parecia assustada mas eu a acalmo. 

- O que a senhora deseja? – ela não tinha mais aquela audácia de quando chegou aqui, estava amedrontada e não pareceria se sentir a vontade. 

- Queria te pedir desculpas, pelas coisas que eu fiz. Você foi petulante e ingrata, mas eu fui injusta de perdoar Justin e continuar te machucando, peço desculpas. – Sabrina começa a chorar, ela chora tanto que seus olhos azuis ficam vermelhos. Afago seus cabelos e peço para ela se acalmar. 

- Eu não mereço perdão, foi tudo um plano para te desestabilizar. Eu sempre soube que Justin é seu namorado, entrei com o intuito de te deixar mal com ele e o que eu fiz era só o começo do plano – fico chocada e com raiva, como alguém poderia fazer isso? Sabrina não parava de chorar.

- Agora, você é minha irmã. Vou cuidar de você, mas se fizer algo para me machucar de novo será expulsa – a loira assente e agradece milhares de vezes, ela me abraça fortemente e fica mais animada. – Me fale, quem planejou o que você fez? 

- Ela vai me machucar se eu contar – Sabrina passa de feliz para apavorada, ela era só uma menina e estava com tanto medo. Eu abraço seu corpo magro e passo coragem para ela. 

- Eu quem vou machucá-la, me conte, agora. – a loira assente e se acalma, ela arruma sua postura e sorri. 

- Hailey, Hailey Baldwin – sinto a raiva subir por minhas veias. Me despeço de Sabrina e mando ela para o quarto. Abro a porta e Justin passa por ela, ele parecia cansado mas eu estava brava demais para perceber. 

- Você tem que controlar as sua vagabundas, eu não quero que Hailey se intrometa na minha fraternidade novamente. Cansei de colocar você acima de tudo e de todos, e depois você me machucar como sempre faz. – Justin ameaça se aproximar mas eu me afasto, estava com tanta raiva. Hailey é a pessoa que mais detesto de todo o campus e é tudo culpa de Justin. 

- O que aconteceu Selena? – ele estava perdido. Tentava se aproximar diversas vezes mas eu sempre me afastava. 

- Hailey Baldwin aconteceu – ele bufa revirando os olhos. Justin senta no sofá e bagunça os cabelos. 

- O que ela fez dessa vez? – eu não conseguia conter a raiva, andava de um lado para o outro com a cabeça explodindo. 

- Ela fez Sabrina ir para cama com você naquela noite, ela armou tudo isso e ia fazer pior. Sabrina quem me contou, agora mesmo. – Justin parecia surpreso, ele não deveria saber de nada mas não conseguia para de pensar que se ele não dormisse com qualquer piranha isso não estaria acontecendo. 

- Isso não é culpa minha, Selena. Vou dar um jeito na Baldwin – assinto sem a mínima paciência, viro para ele e pego em seu braço o guiando em direção a saída. 

- Quem vai dar um jeito na Hailey sou eu, cansei dessa vadia. Vai embora, Justin – empurro seu corpo para fora da casa, o que não surte muito efeito já que minha força comparada com a dele é mínima. 

- Por que esta descontando tudo em mim? – ele estava nervoso, Justin perdia a paciência rapidamente e sempre brigávamos. 

- Por que é tudo sua culpa, você quem transou com ela. Você fez isso comigo – grito histericamente e Gigi aparece no topo da escada, a loira pergunta se está tudo bem e não recebe resposta. 

- Está sim Gigi, sua amiga que enlouqueceu – Justin sibila e então começa a caminhar, a raiva continuava a me consumir. 

- Seu amigo que só faz merda – grito de volta, Justin sequer olha para trás. Ele continua caminhando na noite escura para sua fraternidade. 

Gigi se aproxima e me abraça, eu detono a chorar. Tudo que aconteceu hoje me deixou tão cansada, não conseguia prevenir o choro, era algo que estava entalado na minha garganta o dia inteiro. Demi, Cody, Hailey, Sabrina, Justin, tudo aconteceu hoje. E pensar neles me deixava mais cansada ainda. 

- Esqueça tudo por hoje, amanhã é um novo dia – escuto Gigi e finalmente durmo com a esperança de que amanhã seja um dia melhor que este. 


Notas Finais


Oi pessoal, voltei com mais um capítulo.
Gente, eu não estou feliz, não estou vendo muitos comentários e isso é desanimador. Parece que não tenho leitores, apenas números, não vale a pena continuar assim.
Espero que tenham gostado....


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...