1. Spirit Fanfics >
  2. Royalty ( Padackles ) >
  3. O Colar.

História Royalty ( Padackles ) - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Oi, gente, como estão?
Quero dizer que fiquei muito feliz e grata com os comentários de vocês, vi que alguns já tem teorias vamos ver algumas dessas teorias irão se confirmar nesse capítulo, prestem atenção que daqui pra frente algumas perguntas serão respondidas e novas serão feitas.

Capítulo 4 - O Colar.


Jared e Jensen continuaram se encarando, o silêncio pairava no ambiente, nenhum queria que aquele momento acabasse pois sabiam que quando o moreno saísse daquele quarto tudo se tornaria real, as responsabilidades, a despedida, tudo. Por um momento o tempo ficou suspenso no ar, é como se aquele dia fosse durar eternamente, mas uma batida na porta acabou fazendo por eles o que não conseguiram.

– Jensen? – A voz grave chamou a atenção do loiro. – Filho, como você está? Eu só pude vim verifica-lo agora. – Sua voz estava preocupada.

– Sim, estou bem. – Disse com uma voz tranquilizante.

O moreno levantou e fez uma breve reverência para o rei.

– Jared, você esta dispensado por hoje, até amanhã.

– Obrigado, majestade, até amanhã.

E assim Jared saiu sentindo o olhar de Jensen acompanha-lo em cada passo que dava.

Ao sair do quarto o moreno suspirou, seu peito doía com a despedida, mas ele sentia que tinha feito a coisa certa, pelo ele esperava que sim, sua cabeça rodava de tanto pensar naquele momento, não prestava atenção em seu caminho pois fitava o chão, lágrimas embaçavam sua visão e Jared nem percebeu que alguém estava vindo.

– Jared? – O cavaleiro olhou para cima e viu o rosto do rei Jeffrey a sua frente. – Você está bem?

– Sim, apenas distraído.

– Tem certeza? – Perguntou desconfiado.

– Sim, majestade. – Falou enquanto tentava se recompor. – Como está o príncipe Alexander?

– Parecia um pouco atordoado, mas não quis falar comigo, ele nunca foi ameaçado desse jeito, acho que isso pode ter mexido com ele.

– Eu imagino, alteza, eu acho que já vou, o rei Ackles me liberou.

– Tudo bem. – O rei deu espaço para o mais novo passar pelo corredor. – E Jared, se você precisar conversar pode me procurar, eu não ligo para essa divisão estúpida entre nobreza e plebe. – Falou antes do moreno sair.

– Obrigado, majestade. – O moreno se despediu apressadamente e saiu mais rápido possível do palácio.

Chegou em casa, banhou-se e vestiu outra roupa, não demorou muito para ouvir a porta abrindo, era seu pai, mas ele não tinha coragem para sair do quarto. Sua casa apesar de melhor que a outra, ainda era simples e pequena então não foi muito difícil para seu pai saber que ele já havia chegado. A porta do seu quarto foi tocada e ele relutantemente abriu.

– Você não vai jantar? – Assim que o homem perguntou notou que o filho estava estranho.

– Obrigado, mas acho que não pai. – Tentou dar um sorriso.

– Filho, eu sei que algo está lhe machucando.

– É impressão sua...

– Não, não é. Jared, eu não sou cego, sei tem ou tinha algo entre você e aquele príncipe. – No mesmo momento, Jared ficou paralisado enquanto Jim aproximava-se. – Hey, você é meu filho, não tenha medo de julgamentos, sempre fomos nós dois, só eu e você, você sabe que confiar em mim! – O moreno não aguentou e soltou as lágrimas que estava repreendendo há tempos e deu um abraço no pai. – Hey, filho, deixa essa gente se casar entre si, você merece algo melhor.

Por um momento o moreno desvencilhou-se do pai e foi para cama.

– Eu não quero falar mais sobre isso, pai.

Suspirando, Jim aproximou-se e fez carinho na cabeça de Jared.

– Tudo bem, eu vou deixar você tomar seu tempo. – O homem saiu deixando o moreno mais uma vez só.

Ao ouvir o barulho da porta fechando, Jared em um gesto que nem sabia que estava fazendo, agarrou sem colar que estava junto ao peito por debaixo das vestes e fechou os olhos deixando-se embalar pelo conforto inesperado que a ação lhe trazia até dormir.

De manhã, Jared se preparou para ir para o castelo, sua intenção era não ver Jensen, sabia que não poderia evita-lo para sempre, mas sentia que os dois precisavam de um tempo para digerir o que tinha acontecido.

Respirando fundo, tomou coragem e com seu cavalo foi para o palácio, estranhou que não viu ninguém andando pelos corredores, o rei Alan Ackles até que ele entendia, o homem sempre foi muito ocupado. Só achou alguém quando aproximou-se da sala, era o rei Jeffrey e o mais novo notou que ele parecia apreensivo.

– Rei Jeffrey, tá tudo bem? – Jared aproximou-se.

– É o Alexander, ele tá pensando em desistir de tudo, ele parecia bem, mas ontem depois daquele incidente, ele está diferente, eu ainda não falei com ninguém aqui do reino sobre, mas... – Falou sem rodeios, o homem parecia desesperado.

– Se o senhor me permitir, eu posso tentar falar com ele. – O moreno não sabe bem porque ele se ofereceu, mas sentia uma amizade por Alexander que não sabia explicar, se o menino estivesse sentindo-se inseguro, ele ia garantir mudar isso.

– Você poderia tentar, mas ele parece irreversível, eu nunca o vi tão chateado e ele se recusa a conversar comigo.

– Eu tentarei.

– Eu agradeço, Jared, ele está no quarto. – Disse com gratidão.

O moreno acenou e dirigiu-se ao quarto do loiro, ao bater na porta e ser atendido estranhou a expressão do menino, ele parecia machucado, mas em seus olhos também brilhavam raiva.

– O que você está fazendo aqui? – Perguntou secamente.

– Posso entrar?

– Pode. – Disse com relutância deixando o mais velho entrar e fechando a porta.

– Seu pai me falou que você está pensando em desistir do casamento e...

– Não estou pensando, é uma decisão! – Interrompeu.

– Mas por que essa decisão de uma hora para outra? Se você estiver inseguro pelo que aconteceu, saiba que aquele cara não fará mais mal a você! Além de que eu não deixarei mais ninguém tentar te machucar, eu posso ficar de guarda quando você quiser.

– Enquanto dorme com meu futuro marido? – As palavras foram proferidas duramente.

– O que? – O moreno estava confuso.

– Eu vi o beijo de vocês ontem!

– Alexander não é o que você está pensando.

– Pode ter certeza que não preciso pensar muito, eu vi!

– Aquilo foi uma despedida, nós não vamos nos ver mais, não desse modo.

– Eu sou um idiota mesmo, passei toda minha vida me guardando e me preparando para alguém que já tinha outra pessoa. – A frase que começou com desdém acabou com um olhar triste.

– Alexander, olhe pra mim, você não é um idiota, eu e ele somos os culpados, mas agora acabou... Acabou de vez, vocês precisam fazer isso pelo bem dos dois reinos, é importante.

– Então eu vou ser apenas o fardo que ele vai ter que suportar por anos!

– Não é assim.

– Claro que é, ele não me ama, nem vai me amar, só vou ser uma obrigação para ele.

E foi aí que Jared entendeu, aquele menino tem dezoito anos, foi criado por seu pai que o protegeu mais que tudo, ele foi ensinado que iria casar com o homem que foi destinado a lhe amar e ele a ama-lo de volta, essas ideias foram colocadas na cabeça dele desde que criança. Alexander ainda era só um garoto.

– Alexander, o amor se constrói na convivência, ele aprenderá a te amar e você aprenderá a ama-lo. – Cada palavra doía, o pensamento de Jensen amando outro o fazia querer chorar, mas ele precisava fazer isso, ele também precisava acreditar que Jensen e Alex se amariam já que também queria que os dois fossem felizes.

– Como poderei acreditar em você?

– Eu sei que é difícil, mas por favor, você precisa! – O moreno implorava com os olhos. – Se você precisa ter certeza que não nos encontremos mais, assim que eu puder eu desisto do meu cargo.

– O que?

– Isso que você ouviu, eu vou embora e vocês não precisam me ver nunca mais. – O mais alto via a incerteza nos olhos de Alex. – Você precisa de uma garantia, certo?

– Mas... Você não é um nobre, como fará para se sustentar?

– Eu e meu pai sempre demos nosso jeito.

– Tudo bem... Eu acho que posso confiar em você. – Suspirou o mais novo, ele que casar era sua responsabilidade de qualquer maneira.

Jared apenas acenou e saiu apressadamente do quarto do menino o deixando só, Alexander contou ao seu pai que mudou de decisão deixando o rei aliviado.

Na mesa do café da manhã do palácio havia uma fartura de alimentos e quatro cadeiras ocupadas. Jensen já estava sentindo-se melhor então juntou-se aos outros membros reais.

– Eu esperei vocês se estabelecerem aqui nesse tempo, mas acredito que já está na hora de organizar o noivado entre Jensen e Alexander. – O rei Alan começou, todos viraram para ele cada expressando um olhar diferente, em Jeffrey havia compreensão, em Alexander havia dúvida e apreensão, o mais novo logo olhou para Jensen e viu seu olhar, não sabia interpreta-lo, era uma mistura de determinação, concordância, mas com uma dose de tristeza.

– Eu concordo. – Surpreendendo a todos que estavam a mesa e a si mesmo, Jensen disse.

– Eu também. – Disse o rei Jeffrey enquanto Alexander apenas acenou positivamente.

– Vou fazer a festa acontecer o mais rápido possível, para que o casamento também aconteça logo. Para essa celebração acho que devemos convidar os reinos amigos próximos, o que nos dá uma semana para prepararmos uma boa festa. – Falou com entusiasmo.

– Eu concordo, não posso me ausentar muito mais do meu reino, meu irmão ainda está cuidando de tudo, mas prefiro que eu mesmo faça as coisas. – Disse Jeffrey.

– Totalmente compreensível, meu amigo! – Exclamou o rei de Ackland.

– Filho, porque você e Jensen não tiram esse tempo para conhecerem-se melhor? – Sugeriu.

– Pode ser.

– Vamos, eu vou preparar uma cesta de piquenique, o dia está ensolarado e bonito, dessa vez me certificarei que alguns guardas nos acompanhe mais de perto. – O loiro deu um sorriso gentil, apesar de não estar tão entusiasmado para o passeio, mas o garoto não era culpado.

Alexander apenas acenou que sim e retribuiu o sorriso.

Quando os dois terminaram suas refeições saíram em direção a floresta cada um em seu cavalo até que acharam um bom lugar, sentaram-se e começaram a conversar.

– O que você gosta de fazer quando não está praticando atividades reais, Jensen? – Alexander puxou assunto não sabendo ao certo se estava fazendo corretamente.

– Eu gosto de ler alguns contos e sair por aí, descobrir novos lugares. – Ele omitiu a parte que fazia isso com Jared a maioria das vezes. – E você?

– Também gosto de ler alguns livros, na verdade, ler é o que eu mais gosto de fazer já que nunca pude sair muito.

– Oh, eu devia ter imaginado... – Disse como um pedido de desculpas.

– Não tem problema, mas me diga o que você gosta de ler?

Os dois passaram um bom tempo conversando sem nem perceber que o dia estava passando.

– Eu nunca pensei que fossemos ter tanto em comum. – Jensen disse ao ouvir sobre os gostos do mais novo.

– Nem eu. – Alexander disse timidamente.

– Está escurecendo, devemos ir.

– Sim, eu acho que devemos.

Enquanto os dois voltavam, no castelo, Jared se preparava para ter uma conversa com o rei, após algumas batidas na porta ele foi atendido.

– Jared, que surpresa! Pensei que você tinha acompanhado Jensen e Alexander com os outros cavaleiros.

– Não, senhor, acho que o príncipe esqueceu de avisar-me que precisariam da minha presença na guarda. – Ele sabia que não era verdade, o loiro provavelmente não esqueceu de nada, mas aquilo não fazia tanta diferença no momento.

– Oh, tudo bem, mas ao que devo sua visita? – Olhou para o moreno curiosamente.

– Eu vim porque eu precisarei deixar meu cargo.

– Você vai viajar? – Perguntou.

– Não, não é temporário. – Falou decidido.

– Mas por que? – O rei estava visivelmente confuso.

– Eu agradeço a oportunidade, só sinto que meu lugar não é mais aqui, majestade.

– Tudo bem, eu não posso obriga-lo a ficar mesmo achando uma loucura isso que você está fazendo. – Suspirou ao terminar a frase.

– Eu agradeço, alteza. – Falou enquanto fazia uma reverência.

– Jared, posso fazer apenas um pedido? – Perguntou antes do mais novo terminar seu caminho até a porta.

– Claro.

– O noivado vai ser realizado em poucos dias e como será um evento gostaria que meus melhores cavalheiros estejam disponíveis, você poderia esperar até a realização da festa para afastar -se do cargo? – Saber do noivado dessa maneira afetou Jared, mas ele não deixou transparecer.

– Sim, majestade. – Falou e despediu-se.

Ao sair, esbarrou em Jensen que havia acabado de voltar de seu passeio com o outro príncipe. Os dois olharam-se rapidamente, mas seguiram seu rumo como se não tivessem se visto. O loiro entrou vendo seu pai que parecia pensativo.

– Já voltou, Jensen?

– Pai, nós passamos praticamente o dia todo fora.

– Eu sei, mas vocês têm tanto a conhecer um do outro, nunca é demais.

– Desde quando o senhor pensa isso? – Ele parecia desconfiado.

– Desde que você é meu filho e sua felicidade é importante pra mim. – Jensen olhou duvidosamente para seu pai. – Mas o que você está fazendo aqui?

– Só queria avisar que nós chegamos. – Falou mas ainda analisava o homem a sua frente. – Papai, por que o senhor está tão pensativo?

– Seu amigo, o Jared, ele acabou de me pedir para sair da guarda real.

– O que?

– Então você não estava sabendo? – Aquilo surpreendeu ao rei, os dois garotos foram sempre tão amigos.

– Não! – Disse enquanto saía, ele sentia que precisava tirar isso a limpo.

Jensen encontrou Jared arrumando a sela em seu cavalo, provavelmente o arrumando para ir embora.

– Por que você fez isso? – O loiro chegou interrogando.

– O que?

– Pediu para sair da guarda real, você sabe que essa era uma oportunidade de ouro, o que você vai fazer agora? – Conhecendo o príncipe como ele conhecia, Jared sabia que havia raiva naquelas palavras.

– Eu sou bem crescidinho sei o que estou fazendo. – O mais alto não queria dar espaço para discussão.

– Você não precisava fazer isso só porque não estamos mais juntos. – Seu tom de voz abrandou.

– Nem tudo é sobre nós dois, Jensen. – Apesar da frase magoar ela não foi dita com rispidez.

– Você vai ficar aqui até quando? – Falou cansado.

– Até a festa de noivado, provavelmente treinarei alguém para me substituir depois.

– Você tem certeza que tem que fazer isso?

– Sim, Jensen, eu tenho, agora preciso ir.

O moreno subiu no cavalo e foi para casa, quando chegou seu pai já estava lá esperando sentado a mesa como sempre fazia quando chegava antes.

– Filho, chegou cedo.

– Sim, hoje não foi um dia muito cheio.

– Aconteceu alguma coisa, quero dizer, além daquela situação? – Perguntou preocupado.

– Pai, eu tomei uma decisão. Eu pedi para sair da guarda real, na verdade prestarei serviços até a próxima semana e acabou. – Falou sem muito rodeios.

– Que bom, meu filho!

– Pai! – Mesmo sabendo que sua reação seria essa, Jared repreendeu o pai.

– Desculpe, mas você sabe que sempre fui contra.

– Sim, eu sei, mas agora nossa renda principal irá acaba

– Não se preocupe, você irá conseguir outra coisa, se quiser pode me ajudar na marcenaria, independente do que acontecer nós estaremos bem.

Jared apenas acenou, e era isso que o confortava, seu pai sempre estaria com ele.

Os dois jantaram após a conversa e recolheram-se, Jared fechou os olhos enquanto segurava o cordão torcendo para estar tomando as decisões certas.

Uma semana passou-se, Jared evitou qualquer contato com os príncipes, mas sempre conversava com o rei Jeffrey que inclusive parecia ter ficado triste com sua decisão de sair da guarda real. Já Jensen e Alex também aproximaram-se, criaram quase uma amizade, apesar do mais novo sempre estar com um pé atrás, e o outro nem sempre estar confortável pois seus pensamentos quase sempre voltavam para um certo moreno.

No dia do noivado houve uma grande correria para arrumarem o castelo e fazerem a comida, Jared ajudava os empregados do rei sempre que possível e todos tinham carinho por ele, já no momento em que a noite instalou-se o salão de festa do Castelo estava cheios de nobres de dentro e fora do reino, pessoas que o moreno nunca tinha visto pisar nas terras de Ackland, no entanto Jared não conseguia tirar os olhos dos príncipes, ambos estavam arrumados conforme a tradição e muito bonitos, um pontinha de dor invadiu seu peito, mas ele ignorava, “Não era hora de lamentar” dizia para si.

Tentando afastar os pensamentos, respirou fundo e resolveu olhar para outro canto, até que viu que de fora da janela em cima de um dos telhados havia alguém com uma besta¹ e estava apontando para os príncipes, o moreno corria o mais rápido possível, ao passo que se locomovia via que o homem apontava principalmente para Alexander, em um piscar de olhos viu a flecha sair da arma, sem poder esperar muito mais, o moreno afastou o príncipe, mas logo sentiu algo em seu peito, era uma dor imensurável, sua visão escurecia e ele não conseguia entender o que ouvia.

Tudo foi muito rápido, em um momento Jensen estava de pé conversando com Alexander, em outro ele viu Jared empurrando seu futuro noivo, demorou um tempo para entender o que estava acontecendo até que viu a flecha no peito de seu amado, todos ao redor pareciam paralisados, menos o outro príncipe que já estava ajoelhado ao lado moreno e gritava por ajuda. Em poucos minutos o médico da corte apareceu e pediu para locomoverem Jared para alguma cama, Jensen guiou os guardas que levavam o moreno sem saber que o rei Jeffrey e Alexander também o seguiam.

– Eu preciso verificar o ferimento melhor, tirem a camisa dele. – Ordenou o homem que aparentava já ter certa idade.

Nesse momento os três membros reais olhavam os guardas despindo o homem quando Alexander deu um grito.

– O foi filho? – Jeffrey perguntou assustado.

– Papai, olhe o colar dele, é igual o meu!

– Não pode ser! – Disse o homem afastando todos que estavam em volta de Jared menos o médico. – Onde será que ele conseguiu? – Disse enquanto tocava no colar, o objeto tinha um pingente com um escudo e um pequeno símbolo da união do reino de Jeffrey e de sua falecida esposa.

– Do que vocês estão falando? Ele tem esse colar desde sempre, desde que eu conheço quando criança.

– Eu preciso ver seu ombro esquerdo rápido. – Disse o rei indo na outra direção ignorando as perguntas de Jensen até que ele viu o pequeno sinal que seu filho tinha no ombro do homem.

– Do que vocês estão falando? – Perguntou Jensen exasperado, Jared estava machucado e o médico estava tentando trata-lo não era hora de todos enlouquecerem.

– Jensen, Jared é o meu filho pedido.


Notas Finais


1- Gente, besta é uma arma um pouco parecida com arco e flecha.
Galera, primeiro gostaria de dizer que meus conhecimentos sobre os assuntos tratados são limitados, então não tomem nada nessa fic como verdade sem pesquisar, por favor!
Mas e aí, gostaram? Têm alguma crítica, sugestão, ou quer dizer o que está gostando e não está curtindo na fic? Sintam-se a vontade, ficou muito feliz vendo o que vocês estão achando e também pode me ajudar a melhorar!
Beijinhos e até a próxima. ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...