História Ruby - Capítulo 3


Escrita por:


Capítulo 3 - 03


Em seu pulso Hansol sente o metal gelado lhe envolvendo e ao mesmo tempo em que ele estava segurando em um punho na guarda da cama. O fino e gelado chicote deslizava em suas nádegas deixando um estalo nada suave. Os seus lábios já foram tão agredidos entre os seus dentes que ele sentia o gosto metálico enquanto ele mordia com mais força. Isto deveria ser ruim. Ficar de quatro ao mesmo tempo em que suas nádegas são agredidas em resultado de seus excessos de perguntas. Isso deveria ser uma punição. Mas fingir que era uma punição era o caminho mais rápido dele falar o que queria, receber o que queria e não precisaria pedir por nada disso.

Minghao desliza os seus lábios pelas costas do mais novo distribuindo chupões que pela intensidade já ficavam a marca e arrancando mais gemidos do garoto. Ele não se cansava de escutar esse som... Hansol gemeu extremamente alto após sentir mais uma chicotada. Minghao olha para bunda do mais novo que está em um tom de rubro, o pequeno corte que o chicote causou. Ele pressionou os seus dedos em cima do corte e beijou o ombro do menor com ternura.

- Shhh... Está tudo bem! - sussurrou Minghao, deixando um chupão no pescoço alheio. Ele substitui uma dor pela outra.

Jr tinha razão... Hansol está perdido em seus desejos e ele tem total de consciência desse perigo.

- Minghao...

Mas mesmo assim ele não consegue se conter em praticamente implorar pelo contato do empresário. Ele não sabia o quanto tempo estava ali. Mesmo que talvez não seja tanto tempo, mas parecia ser muito tempo e ele não estava aguentando mais. Ele precisava sentir o empresário dentro de si.

- Eu disse que iria cuidar dessa sua boquinha que anda muito atrevida.

Sua bunda ardia, sua entrada encharcada de lubrificante e seu pau tão duro que chegava a doer. Isso já não era uma lição suficiente?

- Minghao... Não seja tão mau! - sussurrou Hansol, tentando olhar para o mais velho.

Assim que ele conseguiu, ele intensificou o seu olhar de pidão com um bico nos lábios.

- Eu preciso de você dentro de mim!

Minghao poderia facilmente arrumar argumentos para justificar de ser "mau", contudo o seu único ato em resposta foi um sorriso a qual Hansol não sabia identificar o significado. Ele sorriu, porque se fosse alguns meses atrás Hansol não estaria falando nada, mas ele está ali dizendo o que quer com essa carinha fingindo inocência, como se não soubesse o que iria vir a seguir. É um teatro que Minghao não se nega nenhum momento de gostar. O anseio do mais velho sai de todos os limites chegando na estratosfera. Esse garoto quebrava todos os seus princípios.

- E como que o meu neném quer? - perguntou Minghao, deslizando uma de suas mãos na bunda do mais novo.

Parece que Minghao está se colocando em teste em tamanha coragem de perguntar algo que vai tirar o único fio que está amarrando o seu autocontrole. Ver o mais novo nessa posição está acabando com si.

- Rápido, por favor!

Hansol choramingou sem saber se era uma pergunta de fato, ou se era apenas o mais velho querendo lhe provocar. Contudo sua resposta foi respondida assim que ele sentiu o empresário penetrando de vez dentro si. Apesar de todo o desejo, ele se sentiu aliviado porque iria se satisfazer.

Hansol estava entorpecido o suficiente para não deixar sua mente trabalhar em algumas questões. Mesmo que ele tenha o péssimo hábito de deixar sua vida tomar o rumo que deseja - afinal, é muito mais fácil e menos cansativo -, porém umas perguntas não saíram da sua cabeça. Ele está esses dias tentando ignorá-las, pois ele não se quer dar o trabalho de pensar em algo, e também, ele foi acostumando assim.

O sistema funcionava de uma forma muito simples: ele contava para a sua mãe, ela iria dar sua análise e lhe guiaria no que deveria ser feito. Contudo sua mãe não sabe que ele está em um estágio tão avançado com Minghao. Na verdade sua mãe já desistiu do empresário, pois para ela o seu filho não tem "talento" para relacionamentos pessoais.

Mas nada disso importava, e sim as perguntas que não sai da cabeça de Hansol.

- Por que ele agiu com tanta naturalidade quando eu lhe contei que estava com Choi pelo dinheiro? Mas ele me respondeu que já esteve com pessoas como eu... Então ele sabe quem eu sou? Sabe o motivo que eu me aproximei dele? Mas se ele sabe, por que ele estaria me mantendo por perto e até me ajudando? E aqueles ciúmes? Foi um ciúmes, ou delírio da minha cabeça? Merda! - sussurrou Hansol, para si extremamente preocupado.

Hansol sentiu um flash em seu rosto que fez ele tomar um susto.

- Desculpe, mas é que sua pose estava muito boa! - disse o fotógrafo

- Tudo bem, Aron! - respondeu Hansol, com um sorriso nos lábios.

Minghao tinha razão. A Im Jinah é extremamente calma e doce. Ela fez com que o mais novo logo se sentisse confortável e lhe colocando uma semana depois em uma campanha publicitária. Era para uma marca de joalheria. Contudo o que Hansol não tinha percebido era que essa tal empresa de joalheria era nada mais e nada menos a de Xu Minghao. "Claro que seria..." Sua mente ironizou.

Minghao está lá, andando pela sala, observando as coisas, conversando com as pessoas... Rastejando por aí como se não quisesse dar um bote em algo. Hansol sentia o olhar do mais velho sobre si. "Tem algo de errado!" É isso que seu subconsciente gritava.

- Terminou! - o diretor gritou, em uma outra parte do estúdio.

Hansol foi rapidamente para o uns dos camarins, retirando as roupas e colocando as suas. Em seus passos leves ele queria sair sem ser visto. Ele coloca o seu celular no bolso e quando ele vira a porta se abre.

- Saindo de fininho, Hansol? - perguntou Minghao, fechando a porta.

A respiração do mais novo veio em euforia, mas não era algo bom e sim de nervoso. Era a mesma sensação de quando ele é pego fazendo algo de errado.

- Claro que não. Eu vim trocar de roupa! Se eu tivesse "saindo de fininho", eu já estaria na saída - respondeu Hansol, revirando os olhos.

"Sua mãe ficaria orgulhosa dessas suas mentiras, Hansol..." Seu subconsciente ironizou.

Minghao não respondeu sua pergunta, apenas ficou observando o rosto do mais novo que se mantia para não transparecer o seu caos.

- Deseja alguma coisa? - perguntou Hansol, estranhamente formal. Ele só queria sair daqui! Ele está com medo de algo que nem sequer sabe.

- Sim. Quero que você vá comigo em uma festa de lançamento. É hoje a noite - disse o empresário, colocando as mãos no bolso.

Nesses sete meses eles nunca saíram em público. Bem, já foram em restaurantes, viagens curtas, mas nunca em um local com várias pessoas juntas. A mente de Hansol estava em berros de alerta.

- Por que você quer me levar?

- Bem, eu estava conversando com a Im Jinah e ela me disse que quanto mais eventos você ir, mais contatos você vai ter.

- E isso não vai prejudicar você?

- Como assim? - perguntou Minghao, confuso.

- Eu chegar com você em um evento.

- Ah, claro que não, Hansol! - respondeu Minghao, ainda mais confuso com as perguntas do mais novo.

Hansol se vê sem para onde correr assim que o mais velho dá os seus passos ficando em frente a si.

- Você está estranho... Aconteceu algo? - perguntou Minghao, deslizando os seus dedos no rosto alheio, que respondeu negando com a cabeça.

- Tem certeza, neném? - sussurrou Minghao, encostando os seus lábios no pescoço do mais novo.

Hansol puxou o ar pela boca e mordeu os seus lábios engolindo um gemido ao sentir aquela boca chupar uma de suas áreas mais sensíveis.

- Minghao... Não estamos no apartamento! - comentou Hansol, baixinho e com a voz falha.

Ele tentou empurrar o mais velho, mas o seu próprio instituto lhe traiu com as mesmas mãos que iriam empurrá-lo, apertam a camisa do outro para descontar o seu desejo.

- Você anda tão ansioso... Eu estava pensando em seriamente colocarmos mais dias durante a semana. O que você acha, hum? Um dia por semana é muito pouco! - perguntou Minghao, pausadamente, mordiscando o queixo do mais novo.

O que Hansol poderia responder além de acenar em confirmação? Sua mente está em branco, enquanto o seu corpo está praticamente sendo sustentado pelo mais velho.

- Então mais tarde conversaremos sobre isso. Agora vamos no shopping, mas antes... Vem cá, hum! - disse Minghao, puxando gentilmente o mais novo pela nuca encostando os seus lábios com todo desejo.

- Muito prazer senhor Xu!

Um empresário cumprimenta Minghao enquanto Hansol olha distraído para o ambiente. Eles mal colocaram os pés no local e umas três pessoas foram falar com o empresário. A música está baixa e a iluminação está muito forte para o gosto de Hansol. Ele sentiu sendo puxando levemente para uma direção, a qual ele acompanha com os seus passos.

- Boa noite, o que os senhores gostariam de beber? - perguntou o garçom no balcão.

Minghao pediu uma dose de whisky, enquanto Hansol pediu vinho seco.

- Desde quando você gosta de vinho seco? - sussurro Minghao, olhando o mais novo tomando um gole. Ele tem certeza que o mais novo só toma vinho doce.

- Desde sempre! - respondeu Hansol, no mesmo tom.

Tinha passado um tempo em que ambos estavam na mesma posição e Hansol de certa forma começou a ficar inquieto pedindo uma taça atrás da outra. A única coisa que movimentava o espaço a qual foi escolhido para ele ficar parado é a quantidade de pessoas que vem uma atrás da outra falar com Minghao, e o mais novo queria saber do porquê de tanta gente naquela festa vinha falar com ele.

- Por que têm tantas pessoas vindo falar com você? - Sussurrou Hansol.

- Porque as minhas ações estão acima da média e por eu ser novo. Eles acham que vão conseguir me passar a perna! - respondeu Minghao, com um sorriso debochado.

Hansol olha em volta e realmente as pessoas parecem bem mais velha do que ambos, tirando um cara alto, com a expressão séria, de cabelo castanho escuro que está vindo em sua direção. Ele parecia um modelo que saiu da capa de revista.

- Senhor Hwang Minhyun, e aí? - disse Minghao, com uma certa espontaneidade.

Hansol encarou com curiosidade toda a postura de formalidade caindo por ralo abaixo com a conversa de ambos.

- Sempre com um ótimo humor. Como vai as coisas? Achei que não iria vir - comentou Minhyun.

- Bem, eu prometi. Gosto de cumprir com a minha palavra. Mesmo que eu tenha que aturar esse um monte de velhos - disse Minghao, em um tom mais baixo.

- Pelo visto ninguém aqui lhe ofereceu um bom negócio - respondeu Minhyun, rindo de forma maquiavélica.

- Não irá me apresentar? - perguntou Minhyun, encarando fixamente para Hansol.

Hansol olha para Minghao de relance que parecia estar normal. O mais novo não olhou para o empresário como se estivesse pedindo permissão ou algo do tipo. Na verdade Hansol sentiu algo estranho vindo do cara que está lhe encarando tanto, mas talvez seja apenas uma impressão.

- Me chamo, Chwe Hansol - disse estendemos sua mão e logo sentindo ela sendo apertada.

- Chwe... Da antiga empresa Chwe? - perguntou Minhyun, pensativo.
Hansol se mexe um pouco desconfortável com a pergunta. Ele não gostava de lembrar do passado. Ele olha para Minghao rapidamente que claramente está com o seu olhar de dúvida. Merda!

- Sim... - respondeu Hansol.

- Meu pai já fechou negócios com o seu pai. Era o seu pai, certo? - perguntou Minhyun, que Hansol acenou em confirmação.

Mesmo que Hansol não goste de lembrar do passado, porém quando ele é citado é difícil de se esquecer. Mesmo que a culpa não fosse sua, ele se sentia culpa. E em uma forma de escapar ele repete a frase que sua mãe lhe disse: "Eu fiz pela nossa sobrevivência, eu fiz por amor, eu fiz pela nossa sobrevivência, eu fiz por amor..."

- Meus pêsames pelo seu pai! - disse Minhyun, formalmente e completou - Bem, eu vou cumprimentar os outros convidados.

Hansol olhava para os lados tentando não olhar para o mais velho. Ele não queria perguntas, mesmo sentindo que o Minghao iria perguntar, algo que o mais velho não fez.

- Hansol, você sabe que você não tem uma coleira. Você pode andar por aí! - disse Minghao como se fosse algo óbvio.

Porém mesmo que seja óbvio, Minghao tem sempre que lembrar o mais novo, isso pois, Hansol esquece que Minghao não é um cara autoritário. Minghao não vai brigar consigo, caso ele falar com qualquer outra pessoa. Simplesmente não tem necessidade disso, Minghao tem confiança em si.

- E também, você não pode continuar descontando sua impaciência com essa monotonia em vinho seco, neném! - sussurrou Minghao, mais perto do que ele deveria pelo local a qual estão.
Hansol encara aqueles olhos mordendo levemente os seus lábios tentando controlar os seus atos pelo arrepio que sentiu na nuca pelo tom de voz do mais velho.

Não era controle de Minghao sobre si, ele só parecia preocupado mesmo.

Hansol caminha pelo salão até que algo lhe chama total atenção, a mesa com comida. Ele anda em seu passos se deparando com vários tipos de salgadinhos. Ele pega um e coloca em sua boca, enquanto tenta esquecer os fantasmas do passado.

- Hansol! - chamou alguém atrás de si.

- Aron! - exclamou Hansol, surpreso olhando para o cara com sua câmera.

Aron foi a pessoa que tirou suas fotos para campanha.

- Que bom que eu te achei! - Aron comentou como se estivesse falando para si mesmo.

- O que houve?

- Olha, não me pergunte como eu sei ou nada parecido. Apenas fale para Jr que ele sabe onde está escondido - disse Aron, em um tom preocupado.

- Como? Ele quem? Como que você conhece Jr? - perguntou Hansol, todos confuso.

- Ele sabe quem é! Apenas diga isso para ele. Agora eu tenho que ir! - disse Aron, olhando para o seu relógio e se distanciando.

Ele vê o garoto que ele mal conhece saindo do local tentando não ser visto. Hansol anda para o canto todo confuso com quem praticamente acabou de conhecer a poucos dias.

Aron estava lhe procurando? Como ele conhece Jr? Como ele sabe que Jr está na sua casa? De quem Jr está se escondendo, afinal?

São tantas perguntas que estão rolando em sua mente que ele toma um susto com uma mão pousando em seu ombro. Ele virá para trás assustado se deparando com Choi SeungCheol.

- O que você quer? - perguntou Hansol, secamente.

Desde que Hansol disse que não assinaria mais o contrato a insistência da parte de SeungCheol não parava.

- Calma, docinho. Eu só quero conversar com você. Ou você quer fazer um escândalo bem aqui perto de todo mundo?

Hansol olha para os lados e bufa voltando o seu olhar para SeungCheol.

- Seja breve então!

- Eu fiquei bastante intrigado de você me ligar do nada e desmarcando todo o combinado. Até que eu descobri que você foi agenciado pela Im Jinah e que até já está em uma campanha de joias...

- Diga algo que eu não sei! - Hansol interrompeu querendo sair de perto de SeungCheol sem fazer um escândalo.

- ...E que é a campanha da nova coleção da empresa de Xu Minghao. Que não seria o mesmo que sua mãe estava reclamando que você não estava conseguindo nada? Pelo visto você sentou bastante para conseguir convencer a lhe colocar na campanha!
Hansol olha seriamente para aquele olhar cínico de SeungCheol. O seu sangue estava esquentando gradativamente de forma intensa.

- Aonde você quer chegar com isso? - perguntou Hansol, rugindo entre os dentes.

- Aonde eu quero chegar, é que, eu lhe quero fazer uma proposta.

- E qual seria? - perguntou Hansol, respirando fundo para tentar manter sua raiva sobre o controle.

- Fica comigo que eu te dou tudo - disse SeungCheol, seriamente.

- Que? Por quê? - perguntou Hansol, com os olhos arregalados e assustado com o que acabou de ouvir. Era sério isso?

- Eu sei das condições de sua família atualmente, Hansol. E o Xu Minghao cedo ou mais tarde vai descobrir sobre sua família.

- Não estou vendo suas vantagens nisso!

- Garotinho esperto... Bem, digamos que eu tenha uma intriga com ele! - disse SeungCheol.

Faz total sentido. Principalmente pelo tom que Minghao falou de SeungCheol com Hansol quando lhe viu na balada. Mas o que seria essa intriga?

- Então isso seria um jogo para você?
Hansol estava ali tentando se controlar, de certa forma toda aquela conversa está lhe deixando bastante irritado.

- Claro! - respondeu SeungCheol, com um sorriso nos lábios.

- Minha resposta é não! - disse Hansol caminhando para longe de SeungCheol, mas os seus passos foram interrompidos com a cena que os seus olhos não estão acreditando no que ver.

Minghao está no mesmo lugar, contudo está uma mulher de cabelo descolorido e vestindo um vestido preto com o seu corpo extremamente próximo dele. Ele sorriu mordendo os seus lábios ao mesmo tempo em que ela diz algo em seu ouvido.

- Agora tudo está mais claro, não só são sentadas! Como você pode ser tão inocente, Hansol? Ele não presta! - disse SeungCheol, atrás de Hansol enquanto ria ironicamente.

- Vai se foder, SeungCheol! - disse Hansol, andando em direção a saída.
Hansol poderia sim ir até Minghao e perguntar o que estava acontecendo e quem é aquela garota, mas pela raiva que ele está sentindo neste momento não iria acabar nada bem. Como tanto em tão pouco tempo?

Ele bate a porta do táxi na mesma intensidade que ele bateu a porta de sua casa. Hansol está uma pilha de nervos. Ele entra no seu quarto, coloca o travesseiro no seu rosto e grita até doer sua garganta. Ele está com raiva de Minghao, raiva de sua vida e raiva de tudo! Por que tudo tem que ser tão complicado? Mesmo que ele não quisesse suas lágrimas deslizavam pelo seu rosto, ao mesmo tempo em que ele socava o seu travesseiro.

Ele escuta o bater em sua porta que está aberta. Ele olha para o lado e ver Jr todo de preto e com a mochila nas costas.

- O que aconteceu, garoto? - perguntou Jr, cruzando os braços.

- Não é nada! - respondeu Hansol, passando as mãos em seu rosto enxugando suas lágrimas.

- Ah, então chorar, gritar e socar o travesseiro virou algum esporte? Vamos, fale logo! - disse Jr, com um tom sem paciência.

- Tive um dia ruim.

- Isso eu já percebi, quero detalhes! - disse Jr, revirando os olhos.

- Eu estava em um evento e Seungcheol me falou umas besteira e quando eu fui olhar para o lado Minghao estava com uma garota! E meu pai... Me reconheceram por causa do meu pai! Merda! - disse Hansol, apertado os próprios fios do seu cabelo em um punho.

- Se você não levasse as coisas pela emoção, não estaria afetado com nada disso - comentou Jr, dando de ombros.

Mas Hansol não tinha o que responder, pois era a verdade e ele se deixou soltar as lágrimas que ele estava prendendo para falar com o mais velho. Ele se deixa cair com o seu corpo na cama, e chora cada vez mais. Hansol estava se sentindo fraco. Jr olha para o estado do garoto e se mexe um pouco desconfortável.

- Certo, certo! Você me promete que nunca vai falar o que vai acontecer aqui? - perguntou Jr, tirando sua mochila das costas.

- Prometo! - respondeu Hansol, sem ao menos saber o que é.

Jr se senta na cama e puxou Hansol pela mão lhe envolvendo em seus braços. Apesar do mais novo ter ficado assustado com tal atitude, ele responde na mesma intensidade.

- Fica calmo! - disse Jr baixinho e acariciando os fios do cabelo mais novo.

Jr se afasta um pouco e enxuga as lágrimas que insistem em cair.

- Eu não queria ser assim. Eu não queria ter essa vida. Por que eu não posso fazer o eu quero?

- Mas você pode fazer o que quiser, filhote! - respondeu Jr, como se fosse óbvio.

- Mas minha mãe... - Hansol estava tentando se explicar, mas Jr lhe interrompeu.

- Você quer saber, Hansol? Sua mãe precisa mais de você e da sua irmã do que o inverso. Ela está velha o suficiente e colocam vocês para fazer o serviço que ela fazia. Ela depende de vocês, ela não pode opinar em nada. Ela fala como se pudesse, mas ela não pode. E você é lindo, garoto! Você não faz ideia do estrago que pode fazer nas pessoas... É só você arrancar isso que lhe incomoda! - disse Jr, apontado para o coração de Hansol. - Não sinta! Você só está assim, porque isso ainda está no seu peito. Jogue isso fora! Quando você não sentir mais nada, tudo será mais fácil e viável. Não tenha medo das coisas. Se alguma merda estiver lhe incomodando, fale, grite, bata... Só não deixe ela dentro de você por muito tempo, porque senão você vai começar sentí-la. Entendeu?
Hansol está tão chocado dessas palavras está saindo de Jr, que ele só conseguiu acenar em confirmação. Mas ele lembrou de algo.

- Jr, chegou um fotógrafo, Aron, dizendo que não era para perguntar como ou porquê, mas é para te avisar que "ele" já sabe onde você está.

- Eu já desconfiava. Bem, eu vou indo! - disse Jr, olhando para mochila.

- Você já vai? Para onde? - perguntou Hansol, triste.

- Eu vou ver.

- E por que você está fugindo?

- Porque ele está com o meu coração, filhote. E eu quero que ambos se fodam! - O mais novo encarou Jr sem entender.

Hansol se despediu de Jr sentindo o seu coração apertado. É como se alguém da sua própria família tivesse ido embora. Ele foi andando até um bar perto de sua casa que estava tocando uma música muito agradável para os seus ouvidos. Ele estava formal demais para o local, contudo ele não estava ligando pela forma que ele estava chamando a atenção. Não tinha ninguém em sua casa para lhe impedir de quebrar as coisas, pois era isso que sua raiva estava pedindo. Porém entre copos e copos em cima do balcão, a sua raiva estava se transformando em mágoa sentido o seu peito machucado como se realmente alguém tivesse cravado algo em si.

Jr tinha razão, os seus sentimentos só lhe atrapalhavam. Ele não estaria nessa se ele tivesse dito a verdade para sua mãe desde o começo e seguido com plano. Mas ele estava receoso, ele não queria magoar Minghao, que claramente parece não se importar com nada. Mesmo que a vontade de Hansol fosse de gritar e bater no empresário, ele não poderia. E não é pelo dinheiro, e sim pelo título que ele não tem. Eles não têm um compromisso além do sexo casual. Esse foi o trato. Minghao poderia ficar com quem quiser e Hansol também. Porém nada disso estava funcionando para Hansol. Era para ser algo sem compromisso que começou com pequenos flertes, mas ele está se sentindo descontrolado e dependente do outro. Ele já perdeu as contas de quantos dias ele foi fora do combinado pelo simples fato da vontade insana de transar com o empresário.

O seu celular toca mais uma vez nessa noite e ele nem precisava ver quem é. Ele sabia muito bem pelo tamanho da insistência.

"Não seja covarde, Hansol! Resolva essa merda logo!" disse sua subconsciência mais alucinante do que o normal pela quantidade de álcool que está em seu corpo.

- Alô!

- Hansol, aonde você está? Me mande a localização da onde você está agora!
Hansol não lhe respondeu nada, apenas desligou a ligação sem despedir e enviou a localização por mensagem. Ele nunca escutou a voz de Minghao tão brava, mas em seu estado em que se encontra se importar está no último de sua lista.

Minghao chegou depois de cinco minutos lhe puxando dali. Todo o caminho foi silencioso e sem importância para Hansol. Ele entra no apartamento escutando a porta se fechando atrás de si.

- Por que você saiu da festa sem falar comigo? - perguntou Minghao, cruzando os seus braços.

Como ele ousa perguntar isso? Era isso que Hansol se perguntava.

- Você está perguntando para mim? Por que você não pergunta para aquela garota que você estava conversando?
Minghao sente os seus músculos se relaxarem gradativamente e uma onda de alívio por todo seu corpo.

- Então é só isso? - perguntou Minghao, descruzado os seus braços.

- Não diminua o que eu estava sentindo dizendo "só"! Se você soubesse a vontade que eu estava de socar a sua cara, não ficaria nada "só" - disse Hansol, cheio de raiva.

Minghao não lhe disse nada, o que fez Hansol continuar falando.

- Isso não está funcionando! Isso não está certo! Não está dando mais! - disse Hansol, pensando alto.

- Do que você está falando, Hansol? - perguntou Minghao se aproximando do mais novo, mas ele tenta se afastar.

- Eu não tenho sangue para tudo isso! - respondeu Hansol, sentido o seu coração apertar.

A questão é que o trato que foi feito com Minghao era para ser algo sem compromisso, contudo Hansol está sentindo de forma falha que ele não consegue honrar com isso. Ele odiou ver aquela garota próxima de Minghao e ele não quer sentir tudo isso de novo.
Mesmo com as falas um tanto emboladas do mais novo, Minghao sabia exatamente aonde ele queria chegar.

- Você está bêbado, não sabe o que está dizendo! - disse Minghao, tentando se aproximar novamente.

- Não diminua as minhas palavras pelo o meu estado! Eu sei muito bem o que estou dizendo! - disse Hansol, com ainda mais raiva sentido o seu corpo preso entre os braços de Minghao.

- Você estava chorando? - perguntou Minghao, olhando para aquele olhos que estão um pouco vermelhos.

Parecia que era só falar a palavra "choro" que as torneirinhas dos olhos do mais novo se abriam. Hansol engoliu seco tentando prender suas lágrimas.

- Eu não quero mais isso, eu não quero mais sentir isso! - disse Hansol, em clamor deixando uma lágrima teimosa deslizar do seu rosto.

- Você não vai se sentir mais assim. Eu vou cuidar dos meus atos da próxima vez! Eu prometo! - sussurrou Minghao, deslizando seus dedos no rosto do mais novo e deixando um beijo em sua testa.

Hansol só queria acreditar que isso seria verdade. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...