1. Spirit Fanfics >
  2. Ruína da mascara humana >
  3. O numero 107

História Ruína da mascara humana - Capítulo 2


Escrita por: e DarkPantherTV


Notas do Autor


Boa leitura.

Capítulo 2 - O numero 107


  O que seria a pós vida para você? O fim, ou o começo? Uma história acabada, ou começo de um novo livro?

Para onde vamos quando tudo se resume a um buraco de 12 pés de profundidade? Como nossos sonhos, nossas lutas, vão ser reconhecidas? Por que... Por que... Por que... Por que…

Eu sempre pensei sobre isso, mas se quer tive vida até o momento. A culpa não é de meus pais, é somente minha. Ou será que essa é a vida? Provavelmente não... suspiro Por que?... Por que as ruínas são assim?…

 

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

Capítulo 1

O despertar do músico!

 

Oi.

Meu nome? Eu, sou você. Sim, você que está lendo. Eu sou você.

Sou seu interior. Sabe, nós temos medo da morte, mas é ela que faz o ciclo dar sua última volta. Pode ser doloroso, mas aceitar quem somos, e o que aconteceu, é o certo. A vida é um caminho, que nada mais é do que um teatro, uma performance. Agora, resta a você interpretar um personagem ou a si mesmo. Ser algo marcante para todos na plateia.

 

Os melhores atores se deixam colocar na peça para torná-la humana. Mas... Quando as cortinas se fecham... As criticas vem, não? As pessoas, os juízes, todos te julgam. Se você foi bem, só deus sabe. As ruínas são isso, um lugar pós morte, para julgar se você foi ou não como deveria ser. Aqui, não se paga seus pecados, mas sim, sua performance, nem todos tem papel de herói.

 

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

- Flash back -

 

Ei! – eu escuta uma voz grossa de um adolescente, não dá para identificar se é homem ou mulher.

 

Oi, Tecoara o que foi? - Eu me viro com cuidado, estou em cima de um prédio de 107 andares da para ver tudo daqui. Toda a cidade,  todas as ruínas, tudo mesmo. É lindo.

 

Já falei para me chamar de Teco... Mas, mano, porque tá aqui? - Ele senta ao meu lado.

 

Pelo que eu me lembro Tecoara apareceu nas ruínas com 17 anos, tava tão alegre que nem parecia assustado com tudo que aconteceu com ele... Ser brutalmente assassinado... Não é uma coisa boa em minha visão. Sua pele é clara, seus olhos são vermelhos, com cabelo raspado nas laterais, ele usa roupas vermelhas e azuis largas. Ele não é feio, mas também não é a beleza em pessoa, quando eu o conheci ele já veio todo animado, viramos amigos rápidos e depois melhores amigos, nosso laço é bem forte, desde então nós nos consideramos irmãos.

 

Eu também não sei... - Por que eu sinto esse vazio? Eu sei que ele está olhando para mim pelo canto do olho eu sinto isso.

 

Sabe… você não é diferente de mim, por que não experimenta? - O lado ruim de conhecer uma pessoa que é bem próxima de você é que ela sabe o que passa em sua mente.

 

Porque tenho medo de nunca mais voltar para casa... De nunca mais te ver, de nunca mais ver o pessoal… Nunca mais ver nenhum dos seus rostos... - Sinto uma lágrima descer em meu rosto. E logo um abraço.

 

Eu sempre vou estar com você, você sabe disso. - Ele desfaz o abraço e se levanta no parapeito, e estende a mão. - Eu prometo. - Esse sorriso, ele é o único que me faz sentir parte de uma família.

.

.

.

.

.

.

- Tempo atuais -

 

Já se passaram 2 anos... Quem diria. Eu sai e voltei... E adivinha! Ele cumpriu a promessa. Mas no tempo que eu fiquei fora, colocaram ele para ser um Liternyl, ele guarda o remorso... Eu, quando voltei, também virei um Liternyl...Eu guardo o desgosto

 

Ah, verdade, você não sabe direito o que é Liternyl. São pessoas que foram amadas ou odiadas em sua vida. Graças as pessoas que tiveram sentimentos ruins em sua volta, ao morrer será guardiã daquele sentimento. Mesmo não tendo culpa delas sentirem isso, ela vai ter que carregar isso para o resto da eternidade.

A Pantera teve a brilhante ideia de dar uma tarefa para mim, eu consigo atravessar as duas realidades, uma coisa rara, só eu, meu irmão e um velho tarado fazemos isso... Mas tanto faz. Fui designado a fazer as pessoas se alinharem em seu caminho enquanto vivas. Sabe, aquela pessoa que do nada na rua te dá bom dia no seu pior dia. Aquela pessoa que diz que você está ótima, mesmo sem a conhecer. Aquela pessoa que te dá dinheiro mesmo sem a conhecer. Pois bem, sou eu.

Eu tento melhorar sua vida, para que você não sofra como eu e o Teco.

 

Ei mano! - Ele, sempre animado.

 

Eu queria…

 

Ei espera Emarã! - ele está se aproximando.

 

Só queria…

 

Para ae mano! - tá mais próximo.

 

Ver a vida de novo…

 

Ufa... respiro fundo cê anda rápido. - ele se apoia em meu ombro, ele nunca teve folego suficiente, deve ter fumado enquanto estava vivo.

 

E arrumar as coisas que te fizeram mal...

 

Foi mau, você é muito lerdo. - Eu falo isso, e ele ri.

 

Você que tem essas pernas de vara pau, e cada passo seu dá 20 metros. - Ele ri mais ainda, deve ser porque eu fiz uma cara de desprezo, mas minhas pernas não são tão grandes assim... Eu acho…

 

Tanto faz, vamos para barraca ou não? - Ele acena com a cabeça e vai caminhando até uma barraca. Bem, estamos em um parque. O céu aqui nas ruínas é um azul meio prateado, e a grama é bem cortada... Por que eu parei para observar isso? Tanto faz, eu tava indo na direção do Teco até sentir uma mão no meu ombro.

 

Tenho uma coisa para você e para seu irmão. - a voz da Pantera, uma voz grossa de uma mulher. Ela usa um terno feminino todo preto, tem olhos cor de preto, sua pele é morena, tem cabelos negros ondulados, e usa uma cartola bem estilosa. Ela deve ter seus 1,79 metros de altura, pois eu sou da mesma altura que ela.

 

Podemos esperar o Tecoara chegar? Depois conversamos sobre isso... - Ele chegou bem na hora com 2 cachorros quentes.

 

Ah, oi pantera, firmeza? - Ele me entrega um cachorro quente.

 

Ele já está aqui, então já vou falando…- Seus olhos ficam mais escuros.

 

 

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

Coreia do sul– Gwangju / 10:47 A.M / 10 de Agosto de @027

 

"Qual é Areum! Vamos logo!"

 

Ah~ não… - Eu odeio terças feiras, como eu odeio.

 

Vamos nos atrasar para o clube! - Minha irmã está correndo que nem louca pela sala da escola, ela tá procurando sua mochila, que por sinal eu escondi.

 

Não~ - Me deito no chão, a Chaewon não é boa de achar coisas. Então vamos nós atrasar, assim não iremos para o clube...

 

ACHEI! - Ah não, me levanto rápido não acreditando, e vejo ela pegando sua bolsa de cima da lousa. Ah mas, eu deixei fácil, da próxima vou jogar pela janela.

 

Era para eu gritar de alegria? - Me sento no chão com cara de tédio.

 

Qual é, o clube de mundos paralelos não é ruim assim. Dê uma chance! - Por que eu devo acreditar nela?

 

Beleza. - POR QUE EU DISSE ISSO???? - Me ajuda a levantar... - Estico minha mão.

 

Ela vem em minha direção e pega minha mão, ela faz tanta força que da pra enxergar sua alma deixando seu corpo pela boca, mas consegue me puxar, fazendo eu ficar em pé. A escola é um lugar chato para um senhor cacete, a única coisa que me diverte é isso... Ah, cê não entendeu? Ok, eu me divirto irritando minha irmã. Estamos na mesma sala e ela fica na minha frente, então é um prato cheio para eu provocar ela.

 

Andando pelos corredores que parecem uma capela, eu percebo que estou chamando atenção. (Hum~ eu odeio isso. Qual é mano, olhem para outro lado, garanto que não gostariam se fossem encarados).

 

“Ela é linda né.”
 

Ai papai, quem dera namorar ela”
 

“Oi gata! Quer sair depois?”

HUM, garanto que ela não é mais virg-”

 

Tampo meus ouvidos, eu só queria ser uma garota normal com uma vida normal, sem piadinhas sobre meu corpo e nem… Bem, deixa. Chegamos a sala 107... Aqui não era um biblioteca? Minha irmã abre a porta e tem 3 adolescentes lá dentro lendo livros em... Látim? Nossa, são bem empenhados nisso eim…

 

Oi pessoal! Essa é minha irmã a qual eu falei. - Ela me apresen- pera, “a qual falei?”- O que você falou para eles Chae???

 

Prazer em conhecer, Areum certo? - Uma garota fala sem tirar seus olhos do livro, a capa diz  "Grupo 107". - Sou Hanzel.

 

Sou Silas. - Um garoto negro fala sorrindo para mim. Seus olhos são verdes bem claros, é viciante ficar olhando.

 

Sou... - O outro para olha para os outros dois que dão positivo com a cabeça. - sou Elmer.

 

Prazer em conhecer. - Alguém me tira daquiiii. -  Mas então, o que vocês estão estudando? - Chae, você me paga.

 

Hum? Ah sim. - Esse Silas parece ser o mais legal do grupo. - Estou vendo "A falha na matriz".

 

Eu estou estudando sobre... - Elmer vira o livro e lê a capa...esse cara tá fingindo ler? - “O que há no jardim da morte”

 

E você, Hanzel? - Por que me parece que ela não vai responder?

 

Estou vendo uma coisa que não é de sua conta. - Delicada como um coice, devia ter deixado quieto.

 

Dá para ver o meu desconforto de estar aqui? Espero que dê. A Chae pega um livro em sua bolsa e se senta ao lado de Silas (esses dois tem rolo), e começa a ler. Eu me viro e vou andando pela sala. Vou passando meu dedo nas prateleiras até parar em um livro com uma capa azul acinzentado. Quando eu o pego, sua capa diz “Ruína da máscara humana”, até que me interessei! Abrri o primeiro capítulo, se chama “O despertar do músico!”.  Acho que vou gostar de ler.


Notas Finais


valeu por me deixar editar kkk kisses xoxo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...