História Rumor Has It - G!P (Semi) - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Demi Lovato, Selena Gomez
Personagens Demi Lovato, Selena Gomez
Tags Demilovato, Romance, Selenagomez, Semi
Visualizações 13
Palavras 1.130
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: LGBT, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 6 - 6.


Demi estava enganada.

Selena jamais aprendeu a lidar com o sogro. Na verdade, sentiu-se intimidada desde o primeiro encontro. Michael era um velho desagradável, egocêntrico e sedento de poder que a via como obstáculo aos planos gloriosos que traçara para a filha primogênita. Mas era inteligente o bastante para não deixar que Demi desconfiasse disso.

Oh, não escondeu seu desapontamento inicial, criticando os cubanos e duvidando da capacidade de Selena de adotar o estilo de vida que a família Lovato levava. Entretanto, ao notar a determinação da filha, apenas ficara de lado. Observando, tramando, esperando pelo momento certo de agir. Implicara logo de início com a timidez de Selena e a explorava impiedosamente, forçando-a a enfrentar situações nas quais ela se sentia totalmente vulnerável. Sabia que o poder e o dinheiro dos Jauregui a intimidavam e que ela só ficava à vontade com Demi por perto. Por isso, cuidou para que a filha passasse a maior parte do tempo viajando. E assumiu o papel de acompanhante da nora, disfarçando a hostilidade na presença de Demi e propondo-se a ser uma espécie de mentor, para ensinar-lhe o comportamento social esperado de uma mulher da alta sociedade.

Como conseqüência, Selena passou o primeiro ano de casamento em meio a um atordoante mundo de roupas elegantes, carros do ano e pessoas fúteis que adoravam beijar o chão em que Michael lovato pisava e zombar de sua nora simplória. A parte mais triste era que, nas poucas vezes em que ficava a sós com Demi e decidia desabafar, a esposa se zangava, tomava as dores do pai. Isso a deixava ainda mais infeliz e isolada. O casamento começou a sofrer desgastes.

Quando Demi estava em casa, Michael era um encanto de pessoa, o que deixava Selena num estado de tensão que a esposa não conseguia compreender. E, quando ele se encontrava por perto, as pessoas que escarneciam dela tratavam-na com a mais absoluta simpatia. Um homem, o canadense Justin Bieber, começou a lhe dar uma atenção especial. Sempre que ela saía com Michael, Bieber se aproximava para conversar ou dançar, monopolizando toda a sua atenção. Por outro lado, quando Demi estava por perto, jamais aparecia.

— Quem é esse canadense? - ela viria a perguntar certa noite, quando estavam se preparando para dormir.

— Justin Bieber ? - ela indagara. - É um amigo de seu pai.

— Não foi o que ouvi. Corte essa amizade - advertiu Demi. - Ou prefere que eu o faça?

Estressada com a tensão gerada pelo jogo de Michael Lovato, Selena desabafou:

— Se você não se dá ao trabalho de passar mais tempo comigo, que direito tem de determinar com quem posso me relacionar?

— O direito como sua esposa! - ela respondeu com arrogância.

— Você se denomina esposa? Pois não passa da mulher que ocasionalmente dorme em minha cama! Quanto tempo ficou fora dessa vez? Duas, quase três semanas? O que devo fazer quando você não estiver por perto? Um retiro espiritual? Se quer saber o que faço de cada minuto de minha vida, fique em casa e descubra!

— Tenho que cuidar dos negócios! - ela retrucou com rispidez. - Os mesmos negócios que pagam suas roupas caras e o nível de vida luxuoso que lhe permite usá-las!

— Por acaso lhe pedi alguma roupa? Acomodações luxuosas? Quando me apaixonei por você, apaixonei-me pela mulher, não pelo dinheiro! Mas eu quase nunca vejo a mulher!

— Pois está vendo agora.

Selena contemplou o corpo alvo e musculoso, em gloriosa nudez. Entretanto, pela primeira vez viria a recusar o convite que a voz rouca lhe fizera.

— Estamos casadas há quase um ano - disse - Posso contar nos dedos de uma das mãos as semanas que efetivamente passamos juntos. E esta não é a minha casa. É a de seu pai! Nas poucas ocasiões em que você fica aqui, dá prioridade a Michael.

— É doentio o ciúme que você tem de meu relacionamento com meu pai!

— Odeio morar aqui! Se não pode passar mais tempo comigo, prefiro voltar a Miami. Preciso de trabalho para preencher meus dias. Quero ter vida própria, e isso não inclui passar o dia em cabeleireiros, fazendo compras e sentindo-me uma estranha no meio desses italianos!

— Talvez prefira um canadense...

Ela suspirou, irritada.

— Isso não tem nada a ver com Justin.

— Não?

— Não! Isso tem a ver apenas conosco e com um casamento que não anda porque você não tem tempo! Tem a ver com o fato de eu estar infeliz aqui! - As lágrimas toldaram a visão de Selena. - Será que não percebe que não posso continuar assim? Eles... Seu pai, seus amigos, todos me sufocam! Fico assustada quando você parte!

Aquela súplica, vinda do fundo do coração, deveria tê-la sensibilizado, tê-la lembrado da criatura doce e suave por quem se apaixonara. Mas Demi era, acima de tudo, uma mulher possessiva.

— Venha para a cama! - ela ordenou.

— Não! - Ela começou a tremer ao perceber a expressão exasperada naquele rosto. - Quero discutir isso até o fim!

Ela começou a se aproximar.selena recuou, as mãos trêmulas estendidas para afastá-la.

— Não, por favor. Você está me assustando. Não quero ter medo de você também...

Mas ela não ouviu. E então a feriu. Não fisicamente, mas com sua sensualidade crua e impiedosa.

— Aproxime-se daquele canadense e mato os dois! - ameaçou, brutal e ofegante. - O que é meu, eu protejo. E você é minha!

"O que é meu, eu protejo"

Demi nunca voltara atrás na palavra dada, nem durante o mês seguinte, quando simplesmente desaparecera. Enquanto isso, Selena sequer suspeitava da armadilha que Michael armara. Certa noite, ele lhe entregou uma mensagem de Demi, pedindo-lhe que a encontrasse num hotel em Catânia, no qual haviam se hospedado algumas vezes. Ela entrou na suíte reservada, nervosa, assustada e rezando para que finalmente pudessem ter uma conversa a sós. Abriu a porta com a chave que lhe fora entregue, levou a pequena mala até o quarto e voltou para a sala, onde ficou esperando. Ela não veio. Por volta das dez horas da noite, Selena já estava deprimida e zangada. Por volta das onze, decidiu preparar-se para dormir. À meia-noite, ainda rolava na cama quando ouviu o som de outra chave na porta. A felicidade fez com que saltasse da cama, com sua adorável camisola de seda creme, e corresse até a entrada da suíte. Foi quando teve início o choque, o horror, a confusão. Não foi Demi quem encontrou, mas Justin sorrindo cinicamente.

— Querida, você está encantadora... Como sempre!

Selena ficou paralisada. Não conseguia abrir a boca. Ele se aproximou e a abraçou. Ela não conseguia reagir. No instante seguinte, alguém escancarou a porta. Então Demi entrou, o rosto petrificado pelo ódio.

— Então meu pai estava certo! - esbravejou furiosa.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...