História Rumours - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Sou Luna
Tags Ámbar Smith, Simbar, Simón Álvarez, Sou Luna
Visualizações 758
Palavras 2.200
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mais um capítulo de Rumours e com hot dessa vez.
Vamos para mais um capítulo.

Capítulo 6 - Capítulo 6


Fanfic / Fanfiction Rumours - Capítulo 6 - Capítulo 6

Sexo.

      Uma palavra que passou de algo constrangedor para normal entre vários adolescentes, apesar dos enormes tabus que ainda o cercam.

       Para os pais, os adolescentes ainda continuam inocentes como eram quando crianças e desconhecem tal ato...

      ... mas é uma informação bem errada.

      Pais já foram adolescentes despreocupados com a vida, deviam saber melhor que ninguém que existe a prática sexual entre jovens. Sra. Álvarez sabia bem disso - Mas não vamos falar dela agora.



      Amor.

      Podia ser isso que tornava o sexo tão inesquecível. Já pararam para pensar nisso?

      Sexo sem sentimentos é só um sexo comum que você pode fazer até com um desconhecido, mas quando o amor é envolvido na hora h, a relação sexual se torna "fazer amor" - o termo mais meloso de todos - e é... incrível.


     Simon não tirou a roupa de Âmbar de primeira e tampouco queria, só um pouco de carinho e afeto podia ser ótimo agora.

      Suas carícias no rosto de Âmbar enquanto se beijavam deixava a garota até corada, coisa que nunca aconteceu antes.

      Com suas mãos acariciando o rosto de Âmbar, Simon puxava-a lentamente para mais perto de seu corpo de forma doce.

     Seu coração palpitava mais rápido a cada toque, a cada carícia que Simon dava e Âmbar pôde pensar que estivesse louca pela primeira vez.

      Lentamente, o Álvarez leva suas mãos para a camiseta preta de Âmbar e vai puxando calmamente e sem pressa, admirando o corpo da jovem loira.

      Sua boca foi para todo o tórax da argentina e depositava leves beijos na garota, que se arrepiava com o toque. Ele subiu um pouco mais e foi para o seu pescoço, onde beijou toda aquela parte suavamente.

      Âmbar sorria. Sorriu como nunca havia sorrido antes. Um sorriso largo e fofo. A garota aproveitou e também iniciou suas carícias. Levou suas mãos para o cabelo do mexicano e começou a fazer cafuné no rapaz, que ainda estava no seu pescoço e a Smith sentiu ele sorri contra sua pele.

      Simon volta a mirar Âmbar com um olhar intenso e a mais baixa também o mirava da mesma forma. O mexicano tirou da frente do rosto da Smith umas mechas do seu cabelo.

      - Você é tão linda! - Simon fala e Âmbar cora mais uma vez.

      Âmbar nunca ficava corada, mas hoje Simon conseguiu fazer ela ficar assim. O Álvarez apenas sorriu e a beijou mais uma vez.

      As mãos de Simon foram para os seios cobertos pelo sutiã de Âmbar e começa massageando-os. A rosada arfa. A mesma já sentia sua intimidade começando a ficar molhada. Efeito Simon Álvarez.

      Âmbar agradeceu ao perceber que a camisa de Simon era de botões, então foi tirando-a sem que ambos se separassem dos beijos - apesar das mãos de Simon sair um pouco de seus seios para que assim a camiseta saísse -. Ela jogou em um canto qualquer de seu quarto.

      A boca quente de Simon abocanha o peito inteiro de Âmbar após ter se livrado do sutiã da mesma. A garota geme baixinho.

      As unhas de Âmbar foram passando para as costas de Simon e arranhava-o, diferente das outras vezes, suavemente.

      O membro de Simon começara a crescer pelo jeans do garoto e vai Âmbar já começara a se excitar ainda mais. As mãos da mesma foram para a bunda gostosa e grande do garoto e apertou fortemente. O mesmo arfa.

       - Eu ainda tenho vontade de morder essa bunda de novo! - Âmbar sorri marota.

      - Ah, isso não vai acontecer não! - Simon diz sorrindo.

      - Isso é o que veremos, Álvarez!

      O rapaz desce suas mãos para o short da argentina e retira-o, deixando-a somente de calcinha. Sem esperar, Simon leva sua mão para dentro da calcinha de Âmbar, massageando o seu clitóris e sentindo-a completamente quente e molhada. Sua outra mão estava no seio direito, enquanto a boca estava no seio esquerdo. Âmbar geme mais uma vez.

      Seu corpo reagia aos toques de Simon assim como qualquer exemplo da lei de ação e reação. A loira fechou seus olhos e apenas sentia as mãos de Álvarez levando-a para o céu.

      Simon começou a descer beijando o corpo de Âmbar até chegar na intimidade da moça.
      O Álvarez  leva suas mãos para a barra da calcinha de Âmbar e retira complementamente, mostrando a sua intimidade quente e úmida tão deliciosa.

      Simon mete sua língua dentro de Âmbar, que quase solta um grito, mas reprimiu ao lembrar que a mãe do Álvarez ainda estava aqui.

      O garoto massageava a boceta de Âmbar com a língua e ela adorava isso. Mais oral e menos drama. É tudo que esse mundo precisava. Simon a chupava tão bem que Âmbar perdeu as contas de quantas vezes queria gemer e gritar loucamente, mas se conteu.

      Para provocá-la ainda mais, o mesmo penetrou um dedo na loira e depois penetra outro e mais outro, atingindo o ponto G da mesma. Ela geme alto.

      Âmbar sentia que estava prestes a gozar, mas segura firme pois não iria chegar ao ápice. Não agora.

      - Está uma delícia! -

      Âmbar sussurra, mas Simon escutou, fazendo o mesmo ir mais rápido e mais rápido com seus movimentos. Âmbar não se conteu e gritou.

      - S-Simon! - a menina gemeu seu nome.

      - Shiu!  - Simon sai rapidamente dos lábios de baixo de Âmbar - Calada!

      Ele volta mais uma vez para a vagina de Âmbar e a garota já sentia suas pernas bambas, extremamente bambas, até que ela não consegue mais segurar e goza gostoso na boca do mesmo.

      O garoto engole todo líquido quente da menina.

      - Delícia! - Simon sussurra.

      - Minha vez!

      Âmbar fica em cima do mesmo, ainda com suas pernas bambas, e começa a desabotoar a calça do garoto, se livrando dela e de sua cueca juntas.

      O membro de Simon "saltou alto" de tão duro que estava e a garota sorriu ao ver ele assim.

      Ela leva suas mãos até seu membro e começa a bater uma para Simon, enquanto dava uns chupões por todo tórax e abdômen do garoto. Ela intercalava entre os movimentos mais devagar e os movimentos mais rápidos, porque, para Âmbar, era muito gostoso escutá-lo gemendo em seu ouvido.

      Âmbar foi descendo lentamente até o pau do garoto e abocanhou por completo, fazendo garganta profunda no mesmo.

      - Caralho! - quase grita, mas estava muito ofegante para isso.

      Âmbar chupou aquele pênis grosso e grande como nunca havia chupado antes. Simon levou suas mãos para o cabelo dela e ajudava-a com os movimentos de forma excitante e deixava a garota louca para chupar ainda mais aquele pau.

      - Âmb-bar! - Foi a vez de Simon gemer o nome da garota, fazendo-a aumentar os movimentos. - Sua boca é tão gostosa!

      Âmbar continuava chupando mais e mais, sentindo o membro de Simon pulsar dentro da sua boca e... porra, como aquilo era gostoso. Suas mãos começaram a participar da oral em que fazia e o Álvarez gemia cada vez mais.

      Os gemidos de Simon foram o suficiente para ela ir ainda mais fundo - isso se fosse humanamente possível - e mais forte. Ele já não aguentava mais, quando Simon goza na boca de Âmbar, que engoliu tudo sedutoramente.

      - Espero que tenha camisinha. Não vou me arriscar de novo! - Diz Âmbar se deitando na cama.

      - Sim, eu tenho. Vou pegar!

      O garoto vai pegar na camisinha no seu criado mudo, quando sente um tapa e uma mordida de Âmbar na sua bunda.

      - Âmbar! - repreende-a.

      - Que bundona gostosa!

      - Você não presta! - diz colocando a camisinha.

      - É, eu sei bem disso!

      Simon apenas sorri e beija Âmbar mais uma vez, penetrando-a lentamente.

      Ele começa fazendo movimentos de vai e vem devagar, e ambos iriam continuar nesses movimentos com delicadeza, mas quando percebem, estavam se fodendo tão rápido como animais dentro de um cio.

      Âmbar inverte as posições e começa a quicar no pau de Simon, enquanto rebolava. Ambos gemiam.

      A mão de Simon foi para bunda da garota e deu um forte tapa, fazendo Âmbar arfar. Após o tapa, Simon coloca as mãos na cintura de Âmbar e ajuda-a com os seus movimentos rápidos.

      Eles iam se entregando mais profundamente a cada segundo,até que se tornaram um só por completo. Seus corpos se juntam após Simon agarrar Âmbar em um abraço e juntar seus lábios mais uma vez.

       Lei da Impenetrabilidade que me perdoe, mas aqueles dois estavam provando que dois corpos podiam sim ocupar o mesmo espaço e ao mesmo tempo.

      Seus corpos suados juntos e suas bocas inchadas juntas eram algo que ambos gostavam e sempre queriam mais e mais a cada minuto do dia.

      Eles estavam chegando ao seu ápice, ambos podiam sentir isso. Foi quando Âmbar deu uma última rebolada, os dois não aguentaram mais e tiveram seus orgasmos juntos.

      - Foi delicioso! - Âmbar fala encarando Simon.

      - Sim, foi!

      Eles se beijam mais uma vez.
...

      - Já estou indo, senhora Álvarez. Obrigada por ter me recebido! - Âmbar fala.

      - Que isso, Âmbar. Você é bem vinda sempre! - a mulher mostra um sorriso.

      - Vou levar ela até a porta, mãe!

      - Está bem. Tchau, Âmbar.

      - Tchau, senhora Álvarez!

      Eles vão até a porta, deixando a sra. Álvarez sozinha na cozinha.

      - Sua mãe é legal!

      - Sim, ela é! - Simon sorri. - Nos vemos amanhã no Blake?

      - Sim, nós nos vemos! - Âmbar dá um selinho em Simon. - Tchau, Álvarez!

      - Tchau, Âmbar!

      A garota vai embora e Simon fecha a porta.

      Ele passou por sua mãe na sala, que o olhava.

      - Algum problema, mãe?

      - Sente-se, Simon. Vamos conversar!

      - Sobre...? - Simon se senta.

      - Sexo!

      - Ai meu Deus! - ele leva suas mãos para sua testa.

      - Eu sabia que essa hora iria chegar, mas queria que fosse seu pai para conversar sobre isso com você, mas como ele já não está aqui, vai ter que ser eu mesma.

      - Mãe, a senhora está mais desconfortável do que eu para falar sobre isso.

      - Bem, eu ainda tenho que falar sobre isso.

      - Mamãe...

      - Simon, eu só quero que você esteja se protegendo bastante. Com essa fase de hormônios para lá e hormônios para cá, é capaz de se esquecerem da proteção. Então por favor, não esqueçam.

      - Mãe...

      - Ah, e nunca force uma garota a nada. E quando ela dizer para parar, é pra parar. Consentimento é tão importante quanto o preservativo também.

      - Mãe...

      - Ah, e não engane essa garota só para conseguir sexo. Já passei por isso e foi terrível.

      - Mã... espera, como assim a senhora passou por isso?

      - Simon, eu já fui adolescente também. Garotos sempre foram babacas. Já se aproximaram de mim para sexo e quando eu aceitava e fazíamos, no dia seguinte ele me  esquecia. Por um momento, pensei que nunca iria conhecer um cara legal onde não queria somente sexo de mim, até que seu pai apareceu na minha vida. Ele foi o único homem que amei e foi muito ótimo para mim. Tudo que eu peço é que não machuque-a, pois ela tem cara de ser uma garota que já foi magoada.

      - Por que pensa assim?

      - Toda garota magoada reconhece uma que já sofreu também. Eu reconheci Âmbar, então não a machuque. Ela parece ser forte e eu acredito que ela seja, mas não é porque ela seja forte que ela não seja frágil. No fundo, todas as garotas são assim, não só as garotas, mas todos tem um medo. Prometa para mim que não vai machucá-la.

      - Eu não vou machucá-la, mamãe. Não mesmo!

      - Obrigada, meu filho. Fico feliz em escutar isso!

      - Posso ir?

      - Uma última pergunta.

      - Sou todo ouvidos!

      - Você gosta de Âmbar, filho?

      Simon foi pego de surpresa. Nem ele sabia disso.

      - Eu... não sei.

      - Então descubra o quanto antes!
...

      - Senhorita Âmbar, posso entrar?

      Era Maggie.

      - Pode sim, Maggie.

      - Senhora Sharon mandou trazer seu jantar. - diz a mulher entrando com uma bandeja de comida.

      - Muita gentileza sua, mas eu já comi, Maggie!

      - Ah, pensei que não tivesse jantado...

      - Não, não. Tava na casa de um amigo e acabei comendo lá.

      - Âmbar, eu estou desse tipo de comida que está na bandeja.

      - Meu Deus, Maggie. Não era desse jeito que eu estava falando. Comemos pizza. P-I-Z-Z-A!

      - Ah, então ele foi a sobremesa?

      - Maggie, sai daqui. Por favor!

      - Já estou indo, senhorita Âmbar.
...

       Simon estava deitado na cama, não dormia e não parava de pensar no que sua mãe havia dito.

      Sua própria mãe já foi magoada por garotos idiotas. Sua própria mãe.

      E também parou para pensar no questionamente de sua mãe.

      Ele sentia algo pela Smith? Não sabia responder. Ela o afetava, mas aquilo era gostar dela mesmo? Paixão? Amor?

      Apesar de seus questionamentos, Simon lembrou que sua mãe disse que meninas sofridas reconhecem as outras e que sua mãe reconheceu Âmbar.



      Não sabia o que tinha acontecido com Âmbar, mas não iria machucá-la...

      ... era uma promessa!


         .


Notas Finais


Espero que tenham gostado.
Mais um hot, babys.
Beijooooooooooos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...