História Runnin' outta time - Capítulo 12


Escrita por:

Visualizações 158
Palavras 1.857
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, pessoas! Realmente, quem é vivo sempre aparece, né? Eu queria ter atualizado a fic desde o início da semana, mas como eu voltei de viagem e as aulas já tinham começado, foi uma bagunça até que eu finalmente estivesse com tudo em dia e pudesse escrever.
Enfim, espero que gostem e boa leitura! (^ω^)
P.S: Lembrando que só falta o epílogo para encerrar a história! Mas leiam as Notas Finais que eu vou perguntsr uma coisa importante lá que possa prolongar a fic um pouquinho~

Capítulo 12 - Novas rotinas, velhos hábitos


Capítulo doze: Novas rotinas, velhos hábitos 

Presente

— Mamãe, eu acho que o vovô ainda tá dormindo. — Kiara comentou, olhando para Marinette.

— Mana, são nove horas. — Louis disse, olhando no relógio do pai. 

— Eles estão acordados, então. — Marinette concluiu. — Sem contar que a Hotaru acorda cedo e...

De repente, a porta da casa de Mestre Fu se abriu e uma asiática apareceu na vista deles. A mulher sorriu, dizendo:

— Não conseguem viver um dia sem me ver, né? 

— Você que não consegue viver sem a gente. — Adrien retrucou, um sorriso nascendo em seus lábios.

Revirando os olhos, Hotaru abraçou cada um da família Agreste. Desde a volta de Kiara do passado, há um ano, eles se tornaram grandes amigos.

— Entrem, meu pai estava preparando chá. Vou pegar mais quatro xícaras. — ela sorriu e sumiu na casa, indo até a cozinha.

Kiara se sentou no chão, em cima de uma almofada, diante da mesa que tinha logo depois da entrada, com Louis ao seu lado. Seus pais preferiram se sentar diante deles, como se para vigiá-los — não era de tudo uma mentira.

A filha mais velha do casal observou que Marinette estava incrivelmente inquieta e com seu nervosismo crescente. A garotinha riu de leve, já que sabia muito bem o motivo de sua mãe estar assim.

Eles iam contar uma notícia muito boa ao mestre e à Hotaru, assim como já haviam feito com Tom e Sabine. Os pais de Mari quase a mataram de tantos abraços ao saberem do que se tratava.

— Mari, o que te deu hoje? — Hotaru indagou ao retornar, colocando xícaras na frente de cada um. — Está estranha.

— Estranha, eu? Que nada! Eu nunca estou estranha, estou? Pois então, não tem nada de anormal, é só uma visita corriqueira, como qualquer outra. — antes que sua esposa tagarelasse mais, Adrien segurou sua mão e a apertou de leve, passando segurança.

— Você vai saber em breve. — o gato preto disse, sorrindo. — E como estão os Kwamis?

— Estão bem, dormindo até agora. Ontem tiveram sessão de relaxamento na "casa de banhos". — Hotaru contou, rindo da lembrança.

— Como é uma casa de banhos para Kwamis? — Louis franziu o cenho, confuso. Mesmo com seus cinco anos, ele já era um garoto esperto que conhecia os prazeres da vida, como uma casa de banhos.

— Ah, foi simples de fazer. Peguei uma caixa de madeira e coloquei água fervente com alguns sais. — explicou, tentando não rir. — O Plagg não quis sair de lá.

— Imaginamos. — toda a família Agreste disse em uníssono.

A ida ao "Refúgio dos Guardiões" — que todos os heróis descobriram ser a casa do mestre — se tornou a melhor coisa que os Kwamis desse tempo aprenderam com os Kwamis do passado, já que o Destino compartilhou esse segredo na última vez que eles o visitaram. Para completar, Hotaru ficava por conta deles o dia todo, inventando táticas para que relaxassem e ficassem prontos para as próximas batalhas.

— Bom dia. — Mestre Fu sorriu ao ser respondido por todos. Ele trazia um bule fervente em uma bandeja, o que fez Hotaru se levantar e tirar o objeto das mãos do pai, ajudando-o.

— Já disse para me chamar quando for pegar esse tipo de coisa. — Hotaru lembrou, como fazia todo dia, e depositou a bandeja em cima da mesa.

— Não estou tão velho assim, pequeno vagalume. — o guardião riu quando sua cria o fitou de modo acusador. Ele se sentou na última almofada vaga e encarou seus visitantes. — A que devo o prazer dessa visita enquanto deveriam estar de férias?

— Bom... — Mari começou, apertando a mão de Adrien que ela ainda segurava. Hotaru começou a servir o chá. 

— A mamãe e o papai fizeram um bebê! — Kiara anunciou. Hotaru quase deixou o chá queimar Adrien na hora de servi-lo, olhando para Marinette com expectativa.

— O que aconteceu com as cegonhas? — Louis perguntou, espantado.

— Elas precisaram se aposentar, porque todos acharan um jeito diferente de trazer bebês para o mundo!

— E qual é esse jeito? — a mais velha deu de ombros.

— A mamãe fala que é um segredo. Ela disse que logo, logo vai me explicar. Só que eu não sei quando é "logo, logo". — Kia franziu o cenho, ponderando.

Hotaru ainda encarava Mari e, assim que ela sorriu de orelha a orelha, a mestiça recebeu um abraço de urso.

— Eu estou tão feliz por vocês! — a asiática exclamou, sorridente.

— Bom, espero que fique ainda mais feliz agora. — Adrien comentou, fazendo Hotaru fitá-los com um ar questionador.

— Gostaríamos de saber se você gostaria de ser a madrinha do bebê. — Marinette contou com um olhar meigo em seus olhos.

Até a ficha cair, todos riram do semblante de surpresa de Hotaru.

— Sim! Claro! — novamente, ela pulou em cima da joaninha, esmagando-a em um abraço.

Eles comentaram da notícia alegremente por longos minutos, enquanto tomavam um chá de camomila. Planejamentos sobre o bebê foram feitos, como os possíveis nomes dependendo do sexo e como ele ou ela seria.

No fim das contas, a criança seria amada por todos, independentemente do modo que viesse ao mundo. 

— Creio que o nosso outro visitante está para chegar. — Mestre Fu constatou, mirando o relógio na parede.

— Quem? — Hotaru foi a primeira a indagar.

O sorriso no rosto do guardião era misterioso, intrigando Marinette e Adrien. Porém, antes do casal bombardear o mais velho com perguntas, a campainha da casa tocou.

— Quando vocês me deram a notícia, precisei mandar uma mensagem para ele, pois eu sabia que Adrien tardaria a conversa o quanto pudesse. 

Entendendo o que Mestre Fu dissera, Adrien engoliu em seco, seus músculos se tencionando. Hotaru atendeu a porta e deu as boas vindas a um homem que parecia um tanto mais velho do que realmente era.

No caso dele, não era a idade que o abatia, mas sim a vida.

— Vovô Gabriel! — Kiara e Louis disseram em uníssono e correram até ele, abraçando-o pela cintura, um de cada lado.

Um sorriso iluminou o rosto do estilista, deixando-o mais jovem.

— Olá, meus netos. — então, sendo guiado pelas crianças, logo Gabriel estava sentado no chão no meio de Kiara e Louis. — Está precisando de alguma coisa, mestre? — o antigo vilão olhou para Fu, que indicou Adrien e Mari com a cabeça.

— Temos uma novidade para contar, Gabriel. — Marinette começou, sua voz suave. Ela olhou para o seu marido, esperando que ele continuasse.

Adrien suspirou.

— Marinette está grávida. — dizendo, o filho olhou para o pai com um leve sorriso. O brilho nos olhos de Gabriel parecia um poço sem fim de felicidade.

— Quando descobriu, Marinette? 

— Há cinco dias. Pelo visto, estou no início do segundo mês. — a mestiça sorriu para seu sogro. 

Apesar de Gabriel ter sido Hawk Moth, quando os heróis descobriram e conceseguiram convencê-lo de que o que ele estava fazendo era em vão e que sua esposa não mais retornaria, o estilista teve muito a pensar. No entanto, anos de reflexão não foram a única consequência dos atos impensados de Gabriel. 

Adrien, ao saber a verdade, se fechou para ele de uma forma imprescindível. Na cabeça do gato preto, tudo aquilo ocorrera devido a falta de comunicação entre os dois e que, por mais que fossem pai e filho, não conseguiram suportar a perda da pessoa mais importante em suas vidas. 

Algo que deveriam ter enfrentado juntos e, consequentemente, uni-los, os separou mais do que tudo.

Então, ao longo dos anos, Marinette e seus filhos foram capazes de aproximar um pouco os dois. Porém, quando os principais envolvidos não querem arcar com a situação, não há o que os forçe a fazê-lo.

— Parabéns, Adrien. — Gabriel olhou para seu filho, assentindo de leve em aprovação.

— Obrigado, pai. — dizer a "palavra com p" era extremamente doloroso e... Pesado. Nunca saía com um sentimento mais profundo do que o mínimo de respeito.

Percebendo o clima estranho que se instalara na sala, Louis começou a tagarelar com Gabriel, sendo imitado por Kiara. Em alguns minutos, todos estavam distraídos de novo, exceto Marinette, que cutucou seu marido de leve, desconcentrando-o de de analisar a forma carinhosa com que o estilista olhava para os netos.

— Gatinho. 

— Hmm? — o rapaz olhou preguiçosamente para sua amada, centrando-se em suas orbes.

— O tempo não espera por ninguém, então sugiro que faça bom uso dele. — aconselhou, levantando-se e contornando a mesa para se sentar com os filhos.

Digerindo aquela informação, Adrien sentiu uma pequena parte dele mudando, movendo-se novamente e se soltando um pouco do passado.

Por fim, ele se levantou e, enquanto fazia o caminho na direção de Gabriel, disse:

— Pai, que nome você sugere para o bebê?

~★~

Passado

 

— Por Deus, não consigo deixar de notar o quanto você está linda, Mari. — Adrien repetiu, pela milésima vez, aquela frase. 

Os dois estavam comemorando um ano de namoro naquele dia, por isso jantavan fora. Depois, eles iriam observar as estrelas no topo da Torre Eiffel.

Nada seria mais romântico para a ocasião.

— Gatinho, por favor. — a mestiça disse, sentindo suas bochechas esquentarem. — Você também está lindo. 

Eles haviam flertado daquela forma desde o momento em que Adrien viu Marinette entrando no carro. Ao menos ele estava dirigindo, o que proporcionava mais intimidade. No entanto, para quem analisasse a situação por fora, tudo não passaria de um casal um pouco grudento, mas fofo e feliz.

— Além de hoje ser nosso aniversário de namoro, é o dia em que mandamos Kiara de volta para casa. — Marinette comentou. — Me lembro que você não se aguentou e me pediu em namoro logo que chegamos na porta da minha casa. 

Um sorriso nostálgico brilhou no rosto de Mari. Em menos de um ano, muito havia mudado.

Eles fizeram dezoito e começariam a faculdade no próximo semestre. As responsabilidades que os adultos sempre comentavam já batiam à porta.

— Esse dia foi um misto de emoções. — a mestiça assentiu.

— Parecia que as surpresas nunca iriam acabar. — então, bebericou seu suco, cortando um pouco a conversa.

— Falando em surpresa... — Adrien começou, enroscando seus dedos no guardanapo em cima da mesa. 

— Sim? — devolvendo a taça à mesa, Mari encarou seu namorado. Sua sobrancelha arqueou ao notar seu nervosismo.

— Seria estranho se nós ficássemos noivos durante quatro anos? — Adrien disse rapidamente, temendo a resposta.

— Como assim...?

— O Plagg me contou que vamos nos casar aos 22. Então... 

— Não, espera, não me diga que... — Marinette foi arregalando os olhos até que quase saltaram de seu rosto.

— Talvez você quisesse ser minha noiva? Por mais que não vá mudar muito o namoro, já que não nos casaremos agora. — Adrien sussurrou, o guardanapo embolado em sua mão. Quando ousou olhar para sua namorada, a viu vermelha como um tomate e abanando seu rosto com as mãos.

— Eu... Eu... — por fim, a cabeça dela se recostou sobre a cadeira. Marinette havia entrado em curto.

— Mari?! Mari! — Adrien se ergueu e sacudiu sua amada, atraindo a atenção de outros no restaurante. Um garçom, ao ver o que ocorrera, correu para pegar água com açúcar, mas trombou com um outro que corria até a mesa do casal. Tudo virou um caos.

No meio da confusão, a risada de Plagg ressoava de dentro da bolsa de Marinette. Tikki estapeou a própria testa e suspirou ruidosamente.

No fim das contas, velhos hábitos nunca mudam. 

 

 


Notas Finais


★ Vocês gostariam que eu fizesse um Capítulo Bônus da fic? Eu estava até com uma ideia interessante, só não sei se vocês querem essa situação extra~

Obrigada por lerem e até o epílogo! ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...