1. Spirit Fanfics >
  2. Running In The Night >
  3. You

História Running In The Night - Capítulo 6


Escrita por: AloneInBLUESKYMATHEUS

Capítulo 6 - You


Fanfic / Fanfiction Running In The Night - Capítulo 6 - You

Existem certas ocasiões em que até às pessoas mais fechadas podem se soltar um pouco. Era exatamente o que Midoriya estava tentando fazer, ele achava Yaoyorozu parada demais, como se não percebesse que o mundo ao seu redor estava vivo e em movimento constante. Claro que tinha um pouco da sua ganância naquilo, já que ele não tinha que sustentar só uma "pessoa".

- O que pretende fazer? -

- Pra dizer a verdade, eu realmente não tenho ideia -

- Midoriya, foi você que propôs isso, e agora não tem ideia - Dizia Momo inflando as bochechas.

- Na realidade, eu só queria fugir mesmo - Disse Midoriya coçando sua nuca.

- Pão duro -

- Acha mesmo? Geralmente as pessoas me chamam de coisa pior - Momo soltou uma leve risada.

- Posso até imaginar -

- Voltando ao assunto, eu realmente não sei o que fazer. Se estivesse de noite eu até que teria uma ideia, mas parece que não surgiu nada -

- Então vamos voltar para a cafeteria -

- Nem pensar! Eu consigo dar um jeito - Disse segurando a mão da garota.

- Como? Você não tem nada, só não quer dividir a conta comigo -

- Isso não é verdade, bem, isso é muito verdade. Me diga Momo, se pudesse fazer algo agora, o que escolheria? -

- Só me sentar em um lugar para conversar -

- Isso é fácil, já esteve em Tech Noir? -

- Izuku, sabe que eu não conheço metade dos distritos de Night City -

- Perfeito, prometo que não vai se arrepender - Midoriya pegou na mão da garota fazendo Momo corar.

- Espera! Isso está sendo repentino demais -

- Não sei porque está reclamando, afinal, eu sou seu namorado, mesmo que seja apenas uma mentira sua, sabia que cedo ou tarde isso ia acontecer. Agora vamos antes que esse sol fique mais insuportável - Izuku sabia surpreender alguém quando queria, parece que estava dando certo. Óbvio que parte disso se dava pelo dinheiro, mas realmente, ele havia achado Momo uma pessoa legal, ao menos tentaria entretê-la um pouco. Tech Noir era só mais um distrito como todos os outros, mas Midoriya tinha uma boa ligação com aquele lugar, afinal, era sua antiga casa, foi onde "nasceu".

Ele guardava boas lembranças, principalmente quando tinha que roubar algo para sobreviver. Talvez pudesse ver algum velho conhecido, faziam anos que não visitava o palco da sua antiga vida. Já Yaoyorozu, tentava assimilar um pouco tudo, qualquer atitude de Midoriya a surpreendia, causava até certa vergonha, não era pra tanto, Momo nunca tinha se aprofundado em um relacionamento. Izuku parecia ser uma boa pessoa, tirando o fato de que ele sempre era pão duro.

- Midoriya, não consigo aguentar esse sol forte -

- Mesmo? Eu não sinto nada -

- Queria entender, você está usando essa roupa e não vejo uma gota de suor. Já eu, tô quase pra desmaiar -

- Quer dar uma pausa? temos todo o tempo do mundo -

- Obrigada - Momo se sentou em uma escadaria que havia por perto.

- Não vai se sentar? -

- Não tenho vontade - Izuku ficou calado e com uma expressão séria. Tinham momentos em que ele desligava, como se parte das coisas que o tornavam humano parassem de funcionar. Ele se mantida sem expressão e ignorava qualquer interação, de certa forma, assustador.

- Tá tudo bem Midoriya? - Ele piscou inúmeras vezes e olhou para a garota.

- Melhor que isso impossível, por que a pergunta? -

- Sei lá, você parecia meio sem vida -

- Deve ser impressão sua, hahahahah - Dizia com uma risada muito forçada, causando estranhamento por parte de Yaoyorozu.

- Você é bem estranho às vezes - Izuku encarou aquilo com uma ofensa.

- Quem não é, me diga, o que me diferencia de você? - Momo ficou calada por alguns segundos tentando entender.

- Por que está fazendo esse tipo de pergunta? - Logo depois, Midoriya se tocou do que estava fazendo.

- Nada, foi só um impulso - Ele sempre falhava nas mais diversas situações, Izuku tinha muitos problemas, não envolvendo a sua vida, mas também sua própria personalidade. Parecia que algo queimava, como se estivesse fora do lugar.

- Já está melhor, ou prefere continuar sentada aí? -

- Acho que já foi o suficiente - Izuku pegou em sua mão e os dois foram seguindo o caminho. Eles ficaram calados o percurso todo, Midoriya estava nervoso, mas porque suas falhas estavam acontecendo de novo. Ele não gostava de admitir isso pra ninguém, mas sua real natureza estava se mostrando. Izuku tinha vergonha de quem era, como se tivesse nascido para ser uma praga.

- Esse é o lugar? - Como sempre havia um letreiro luminoso na entrada, uma regar seguida a risca por todos os distritos de Night City. "Another World".

- Não parece ser grande coisa -

- Aí que você se engana senhorita Yaoyorozu - Dizia forçando sua voz na tentativa de parecer engraçado. Tudo era composto por casas, em sua maioria de classe média, era até estranho não nenhum prédio, o máximo era um que ficava debaixo de uma ponte, provavelmente abandonado. Aquele lugar não tinha nada que o destacasse dos demais.

- Será que eu me esqueci onde ficava? -

- Já esteve aqui antes? -

- Sim, na verdade eu nasci nesse lugar -

- Espera! Você tinha me dito que veio a Night City atrás de mais oportunidades -

- Na verdade eu menti, não me pergunte o motivo. Eu venho desse lugar, a maior parte da minha vida foi construída aqui -

- Parece até um bom lugar -

- Só parece agora, antigamente era diferente. Achei! -

- Aquele prédio abandonado, tá brincando, né? -

- Por que acha? Já não te surpreendi o bastante? - Momo não disse mais nada, estava com receio de soltar algo que ofendesse demais Midoriya.

Era engraçado a forma em que eles interagiam, Yaoyorozu e Midoriya eram duas pessoas totalmente diferentes, mas que ao mesmo tempo se complementavam, aquela famosa química. Só que eles não haviam se tocado disso, de fato tudo era uma grande piada para os dois, afinal, não se conheciam a tanto tempo, e Midoriya só fazia isso pelo dinheiro.

O restante só trajeto foi complicado, por parte de Momo, a cada obstáculo ela exitava em continuar. Quem não teria medo de andar por um imóvel que poderia desabar a qualquer instante. Não sabia ao certo o motivo para Midoriya ter a levado até aquele lugar. Como sempre, ele era uma tremenda caixa de surpresas.

- Ainda falta muito? -

- Só falta subir essa escada -

- Não vou! Tá toda suja e enferrujada, vai que isso se rompe -

- Ok então, pode ficar pra trás - Disse Midoriya subindo e deixando a garota sozinha.

- Espera! - Mesmo relutando, ela começou a subir, por um instante uma das barras da escada acabou de rompendo. Mas Midoriya foi rápido e agarrou a mão da garota antes que pudesse cair.

- Eu te disse - Momo parecia querer dar uma lição de moral, de fato isso tinha funcionado. Por fim, os dois estavam no último andar, era algo impressionante, não só pela vista da cidade, mas também pelos pequenos detalhes.

Tinha uma árvore, como que algo daquela forma havia crescido alí, também tinha um pouco de grama no chão e um arco com algo escrito em japonês.

- Dizem que esse é um dos edifícios mais antigos de Night City, não é atoa, até a própria vegetação invadiu tudo -

- É até bonito, já veio aqui várias vezes? -

- Eu vinha bastante, já encontrei várias tralhas por toda o prédio, geralmente são coisas que eu não para que servem, tipo isso aqui - Disse pegando uma fita cassete do chão.

- Depois de tanta caminhada, eu acho que seria melhor descansar um pouco - Midoriya deitou na grama que crescia no centro, bem debaixo do arco. Momo fez o mesmo, assim como ele, também estava cansada.

- Momo, já olhou para o céu e viu um monte de faíscas? -

- Como assim? -

- Como eu posso te explicar. Imagine aquelas televisões antigas que tinham vários granulados na tela, além de algumas físicas. Sempre que eu olho para o céu, parece que estou assistindo algo em uma televisão antiga -

- Deve ser só uma impressão sua, para mim está normal - Izuku deu alguns tapas na sua cabeça.

- Por que está fazendo isso? -

- Pensei que poderia ver o céu da mesma maneira que você, mas parece que continua da mesma forma -

- Como eu disse, você é estranho às vezes -

- Já pensou em um título para aquele seu livro? -

- Não, tô pensando em descartar e começar tudo de novo -

- Se fizer isso, nunca vai chegar em lugar algum, é por isso que não progride. Errar é humano, persistir nos erros é burrice - Disse sério e encarando a garota.

- Pode estra certo, o que foi? -

- Nada, não posso ficar admirando a sua beleza um pouco - Momo corou e tapou seus olhos com uma das mãos.

- Nossa Midoriya -

- Tô sendo honesto, não pode fugir da verdade, minha verdade - Ela esboçou um sorriso fofo com o comentário do esverdeado.

- Midoriya, eu sei que essa pergunta pode soar um tanto quanto estranha, mas você faz isso porque quer, ou porque está sendo pago? - De fato era uma pergunta estranha, mas essa dúvida surgiu graças ao jeito de Izuku, isso fazia várias dúvidas surgirem na cabeça de Momo. E claro, Midoriya respondeu.

- Faço pelo dinheiro, até porque você é uma completa estranha pra mim - Isso soou de maneira fria, seu ânimo tinha se alterado meu uma hora pra outra. Na realidade, Midoriya não queria se apegar muito a companhia de Momo, isso porque não colocar mais alguém em perigo. Geralmente quem se aproximava muito do esverdeado morria, as razões eram diversas, principalmente pelo fato dele esconder dois replicantes. Ele notou que Yaoyorozu ficou um pouco pra baixo com a resposta.

- Correndo na noite -

- O quê? -

- O título para o livro, correndo na noite -

- Quer dizer Running In The Night, até que é um bom nome -

- Momo, acha que uma pessoa pode se apaixonar por um replicante? -

- Por que isso? -

- Não é por nada, é só que, tenho esse questionamento às vezes, o que diferencia a pessoa de uma máquina? -

- Máquinas são perfeitas, pessoas não -

- Está errada, até a mais perfeita máquina pode cometer erros e desenvolver os mesmos problemas de um ser humano comum -

- Se é por isso, não sei como ambos se diferem, não tenho como opinar em relação a isso porque nunca ia conheci de fato -

- Eles estão bem mais perto do que você imagina -

- Obrigada... -

- Por? -

- Mesmo que não faço isso por compaixão, pelo menos está sendo divertido, você é uma pessoa interessante Midoriya - Ele a encarou por alguns segundos em silêncio, Momo ficou constrangida. Izuku percebeu isso.

- Desculpa, não sou muito acostumado com elogios, sou muito solitário sabe -

- Não tem muitos amigos? -

- Até tenho, mas não são as pessoas mais normais do mundo - Dizia se lembrando de Dabi e Toga.

- Te entendo, o mesmo se aplica a mim -

- "Com certeza não" - Eles continuaram deitados admirando o céu, ficaram em silêncio por um longo tempo. Midoriya estava muito cansado, por vezes ele tentava dormir e não conseguia, o motivo era muito óbvio.

- Yaomomo - Ele notou que a garota tinha dormido, aquela caminhada realmente havia esgotado lá dois. Izuku começou a se aproximar da mesma lentamente e segurou a sua mão.

- "Que merda eu tô fazendo" - Rapidamente ele a soltou.

- Sabia, não senti nada, nem mesmo um arrepio percorrendo o meu corpo. Até que gostei de você, mesmo que de certa forma isso me incomode, não é bom se aproximar de Izuku Midoriya -

- Nossa, esqueci ela ainda estava dormindo. Que bom que não ouviu isso, se não ia me encher de perguntas -

- Por que eu sou desse jeito? Será que isso está certo? Não estou deixando minha ganância falando mais alto? -

- Não! Isso tem um propósito, eu preciso de dinheiro, é a única forma de fugir dessa vida junto com a Toga e o Dabi, não importa de que forma -

CONTINUA...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...