1. Spirit Fanfics >
  2. Running with the Wolves >
  3. Ketsuryugan

História Running with the Wolves - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Quase atrasada, mas aqui estou!! Finalmente chegamos num dos acontecimentos chaves de NITA e olha, foi bem intenso escrever esse capítulo. Ele ficou bem maior que o que estava planejando para essa história, mas foi necessário por conta da luta em si. Espero que vocês gostem e tentem não me matar no final ta? A tradução dos jutsus está nas notas finais.

Sem mais, aproveitem ♥

Capítulo 4 - Ketsuryugan


Não há lugar para você se esconder

A Lua do caçador está brilhando

AURORA

 

Quase três meses haviam se passado e eles não estavam mais próximos de pista ou resposta alguma. Enquanto caminhavam apressadamente por entre o país das fontes termais, a irritação dentro de Sasuke apenas aumentava, já que o sentimento de que “algo estava por aí” gritava dentro dele, mas, tampouco, a dupla encontrara algo além do estranho juubi morto junto a árvore divina.

— Inferno. — Murmurou mais para si, do que para Hinata, mas a jovem ouviu e entendeu a frustração que tomava conta de seu companheiro.

A pele feminina ainda se arrepiava quando se lembrava da dimensão desértica.

— Vamos descansar por hoje. — A Hyuuga disse, séria, e, antes que ele rebatesse, continuou: — Estamos pulando de portal em portal há semanas, Sasuke, nem mesmo você pode aguentar tanto. Você precisa descansar, vamos parar em Yugakure e permanecer ali durante o final de semana para debater como vamos continuar essa missão.

O tom definitivo da jovem não deixou espaço para conversa e, se o Uchiha pudesse enxergar os olhos perolados por trás da máscara, veria a determinação deles e não duvidaria que ela seria capaz de fechar alguns de seus pontos de chakra e carregá-lo ela mesmo para Yugakure. Nas últimas semanas, havia percebido algo diferente na perolada, ainda que não a conhecesse muito bem, como se seu chakra estivesse perturbado por alguma coisa, mas não sabia dizer o quê.

Ele comentou isso com ela durante a viagem por uma dimensão assustadoramente parecida com a deles e foi quando ela lhe contou mais sobre os acontecimentos da lua e o poder de Hamura que corria em suas veias, ainda se acostumando ao seu próprio. Acatando a resposta da companheira, Sasuke deixou aquilo para lá, concentrando sua atenção em qualquer pista que pudesse encontrar nas dimensões e até mesmo fora delas.

Um descanso faria bem aos dois, o jovem pensou, poderiam colocar a cabeça no lugar e pensar com mais clareza em cada uma das dimensões que visitaram, assim como repensar sobre o juubi e o significado daquela árvore divina morta.

Com isso em mente, a dupla correu até chegar no centro da ex-vila ninja do país das fontes termais e reservaram um dos melhores quartos do local, a fim de terem privacidade para retirarem suas máscaras e poderem relaxar sem temer serem reconhecidos.

A guerra podia ter acabado, mas ambos ouviram sussurros sobre um grupo que estava atrás, principalmente, de ninjas com kekkei genkais poderosas, então, cada pequeno cuidado era pouco.

Hinata nem mesmo esperou por um banho para se jogar na cama macia, um luxo após semanas dormindo no colchonete desconfortável. Retirou a máscara ANBU e a colocou no criado-mudo ao lado da cama.

“Descansar seria muito bom mesmo.” Pensou e então dormiu.

 

 

O peito feminino subia e descia rapidamente junto a respiração rápida. Suor escorria pelo rosto pálido e ela franziu as sobrancelhas com o último golpe do Uchiha. Sasuke era bom demais e tinha um nível de poder muito acima do dela, mas, ao mesmo tempo em que aquilo era um problema, era ótimo para poder testar e ultrapassar seus próprios limites. A jovem olhou para onde suas ninjakens foram jogadas e chegou a conclusão que não conseguiria recuperá-las a tempo de impedir um próximo golpe. Então, fez algo que não fazia há muito tempo: criou duas lâminas de chakra, que brilhavam entre o azul e o lilás, e encarou seu companheiro.

Após um dia inteiro de descanso, ambos os ninjas estavam inquietos demais, por essa razão, andaram até uma pequena clareira que havia perto do hotel para treinar um pouco.

Sasuke tinha um olhar surpreso no rosto e isso fez com que ela sorrisse levemente de canto, correndo para atacá-lo mais uma vez. O Uchiha sabia que ela possuía um controle de chakra absurdo, mas não suspeitava que fosse naquele nível. Quando Kusanagi entrou em contato com as lâminas de chakra, o ex-nukenin não teve tempo de ativar o Sharingan antes que a Hyuuga girasse rapidamente o quadril e acertasse um chute em seu peito, empurrando-o alguns metros para trás.

Para alguém que chamavam de ninja sem inimigos, Hinata sabia muito bem como acabar com eles.

Ele avançou contra a ninja com o olho direito brilhando escarlate, fazendo com que ela erguesse os braços e cruzasse as lâminas de chakra para aparar o golpe da espada, que fora tão forte que chegou a empurrar levemente para trás.

A dupla se encarou por alguns segundos através do brilho quase espectral das lâminas de Hinata, ambos sorrindo de lado e respirando rápido. Sasuke não havia treinado com ninguém após perder um dos braços e aquele exercício estava sendo muito estimulante para ele.

— Você sentiu? — Sasuke perguntou quase sussurrando ao perceber mais alguém perto deles. A jovem apenas balançou a cabeça de forma discreta e ativou o byakugan no exato momento em que eles se separaram e viraram de costas um para o outro.

Ali, caminhando para a clareira através das árvores, uma jovem de cabelos loiros e distintos olhos roxos, tão pequena que poderia ser uma criança, e um homem de cabelos azuis e olhos amarelos encaravam a dupla. Hinata sentiu todos os pelos de seu corpo se eriçarem com o olhar da jovem, que encarava Sasuke com um ódio profundo.

O que aqueles dois estavam fazendo ali?

 — Nee, Fuushin. — A voz infantil era completamente diferente do olhar da garota. — Coincidência é algo assustador, não é mesmo?

A pequena loira parou no limite das árvores, enquanto o homem continuou caminhando até eles com determinação em seus olhos amarelos.

— E nós aqui... planejando atacar Konoha para chamar atenção do último Uchiha. — O homem disse, fazendo com que a loira pendesse a cabeça para o lado, sorrindo. — Mas parece que os deuses estão sorrindo para nós hoje e os peixes nadaram direto para nossa rede.

— Traga eles para casa, sim?

No exato instante em que ela terminou a frase, Fuushin sacou duas kunais, com detalhes que nenhum dos ninjas de Konoha vira antes, e canalizou o próprio chakra nelas e, sorrindo de leve, avançou na dupla enquanto as atirava.

Vento, Hinata percebeu, Fuushin imbuía suas armas em vento. A jovem desgrudou as costas de Sasuke e rebateu uma das kunais com as lâminas de chakra que ainda brilhavam em suas mãos. Pulando em direção ao ninja, a Hyuuga tentou acertá-lo com as lâminas, mas ele era rápido demais e fugiu dela com maestria, atacando mais kunais em seguida.

Sasuke tentou correr até a jovem loira, mas ela já havia sumido entre as árvores.

Taiton: Kyōfū Reppa* — O oponente gritou e a clareira foi tomada por um vendaval enorme, empurrando Hinata e Sasuke para longe.

A Hyuuga cogitou usar seu shugohakke rokujūyon shō*, mas era a primeira vez em sua vida que lutava contra alguém que utilizava liberação de tufão e parte dela sabia que aquilo mais atrapalharia do que auxiliaria. Seus olhos procuraram por Sasuke, que estava a alguns metros de si, atirando diversas shurikens e tentando as redirecionar utilizando seus famosos fios, mas o vento era forte demais para aquilo.

Se quisessem ter alguma chance de derrotar Fuushin, teriam que parar aquele vento primeiro. E, para fazer aquilo, deveria chegar até ele. Estranhamente, aquilo fez com que ela recordasse a luta de Shikamaru e Temari durante o exame Chuunin e como o companheiro simplesmente desistira ao ter que lutar com uma usuária de técnicas de vento.

Infelizmente, para eles, desistir não era uma opção.

Hinata teve uma ideia e esperou que, por menor que fosse o elo que criara com Sasuke durante os três meses juntos, ele entendesse a deixa e a protegesse da forma que ela imaginava. Ela desfez as lâminas e concentrou o chakra em seus punhos, deixando o calor confortável tomar conta de todo o seu braço, brilhando no roxo intenso que adquirira após receber o chakra de Hamura.

Hakke Sōjishi Hōgeki* — Seus leões gêmeos tomaram forma e ela avançou no inimigo de uma só vez, sem parar para perceber o brilho de entendimento nos olhos do Uchiha, que ativou seu Magenkyou Sharingan e a protegeu com o Susanoo completo por tempo suficiente para que seus punhos atingissem Fuushin, o jogando para longe.

O ninja de cabelos azuis a olhou com um sorriso nos lábios, o vento ao redor deles diminuindo até finalmente cessar, fez um gesto de ‘venha’ para ambos e saiu correndo em meio às árvores.

— Sei que não deveríamos correr atrás dele quando pode muito bem ser uma armadilha... — Sasuke disse, o brilho vermelho de seus olhos desaparecendo, assim como o Susanoo que protegia Hinata, enquanto o inimigo corria entre as árvores. — Mas algo que diz que deveríamos segui-lo... A fala daquela garota...

Hinata encarou o companheiro e apenas balançou a cabeça, concordando que deveriam ir atrás dele. Recolheu suas ninjakens que estavam jogadas na grama enquanto pensava. Não negaria que estava curiosa pelo motivo de terem sido atacados do nada e a fala da garotinha apenas atiçava essa curiosidade. Além do fato de citarem Konoha, a Hyuuga, acima de tudo, confiava em Sasuke e em sua intuição.

Naruto passara anos lutando pelo Uchiha, isso deveria valer de algo, certo?

Sem contar que a própria Hyuuga percebia o quanto o jovem havia mudado após todos aqueles anos buscando uma vingança cega. Percebia o caminho de redenção que ele percorria e o admirava por isso.

Eles se entreolharam uma última vez e ela sorriu brevemente.

E então eles correram.

 

 

A dupla correu, desviando de inúmeras kunais imbuídas em chakra até as árvores começarem a serem substituídas por versões mortas e destruídas, assim como o ar se tornou denso e estranho, tão parecido com a dimensão desértica, que uma sensação ruim tomou conta de Sasuke. Ao varrer o local com seu byakugan, Hinata se surpreendeu ao encontrar inúmeros restos do que deviam ser fontes termais, porém, ao invés das águas cristalinas ou esbranquiçadas, aquelas brilhavam em vermelho, como se sangue houvesse sido derrubado ali.

E as inúmeras caveiras pelo caminho apenas reforçava aquele pensamento.

— Você é o último Uchiha... e eu a última Chinoiki. — A voz infantil se fez presente novamente. — Vamos resolver isso de uma vez por todas, Sasuke-chan.

Sasuke não fazia a mínima ideia de quem eram os Chinoiki e o que aquela criança queria com ele e nem mesmo conseguia pensar direito, já que as malditas kunais continuavam a serem jogadas em sua direção a partir do centro do vale. Cada vez mais irritado, ele ativou seu Sharingan. Hinata, ao seu lado, entrou em posição de combate.

— Vai ser mais fácil para você lidar com Fuushin. — A perolada disse e ele concordou, utilizando de sua velocidade para chegar ao local de onde vinham as kunais, Kusanagi pronta e crepitando pelos relâmpagos tão característicos de Sasuke.

O ninja era extremamente habilidoso e rápido, Sasuke tinha que lhe dar esse crédito. Mas ele era Uchiha Sasuke, e mesmo que sua respiração estivesse rápida pela velocidade dos golpes que lhe acertavam vez ou outra – arrancando, inclusive, um filete de sangue de sua bochecha esquerda –, não demorou muito para que ele encontrasse uma abertura. Agachando-se no exato momento em que Fuushin tentava usar algum outro ninjutsu, ele rasgou a perna do oponente com sua espada.

O de cabelos azuis caiu no chão e o Uchiha limpou, impacientemente, o sangue que pingava de seu rosto, passando os olhos pelo vale destruído em busca de Hinata e a maldita garota de fios claros e olhos estranhos.

“Vamos resolver isso de uma vez por todas.” Pensou nas palavras ditas enquanto corria em direção ao barulho de lâminas se chocando e, o que encontrou, o surpreendeu.

Hinata não era uma ninja alta, mas ainda assim era maior que a outra, porém, e aquilo fez os pelos de seu braço se eriçarem, a pequena era uma força da natureza lutando contra a perolada. Ela rebatia as investidas na mesma velocidade que as recebia, tão habilidosa em taijutsu quanto a herdeira Hyuuga. Em um movimento, as lâminas de ambas se encontravam no chão e a loira utilizou do impulso de um chute para dar uma cambalhota para trás e sorrir para a morena.

Enquanto respirava rapidamente, a jovem retirou uma kunai de suas vestes e cortou ambos os pulsos, deixando o sangue jorrar sobre as poças borbulhantes de água, arrancando olhares surpresos de ambos os ninjas da folha.

— Meu clã utiliza sangue para nossos jutsus. — O vermelho da água se intensificou. — E aqui, as águas ricas em ferro e manchadas por nosso sangue irão deixar meu poder ainda maior.

Um sorriso macabro pintou o rosto delicado e os olhos assumiram um tom de vermelho assustadoramente parecido com o Sharingan de Sasuke.

Ketsuryūgan: Kerryū Shōten*. — As águas ao redor de Chino borbulharam, vibrando junto aos olhos dela e das poças surgiu um enorme dragão de oito cabeças sangrentas. — Será que a vingança é tão doce quanto dizem ser?

Ela apontou o dragão para Hinata, que sacou suas lâminas ao mesmo tempo em que pulava para trás para evitar o ataque. Em pouco tempo, a Hyuuga percebeu que não adiantaria cortar as cabeças, já que elas se regenerariam em poucos segundos.

Kuso*. — Gritou, irritada, tentando desviar da besta e chegar a Sasuke, que lutava contra Chino habilmente.

Hinata confiava nas habilidades dele, mas algo na jovem trazia uma sensação estranha em seu peito, como se sua intuição gritasse que havia algo errado. E todo aquele ódio que brilhava nos olhos dela, olhos centenários que pareciam ter visto tanta coisa... Tanta dor. O urro do dragão que a perseguia a tirou de seus pensamentos, mas não rápido o suficiente para evitar que as presas passassem perto demais de seu braço.

A Hyuuga gritou de dor e frustração pela queimadura que surgiu ali. A porcaria da invocação era feita de água fervente. Ela se concentrou e girou o corpo, expelindo chakra por todos os seus trezentos e sessenta e um tenketsus ao mesmo tempo, não era um Hakkeshō Kaiten* perfeito, mas fez com que a besta se afastasse e ela pudesse chegar mais perto de seu companheiro e Chino.

A bochecha de Sasuke sangrava assim como diversas outras pequenas feridas que se espalhavam pelo braço bom e pelas pernas. Surpresa, Hinata tentou avançar até ele, mas foi impedida novamente pelo dragão, que parecia apenas querer mantê-la longe e não a atacar mais naquele momento. Com a respiração pesada e o corpo cansado pelo jutsu imperfeito, a Hyuuga esperou.

Genjutsu: Ketsuryūgan. — A loira gritou e Hinata pode ver como os ferimentos de Sasuke pareciam brilhar junto aos olhos dela.

E, então, Sasuke estava paralisado, de joelhos em frente a jovem, que tinha um enorme sorriso no rosto. Ela andou calmamente ao redor dele, olhando-o em detalhes, antes de parar a sua frente e tocar os fios escuros para levantar a franja que escondia o olho esquerdo.

O rinnegan.

Hinata sentiu o coração acelerar e a boca ficar seca. Que genjutsu era aquele capaz de controlar um Uchiha? Chino retirou Kusanagi da mão do ninja e olhou a espada com curiosidade, passando de uma mão a outra até voltar a encará-lo.

— Eu admirava você, sabia? Por ter largado Konoha... — Chino apontou Kusanagi para o próprio dono. — Mas você voltou para lá, como um cachorrinho atrás de seus donos. Para a mesma vila que floresceu com seu clã como adubo.

A ponta da espada parou no exato ponto em que Fuushin havia ferido o ninja pela primeira vez, arrancando ainda mais sangue dali e fortalecendo as rédeas que o prendiam a ela. Sangue, Hinata pensou ainda do outro lado do gigante dragão de oito cabeças. Chino usava o sangue do Uchiha para prendê-lo naquele genjustu. O que perolada não entendia era porque aquela garota queria tanto uma vingança contra Sasuke.

“Você é o último Uchiha”

Não, não era contra Sasuke.

— Meu clã também foi grande um dia, infelizmente, apesar de eu ser muito velha, não conheci os dias de glória dos Chinoiki... — A voz fria era como uma adaga acariciando o rosto de Sasuke. — O temor de pessoas inferiores e a busca do clã Uchiha por glória nos transformaram nisso. — Ela apontou para diversas caveiras que existiam pelo vale. — Mas veja onde estamos agora...

Era contra o clã Uchiha.

A Hyuuga não costumava mais agir de forma impulsiva, não depois de Pain, não depois da guerra. Entretanto, quando viu a lâmina pronta para fazer mais do que arrancar sangue da bochecha de seu companheiro, não pôde evitar fazer a primeira coisa que lhe veio na cabeça.

Hakke Kūshō* — A rajada de chakra que foi expelida de seu corpo fora forte o suficiente para desintegrar uma das cabeças do dragão que a impedia de chegar até Sasuke. E Hinata correu até ele, saltando através da abertura antes que o dragão se regenerasse.

O que aconteceu em seguida era tão parecido com o que seu primo havia feito por ela que a perolada choraria se não fosse a situação.

A espada que era direcionada a uma morte rápida para o Uchiha trespassou o abdômen feminino facilmente. Hinata segurou a lâmina com as duas mãos, tentando evitar que o estrago fosse grande demais, mas ainda assim sentiu quando o sangue subiu por sua garganta e foi expelido por seus lábios.

— Não! — Chino gritou, segurando Kusanagi com uma força descomunal e encarando a perolada com seus olhos escarlates brilhando de raiva. — Ele não merece ser salvo! Nenhum Uchiha merece!

— Ninguém deveria ter que pagar pelos erros de seus antepassados. — A ninja disse, tentando controlar a dor que sentia, procurando palavras que impedissem qualquer outra ação da jovem, que impedissem mais sangue. — E ninguém deveria ser usada como você foi, Chino.

O brilho vermelho sumiu, assim como o enorme dragão, restando apenas um par de olhos roxos que encaravam Hinata com pavor. O genjutsu que prendia Sasuke desapareceu e, por alguns segundos, o ninja apenas olhou para as costas de Hinata, sem saber como reagir ao que ela havia feito por ele.

— Você pode se redimir. Não é tarde demais.

Acontece que Sasuke não era tão bom quanto Hinata. Seu olho direito brilhou intensamente enquanto seu rosto se contorcia de raiva e preocupação, e ele não pensou enquanto conjurava chamas negras nas mãos de Chino, fazendo com que ela gritasse de dor e soltasse a espada. Estava pronto para avançar na oponente e acabar com aquilo de uma vez, mas o barulho de Hinata caindo ao chão e gritando de dor ao quebrar a espada com as próprias mãos fez com que ele extinguisse o Amateratsu e fosse até sua dupla.

— Eu espero que você escute as palavras dela. — Sasuke tentava não deixar o nervosismo que sentia transparecer em sua voz, enquanto pegava Hinata no colo da melhor forma que podia com metade de um braço faltando. A jovem, tentando ajudar, passou os braços pelo pescoço dele, gemendo de dor no processo. — Porque, do contrário, eu vou matar você da próxima vez que nos encontrarmos.

 

E com aquelas palavras Uchiha Sasuke abriu um portal e não olhou para trás.

 

 


Notas Finais


Taiton - Kyōfū Reppa: Liberação de Tufão - Rajada Consecutiva de Fortes Ventos
Shugohakke rokujūyon shō: Proteção de Oito Trigramas Sessenta e Quatro Palmas
Hakke Sōjishi Hōgeki: Oito Trigramas Ataque de Desintegração dos Leões Gêmeos
Ketsuryūgan - Kerryū Shōten: Ketsuryūgan - Ascensão do Dragão de Sangue
Hakkeshō Kaiten: Oito Trigramas Palmas Giratórias do Céu
Hakke Kūshō: Oito Trigramas Palma de Vácuo

~~~~


Em minha defesa, vocês já sabiam que isso ia acontecer hahahah. Confesso que eu tinha planejado um pouco mais para esse capítulo, mas a luta acabou ficando grande, então pra não deixar o capítulo gigantesco, decidi deixar para o próximo. A trama da Chino e a luta foram inspirados no Sasuke Shinden, mas adequadas aos acontecimentos da fic.

E gente, preparem os lencinhos ta?

Um beijo grande e até semana que vem ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...