1. Spirit Fanfics >
  2. Saga - Uma história esquecida >
  3. A rainha do submundo

História Saga - Uma história esquecida - Capítulo 86


Escrita por:


Capítulo 86 - A rainha do submundo


Castelo de Hades, Alemanha. 00:30h

Pandora tocava sua harpa maravilhosamente, até os deuses do Olimpo apreciavam ouvir aquele som. Pandora era uma jovem linda, com longos cabelos negros, com seios grandes, quadris e pernas avantajados

"Senhora Pandora, eu trouxe quem me pediu..."- disse Radamanthys de Wyvern, acompanhado por uma outra pessoa.

"Ah, obrigada Radamanthys... pode se retirar."- disse a moça, educadamente.

"Com sua licença."- disse o elegante Juiz, retirando-se com um certo incômodo em deixar o outro indivíduo sozinho com sua senhora.  

"Mandou me chamar, senhora?" - disse o rapaz com sua voz grave que tanto encantava a irmã de Hades.

"Sim, meu querido... hoje estou me sentindo muito só..."- dizia ela cruzando as pernas, deixando-as a mostra. O rapaz já entendeu qual era o seu papel alí naquele dia. Ele se aproximou, sentando-se na banqueta, alisando delicadamente a coxa exposta, distribuindo beijos pelo delicado pescoço, concluindo a carícia com um chupão no lóbulo da orelha.

"Ah, como você me deixa excitada, você é muito lindo, adoro seus olhos, seus cabelos, tudo em você..."- dizia ela, acariciando os longos cabelos do rapaz.

"A senhora é muito gentil."- disse ele, acariciando os cabelos da jovem irmã de Hades, enrolando os longos fios negros nas mãos com um puxão firme.  Ela se virou, enroscando o pescoço do rapaz num beijo voraz. 

Experiente, ele sabia muito bem dar prazer à rainha do submundo. De quatro na banqueta com suas roupas íntimas rasgadas, as estocadas eram violentas assim como os puxões de cabelo, os gemidos ecoavam pela sala. 

"Vamos, você pode fazer melhor do que isso, não é cavaleiro?"- disse ela, olhando pra ele  com lascívia. Ele meteu um tapa no traseiro dela, forçando sua cabeça contra a banqueta

"Cala boca, cadela... eu sei muito bem de que você gosta."- disse ele, se afastando, virando-a de frente, rasgando com um grunhido o busto do vestido luxuoso, deixando à mostra o belo par de seios. Ele lambeu as mamas macias, sugando com força os mamílos róseos enquanto apertava o pescoço delicado com força. 

"Isso cavaleiro,  você é bom, vamos, mais forte..."- ela implorava, embrenhando os dedos pelos cabelos. Ele desferiu um tapa no rosto dela, virando- a de costa novamente, penetrando-a com força, forçando sua cabeça na banqueta.

"Agora quem manda sou eu, vagabunda, entendeu?"- disse ele, enquanto ouvia os gemidos do orgasmo da senhora do inferno. Ele sabia que só podia se liberar quando ela estivesse satisfeita, nem que isso significasse ela sair dali cheia de hematomas. Mas a cada estocada ela já estava derretendo, ele podia sentir cada centimetro dela se contraindo em seu membro enquanto agarrava suas ancas, porém ainda faltava uma coisa. 

O melado escorria ao retirar o membro, ele a virou, segurando os longos cabelos por um rabo de cavalo, mastubando-se até liberar-se em jatos e gemidos roucos, cobrindo o rosto dela com o sêmem morno. Ela lambia o que caia em sua boca com lascívia.

"Te machuquei? Perdão, senhora."- disse ele, enquanto a cobria com uma capa preta e ajeitava seus cabelos. 

"Não querido... você sempre é perfeito..."

"Gentileza sua."- disse ele, sorrindo de lado.

"Você sempre foi lindo assim?"

"São seus olhos..."

"Não, não são... você foi a melhor aquisição para o nosso exército.  É poderoso, é bonito, é imponente... é bom em tudo o que faz..."- disse ela. 

"Posso serví-la em algo mais, minha linda senhora?"- disse educadamente o cavaleiro. 

"Vamos pro meu quarto? Não quero dormir sozinha, sabe que tem dias em que estou muito carente..."- ela respondeu. Ele assentiu, acompanhando-a até seus aposentos, passando por Radamanthys no corredor.

Se tinha algo que tirava o sossego de um dos grandes juízes do inferno era a senhora Pandora. O fato dela ter escolhido um dos novos "soldados" para cumprir com esse papel o deixava furioso. 

"Não é alguém de confiança,  não é nem um de nós... o que ela viu nele?"- pensava o espectro furioso

Pandora livrou-se da capa no luxuoso aposento, libertando sua nudez invejável.

"Fique à vontade, meu amor..."- disse ela servindo dois copos de uísque. "Bebe um pouco."

"Agradeço a sua generosidade, senhora."

"Pandora, por favor"- disse ela, desabotoando a camisa social preta que o vestia. "Fique bem à vontade..."

Então ele se livrou das roupas pretas, que eram como um uniforme naquele lugar, seu Deus assim fazia questão. Ele ficou nu, deitando- se na cama. Pandora acariciava seu corpo belo, trabalhado, esculpido. Ao chegar em suas mãos, ela notou algo diferente. 

"Não se livrou disso ainda?"-  ela perguntou gentilmente.

"Pode fazer isso pra mim?"- ele respondeu.

Ela tirou o anel prateado do dedo do rapaz, lendo brevemente sua inscrição.  Ela segurou o anel na palma das mãos, o queimando com uma onda de cosmo. Embora seu rosto não demonstrasse reação, sua garganta dava um nó. 

Ela olhou pra ele, que se masturbava com a visão de Pandora nua, fazendo sinal para que se sentasse em cima dele, o que ela atendeu prontamente. Ela sentava com força,  sentindo o falo preenché-la completamente enquanto ele sugava os seios apertando. Ela não fazia questão de ser discreta com os gemidos, dava pra ouvir a metros de distância.

"Por que está tão bonzinho?"- dizia ela, enquanto sentava. "Você não é assim."

"Cala a boca, sua puta."- disse ele dando outro tapa no rosto dela, virando-a de barriga pra baixo, penetrando- a com força enquanto segurava a moça pelo couro cabeludo, com força, encostando a boca em seu ouvido. 

"Esqueceu por que eu vim parar aqui? Se eu quiser, posso torcer seu pescoço agorinha com meu pau dentro de você... isso te excita, não é? Vagabunda... to sentindo você gozar."

Realmente, a rainha do submundo era do tipo que gostava de homens perigosos, aquele era o mais perfeito que ela havia visto. Nunca tinha visto alguém tão lindo, tão fabuloso quanto ele, estava deslumbrada. 

Terminando o ato, ela se acomodou no peito dele, adormecendo com as carícias que ele fazia em seus cabelos cheirosos. Estava aliviado por ter despistado Pandora, mas perdeu a única lembrança que tinha dela... o amor de sua vida. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...