História Saga Espada do Triunfo Profano - Capítulo 16


Escrita por:

Visualizações 12
Palavras 1.275
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Poesias, Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 16 - Sinfonias de um Herói: Parte 8 - Prova da Agonia (parte 2)


Fanfic / Fanfiction Saga Espada do Triunfo Profano - Capítulo 16 - Sinfonias de um Herói: Parte 8 - Prova da Agonia (parte 2)

Inutilidade, Não Ser Amado

Enquanto Elrer chorava ele e se lamentava, ele é posto em mais uma ilusão, onde começava a ouvir gritos de ajuda.

-SOCORRO! SOCORRO! DEMÔNIOS ESTÃO NOS ATACANDO!

Ouvindo aquilo, Elrer se recupera imediatamente, pega a sua espada e vai em direção à sua vila. E lá estava Mefistófeles, junto com outros demônios. Então ele decide lutar sozinho contra os demônios.

Elrer pousou no centro dos demônios com grande impulsão, lançando uma pequena magia que jogou todos para longe. Ele então se levantou e olhou para Mefistófeles, que sorria ao ver o humano a sua frente o olhando de maneira assassina. O cavaleiro então girou sua espada e partiu para um ataque, mas um demônio o puxou para trás e o jogou contra uma casa da vila, a destruindo.

Dado o ataque, todos os demônios começaram a dirigir-se a Elrer, com uma velocidade tremenduosa. O guerreiro se esquivou, preparando a espada e atacando com rapidez, já conseguindo cortar vários demônios no meio. Porém, haviam centenas deles vindo de todas as direções e atirando bolas de fogo.

Uma ilusão difícil aquela seria, mas Elrer estava determinado a salvar sua filha, portanto deveria resistir a todos os desafios para concluir esse objetivo.

Ele saltou contra o grupo de demônios, começando a aplicar cortes rápidos e precisos para abrir caminho. Eram muitos e ele teve de se esforçar para cortar todos, mas isso acabou não acontecendo e ele foi derrubado antes do previsto, caindo no chão em meio a todos aqueles seres das trevas.

Os demônios logo começaram a desferir socos e chutes por todo o corpo de Elrer, fazendo-o gritar de dor e agonizar. Estava levando uma surra. Não podia negar isso. Apesar de tentar resistir aos fortes golpes que lhe eram aplicados, Elrer sabia que sua missão estava fadada ao fracasso. E como não podia ativar seu alter-ego ali, naquela ilusão, estaria condenado a ser derrotado.

-Elrer: Minha filha... Me perdoe...

-???: Pai!

-Elrer: Filha?! –pergunta Elrer surpreso.

-???: Pai, onde você está? Precisa me salvar! Mefistófeles me matará se não fizeres isso!

-Elrer: Não, não! Nathye –A voz da princesa some.

-Elrer: Mefistófeles... Você... IRÁ PAGAR!!!!

Com um surto de magia na qual ele nem mesmo sabia que poderia ter, Elrer destrói todos os demônios que o cercavam e pega sua espada. Ele estava emanando uma aura branca ao redor do seu corpo, suspirando e partindo contra o resto dos seus inimigos com uma velocidade incrível, muito mais rápido que há alguns momentos antes.

Mefistófeles se surpreendeu ao ver o humano cortando vários de seus demônios com uma facilidade absurda. Alguns arqueiros apareceram nos topos das casas, atirando contra Elrer, mas este, enfurecido, bloqueou as flechas com a espada, e com apenas um leve movimento do braço esquerdo, as destruiu como se não fossem nada.

Ele então saltou, guardando a espada e aplicando um soco contra um arqueiro, em seguida enchendo-o de chutes e o mandando contra o resto, causando um efeito dominó.

-Elrer: Você verá o preço de ter sequestrado minha filha, maldito demônio!

Elrer então conjurou uma magia em sua espada, a banhando a aura branca que cobria seu corpo anteriormente. Ele então a preparou, e saltou em direção a Mefistófeles com grande velocidade, completamente furioso, e atacou de uma só vez. Um clarão cobriu os olhos do guerreiro antes que não pudesse mais ver nada.

Teria Elrer vencido Mefistóles, mesmo que em uma ilusão? Seria possível?

O que se sucedeu após o ataque era uma visão perturbadora: Mefistófeles tinha conjurado um espinho gigante com um único movimento, atingindo Elrer nas costas e o perfurando.

O guerreiro estava no chão, com sua espada caída logo a sua frente. Ele tentou pega-la, mas Mefistófeles pisou em sua superfície, a esmagando e deixando Elrer extremamente perplexo. Ele então olhou para cima.

-Mefistófeles: Guerreiro, seu poder é surpreendente. Mas, nada pode me derrotar no momento hehe!

-Elrer: S-seu m-maldito! –diz Elrer agonizando.

Elrer então caiu no chão, já sem vida para continuar a lutar e sentindo que fracassou não só em sua missão, como também em sua vida mortal. E então, ele voltou ao mundo real, derrotado e humilhado.

Após ser derrotado, a única coisa que Elrer pode ver, em seu fracasso, foi ver uma chuva de mil chamas cair sobre toda a sua vila. Podia-se ouvir os gritos das pessoas queimando e agonizando. Parecia que Elrer estava vendo o inferno na sua frente.

-NÃO!!!!!!!! –gritava Elrer sem poder fazer absolutamente nada.

Ele chorou. Mais do que da primeira vez. Mas Elrer iria sofrer ainda mais, pois vinha mais uma ilusão.

Ao abrir os olhos, ele se encontra novemente em sua vila, e dessa vez, todos o reconheciam, sabiam quem ele era. Sua filha, seus amigos e os moradores da vila Caford.

"A caelesti est amor et virtus et opus universal! Amor regit vitam efficit sensum solum omne quod amare quando dicimus quod optimum est." ("O amor é uma virtude celestial e também é uma necessidade universal! O amor rege a vida, somente ele é o que dá sentindo a tudo, pois quando amamos alguém, damos o nosso melhor por essa pessoa.")

-O Rei Elrer voltou!

-Seu canalha! Onde você estava?

-Onde estava você quando mais precisamos de você!?

Foi o que alguns dos moradores da vila de Caford falaram.

-Elrer: Mas...eu sempre estive aqui.

-Mentira! Seu mentiroso! Merece ir para o inferno!

Então eis que surge sua filha, que não aparentava estar muito feliz com a sua chegada.

-Nathye: Onde estava esse tempo todo? Você não sabe o quanto a sua demora me fez sofrer. Estamos sem condições aqui. Nunca pensei que diria isso mas... EU TE ODEIO! Eu não o amo mais. Não sou mais a sua filha e não o considero mais como pai... SEU FILHO DA P***A!

Aquelas palavras doeram mais do que uma espada perfurando o seu coração. Elrer quase cai em choro novamente.

-Morte ao Elrer!

-Matem-no!

-Ele não merece ser mais o nosso rei!

A multidão se revoltou e começaram a correr atrás dele com vassoura para varrer folhas, tochas acesas, espadas e lanças.

Eles começam a ir atrás dele junto com outros soldados da vila que acabaram se revoltando contra Elrer.

Percebendo que seu os moradores da vila estavam o alcançando, Elrer começa a correr com toda a sua velocidade, que era estranhamente anormal, os soldados ficam parados observando pasmos o quão rápido o ele poderia ser.

Tempo suficiente para Elrer ganhar vantagem, o rei pula agilmente por obstáculos enormes, pedaços de metal jogado ou até mesmo o relevo distorcido, dificultando que eles se aproximassem dele. Mas quando seu fôlego acaba ele se vê obrigado a parar atrás de uma enorme árvore.

Seu pulmão ardendo agita sua respiração revelando seu esconderijo, quando pensa ter despistado os  soldados e os moradores uma lança passa de raspão por seu ombro e cinco homens de seu próprio exército se mostram no local.

Pensando rápido, Elrer se levanta e usa um pouco do poder do seu alter-ego para derrubar a árvore e impedir que eles chegassem perto. Alguns jogam lanças na tentativa de acertá-lo, mas eles se surpreendem ao ver os seus incríveis reflexos e ele foge dos soldados que estavam a o seguir.

Até que ele se vê encurralado em um beco. E eles finalmente o cercam. Elrer percebe que aquele seria seu fim. E a voz tenebrosa de Shiva aparece mais uma vez.

-Shiva: Habens fun, Elrer? (Se divertindo, Elrer?)

Elrer percebe que era Shiva falando.

-Elrer: Monstra te, in bastardis! (Apareça, seu canalha!)

-Shiva: Eum quasi leprosum, et confortavit me. Hahahahaha! (Seu sofrimento me fortalece, mais e mais. Hahahahaha!)

Então Elrer apenas fechas os olhos e se concentra. Shiva não parava de rir. Shiva, rindo... nem sabe o que agora o aguarda.

Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...