História Saga Harry Potter: O purgatório do Príncipe Mestiço - Capítulo 38


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Harry Potter, Hermione Granger, Severo Snape
Tags Ação, Amizade, Aventura, Drama, Dumbledore, Família, Mistério, Revelaçoes, Snamione
Visualizações 63
Palavras 931
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Magia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 38 - Reencontro nada amistoso


Fanfic / Fanfiction Saga Harry Potter: O purgatório do Príncipe Mestiço - Capítulo 38 - Reencontro nada amistoso

_Bolo ou panquecas, Hermione? –ofereceu a menina, com uma espátula em uma das mãos e um sorriso radiante de descansada.

Coisa bem diferente da jovem mulher do outro lado da bancada, em suas olheiras começando a demarcar os olhos castanhos perspicazes porem estressados.

_Panquecas, por favor. –respondeu distraída.

Não que sua opinião estivesse pendendo para a orientação do homem, mas a menina tinha demonstrado qualidade em tudo o que se empenhava em aprender, inclusive cozinhar. Granger se empanturrou de presunto frio, panquecas, chá e uma sopa de vegetais colhidos da horta sobrevivente ao rigoroso inverno no fundo da casa, a qual aqueles dois –Snape e Hatzell – juntos haviam transformado em uma pequena, porem bela e arrumada estufa.

Pensar no trabalho em equipe dos dois, automaticamente a fez perceber que contar a verdade a menina foi a melhor coisa para fazê-los se entender. Talvez o que ela tenha feito ao enviar a carta só seja ruim inicialmente e sirva para um bem maior.

Batidas a porta. Quase engasgou de susto. Bateu a caneca de chá com força, quase rachando a porcelana enquanto apressava-se em levantar e ir abri-la.

Era hora da verdade: Harry Potter.

_Mione, que diabos de casa é essa?! –exclamou ele enquanto ajustava os mesmos óculos esfrangalhados sobre o nariz e tentava não tremer tanto o corpo magro e alongado de tanto frio que sentia por baixo do seu sobretudo cinza.

_Harry! –ela não ligou para o comentário dele, mesmo denotando ser praticamente o mesmo que ela fizera ao chegar a casa, abriu um sorriso largo, abraçando-o com força e recebendo um pouco da neve daqueles cabelos ouriçados sob a cabeça.

_C-calma! –disse ele retribuindo o abraço por alguns segundo, mas logo afastando-a delicadamente– Vai me explicar logo que lugar é esse e o que está acontecendo? Porque me pediu para não trazer mais ninguém? Esta brigada com o Rony ou...

Mas parou automaticamente de falar, encarando algo atrás dela, o sorriso descontraído e os olhos preocupados desvanecendo numa expressão indecifrável.

Granger abriu espaço para o lado, para ver o que já esperava: Snape.

O homem aos pés da escadaria do laboratório não demonstrava emoção alem de surpresa, o rosto indecifrável, os olhos negros relampejando magia antiga. Sua atenção só se desviou para o movimento de Sofie, que desceu da cadeira que utilizava para alcançar coisas nos armários superiores da cozinha em prol de se esconder atrás dele, tímida com o forasteiro, agarrando a mão direita do bruxo, a mão da varinha.

Potter piscou algumas vezes atônito, não parecendo reconhecê-lo de imediato.

_Desculpe pelo incomodo! Minha amiga mandou-me as coordenadas para encontrá-la aqui! Não quero incomodar! –começou a dizer Harry, simpático, soltando o ar de imediato.

Hermione arregalou os olhos, não acreditando que ele não reconhecera o velho professor de poções dos dois. Ou talvez tenha reconhecido, mas também, já tinha tato o suficiente das coisas para agir de maneira adequada.

A duvida nisso consumia o turbilhão de pensamentos da jovem. Ela voltou os olhos para Severo, que não a encarava, o maxilar travado, as mãos em punho, relaxaram instantaneamente, e ele se aproximou guardando a varinha, a mão estendida, um sorriso amarelo e convincente.

_Entre rapaz! Deve estar um gelo ai fora! –convidou, apertando a mão dele rapidamente –Sou Ethan Fierar, esta é minha filha adotiva, Sofie... –gesticulou para a menina agarrada a blusa de tricô dele, ainda mais tímida– Vamos querida, cumprimente-o! É o Harry Potter!

Hermione quase tombou para trás, com a necessidade de sentar graças as pernas bambas, não estava acreditando na capacidade de “disfarce” que aquele homem tinha, não estava acreditando que REALMENTE seu melhor amigo não reconhecera o homem responsável por tantas lembranças e acontecimentos do trio, só porque adotara algumas roupas, trejeitos diferentes e uma barba!

Sofie andou dois passos, silenciosa, a cabeça baixa, estendendo a mão assim como Severo fez para apertar a de Potter.

_Prazer em conhecê-lo... –murmurou, apertando a mão dele.

_O prazer é meu, pequena Sofie...

Harry se agachou com movimentos calmos para não assustá-la, um sorriso simpático no rosto, e com um movimento rápido sacou a varinha e lançou um feitiço quase imperceptivelmente.

_Legilimens. –a menina tombou para trás, desmaiada com a intensidade e o impacto do feitiço, tarde demais para que Severo pudesse impedir, os segundos foram suficientes para Potter obter de forma segura o que procurava, pois seus olhos verdes pareceram confirmar algo que mesmo disfarçando já suspeitava.

Snape perdeu o controle de sua fúria, um vento estranho, quente e imediato rondou os presentes. Ele agarrou Harry pelo pescoço levantando-se do corpo inerte da criança que aparara segundos antes, desarmando-o de imediato. Não era o anonimato desfeito, era o mal infligido a criança que haviam-no feito perder o controle e incitado sua fúria.

_Severo, por favor! –Hermione agarrou o braço dele, os olhos transbordando lagrimas quentes em desespero– Ele não consegue respirar! –implorou, tentando fazer com que o moreno soltasse o rapaz de imediato.

Severo assim que percebeu privar o rapaz de ar, o soltou no chão, a expressão antes focada e mortal desmanchou-se numa retorcida de dor.

Harry se caiu sobre as próprias pernas perdendo a consciência de imediato.

_O que foi que eu fiz... –murmurou Hermione, continuando a soluçar, sacando a varinha e apontando para as marcas no pescoço do amigo, as mãos tremulas, tentando ajudá-lo.

Snape pegou Hatzell nos braços, desaparecendo com ela para o laboratório fingindo que os dois não existiam. Granger permaneceu estática, vendo a progressão de seus feitiços de cura continuar enquanto o batimento e a respiração de Potter se normalizavam e logo ele acordaria.

O que iriam fazer agora?

 

 


Notas Finais


Olha só, se ficarem pensando que eu exagerei, nem venham reclamar kk, o que vcs esperavam meus pimpolhos? Ele se afeiçoou a menina, é a familia dele agora.
quanto a dupla parada dura, tao fu.di.dos kkkk nao sei como vao resolver essa parada.
Bjos

M.J.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...