História Salgado Pecado - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adultérios, Farsas, Intrigas, Sereias
Visualizações 9
Palavras 3.096
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Misticismo, Poesias, Romance e Novela, Sci-Fi, Sobrenatural, Survival, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Hey pessoal, prontos pro último capítulo de introdução, espero que sim e espero que gostem, acho que vocês devem estar se perguntando qual vai ser o grande problema que vai fazer a fanfic andar, enfim boa leitura.

Capítulo 4 - Capítulo 3 - O começo da caça


Fanfic / Fanfiction Salgado Pecado - Capítulo 4 - Capítulo 3 - O começo da caça

Ilha de Vulcano

Sede dos filhos de Oceano

Estava um dia ensolarado na pequena e animada ilha, bem pelo menos para algumas pessoas. Como por exemplo a doce família de Sebastian, ele não havia mais voltado para casa, as marcas roxas e cortes que sua esposa tinha em sua pele estavam começando a sumir, suas filhas estavam começando a não sentir mais medo da noite ou de dormir, pois nenhum predador as ia machucar de noite, não mais, graças a Tessa. Falando em nossa querida e doce Tessa, ela estava tendo o que chamamos de dia de cão, após acordar de pesadelos causados pelas memorias de sua última refeição quando durante seu matinal banho gelado a música BLOOD de in tis moment começa a tocar a fazendo ter que sair as pressas do banho, pois esse toque significava uma chamada de emergência do QG.

- Augustos seu velho rabugento, você acabou de interromper meu banho, no meu maldito dia de folga é bom que você tenha um ótimo motivo. - falou ela estressada.

- Escute Tessa eu realmente lamento lhe perturbar em seu dia de folga, porém eu preciso de todos aqui, aconteceu uma coisa muito importante e eu realmente preciso de você, além de ser minha melhor investigadora é a que tem o estômago mais forte e vamos precisar bastante disso - falou com a voz carinhosa e triste, aquelas informações eram sérias e isso deixou Tessa em modo alerta.

- Certo vou só me vestir, para onde devo ir?

- Clube de Estripper de New York, O Cama Sutra  - falou ele monótono.

- Okay, até daqui a pouco já chego, separe uma muda de roupas para mim.

- Certo, até - e assim dizendo essas palavras desligou.

Tessa nunca foi muito vaidosa, pegou as primeiras peças de roupas em sua frente se vestiu e foi em direção a praia. Ela estava nervosa e tensa, não só por conta da legação de Augustos, tinham dois motivos principais. O primeiro deles era a frase dita por Augustos "Preciso de todos aqui", isso significaria que ele estaria lá não é mesmo? Ela estava tão nervosa, não sabia como agir perto dele ou falar com ele depois da briga que tiveram, mas o maior motivo de seu nervosismo com certeza era fazer um viagem pelas correntes de água. As correntes de água foi outra criação de Oceano para proteger seus filhos, correntes que eram ligadas as praias de todo o mundo, oferecendo uma viagem rápida para qualquer uma delas só basta serem controladas, e elas precisam ser rápidas, pois a partir do momento que eles abdicaram de suas vidas no mar e foram para a terra firme, eles perderam a capacidade de respirar debaixo d'água, elas acabaram se tornando um maravilhoso presente já que além de lhes oferecerem um boa rota de fuga, também lhes dava um meio de transporte rápido para todos os litorais do mundo, fazendo com que a área e atuação dos investigadores cobrisse quase todo o mundo. Porém Tessa odiava tal viagem, ela tinha um medo absurdo de se afogar, a fazia se lembrar do dia em que ganhou a maldição, lembranças que ela sempre fazia questão de manter longe. Mas ela teria que fazer a viagem, precisavam dela. Quando ela chegou na parte isolada da praia tirou suas roupas as colocou em um lugar escondido nas rochas e pulou para o mar, não demorou muito para encontrar um correnteza e coloca-la em direção a New York.

Não haviam se passado nem quarenta segundos e Tessa já estava em um porão subterrâneo, a sede do filhos de Oceano em New York, o porão era feito de rochas o que a fazia lembrar do esconderijo do Batman, ou talvez o Batman tenha se inspirado na Sede, quando saiu de dentro d'água deu de cara com Amber com o braço esticado lhe dando uma muda de roupas, Amber estava extremamente vermelha o que realmente não era muito difícil já que ela era extremamente pálida, seu cabelo rosa estava molhado e curto, apenas um pouco acima das orelhas, aquilo era novidade para Tessa a última vez que a viu, que fora alguns meses atrás quando "terminou" o pequeno rolo que elas estavam tendo, Amber  tinha longos cabelos loiros. Os olhos cinzentos de Amber estavam olhando para qualquer lugar menos para o corpo nu e belo de Tessa, Tessa viu o quanto ela estava desconfortável com aquilo e pegou as roupas e começou a se vestir.

- Hey não fique envergonhada Amb, não tem nada que você não tenha visto aqui. - disse Tessa em um tom engraçado para descontrair um pouco, o que não funcionou já que Amber fez o impossível e ficou ainda mais vermelha.

- Éeeee...descul....pe ....Tessa.....tenho que ir....- disse Amber gaguejando e fugiu dali mais rápido que o diabo da cruz. Coisa que fez Tessa rir ela tinha esquecido do quanto Amber era tímida, bem só com algumas coisas, porque pelo que ela lembre Amber não nem um pouco tímida na cama.

Quando terminou de vestir as roupas que lhe foram dadas, Tessa subiu as escadas feitas de pedra e foi atrás de Augustos, ela tinha esquecido como a sede era, era um local que aparentava ser uma casa norte americana de classe média normal, paredes feita de tábuas de madeira assim como o chão, faixada branca, uma pequena varanda, algo simples e comum naquele local algo que não chamava muita atenção e ficou feliz por não achar ele durante o tour que dava. Ela achou Augustos sala do chefe da sede, que ficava no sotão da casa, quando abriu a porta encontrou Augustos conversando com Uriah o chefe da sede e amigo seu.

- Olha vejam só quem chegou, a amiga falsa que não estava aqui na minha cerimônia de pose - disse Uriah olhando para ela com seus olhos claros tão frios como gelo, ele tinha apenas 25 anos, seus cabelos negros estavam mais longos do que ela se lembrava, assim como sua barba, ele estava mais pálido e tinha olheiras fundos e escuras, parecia consumido pelo trabalho e ele estava bem bravo com ela.

- Oi pra você também Uriah, sim a viagem foi ótima não bati em nenhuma baleia e nem entrei em nenhum congestionamento com cardumes de sardinhas. - disse com um tom divertido.

- Ohhh céus você pode ficar sem fazer piadas pelo menos uma vez na vida e fingir que se importa com as coisas?! - gritou Uriah furioso enquanto apontava o dedo na cara dela. Coisa que a irritou bastante, ela pegou o dedo que ele estava apontando para ela e o torceu o fazendo ficar de joelhos perante ela.

- Nunca aponte o dedo para mim Uriah e você sabe bem disso e para sua informação eu estava em Singapura em um caso ou você preferia uma amaldiçoada em sua festa? Pronta para devorar o primeiro em sua frente. - falou olhando nos olhos deles e só quando viu a compreensão nos olhos dele que o soltou e o deixou sair daquela posição, a face arrependida dele quase a fez se sentir mal por ter mentido sobre o verdadeiro motivo.

- Desculpe Tessa só ando meio estressado com tudo que vem acontecido, mas você também podia ter ligado né?

- Desculpe por isso foi bem complicado e difícil - as primeiras palavras sinceras dela naquele dia - Vem cá bobão me dá um abraço, parabéns por tudo isso você sabe que merece.

- Cof...Cof... - resmungou Augustos fazendo Tessa se soltar de Uriah - Que bom que vocês já se reconciliaram, mas temos um assunto bem sério para conversarmos e ele foi o motivo que fez você vir para cá.

- Sim verdade, precisamos de você e desse seu instinto de detetive.

- Ohh fico muito lisonjeada com todo esse gracejo por parte dos dois, mas gostaria que vocês fossem direto ao ponto, porque se vocês fizeram tanta questão para que eu viesse a coisa é bem séria.

- Resumindo a coisa toda, achamos que Jack estripador está de volta. - disse Augustos com um tom tão sério que nem passou pela cabeça de Tessa fazer alguma piadinha.

 

Boate Cama Sutra

New York

 

Quando Tessa chegou ao local do crime ela se sentiu em uma cena do anime Hellsing, era uma carnificina devastadora e violenta que somente um monstro como Alucard seria capaz de fazer aquilo, pois o lugar fedia a tortura e morte. A boate era grande e chique, paredes pintadas de preto e de vermelho agora pelo sangue, haviam divãs espalhados vermelhos espalhados por todo ambiente em cada um deles tinha algum corpo com as vísceras para fora, homens e mulheres com corpos dilacerados, mulheres sem o útero e homens castrados, Jack Estripador tinha voltado e nem os homens iam poder escapar dessa vez. Mas a cena mais aterrorizante era o corpo do palco, se Tessa não tivesse o estômago forte com certeza ela já teria saído correndo dali se encolhido e chamado pela mamãe, haviam sido cortados as peles da frente o tórax daquela mulher e feito asas com elas enquanto ela havia sido empalada por uma barra de pole dance que ficava no palco, comente aquela mulher permanecia com útero e Tessa tinha plena certeza de que aquilo significava algo.

- Algum sobrevivente? - Tessa perguntou a Augustos e Uriah.

- Sim, uma de nossa espécie, você sabe que a gente utilizava essa boate assim como vocês usam Salgado Pecado, morreram filhos da Terra e de Oceano nesse local. - respondeu Uriah que tentava disfarçar todo o incômodo que estava sentindo ali.

- Ótimo, quero falar com ela, tragam ela para cá.

- Tessa não é melhor falar com ela em outro local? Sabe longe de todo esse pesadelo? - perguntou apreensivo Uriah, até ele ficava com medo de Tessa quando ela estava trabalhando ela entrava em modo sério o que era algo que fazia com que todos que conheciam a levassem a sério.

- Sim se ela vier para cá, vai ter mais vivido em sua memória o que aconteceu e poderá me contar detalhes mais ricos, e quanto a pesadelos todos vivemos e temos que enfrenta-los se não eles nunca nos deixaram em paz, vá busca-la.

Não demorou mais de 5 minutos para que Uriah chagasse com a moça ao local, assim ele chegou viu que Tessa estava no atrás do balcão de bebidas servindo suas doses do que ele acha que seria tequila quando ela notou que ele havia chegado indicou um banco perto do balcão, o único que não estava melado de sangue, para a moça se sentar. Quando ela sentou Tessa empurrou a dose de tequila para ela e se aproximou mais dela se encostando no balcão.

- Qual é o seu nome doçura? - Tessa perguntou.

- Se,,,nnua,, - respondeu gaguejando.

- Bem Sennua, lindo nome aproposito - disse Tessa com um sorriso cafajeste - Poderia me contar o que você estava fazendo em um lugar como esse?

- B..bem eu tra..traba..balho aqui como stripper a alguns anos.

- Ohhh entendo - disse Tessa analisando a pequena criatura que estava encolhida naquele banco. Ela não devia ter mais que 1,60 metro de altura, ela era negra e esguia, seus cabelos eram lisos e roxos e quase chegavam a sua cintura, seu rosto era anguloso e seus lábios finos estavam tremendo. - Você pode me contar o que escutou enquanto esteva escondida pequena?

- Co..mo você sa...be que eu estava escondida? - perguntou ela receosa.

- Bom você não esta abalada o suficiente para alguém que presenciou um coisa como essa, só está abalada como alguém que escutou uma chacina e os pedidos de socorro e não pode fazer nada, porque claro estava com medo, logo que se deduz que você estava escondida em algum lugar aqui na boate onde poderia escutar tudo, mas não poderiam ver você. Arrisco dizer que você estava em algum dos quartos esperando um cliente. - falou Tessa de maneira metódica, como se aquilo fosse algo extremamente óbvio. Fazendo Sennua ficar de queixo caído e Uriah dar um pequeno sorriso. - Enfim não importa onde você se escondeu, quero saber o que você escutou em cada mínimo detalhe e sem enrolar muito, ainda tenho que analisar toda a cena do crime e eu não quero que eles comecem a feder então por favor.

- OKay...bem, por onde eu começo...

- Do começo seria bom. - falou Uriah tentando descontrair um pouco, mas a única coisa que ele ganhou foi um olhar exasperado de Tessa.

- Bem era um dia normal de trabalho, eu estava dançando e ganhando uma grana quando um cliente meu me chamou para o quarto o que era extremamente comum, pois sempre fazemos isso, ele me mandou ir na frente já que pegaria algumas bebidas e comidas para nós, entrei no quarto fechei a porta e fiquei esperando por ele deitada na cama, quando eu escuto as portas serem fechadas eu até pensei em ver o que estava acontecendo quando eu escuto o primeiro grito isso me fez ficar paralisada, e então uma voz de mulher pergunta "Vocês mentirosos e corruptos, pessoas que ferem e mentem em nome do amor, estão prontos para serem exterminados?"  e a gritaria volto só que em um número bem maior, uns pediam socorro, uns pediam misericórdia, sons de pancada e de carne rasgando... - nessa hora Sennua respirou fundo e deu uma pequena pausa, Tessa a esperou se recuperar então ela se serviu de sua dose de tequila e continuou a história  - com o tempo os gritos foram diminuindo e senti essa pessoa vindo em minha direção, ela sabia que eu estava aqui, quando eu pensei que já era eu escuto o som de asas de um pássaro e de repente não há mais nenhum som além da minha respiração fazendo eu me questionar se tudo aquilo não foi um sonho.

- Obrigada Sennua pelo seu depoimento, foi muito corajoso e sua parte contar tudo o que aconteceu, vá para casa e descanse - falou Tessa tomando a sua dose e começando a andar pelo local.

Depois de algum tempo andando e analisando todas as coisas que encontrou no que um dia foi uma boate, Tessa chamou Uriah e Augustos para uma conversa

- E então Tessa qual é a sua teoria sobre o que aconteceu lá? - perguntou Augustos.

- Era apenas uma pessoa agindo, por isso teve que trancar as portas do estabelecimento, porém ela não está agindo sozinha, a frase que ela falou sobre punir e castigo, acredito que ela esteja sendo induzida a fazer isso por alguém que confia, não sei exatamente a quantidade de pessoas que estão envolvidas, mas logo terei uma ideia.

- E como você conseguirá essas respostas? - perguntou Uriah confuso.

- Porque eles irão atacar de novo e eles já cometeram um erro da primeira vez ao deixar uma testemunha viva, alguém deles impediu outro de fazer isso, ou seja, um deles é contra seus ideais e propósitos, temos um elo fraco que podemos usar e é nele que devemos focar, pois essa pessoa pode ser de grande serventia. Outra coisa que tenho que mencionar eles são algum tipo de raças, isso mesmo no plural,  diferente da nossa, enquanto examinava o local pude sentir cheiro de enxofre e tinha algumas pegadas "humanas" gravadas no chão como se tivessem sido queimadas e achei uma pena, grande demais para qualquer pássaro da região, não sei o que eles são, mas eles podem se transformar como nós amaldiçoados, por isso uma só "pessoa" conseguiu fazer todo aquele estrago, o que também ajuda a entender o porque de as vítimas não terem se defendido, os humanos não tem nenhuma defesa assim e os filhos de Oceano que estavam lá não eram amaldiçoados. Bom esse é meu resumo sobre o caso por enquanto. Se não se importam, vou terminar um banho que comecei hoje cedo e tentar aproveitar o pouco de folga que ainda me resta.

- Por isso você é nossa melhor investigadora e por isso precisávamos de você. - falou Augustos com orgulho.

-É eu sei, eu sou demais se me...- Tessa ia falar terminar de falar quando escuta o barulho da porta se abrindo e olha para o par de olhos verdes que ela queria manter distância.

- Vejo que continua  com o mesmo ego inflado de sempre Tessa. - falou com aquela voz grave e rouca que sempre faz sua pele se arrepiar.

- Na verdade ele está cada vez maior Charley, afinal sempre estou superando o impossível e ficando cada vez mais maravilhosa. - ela falou enquanto saia dali e fechava a porta fugindo mais uma vez do seu passado.

 

Cidade dos deuses

vinte anos atrás 

 

Depois na noite que teve com Terra Oceano se sentia extremamente culpado por ter triado o homem que ele amava e para não cometer o mesmo erro havia mantido distância de Terra, porém ele não estava arrependido do que fez, não completamente ele amava seus filhos e era muito feliz por tê-los. Bem ele manteve distância de Terra ou pelo menos tentou bastante, entretanto com o tempo ele sentia saudades daquela noite que passou com ela e depois de algumas investidas dela ele sempre a levava para a cama e isso foi acontecendo ao decorrer dos séculos. 

E aquele momento enquanto se dirigia para a casa de Terra, era um desses. Terra sempre o esperava com poucas roupas afinal logo ele as tiraria dela, com o passar do tempo Terra se conformou em ser a amante, com o reconforto de que ela era a mãe dos filhos favoritos de Oceano coisa que Céu jamais poderia ser. Quando Oceano chegou na frente da porta da casa de Terra não precisou bater muitas vezes logo a morena abriu a porta e se jogou em seus braços o beijando com todo o desejo que se acumulou dentro dela desde a última vez que eles se viram. Ela começou a tirar blusa que ele estava vestindo deixando seu tronco malhado e belo exposto para ela, enquanto ele a beijava com pressa e luxuria, não demorou muito tempo e os dois já estavam nus e na cama. Porém entre os sons de seus gemidos e de seus corpos se chocando, havia uma ser os olhando e lágrimas rolando pelo seu rosto, dava para ouvir o som  de seu coração se partindo em pequenos cacos. E é de um coração destruído e da raiva e uma traição por pessoas amadas que surge o pior monstro de todos o desejo por vingança.

 

 

 


Notas Finais


Bem pessoal espero que tenham gostado e próximo capitulo será o primeiro narrado em primeira pessoa animados?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...