1. Spirit Fanfics >
  2. Salvadora ( Tom Riddle ) >
  3. Confusione

História Salvadora ( Tom Riddle ) - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


o próximo cap vai ter a foto de Tom, e o da Estela vai demorar um pouco, mas vamo chegar lá se minha preguiça quiser. QUEM FICAR CONFUSO, a cor dos olhos de Tom não são castanhos nessa fic.

Capítulo 3 - Confusione


Fanfic / Fanfiction Salvadora ( Tom Riddle ) - Capítulo 3 - Confusione

 

Abril de 1950

 

 

 

 

A mente de Tom está acelerando a mil.

 

A pequena perguntou o seu nome e sem demora escapuliu para fora da loja, esse foi o diálogo se tem como chamar aquilo de um diálogo, mais breve que Tom já teve, a criança estava lá num momento e no outro sumiu literalmente, a única prova que ela esteve ali é da faca que desapareceu e o surgimento do pagamento exato da faca que foi levada, com tudo que ele analisou, não se dá para descrever em poucas palavras, se meter em uma discussão com Borgin logo de cara mostra a experiência de já ter vindo para loja ou ter falado com o velho ou mesmo pela travessa de tranco, e em conta que Tom não a tê-la visto antes, e o mesmo se diz da criança se como a forma que ficou tensa perto dele servisse de exemplo, e a sua magia, não… na verdade parecia que nem tivesse, não tinha como senti-la como normalmente deveria ser, o que é surpreendente por si só, Tom dúvida da possibilidade que a mesma não tenha magia por sua saída, foi porque ele estava muito focado.

 

E aparentava que a criança não queria ter nada a ver com Tom, e só para irrita-la se a garota notar, ele deu seu primeiro nome, para que quando dirigir-se a ele, seria por Tom e só Tom, fazendo parecer que são conhecidos íntimos.

 

E quando Tom sentiu pequeno, mas forte incrivelmente forte para uma criança centelha da sua magia, foi como ser embalado com cheiro de grama molhada em uma caverna, ele jura que a sensação ainda está lá, mesmo depois da criança ter saído há um tempo, e pelo fato da garota ter comprado a pior adaga sem ao menos vê-la se diz de estar com pressa, tem outra opção, que é a criança seja pobre, mas a capa de boa qualidade e seu andar gracioso fluidos falam ao contrário, a mesma poderia ser uma ladra ou filha de algum puro-sangue disfarçada, Tom não tem certeza, são poucas informações para ter uma imagem completa e como ela saiu do local… não foi aparatação obviamente, foi velocidade concentrada, forte suficiente para deixar vestígios de magia, forte o suficiente para ele--Tom não conseguir vê-la saindo a olho nu, Tom se orgulha da sua ótima visão e dizer que ele está moderadamente surpreso é uma blasfêmia, especialmente porque aquilo não deveria ser possível, não sem algum tipo de feitiço, um que ele não conhece o que ele duvida que seja o caso, porém a criança falou nada que indique que ela usou um--

 

 Os pensamentos de Tom estão começando a ficar descontrolados, e uma das coisas que ele odeia é não ter controle, e com sua simples e incomum presença a criança vai lá e destrói --isso, não importa, isso não é prioridade, por mais que Tom quisesse desvendar ele tem coisas mais importantes para fazer e se preocupar, e não com uma criança que nem teve a decência de se apresentar, no entanto não posso ignorar, pelo menos, não completamente, 

pensa aborrecido.

 

 

 

____________

 

 

Estela foi descuidada 

 

Ela sabe que foi, se mostrar assim… mas não tinha como aguentar a pressão que a magia daquele homem-- Tom, aquilo é loucura, e ela não perdeu como sua magia ficou espinhosa tentando alcançá-la, não a machucou fisicamente, só não se pode se dizer o mesmo da sua psique.

 

Ela também sabe que poderia usar sua própria magia como proteção, mas o medo desenfreado, coração batendo forte no peito foi terrível, isso desencadeou memórias do orfanato, o seu instinto tinha gritado perigo imediatamente quando o viu, foi fácil discernir que o seu núcleo está corrompido de um jeito que infelizmente Estela não vai poder esquecer, não além do reparo, e aquela escuridão de sua magia se fala de um bruxo forte, e chamar o interesse desse tipo de mago é dar um longo passo para cova.

 

Suspirando, Estela pega a adaga entre os dedos sentindo a textura e a levanta ao nível dos olhos sob a luz do escritório, ela pegou a pior, mas isso não faz diferença até porque Estela precisava de uma faca encantada como referência, nada que ela não possa recriar com seu conhecimento da alquimia e fazer melhor.

 

Ela deposita a adaga de volta e abruptamente se levanta da sua cadeira e abre a janela, deixando uma coruja que estava voando na direção da sua residência entrar, ela olha enquanto a linda coruja com penas azul-marinho e branco se empoleira na mesa com todo o seu esplendor.

 

"Vejo que Hepzibah já está com saudades de mim em" diz brincando.

Dando um sorriso afetuoso Estela pega um petisco para a coruja pomposa igual a dona, ao mesmo tempo que a carta que estava amarrada, abrindo-a Estela lê, Hepzibah mandou um convite para marcar o dia de fazer compras com ela, de novo, não é novidade, quando Estela a conheceu no leilão-- com pouco dinheiro na época, disfarçada, para leiloar umas de suas criações mais antigas, uma pintura, foi difícil se separar dela. 

Logo notou como a mulher é solitária e só está vivendo por ser uma ávida colecionadora de antiguidades mágicas, mas Estela não pode julgar, ela vive para consertar e criar e está socialmente atrofiada sem nenhum humano para realmente manter uma conversa adequada, nos dias seguintes após se conhecerem elas ficaram próximas, é razoavelmente agradável.

 

Escrevendo uma resposta de volta, Estela a amarra onde estava antes e observa enquanto a coruja levanta-vôo, é nesses raros momentos que ela sai de casa, além de sair para seu benefício-- como o leilão ou mesmo entrar em contato com companheiros vampiros e lobisomens para relatarem o que está acontecendo no mundo exterior.

 

 Porque é tão complicado em ser social?

 

Estela coça o couro cabeludo frustrada em só de pensar em ser uma borboleta social ambulante, 

"Preciso de chocolate" ela fala para si, mentalmente cansada.           

 

E aterrorizar o ministério da magia.

      

 

       ___________

 

O ministério está se mostrando incompetente, no entanto quando se trata de esconder os seus podres, são mais que competentes

 

Pensa Abraxas, até porque quem queria ser visto como 'não conseguimos prender uma criança que está bombardeando o ministério e igualmente beco diagonal' a criança que aparentemente surgiu do nada a uma semana, e conseguiu fugir de vários aurores e nenhuma vez foi presa ou identidade revelada, é patético.

 

O ministério escondeu tão bem ao ponto de não ter o profeta diário na cola deles, o que é um grande feito considerando, mas se continuar... Abraxas teme arrastar ele junto para a desgraça que eles não conseguiram nem mesmo se responsabilizar, mas Abraxas não nega que é bom ter algo decente para fofocar.

 

Não vejo motivo para relatar isso para o meu senhor, de qualquer maneira, isso irá acabar rapidamente quando envolverem o chefe da Grifinória.

 

     ________________

 

Estela não é uma pessoa matinal, com a mente turva ela sai da cama, indo em direção ao banheiro.

 quando ela jurou que ia aterrorizar o ministério, ela estava jurando pra valer, ela antecipa o dia que o ministério da magia-- va deixar sua fachada cair, o que estão fazendo o possível para não acontecer, eles são muito moles para conseguirem lidar com uma Estela, papéis voando por todo os lados, magia em pânico, galinhas saltando por toda parte, e os rostos deles... foi hilário!.

 

Além disso foi uma ótima oportunidade para testar a sua nova criação que anteriormente estava sendo desenvolvida, teletransporte preciso dar um nome,

como uma bruxa normal ela poderia aparatar ou desaparatar, porém não são permitidos para menores de 17 anos-- sem experiência, resultado de perder partes do corpo, eu não iria arriscar, amo meu corpo inteiro obrigado, sendo assim Estela criou o seu próprio meio,

 eficaz em batalhas numéricas, deu certo no começo, mas era inevitável que as runas encantadas-- fazem ser alertados de um intruso, ela vai ter que cuidar disso eventualmente.

 

Estela termina de tomar banho com a gostosa sensação de estar fria e limpa sendo naturalmente quente até mesmo para um ser humano normal, pegando a poção polissuco, Estela a engole, dessa vez ela tinha tempo de preparar uma, e veste um vestido formal preto e luvas, sapatos de salto alto igualmente pretas, mas elegante, em seu personagem de artista, agora ela é Nimue,

 e prontamente se teletransporta do local.

 

 

Hepzibah Smith está a esperando próximo ao chafariz, como de costume, é perto da residência de Hepzibah, suas costas voltadas para a linha de visão de Estela, sua magia amarelo pastel está se mexendo ansiosamente, ela nota desanimada que Hepzibah está usando um vestido extravagante de uma cor baça brilhante e sob o sol só está situando o que já está insuportável de olhar, merlin me ajude com a moda dessa mulher, socorro, Estela fala para seu vazio mental miseravelmente.

 

 

 

 

  ____________

 

Hepzibah está feliz

 

Depois de achar a pintora responsável pela obra de arte do leilão, ela ficou encantada ao descobrir ser alguém tão jovem-- 18 anos meio-sangue, Hepzibah não poderia deixar essa passar, talvez ela possa discutir sobre algumas das suas pinturas.

 

Ela não ficou decepcionada, a jovem é charmosa, educada e perspicaz , e péssima em levar elogios, é adorável honestamente, não demorou muito para Hepzibah gostar da jovem artista, faz décadas que ela não tem uma conversa genuína, sem ambições espreitando esperando algo em troca, então sim ela está feliz.

 

"Senhorita Hepzibah?” 

 

Percebendo que ela não está mais sozinha ela se vira para a direção da voz suave “Oh, Nimue querida, a quanto tempo!” diz entusiasmada, fingindo não notar o seu vestido estranho, e Nimue a sua frente ri atordoada "mas nós não saímos-- a duas semanas e meia?" o que era verdade, mas ela não se importava.

 

 

Elas trocam cumprimentos relaxadas, em seguida Hepzibah aparata as duas para hogsmeade, não estava lotado obrigada Circe, felizmente. Elas vão de loja em loja e param em uma butique especializada em vestidos de gala, Hepzibah não pode deixar de olhar para cima pelo canto do olho, Nimue é alta para uma mulher e quando algo chama a sua atenção ela se concentra fortemente até resolvê-la, insistência de uma griforina ao que parece, é o que está acontecendo agora, mas em vez de algo ter chamado sua atenção, foi 'quem' chamou sua atenção, amedrontada-- transparecendo em seu rosto, Hepzibah tentou olhar também, mas Nimue rapidamente mudou seu olhar para os vestidos, como está começando a ficar lotado de bruxas e bruxos Hepzibah suponhe que Nimue está incomodada  pela multidão.

 

"Com licença querida, achei um vestido belíssimo!, eu já volto--"

Se entregando a tentação, ela exclama, saindo para entrar em outra butique próxima.

_________

 

 

 Foda-se foda-se foda-se foda-se foda-se

 

foda-se!, o que diabos ele está fazendo ali?!

 

Ok que hogsmeade é um lugar público... mas caralho, porque o homem estaria por perto, não faz nem um mês que ela comprou a adaga naquela loja, Estela achava que sentir sua presença de longe foi algum erro sensorial absurdo-- nunca errou, o mesmo breu doentio circundando ao seu arredores, fazendo a magia dos outros parecerem formigas.

 

Apesar do nervosismo, Estela olha discretamente de volta para o homem sinistro, Tom, que agora notando, é tudo que as mulheres chamam de bom partido, a forma que muitas delas estão olhando-- só faltava ter corações nos olhos, atração corporal se chama, não é? nojo ugh, elas não sabem o que esconde por debaixo de toda aquela beleza, muito parecido com os vilões de quadrinhos que Estela leu-- carismático bonito e manipulador, Estela tem pena delas,

Estela não foi tão discreta como ela inicialmente pensou, e isso foi tempo o suficiente para seus olhos se encontrarem, roxo mesclado colidindo com castanho.

 

Puta merda!!

 

Focada demais, Estela volta seu olhar rapidamente para os vestidos da vitrine tentando desesperadamente se acalmar e ter algum pensando racional, 

reforçando imediatamente seus escudos mentais o melhor que pode , ele não vai a reconhecer, principalmente pela voz, o peito enche de alívio, mas dura pouco ao perceber que a presença Hepzibah não está mais ao seu lado, aaah só pode estar de sacanagem--

deixando Estela a opção de esperar parecer que estou correndo dele é ridículo a magia do inferno se aproximar dela, não demorou muito pois sentiu uma mão no seu ombro, foi como se afogada em água tão fria que queima, Estela se encolhe mentalmente mas permanece firme. 

 

Estela queria muito ser uma criança agora, para gritar e chamá-lo de molestador bem no meio de hogsmeade para todos ouvirem.

 


Notas Finais


Lembrando que Estela tomou a poção polissuco: muda a aparência quanto a voz para a pessoa que deseja fingir ser. Por ai eu acho


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...