História Salve-me de mim [PAUSA] - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Becky_apple, Bottom!jin, Bottom!jungkook, Bottom!yoongi, Dahyo Putiane, Isamiranda, Jikook, Jimin!seme, Psicopatia, Sociopatia, Top!jimin, Top!namjoon, Top!taehyung
Visualizações 241
Palavras 1.552
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Fluffy, Hentai, Lemon, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi oi, meus amores, Becky-kun chegou! Mil desculpas por essa demora minhas maçãs, eu fiquei meio ocupado com algumas coisas e não consegui escrever e fiquei sem net pra escrever ontem.

E bem, minha amiga na escola ficou me cobrando cap novo, a Eve kkkkkkkkk viu só? Ela tbm ficou me cobrando. Bem, espero que gostem, me desculpe por estar pequeno o cap, okay? Sory!

Capítulo 21 - Parece que está na minha vez de agir, Jungkook


Fanfic / Fanfiction Salve-me de mim [PAUSA] - Capítulo 21 - Parece que está na minha vez de agir, Jungkook

2 mês atrás…


Seus corpos caíram exaustos na cama, não negava que sentiria falta do loiro quando ele fosse embora, mas era tão bom estarem se amando, mesmo que aquela seria a primeira da última vez que estariam juntos.

— Minnie… você gostaria de ter filhos algum dia? — perguntou o mais novo, enquanto descansava sua cabeça no peito do mais velho.

Aquela pergunta havia surgido aleatoriamente, porém não era nenhuma mentira o fato de querer ter filhos. — Não sei, eu gostaria de ter filhos algum dia. Por que a pergunta?

— Eu quero ter filhos algum dia, mas não sei, só foi uma pergunta aleatória.

— Okay senhor “aleatório” vamos dormir.

O mais novo assentiu negativamente, não queria dormir, pois sabia que o Park não estaria do seu lado no dia seguinte.

— Não quero dormir, Minnie. Você vai embora amanhã, eu quero aproveitar mais com você.

— Pequeno, nós aproveitamos bastante, você tem que descansar, meu amor. — deu um beijo na testa do mais novo enquanto acariciava os fios escuros do mesmo.

Mal sabia eles que uma pessoa observava aquilo tudo, essa pessoa era, Jeon Dahyo.


-b-


Alguns dias atrás...


O telefone ecoou pelo cômodo onde Jungkook se encontrava, não se lembrava quanto tempo estava ali, só sabia que queria voltar para os braços de Jimin.

A mais velha pegou seu celular e se retirou do local, a porta estava entreaberta, então conseguiu escutar algumas coisas com quem ela conversava. — E então, descobriu o que ele tem?

“Acho que eles estão falando sobre você.”

— E por que você acha isso? — murmurou enquanto se engatinhava um pouco mais perto. Mais e mais frases podiam ser escutadas, entre essas palavras, seu nome pôde ser escutado.

— Então quer dizer que o resultado deu positivo? Ele é uns dos homens que nasceu com útero? E-Ele vai mesmo ter um filho?

E aquela palavra lhe assustou, já havia passado pela sua cabeça sobre adotar um filho algum dia, mas estava com medo, não sabia se estava pronto para essa responsabilidade. Quer dizer, ele tinha somente 17 anos, ainda era adolescente.

Tinha medo de ficar igual a sua mãe, temia por isso. Tinha medo de que voltasse ainda pior para casa.

“V-Você vai ter um filho! Parabéns.”

Acariciou a sua barriga, notando um pequeno volume tinha se formado ali, como não havia notado aquilo antes? — C-Como o Jimin vai reagir à isso? — falou para Jeongguk, deixando o medo visível em sua voz.

“Não se preocupe com isso, tenho certeza que ele vai gostar de saber disso.”

Sentia frio pois suas roupas estavam rasgadas e sujas, então o vento que entrava pela porta, lhe deixava com frio. Algumas lágrimas rolavam por suas bochechas, deixou com que seu corpo fraco caísse no chão, enquanto permitia as lágrimas caírem e levarem as impureza de seu corpo.

— Por favor, Jimin. Venha logo.


-b-


Abriu seus olhos pela primeira vez no dia, a claridade incomodava, tinha passado a noite em claro enquanto observava o local onde achava que o Jeon estava para poder colocar seu plano em prática, tentava ocupar a sua mente.

Só faltava observar o local que teria de ir para encontrar o seu precioso Jungkook. Seus olhos brilhavam cada vez que imaginava como seria estar ao lado de seu amado, seu coração batia em um ritmo rápido ao pensar em como o Jeon deveria estar.

Sofrendo, chorando, machucado, era isso que o Park pensava quando era algo relacionado ao moreno, por mais que sua mente estivesse no Jeon, o seu corpo estava longe do dele. Queria senti-lo em seus braços, beijá-lo novamente e dizer que tudo ficaria bem. Abraça-lo nas noites de chuva o acalmando até que ele dormisse.

Mima-lo com beijinhos e mordidas em suas bochechas, comer pipoca em um dia chuvoso enquanto assistiam algum filme qualquer, ou um anime yaoi.

Se sentia na necessidade de cumprir todos os desejos do mais novo, se precisasse disso para tê-lo de volta, o faria sem pensar duas vezes, iria amá-lo para sempre. Não sabia como era estar no céu, mas desde que estivesse ao lado do moreno que por fora era alguém “durão” e por dentro era somente uma criança, era como se tivesse alcançado as estrelas.

Paraíso, estar do lado do mais novo era como se fosse o paraíso que nunca mais gostaria de sair.

Iria alcançá-lo, faria de tudo para ter o mesmo em seus braços, sem pensar duas vezes, afinal, ele era Park Jimin. E não iria desistir do moreno nem se isso lhe custasse a sua vida.

Levantou de sua cama indo para o banheiro, sabia que o dia seria cheio, então logo decidiu tomar um banho para relaxar.

Tinha três dias para conseguir o dinheiro para o resgate do Jeon, tinha esperanças que o seu plano funcionaria, porém não negava que tinha medo de executá-lo.

Afastou os pensamentos negativos de sua mente saindo do banho e indo se trocar, não estava muito afim de se arrumar ou comer, todavia Yoongi lhe dava brincas dizendo que deveria comer. Ainda não havia perdoado o Min ou o Taehyung, ainda estava decepcionado e magoado com que eles tinham feito.

Afinal, se não fosse por eles, seu amado dongsaeng estaria consigo.

Sua cabeça lhe pregava peças imaginando como o Jeon estava, sua cabeça rodava em volta do mais novo, perguntando-se sobre como o maior estava.

— Ah Jeon, como será que você está?


-b-


O grito de dor podia ser escutado por todo o laboratório onde estava, doses e mais doses sendo ingeridas em si, já se fazia dias que estava ali, porém a sua mente decidia lhe enganar cada vez mais.

“Uni-duni-tê sala-mê-min-guê, a pessoa que vai morrer vai ser você!”

“Dói, dói! Fuja, fuja!”

— Me deixem em paz! Eu não quero! Eu não quero! — gritou fechando os olhos enquanto se debatia, os cientistas que estavam ali tentavam lhe conter, porém ela conseguia ser mais forte. — Mamãe, eu quero a mamãe! Eu quero eles! Mamãe!

Falta, era isso que sentia, este era o nome que davam para o que fazia seu peito doer. Aos poucos seus sentimentos eram roubados pelas doses ingeridas, ao abrir seus olhos, conseguiu ver que um homem sorria do outro lado, aquele sorriso, aquele homem.

Era ele, o responsável por lhe fazer sofrer, o responsável por lhe fazer perder a sua mãe e seu pai.

“Vingue-se!”

“Mate-os, mate-os, eles são inúteis.”

“Ela não irá matá-los, essa garotinha triste é fraca demais para isso.”

“Você é somente uma marionete neste pequeno teatro.”

“1 2 3 4, quem errar o passo cai dentro do saco!”

Sabendo que não teria nada a perder, decidiu seguir as vozes. Chutou a cabeça de um dos cientistas enquanto mordia a mão de outro que segurava o seu braço. Quando se viu livre deles, arrancou a sonda que estava em seu braço, sabendo que na ponte teria um agulha.

Não tinha alguma arma decente para lutar, mas tinha que se proteger deles. Desviava dos golpes que os cientistas desferiram contra si, à cada brecha que davam, conseguia machucá-los.

Com toda a determinação e força de vontade, dava um golpe mortal neles para que conseguisse fugir dali. Ao sair pela porta de sua cela, olhou para onde o homem estava, percebendo que ele não estava mais ali.

Algumas lágrimas rolavam pelos seus olhos enquanto corria pelo o mesmo caminho, só que dessa vez, indo para o esgoto. Faria de tudo para fugir, para escapar das doses do novo remédio que faziam.

O alarme tocava por todo o laboratório vendo as crianças correrem para as portas de suas celas, assistindo a fuga de Jeon Dahyo, a criança dos gritos de tristeza durante todas as noites.

Os testes que faziam consigo, lhe fazia lembrar das mortes de seus pais, então todas as noites sonhava com os mesmos.

O remédio que estavam testando em si, afetava as suas memórias e principalmente, seu cérebro. Os seus sentimentos aos poucos iam desaparecendo, se tornando fria ao ponto de não se importar de ter que matar.

50% de seu cérebro tinha sido afetado com o remédio, como eles estavam na quinta dose, não deu tempo o suficiente para que a droga se espalhasse.

Mas no fundo de sua alma, Dahyo sabia que aquele era o começo, de seu fim.


-b-


Acordou com rapidez ao ter a visão sobre a fuga de Dahyo, agora sabia como a mesma tinha conseguido fugir.

“Hey, está tudo bem?”

— Sim, Jeongguk. Nós temos que planejar como fugir daqui. — disse enquanto encarava as correntes que machucavam os seus pulsos, impedindo que conseguisse fugir.

“Se você me deixar assumir, eu posso retirar as correntes.”

Ainda se lembrava da primeira vez que Jeongguk tomou posse de todo seu corpo, não só havia se machucado, como tinha conseguido machucar Dahyo. — Jeongguk… por mais que eu confie em você, tenho medo de te deixar assumir o meu corpo.

“Medo do quê? Se você não me deixar assumir, vai ficar preso aqui sem conseguir saber o que é a luz do dia, se você me deixar assumir, nós dois conseguiremos fugir, mesmo que eu fique agressivo. Você não tem nada a perder, Jungkook.”

Suspirou, sabia que ele estava certo, mas estava inseguro sobre está decisão, se deixasse Jeongguk assumir, sabia que conseguiriam fugir. Todavia achava estranho o fato de conseguir saber das lembranças da Jeon.

“Quer saber? Nós não temos tempo.”

E assim, foi perdendo o controle de seu corpo, seus olhos que antes eram escuros com um brilho intenso, se tornaram azuis, como as águas cristalinas de um rio.

— Parece que está na minha vez de agir, Jungkook.


Notas Finais


EU SINTO CHEIRO DE TRETA COM ESSE JEONGGUK BADASS.
Espero que tenham gostado, me desculpe se ficou uma merda, eu achei que ficou uma merda ;-; desculpa.
Como eu estou entrando em semana de prova, não ficarei escrevendo tanto e tal, sabe mesmo que eu seja um fundashi de carteirinha, vou ter que dar um tempo nos meus yaois ;-;
Bem, eu já enrolei demais, kissus e até logo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...