1. Spirit Fanfics >
  2. Same Blood >
  3. Mesmo com esforço

História Same Blood - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Eu nem acredito que consegui finalizar esse capítulo, aa
Ontem tava depressiva por não conseguir escrever nenhum "a", bloqueio criativo dos infernos, 👺🥄 e agora, há pouco tempo, consegui finalizar esse capítulo tipo rapidão e eu tô bem feliz por isso!
Perdoem os possíveis erros, mas vou corrigir.
~Leiam devagar, beijos💞

Capítulo 8 - Mesmo com esforço


Fanfic / Fanfiction Same Blood - Capítulo 8 - Mesmo com esforço


Há sete anos.


Era por cerca das nove da noite e Jungkook se encontrava no quarto que dividia com o irmão mais velho, sentado na beirada da cama de Jimin, com os joelhos dobrados e o olhar concentrado em encarar os próprios dedos inquietos de modo hesitante. 


Ele podia ouvir pouco do que se passava na sala, algumas repreensões e palavras de concelhos vindas de seus pais em um tom protetor e meio irritado. Mais se parecia com uma bronca.


Jungkook puxou os ar com precisão. 


"Será que fiz certo?"


Mordeu os lábios, em um questionamento mental e logo, a porta do quarto abriu-se e por ela Jimin passou a pisares duros após bater a madeira com força, assustando um pouco o garoto mais novo.


Com a feição emburrada, Jimin encarou Jungkook por alguns curtos segundos, mas nada disse, entretanto Jeon sabia bem o que aquele olhar significava. Tirou os sapatos e se jogou na cama com pesar, fazendo questão de empurrar o corpo do outro, que ainda se encontrava na beira do acolchoado, para que não encostasse em si.


Jimin deitou-se de bruços, virando o rosto na direção oposta, como quem já estivesse dormindo e nada a fim de conversar. Jungkook o olhou por cima dos ombros e bufou.


— Jimin-hyung. — tocou seus costados. — Fala comigo. Eu sei que ainda não está dormindo, não me ignora. — virou-se um pouco sobre a cama, encarando as costas dele. — Papai disse que fiz a coisa certa em contar. — balançou os ombros, procurando se justificar. 


— Se já está satisfeito, o que mais você quer? — questionou retoricamente. — Vai dormir, Jungkook. — permaneceu sem o olhar.


— Está bravo comigo? — ainda sem respostas, Jungkook cruzou os braços e se deitou de qualquer jeito sobre o corpo do outro, encarando o teto de forma pensativa. — Mamãe disse que você é muito novo pra beijar, sabia? — iniciou calmo. — A culpa não é minha se você quer brincar de beijar garotas, hyung! Você não pode fazer isso só porque os meninos mais velhos também fazem. — rolou os olhos. — E eu acho que não gostei do seu amigo. — suspirou enquanto dizia. — Você não deveria ficar com raiva de mim, eu sei que mamãe pegou seu celular e te proibiu de sair de casa, mas olha o lado bom, é para o seu bem, hyung. — tentou animá-lo, mas Jimin não mostrou nenhuma reação, parecia sequer o dar ouvidos. 


Jungkook tinha dito aos seus pais o que havia acontecido na festa da noite passada. Por mais que na época, Jimin já fosse um adolescente de quinze anos e tivesse lá suas curiosidades, Minji e John não aceitaram bem, ele ainda era muito novo e precisava dos cuidados dos pais. 


Jungkook não sabia exatamente o porquê de ter feito aquilo, ou por que ficou tão irritado, mas sabia que não havia gostado nada de ver Jimin beijando tantas pessoas em um só dia e no mesmo momento. Era desagradável em seu ponto de vista, soava muito errado, sabia que tinha feito a coisa certa.


Jimin é seu irmão e, mesmo que mais velho, também tinha que cuidar dele, era sua única intenção: o cuidado fraternal. E não porque talvez tivesse sentido um ciúme inexplicável e uma súbita irritação, claro.


— Não vai mesmo falar comigo? — insistiu com os lábios trêmulos e uma dorzinha no coração, ganhando em resposta o silêncio alheio. — Tá bom então. — se pôs de pé e se direcionou até a própria cama com passos duros.


Por mais que não quisesse, seus olhos acabaram deixando cair algumas lágrimas teimosas e de sua boca alguns soluços involuntários assim que deitou a cabeça no travesseiro. 


Jungkook era tão sensível…


Virou-se na cama, pondo a mão na boca para conter os soluços audíveis e fungados, não que adiantasse de muito. Nem sabia ao certo o porquê do choro; se era por ciúmes, raiva de si mesmo por ser tão frágil ou por Jimin o ignorar e ter beijado tantas bocas. Era tudo muito confuso para si e seus soluços não lhe permitiam pensar com coerência. E aquilo perdurou por alguns minutos, seu choro só se acalmou quando sentiu seu corpo carente e pequeno ser puxado por braços que conhecia bem, até que o unisse por completo em um abraço por trás caloroso, apertado e macio.


Não tinha lugar melhor para estar a não ser ali. Disso Jungkook tinha toda certeza.


Jimin posicionou o queixo contra a cabeça do mais novo, deixando em seus fios castanhos um beijo discreto, como se desejasse um "Boa noite". Poderia sim estar chateado por ter levado tantas broncas e até algumas limitações, somente por Jungkook ter contado. Mas, nada importava mais do que ter de acolher o garoto para que seu choro findasse e pudesse ganhar um sorriso em troca, não gostava de vê-lo chorar.


— Pare de chorar. — o puxou para mais perto, tendo o corpo alheio tremendo pelo choro.


— Eu não consigo! — respondeu começando a se irritar e com uma vontade de bater no outro por lhe fazer chegar até ali, naquele estado que soava vergonhoso.


Jimin deu uma risada fraca e segurou o queixo alheio com cuidado, fazendo-o virar o rosto em sua direção para que conectassem um olhar duradouro. Só assim, Jungkook fora se acalmando aos poucos, engolindo o choro e fungados, se deixando guiar pelo carinho que provinha daquele contato visual e físico, não tardou a retribuir o abraço alheio com força. 


Fazendo Jimin sorrir minimamente. Aquele olhar não tinha preço, tampouco seu abraço apertado. Jungkook era tão precioso para si...


— Desculpa por ter contado, hyung, mas… Aish, só não me ignora mais, poxa. Você sabe que dói... — pediu com a voz ainda embargada, suspirando já calmo e com os olhos fechados dentre os braços alheios. 



(...)



Jimin encarou o grande relógio pendurado na parede extensa do grande mercado onde trabalha, faltava pouco para que finalmente seu turno chegasse ao término e então pudesse ir para casa e quem sabe descansar por alguns minutos até que tivesse de rumar para à farmácia. 


Continuou organizando calmamente o dinheiro sobre o caixa, conferindo as notas e batendo o valor para que pudesse o trancar. Seus pensamentos estavam avoados, e ao fundo ele podia ouvir algumas palavras distantes, mas não concebia boa parte delas; mesmo que olhasse vez ou outra para a garota de cabelos castanhos que ocupava o caixa ao lado, ela dizia algo, só sabia disso.


Mesmo que cansado, ele sentia-se um pouco melhor do que os outros dias. Talvez fosse por saber que de algum modo, estava finalmente conseguindo manter um convívio decente com seu irmão mais novo, mesmo que ainda estivesse pisando nos primeiros degraus da escadaria que era lidar com Jeon Jungkook. Estava quase lá.


— E… então, o que acha? — a mesma voz que tagarelava anteriormente, o chamou um pouco mais alto, fazendo-o despertar.


— Então o quê? — a olhou desentendido, vendo o seu sorriso se desfazer. 


— Eu não acredito! Quase morro de nervoso pra dizer e você ao menos me ouviu. — ela tocou o próprio coração, com uma feição sofrida e Jimin deu uma risada junto dela.


— Desculpa, Jessi. — balançou um pouco a cabeça. — Você pode repetir?


— Agora eu perdi o clima. — disse em um muxoxo, fazendo o mesmo que o Park em guardar e contar o dinheiro da registradora, dessa vez com uma feição derrotada.


— Clima? — a olhou, rindo outra vez.


— É!


— Sinto muito, é só que… 'tô meio avoado hoje.


— Dá pra ver, uh. — o repreendeu com o olhar cerrado, vendo-o pôr a mão na boca para bocejar discretamente e então balançar o rosto. — Você pode ir na frente, eu termino pra você. — disse amigavelmente e Jimin agradeceu com um sorriso no mesmo instante.


— Vou ficar te devendo essa. — arrumou seus pertences, visando que usaria daquele curto tempo a mais para dormir nem que por vinte minutos antes de precisar trabalhar outra vez.


— Você vai sim. — rindo, o respondeu um pouco mais alto para que ouvisse, visto que Jimin já fazia o caminho para a saída do estabelecimento até o estacionamento com um pouco de pressa. 


Dentro de algumas longas e irritantes horas de engarrafamento pelo horário de pico, Jimin pôde finalmente chegar em casa. Deixando as chaves sobre um móvel próximo na sala, assim como a mochila transversal. Passou pelo corredor a passos distraídos enquanto retirava o crachá característico de identificação do pescoço, parando na primeira porta aberta do corredor ao ter sua atenção roubada, podendo ver Jungkook sobre a própria cama, sentado e com o rosto irritado e concentrado, tentando segurar um espelho pequeno entre os dedos enquanto que com a mão livre tentava pôr um curativo sobre o maxilar.


Ele parecia tão concentrado em querer fazer aquilo sozinho que ao menos percebeu que Jimin o olhava, encostado no batente da porta e contendo uma risada por lhe ver murmurando alguns xingamentos. 


— Quer ajuda? — questionou Jimin junto a um riso fraco.


— Não. — silabou ainda concentrado, como quem não queria perder a paciência. — Eu consigo. 


— Mesmo? — ergueu a sobrancelha. 


— Não… — deixou os ombros caírem em sinal de redenção. — Estou há horas tentando pôr isso. — revirou os olhos e jogou os utensílios no colchão. — Mas hora sai torto ou fica machucando.


— Quer ajuda? — indagou outra vez, encarando o outro e vendo Jeon hesitar para responder e por fim balançar os ombros como se não fizesse diferença.


— Se você quiser. 


Jimin quase revirou os olhos. Por que aquele garoto tinha de ser tão orgulhoso?


— Você vai acabar infeccionando isso. — disse ao se aproximar, erguendo o seu queixo com a mão direita, analisando o rosto alheio. — Deveria parar de andar com esse tipo de pessoa, é assim que funciona suas amizades? — comentou aéreo, limpando com o algodão esterilizado o ferimento, ainda de pé ao lado da cama.


— Chanyeol não é meu amigo.


— Mas você entendeu o que eu quis dizer.


— É… — também não era como se tivesse muitos amigos para decidir "se afastar".


Concentrado em limpar e posicionar o curativo sobre o maxilar alheio, Jimin sentou-se na beirada da cama.


Uma queimação no lado esquerdo do peito, era o que o mais novo sentia naquele instante. Embora fosse confuso assimilar, Jeon gostava bastante daquele tipo de cuidado, daquele tipo de atenção e zelo. Ele não sabia explicar, mas sentia-se super bem, mesmo que não quisesse admitir. Diferente dele, Jimin tinha mais controle sobre o que fazia, sem machucar ou agir brusco, tinha paciência.


Seus olhos avoados se perdiam em algum lugar daquele quarto e encontravam-se em suas reflexões sobre querer de alguma forma voltar o que era antes, ao carinho e ternura que tinham… 


Jungkook era mesmo um bobo por almejar tanto a amizade e disposição do mais velho para consigo assim tão de repente, na verdade, talvez ele já quisesse isso há muito tempo e quem sabe não fosse tão bobo assim.


— Acho que agora está melhor. — disse Jimin analisando com os olhos sua fronte, deixando os utensílios anteriormente usados sobre o colchão. 


Pôde sentir em seguida uma carícia tímida ao dorso de sua mão, acabou sorrindo nasalmente.


— Essa é sua forma de me dizer um "obrigado"? — questionou com a atenção voltada aos dedos longos dele tocando sua pele, notando o quanto sua palma se tornava pequena se comparada a dele.


Jungkook entortou a boca, não querendo se deixar agradecer diretamente, mas sem cessar o deslizar do seu polegar pela destra macia. Ele podia ser bem orgulhoso mesmo.


— De nada. — disse o mais velho, logo levantando-se ao sentir a vibração insistente do celular no bolso da calça, checando ser uma chamada daquele que considerava como um pai para si, John.


Com o aparelho posicionado rente à orelha, Jimin saiu a passos calmos do quarto enquanto iniciava uma conversa.


Jungkook acompanhou as costas alheias deixarem o cômodo. Pegou o pequeno espelho outra vez e observou o que Jimin havia feito, sorrindo minimamente e pra si mesmo após. 


Ele definitivamente queria fazer por onde.


Levantou-se animado, procurando por sua mochila jogada em um canto qualquer do quarto, retirando seus materiais necessários para iniciar os exercícios que sabia estarem grande parte deles acumulados.


— Aish… — reclamou preguiçosamente ao pôr o primeiro livro sobre a mesa específica de estudos, essa que estava uma perfeita bagunça de papéis amassados dentre outros objetos que sempre deixava esquecido por ali. — Não tem outra forma? — questionou a si mesmo, sentindo o desinteresse vir à tona sem mesmo não te lido um parágrafo. — Preciso tentar fazer direito. — encorajou a si mesmo.


Ainda com a feição de preguiça, começou a organizar o móvel para que ficasse o mínimo mais decente para que pudesse tentar se concentrar, deixando a lapiseira por ali também. 


— Jungkook? — pôde ouvir a voz de Jimin, ainda de costas virou minimamente o rosto na direção dele, demonstrando que estava o escutando. — Esteve mexendo nas minhas coisas?



(...)



Alguns dias depois...



Era domingo, onze da noite e Jungkook estava sentado ao chão da sala, defronte a pequena mesa de centro e escrevia atentamente nas folhas do caderno ao que se parecia um resumo sobre o conteúdo de um exame que já seria no dia seguinte.


Ele sabia que suas notas eram decadentes e por culpa sua, estava alheio a boa parte do conteúdo passado em sala de aula, por mais que tentasse acompanhar. Talvez ele estivesse um pouco apreensivo, as ameaças sobre o nível de dificuldade das questões, todas feitas pela professora não ajudavam muito.


Por mais que nos últimos dias tivesse tentado mudar sua rotina, dando espaço para horas com algumas revisões e estivesse tentando prestar mais atenção nas aulas, era difícil. Era muito difícil alcançar sua concentração quando a ideia era estudar, mas ele estava se esforçando para entender as coisas, estava tentando.


Nem Jeon sabia de onde vinha toda aquela determinação por uma nota azul em uma prova que normalmente, ele não dava a mínima se seria aprovado ou não, ele também não se entendia, tudo para que apenas pudesse erguer a pontuação rente aos olhos de Jimin e esperar pela reação deste.


Sim, aquele era o objetivo do garoto.


Acabou rindo fracamente de seus pensamentos, em seguida coçando um dos olhos pela falsa sonolência.


"Será que ele vai se sentir orgulhoso de mim?"


A sala estava escura, a televisão ligada e Jungkook tinha posicionado em seus ouvidos os fones que tocavam uma música alta e agitada, enquanto escrevia as coisas com atenção. Estava tão concentrado que sequer reparou a presença de Jimin, de pé ao início do corredor com uma xícara em mãos e o cenho franzido. 


Calmamente, caminhou até o mais novo e assentou-se ao seu lado no carpete, repousando a xícara aquecida sobre a madeira da mesa, em uma distância justa do trabalho alheio.


Jungkook o olhou de canto e de relance, se perguntando se deveria dizer algo, desviou a atenção para a porcelana e percebeu que nesta jazia um chocolate quente com um aroma bom.


— Acho que é a primeira vez que vejo alguém estudando no escuro e com fones de ouvido, consigo escutar daqui. — disse o Park, enquanto retirava um dos lados do fones do garoto e dava uma risada baixa. — Trouxe pra você. — apontou com uma das mãos para o porcelanato que expelia o vapor característico.


Jungkook deixou a grafite de lado, direcionando a destra para pegar a xícara, mas não sem antes deixar um carinho demorado na costa da mão do irmão mais velho, sem o direcionar o olhar e vendo de esgueira este abrir um pequeno sorriso.


Levou a xícara ao lábios, percebendo que precisava mesmo daquilo. Não sabia com exatidão se falava sobre o achocolatado ou sobre a presença alheia ali consigo. Ouviu o outro sussurrar um "De nada".


— Vou te deixar se concentrar, boa noite. 


Seus olhos claros acompanharam Jimin deixar o recinto, seus lábios só conseguiram murmurar mudamente um "Você pode ficar…". Mesmo um tanto inconformado, tornou a atenção para o que fazia, só então vendo a sequência de rabiscos e palavras desconexas sobre as linhas desde que Jimin havia se aproximado.


Murmurou um xingamento, em seguida rasgando aquela página fora. Se já estava difícil se concentrar antes, agora parecia impossível.


Seu peito estava tão aquecido quanto aquele líquido de achocolatado. Escorou as costas no sofá atrás de si, posicionando os fones outra vez e aumentando o volume da música que ironicamente era dramática.


A verdade é que Jungkook sentia-se incapaz, sabia que estava longe de conseguir passar naquele exame, não conseguia estudar decentemente e a concentração estava distante. Ele não iria conseguir pôr um sorriso orgulhoso nos lábios do irmão mais velho.


Talvez Jungkook estivesse exagerando, pensando demais e se perdendo em suas reflexões. Ele nem sabia nomear que espécie de sensação era aquela, sentia um vazio que até então não tinha reconhecido fazer parte de si, uma espécie de carência.


Entre um gole aqui e lá na borda do porcelanato, algumas músicas passaram e os minutos se transformando em hora também. Ele não conseguiu voltar aos estudos e sentia-se um inútil por isso. Ele sentia que estava só, mesmo com sua mãe e irmão na mesma casa, era o que sentia naquele instante. 


Seus pensamentos voavam longe e só conseguiu acordar destes quando percebeu que iria acabar deixando as emoções vir em forma de pranto, se colocou de pé e como se fosse automático, foi até ao fim do corredor parando em frente a porta do quarto de Jimin, batendo levemente na madeira, sem se importar com o horário ou se sua feição fosse aquela que indicava um possível choro ou que estava entristecido.


Fora atendido pelo rosto um pouco inchado e o tronco desnudo com marca dos lençóis na pele como de quem dormia graciosamente, Jimin o olhou desentendido.


Jungkook engoliu a seco pelo constrangimento de o ver apenas com uma bermuda, procurou ser o mais direto possível:



Quero dormir com você hoje. 



Notas Finais


Postei recentemente outra fic Jikook,😪✊
~ Jungkook não quer repartir:
https://www.spiritfanfiction.com/historia/jungkook-nao-quer-repartir-jikook-18659163


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...