História San Peter: A Escola dos Mimimis Amorosos (Vol.2) - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Colegial, Colégiointerno, Comedia, Comédiaromantica, Ficçaoadolescente, Humor, Internato, Romanceadolescente
Visualizações 25
Palavras 1.444
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Ficção Adolescente, Fluffy, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Esse capítulo de hoje é pra baixar as energias, pra acalmar os nervos... Um capítulo tranks xD

Capítulo 13 - 89. Conselhos e Conversinhas


Depois do momento sessão da tarde, Lili conseguiu mudar de assunto, e apesar de eu participar da conversa, minha mente queria ficar longe.

Provavelmente eu fiquei mais quieta do que falei. Quem mandou elas ficarem falando aquelas coisas?

Ai, esquece isso. Vai adiantar o que ficar pensando? E o que você pode fazer? Nada.

Eu sei disso, mas… Como eu não vou ficar pensando? Vou ficar igual quando aquilo aconteceu com o james? Ai, Deus…

— Bru! — Lili deu uma batidinha no meu braço. — Tá me ouvindo?

— Quê? — A olhei, acordando dos meus pensamentos.

— Eu perguntei se você quer ir pra piscina.

Já estávamos no quarto, e Lili estava pegando seu biquini.

— Não tô muito afim.

— Ah, Bru. — Ela sentou na minha frente, na cama. — Você não vai ficar pensando nisso, vai? Vai ficar fugindo do Bernardo agora? Você sabe que ele não é sutil, ele vem atrás de você se desconfiar de algo.

— Eu não quero fugir dele. Eu só… Sei lá.

— As meninas ficaram falando aquilo porque estão do lado de fora. Elas não convivem com a gente. Só você pode saber se ele gosta de você assim.

— É aí que tá. Eu não sei. Depois que nos conhecemos melhor, ele sempre foi desse jeito.

— E você acha que se ele gostasse de você, ele não ia te tratar diferente?

— Não sei. Eu não conheço esse lado dele.

Ela suspirou. — Olha, não que eu queira que ele sofra, mas acho que se ele gosta de você, vai ter que superar sozinho. Até porque ele sabe que você gosta do Yan.

Dei uma olhada rápida pra ela. — Você acha que ele falaria?

— Do jeito que ele é desbocado, claro que sim. Sério, bru, não fica preocupada. Você não tem nada a ver com isso. Ele que se resolva… Vai, vamos pra piscina. — Me deu um sorriso.

Dei um sorrisinho. — Tá.

Então passamos protetor e nos trocamos. Fomos pra área aquática. Não estava tão cheio.

Demos uma volta e vimos James deitado em uma espreguiçadeira, tomando sol. Nos aproximamos e eu me sentei na espreguiçadeira ao lado direito dele.

— Tá queimando aí, James? — Lili o cutucou.

Ele levantou um pouco a cabeça pra nos olhar. — É, às vezes precisa.

— Eu vou nadar um pouco. — Lili tirou sua blusa e short e entrou na água, e aí eu vi que Júlio estava lá nadando sozinho.

— Você não vai, Bru? — James perguntou.

— Agora não. Acho que vou torrar com você.

Tirei minhas roupas e deitei, fechando os olhos.

— Você tá bem? Parece desanimada. — James comentou.

— Tô bem, só tô meio pensativa.

— Com o quê?

— Provavelmente você não sabe do que aconteceu ontem, né?

— Não, o que aconteceu?

Dei uma olhada pra ele, e vi que ele estava apoiado no cotovelo me olhando. Sorri e levantei.

James dobrou as pernas e se sentou, e eu me sentei na frente dele. Comecei a falar tudo desde o começo da brincadeira com as meninas. Ele até arregalou os olhos quando falei do beijo da Lili e da Tifany. E continuei.

— … e aí elas ficaram falando aquilo… Você acha que parece mesmo?

James pensou uns segundos. — Não, não acho. Pelo que eu vi, ele te trata como uma amiga bem próxima, quase como se vocês fossem irmãos, sabe? — Afirmei. — Mas você tá preocupada com isso?

— Sim.

— E o Yan?

— Isso é outra coisa que eu não sei. Ele não parecia bravo, ou chateado… Mas sei lá, ele me deixa confusa — falei aflita.

Ele riu. — É, eu também fico meio confuso. Mas desde que ele voltou, ele parecia meio desanimado, né?

— Sim… Nós conversamos ontem, mas ele não chegou a falar nada. Eu só disse que caso ele precisasse conversar, eu estaria ali, e ele segurou minha mão e agradeceu.

— Hm… Talvez ele não se sinta pronto pra contar. Pelo jeito não parece ser coisa boba.

— Sim… Tá difícil.

— Vai, Bru. Esquece isso e aproveita. Aproveita porque amanhã é o último dia. — Estendeu a mão pra mim enquanto levantava.

A peguei sem pensar e levantei com ele. James ficou na borda da piscina e me fez ficar do seu lado.

Ele sorriu. — Um… dois… — Eu ri. — Três!

E pulamos na água ao mesmo tempo.

Ficamos um tempão na água e voltamos pras espreguiçadeiras. Só Júlio continuou nadando.

Lili deitou no do meu lado direito, e James na que ele estava antes.

— Então quer dizer que você beijou a Tifany? — James soltou de repente.

Lili lançou um olhar do tipo “sim, e daí?”

Ele deu de ombros. — Só achei engraçado. Lembro de você falando que nunca beijaria uma menina.

— Ah… Eu disse no sentido de que eu nunca ia ter vontade de ficar com uma. De ver uma menina e ficar “nossa que mina linda, preciso dar uns beijos nela” — Fez uma voz engraçada. — Não, foi só na brincadeira.

— E foi ruim? — James deu risada.

— Não, não foi. Até que foi legal. — Riu. — Ela beija bem.

— É diferente? Sempre tive essa curiosidade.

— Hm, então você quer beijar um carinha?

— Você entendeu. — Ele revirou os olhos.

Ela riu. — Ah, não sei. Depende muito. Mas achei diferente sim. Mas a Tifany é legal, então acho que isso também ajuda… Por falar em beijo, a Erica veio? Nem a vi.

— Veio sim. Ela disse que queria aproveitar com as amigas dela.

— Afe, vocês não vão dar uns beijinhos?

James deu um sorrisinho sem graça. — Não sei.

— Ai meu Deus, viu. — Colocou a mão na testa. — Eu não falo mais nada.

Ele fez cara de quem fingiu que não ouviu.

Sorri, achando graça dos dois, e aí vi Bernardo andando até nós.

Me senti dividida entre ficar nervosa e não ligar pra todo aquele assunto.

Se eu ficar pensando naquilo, com certeza ele vai perceber e ficar me enchendo pra eu falar, então… Respira e fica normal.

Bebê chegou e veio sentar na minha espreguiçadeira, empurrando minhas pernas.

— Por que sua boca tá vermelha? — Lili questionou.

— Quê? — Ele estranhou e tocou os lábios, como se pudesse sentir algo.

— Sua boca tá vermelha. — Ela se arrastou, sentando na beirada e o encarou. — Quem você tava beijando? — Deu um sorrisinho malicioso.

— Oxe, tá doida? — Ele riu. — Ninguém.

Ela semicerrou os olhos. — Fala logo.

— Eu já falei. Eu tava arrancando as pelinhas da boca.

— Deixa ele, Lili, eu hein — falei, já que vi que ela não tinha acreditado.

Lili levantou uma sobrancelha pra mim.

Ih… lá vem.

— Vai ficar defendendo seu futuro marido, é?

Senti a cara ficando quente e Bebê gargalhou.

— Como é que é? Que que eu perdi?

Olhei pra Lili fazendo cara de “por favor, não fala” e ela riu.

— Ah, nada. Brincadeira das meninas do quarto.

— Que brincadeira?

Afe maria, ela não sabe ficar quieta!

— Elas falaram que vocês dois ainda vão casar.

— Só porque demos um beijinhos? Essas meninas viajam.

— Foi o que eu falei. — Deu de ombros.

Bebê me olhou e estendeu a mão pra mim. O olhei de forma desconfiada e fui um pouco pra trás.

— Que foi? — Balançou a mão. — Vai.

Neguei, e ele veio segurar meu braço, o puxando e conseguiu pegar minha mão. Continuei o olhando estranhamente.

— Bruna. — Ele ficou sério e eu gelei por um momento. — Quer casar comigo? — E começou a rir igual um idiota.

Balancei a cabeça e olhei pra Lili, que ria da palhaçada.

— Besta. — Puxei minha mão.

— Ué, você quer casar mesmo? Eu compro um anel de plástico pra você. Só não rola cartório e igreja porque não tenho dinheiro suficiente. Quem sabe quando nos formarmos?

— Ah, fica quieto. — Revirei os olhos e ele riu.

Tá, ele não tava diferente. Tava agindo como sempre.

Não tem motivo pra eu ficar pensando. É melhor eu parar de ser neurótica.

 

Passamos o resto do dia por lá, mesmo depois do café. Antes do jantar, fomos tomar banho e fomos comer.

Ficamos só um tempo conversando, e depois fomos pro quarto.

As meninas chegaram logo depois da gente, e batemos um papo — ou melhor, a Lili bateu um papo — e mais tarde, elas caíram no sono.

Antes de dormir, decidi levantar e ir no banheiro. Usei uma das cabines e lavei as mãos.

Estava tudo silencioso e até meio assustador.

Assim que saí do banheiro, vi alguém andando pra porta de entrada.

Pelo cabelo já reconheci. Era a Erica.

Ela abriu a porta devagarinho e saiu.

Fui até lá e abri também, só olhando pra fora.

A vi andando pelas árvores em direção aos chalés masculinos.

Ué, o que ela vai faze? Será que vai encontrar o James…? Mas pera, ele tá na barraca…

Eita…

A Lili ficaria doida se tivesse visto.

Voltei pro quarto e me deitei, pensando se a Erica iria mesmo encontrar o James...


Notas Finais


E aí, foi tranquilo ou não foi? xD

Eu tava com uma saudade enorme do Jameeesss! ♥

O que acharam desse capítulo? Bom, ruim, mais ou menos? Quero saber!

Logo será o último dia do acampamento ~ chora ~ então vamos aproveitar!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...