1. Spirit Fanfics >
  2. San Valentin >
  3. Flores.

História San Valentin - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, meu nome é Sunkey.
!AVISOS!
!TW!
Sangue; tortura; morte; abuso psicológico; crise de pânico.
NÃO LEIAM SE NÃO SE SENTIREM CONFORTÁVEIS, PEÇAM-ME UM RESUMO QUE LHE MANDAREI POR MP.

Capítulo 2 - Flores.


A maioria dos animais conseguem se adaptar ao ambiente para conseguirem viver neles, os castores não. Os castores modificam o ambiente para que o ambiente se adapte a eles.  

Estávamos a maioria sentados em algumas cadeiras que possuíam na área externa. A piscina brilhava em algumas cores, mas pra mim a cor mais bonita que tinha era a roxa. O aquecedor da piscina estava ligado, mas ninguém era corajoso o suficiente para entrar.  

— Queria beber algo. — Jin murmurou enquanto jogava a cabeça para trás.  

— Bebe a água da piscina, jinnie. — Tae falou rindo. Ele estava sentado preguiçosamente na cadeira de madeira, o cabelo azul estava uma bagunça e estranhamente combinava com o suéter verde musgo. Jin bufou e riu soprado. Tae virou na direção dele e o lançou mais um sorriso. — Sabe, eu também quero, preciso me distrair, minha mente tá uma bagunça e eu realmente não quero fazer uma bobeira.  

— E qual seria a bobeira, Tae-ah? — Jungkook perguntou enquanto seus dentinhos de coelho apareciam, o davam uma imagem fofa.  

— Jogar esse manknae fedorento na piscina. — Tae gritou enquanto andava na direção do garoto de cabelos escuros como a noite. Todos que estavam presentes riram e gritaram quando Tae conseguiu suspender o Jeon no ar, mas logo o botou de volta na cadeira escura. — Não, sério. Eu vou lá dentro buscar algumas bebidas, alguém quer ir também?  

Eu me joguei dramaticamente no chão, não queria fazer tantos exercícios físicos naquela noite, afinal eu tinha passado a semana inteira praticando dança moderna que nem louco, eu provavelmente iria pegar bomba nesse semestre, mas acreditava fielmente que no atual momento eu só precisasse de um descanso para a minha mente.  

Somente eu e Jungkook ficamos ali fora, o resto dos garotos entraram para dentro da casa na procura de comida e bebidas. Todos nós queríamos extravasar a mente nem que fosse um pouco, eu achava.  

— Por que não quer beber hoje, Kookie? — Perguntei enquanto olhava para o garoto ali presente. Ele estava incrivelmente bonito, tudo bem que ele estava todo e completamente de preto, mas mesmo assim, parecia que aquele garoto tinha o dom de ficar bonito com qualquer coisa. Se botassem uma melancia na cabeça de Jeon Jungkook, ele ainda assim continuaria lindo.  

— Amanhã eu tenho treino, hyung. — Respondeu baixinho, ele era bem tímido.  

— Deixe esses honoríficos na coreia, Jeon. Nós estamos na Holanda, país dos três beijos, das bicicletas e obviamente da maconha. —  Ri quando meu manknae me olhou assustado, ele era novo ainda, inexperiente. — Wuah, Jeon, não fique com vergonha. — Ri ainda mais alto quando o escutei me xingar baixinho. Ficamos em silencio por algum tempo, mas o garoto de olhos grandes resolveu quebrar.  

— Ahn, Hyun- Jimin, você me acha es- — Tentou falar, mas foi interrompido por gritos altos. Quando olhei pra frente consegui reconhecer a figura dos nossos amigos vindos em nossas direções. Olhei para o Jeon novamente e ele acabou murmurando um “deixa pra lá, era besta”. Franzi o cenho, depois eu o perguntaria o que ele queria saber.  

— Jimin-ah! Venha cá agora, você precisa beber isso agora. — Yoongi gritava animado enquanto segurava um copo transparente, fui em sua direção e bebi a bebida sem antes perguntar o que era, encarei Yoongi e o mostrei a língua quando percebi o gosto cítrico de laranja naquela bebida. — Gostou? Fui eu quem fez. — Exclamou animado com um lindo sorriso gomoso. Sorri de volta. 

— Ficou ótimo, hyung. No meu aniversário quero que faça bebidas assim pra mim também. — Falei sorrindo ainda e bebendo o resto do liquido cítrico que continha no copo. Yoongi riu alto, olhei ao redor e percebi que dois dos nossos amigos ainda não tinham voltado. — Cadê o Namjoon e o Hoseok?  

— Está com cíumes, honey? — Falou rindo enquanto puxava meu braço esquerdo me guiando para sentarmos juntos na cadeira em que eu estava antes. — Eles estão lá dentro. — Sentei primeiro na cadeira e fiz um sinal mudo para que ele sentasse entre as minhas pernas, bufou baixinho, mas logo sentou no lugar indicado. — Namjoon parece hm... como posso dizer? — Perguntou retoricamente enquanto deitava a cabeça no meu ombro direito. — Nervoso e ansioso, você marcou algo com ele, Minie? — O tom era acusatório, acabei rindo alto, chamando atenção dos nossos outros amigos, mas logo eles viraram e voltaram para suas conversas.  

— Talvez. — Murmurei divertido.  

— Caralho, vocês vão transar. — Yoongi levantou a cabeça rapidamente, eufórico, bateu a mão esquerda no ombro onde antes estava deitado.  

— Yoonie, eu não disse is- — Tentei, mas fui interrompido.  

— É aquele negócio, toda boa amizade fortalece com um pau no buraco. — Soltou um sorriso sarcástico.  

— Vocês dois vão transar? — Escutei uma voz grossa vindo na nossa frente. Abaixei minha cabeça deixando-a no ombro de Yoongi, escutei a risada do platinado e sentia o chacoalhar do corpo dele. — Nem me chamaram, vocês dois são tão falsos. — Taehyung dramatizou.  

— Eu já estava correndo te chamar, Taehyungie. — Yoongi falou enquanto puxava o garoto de cabelos azuis para nossa cadeira, não sei como aquela cadeira estava aguentando agora nós três sentados ali. — Aawwnn, Jimin-ah mete devagarinho. — Yoongi gemeu falsamente, fazendo-me rir mais alto, Taehyung logo estava nos acompanhando nas risadas descontroladas. — Taetae faz rawr ‘pra mim, é fetiche. — Pediu com um tom de voz manhoso. 

— Só faço se você me obedecer. — Taehyung falou ainda rindo, levantei finalmente minha cabeça e limpei as lágrimas que escorriam dos meus olhos.  

— Claro que sim, senhor. O que desejas? — O platinado concordou firmemente.  

— Que você e o Jimin fiquem- — Então ele foi interrompido por uma escuridão repentina e um estrondo. — Mas que porra?  

Tudo estava escuro, mas logo Taehyung ligou o flash do celular, nós três nos levantamos e notamos Jin e Jungkook um do lado do outro também segurando os celuares com os flashes ligados.  Yoongi procurou a minha mão e apertou, ele sabia do meu medo de escuro.  

— Acho que algo queimou. — Jungkook comentou acanhado, eu sabia que ele estava com medo, então, logo tratei de ir até ele -com Yoongi ainda segurando minha mão-, para puxá-lo para perto de mim. Ele aceitou de bom agrado.  

— Calma, gente, não vamos nos preocupar, deve ser só algum problema fácil de resolver. — Jin falou em um tom calmo tentando manter as rédeas naquela situação.  

— Acho melhor irmos lá checar. — Dei a ideia, eu ainda estava com medo, não poderíamos ficar naquele lugar e ainda mais no escuro, fora quê, Namjoon e Hoseok não estavam conosco, mas só foi pensar isso que logo escutei o grito de Namjoon chamando a nossa atenção e trazendo consigo o celular como meio de iluminação.  

— Gente? — Namjoon chamou. — Foi vocês? — Perguntou com a sobrancelha franzida. Ouvi Yoongi bufar do meu lado.  

— Como que ia ser a gente porra? — Falou bravo. — Até poque a gente tá pertinho do troço de luz. — Ironizou enquanto puxava eu, e consequentemente Jungkook, para mais para frente.  

— Fusível, hyung. — Jungkook murmurou, Yoongi bufou, mas dessa vez ficou calado.  

— Nós precisamos ficar calmos pessoal. — Jin falou novamente naquele tom que agora estava sendo motivação para faíscas invisíveis no meu corpo. Sentia minhas mãos soarem e minhas pernas ficarem sem muita força. — Cadê o Hoseok? —Perguntou, dessa vez o silencio o respondeu. Ninguém sabia onde Hoseok estava. — Porra...  

— Ele não deveria estar com vocês? — O de cabelos castanhos perguntou nervosamente, afinal, jurava que Hoseok tinha saído com seus amigos.  

— Não? — Taehyung falou em um tom questionador. — Quando nós saímos ele estava fazendo mais drinks para nós. Você quem estava sumido, você bebeu uma vodka depois subiu. — Tae falou embolado as palavras, sentia um mal pressentimento.  

— Eu subi, pois, estava procurando o carregador do meu celular, mas quando eu achei a luz caiu e eu vim correndo pra cá. — Explicou enquanto exibia o carregador em suas mãos.  

— Mas e o Hoseok? — Jin insistiu novamente, novamente silencio. — Gritar aqui não vai funcionar porque a casa fica longe. — Ele parecia pensar muito.  

— Vamos nos separar então. — Yoongi falou puxando dessa vez eu e o Jeon para mais perto do garoto de cabelos azulados. — Dois ou três vão olhar a droga da luz, dois vão procurar a porra do Hoseok e os que sobraram fica aqui. — Movimentava as mãos tentando explicar o que queria passar com aquele plano.  

Todos nós concordamos com Yoongi, e acabamos decidindo que eu e o Jeon iriamos até a casa enquanto Namjoon e Jin iam até a parte da frente da casa para checar o que tinha acontecido com a energia, Yoongi e Tae acabaram por ficar lá na área da piscina. Tudo estava escuro, mesmo que o garoto de cabelos pretos tentasse iluminar, ainda assim a escuridão predominava. Eu sentia que o medo estava me consumindo, minhas mãos tremiam.  

— Hyung, por favor não fique nervoso, está tudo bem, tá bom? — Tentou me acalmar enquanto apertava mais a minha mão. Acabei fazendo um barulho de concordância. — Os meninos vão resolver isso, e logo mais estaremos todos nós rindo.  

Andamos por mais três minutos até chegarmos na casa, a porta dos fundos estava fechada, então fomos até a porta que ficava localizada no lado esquerdo da casa. Tudo estava realmente escuro e silencioso, abrimos aquela porta e entramos.  

— Hobi? — Chamei alto enquanto fazia barulho para deixar mais evidente que estávamos ali. Jungkook também o chamava. Paramos de chamar quando ao subirmos o primeiro degrau da escada escutamos um “caralho” sendo proferido junto com um gemido de dor. — Hobi? — Chamei novamente e dessa vez houve uma resposta, puxei a mão do Jeon mais forte para que fôssemos até onde aquela voz parecia estar. Chegamos na porta da cozinha e lá eu consegui visualizar a figura do meu amigo de cabelos castanho claro encolhido nas próprias pernas. — O que aconteceu? — Perguntei enquanto chegava mais perto dele.  

— Quando a porra da energia caiu acabei tomando um susto, quebrei essa droga de copo de liquidificador e cortei a porra da minha mão. — Falou enquanto mostrava a mão melhor para mim e para o Jeon.  

— Calma, hyung, eu sei como te ajudar. — Jungkook falou atraindo nossos olhares até ele. O mais novo ali entregou o celular dele próprio na minha mão, então eu iluminei melhor Hoseok, para que ele conseguisse enxergar direitinho. O Jeon então foi até um canto da cozinha pegando um copo de água e um pano de prato. — Os garotos do time sempre se machucam assim, aí eu consigo ajudá-los. — Sorriu bonito para o seu hyung.  

Mas então o clima foi interrompido por barulhos altos e gritos, eu consegui perceber que tinha uma diferença nos gritos, um estava mais próximo e outro muito mais longe, então como se fosse um click eu lembrei de Taehyung e Yoongi.  

— O que foi isso? — Perguntei olhando para os lados.  

— Eu não sei. —Hoseok respondeu nervoso apertando os olhos. — Eu ‘tô com um medo do caralho.  

— Será que foi o circuito elétrico de novo? — O Jeon perguntou sem parar de tentar fazer aquele sangramento cessar, estava muito fundo.  

— Será que os garotos estão bem? — Questionei apreensivo. — Acho melhor eu ir checar. — Falei convencido.  

— Tudo bem, eu só preciso ficar segurando o sangramento do Hyung, então, pode ir lá, Jimin Hyung.  Leva o celular — Pediu olhando nos meus olhos, tentei falar que não precisava, mas antes de conseguir iniciar a frase logo fui cortado pelo mais novo. — Leva, porque você não vai conseguir enxergar direito. Se encontrar os meninos peça pra eles virem pra cá. — Sorriu fofo mostrando seus dentinhos. Hobi parecia estar com muita dor, mas também assentiu na minha direção.  

Quando eu sai da casa consegui perceber os muitos ruídos que possuíam ali, o escuro me deixava apreensivo. Minhas mãos se apertavam inconscientemente, tentei iluminar um pouco do caminho até as piscinas, mas eu não conseguia ver nada. O meu medo da escuridão, meu péssimo senso de direção e uma possível crise de ansiedade me deixavam no meu extremo. 

Quando eu era criança a minha mãe sempre dizia que se pensarmos demais em alguma coisa, aquela coisa poderia torna-se realidade. Então, naquele momento quando eu me encostei na lateral de um muro já sem fôlego eu pedia para que a luz voltasse e meus amigos aparecessem rindo de mim. Mas infelizmente aquilo não estava programado para aquela noite, ou estava.  

O ruído que antes era baixo e irritante agora parecia mais alto, parecia vir da piscina. Minha respiração estava completamente pesada, meu corpo estava apoiado na parede atrás do meu corpo e o celular, que servia para iluminar o caminho, agora estava descansando na minha coxa. Senti minha respiração parar totalmente quando senti um corpo jogar-se sobre o meu, essa pessoa então pegou o celular rapidamente e desligou o flash.  

— Calma, sou eu, Yoongi. — Ele sussurrava. — Vamos, respira devagar, conta comigo, sim? — Falava calmamente enquanto segurava meu rosto com suas mãos grandes, assenti para ele, então, logo começou o exercício de respiração. — Isso, bom garoto. Agora levante-se lentamente e venha comigo e o Tae, okay? — Obedeci a todos os comandos dele, e logo já estávamos indo em direção ao bosque, nenhum de nós estávamos usando luz, eu apenas sabia que para onde estávamos indo era o bosque, pois, Taehyung me avisou brevemente.  

— Yoon, por que parece que estamos nos escondendo? — Indaguei enquanto tentava passar agachado por algumas roseiras.  

— Jiminie, eu e o Tae estamos desconfiados de algumas coisas, então achamos melhor ficarmos um pouco afastados até algum dos outros garotos nos chamar. — Explicou já passando pela roseira e tendo Taehyung atrás dele, já estávamos bem próximos do muro dos fundos.  

— Desconfiados?  

— Jimin-ah, quando chegarmos até aquela árvore prometo que eu e o Yoongi iremos te explicar. Você confia em nós dois? — Assenti, mesmo sabendo que ele não conseguiria enxergar o gesto.  

Andamos muito, minhas pernas já pediam socorro, mas quando chegamos na bendita árvore eu pude agradecer enquanto me sentava, Taehyung também se sentou ao meu lado, porém Yoongi continuo em pé encostado na árvore e olhando para frente tentando notar alguma movimentação. Eu estava confuso, por que parecia tanto que nós três estávamos fugindo?  

— Uh, Jimin? Onde está o Jungkook? — O azulado questionou curioso, afinal, Jimin tinha saído junto com o mais jovem para encontrarem o seu outro amigo Hoseok.  

— Ele ficou com o Hobi para que eu encontrasse vocês dois e- — Interrompi batendo na, minha testa. — Nós temos que voltar, agora! — Falei já levantando do lugar que estava sentado, minha pressão caiu por alguns milésimos. Yoongi segurou o meu pulso e manteve-me preso contra a árvore. — Eu disse para o Kookie que voltaríamos, eles estão no escuro, Yoongi, nós não podemos deixar eles dois lá! — Então Yoongi virou para Taehyung, os dois olharam-se apreensivamente. — Por que vocês estão agindo tão estranho? Cadê o Namjoon e o Jin? Por que estamos tão escondidos? Por que não ligamos o flash? Eu preciso ajudar o Jungkookie e o Hobi. — Falei tudo rapidamente me debatendo nos braços do garoto de cabelos platinados, meu ar novamente falhava.  

— Jimin, porra, fica quieto. — Taehyung falou enquanto me puxava dos braços de Yoongi e me puxava novamente. — Você quer mesmo saber porque estamos nos escondendo? — A voz de Taehyung estava longe, mas mesmo assim eu a escutava. — Eu e o Yoongi estávamos entediados ali parados, então decidimos ir até Seokjin e Namjoon para tentarmos consertar aquela droga de circuito elétrico. — Riu secamente. — Jogo de advinhação, qual você acha que foi o problema? Letra a: queimou magicamente, letra b: Alguém o sabotou. Qual é a sua aposta. — Taehyung terminou de falar, meus olhos estavam fechados, mas eu já escutava tudo quase normalmente, eu tentava me concentrar na voz dele para continuar no presente.  

— Tae, pegue leve com ele. — Yoongi falou com o tom de voz bravo.  

— O q-que aconteceu com a luz? — Perguntei ainda com os olhos fechados, a palma das minhas mãos se apertava contra as minhas coxas.  

— Jimin, o que o Hoseok falou para você e para o Jungkook? — O de cabelos azuis perguntou, dessa vez ele estava com o tom de voz mais manso, porém não calmo.  

— Que quando a luz caiu, ele acabou assustando-se, derrubando o copo de liquidificador e cortando a mão. 

— Que grande filho da puta. — Yoongi deixou escapar enquanto ainda olhava a parte da frente do bosque.  

— O que vo- — Fui interrompido.  

— Jimin, quando eu e o Yoongi chegamos para tentarmos ajudar os meninos com a energia, acabamos vendo uma cena que não deveríamos. — Deu uma pausa. — Seokjin estava apontando uma arma para o Namjoon, Namjoon gritou e Seokjin atirou. — Abaixou a cabeça, o seu tom de voz falhava. — Eu e o Yoongi então corremos, quando vimos você se aproximando e acabando se perdendo, nós fomos correndo até você.  

Seokjin. Tiro. Namjoon?  

Gritos. Armas. Amigos?  

Minha cabeça rodou, rodopiou e por último gritou. Eram informações demais, mas eu não podia ficar ali preso, eu precisava fugir, sim, fugir. Sabia que para os castores evitar um ataque de predadores eles não constrói a casa deles acima do nível da água? Eles fazem túneis submersos como a entrada da casa, um ótimo esconderijo eu diria, e você?  

— O que nós vamos fazer? — Perguntei com um tom de voz totalmente quebrado, minhas coxas já sangravam de tanto que eu apertei.  

— Sinceramente? O plano é fugir. — Yoongi falou, agora ele virou na minha direção e do Tae. — Você acha que consegue correr? — Direcionou para mim, assenti, mas a verdade é que eu sequer sentia minhas pernas. — Então vamos, a gente quer pular o muro dos fundos e escapar indo para a pista dali em diante nós vamos correr até chegar na casa vizinha. — Deu uma pausa enquanto esticava a mão para mim e Taehyung nos apoiarmos nele. — As chaves do meu carro estão na mochila de Seokjin, então, eu acho que seria perigoso ir até lá. — Finalizou.  

Tentávamos correr rapidamente, mas o fato de estar tudo escuro não ajudava nem um pouco, as vezes eu tropeçava em pequenos galhos ou coisas que sequer conseguia identificar, mas mesmo assim corria com muito afinco de conseguir chegar até o grande muro dos fundos. Tae comentou sobre os muros dos lados serem baixos, mas aí está um problema, nós estávamos no meio. Minha respiração estava muito ofegante e tudo meu doía.  

O muro já estava próximo, passamos por uma grande roseira, que chuto ser da cor amarela, quando escutamos barulhos diferentes dos nossos passos, parecia que havia alguém, não, definitivamente não era apenas uma pessoa, parecia duas, as pesadas eram diferentes. Meu corpo gelou completamente, Yoongi agiu rapidamente puxando eu e Taehyung para o lado oposto, os nossos passos diminuíam o barulho, quase não respirávamos para nos mantermos escondidos. O platinado então nos puxou novamente, dessa vez para atrás de grandes pedras, dava para nos escondermos provisoriamente até eles saírem. Eu achava.  

— Yoongi-ah? — A voz de Jin ecoou por todo aquele silêncio, aquela voz era totalmente amedrontadora, meus pelos até arrepiavam de tanto medo. — Sou eu, Seokjin hyung. Precisamos encontrar os meninos. — Falava cada vez chegando mais perto, mas ainda muito distante. Eu já não respirava, não tinha coragem. — Taehyung? Cadê vocês dois, aish! — Então, ele riu, alto e aterrorizante. — Vocês já sabem, né? — A voz dele estava definitivamente mais próxima. — Eu também sei de muitas coisas, como por exemplo, que vocês dois estão atrás dessa pedra.  

Dois?  

Yoongi apertou a minha mão, ele chorava silenciosamente, Taehyung repetiu o gesto e sussurrou baixo, muito baixo, quase não escutei, no meu ouvido. “Fica aqui. Eu te amo”. Yoongi também repetiu as palavras. Minha visão estava mais escura que o normal, eu não sentia nada, mas respondi baixinho “Amor”, pensando bem, eu acho que sequer consegui sussurrar isto.  

— Saiam daí, não quero ter que ficar mais cansado do que estou. — Gritou, a voz dele era improcedente, ele parecia totalmente louco. — Irei contar, okay, meninos? Quanto mais tempo vocês demorarem, mais eu serei maldoso, que tal? — Gargalhou como se tivesse escutado a piada mais engraçada do mundo. — Um. — Taehyung soltou a minha mão e levantou devagar. Jin sorriu com todos os dentes. — Dois. — Yoongi soltou a minha mão, mas não conseguiu levantar. — Yoongi? Cadê você? Três. — Yoongi apertou as mãos no próprio cabelo. — Quatro. — Então ele levantou. Seojin ria lunaticamente, era definitivamente muito engraçado para ele estar ali.  — Até pensei que você teria se matado no lugar de eu te matar. — Balançava o revólver mexendo as mãos exageradamente. — Engasgando-se com seus antidepressivos. — Então toda a graça da voz se perdeu. O tom era puramente asqueroso. Ele sentia nojo de Yoongi. — Agora venham até a minha direção. Hobi ligue a lanterna para que o nosso show seja maravilhoso.  

Então Seokjin fez daquele momento um palco de teatro, abriu as cortinas, pediu aplausos, chamou seus atores até si e finalmente ligou as luzes, tudo estava pronto. Um grandíssimo show.  

O ator de cabelos azuis e o de fios de cabelos platinados como a neve estavam já em sua direção. Seokjin queria tudo impecável, então mandou que eles andassem um pouco mais até sua direção, quando na posição perfeita eles foram postos ajoelhados um na frente do outro. Taehyung já chorava desesperadamente, Yoongi? Já tinha se perdido completamente em si mesmo. Perfeito.  

— Na data de 9 de fevereiro um jovem adulto, estudante de música, com um grande dom, verdadeiro prodígio para ser sincero, subiu no telhado do prédio mais afastado do campus, abriu seus braços na posição de cruz. — Tremi no meu próprio eixo. Yoongi tinha tentado se matar nesse ano? Ele dizia todos os dias que estava melhor. — Então quando eu vi aquilo apenas encarei como um bom narrador observador. Por que você desistiu, Yoongi? — Perguntou sem nenhum momento deixar a voz falhar. — Fala agora, porra! — Gritou, estava louco. Yoongi sentia tudo em si mesmo revirar, tudo, mas mesmo assim manteve sua cabeça baixa e respondeu Seokjin quebradamente.  

— Atira logo em mim, porra.  

— Não acabe com a graça. — Gritou mais uma vez. — Por que não se matou?  

— Porque senti medo. — Respondeu ácido.  

— Ótimo. — Cuspiu no chão. — Taetae, pobre Taetae. Não consegue amar a si próprio, veste roupas largas para esconder a si próprio, esconde o próprio rosto em uma máscara de vidro. — Falou falsamente melancólico. — Gosto do vidro poque ele quebra facilmente, caso deixe-o cair, mas você nunca deixava cair, Tae, sempre segurava antes. — Após falar aquilo ele logo abaixou, pegou uma garrafa de whisky e quebrou contra a árvore ali presente. Tremi e chorei baixinho mais forte.  

Seokjin pegou a parte do gargalo da garrafa e andava lentamente até o garoto de cabelos azuis, que ainda permanecia chorando descontroladamente, colocou-se atrás do garoto mais novo ali presente. Hoseok permanecia parado apenas observando sentado contra o tronco de uma árvore.  

— Sai de perto dele, Seokjin, eu te dou o que você quiser. — Yoongi gritava desesperadamente olhando para aquela cena. Seokjin o olhou levantando a sobrancelha.  

— Oh, Yoongi-ah! Não precisa ser assim, eu já tenho tudo que eu quero, não preciso que você me ofereça nada. — Sorriu doentio. — Taetae, serei gentil contigo só porque você foi obediente. Encostou a parte afiada do vidro na bochecha esquerda do estudante de artes cênicas que, gritou dolorido por conta do corte profundo. — A música sempre será necessária para um belo show, pois da música que o mundo dança, concorda, Yoonyoon? — Perguntou, mas não recebeu uma resposta, deu de ombros. — Para um clímax no ato final eu irei pedir palavras. Então, Taehyung, fale suas últimas palavras, a plateia está ansiosa. — Gargalhou novamente arrastando a garrafa quebrada até ficar no ponto correto do pescoço do azulado.  

Taehyung puxou o ar fortemente e o deixou ir embora rapidamente, abriu os olhos, mas não cessou as lágrimas.  

— Hyung, eu te amo, eu queria que esse passeio tivesse sido apenas um para distrair onde bebemos para caralho. Queria apenas ser o suficiente para te dar milhares de infinitos, me perdoa por não ter dado nenhum. Me desculpa por essa ser a última visão que você terá minha. — O tom era totalmente quebrado, transparecia desespero, medo, tristeza, mas além de tudo isso transparecia o amor mais verdadeiro existente.  

— Eu também te a-  

Então o vidro atravessou a garganta de Kim Taehyung. O corpo de Kim Taehyung tombou para frente caindo próximo as pernas de Min Yoongi, o seu grande amor.  

— Espero te ver no inferno, Min Yoongi. — Engatilhou a arma e atirou contra a cabeça que residia os fios brancos como a neve, como a pureza não existente e como a paz inalcançável  

Seokjin saiu de perto do corpo dos dois garotos, sorriu e logo após gargalhou. O show estava quase completo, agora precisava agradecer à plateia, e logo após fechar as grandes cortinas. 

— À plateia eu quero agradecer, por cada aplauso, por cada assobio, por cada lágrima e obviamente por cada grito, até aqueles contidos. — O corpo dele estava em um perfeito 90 graus. Jimin sabia que Seokjin sabia que ele estava ali.  

Então Seokjin levantou o corpo novamente para ficar reto, sorriu para Hoseok, o qual se levantou para assim fugirem dali, mas não foi isso que aconteceu. Seokjin abriu a boca e acolheu a arma lá dentro, apertou o gatilho e Hoseok arregalou os olhos.  

A visão de Jimin escureceu e então desacordou.   

(...)  

Aquela noite onde uns queriam apenas se empanturrar de chocolates e amar o seu amor a noite toda, ficou marcada como a noite onde quatro garotos foram brutalmente assassinados, uma morte por suicídio, um jovem gravemente marcado psicologicamente e um fugitivo.  

O caso ficou conhecido como San Valentim de Maastricht. Algumas pessoas tinham suas dúvidas perante aquela noite, uns acreditavam na verdade que lhes foram ditas, outros preferiam teorizar, e tentar impor um “e” naquela história que, todos apenas queriam um ponto final.  


Notas Finais


• Espero que tenham gostado!

• Seokjin sempre soube que Jimin estava alí, inclusive desde o começo do plano dele o planejado era deixar uma vítima, jimin, viva. Hoseok não sabia que Jimin estava lá, só fora descobrir depois da sua fuga que, havia um sobrevivente alí.

• Pessoal, vai ser uma mentira se eu falar que eu estava 100% com esta estória, na real eu estava muito insegura, mas estou postando por minutos de coragem.

• Caso tenha gostado, gostaria de convidar-te para conhecer o meu perfil aqui no spirit :)))).

• CVV (Centro de Valorização da Vida): 188, caso não seja atendido, você pode tentar via chat.

• Fiquem bem e se cuidem.

//Key💚


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...