1. Spirit Fanfics >
  2. Sangue Negro >
  3. Embate

História Sangue Negro - Capítulo 27


Escrita por:


Notas do Autor


Um hiatus que dura duas semanas é um hiatus diferente.

Tô postando este cap como forma de agradecimento por 600 pessoas terem favoritado ♡

Eu nunca imaginaria que a fic chegaria tão longe, então boa leitura ♡

Eu agradeci no começo da fic, mas vou agradecer de novo o banner que a @DamaPintada fez pra mim ♡

Capítulo 27 - Embate


Fanfic / Fanfiction Sangue Negro - Capítulo 27 - Embate

- Que tipo de perigo? – Sakura perguntou e aproximou-se dele. Os olhos esmeraldinos observavam a face impassível de Sasuke, tentando descobrir algo por trás da expressão apática.

A voz dela saiu em um tom curioso. Do jeito que Sasuke temeu.

Sakura deveria ficar preocupada consigo mesma, alarmada por saber que agora inúmeros inimigos se levantariam contra ela. Certamente, a pequena vampira jamais deveria ficar curiosa para descobrir  em qual tipo de armadilha sem saída acabou se inserindo quando decidiu conectar-se a ele.

De todas as reações possíveis, Sakura não deveria estar curiosa e disposta para ir longe por ele. Ela poderia se machucar gravemente.

Sasuke mordeu o lábio.

Talvez ele ainda pudesse fazê-la mudar de ideia e notar como ele era perigoso e letal. Embora houvesse a vontade egoísta intrínseca dentro de si que Sasuke alimentava sem hesitação por Sakura; a ânsia avassaladora por ela ao seu lado, independente dos inimigos que se levantariam contra ela por causa unicamente dele.

Ele queria protegê-la, mas também desejava absurdamente por Sakura. O pensamento de colocá-la em perigo era tentador quando a imagem dela ao seu lado avançava em seus pensamentos, driblando a razão. Ele poderia protegê-la. Porém, a possibilidade dela ser morta valeria a pena o seu egoísmo?

Por outro lado, Sakura conseguia sentir todas as nuances dos sentimentos de Sasuke. Ele estava confuso. Preocupado. Pensativo sobre todas as possibilidades que poderiam emergir no futuro.

- O tipo de perigo que fará você ter que olhar duas vezes na rua enquanto anda. O medo de ser perseguida por qualquer um que queira se vingar de mim. O perigo de que usem pessoas ao seu redor para ferir você e, por conseguinte, me afetar.

Sasuke suspirou e colocou o braço por cima do rosto, escondendo os olhos. A visão de Sakura machucada apareceu na mente dele como se fosse uma visão certa do futuro e, por vislumbre, ela também conseguiu visualizar o que o lupino pensava.

- Está tentando me afastar de você? – Sakura perguntou com um toque de incredulidade. Ela estava tentando compreender as palavras dele, os sentimentos que Sasuke passava pelo elo.

- Estou tentando proteger você pela última vez, antes que meu egoísmo assuma todas as minhas decisões.

Sasuke falava como se fosse culpado de algum desastre que viesse ocorrer. Era mais fácil para ela saber o que ele sentia quando o próprio queria que ela soubesse.

A preocupação de Sasuke era notável e o medo que ela se ferisse por causa dele era quase palpável. A mais nova sentia o peso da culpa sob si. Tantos sentimentos dentro de Sasuke, emaranhando-se em um ninho sentimental confuso.

Sasuke sempre esteve no controle dos sentimentos e pensamentos. Contudo, quando se tratava de Sakura, tudo ficava confuso. Era como se ele fosse um lobo inexperiente no quesito autocontrole. Isso o irritava e ao mesmo tempo o fazia ser mais cauteloso possível.

Sakura odiou a sensação de culpa e medo que vinha dele. As palavras de Sasuke ressoavam dentro dela. Protegê-la pela última vez.

- Nós nos metemos nisso juntos, você não me forçou a nada – ela falou exasperada e se sentou por cima dele. A mão esguia pegou o braço de Sasuke e o puxou, retirando do rosto dele. Olhos negros impassíveis a encararam seriamente – está vendo a mordida no meu pescoço? É a prova que ambos decidimos entrar nessa relação conturbada. Desde o início sabemos que nada será fácil. Não tenha medo por mim.

Havia traços de preocupação na escuridão nebulosa.

Havia amor nos olhos esmeraldinos. O mais puro sentimento entre todos.

- Como eu não poderia ficar preocupado quando sei dos inimigos que me perseguem? – Sasuke rebateu roucamente e para afastar os pensamentos confusos na mente dele, Sakura o beijou com gentileza. Ela não queria que ele se culpasse por nada.

Sasuke a afastaria para protegê-la. Ela sabia que ele era capaz disso. Isso não era bom e muito menos sensato.

- Ambos sabemos que a distância não me protegerá. Do que adianta ficarmos longe, sendo que isso me consome por dentro? Consome você? Somos mais fortes juntos, não importa quem é o seu inimigo. O nosso inimigo. – olhos verdes encaravam as íris negras – sem contar que eu quero que todos saibam que a marcada de Sasuke Uchiha não é Ino, mas sim eu. Uma vampira.

Sasuke revirou os olhos e Sakura julgou que ele havia se acalmado, parado de se culpar. Entretanto, a preocupação ainda estava ali. No íntimo dele, não mais no semblante.

- Eu irei proteger você com a minha vida, se for necessário – ele afirmou sem nenhuma incerteza na voz ou no rosto – matarei qualquer um que toque em você. Miserável será aquele que imaginar machucá-la.

Ele prometeu com um tom de raiva, talvez a imaginando sendo machucada. Sakura sorriu diante da atitude protetora de Sasuke e passou as mãos pelos braços robustos dele.

- Já que estamos esclarecidos sobre nossa relação, então irá me contar que perigos são esses? – ela perguntou incentivando Sasuke a continuar o diálogo. Que tipo de inimigos seriam esses ao ponto de fazer o grande Høyere ficar preocupado?

Considerando a força de Sasuke e a destreza dele nas lutas, os inimigos deveriam ser bastante poderosos. Ela não conseguia imaginar nenhum ser sobrenatural, exceto Itachi e Sasori, que poderiam se equiparar ao Høyere dos lobos.

- Há dezenas de anos que caço uma organização secreta de sobrenaturais. Estão tentando despertar o vampiro original – Sasuke segurou a cintura dela e a fez se movimentar na ereção proeminente. Sakura meneou a cabeça, lembrando-se de já ter escutado sobre o primeiro da espécie vampiresca – não sei quem são. Eles são sorrateiros, perspicazes e, sem dúvida, poderosos.

- O vampiro original está selado ou algo assim? – ela perguntou sem esconder a curiosidade. O primeiro dos vampiros foi um lobo. Ele foi modificado por um vírus criado por uma bruxa para matar os lupinos.

O primeiro vampiro estaria adormecido ou escondido em algum canto escuro da Terra? Uma vez Gaara mencionou que ele era uma espécie de Deus entre a espécie vampiresca.

- Está adormecido. Uma bruxa poderosa colocou-o para apodrecer por toda a eternidade em um sono profundo, já que ela não foi capaz de matá-lo. O primeiro vampiro foi uma criatura sanguinária, matou inúmeros humanos e lobisomens sangue puro.

- Então os sobrenaturais que querem despertá-lo virão atrás de mim? – Sakura perguntou retoricamente. O ritmo em cima dele era lento. O lençol cobria as intimidades desnudas que se esfregavam devagar.

- Entende o que estou dizendo? Você não poderá confiar totalmente em ninguém – a voz de Sasuke havia a certeza indubitável que seguiria Sakura pelo resto da eternidade: ninguém era mais confiável – falta pouco para que eu descubra quem eles são. Até lá, você terá que ser minuciosamente cautelosa.

Qualquer um poderia ser o inimigo.

- Entendo – a mente dela vagueou para cantos desconhecidos do inconsciente. Uma sensação de frio passou por Sakura; ela parou de se movimentar em cima de Sasuke – o que você tem a falar sobre os nossos mundos? A nossa ligação será repudiada por todos. Tenho medo que Itachi faça algo para nos afastar. Afinal, ele me ameaçou antes. O Alfa Supremo não é um lobo que permanece apenas nas palavras.

Os músculos de Sasuke ficaram tensos. O maxilar dele ficou tensionado e de repente o clima sensual sumiu. Junto a sensação de tensão, veio a irritação fervorosa do lupino.

- É bastante complicado. Obviamente inventarão diversos obstáculos, principalmente Itachi. Eu tenho algum tempo para pensar no que poderemos fazer para contorná-los. Não será uma tarefa fácil, mas talvez eu possa convencê-lo.

Sasuke ergueu a mão e tocou o rosto dela. Ele segurou o queixo de Sakura e a puxou para um beijo árduo e rápido.

Sakura não pôde deixar de notar que Sasuke se referiu a eles.

Não seria somente ele que faria algo para protegê-los, seria ambos. Finalmente ela percebeu que o lupino estava a colocando ao lado dele e não atrás. Estavam em um contexto igualitário.

A sensação de não está sendo excluída era magnífica para Sakura. Então era assim a reciprocidade entre marcados, a sensação de estar ao lado de alguém que completa você em todos os sentidos e aspectos.

Ela expressou um sorriso espontâneo.

- Eu não me importo de entrar no inferno por você, caso esteja disposto a descer também.

A resposta indubitável dele estava cravada nos olhos negros que rapidamente adquiriram um tom vermelho. Sasuke não precisava de palavras para se expressar, as ações eram suficientes e sinceras.

Além de descer apenas por ela, ele também seria capaz de se tornar o próprio inferno.

- Nunca duvide disso.

Ambos novamente estavam animados para outra rodada.

As horas a fio amando-se, conectando-se de diversas formas que Sakura nunca imaginou existirem, pareciam insuficientes naquele momento. Entretanto, não era aconselhável transar quando um lobo de olhos azuis batia impacientemente na porta.

Ele não precisava bater na porta. Afinal, a respiração de Naruto era um aviso para o casal que deveriam sair do quarto rapidamente.

Sakura saiu do colo de Sasuke. Ele se levantou e ela observou a visão magnífica que o lobo representava. Os músculos tensionados, a ereção formada e o rosto tenso eram motivos para que Sakura se esquecesse de Naruto e pulasse nos braços do companheiro.

Ele praguejou o nome de Naruto como se o loiro fosse uma das maiores pragas da Terra e bateu a porta do banheiro com força. Sakura saiu do transe causado pela nudez de Sasuke.

- O Høyere acordou com o pé esquerdo? – Naruto debochou enquanto se afastava da porta. Sakura cogitou em entrar no banheiro para acompanhar Sasuke e se banhar. Porém, ela sabia que eles fariam tudo, exceto tomar banho.

Como ela estava no quarto dele, decidiu vestir as roupas de Sasuke. Sakura escolheu uma blusa negra que ia até metade da coxa e vestiu uma cueca. O cheiro dele estava impregnado nela em todos os cantos.

Realmente, Sasuke a marcou em todos os sentidos e jeitos possíveis.

Sakura passou a mão no pescoço e sentiu as marcas das mordidas de Sasuke. Sorriu satisfeita, lembrando-se de como ele a marcou.

Demoraria um tempo para a marca cicatrizar. Feridas de lobos, geralmente, se curam rápido nos vampiros; dependem da alimentação do próprio. De toda forma, ela não se importaria se a mordida ficasse estampada no pescoço por dias.

Respirou profundamente antes de erguer a cabeça e abrir a porta. Enquanto andava até a cozinha, Sakura teve que lidar com a vergonha que a consumia.

Ela teria que ver Naruto e Karin. Eles sabiam sobre ela e Sasuke. Sakura estava corada devido à vergonha cruciante. Os dois deviam ter escutado tudo. Literalmente tudo.

Ela não havia sido silenciosa e Sasuke também não. Tentou não lembrar as palavras exatas que proferiu na hora do sexo. Fechou os olhos com força e passou a mão no cabelo róseo que estava bagunçado.

Ela estava com vergonha ou medo da reação deles? Principalmente de como Karin iria reagir?

Certamente, Karin e Naruto não seriam nada em comparação ao mundo dos lupinos e dos vampiros que praticamente iriam fazer muito mais do que encarar com repreensão ou proferir sentenças duras.

Ela desceu as escadas, encontrou Karin e Naruto na cozinha.

O lobo de cabelos loiros desgrenhados bebia chá e comia alguns biscoitos, observando alguma coisa através da janela. Por outro lado, a ruiva bebia sangue em um copo cinza com o nome “love” acompanhado de corações.

Karin foi a primeira a encará-la. Havia confusão nos olhos castanhos e também receio. Sakura sentiu o clima tenso na cozinha piorando a cada segundo, principalmente quando os olhos azuis cravaram nela.

Havia repreensão no olhar dele. Naruto não escondia o desgosto pela relação dela com Sasuke.

Obviamente Naruto não estava satisfeito com a relação que ultrapassava todos os limites já impostos entre os vampiros e lobos. Contudo, o loiro não poderia opinar quando ele também estava vinculado a uma vampira.

Seria hipocrisia julgar o Høyere, o líder dele, quando Naruto estava quase na mesma situação.

- Bom dia – Sakura desejou enquanto procurava por um corpo. Nenhum dos dois a respondeu. A mais nova tentou não sentir a mágoa causada pelo silêncio de Karin. Ela esperava que a ruiva a entendesse toda a situação.

Karin estava agindo indiferente perto de Sakura. Distante.

Ela cogitou que Karin seria a primeira a entender todo o contexto sem julgamentos baseados em uma rivalidade idiota entre espécies.

Sakura pegou uma bolsa de sangue na geladeira e despejou em um copo de trezentas ml. Ela escutou um suspiro prolongado saindo da boca de Karin, como se a própria estivesse rebatendo indagações mentais.

- Você e o Høyere são marcados? – a voz baixa de Karin quebrou o silêncio mórbido que reinava entre os três. O som do chuveiro e os passos de Sasuke no andar de cima deram coragem suficiente para que Sakura confrontasse os olhos castanhos repletos de dúvida.

Karin sabia da resposta, ela somente queria a certeza vinda de Sakura.

- Sim. Somos – ela afirmou sem nenhuma dúvida explícita. Os dedos apertaram o copo enquanto levava o líquido viscoso até os lábios. Sakura observou Naruto se afastando da pia e pegando algo no armário. Ele estava tenso. Talvez fosse insuportável para o lobo estar no mesmo lugar que ela – pode parar de me olhar assim, Karin?

Naruto saiu da cozinha sem falar nenhuma palavra.

Sakura estava começando a se irritar com o comportamento dele.

- Assim como, Sakura? – a ruiva contrapôs enquanto limpava o sangue no canto dos lábios. Karin cruzou as mãos e encarou a mais nova com pesar.

- Como se estivesse me julgando – Sakura desabafou. Ela colocou o copo cheio até a metade de sangue na pia. Havia perdido a sede.

- Mas eu estou julgando você – apesar das palavras de Karin terem saído em um tom embravecido, o semblante dela era calmo – o fato do Høyere ser o seu marcado é muita informação para processar. Você é a companheira daquele lobo – a mais velha não escondeu o tom de nojo e raiva. Ali estava o preconceito entre as espécies, tão forte em Karin como em qualquer outro vampiro – estou irritada por Sasori saber de tudo.

- Você está irritada por que Sasori transformou a companheira do Høyere em vampira? – Sakura perguntou. Ela utilizou um tom de voz de ofensa e os olhos castanhos da vampira a sua frente se arregalaram. Karin negou no mesmo segundo.

- Eu não disse isso. Eu estou me perguntando desde que Sasuke apareceu com você no colo: por que não me contou antes? Pensei que éramos confidentes, amigas – Karin não escondeu a mágoa – não consigo imaginar o peso que você carregou por todo esse tempo. Guardando o segredo do seu vínculo enquanto estava no castelo de Sasori. Eu sou tão ruim ao ponto de você não confiar em mim?

O peso que estava no ombro de Sakura saiu rapidamente. Karin estava magoada por que ela não falou sobre o elo? Era por causa disso?

- Eu não estava pronta para falar sobre o meu elo com ele. Por muito tempo, Sasuke foi a ferida que nunca cicatrizou – Sakura sabia que ele era capaz de escutar toda a conversa – desde o início, tudo foi conturbado. Eu apenas queria uma vida longe do mundo lupino.

Karin encarou a mesa e passou os dedos pela superfície plana e lisa.

- Então não há chance entre você e Sasori? Eu escutei tudo da noite passada e duvido muito que irá querer ter algum envolvimento com ele novamente – Karin perguntou quase em um sussurro. Sakura sentiu um sentimento de culpa pairando em si.

Sasori.

Como ele reagiria?

O que ele faria ou diria?

Por que ela se sentia culpada por algo que a fazia muito bem?

Sempre foi Sasuke.

Poderia ter pensado por um tempo que era capaz de amar outros ou se apaixonar, o que não era uma mentira de certa maneira. Entretanto, ela sempre seria atraída para o lupino de olhos negros.

- Você sabe a resposta, Karin – Sakura respondeu sem esconder a culpa. Ela não queria magoar Sasori. Não queria ver a dor da rejeição nos olhos dele que sempre foram gentis e amorosos.

Entretanto, ela não poderia negar o fato de que não estava arrependida de ter se jogado nos braços de Sasuke sem nenhuma hesitação.

Karin se levantou e a olhou. Agora não havia mais receio, nem repreensão. Os olhos castanhos estavam rodeados de compreensão e talvez um pouco de medo.

- É uma pena. Eu realmente achei que vocês fariam um casal belíssimo – Karin usou a velocidade vampiresca e em um milésimo de segundo estava na frente de Sakura – de toda forma, eu não preciso falar sobre o furacão que você está entrando por causa dele. Com Sasori, você não teria que lutar ou provar o amor de vocês.

Karin não estava falando o nome de Sasuke.

- Eu sei onde estou me metendo. Antes eu pensei que meus sentimentos por Sasori foram direcionados pelo efeito renascimento. Todavia, agora vejo que nada poderia ser mais sincero do que o amor que eu tive por ele – Sakura sentiu os braços de Karin a abraçando com força. Ali havia o apoio que a mais nova tanto queria e esperava da ruiva. Ela sabia que Sasuke estava escutando palavra por palavra – mas nós duas sabemos que uma hora, independente se é bom ou ruim, tudo acaba.

- Eu entendo você, Sakura. Todavia, não sou a favor da relação de vocês. Não suporto o Høyere e não consigo imaginá-lo ao seu lado, uma vampira tão doce e ingênua. Contudo, se ele faz você feliz, então eu a apoiarei – Karin a olhou com compaixão e Sakura sorriu espontaneamente. A ruiva era perfeita.

- Eu sou muito sortuda por ter você.

Karin sorriu maliciosa.

- Não ache que o seu vínculo com Sasuke me impedirá de levar você para o mau caminho. Irei corrompê-la em Las Vegas.

Sakura escutou o som de algo caindo no segundo andar. Era ele.

- Tente vampira que eu arrancarei suas presas – ele ameaçou e Sakura imaginou que ele estava muito sério, mais do que o normal. Sasuke ainda estava no banheiro.

Karin riu e deu de ombros.

- Eu sou totalmente a favor de um relacionamento a três. Melhor você com dois, do que somente com um lobo sanguinário – Karin saiu da cozinha. Sakura escutou um resmungo de Sasuke.

- Eu achei uma boa ideia. O que você diz, Sasuke? – ela falou enquanto encarava o teto. Sakura tentou ser o mais convincente possível. Ela queria provocá-lo. Não se surpreendeu quando ele ficou em silêncio diante da pequena ousadia.

Sakura notou que Karin estava muito bem fisicamente. Sem nenhum machucado aparentemente da noite que eles foram encurralados. Embora a missão estivesse indo de maneira péssima, tudo parecia está seguindo nos conformes aceitáveis para Sakura.

Ninguém havia morrido.

Ela e Sasuke haviam se acertado. Entretanto, até quando a paz frágil entre os quatros duraria?

Resignada, ela viu algumas malas na sala de estar. Eles iriam embora dali por causa do perigo de ficarem na cidade por muito tempo. Os sobrenaturais que os atacaram na boate Cerberus poderiam segui-los.

Ela entrou no cômodo e viu Naruto sentado na poltrona. O olhar dele estava perdido na janela. O loiro parecia pensativo enquanto em seu semblante havia tensão.

Sakura não conseguiu engolir o reboliço que subiu pela garganta ao vê-lo.

- Eu escutei o que você e Sasuke estavam conversando no quarto – Sakura começou a falar sem saber como quebrar o clima tenso. A mais nova não queria que ele atrapalhasse a relação não estabilizada que se formava entre ela e o marcado que não sabe economizar água no banho, aparentemente – eu sei que você não é a favor da nossa relação por algum motivo.

- Sakura, isso não tem a ver com você... – Naruto falou apático e ela franziu as sobrancelhas. A mais nova se aproximou dele sem esconder a irritação – você é apenas uma vampira que será a ruína de Sasuke. De tudo o que ele construiu.

Naquele momento, Sakura não conseguiu acompanhar a razão quando a raiva falou por ela.

- Poderia me deixar falar? Tem a ver comigo sim – a voz de Sakura estava firme e austera, demonstrando todo o fervor que estava crescendo dentro dela rapidamente. Ela seria a ruína de Sasuke? – eu não me importo com o motivo pelo qual você tanto abomina minha relação com Sasuke. Porém, permita-me recordá-lo de algo: Fico feliz que você seja o motivo dessa mudança que para muitos não é perceptível, porém significa muitas coisas. Espero ansiosamente pelas crianças de olhos azuis e cabelos negros.

Naruto fez uma expressão de surpresa que durou por poucos segundos.

- Este foi o meu discurso no casamento de Sasuke e Ino. Você não errou nenhuma palavra – Naruto arqueou uma sobrancelha e cruzou os braços diante do olhar esmeraldino que parecia brasas.

- Eu me lembro de cada palavra, de tudo que aconteceu naquele dia – tudo o que Sakura falava era verdade. Mesmo que ela tivesse perdoado Sasuke e toda a dor que um dia chegou a ser insuportável causada por ele, não significava que ela iria apagar o próprio passado.

O passado a fazia ser forte. Sakura não tinha vergonha dele. Não tinha mais medo dos fantasmas.

-- Sabe como foi difícil conviver dia após dia achando que meu marcado amava outra? Acreditando que ele me renegava por eu ser um sangue negro? Não, você nunca saberia. Sabe o por quê? A resposta é simples; você é um lobo puro sangue. Jamais teve que conviver com a rejeição da própria espécie, muito menos da pessoa que supostamente deveria amá-lo desde o início. Agora que descubro que Sasuke sempre me amou e que todas as decisões dele, por mais que tenham sido erradas, foram feitas para me proteger – Sakura colocou um braço na parede perto do rosto de Naruto enquanto curvava o corpo para frente – eu não vou deixar que você atrapalhe nada. Guarde sua opinião apenas para si.

Sakura não sabia de onde estava tirando tanta coragem e ousadia para confrontar Naruto com firmeza. Ela somente não queria que o lobo mais íntimo de Sasuke pudesse interferir em uma relação que mal havia começado.

- Isso é uma ameaça? – Naruto perguntou com seriedade e Sakura deu de ombros. Os olhos azuis estavam brilhando em uma raiva contida. Como todos os lobos sangue puro, ele odiava ser contestado.

Principalmente se for por uma vampira.

- Não – Sakura sorriu, mostrando as presas proeminentes – é um aviso.

Sakura deu as costas a Naruto e se afastou dele. Ela escutou Sasuke saindo do banheiro.

 – Da mesma forma que você protegeria com unhas e dentes o seu vínculo com Hinata, eu também farei isso por Sasuke.


Notas Finais


Sakura meteu furando em Naruto. Ele que se foda. Tava na hora :v

OBSERVAÇÃO: por causa de umas regras do spirit, eu mudei a idade da Sakura. Agora ela tem 21 anos, não mais 18. Ela conheceu Sasuke com 19 anos. Então, caso em algum capítulo que eu ainda não corrigi esteja como se ela estiver com 18, então releve.

Senti saudade de vcs ♡

Se apareceu Suzuki em alguma parte da história, é o maldito corretor que converte o nome de Sasuke. O meu corretor odeia ele, acho que ele shippa sasosaku kkkkkk

Sasori, aparece logo. Se não o cachorrao vai roubar a Sakura

P.S; a fanfic já está terminada, mas como eu falei antes. Estou dando mais foco na revisão do que postar caps novos. Eu ainda tô revisando e nem cheguei no quinto capítulo, é triste viu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...