História Sarada, a maldição dos uchiha - Capítulo 42


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Boruto Uzumaki, Mitsuki, Naruto Uzumaki, Orochimaru, Sakura Haruno, Sarada Uchiha, Sasuke Uchiha
Tags Borusara, Boruto, Naruhina, Naruto, Sakura Inner, Sarada, Sasusaku
Visualizações 96
Palavras 2.335
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela
Avisos: Mutilação, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente, sei que fiquei um bom tempo sem postar, mas vou admitir que foi por preguiça mesmo e porque eu tava terminando Charlotte e Angel Beats, mas espero que goste e estou ansiosa por seus comentários críticas e sugestões.

Capítulo 42 - O ingresso para Kakumei


Fanfic / Fanfiction Sarada, a maldição dos uchiha - Capítulo 42 - O ingresso para Kakumei

SARADA POV

Depois da reunião com os outros líderes, fui averiguar melhor a estratégia do plano, precisava me inteirar nos assuntos das grandes nações, afinal o que faríamos seria um golpe e tanto na ilusão de poder e perfeição que eles oferecem para o resto do mundo.

Entrei sem bater no quarto, a única iluminação vinha da parede repleta de computadores e outros aparelhos tecnológicos, sons de luta chegaram aos meus ouvidos.

-----Shiro?. Falo tentando chamar atenção da garota de cabelos brancos que estava com os olhos vidrados na tela.

-----Ah oi. Responde rapidamente sem sequer fazer menção de se virar.

-----Não dá para pausar isso não?. Pergunto impaciente.

-----Estou jogando online, óbvio que não dá. Mesmo de onde eu estava pude vê-la revirando os olhos.

-----Shiro é importante. Insisto.

-----Jogar paladins também. Responde petulante.

Suspiro irritada e a contragosto me sento no sofá, sei que é inútil continuar tentando convencê-la, e fico esperando ela terminar a partida.

-----Tudo bem, do que você precisa?. Perguntas girando a cadeira.

-----As informações para a invasão da base.

-----Tá, só um minuto.

Os dedos dela voavam pelo teclado tão rápido que eu mal podia ver sem o Sharingan, ela, abria várias pastas e arquivos enquanto digitava senhas para descriptografar os dados, logo aparece um compilado de mensagens trocadas entre os Kages e outras pessoas importantes na administração das vilas.

-----Precisarei de mais tempo para invadir o sistema das bases militares, mas os e-mails são mamão com açúcar. Fala sorrindo.

Sento ao lado dela para analisar o conteúdo do compilado, encontramos muitos relatórios econômicos ,quantidade de gastos acordos alfandegários e até mensagens pessoais.

-----Olha isso. Shiro chama minha atenção para uma aba no canto da tela.

Era uma mensagem do Hokage dizendo que meu pai havia achado outro pergaminho, talvez o mais importante de todos ,dizia que uma reunião era urgente e que ocorreria dali à uma semana, encontramos as respostas dos outros líderes concordando em ir.

-----Mandarei Shi para investigar. Informei.

-----É melhor mandar alguém com ela.

-----Sim ,boa ideia.

-----O melhor seria fazer com que eles ficassem perto do prédio durante a reunião e Shi entrasse na mente de um dos guardas para observar.

-----Não seria melhor eles ficarem em um hotel próximo?. Perguntei tentando entender a analogia dela.

-----Além de não ter um hotel próximo o suficiente, isso deixaria um registro da passagem da Kakumei lá, eles têm pessoas muito inteligentes do outro lado.

-----Então qual seria a melhor abordagem?

-----Ficar exatamente onde eles possam ver, mande eles para a praça como se fossem um casal, Iwagakure é considerado um lugar romântico, logo não seria incomum vê-los alí.

-----Nossa, e eu pensei que conhecia bem o mundo ninja.

-----Eu precisei saber para jogar o novo jogo MMORPG slice of life que lançou. Ela me informou animada.

Olhei para Shiro sem entender nada, mas ela era assim mesmo, Gamer, Otaku, Geek, viciada em livros e todas as outras e principalmente uma Hacker incrível, talvez a melhor do mundo, eu queria ter metade da inteligência daquela garota. Agradeço saindo do quarto e indo informar a Kurome

-----Arigato Shiro.

BORUTO POV

-----Mudança de planos. Sakura-sama fala sentando na mesa da nossa sala de aula improvisada.

-----Sei que vocês deveriam ingressar na Kakumei só daqui à um mês, mas surgiu uma emergência e precisamos saber urgentemente dos planos da organização, obviamente vocês não entrarão juntos e nem sei se todos conseguirão, mas um traficante de uma outra organização que negocia com a Kakumei vai encontrá-los em Sunagakure em dois dias, o Boruto e a Harumi que são mais familiarizados ficarão pelos arredores e tentarão chamar a atenção do membro, pelo que sabemos será um dos líderes que irá, por isso tomem muito cuidado.

Suspiro, era para termos muito mais conhecimento e preparação antes de irmos, mas isso teria que ser adiado, naquela mesma noite iríamos para a vila.

Me despedi da minha família já na estação, tinha passado o dia inteiro arrumando minhas coisas e "arrumando minha aparência", meu cabelo estava um pouco menor nas laterais e eu tinha usado uma tinta especial para esconder os riscos nas bochechas, claro que eu não estava irreconhecível, mas ainda era um pouco mais difícil  me reconhecer com o selo que altera meu chackra, meu presente de despedida da tia Sakura, assim que embarquei coloquei meus fones de ouvido e comecei a escutar The night we meet (escutem, é muito boa), não estava no clima de me divertir, ainda mais estando em um trem, as horas foram passando junto com a playlist, Unravel, Again, Logic, Just stay, depois de algum tempo foquei em olhar a paisagem, eu estava triste e animado ao mesmo tempo, perder a Iwai foi como se eu perdesse a Himawari, e estar indo encontrar um dos líderes significava estar um passo mais próximo de vinga-la.

Finalmente chegamos, não havíamos trazido nenhuma bagagem e só ficaríamos por uma noite na embaixada de Konoha, antes de irmos para a missão, me viro para chamar Harumi quando alguém pula em cima de mim.

-----Haruki-chan você tá um gato. Brinca Akame comigo.

-----Droga Akame vai estragar meu disfarce. A repreendo baixinho.

Ela simplesmente sorri e me leva pela plataforma, Harumi nos segue um pouco distante, andamos discretamente pela Vila até chegar na embaixada e somos levados para os nossos respectivos quartos, me jogo na cama e fico olhando para o teto como fazia quando morava em Suna, suspirei e fui fazer o que Sakura-sama mandou, peguei um papel timbrado e uma caneta que trouxe na bagagem e me sentei na pequena escrivaninha que havia no canto do quarto, fiquei vários minutos batendo o a ponta na folha até finalmente começar a escrever alguns kanjis.

"Pai, mãe e Himawari essa é a primeira vez que participo de uma missão rank-S então também é a primeira vez que escrevo um testamento, não sei bem o que falar, exceto que eu os amo muito, quero pedir desculpas por tudo o que fiz de errado e por ter decepcionado vocês, sei que nem sempre fui o filho que queriam, talvez eu não seja até hoje, estaria mentindo se dissesse que não tenho arrependimentos então farei de tudo para sobreviver e elimina-los."

Suspiro antes de continuar.

"Hinawari pode ficar com todos os meus jogos e mangás, mas preciso que continue levando flores de Sakura para a Sarada, mesmo eu sabendo que ela não gosta muito de flores sei que ficará feliz ao recebe-las de você, saiba que eu estou indo embora por uma razão muito importante, se orgulhe do seu Oni-chan.

Pai, desculpa por todas as brincadeiras e coisas horríveis que eu lhe disse, posso não demonstrar muito, mas eu lhe amo e tenho muito orgulho de ser seu filho, hoje eu entendo o quão necessário um Hokage é, espero não lhe decepcionar nessa missão.

E mãe tenho certeza que a coisa que eu mais sentirei falta será sua comida, dúvido que qualquer uma no mundo seja tão boa quanto a sua, obrigada por sempre me ajudar e ficar do meu lado."

Pouso a caneta ao lado e penso em como terminar o testamento.

"Sumimasen minna, não poderei mais dizer Okaeri"

(Só pra quem não entendeu, "desculpe gente, não poderei mais dizer cheguei")

Lacro o envelope e assino meu nome, o coloco em cima da mesa e me deito tentando dormir, passo horas escutando música antes de finalmente adormecer.

Batidas furiosas me acordam.

-----Já desistiu da missão Boruto?. Pergunta uma Akame furiosa do outro lado da porta.

Me levanto ainda atordoado e abro a porta me deparando com os olhos tempestuosos da minha Sensei.

-----Vai se arrumar logo, ou vai acabar perdendo o horário. Me informa indicando o banheiro.

Pego o envelope e entrego para ela antes de ir no banheiro e fazer minhas necessidades matinais, coloco uma roupa um pouco surrada e típica de Iwagakure, que é de onde meu suposto "eu" veio e ando para o pátio tentando encontrar Harumi.

-----Ohayo. A cumprimento assim que a encontro.

-----Ohayo. Responde sem expressão. -----Vamos rápido ou não conseguiremos.

Saímos da embaixada e andamos pelas ruas familiares de Suna, a multidão nos ajuda a passarmos despercebidos e como se fôssemos apenas dois amigos conversando andamos na direção do suposto encontro.

-----Como abordaremos ele?. Pergunto querendo revisar o plano.

-----Assim que ele sair da negociação sairemos do beco da frente e o abordaremos.

Olho surpreso com a simplicidade e o número de possíveis falhas no plano.

-----Confie em mim. Ela diz possivelmente percebendo minha expressão de dúvida.

Entramos em um beco em frente à uma taverna e ficamos observando escondidos em meio ao lixo acumulado, em pouco tempo avistamos o possível alvo, uma pessoa anda cabisbaixa na multidão, usa uma capa que de repente me lembrou a de Kurome Haruno, tem mais ou menos minha altura e minha idade, com certeza é um garoto, ele cutuca um homem que bebe próximo á entrada da taverna, os dois se entreolham e juro ver um pouco de medo nos olhos do grandalhão, o menino senta e começa a conversar por bastante tempo com o homem, logo o brutamontes se irrita e começa a discutir com a figura encapuzada que permanece completamente calma, de onde estamos não conseguimos ouvir a conversa e ficamos perdidos quando o representante da Kakumei se levanta e sai do bar decadente, de repente Harumi corre atrás dele e eu sem saber o que fazer a sigo.

Ela puxa o braço dele e chama sua atenção, e pedindo para falar com ele, agora posso ver o rosto do garoto, ele é até bonito, tem brandos olhos verdes e cabelos loiros cor de areia meio bagunçados, me surpreendo ao reconhece-lo, ele estava com Sarada quando eu lutei com ela próximo ao vale do fim.

-----Por favor ,posso falar com você?. Harumi fala para ele com uma voz inocente.

O garoto estreita os olhos, mas por fim acaba aceitando e voltamos para o mesmo beco em frente ao bar, percebo sua experiência quando ele fica atrás de nós bloqueando a saída do beco e lhe dando vantagem.

-----Oque querem?. Pergunta claramente desconfiado, mas sem ser grosso.

-----Queremos entrar na Kakumei. Ela fala sendo muito direta, quase engasgo ao vê-la falando isso.

-----Aquela organização terrorista? Não conheço. Fala tentando parecer inocente, mas percebo uma leve ironia na sua voz.

Para minha surpresa Harumi ri e o abraça.

-----Estava com saudade Yashamaru.

-----Como você cresceu Harumi. Ele fala a abraçando de volta.

Tento não esboçar nenhuma surpresa, mas é quase impossível, ao me acalmar percebo a semelhança entre os dois, os cabelos loiros e os olhos de um verde estranho, o sorriso dos dois era muito parecido também.

-----E quem é esse?. Pergunta se desvencilhando do abraço e olhando para mim.

-----Um amigo que tem pendências com o governo. Fala também de afastando.

-----Qual sua história?. Questiona parecendo verdadeiramente curioso.

-----Minha namorada era uma ninja que fez uma coisa durante uma de suas missões e por isso foi considerada uma nukenin, por causa disso ela foi morta e nem mesmo pude enterra-la com os outros. Cerro o punho, essa era a história de Haruki, mas Ibiki-sama mesmo já sendo aposentado gostava de brincar com nossas emoções e disse que seria mais convincente se tivesse um fundo de verdade.

-----Sou Haruki. Me apresento com meu novo "nome".

-----Bom você já sabe que sou Yashamaru. Responde colocando as mãos atrás da cabeça, estranho o movimento, já que é muito parecido com o que meu pai fazia quando era criança.

-----Harumi, não posso simplesmente confiar em você e no seu amigo só porque você é minha gêmea.

-----Então o que devemos fazer para entrar?. Ela fala sem parecer nem um pouco abalada pela falta de confiança do irmão.

-----Qual a posição ninja de vocês?. Pergunta mais a vontade.

-----Ele era chunnin, e eu assim como você era da unidade de infiltração de Suna. Ela responde revirando os olhos.

-----Bom acho que serve. Yashamaru analisa pensativo.

-----Preciso que vocês tragam um jovem chamado Ashida Sui da arena de Coclhea, se conseguirem encontrem uma garota baixinha de cabelos, olhos e roupas pretas em Higurashi.

-----Você só está nos mandando nisso para economizar seu trabalho. Acusa Harumi.

-----Isso também, tome cuidado Onee-chan. Acena já se afastando.

-----Quem deve tomar cuidado é você Oni-chan, já que nunca me venceu em uma luta. Ela retruca.

-----Se você entrar eu serei seu senpai Harumi, por isso cuidado com a boca. Ele se vira e dá mais um sorriso antes de desaparecer na multidão.

A garota dá um longo suspiro e se senta no chão.

-----Essa missão será muito difícil. Ela informa ainda olhando para o chão.

-----Porque?. Pergunto sem saber direito o nosso destino.

-----Primeiro porque teremos que atravessar muita água, e depois porque teremos que entrar em um dos lugares mais perigosos do mundo e provavelmente sequestrar algum escravo importante de Coclhea.

-----Oque é Coclhea?.

-----Um lugar onde os ricos vão para ver lutas, enquanto pessoas azaradas que nasceram com kekkei genkkai se degladiam até quase morrerem. Ela franze o celho como se estivesse lembrando de algo ruim.

-----Você conhece muito sobre aquele lugar. Comento.

-----Eu já fui uma das escravas de lá. Ela levanta um pouco da blusa de manga longa deixando a mostra muitas cicatrizes contrastando com sua pele branca. -----Esse é o motivo do meu irmão ser oque ele é, quando nós éramos pequenos sequestradores entraram em nossa casa, eu sou do clã Sabaku que têm algumas Kekkei genkkais, poderíamos ter fugido mas Yashamaru ficou em choque e não conseguia se mover. Seu olhar era sombrio enquanto falava. -----Então eu o escondi e me entreguei, era o único jeito de salva-lo, fui levada para a arena aos cinco anos, meu irmão fez um acordo com Orochimaru para conseguir me tirar de lá, mas já haviam se passado 6 anos e em troca Yashamaru teve que viver com aquela cobra asquerosa, e foi assim que ele entrou no submundo, sob outras circunstâncias não sei nem se ele seria um ninja, é um garoto muito gentil.

Ela para de falar e eu fico estático sem saber o que responder.

-----Sinto muito por tudo isso.

-----Oque não te mata te deixa mais forte. Ela responde levando e voltando ao normal. -----Vamos, três dias é pouquíssimo tempo.

Voltamos para estação da vila e fomos em direção ao porto de Kirigakure e embarcamos novamente em outro trem, assim que nos sentamos Harumi me encarou profundamente.

-----Quando chegarmos lá, nada de bancar o herói de mangás, você precisa estar disposto a matar caso seja necessário.

Engulo em seco e assinto incerto, entrar para a Kakumei podia ter um preço alto demais.


Notas Finais


Comentem please.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...