1. Spirit Fanfics >
  2. Saseum (VHope) >
  3. Early Morning;

História Saseum (VHope) - Capítulo 20


Escrita por:


Notas do Autor


mano do céu. a gente tá no capítulo vinte. eu não conseguia me ver passando do capítulo TRÊS, e a gente tá no capítulo VINTE.

misericórdia.

MANO EU AMO MUITO VOCÊS. DEMAIS DA CONTA MEU DEUS.

gente eu só queria me desculpar pelo atraso. estava me mudando, e me acostumando à rotina nova. terminei de escrever esse capítulo agorinha mesmo, por mais que eu já tenha começado outro. tem que ser assim kkkk

mas eu to feliz de ter voltado e impressionada com o nosso progresso. é tudo graças à vocês.

Capítulo 20 - Early Morning;


Taehyung se separou do beijo vagarosamente, respirando pesado, e seus olhares se encontraram uma outra vez. 

 

– Tae. – Sussurrou. 

 

– Desculpa. – Ele sussurrou de volta, se deitando ao seu lado e encarando o teto. 

 

Não havia porque dizer aquilo; somente se o próprio alfa estivesse com vergonha. Quem sabe fosse um pouco mais reservado do que o Jung imaginava. 

 

Foi quando pôde pensar na possibilidade que lhe assombraria pelo resto dessa mesma vida. Que lhe faria se sentir culpado o suficiente, para evitar o alfa até que finalmente fosse embora. 

 

E se Taehyung tivesse se arrependido? 




 




 

– Desculpa… Pelo que? – Hoseok perguntou com apreensão, sentindo suas bochechas ficarem vermelhas. Mais vermelhas do que quando estava quase grudado ao alfa, com seus lábios contra os dele. 

 

Ele lhe olhou de volta, tão vermelho quanto o ômega, aparentemente sem saber o que dizer. 

 

– Por ter passado dos limites. 

 

– Não passou dos limites em momento algum. – O Jung disse com exasperação, se sentando na cama. O mais jovem fez o mesmo, ainda que sem um terço da tranquilidade do outro. – Se a culpa fosse de alguém, seria minha. Fui eu que te beijei. 

 

– Não é por isso. – Taehyung correu as mãos por seu próprio cabelo, suspirando fundo, parecendo frustrado. Havia se arrependido, não havia? Droga. – Se ao menos fosse somente pelo beijo, não seria tão ruim. 

 

– Tae, não estou entendendo. – Tocou seu braço gentilmente, como ele sempre fazia consigo para lhe acalmar ou abrigar. Sentindo que deveria fazer o mesmo, sendo que estava visivelmente estressado. 

 

– Eu tirei sua chance de voltar pra casa, Saseum. Te arrastei pra cá de volta, te segui até aqui, e ainda por cima invadi seu espaço. É tudo culpa minha. – Seus olhos não se desviavam dos do ômega; que sentiu genuína culpa em sua fala. Mas ouvir aquilo partiu seu coração ao meio. Desde quando Taehyung havia feito algo errado?

 

Estava, literalmente, apenas tentando evitar um conflito. Havia lhe feito um grande favor e por isso deveria ter orgulho; não arrependimento. 

 

– Pare de falar como se tivesse feito algo sem minha permissão. – Rebateu. – Eu não fui forçado a nada; simplesmente aceitei sua ideia porque era melhor do que a minha. E nem ao menos tente me contrariar. – Seu tom de voz era firme; o mais firme que conseguia conjurar, para que Taehyung realmente entendesse seu ponto. E ele ficou em silêncio por algum tempo, olhando para algum ponto inespecífico do quarto pequeno e aconchegante. Pensando no que lhe havia sido dito. – Sei que estava tentando evitar um problema maior. 

 

– Então não se incomoda com minha presença aqui? E nem com… O que aconteceu depois? – O alfa perguntou com olhos brilhosos, genuinamente lhe fazendo aquela pergunta cuja resposta era tão óbvia. Hoseok não sabia esconder suas emoções. Se não quisesse Taehyung ali, o Kim saberia daquilo e de certo não estaria no quarto. Mas ele não lhe conhecia daquela forma; não haveria como que soubesse. 

 

Deveria ao menos respondê-lo com sinceridade. 

 

Não evitou um pequeno sorriso, achando toda a situação um tanto cômica mas também adorável. Taehyung era uma pessoa muito querida, como podia claramente ver. Se preocupava com o bem estar de outros, talvez muito mais do que com o seu próprio. 

 

– Claro que não, coisa. – Socou-lhe o braço levemente, e ao ver o alívio nos olhos daquele rapaz, seu coração ficou mais leve. Taehyung se jogou novamente na cama, deitado no mesmo lugar e olhando pro teto com um enorme sorriso no rosto. 

 

Seu cabelo preto se espalhava pelos travesseiros brancos, criando um contraste que mostrava quanta melanina havia naqueles fios. Contrastavam muito bem sua pele bronzeada, enfatizada pelas luzes amareladas do quarto. Estava agora de olhos fechados, e seus cílios longos causavam inveja no mais vaidoso ômega. O nariz moldado como se de mármore fosse, os lábios rosados e extremamente beijáveis; tudo nele era meticulosamente desenhado pelo mais destro artista. 

 

Kim Taehyung muito provavelmente era a pessoa mais bonita que conhecia. 

 

Tocou seu rosto gentilmente, antes de se deitar ao lado dele também com um grande sorriso no rosto, desacreditado com tudo o que havia acontecido naqueles últimos dias. Especialmente nas últimas poucas horas. Era impressionante como tanto podia mudar em tão pouco tempo. 

 

Ficaram em silêncio por um bom tempo, reprisando momentos e conversas de poucos momentos atrás. 

 

Aos poucos sentia sua mente divagando pelos mais diversos pensamentos, lentamente lhe seduzindo ao sono. E o calor do alfa ao seu lado, sua respiração tranquila e ritmada com a dele; o simples fato de não estar mais sozinho, lhe deixava tranquilo. 

 

Lhe dava a chance de baixar a guarda. 

 

– No que está pensando? – Taehyung perguntou, a voz barítono soando como uma suave canção para o ômega que começava a ficar sonolento. Depois de toda a adrenalina ter passado, foi possível sentir o quão cansativos e estressantes haviam sido os dias de espera. Haviam lhe desgastado fisicamente. 

 

– Na vida. – Sorriu para o nada. – Nas loucuras da vida; no quanto tudo pode mudar de uma hora pra outra. 

 

– Realmente. Tanta coisa aconteceu em alguns dias. 

 

– Estava pensando nisso. – Taehyung lhe olhou de soslaio, ainda com o mesmo semblante distraído e confortável. 

 

– Mentes brilhantes pensam da mesma maneira, Saseum. 

 

– Realmente te acho brilhante. – Ele comentou após alguns momentos de silêncio, fingindo ignorar o sorriso satisfeito do mais novo. – Eu gosto de conversar com você; me faz sentir gente de novo. Para alguém que só recebia ordens… 

 

– Ordens de quem? 

 

– Típicas ordens. Alfas. Professores. 

 

Sargentos. 

 

Não podia dizer aquilo, podia? Já havia revelado demais naquela noite. Mais um segredo sendo descoberto seria plena falta de cuidado de sua parte. 

 

– Ordens que recebemos por sermos ômegas. – Sentiu os dedos do alfa tirarem o cabelo de seu rosto, e seu rosto foi gentilmente acariciado. Não abriu os olhos, mas sua face deixava claro que esperava uma resposta.

 

– Saiba que eu te vejo muito além da sua classe. – Ouvia a sua voz que era como veludo líquido de tão macia, lentamente lhe seduzindo ao descanso. A maneira como sua pele era marcada pelos desenhos invisíveis de seus dedos, e sentia sua respiração tranquila sobre seu rosto. Tudo era o suficiente para que caísse no sono. – Te considero um igual. Alguém que na verdade tem mais coragem e credibilidade do que um alfa. 

 

Hoseok abriu os olhos, sorrindo de lado. Examinando aquele rosto sem falhas, e que queria cobrir de beijos. E foi o que fez (em partes). Trouxe-o para perto de seu rosto pelos cabelos, e deu-lhe um selinho que não durou mais do que alguns segundos, mas que foi o suficiente para fazer o coração do Kim explodir em milhares e milhares de faíscas. 

 

Aquela sensação agora estava marcada em sua mente e Taehyung odiaria admitir que era uma das melhores que já vivenciara. 

 

– Corajoso é pouco pra te descrever, Saseum. – A mente cansada do Jung lhe deu a opção de rir daquele comentário, sonolento, sem exatamente pensar no que dizer depois. Mantendo seus olhos fechados; deitado na cama que naquele momento era a cama mais macia do planeta Terra inteiro. – Alguém está com sono. – Riu soprado, sendo presenteado com um par de olhos castanhos sonolentos e brilhosos. 

 

– Me sinto seguro. – Falou sem pensar, pegando o Kim de surpresa. E a si mesmo também. Era o que o sono lhe fazia; deixava-lhe falante demais e emocional demais. Logo logo estaria contanto a história de sua vida, se não ficasse bem quietinho. – Estar com você me faz sentir seguro. Então não é tão difícil cair no sono tranquilamente. 

 

– Puxa. Estou tocado. – Hoseok ouviu sua risada satisfeita, e sentiu o leve toque dos lábios alheios sobre sua testa; um gesto que a partir daquele dia não seria somente amigável. Não que aquilo lhe incomodasse, é claro. 

 

Foi uma questão de poucos minutos até que Taehyung lhe cobrisse com um cobertor pesado para o frio que fazia do lado de fora, deixando-o o mais confortável possível sem ter que tirar suas roupas úmidas. Afinal de contas, nem estavam tão molhadas assim. Estar protegido por um cobertor anularia o frio. 

 

Hoseok sussurrou um discreto “obrigado”, seus olhos agora pesados e próximo de dormir. 

 

O alfa lhe observou do meio do cômodo com um olhar indecifrável. Estudando a figura esbelta e tão extraordinariamente bonita deitada sobre aquela cama. Tão bonito; e tão alheio à sua própria beleza. 

 

Tudo sobre aquele rapaz fazia seu corpo e sua mente reagir. Se lhe tocasse, o momento se repetiria por vezes e mais vezes como uma memória vivida. Se falasse consigo, o som de sua voz ficaria engravado em sua cabeça. Se lhe fitasse por algum tempo (como se encontrava fazendo muito frequentemente), sua silhueta ficava marcada em seus olhos como uma foto. 

 

E Taehyung não era tolo. Havia uma atração física muito forte por ele; seu lado humano tinha incrível auto-controle; mas seu lado alfa desejava de todo o coração poder segurá-lo, tocá-lo, protegê-lo como queria. Não de maneira possessiva, ou desnecessariamente dominante; mas sim lhe dando todo o carinho e respeito que alguém como ele merecia ter. 

 

Mas enquanto ele estivesse com os olhos fechados, alheio à maneira como o Kim se sentia, não faria absolutamente nada. Se recusava a ter qualquer tipo de envolvimento platônico. E sentia que ele estava tão fora de seu alcance… Era quase loucura esperar que alguém com seu nível de classe se interessasse por Taehyung; provindo de uma família rígida na parte mais escondida do país. Era quase como desejar que o dia se tornasse noite. 

 

Ah, como se aquilo importasse naquele momento! 

 

Já havia lhe beijado. Ou melhor; havia sido beijado por ele. Aquele já era um começo. Poderia existir algum tipo de proximidade entre eles; e mesmo que não necessariamente fosse uma proximidade romântica, poderia ser uma forte amizade. Assim como próprio ômega havia mencionado. Se tivesse um amigo como ele, que estivesse consigo, lhe apoiando e melhorando seus dias, aquilo já era o suficiente. 

 

O Jung não teve uma reação concreta quando Taehyung se deitou ao seu lado. Mais perto do que antes. Debaixo do mesmo cobertor. As luzes agora estavam apagadas, seu corpo era protegido contra o frio e para mudar a situação completamente, ouvia a respiração tranquila do alfa um tanto próxima de si. Não se tocavam, mas o Jung sentia o calor que ele irradiava. Quase completamente tomado pelo sono. 

 

Quase, porque parte de sua consciência se focou no canto suave do rapaz. Sua voz aveludada cantando uma melodia muito bem conhecida por qualquer Coreano digno; o tão amado Arirang. Cantava de maneira que não lhe acordasse, mas fosse o suficiente para lhe levar de vez ao sono. Um sussurro apenas. 

 

Cantarolando as palavras que sua mente tentava a todo custo decodificar; sentindo falta de sua língua materna naquele momento. Mas não era algo tão importante. Às vezes a música transcendia qualquer tipo de barreira; fosse ela linguística, cultural ou emocional. 

 

Então, abrigado pela presença de Taehyung, ninado por sua voz doce, aquecido pelo calor de seu corpo, Hoseok adormeceu. E adormeceu, pela primeira vez em alguns dias, tranquilamente. 

 

Sem se preocupar com o que aconteceria depois. 

 

– Boa noite. Saseum. – Ouviu-o sussurrar. Já muito imerso em sono para lhe responder. 




 




 

O alfa acordou primeiro. 

 

Estava deitado da mesma maneira como adormeceu, sem ter movido um músculo. E a primeira coisa que viu ao abrir os olhos, após se ajustar à escuridão que ainda prevalecia lá fora, foi o rosto tranquilo de Jung Hoseok. Provavelmente a coisa mais linda que já havia visto em algum tempo. Com o cabelo castanho caindo por seu rosto, os lábios rosados entreabertos e o semblante mais calmo alguém podia exigir. Fez o próprio Kim se sentir em paz. 

 

Sua mente confusa pôde, finalmente, fazer algum sentido. 

 

Entretanto, notou que a razão pela qual acordou em primeiro lugar foram as incessantes batidas na porta. Lhe tiraram de seu sono leve, e o Kim pôde perceber que ser acordado era uma das coisas que mais lhe irritavam nessa vida. O barulho se tornava mais irritante a casa segundo, tirando a calmaria do presente momento. 

 

Praguejou algo inteligível, reclamando de quem quer que estivesse na porta de seu quarto àquela hora da madrugada (certo?), lhe incomodando. Mas mesmo assim se levantou, notando que sua camisa estava aberta (não podia ser culpado, aquele quarto não tinha uma boa ventilação). Sabia que não havia sido Hoseok, que nem ao menos havia se movido da posição que dormiu. Então não se importou tanto com aquele fato. 

 

Vagarosamente se direcionou à porta, e em momento algum as batidas cessaram. Quem era a criatura impaciente?!Abriu a porta de uma vez, fazendo questão de manter sua expressão mais séria. Quem sabe a pessoa não iria embora ao vê-lo. 

 

Entretanto, ao girar aquela maçaneta, não encontrou Namjoon ou Kyungmi ou qualquer um de seus amigos e conhecidos. 

 

Encontrou Kim Songjae, aparentemente agoniado. Roendo as unhas em antecipação. 

 

– Hyung, você por acaso viu— – Ele interrompeu sua fala exasperada, muito claramente preocupada, ao colocar seus olhos sobre o alfa. – ...Taehyungie. – Dos olhos do garoto pôde ser vista uma gigantesca marca de interrogação, além da surpresa em seu rosto ao encontrar quem procurava.

 

Um silêncio desconfortável caiu sobre os dois rapazes, e o alfa só conseguiu pensar no Jung, que ainda dormia serenamente em sua cama. Se acordasse e visse aquela cena, sabia que ficaria envergonhado. E seria culpa de Taehyung. 

 

Foi Taehyung que passou dos limites. 

 

Foi Taehyung que decidiu ficar. 

 

 – Estou te procurando há muito tempo. Não imaginei que te encontraria aqui… No quarto de Hoseok. – Cruzou os braços sobre o peito. Taehyung pôde ver com seus próprios olhos o quanto as expressões do garoto mudavam à medida que falava. Compreendendo a situação sem que o Kim precisasse tê-la explicado. 

 

– Eu o trouxe para não ficar sozinho com todos aqueles alfas. Mas então ele dormiu, e eu acabei dormindo também. – Respondeu de maneira desinteressada; pois afinal de contas não devia explicação nenhuma a ninguém. Era adulto e tomava suas próprias decisões. 

 

– Dormindo com ele. – O alfa sentiu suas bochechas esquentando com a colocação. 

 

– Não fale assim. Não foi o que aconteceu. 

 

– Não foi o que eu quis dizer. – Seu tom de voz se tornou um pouco menos tranquilo, deixando o Kim em alerta. Não o conhecia de maneira enciclopédica; mas sabia que era uma pessoa um tanto possessiva. Mesmo com coisas que não pertenciam; Taehyung, por exemplo. – Se está falando, é porque aconteceu alguma coisa. 

 

– Não aconteceu nada, Songjae. Hoseok é meu amigo. 

 

– Seu amigo? – Ele riu soprado, irritado, e Taehyung somente bufou em resposta. – Você nunca dormiu no quarto de nenhum de seus amigos ômegas. 

 

– E por que isso importa? – Songjae passou de irritadiço, para visivelmente magoado. O que inevitavelmente fez o rapaz se sentir mal; pois afinal de contas, não podia simplesmente ignorar os sentimentos e pensamentos de alguém. Especialmente alguém tão próximo de si. 

 

– Estava preocupado com você, Taehyung. Certamente mais preocupado do que Hoseok ficaria. Sabe que horas são? – O alfa negou com a cabeça, envergonhado. – São três da manhã. 

 

– Bem, eu estou aqui. Certo? – Olhou nos olhos escuros do ômega, tão parecidos com os seus. Mesmo que fossem família um tanto distante, quase de clãs diferentes, eram sim muito próximos. Muito antes da atração física e emocional; mesmo que o aspecto emocional não fosse exatamente retribuído. 

 

Ouviram Hoseok se remexendo na cama, observando com apreensão o Jung despertando finalmente. Alheio ao que estava acontecendo; à desconfiança que agora caía sobre seus ombros. Mesmo que nenhum dos dois tivesse feito nada errado. 

 

– Acho melhor eu ir. Se acordar e me ver, vai ficar envergonhado. Assim como ele deve ter ficado, quando fomos interrompidos. – Ele comentou, cabisbaixo, com os braços cruzados e o coração partido. Taehyung se sentiu mal pelo garoto. Afinal de contas, havia ele a tomar a primeira atitude e deixá-lo saber como se sentia. Foi até mesmo retribuído, porque era uma pessoa incrível e brilhante. Mas… Nada era definitivo. Ao menos não para o alfa. Não quando Hoseok estava lá, deixando suas morais e concepções de cabeça para baixo. 

 

– Foram duas situações completamente diferentes, nunsong. – O ômega corou com o antigo apelido. – Hoseok é fraco para álcool; tomou duas taças de vinho e já estava dormindo. – Songjae se permitiu rir com o comentário, conseguindo entender exatamente o que Taehyung estava falando. – Eu só queria que ele ficasse seguro. Sabe como os alfas dessa família são. 

 

– Eu entendo, é só que… – Se interrompeu no meio da frase, e o alfa não lhe encorajou a continuar. Afinal de contas, eram três da manhã e por mais que negasse, estava cansado. Se sentia como um zumbi. – Ah, deixa pra lá. 

 

Antes que Songjae fechasse a porta e lhe deixasse sozinho, o alfa segurou-lhe o pulso. Sendo retribuído com um olhar esperançoso; assim como o seu. Ficar brigado com alguém tão querido realmente não era o que queria. 

 

– Conversamos depois? – Songjae pareceu pensar por um momento, e assentiu com um pequeno sorriso no rosto para alívio do Kim. Viu-o se afastar do quarto, antes de fechar a porta e novamente se isolar de tudo o que havia acabado de acontecer. 

 

Certo… 

 

Havia beijado Jung Hoseok; do que não se arrependia nem um pouco, faria de novo se lhe dada a oportunidade. Havia dormido no mesmo quarto que ele, o que era suficiente para causar problemas não somente a si mesmo, mas ao ômega também. E havia sido confrontado a respeito disso. 

 

Se Songjae contasse a alguém de maneira precipitada… Talvez Taehyung perdesse toda a sua credibilidade. 

 

O que Namkyu pensaria? Seokjin? 

 

Namjoon? 

 

Inferno. Não havia pensado em Namjoon. A pessoa mais crítica que conhecia. O que pensaria se descobrisse que beijou o convidado de honra? Dormiu no mesmo quarto que ele? 

 

– Porra. – Correu os dedos por seus próprios cabelos, fechando os olhos e suspirando fundo. Deveria ir embora naquele momento. Deixar Hoseok dormir sozinho; já que estava no sétimo sono. Provavelmente em seu terceiro sonho, por conta de seu sono pesado. Diferente de si, que acordava por conta da menor das ocorrências. 

 

Mas… Não queria. 

 

Não sabia se ficar sozinho em seu próprio quarto, abraçado à seu travesseiro, era mais confortante do que o calor emanado pelo ômega. Se a fragrância de seus lençóis e fronhas eram mais agradáveis do que o aroma de peônias que o Jung carregava. Se ficar sozinho era melhor do que sua companhia gentil. 

 

Não sabia se queria algo além de Hoseok naquele momento. Seu amigo. Era o que deveria ser; e somente aquilo. Um amigo. Alguém cujos abraços eram semelhantes à um abrigo, e cujo sorriso era como um nascer do sol. Alguém que lhe fazia perder a compostura somente por estar lá. 

 

Não! 

 

O que estava pensando? 

 

Seria martirizado pelo resto da vida; talvez Hoseok até mais do que Taehyung porque era ômega. O alfa sabia melhor que ninguém que o seu clã era o sistema mais patriarcal e hierárquico de Gyeongsang. Talvez da Coreia inteira. Estaria colocando-o em risco por conta de seus caprichos egoístas? 

 

Afinal de contas, o que Hoseok tinha que Songjae não tinha?! Era ômega, com maneirismos impecáveis, e uma mente brilhante. Sem contar a parte física; eram ambos deslumbrantes. 

 

Não podia ser tão diferente. 

 

Mas então, entre todas as suas razões lógicas e racionais, se lembrava do beijo. Da maneira como aquele garoto lhe puxou pela gola da camisa, e colou os lábios dele aos seus. Recebeu-o sem resistência alguma; lhe deixou avançar porque queria o mesmo que ele. 

 

Sem burocracias ou ligações emocionais. 

 

Foi somente um beijo. Talvez o mais prazeroso que já experienciara em toda a sua vida; e podia dizer aquilo com segurança porque Songjae estava longe de ser seu primeiro beijo. Nenhum outro deixou suas pernas tão bambas. Nenhum outro fez seu sangue ferver tão rapidamente, e fez seu coração bater de maneira tão frenética. 

 

Era como se já conhecesse aqueles lábios há anos. Como se tivessem apenas se reencontrado, depois de algum tempo separados. 

 

Aquele maldito beijo que durou pouco mais de sete minutos… Foi o melhor beijo de sua vida. 

 

Bufou alto, frustrado e confuso, virando-se para fitar a silhueta dormente sobre a cama. Agora de bruços, com o cabelo espalhado pelo travesseiro e respirando de maneira audível. Quase roncando. Quis rir; era realmente adorável. 

 

Mas não havia nada adorável naquela situação. Não havia nada adorável na maneira como seu sangue fervia, e uma pulsação que não era cardíaca se fazia presente quando pensava naquele beijo. 

 

Sentiu raiva. 

 

Raiva daquele rapaz que havia chegado há tão pouco tempo, e já havia deixado sua mente uma completa bagunça. E ele podia dormir em paz! Depois de causar todas aquelas sensações e sentimentos em alguém que não se abalava facilmente! Quanta injustiça. 

 

– Você não existe, Jung Hoseok. – Riu de seu próprio monólogo, e com grande força de vontade saiu do cômodo de uma vez. Abotoando sua camisa pelos corredores, ajeitando seu cabelo para que não parecesse tão suspeito; revivendo cada segundo daquela noite. 

 

Impedindo-o de ir. Trazendo-lhe em segurança. 

 

Beijando-o. 

 

Ele tinha razão. Muita coisa podia mudar em muito pouco tempo. Sentimentos cordiais poderiam ganhar uma outra natureza sem muito esforço. 


Notas Finais


GENRHWHAHSHSJZJNANANAN

EU AMO SASEUM EU QJERO TANTO POSTAR ESSE LIMÃOAJAKAKA
taehyung fell fast and hard
só isso que eu tenho a dizer
LOLLLL fast and hard igual o limão— OK

gente deixa eu parar de falar. to muito exaltada.

taehyung com desejo é a melhor coisa da vida a box chega até salivar

ENFIM

ME DIGAM O QUE ACHARAM
comentem viu!!! se gostaram ou não, se o taehyung é ou não é um gostoso do coroio, e se o hoseok não é a pessoa mais delícia desse mundo inteirinho

amo pouco esses fiatinho.

AMO VOCÊS DEMAIS PORRAAAAAAAA BOM FIM DE SEMANA PRO6!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...