1. Spirit Fanfics >
  2. Sasuke Retsurenbr- novel >
  3. Capítulo 1

História Sasuke Retsurenbr- novel - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


esta é uma tradução do novel do Sasuke, não fui eu que traduzi, não sei quem foi.

Capítulo 1 - Capítulo 1


Fanfic / Fanfiction Sasuke Retsurenbr- novel - Capítulo 1 - Capítulo 1

prólogo

Ele não consegue dormir.

O homem segura firme o lençol frio sobre seu corpo magro. O ar que exala dentro do quarto é frio e ele não consegue cobrir o corpo totalmente com o cobertor. O torso de seu corpo não para de tremer. Deitado sobre o colchão sujo no chão, ele lembra que já está ali há uns quinze dias. Como os hematomas por todo o corpo aumentam toda vez que vai dormir, ele já não se preocupa mais em descansar. Se pelo menos batesse um vento fresco no lugar onde tenta dormir. 

Com raiva, ele abre os olhos e encara o quarto escuro. O homem dorme num quarto apertado com mais quatro adultos, todos eles amontoados. Nesse lugar é comum darem a um novato como ele o canto mais frio para dormir, e não deve haver protestos ou reclamações quanto a isso. Virando-se de um lado para o outro na tentativa de pegar no sono, o homem cai do colchão e deixa escapar um gemido.


– Droga, por que tenho que ficar aqui...?

Ele estava na prisão localizada na capital do país chamado Redaku há cerca de quinze dias. Mesmo sem liberdade, sua vida miserável antes da prisão era mais segura e agradável que agora. Assim que terminar de cumprir a pena, certamente o homem vai pensar em um jeito de cometer um crime apropriado para compensar o que está passando nesse momento.

Um dia, o homem foi transferido de repente. Só conseguiu ouvir que ele seria encarregado de fazer trabalhos manuais de engenharia em uma fria região, e somente os prisioneiros jovens e saudáveis deveriam ser enviados. Como esperado, ele foi levado para um observatório feito todo de pedra, construído no topo de uma cadeia de montanhas, em um lugar totalmente sombrio e isolado. O Instituto de Pesquisa e Astronomia Tataru.


Dizem que é um instituto cujos pesquisadores astrônomos são da mesma linhagem Janmar – os lendários astrônomos da época do Rikudou Sennin. Mas para o homem, isso não importa. O problema é que o lugar onde está localizado esse instituto de pesquisa é uma região de frio intenso, mesmo no início da acalorada primavera. Além disso, suprimentos como comida, roupas e um local adequado para dormir são escassos ali, e todos são obrigados a trabalhar sem descanso dia e noite.

– Droga, por que tenho que ficar nesse lugar? – Tremendo até os dentes, ele segura o cobertor com firmeza para se cobrir.


Dia após dia, o trabalho de cavar o lugar fica cada vez mais intenso, a ponto de descamar parte da pele da mão e as unhas sujarem de terra. Essa é a sua pena pelo crime de roubo e assassinato. Três anos atrás, em um dia de inverno e com muita fome, o homem invadiu uma casa de família a procura de bens de valor. Nessa casa estavam um jovem casal e seus dois filhos. O homem amarrou toda a família, roubou objetos da casa e fugiu. O casal e os filhos ficaram presos por dois dias dentro da casa sem ninguém perceber a situação, e, devido ao frio intenso, todos morreram. Com isso, o homem foi acusado de assassinato. Ele matou não uma, mas quatro pessoas. Para ele, foi um acidente, pois não havia a intenção de matar; sua intenção sempre foi apenas roubar a casa dos outros para conseguir comida. Para ele, foi um ato em legítima defesa, então por que ele tem que passar por tanto sofrimento? Insatisfeito, O homem chega à conclusão de que está no seu limite e toma uma decisão.

– Eu vou fugir dessa prisão.


A vida cotidiana dos prisioneiros era controlada pelo som do sinal que tocava a cada momento. O som maçante que reverberava por todo o lugar informava a hora de se levantarem. Os prisioneiros, cansados, acordavam e levantavam feitos zumbis. Os guardas, com seus cassetetes, não perdoavam os prisioneiros que dormiam demais. Assim, todos procuravam ser pontuais com os horários.


Os prisioneiros acordavam, limpavam seus olhos de sono com a própria saliva, coçavam os braços cheios de feridas e saíam de seus quartos, em meio a muitos bocejos. Eles se alimentavam duas vezes por dia de verduras refogadas com trigo e carne de porco. Uma refeição muita suspeita.


Na longa fila do refeitório, o homem respirou fundo tentando se controlar. Mesmo cheio de sono, ele estava bem animado. Um dos prisioneiros furou a fila e o outro atrás escarrou perto de seu ouvido, mas o homem não se abalou.

– Hoje eu fujo desse lugar.


Ele pegou uma mesa para tomar seu café da manhã sem se importar com a confusão dos prisioneiros dentro do refeitório. Tentou encontrar alguém para planejar a fuga.


O refeitório era uma sala simples e ampla. Havia mesas e cadeiras velhas quase aos pedaços. Um cara que sempre se sentava perto da janela chamou sua atenção. O número de registro dele era 487. Sasuke.


Mais incomum que o nome era a sua aparência. Olhos e cabelos negros, sem qualquer imperfeição. Traços do rosto refinados. Até mesmo a curvatura do nariz e seu rosto de perfil eram elegantes. Uma aparência perfeita. Não importava de que ângulo você o olhasse: a aparência de Sasuke assemelhava-se a uma pintura. Tentando olhá-lo mais de perto, o homem ficou em dúvida se Sasuke realmente era humano.

Sasuke chamava a atenção por ser taciturno e frio como um gato. Além disso, era forte, e, por isso, nunca precisava da ajuda de ninguém. Por outro lado, também não oferecia ajuda, o que era um problema. No primeiro dia que Sasuke chegou ao instituto, o grupo de prisioneiros veteranos logo foi importuná-lo, mas um segundo depois já estavam todos no chão, praguejando de dor. Olhando para eles, Sasuke simplesmente advertiu:


– Não fiquem no meu caminho.


A presença de Sasuke fazia os prisioneiros desejarem se aliar a ele. O homem também queria se aliar a Sasuke, e por isso tomou coragem.


Era estranha a ideia de conseguir abordar Sasuke com naturalidade, mas o homem sentou na frente dele e disse:


– Han... E-ei – ele achou que conseguiria fazer uma voz mais estridente e reverberante, mas na verdade soou hesitante e tímida. – É.. você também é... um Shinobi, não é?!

Olhando para fora da janela, Sasuke virou-se para o homem.


– O que você quer?


Encarando o olho negro de Sasuke, o homem tremeu de temor.


– Eu também... Q-quero d-dizer. Eu também consigo! Sou do país do vento... Não consegui me formar na Academia porque desertei a vila, mas... olha, eu consigo controlar chakra. O que você acha?


Olhando para Sasuke com coragem, o homem tentou equilibrar o hashi na ponta do dedo, controlando o chakra. Mas logo o olho negro de Sasuke perdeu o interesse no homem e voltou-se para fora da janela.


"Fui ignorado?"

– Kuso – O homem encarou Sasuke.


Aprisionado em um país tão remoto... Se ele ao menos também fosse um shinobi... Segurando o hashi com muita habilidade e elegância, Sasuke começou a se servir enquanto olhava para fora da janela. Ele era antissocial, mas, sem que percebesse, cada um de seus movimentos revelava certa bondade.


"Sasuke é diferente dos lixos humanos que são os outros prisioneiros", pensou o homem.


– J-junte-se a mim – disse o homem com receio logo após esperar Sasuke terminar de comer.


– O que você quer dizer com isso?


– Vamos fugir! Vamos sair daqui...! Você também consegue controlar chakra, não é?! Nós podemos fugir subindo pela muralha usando chakra.

O Instituto de Pesquisa e Astronomia era cercado por muralhas de cerca de dez metros de altura e feitas de pedras empilhadas. Essas muralhas pareciam muito altas olhadas de baixo, mas não havia altura que não se pudesse alcançar usando o controle de chakra.


– E-eu já estou no meu limite. Você também não aguenta mais, não é?


Sem esboçar reação, Sasuke olhou para o homem.


– Você sabe quem eu sou?


– Sei... Você não é uma pessoa comum – finalmente o homem conseguiu dizer com convicção. O homem sabia que, assim como ele, Sasuke estava no instituto por alguma razão, mas não fazia a menor ideia do motivo. Ainda assim, ele não conseguia acreditar que Sasuke estivesse satisfeito em ser recrutado todos os dias para realizar tantos trabalhos manuais absurdos.

– Vamos fugir juntos. Logo mais todos vão sair para o trabalho da manhã. Vamos aproveitar o tumulto e passar pela muralha.


– Não faça isso. Do lado de fora da muralha é tudo deserto. Leva cerca de dois dias a pé até a vila mais próxima. Você vai acabar morrendo por exaustão no meio do caminho.


– Eu posso colher algumas frutas silvestres comestíveis. Longe daqui há comidas mais comestíveis do que a gororoba desse lugar... Além disso, olha essa névoa. É hoje que a gente passa a perna no Menou!


– Estou avisando – Sasuke simplesmente disse, e voltou a olhar para fora da janela. Em seguida, pegou seu prato vazio e se levantou. Os prisioneiros que estavam em pé conversando em um canto estreito do refeitório olharam temerosos para Sasuke e abriram caminho para ele passar.


– Você não quer sair daqui? – O homem correu até Sasuke, agarrando-lhe o braço. Mas Sasuke apenas se afastou com naturalidade e disse:


– Foi mal, mas vim para cá por livre e espontânea vontade.


– Hã...?

E então Sasuke saiu do refeitório, deixando o homem estupefato.


– Ele está me fazendo de idiota? – O homem chutou com violência a mesa quando Sasuke já estava distante. – Que seja! Apodreça nesse lugar de merda. Eu vou ser livre! – disse, saindo do corredor pisando fundo e empurrando os outros prisioneiros que estavam sentados conversando.


O homem chegou do lado de fora e olhou para a muralha. Ainda faltava algum tempo até começar o trabalho da manhã. Era pouco provável que os guardas saíssem. Não havia possibilidade de aparecer algum guarda da muralha àquela hora. A penitenciária ficava longe dali e basicamente só havia alguns inspetores no local.


– Esses guardas acham que não há pessoas que podem subir uma muralha de pedra de dez metros de altura? Que pena... porque eu consigo! – O homem se agarrou a uma das pedras da muralha. Lembrando-se dos treinamentos da época da Academia, ele se concentrou para acumular chakra, segurou a pedra com firmeza e foi subindo, agarrado à muralha como se fosse um sapo.

O homem ouviu o tumulto dos outros prisioneiros ao longe. Havia apenas alguns minutos desde que começara a subir a muralha, então, provavelmente, poucas pessoas haviam saído do refeitório. O diretor e os guardas deviam estar comendo no edifício principal.


– Tudo bem, eu consigo! Vou conseguir subir antes que alguém perceba. O Menou não vai me encontrar.


Seu corpo ficou mais leve do que imaginava. Ele já havia subido quase a metade e ainda não estava cansado. Levaria mais uma hora.


– Droga! – Ele pisou falso na areia arenosa e escorregou. Então nesse momento, olhos amarelos o encaravam.


– Ele me encontrou! É o Menou! Droga, droga, preciso fugir rápido.


Em pânico, o homem perdeu todo o controle de chakra, não conseguiu se segurar na muralha e caiu em queda livre. Nesse momento, ele sentiu uma dor queimando seu torso. De repente, sua pressão baixou e seus olhos encontraram os de Menou, que abocanhava sua costela.




Notas Finais


bom é isso.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...