1. Spirit Fanfics >
  2. Sasuke Retsurenbr- novel >
  3. Capítulo 2

História Sasuke Retsurenbr- novel - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


boa leitura

Capítulo 2 - Capítulo 2


Ele pousou sem fazer nenhum som, suas presas saindo pelo corpo do homem. Com raiva abriu as mandíbulas, o corpo do homem caiu no chão. Homem corre por sua vida, tentando escapar.


Esmagando-o enquanto ele rola no chão, as garras se encaixam em suas omoplatas e o arrastam para mais adiante. Parando no pátio e abrindo sua enorme boca vermelha, as mandíbulas se fecham no ombro direito do homem. 

Aaaahh!" O homem gritou quando soltou seu corpo.


Como um pedaço de carne, o sangue escorre pelo seu estômago, formando uma poça vermelha sob seus pés.


Se você quiser devorar de forma fácil um humano, você o come o mais rápido possível. A carne da parte inferior das costas do homem é arrancada com facilidade. Seus músculos se separaram em fibras de nervos. Ainda vivo, o homem grita quando a fera enterra sua cabeça e o rosto na areia abaixo dele.


Para desencorajar os desertores, a besta propositadamente arrasta o corpo para o pátio para ser visto pelos outros prisioneiros.

Se você tentar fugir, esse também será seu destino.


"Wow ... Egh ... "Eu ainda estou vivo! Estou vivo! Me desculpe!"


Os prisioneiros que carregavam uma picareta nos ombros olham para a cena ao longe, escondendo seus olhos revirados. Quando a fera, que estava rasgando a carne como se fosse uma diversão, alcançou suas entranhas, o som de sangue espirrando ao redor era tudo o que podia ser ouvido. Foi quando o grito do homem finalmente foi silenciado.


"Bem, essa é a menor de suas preocupações. Há uma multidão de curiosos. Lembre-se que precisam acordar cedo." A voz baixa atrás da multidão fez os trabalhadores se encolherem de uma só vez.


Um homem esguio com óculos de armação prateada caminha lentamente do prédio, o diretor do Instituto de Pesquisa de Astronomia Tataru Zansuru.

Ele é o chefe aqui, o Diretor da base.


"Parados aqui como um bando de patos sentados. Se você não se mexerem rapidamente, todos vocês virarão a sobremesa daquela fera."


Embora os trabalhadores soubessem que isso era uma piada, não conseguiram deixar de empalidecer. O tom leve de Zansuru era quase horrível. Enquanto todos se voltaram para seus respectivos locais, Sasuke observou de perto a fera. A besta lagarto sacode a longa cauda maciça, equilibrando a parte superior do corpo e a cabeça em seu estômago carnudo. Seu rosto, coberto de pele dura, fica corado, vermelho; manchas de brilho amarelo na pele.


O carnívoro gigante da prisão obedece fielmente ao diretor Zansuru. Um lagarto maciço com uma caminhada bípede, pele de couro grossa coberta de chifres, presas em forma de cone e garras afiadas. Em pé ou caminhando, sua altura é de cerca de 80 centímetros, mas medindo a partir do topo de sua cabeça até a ponta da cauda, mais 2 metros se somam à sua estatura. A força da perna da fera é incrível. As duas pernas se formam como se fossem molas caricatas, um impulso levará a fera a dezenas de metros à frente.

Isso é diferente de uma prisão. Os guardas que patrulham não vigiam a vida dos prisioneiros, não olham a todo momento. Não há travas nas celas onde os prisioneiros ficam nem nas entradas de qualquer edifício. Independentemente disso, os prisioneiros que ficam aqui obedecem às regras fielmente. E a Besta Lagarto é o motivo.


Quem pensa que pode e tenta fugir daqui, raramente volta a ser visto. A besta tem o hábito de monitorar dentro do lugar com tanta intensidade e devorar qualquer prisioneiro que ousar violar as regras, sem mostrar misericórdia.


No Instituto de Astronomia, o trabalho dos prisioneiros era principalmente escavar o solo. A geada no solo é raspada com enxadas de jardim para a agricultura e trabalho agrícola. Com cuidado, cavam removendo quaisquer pedras grandes ou detritos que eles encontram na terra. Não há nada além de um trabalho repetitivo.

Parece ser uma tarefa necessária para estabelecer as bases para um telescópio gigante planejado para o local. No entanto, os idosos da prisão dizem que esse trabalho foi feito incessantemente por quase um ano.


"Oh, vamos lá..." Jiji, trabalhando nas proximidades colocou sua enxada de jardim de lado e esfregou as mãos. Está particularmente frio de manhã, está quase abaixo de zero. "Sasuke, você não está com frio?"


Para ser honesto, Sasuke esfregou as palmas das mãos no cabo, tentando obter qualquer calor friccional. Ele está acostumado a cumprir missões e tarefas em ambientes hostis, mas frio ainda é frio.


"Ah, já terminei."


"Por que eles criaram um instituto de pesquisa em um lugar tão frio? Mesmo se a neve já tendo derretido há tanto tempo... Se eu continuar vivendo assim vou congelar até a morte. Não sei se é porque eu não sou o único com problemas como o meu, mas tenho certeza que não sou o único incomodado com tudo isso".

Embora esteja cansado do trabalho monótono, a tagarelice de Jiji é ininterrupta. Jiji é companheiro de cela de Sasuke naquela prisão. Ele está condenado a pelo menos seis meses de prisão pelo crime de roubar comida. Sasuke, sendo da mesma idade e físico semelhante ao de Jiji, é frequentemente nivelado e designado para o mesmo trabalho que ele.


Jiji, ficando com o nariz cada vez mais vermelho e esfregando as pontas dos dedos uma contra a outra com rigor, gritou de repente:


"Ah! Opa!" Ele continuou. "Oh merda! Isso é perfeito. Eu tenho uma desculpa para ir centro médico com isso."


"O que há de tão bom no consultório médico?"


"Você não está sabendo?! Nós temos uma pessoa que acabou de chegar. Uma médica. Todo mundo não para de falar sobre como ela é linda e gentil."


Sasuke não tinha certeza se o plano de Jiji era uma boa ideia ou não, então acrescentou:

"O amor geralmente é ausente nesse mundo."


Inclinando a cabeça para o lado. Jiji comentou:


"Entendo porque você é solteiro agora. Eu soube que a bela médica é solteira também. Não vi um anel no dedo dela!"


"Um anel?" Sasuke pensou para si mesmo.


Jiji olhou de volta para o rosto de Sasuke, suas feições mudaram para uma expressão confusa. Assim que Jiji entendeu, ele continuou:


"Oh! Deixe-me explicar. Você veio de outro país, mas há um costume aqui em Redaku. Quando você se casa, o casal troca anéis. E não é em qualquer dedo. É especificamente no dedo da mão esquerda, essa é a marca de uma pessoa casada. A médica não tinha nenhum tipo de anel." A explicação de Jiji foi interrompida por ele mesmo. "Oh merda! É a patrulha!"


Percebendo os oficiais de patrulha que se aproximavam, Jiji ficou em silêncio. 

Eles rapidamente tentaram agir naturalmente, fingindo trabalhar de maneira séria. O oficial de patrulha saiu para fora com seu bastão. Embora ele olhasse diretamente para Jiji, ele não olhou para Sasuke uma única vez. Assustador. Jigi sabia que esta era a sua chance. Ele jogou a enxada para o lado, e com a respiração branca e gelada que explodiu em seus pulmões, exclamou:


"Oh, que dor! Não consigo fazer isso!"


Eu concordo, Sasuke pensou. Ele suspirou ao ver Jiji e voltou para seu trabalho.


O Instituto de Pesquisa e Astronomia Tataru fica no topo da cordilheira, mas a montanha está vazia. Este lugar é uma prisão de pedra, guardada por uma masmorra, a cinco mil metros acima do nível do mar.


Dizem que o Sábio de Seis caminhos ficou na mesma área, exatamente nessas montanhas. Sasuke está em missão no local para coletar registros e informações do período do Rikudou Sennin no Instituto de Astronomia Tataru. Naruto permanece sofrendo de uma doença desconhecida no País do Fogo e coletar esses registros do Rikudou Sennin que permanecem nessa área pode ser a única coisa que Sasuke consiga fazer para ajudar Naruto agora. Com a condição de Naruto piorando a cada momento, Sasuke ficou frustrado com a falta de maneiras de ajudá-lo. 

"O que há de errado com essa cara assustadora?"


Os pensamentos de Sasuke foram interrompidos pela voz de Jiji. Sasuke podia ver Jiji olhando para ele da sombra do longo cabelo sobre os olhos.


"Não é nada."


"Jura? Você parecia tão... sério."


"Não se preocupe com isso"


Ignorando a pergunta de Jiji, Sasuke pega sua enxada de jardim novamente com o único braço. Depois do jantar, Sasuke retorna a sua cela, quando ele coloca a mão na grade de ferro fechado é recebido com um grito estridente.


No meio do chão, um homem estava deitado no piso, tímido e um pouco baixo. Era Penjura, o segundo companheiro de cela. Em frente a ele, cara a cara, Jiji sentou-se com seu colega de cela. Os dois se encaravam e entre eles estava um chá, uma tigela e um dado rolando.


"JIJI, SEU BASTARDO! Esse cara!"


"Heh, eu vou fumar." Jiji pegou todos os cigarros no chão. Sasuke concluiu que eles estavam jogando um jogo de azar, Chinchirorin.

Com a falta de entretenimento nesta vida de supervisão constante, a maioria dos presos escolhe o jogo, mas Penjura tinha o hábito de ser um fanático absoluto. Ele encontrou a alegria em ser um cara mau, acumulando dívidas em uma série de perdas constantes e sendo pego algumas vezes se casando com garotas por seu dote e fugindo. Casamento por interesse. Mínimo de um ano de prisão.


"Ah, Sasuke! Você é o próximo!"


Penjura olhava para Sasuke. Sem pular uma batida, ele jogou os dados na tigela.


"Eu estou bem."


"Está bem?" Penjura perguntou, parecendo insatisfeito, com uma carranca silenciosa.


Ele virou a cabeça para o canto da cela.

"Ei, Ganno! Por que você está demorando tanto? Pare de pintar ou qualquer outra coisa e venha até aqui", Penjura gritou para o terceiro colega de cela, Ganno.


No canto da sala estava sentado Ganno, de costas para Penjura, agachado sobre algo como um pássaro com seu ovo em um ninho.


"Agora não, Penjura." Ele respondeu sem pensar duas vezes. Ganno, que já está com metade dos seus 60 anos, era o mais antigo da cela. Ele tinha um tipo vermelho de tinta esfregada na nuca.

"Você ainda está jogando isso? Estou cansado."


"Não fale comigo agora, estou prestes a vencer."


Cerca de um mês atrás, Ganno, que estava trabalhando, aparentemente do nada disse


"Encontrei umas boas!" Ele voltou com os bolsos cheios de pedras vermelhas e marrons. Não parecia se importar com a pele de suas mãos tornando-se escorregadia e umedecida por coletá-las.


Todas as manhãs e todas as noites ele batia nas pedras, esmagando-as. Ele havia esmagado cada um ao longo de cinco dias. Todo mundo tinha certeza que isso o levou à loucura, pois mais tarde ele arrancou a pele de todo o seu pé tendo-o em um envoltório de sangue. Após isso quis ferver a pele derretida e o pó marrom avermelhado das rochas para poder fazer tinta.

Aconteceu no dia em que Sasuke veio para a prisão. Enquanto os recém-chegados eram recebidos, Ganno começou a misturar seus materiais nas folhas de arbustos de pinheiro. Olhando para as mãos do homem na cela, que era tão dedicado ao seu trabalho, Sasuke ficou completamente perplexo.


O pó castanho avermelhado e opaco aumentou de viscosidade à medida que se misturava, alterando-se a tonalidade para um vermelho vivo. Após alguns minutos amassando, a tinta da rocha ficou acabada. Igual à cor das flores de ameixa vermelhas brilhantes.


Depois disso Ganno gostava de pintar todas as noites, usando agulhas de pinheiro como um pincel e pintando as unhas como uma tela.

"Bem, eu vou desistir antes do próximo Cheque de inventário da semana."


Jiji ficou surpreso com a resposta dele e gritou sobre o quão tolo ele era, uma vez que a arte do prego não combinava com ele.


"Eu sei que você está com pressa. Olha, eu já estou no meu mindinho." Ganno respondeu.


Sua voz era sempre divertida de se ouvir. Sua sentença era de dezessete anos naquela prisão, por traição de Estado. Ganno foi condenado por pintar os retratos de nobres rivais, colocando-os uns contra os outros. Seu pai era também um pintor, mas lentamente ficou obcecado. Ele disse que estava sempre segurando um pincel, nem gostava, nem desgostava de mais nada.


Ganno havia pintado há mais de três semanas, pintando uma imagem por semana. Sasuke não conseguia entender por que Ganno iria querer gastar sua energia pintando algo que ele sabia que teria de ser apagado em uma semana. Entretenimentos e hobbies eram valiosos naquele lugar.

Desde a instalação da prisão, quatro prisioneiros compartilham uma cela de seis tatames. Lutas eram quase certas de acontecer quando tantos adultos abarrotados estavam juntos. Era comum eles esbarrarem uns aos os outros até que estivessem sangrando ou, em alguns casos, morrendo.


Sob essas circunstâncias, a cela de Sasuke era relativamente pacífica. Ele não consideraria nenhum deles amigos, mas não havia brigas. Ganno, imerso em sua arte. Jiji e Penjira empolgados com alguma combinação nos dados. Sasuke olhava para fora, para lua mal iluminada até o tempo que desaparecia no horizonte. Esta era a rotina da cela toda noite.


"Ei, Sasuke também é muito bom."


"Vou deixar você ir primeiro."

Era o fim de seus turnos, então Jiji e Penjira tentam convidar Sasuke para um tentativa.


"Não" Sasuke respondeu brevemente.


Um pequeno barulho pôde ser ouvido e Sasuke olhou para a janela de frente para o pátio. A luz branca da lua de repente foi bloqueada por alguma sombra. Talvez fosse a fera gigante, Menou esteja no pátio. Sasuke se preocupou com relação a Menou.


"Agora é a hora de investigar", Sasuke pensou.


Ele se levantou para sentar com Penjira.


"Mudei de idéia. Vou jogar."


"Espere. O quê? Sério? Finalmente!"

"Eu não tenho cigarros, então apostarei nisso." Sasuke enfiou a mão no bolso, fingindo procurar alguma coisa.


Essa era sua nova técnica. Manipulando o seu chakra na ponta dos dedos, organizando os átomos para que fossem bem produzidos e cristalizados, ele finalmente levou a mão para fora e, na palma havia uma pedra vermelha. Era grande, quase tão maior que uma cereja. Todo mundo na cela demorou um segundo para perceber que era um rubi que ele estava oferecendo.


"O que? Jóias? Isso é de verdade?"


"Não, não, não. Tem que ser vidro ou algo assim."


Penjira e Jiji se aproximaram para encarar a pedra com os olhos fixos nela. Sasuke ficou em silêncio, nem confirmando nem negando sua autenticidade. As gemas eram fisicamente tangíveis e reais, feitas artificialmente.

"Mesmo que eu ganhe uma linda pedra de vidro. O que eu vou fazer com ela? Você não pode se divertir com ela."


"Você não pode mais fumar porque eu levei tudo no último jogo. Você não deve nem apostar no seu turno para o plantão."


Sasuke pegou a tigela na mão. "Você não precisa dos cigarros e não precisa mudar de turno. Só preciso que faça uma coisa para mim."


"Oh, um pedido?"


"Eu vou te dizer o que é depois." Sasuke colocou a tigela de volta no tapete e três dados rolaram entre o par.


Sasuke levantou o rosto e aguardou a reação de Penjira.


"O que você vai usar?" Penjira perguntou.


"Três." Sasuke disse enquanto sua mão mergulhava de volta em seu bolso.

Penjira jogou seus três dados na palma da mão, aparentemente esperando que Sasuke fizesse o primeiro movimento.


"Jogue." Sasuke ordenou, dando-lhes a primeira vez.


Jiji e Penjira se olham enquanto Penjira jogava os dados. Ele lançou os olhos de volta para Sasuke. Durante o turno de seus oponentes, a mão de Sasuke ainda estava no fundo do seu bolso, manipulando seu chakra. Ele estava quase tonto quando jogou os dados no tatami, os três dados voando juntos como uma brisa imperceptível. Fazendo um som como o toque de uma chave batendo no metal, os dados de madeira rolaram para o centro da tigela.


"Você está brincando comigo"


Três círculos vermelhos voltados para cima. O queixo de Penjira caiu bem aberto. Assim como Sasuke, Jijii, Ganno e Penjira sentaram em estado de choque enquanto ele silenciosamente se levantou e declarou:


"Eu ganhei."

"Bobagem. Você falou isso depois de ter rolado esses olhos de cobra. Isso não é sorte!" Penjira protestou.


Jiji bateu o ombro, como se dissesse "Apenas desista".


Isso era um jogo de prisão e trapaça acontecia o tempo todo. Era uma regra tácita, ao menos que você fosse pego em flagrante.


"Agora o favor que eu preciso, Penjira".


"É difícil? Impossível?"


"Relaxe, é fácil." Sasuke dirigiu-se para a porta enquanto Penjira se levantava de seu futon.


"Caminhe comigo fora da cela, fique de olho e veja se os patrulhas vão aparecer." Penjira riu do pedido de Sasuke e então começou a surtar quando percebeu que o que estava acontecendo era sério.

Esse tempo livre que os prisioneiros tinham antes de dormir era o momento de fazer qualquer coisa desde que permanecessem dentro da cela. No momento em que você sai da cela, você viola as regras.


"Posso fazer isso, mas o que você está planejando fazer? Dois de nós andando juntos seria suspeito demais."


"Eu vou sozinho, mas preciso que você distraia os guardas."


"Você sabe que se eles descobrirem que estamos violando as regras, eles vão te punir


sem questionar. E se Menou te encontrar primeiro, você será comido e morto."


Sasuke o rebateu calmamente: "Nós voltaremos logo."


"Não vai ser problema, então."


Havia dois edifícios, um ao lado leste e outro ao lado oeste. No lado oeste ficava o quartel onde os prisioneiros dormiam. Sasuke fez a percurso do outro lado da rua do pátio até o outro prédio em cinco minutos. Para o leste, o principal diretor do Instituto de Pesquisa e astronomia. Era proibido os prisioneiros entrarem naquele prédio.

Encostado na porta principal, Sasuke entrou na sala quando caiu de repente.


Nenhuma das portas tinha um motivo para ser trancada, deixando as portas abertas ao menor toque. Longos tapetes com fibras luxuosas o receberam. O prédio principal era como um mundo diferente do quartel do prédio oeste. Foi construído como um castelo real, tudo em bom estado.


Com a altura de quatro palmos acima do solo, o edifício era enorme em termos dos outros locais do país. Os prisioneiros estavam a apenas cinco minutos de distância, dormindo no chão de pedra dura com nada além de um velho colchão, mas o edifício principal era todo o corredor ou escadaria, com cômodos cobertos de tapetes macios.


O teto era forrado com tijolos laqueados, bloqueando qualquer força da natureza e uma grande lareira aquecendo o prédio. Quando nevava, os prisioneiros relatavam que às vezes pingentes de gelo se formavam em suas celas.


Menou estava acima do nível de um réptil como um dinossauro quando se tratava de reflexos, velocidade e poder. Provavelmente era melhor vê-lo como um tipo de animal de estimação, já que ele seguia todos os comandos do diretor Zansuru. Originalmente não havia shinobi neste país, mas diziam que o primeiro-ministro deixou um shinobi assumir sua posição por causa de uma guerra. Se Zansuru fosse um shinobi, ele poderia estar controlando Menou com algum tipo de técnica ligando seu chakra.

Sasuke começou a se preocupar que ele já estivesse fora há muito tempo. Menou sempre andava pelas dependências do instituto sem falhar, dia e noite. Era um estado de supervisa constante dos prisioneiros por pelo menos 20 horas por dia. Rumores diziam que Menou foi o resultado do jutsu de convocação de Zansuru. Poderia ser até mesmo possível para Zansuru poder usar o chakra necessário para conter um monstro do tamanho de Menou.


Talvez o mecanismo fundamental para o jutsu de invocação tenha sido alterado pelos shinobis de Redaku, embora o jutsu tivesse origem no País do Fogo.


~Toc ~toc ~toc


O som de passos pesados se aproximando encheu o corredor. O som dos pés parou, Sasuke encontrou o par de olhos amarelos flutuando no escuro atrás dele. De dentro do centro da escuridão, a silhueta de Menou se revelou.

"Você está aqui." Uma onda de chakra inundou os olhos de Sasuke, revelando sua proeza visual quando ele levantou as pálpebras. Seu Rinnegan e Sharingan se preparavam. Em um único momento, o brilhante olho vermelho de Sasuke ativou o jutsu, imediatamente arrastando Menou para um genjutsu.


~baque~


Menou, que havia sido jogado no chão, rapidamente se pôs de pé, erguendo as garras em direção a Sasuke. Ele era famoso por ser ágil em termos de velocidade, mas Menou era tão rápido quanto, suas garras passando perto o suficiente para arrancar uma mecha de seu cabelo.


Ele não caiu no meu genjutsu, deduziu Sasuke.


Sasuke se esquivou do Menou, virando-se para atacar a fera com um contragolpe. O corpo do bicho voou, sendo contido por uma parede em um estrondo alto. Com a força instantânea como de uma mola, Menou fecha a distância entre eles. Seus olhos amarelos e brilhantes se encontravam com os vermelhos de seu adversário, mas o resultado foi o mesmo.

Menou era imune ao genjutsu. Sasuke pulou para uma abertura logo abaixo do peito da fera e com uma única mão, ele levou a palma ao corpo da besta, impulsionando-o de costas, seu corpo saudando o chão com mais um estrondo alto de ossos se quebrando.


Não havia sentido em continuar a luta, seria perigoso deixar para trás mais danos para alertar as patrulhas. Permanecer muito mais tempo neste edifício principal era uma má ideia.


Independentemente disso os olhos de Menou se abriram. Sasuke tentou ganhar alguma distância entre eles, mas a besta saltou sob seus pés para fechar a lacuna entre eles. Como a de um chicote, a longa cauda de Menou se jogou para frente quando ele saltou para Sasuke.


O ninja se afastou, evitando por pouco o ataque. Menou por pouco deu um ataque mortal em seu oponente. Um golpe precipitado. Usando jutsu de água, Sasuke começou a combinar seu chakra com sua técnica de gelo, fazendo uma imediatamente Kunai. Com os olhos fechados, ele amputou a garra que se aproximava e apunhalou o torso e golpeou a Kunai continuamente.


"GYAH!" A besta rugiu quando ele recuou um passo.


Seu estômago começou a derramar quantidades copiosas de sangue e fluido, uma ferida terrível se estendendo por todo o comprimento de peito. Ele começou a tropeçar em uma fuga em estupor.

Desculpe, Sasuke pensou começando a se arrepender de ter atacado no impulso do momento, mas era tarde demais para pensar assim agora.


Cambaleando a cada passo, Menou correu tão rápido quanto ele pulou para uma janela acabou destruindo a maior parte da parede na tentativa de escapar. Embora sangrando, ainda era poderoso o suficiente para desaparecer em um instante.


Sasuke mordeu o lábio, sentiu-se quase enjoado, baixando os olhos para ver a palma da mão. Ele pensou em seu último ataque e em quão profunda a Kunai entrou no corpo de Menou. Sasuke temia que pudesse ter dado um golpe fatal.


Na manhã seguinte, Sasuke sentou-se em seu lugar habitual no refeitório, olhando para o pátio. Seus olhos se arregalaram quando reconheceu uma cauda familiar balançando ao redor.


"Você está brincando comigo. Não pode ser"


Menou olhou para cima e notou Sasuke pela janela. Mesmo com Sasuke olhando para trás, Menou não aparentou se lembrar dos acontecimentos da noite anterior, imediatamente virando o rosto. 

"Aquela Besta... Ele ainda estava vivo..."


Certamente não havia como ele estar vivo, não havia nem sequer uma cicatriz em seu corpo. Não havia como isso ser possível, Sasuke se esforçou para encontrar qualquer explicação. Era como se Sasuke estivesse fascinado em um genjutsu.


Uma voz veio de trás dele.


"Você... É você quem tentou colocar as mãos no Menou, prisioneiro 487..." A voz rosnou com uma feroz inimizade. Zansuru.


Sasuke e Zansuru encararam-se diretamente sem quebrar o contato visual. Não havia como mentir – ele sabia que Sasuke tivera um encontro com Menou.


Independentemente disso, havia algo que Sasuke queria perguntar também. O sharingan de Sasuke foi ativado. Seu profundo olho negro ficou vermelho, formando três espirais em sua íris, capturando o olhar de Zansuru. Sasuke respirou fundo. Ele não tinha notado isso antes sem o seu sharingan: a esfera de vidro atrás dos óculos de Zansuru.

"Um olho artificial..."


"Ótimo, ótimo." Zansuru olhou para ele, os cantos de sua boca torcendo-se em um sorriso "Você é bem perceptivo. Até mesmo os subordinados que estão aqui todos os dias não perceberam"


Zansuru estendeu o braço, tocando a janela atrás de Sasuke. Ele não pôde deixar de notar o quão natural parecia seu olho de vidro, mas agora isso era tudo o que ele notava. Não importava o quanto ele olhasse para o olho, não poderia se dizer a diferença entre o olho esquerdo ou direito.


"Então, você pode usar alguns tipos de ninjutsu. Eu não vou esquecer isso." Ele se inclinou para frente perto do ouvido de Sasuke e começou a falar em um pequeno sussurro. Seu olho protético esquerdo girava e se movia como um animal nervoso, verificando seus arredores.

"É impossível tirar Menou de mim, porque eu sou um shinobi também." 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...