1. Spirit Fanfics >
  2. Sasunaru - Laços >
  3. Amar.

História Sasunaru - Laços - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


oii
talvez vocês estejam se perguntando sobre a demora, e justifico ela por estar postando em revezamento entre minhas três fics. assim que eu posto um capítulo de Laços, logo depois um de Desire e outro de Obsessão. se vcs quiserem conferir elas, fiquem a vontadee
e boa leitura <3

Capítulo 10 - Amar.


Fanfic / Fanfiction Sasunaru - Laços - Capítulo 10 - Amar.

POV Sakura Haruno

 

Na última semana, o clima dentro de casa nunca esteve tão estranho.

Depois do ocorrido no banheiro escola, Sasuke voltou ao estágio inicial e estava mais isolado e introvertido do que nunca. Evitava ao máximo falar sobre Naruto e qualquer coisa relacionada a ele e passava o dia todo trancado em seu quarto.

Itachi e eu não conversávamos mais além do necessário. Ele estava a sua semana de suspensão, e havia tido uma conversa com meus pais sobre o seu futuro, essa qual eu não tinha nem ideia do que foi decidido.

Me sentia sozinha mesmo com a casa repleta de pessoas, e nesse contra tempo tentei ao máximo me esforçar para as últimas provas daquele bimestre que faríamos nessa semana. Cheguei a perguntar ao Uchiha mais novo se ele gostaria de companhia para estudar, mas como esperado recebi um não como resposta.

Para completar, havia se espalhado o boato de que eu beijei um professor e ninguém menos do que Uchiha Itachi. Eu ainda não fazia ideia de quem poderia ter espalhado algo assim, mas quando cheguei na escola no dia seguinte todos já estavam sabendo. Agora eu não tinha mais o meu namorado para me defender e para compartilhar as minhas dores, me encontrava vazia e sem saber o que fazer.

 — Karin, Haruno. Vão se resolver lá fora, por favor. – com uma das mãos sobre a testa, provavelmente confuso Kakashi tentou contornar a briga. – Hinata, você pode acompanha-las?

Eu estava tentando me controlar ultimamente e não deixar as minhas emoções afetarem o meu comportamento na frente das pessoas. Mas quando Karin se referiu tão friamente ao meu relacionamento com Itachi e com o meu suposto ‘beijo’ com o tal professor, o meu sangue ferveu e eu não pude evitar.

— Qual o seu problema comigo? – gritei já do lado de fora da sala, quando havíamos chegado ao jardim.

— Você é o problema! – a ruiva arrumou seus óculos e levantou o tom na mesma intensidade – Todas nós nos esforçamos ao máximo, mas só você leva os créditos de tudo!

Franzi o cenho totalmente confusa, o que ela queria dizer com ‘’levar os créditos’’?

— Do que você está falando, sua doida? – perguntei sem entender o contexto daquela conversa.

— Meninas, por favor tenham calma! – Hinata dizia baixinho, falhando em cumprir o seu papel de acabar com a discussão.

Por mais duro que todas nós nos esforçamos para tentar chamar a atenção daqueles que amamos, eles sempre veneram você! Você é o centro das atenções sempre, está em primeiro lugar na classe todas as vezes! – ela cuspia palavras sem cessar – Estou cansada de perder pra você!

Fiquei calada, totalmente perdida em meus pensamentos. Então aquele ódio todo por mim desde o fundamental... Tudo se tratava de inveja? Ciúmes? O que ela quis dizer com ‘’todas nós’’? Não era possível que todas as outras garotas pensavam da mesma forma.

Eu nunca havia dado motivo para acharem que eu me exibia e me esnobava, seja lá por qual motivo. Nunca fui de me expor ou de fazer tumultos, andava sempre na minha e me esforçava ao máximo para realizar o meu sonho de construir uma família e me tornar uma grande médica no futuro.

— Até o Naruto, que a Hinata idolatra desde o primário! Até ele já se apaixonou por você. Não é mesmo, Hinata? – a ruiva questionou, enquanto a Hyuuga permanecia calada e abaixando a cabeça.

Eu estava me sentindo horrível.

Ao mesmo tempo em que eu sabia que nada daquilo era devidamente minha culpa, me sentia com peso na consciência por estar causando tudo aquilo para elas. Senti os meus olhos marejarem, eu estava prestes a desabar quando ouço uma voz estridente invadir o local.

Que gritaria é essa? – a diretora havia acabado de chegar, e não parecia nenhum pouco contente com a situação. – E o que vocês estão fazendo fora de sala?

T-tsunade-sama! Kakashi-sensei me enviou até aqui para que Karin e Sakura pudessem se resolver, não estamos aqui a toa! – A Hyuuga dizia desesperada, enquanto a expressão no rosto da loira não mudava. Confesso que ela conseguia me dar arrepios as vezes.

— Hinata, pode ir para a sala. Eu resolvo isso. – olhei para Karin, que estava de braços cruzados e emburrada. – Vamos até a minha sala, por favor.

Nos corredores, passamos em frente a sala do terceiro ano. A sala de Itachi, que estaria em perfeita composição se ele não estivesse em casa. Pude ver de relance que Deidara e Tobi se implicavam enquanto Konan logo atrás tentava separar a briga. Hidan jogava aviõezinhos de papel em Kakuzu, que parecia estar extremamente irritado. Não pude deixar de sorrir ao observar aquela cena. Sentindo falta de um rosto em específico no meio daquela multidão.

E então, quem vai me explicar o que está acontecendo? – a senhora sentou-se em sua cadeira e assim também fizemos, mantendo distância uma da outra.

Karin começou a falar antes que eu pudesse me posicionar, alegando que nós brigávamos desde o fundamental e que discussões como aquelas eram comuns e não costumavam ser nada demais. Ela também disse, para a minha surpresa, que grande parcela de culpa naquilo tudo vinham dela e do quanto ela se sentia insuficiente na minha presença.

O garoto que eu amava... Eles começaram a namorar logo quando eu achei que estava conseguindo chamar a atenção dele! – logo percebi que ela falava sobre Sasuke e nosso breve relacionamento. – E agora ela foi vista com o garoto mais bonito do terceiro ano. E com o cara mais cobiçado da cidade também.

Arregalei os olhos, extremamente envergonhada por ela estar confessando tudo aquilo para a diretora da nossa escola. O que ela poderia pensar sobre mim? Que eu levava os garotos mais a sério do que os estudos?

— Karin, não fale mais nada por favor. – foi a única coisa que consegui dizer, aliviada por ela não ter dito que o tal ‘cara mais cobiçado’, era um de nossos professores.

— Meninas... vocês estão cometendo um erro gigante! – quando pensei que iriamos levar uma bronca imensa, fui surpreendida com um tom de voz amigável e receptível.

Vocês sabem há quantos anos lutamos pela igualdade dos direitos das mulheres? Ver duas garotas lindas e cheias de potencial como vocês brigando por homens, é decepcionante! –

Cabisbaixa, encarei as minhas pernas enquanto ouvia a mais velha com atenção.

— Karin, Sakura. Vocês duas deveriam passar por cima dessas dificuldades juntas, como amigas! E se não quiserem uma amizade... Se respeitem! E não deixem homem algum estragar esse elo entre mulheres. – dizia enquanto pegava nas nossas mãos.

Olhei para Karin, e vi que por baixo de seus óculos vermelhos corriam algumas lágrimas por ali. Não consegui me conter e naquele momento, a abracei fortemente. Permanecemos em silêncio por alguns segundos antes que ela correspondesse a atitude.

— Me desculpa... – disse em seu ouvido enquanto afagava as suas costas.

Eu estava realmente arrependida por toda aquela cena. Reconhecia que Karin era alguém admirável, extremamente inteligente e uma mulher com personalidade.

Não, para com isso. – ela largou os meus braços e enxugou as lágrimas. — Eu que te devo desculpas. Nunca mais vou te chamar de piriguete, Sakura!

Sorri em sua direção ao ouvir aquilo, pelo menos um momento de felicidade dentro de todas confusões naquela semana.

E eu prometo nunca mais te chamar de doida! – retribui a ela, que também sorria. Tsunade parecia aliviada e contente, o que me fez relaxar.

Agora, vocês duas. Vão para a sala, e digam pro Kakashi passar na minha sala depois da aula.

Karin já estava de saída, e antes que eu a acompanhasse fui pega pelos meus instintos.

— Tsunade-sama... Não há nenhuma possibilidade para o Itachi fazer as provas dessa semana? – olhei tímida para ela, que me encarava. – Quer dizer, os meus pais estão perguntando.

Menti friamente, afinal eu nem havia conseguido conversar com meus pais sobre o Uchiha. Tudo que eles insistiam em responder era ‘’Vai ficar tudo bem, Sakura’’. A verdade era que eu estava preocupada quanto as notas dele e o que ele faria para recuperá-las.

Como eu já disse para eles, não há nada que eu possa fazer agora. Se ele não conseguir nota o suficiente, poderá fazer a recuperação. – ela voltou a sentar-se e mexer em alguns papéis, então não insisti em atrapalhá-la.

— Tudo bem. Obrigada. – disse me virando e caminhando em direção a porta. O trajeto até a sala de aula foi silencioso, e apesar de nos encararem ninguém perguntou nada sobre o acontecido na diretoria.

 

 

[...]

 

‘’Ino: Testa, você não quer ir ao shopping comigo? E me contar o que anda acontecendo com a sua cabecinha de vento.’’ – 15h01

‘’Sakura: Me desculpa, porca. Acabei de ver sua mensagem, estava na escola estudando. Talvez outro dia? :)’’ – 18h15

 

Quando finalmente estava retirando meus sapatos ao entrar em casa, me deparo com os dois Uchihas chegando na mesma hora. Itachi jogou as chaves do carro em cima da mesa e retirou a sua jaqueta, enquanto Sasuke simplesmente bateu os pés e subiu para o seu quarto.

— O que... – disse confusa enquanto olhava para os lados, tentando entender a situação. – Ele estava chorando?

Eu não precisava nem ter perguntado. Era óbvio que Sasuke estava chorando, e não me sentia na posição de pergunta-lo o motivo. Acabei me deixando levar pelo momento e perguntando para Itachi o que estava acontecendo, o que fez com que quebrássemos aquele silêncio de dias entre nós.

Ele precisa de um tempo sozinho. – respirou fundo e tirou os sapatos, deixando-os ao lado dos meus.

Ele havia sido curto e grosso, não mediu esforços para evitar de me dizer o que estava realmente acontecendo ali. Além de curiosa, eu estava realmente preocupada com o Uchiha mais novo. Independentemente de qualquer coisa no passado, eu ainda o considerava muito e odiava vê-lo assim.

Quando percebi que ele fazia menção para subir as escadas e trancar-se em seu quarto como nos dias anteriores, senti um aperto percorrer o meu peito.

— Itachi, por favor... – falei cerrando o punho e olhando em sua direção. – Eu preciso conversar com alguém.

Minhas costas pesavam, estava exausta por tanto ter estudado naquela tarde e o que eu disse era a mais pura verdade. Precisava que voltássemos a conversar um com o outro, eu sentia falta todos os dias das nossas conversas e do quanto eu me sentia segura perto dele.

Venha. – fui surpreendida com aquela resposta repentina, ele apenas continuou a subir enquanto eu o seguia.

Diferente das outras vezes, o moreno não trancou a porta. Sentou-se na sua cama e assim eu também fiz, envergonhada por todo aquele silêncio constrangedor.

Itachi cruzou os braços e me encarou, como se esperasse uma atitude vinda da minha parte.

— E-eu... Muita coisa aconteceu essa semana, você sabe disso... – fiz uma pausa tentando associar os fatos na minha cabeça – Descobriram que eu fiquei com você.

A sua expressão não mudou, ele continuava na mesma posição e não parecia ao menos surpreso com aquilo. Droga, Sakura. Eu sabia que ele estava extremamente chateado comigo por estar agindo daquela maneira.

Eu briguei feio com a Karin, mas já fizemos as pazes... E não estou mais aguentando o clima aqui dentro de casa. – por fim, consegui desabafar.

Normalmente, ele iria me perguntar sobre cada coisa em individual e me dar um conselho sobre tudo. Iríamos nos abraçar e compartilhar nossas angústias, enquanto eu recarregava minhas energias.

Mas ele estava diferente. Distante, e parecia mais desinteressado também.

— Clima? Como assim, clima? – naquelas circunstancias, eu não conseguia distinguir se ele realmente não tinha me entendido ou estava se fazendo de sonso. Mas não importava, eu faria questão de lhe explicar até mesmo em detalhes se fosse preciso.

Estou percebendo que Sasuke está recaindo de novo na sua doença. Meus pais estão falando sobre o trabalho o dia todo, e você... – fiquei calada, repensando se deveria dizer ou não.

Me dói muito não ter você por perto, Itachi. – consegui sentir que as lágrimas estavam vindo pelos meus olhos a medida que eu falava. – Eu te amo, e quando digo isso não estou mentindo. Sei que errei, mas não existe ninguém como você pra mim. E eu precisei perder você para entender isso.

O Uchiha continuou calado, afundei meu rosto em minhas mãos, praticamente soluçando de tanto chorar.

Inesperadamente, senti o seu toque e a sua presença se aproximando. Ele me puxou para um abraço, caloroso e apertado.

Coloquei minha cabeça por cima de seus ombros largos me encaixando até sua pele macia, entrelaçando meus braços em seu pescoço. Era exatamente daquilo que eu precisava.

Itachi, você não precisa me perdoar... Mas por favor, volte a conversar comigo. Ou então eu vou enlouquecer. – comecei a tagarelar em seu ouvido. – Podemos ser apenas amigos, colegas, meio... meio irmãos? Não, acho que isso não.

Quando soltei-o, percebi que agora ele sorria. Aquele mesmo sorriso bobo e frouxo de antigamente, o mesmo que me fazia derreter.

— Por que você está... – quando ia perguntar o motivo daquela risada, fui interrompida pela sua voz firme.

— Sakura... eu também me sinto da mesma forma.

O meu coração parecia explodir de felicidade. Não conseguia mensurar o quanto eu queria beijá-lo, abraça-lo, apertar aquelas bochechas e enchê-lo de amor até que ele implorasse para eu parar.

Mas você sabe que não podemos ficar juntos.

Tudo bem, respira. Você sabia disso desde o começo, desde o primeiro beijo, do primeiro toque. Ele está certo, vocês não podem ficar juntos.

Droga de destino.

Em qualquer outra circunstâncias, eu o pediria em namoro aqui e agora! Sem cerimônias ou desculpas, queria ter a certeza de que pertencíamos um ao outro para sempre.

Mas aquele era o nosso combinado. Se as coisas dessem certo entre nós, poderíamos nos assumir abertamente. Apenas após a formatura, quando ele financiasse sua casa e morasse sozinho. Os meus pais não permitiriam de forma alguma o nosso relacionamento, e ainda havia aquela maldita aposta. Nem ele e nem os seus amigos poderiam se relacionar até que o ano acabasse.

Eu sei disso. Mas então estou... perdoada? – perguntei segurando a sua mão e encarando seus olhos negros e profundos, o mesmo olhar de Sasuke.

— Acho que sim. –animada com a sua confirmação, levantei-me da sua cama e limpei minhas roupas com as mãos.

Eu preciso de um banho! – disse olhando para mim mesma. Eu ainda vestia o uniforme da escola, e estava realmente um nojo. – Boa noite, Itachi.

— Até mais tarde. – o moreno falou sereno enquanto já mexia no seu celular. Eu estava tentando me conter, mas ao fechar a porta do seu quarto não pude deixar de dar alguns pulinhos de alegria.

 

 

[...]

 

O banho havia demorado mais tempo do que o previsto. A água estava tão quentinha que acabou servindo como convite para que eu relaxasse um pouco a minha cabeça em um banho de banheira.

Vesti meu roupão empolgada, até porque segundo o que Itachi disse nos veríamos essa noite. Mal poderia esperar para finalmente matar a saudade propriamente, depois de tantos dias distante.

 

*3 chamadas perdidas de: Loirinho Uzumaki*

 

Olhei confusa para a tela do celular, e ao mesmo tempo preocupada. Fazia muito tempo que eu não conversava praticamente com ele, e estava curiosa pra saber o motivo daquela chamada a essa hora.

 

— Alô? – disse ao discar o número e ser rapidamente correspondida.

— Sakura-chan! Finalmente! Eu estava até pensando em ir aí, mas achei que seria melhor não, sabe como é, não sei se você estava ocupada mas se me atendeu quer dizer que não, né? Tô certo!

 Fui atingida de surpresa com a tagarelice do mais novo, o que me fez aliviar. Ele parecia estar normal, falante e confuso como sempre.

 

— Não estou ocupada, seu bobo. – dei uma risadinha nasalada, enquanto andava pelo quarto. – O que aconteceu?

Um silêncio se instaurou na ligação, onde eu apenas conseguia ouvir a sua respiração lenta e demorada do outro lado da linha.

— Naruto? O que foi? – perguntei mais uma vez, agora curiosa por toda aquela demora.

— Sakura-chan... Você alguma vez já... – ele dizia pausadamente, o que definitivamente não significava boa coisa. – Se apaixonou?

Parei a minha caminhada instantaneamente ao ouvir aquilo. Era a primeira vez em que conversávamos em meses, sempre havíamos sido muito amigos no ensino fundamental mas desde o ano passado perdemos totalmente aquele contato. Sentia a sua falta, mas nunca fizemos nada para mudar aquela situação até agora.

— Eu... Sim. Eu já me apaixonei. – disse sem hesitar muito, convicta da minha resposta. – Por que você tá perguntando isso?

— É que eu... não sei o que fazer. – procurei alguma roupa dentro do meu armário e logo vesti, antes que ele pudesse responder.

— Se você quiser me explicar o que está acontecendo, eu posso te ajudar. – ri para ele, que devolveu um riso cansado.

Talvez eu esteja em dúvida. Eu não sei. Nunca me apaixonei por ninguém, não sei o que isso significa.

Aquilo me fez pensar muito, tanto sobre Itachi quanto Sasuke. Eu tinha plena consciência de que havia amado os dois. Mas eram amores totalmente opostos e diferentes. Um deles me ensinou a dor, me ensinou a superar e também me mostrou que o amor jamais deixa de existir. Ele pode perder sentido, mas jamais vai parar de existir.

Era assim que eu me sentia sobre Sasuke. Ele era o meu primeiro de amor, e o mesmo que muito me fez sofrer. Ao mesmo tempo, por amá-lo – agora como um amigo, como um irmão – jamais senti raiva ou ódio dele, mesmo sofrendo.

Já com Itachi, era tudo novo. Eu sentia que ele era o meu porto seguro, um lugar para onde eu queria voltar todos os dias. Ele era a minha motivação e o motivo dos meus pensamentos mais sutis e mais sujos ao mesmo tempo. Não havia angústia ou insegurança; apenas paixão.

— Naruto, eu não posso te ensinar como é amar alguém... Você sentirá quando for a pessoa certa. – falei, deitando-me na cama e ficando mais confortável. – Aquele alguém que independente do que faça, fale, ou de quem ame. Sempre será o motivo da sua preocupação e dos pensamentos. Nada que fizer vai mudar o que você sente.

Estava me sentindo orgulhosa de mim mesma por todas aquelas palavras. Eu era sensitiva e na maioria das vezes era o ombro amigo que Naruto buscava anteriormente, mas jamais havia falado sobre o amor com tanta propriedade.

Essa pessoa... É o Sasuke, não é? – do outro lado da linha, pude ouvir ele engasgar. Não sabia se estava tomando alguma coisa ou se havia se assustado com a pergunta. – Está tudo bem, você pode me contar.

O Sasuke? É... Não! Eu só estava curioso mesmo. Eu e ele somos apenas amigos, rivais, só! – o loiro voltou a se apressar em suas palavras, evidentemente demonstrando seu nervosismo.

Não era aquela conversinha mal contada que me faria deixar de acreditar que ele já estava sim apaixonado. Com todas aquelas duvidas e principalmente pelo fato de ter me ligado tarde da noite, eu tinha certeza de que era do Uchiha que se tratava o assunto.

— Eu preciso de uma ajuda sua. – por fim o Uzumaki confessou, me deixando instigada a saber o que era. – Quero que você me ajude a me apaixonar por outra pessoa.

Arregalei os olhos e franzi o cenho.

Espera um pouco, o quê?

Não tinha nenhuma consciência do que poderia estar acontecendo dentro daquela cabeça oca. Se ele estava se sentindo inseguro sobre seus sentimentos, porque procurava por outra pessoa? Será que Sasuke não correspondia os seus sentimentos?

Nada parecia fazer sentido para mim. Pelo que eu havia observado, desde que eram mais novos, Naruto sempre foi o abrigo de Sasuke e vice e versa. Eles tinham uma conexão de se invejar, e pelo o que tudo indicava era claro que os seus sentimentos um pelo outro eram o mesmo.

Naruto ainda tinha muito o que me explicar. Mas aquele não pareceu o momento certo para confrontá-lo. Ele não parecia seguro do que sentia e muito menos do que falava. Esperarei a hora para poder pergunta-lo sobre isso abertamente.

Tudo bem. Vamos procurar alguém. – concordei e me dei por vencida no final, apenas tentando contribuir com um antigo amigo que necessitava da minha ajuda.

Cúpido Sakura... em ação?

 

 


Notas Finais


e aii? como vcs já tão acostumados, esse foi um episódio pra 'acerto de contas', no próximo será mais focado no Sasu e no Naruto mesmo kskskdkkkk

o que vcs acharam dessa aula de girlpower que a tsunade deu? amei e achei super coerente, afinal amo a karin e a sakura e jamais quero que elas briguem por homem de novo

e quem será que anda espalhando essas fofocas e causando intriga pela escola? rsrs
enfim... comentem muuito pra me motivar <3 amo vcs!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...