História Satisfy Me - Capítulo 59


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Hermione Granger, Ronald Weasley
Tags Harry Potter, Hermione Granger, Romance, Romione, Ronald Weasley
Visualizações 135
Palavras 8.217
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey Amores!

Vindo aqui com a minha famosa cara de pau me desculpar depois de dias sem dar as caras por aqui, mas a gente faz o que pode... Mas garanto a vocês que a fic ainda vai durar então não sumam....

Bom, sobre o capitulo de hoje, vamos parar pra pensar pelo que o Rony é conhecido? Eu pensei “Bem, Ron é sempre conhecido por ser leal, verdadeiro e engraçado… Ah e xingar… Muito. No livro isso é bem visível... E é algo dele. Mas óbvio que isso incomodaria a Hermione em algum momento, sabendo bem como ela é e tendo que conviver com isso sendo casada com ele...
Eu me diverti bastante com esse e espero que vocês também...

Beijos . 💜

Capítulo 59 - Capitulo 59 - Bad Words


Quando você está apaixonado, a palavra sacrifício assume um novo significado. Sacrifício significa que você dá algo de si para o bem maior. O bem maior, neste caso, é o relacionamento que você está no seu outro significativo. Não apenas qualquer relacionamento é digno de sacrifício, lembre-se. Eu estou falando sobre o seu único amor verdadeiro. Seu coração, alma e razão para viver. Eu sei que Hermione é a única que já existiu e sempre me completará...

Hermione é incrivelmente inteligente, a pessoa mais inteligente que conheço e já conheci e usa seu intelecto para resolver os problemas do mundo dos dilemas. Considerando que eu uso o meu cérebro para coisas práticas, como encontrar os bandidos e lembrar onde eu fiz meu esconderijo de sapos de chocolate (que muda semanalmente desde que Hermione sempre os encontra e expulsa, declarando o quão ruim eles são para os meus dentes.). E também para pensar em maneiras de direcionar qualquer tempo sozinho com ela para transar. Veja, meu cérebro é bem útil quando eu quero que seja.

Ela também é incrivelmente gentil, uma virtude que ela inconscientemente passou para mim. Eu costumava ser um idiota. Tudo bem, eu ainda sou às vezes, mas desde que a conheci ela meio que me nivelou um pouco. Onde me falta inteligência e tato, ela compensa com o intelecto e a etiqueta.

Mas eu a preencho, você está perguntando? Bem, eu espero que sim! A mulher  se casou comigo pelo amor de Deus. Ela diz que foi minha "paixão pela vida", meu "humor" e a maneira como "olho para a alma dela" ou algum lixo que a fez se apaixonar por mim. Eu digo a ela que é minha sagacidade e charme que a enganaram... E porque eu sou incrivelmente fantástico na cama. Ela zomba de mim, é claro, mas não pode negar. Eu estou lá com ela quando ela está gritando debaixo de mim, gritando coisas como "Você é um deus, Ron!", E meu favorito, “Meu maldito rei! Foda-me!”

Sim, Hermione Granger xinga enquanto ela estremece. Eu sei, fiquei chocado também, na primeira vez, mas o que posso dizer? Eu conheço essa garota por dentro e por fora. Eu posso fazê-la gritar em êxtase e raiva. É um dom. O ponto é que ela me ama, mas diz que é meu coração que ela fica por perto. Claro, Hermione.

De qualquer forma, eu estava falando sobre sacrifício. Estou prestes a fazer algo que deixará Hermione incrivelmente feliz, mas pode me deixar louco.

Tudo começou quando estávamos visitando a casa de seus pais em uma tarde de domingo. Nós tínhamos acabado de almoçar e estávamos sentados no terraço tomando à deliciosa limonada de sua mãe.

— Mãe, esta limonada é deliciosa, como sempre. — Disse Hermione, após seu primeiro gole.

Estava quente como o inferno aquele dia, sendo o meio de julho, e eu não pude deixar de comentar sobre isto. 

—  Está um calor da porra aqui fora. — Eu disse, apertando a frente da minha camisa longe de mim, a fim de obter alguma brisa inexistente entre a minha pele e minha camiseta suada. Os Grangers têm ar condicionado dentro de casa. A melhor e mais brilhante invenção de todos os tempos, e estamos sentados aqui embaixo da porra do sol.

— Ron! —  Hermione me repreendeu de seu assento ao meu lado.

— O quê? — Eu disse. — É, não é Hugo? — Eu olhei para o pai de Hermione que acabou de sair da casa com um prato cheio de bolinhos. Seu pai faz os melhores.

— Você está certo, Ron. — Ele disse com uma risada e sentou-se conosco e com a mãe dela, Jane. Eu sorri presunçosamente para Hermione que não estava muito satisfeita.

— Bem, você não tem que ser tão... Verbal sobre isso. — Hermione disse e estendeu a mão para pegar um bolinho do prato e morder. Eu posso estar errado, mas eu juro que ela estava imaginando que a parte em sua boca era minha própria cabeça. O fato de que ela agora estava mastigando como um pedaço de carne era outra pista.

— Desculpe. — Eu murmurei, não querendo uma discussão. Eu respirei fundo e mergulhei no buraco do pescoço da minha camisa, soprando dentro dela. Eu estava esperando criar meu próprio vento, mas tudo o que consegui me fez parecer uma maldita bola de praia e me sentir tonto.

— Isso nunca funciona, você sabe. —  Hermione murmurou baixinho. Eu me viro para encará-la, mas ela simplesmente estava me ignorando, e eu adoro quando ela faz isso. Ela também está sorrindo, o que significa que ela fez isso com humor, o que também significa que ela já havia me perdoado pela minha 'vulgaridade'.

— Então, como está o trabalho, Ron? —  Perguntou Jean enquanto eu comia um bolinho.

— É brilhante. — Eu disse. 

 

—  Harry e eu pegamos esse feiticeiro idiota no vale  Knockturn  na outra semana. Ele estava tentando vender ovos de dragão ilegais na rua. Você acredita nisso? Não muito inteligente, esse. —  Fiz uma pausa e empurrei o bolinho inteiro na minha boca, porque o cheiro estava chegando dentro do meu nariz e dizendo ao meu cérebro para comer isso já !

— Oh, meu Deus, isso é tão bom pra caralho. — Eu disse depois de engolir e tomei um longo gole da minha limonada, o que também me fez revirar os olhos para a parte de trás da minha cabeça. Porra, eu amo vir aqui, mesmo apenas pela comida. Seus pais também eram brilhantes, claro.

— Ron! Pelo amor de Deus. — Hermione gritou, fazendo-me quase engasgar com a minha maldita bebida. Eu não sabia do que ela estava falando a princípio, e então me lembrei que xinguei... De novo.

— Desculpa amor. Desculpe Jane, Hugo. Eu realmente...  Amo esses bolinhos. — Eu disse timidamente, colocando meu copo na mesa de vidro.

—  Você pensaria . — Disse a mãe de Hermione ao encher o copo. —  Que depois de treze anos conhecendo um ao outro, seis anos juntos e três anos de casamento, você aprenderia a não xingar diante de Hermione, Ron.

Suspirei porque não foi a primeira vez que tivemos essa conversa.

 Eu não posso evitar que minhas palavras cheguem à minha língua antes que meu cérebro diga para parar. Aparentemente, eu não possuo essa habilidade.

— E você pensaria depois de todo esse tempo que Hermione aprenderia a lidar com isso. —  Eu disse com um sorriso e tomei outro gole, mais curto, da minha limonada.

Eu levantei minhas sobrancelhas e olhei por cima do vidro para Hermione, e ela está olhando para mim. Não apenas o tipo de brilho que diz “Você está com problemas”. Não, é o tipo de brilho que diz  “Eu vou torcer suas bolas e fazer você comê-las”. Eu não gosto desse brilho.

 Merda.

— Merda. — Eu digo e beijo minha testa. Eu ouço Hugo rir e quando olho para ele não posso deixar de rir.

— Ron, você é uma peça. — Ele disse, não se importando com os olhares desaprovadores que eu estava recebendo das senhoras. Sua mãe era um pouco mais divertida do que Hermione, no entanto. Maldito Snape, se ele estivesse vivo, teria sido mais divertido que Hermione.

— Isso não é engraçado. — Disse ela e jogou o resto de seu bolinho na mesa.

 Ela fez uma pausa, olhou para baixo e pegou de novo, colocando-o em um guardanapo.

 Eu não sei porque, mas eu achei isso incrivelmente hilário. Mesmo de mau humor, Hermione leva tempo para fazer algo corretamente.

 Hugo e eu nos entreolhamos e explodimos em outra gargalhada.

— Agora, por que você está rindo? —  Hermione disse com os braços cruzados.

— Querida, relaxe, eles estão sendo bobos. — Disse sua mãe e empurrou o bolinho para Hermione.

Seu pai e eu sempre nos divertimos, principalmente às custas de Hermione, para ser honesto. Ela geralmente leva muito bem, sorrindo e nos, chamando de 'infantis'. Desta vez, deve ter sido pior, sabe meus xingamentos. Uma vez a mais, talvez?

Eu limpei minha garganta e convoquei todas as vezes que eu me convenci a sair de uma briga com ela. 

Arrumando um rosto sério, eu me virei para ela e disse.

— Sinto muito… De novo. Eu prometo que não vou xingar. — Então eu disse algo que eu provavelmente deveria ter guardado para mim mesmo. — Você vai comer isso? — Eu apontei para o bolinho rasgado sentado ordenadamente em seu guardanapo. 

Eu pensei sobre ela colocando lá e um sorriso deve ter escapado dos meus lábios, porque a próxima coisa que eu sabia era que ela estava de pé.

— É isso aí. Estou indo embora. — Ela disse e pegou a bolsa do chão. Eu olhei para ela, minha boca aberta, chocado. Eu estava realmente tão mal assim? Ou era aquela época do mês?

— Hermione! — Seu pai se levantou quando ela saiu da mesa. — Não fique chateada, Pumpkin.

— Eu não estou chateada com você, pai. Eu falo com vocês depois. Obrigado pelo almoço e tudo mais. Mãe, eu te ligo, sim?

— Querida, por favor, não vá. — Disse sua mãe e olhou para mim. Eu sentei de volta na minha cadeira, meus olhos arregalados e, por uma vez, minha boca fechada.

Eu olhei para Hermione e ela olhou para mim uma vez antes de ela desaparecer com um estrondo mais do que necessário.

— Merda. — Eu disse.

— É, foi por isso que ela saiu. — Disse Jane rapidamente, referindo-se ao que acabei de dizer. Certo, o xingamento. Porra.

— Desculpe, eu arruinei o dia para vocês. Vou falar com ela. — Falei e me levantei para ajudá-la a limpar a mesa e levar os bolinhos de volta para a cozinha. Eu não pude deixar de suspirar alto em alívio quando o vento frio e gélido do ar-condicionado me atingiu no rosto e congelou o suor da minha camisa.

— Droga, isso é bom. Nós vamos ter que pegar um desses. —  Eu disse e peguei outro bolinho da pilha.

 Eu pensei que deveria ir atrás da Hermione. 

Ela provavelmente estava em casa, fumegando no sofá, fazendo uma lista mental de todas as maneiras de preparar minhas bolas para o jantar.

Não, acho que vou esperar.

— Você não acha que deveria ir falar com ela... Agora? — A mãe dela disse ao abrir um armário e pegar uma garrafa térmica e um recipiente de plástico com uma tampa.

 Deus, eu amo trouxas.

—  Nah. — Eu disse depois de engolir e pegar outro. Puta merda, eu poderia transar com qualquer bolinho se não fosse tão inadequado. — Eu aprendi com a experiência a deixá-la esfriar um pouco depois que ela fica com raiva. Salvou nosso casamento algumas vezes, acredite em mim. — Assenti para tranquilizá-la e ela encolheu os ombros antes de drenar a limonada restante na garrafa térmica.

— O que você vai fazer para compensar isso desta vez? — Perguntou Hugo, sentando-se em um banquinho na cozinha. Eu me inclinei contra o balcão e cruzei os braços.

— Não sei. Eu acho que as flores não farão isso.

— Você não conhece nenhum feitiço que possa impedir você de xingar? — Perguntou Hugo. — Se isso é todo motivo pela qual ela está chateada e você obviamente não consegue parar, então lide com isso magicamente... Certo?

Eu pensei sobre isso.

 Quanto mais eu pensava nisso, mais brilhante eu achava que era. 

Tão indiferente quanto tentei fazer parecer, eu realmente odeio quando Hermione está chateada.

 Me mata pensar que ela está em casa com raiva de mim. Não me entenda mal, eu amo nossas pequenas brincadeiras e bobagens, mas quando ela fica brava, nunca é nada divertido.

— Você é brilhante, Hugo! — Exclamei e peguei minha varinha do  bolso. —  Obrigado. E obrigado a ambos por hoje. Foi muito agradável, realmente.

— A qualquer hora, Ron. Cuide da nossa garota. Tenho certeza que você vai consertar isso. —  Disse Jane e me deu um abraço. Ela é uma mulher doce e, por mais que às vezes discorde de meus modos, sei que me ama como seu filho. Eu levo isso muito a sério. Ela me deu uma sacola com a garrafa térmica cheia de limonada e o pacote de bolinhos. Eu dei a ela outro abraço só por isso.

— Eu irei, eu prometo. Não se preocupe. Você nos conhece, sempre foi assim. — Eu disse e beijei sua bochecha.

Depois de abraçar com Hugo eu me virei e desapareci... Para a biblioteca.

Em algum momento nos últimos dois anos, o Beco Diagonal construiu uma grande e extensa biblioteca, não tão grande quanto a de Hogwarts, mas grande o suficiente para encontrar quase qualquer livro que você queira pegar emprestado. Eu estava lá procurando por algo que pudesse me dizer como consertar minha boca suja e colocar Hermione de novo do meu lado. Eu não queria ir para cama com raiva naquela noite. Dormir ao lado de uma Hermione irritada era como dormir ao lado de um dragão com o nariz entupido, bufando e bufando a noite toda. 

Não, obrigado.

Enquanto folheava a seção sobre livros de feitiços comportamentais, não pude deixar de pensar nas muitas vezes em que Hermione me arrastou até lá desde que abriram. Eu fui obrigado aqueles tempos, mas por mim mesmo eu estava agradecido porque me ajudou a encontrar a seção rapidamente.

— Sim. — Eu murmurei quando meu dedo parou na lombada de um livro chamado “101 maneiras de como disciplinar o seu descontrolado adolescente bruxo: incluindo feitiços e poções para parar até mesmo a pior 'boca suja”.

Perfeito.

Eu verifiquei com o cartão da biblioteca que Hermione insistiu que eu tivesse mais uma vez eu estava agradecido e desapareci mais uma vez, de volta para casa.

Eu aparatei direto para a nossa sala e me preparei para que eu sabia que estava esperando por mim no sofá. 

Ela não estava lá.

 Eu não ouvi nada também. Onde diabos ela estava?

— Por que demorou tanto? Com medo de voltar para casa?

Eu me virei, meus reflexos de auror me enganando enquanto eu colocava a mão no meu peito, respirando com dificuldade. —  Caramba, você me assustou, Hermione.

Ela estava de pé na porta da cozinha, de avental e segurando uma grande colher de madeira coberta de molho vermelho. Porra, ela já está preparando espaguete. É melhor eu largar as minhas calças agora e deixá-la ficar com elas.

— O que você está... Fazendo? — Eu disse enquanto furtivamente escondia o livro sob as costas da minha camisa.

Com o queixo no ar, ela disse.

— Eu sei que é cedo, mas eu estava inquieta, então pensei em começar o jantar... O que é isso? — Ela apontou para o livro e se inclinou para o lado para olhar em volta de mim.

— Oh, apenas algo que eu peguei. —   Eu disse, sem jeito. Então o livro teve que cair no chão naquele exato momento. 

— Um livro? Por isso que você demorou tanto? Você conseguiu um livro para mim? Ela atravessou a sala, pingando molho no chão enquanto ia e foi pegá-lo do chão.

— Não. — Eu disse e peguei primeiro, segurando-o contra o meu peito. — Eu peguei para mim. Algo que possa nos ajudar, na verdade.

Ela me olhou com desconfiança e disse.

 — Dê aqui então. — Eu dei a ela.

Eu posso ser um Auror, lutar contra vilões com o grande e poderoso Harry Potter e interrogá-los até que eles façam xixi nas calças, mas minha esposa tem um jeito de me fazer temer pela minha vida quando ela me olha assim. 

Assim como é meu dom saber como fazê-la gritar, eu assumo que este é o dom dela.

— Você não pode estar falando sério, Ron. — Ela disse e me devolveu o livro. Ela pegou a sacola de limonada e bolinhos e, com um revirar daqueles lindos olhos, virou-se e voltou para a cozinha. Por que ela sempre tem que fazer isso? Nem toda idéia que tenho é ridícula.

Eu tirei meus sapatos, jogando-os no canto e a segui e a comida  para a cozinha. Usando minha varinha, limpei o molho no chão enquanto saía. Eu posso ser maluco às vezes, mas um chão limpo sempre é um ponto a meu favor.

— Amor, apenas me ouça. — Eu disse e bati o livro no balcão. Ela estava de costas para mim no fogão, mexendo o molho dentro da panela. Eu cheirei e enruguei meu nariz. Eu amo Hermione até a morte, mas a mulher não pode cozinhar para salvar sua vida. Acho que eu deveria sentir o cheiro de macarrão e molho de espaguete, mas tudo o que consegui foi um estranho cheiro de manteiga queimada. Não importava, porque eu vou comê-lo e sorrir e dizer a ela que estava delicioso, assim como todas as outras vezes, hoje é a sua vez de cozinhar. Eu me ofereci para assumir o dever indefinidamente como um favor, mas ela não concordou. Pode ser hora de ela ter uma conversa com minha mãe sobre aulas de culinária.

— Estou ouvindo. —  Disse ela e se virou depois de colocar a colher no balcão. Contradizendo-se, ela falou em seu lugar. — Você sabe que eu realmente odeio deixar a casa dos meus pais assim. Isso me faz parecer idiota.

— Você não é idiota, Hermione. — Eu disse, esperando marcar um ponto.

— Eu sei disso. — Ela disse com naturalidade. — De qualquer forma, eu estava tão envergonhada do jeito que você estava rindo de mim. E eu realmente gostaria que você parasse de xingar tanto, especialmente na frente de mamãe e papai. É muito desrespeitoso.

— Seu pai...

— É como você, Ron. — Ela interrompeu.

 Ela não disse que estava ouvindo? 

— Mas ele ainda é meu pai. Você precisa aprender algumas maneiras. Eu não gostei do que você disse sobre eu ter que 'lidar com isso'. O que foi aquilo? —  Seu rosto estava ficando mais vermelho e sua voz estava aumentando.

— Pobre tentativa de humor?

— Urrgh! Você é tão irritante! — Ela gritou. Seus punhos cerrados e seu rosto vermelho de raiva simplesmente não fazem bem para ela. Usando um avental com “ Bonita quando cozinha” que eu comprei para ela como um presente de piada para o aniversário dela no ano passado.

— Eu sinto Muito! Você sabe como eu sou, Hermione. Você não pode ficar brava toda vez que eu xingo. Você ficara brava para o resto de sua vida.

— Não é engraçado. —  Disse ela entre os dentes. Falar sem mexer os lábios é outro sinal de ira iminente.

— Eu não estava tentando ser engraçado. Estou falando sério. É por isso que eu peguei este livro. Olha. — Eu disse e peguei, apontando para as palavras  “Boca suja”.

— Você pensa-

—  Er, Hermione! —  Eu apontei para trás enquanto molho vermelho voou para fora da panela e respingou na parede, no balcão e no chão.

—  Oh droga! —  Ela exclamou e usou sua varinha para desligar o fogão trouxa. Eu não achava que o cheiro poderia piorar, mas eu estava muito errado. Agora cheirava a manteiga queimada e alho queimado, assim como outro cheiro de carvão indistinguível.

Ela abriu o forno e tirou uma bandeja de bolas pretas e carbonizadas. Eu estupidamente estendi a mão e segurei minhas próprias bolas, grato por elas ainda estarem presas, seguramente enfiadas dentro da minha calça.

— O que isso deveria ser? —  Eu perguntei, tentando soar curioso em vez de divertido.

— Isso. — Ela disse com os braços balançando descontroladamente em torno da cozinha. — Era o jantar. Desisto. Peça uma pizza.

E com isso Hermione arrancou o avental manchado de molho que agora dizia “Boa Cozinhando” e jogou no chão. Oh A ironia.

— Eu vou estar no chuveiro. — Disse ela antes de sair da cozinha e subir as escadas, deixando-me na bagunça fedorenta. 

Saí, respirei fundo e parei no final da escada.

— Espere, você não vai limpar isso? — Eu perguntei atrás dela.

De repente, um sapato que eu reconheci estava em pé, veio para mim a partir do andar acima, que eu peguei com uma mão.

— Você limpa! — Eu ouvi Hermione dizer então a porta do banheiro bateu.

Eu olhei para o tênis azul e branco na minha mão e balancei a cabeça, zangado comigo mesmo por estragar tudo de novo. Joguei no canto com meus próprios tênis e comecei a limpar a cozinha.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Depois de um jantar silencioso de pizza vegetariana para Hermione (Veja, eu sou atencioso!). E uma pizza de amantes de carne para mim, na qual eu tentei envolvê-la na conversa e falhei miseravelmente, estávamos agora sentados no sofá. Hermione estava lendo um livro sobre um cara chamado de Shakespeare e eu estava olhando através do livro de feitiços que eu peguei emprestado da biblioteca. Eu estava estudando este único feitiço que eu pensava que poderia funcionar para o meu caso, mas era complicado, envolvendo um longo encantamento e um complicado trabalho de varinha. 

Dizia que durava apenas oito horas, então achei que poderia fazer isso.

Eu pensei que talvez se ela me visse lendo, bem, que isso poderia forçá-la a falar comigo. Eu notei ela olhar para mim e para o livro mais de uma vez, e eu sabia que ela estava morrendo de vontade de me perguntar sobre isso, mas ela não fez. Até onde ela vai com isso? Há quanto tempo ela sabe que sou assim, jurando o tempo todo? E agora ela escolhe fazer um grande negócio sobre isso?

Depois do banho, Hermione vestiu uma de suas camisolas mais reveladoras. Desde que ela estava, obviamente, me dando um gelo, eu só posso supor que este era o seu caminho de vingança. Vingança por bolas azuis. Era uma rosa claro, macia e sedosa contra os mamilos endurecidos. Também era curta, logo acima dos joelhos, com uma renda ao redor. Ela tinha uma perna cruzada sobre a outra, dando-me uma grande quantidade de coxa para cobiçar. Ela é uma mulher cruel. Ela até puxou o cabelo para cima em algum tipo de torção para que eu pudesse ver seu longo pescoço e peito, o decote era baixo o suficiente para ver um monte de pele lisa e cheia de curvas. Foi um movimento calculista, usando isso na minha frente, sabendo que eu não poderia simplesmente pular sobre ela do jeito que eu queria, um movimento que eu tinha que admitir era muito bom. Porra, eu amo essa mulher.

Então, em vez do meu habitual limpar a garganta e as ocasionais 'aha' e 'interessante', decidi seguir uma abordagem diferente. Eu fechei meu livro com um estalo e quase sorri quando a vi recuar.

— Posso te perguntar uma coisa, Hermione?

— O que?

Ela nem se incomodou em olhar para cima de seu livro quando respondeu, o tom de sua voz fazendo a temperatura na sala cair alguns graus. Ela ainda estava chateada. Essa foi uma questão que não precisei perguntar.

— Eu só quero esclarecer uma coisa e eu estava esperando que você pudesse me ajudar. — Eu disse. Eu sabia que isso chamaria sua atenção. Ela não poderia resistir quando era feita uma pergunta, especialmente se a pessoa perguntar a ela de uma maneira que implica apenas ela pode responder. Hermione é uma mulher modesta, mas nunca recuará de um desafio intelectual.

Ela fechou o livro e olhou para mim com curiosidade pelo canto do olho. 

— O que você quer saber?

 — Eu estava apenas pensando. — Eu comecei e virei meu corpo para ela. — Exatamente o que  sobre o meu xingamento que te irrita? Porque, se bem me lembro, você faz sua parte no quarto e nunca pareceu ter um grande problema em eu fazer isso antes, desde que éramos crianças, mesmo. O que foi agora?

— Eu te amo, Ron, você sabe disso, certo? — O rosto de Hermione se suavizou um pouco e eu relaxei. Pelo menos isso não havia mudado. Eu assenti. — Eu amo tudo sobre você, mas sinceramente imaginei que você iria crescer xingando por aí. Eu aceitei, até achei isso um pouco cativante, mas... Só piorou e estou preocupada... Sobre quando tivermos filhos. — Ela disse baixinho.

Bem. Crianças… Era disso que se tratava. Eu a estava perseguindo no ano passado para ter filhos e ela continuou me dizendo "quando estivermos prontos" e "não é a hora certa". E agora eu descobri que meu maldito xingamento era o culpado?

— Você deve estar brincando comigo. — Eu disse. — É por isso que você não quer filhos agora? Por minha causa? Você não acha que… Eu não serei um bom pai?

— Eu não estou dizendo isso! —  Ela disse rapidamente e eu quase acreditei nela. — Eu suponho que eu estava apenas esperando para ver se você, eu não sei… Amadurecesse um pouco mais. Eu não quero que nossos filhos tenham uma linguagem tão ruim. Não é bom para o desenvolvimento deles… Eu li em algum lugar.

— Claro que você leu. — Eu murmurei, chateado demais para me importar se ela me ouvisse. — Por que você não me disse antes?

— Eu tentei dizer a você! — Ela exclamou. — Eu tenho que avisar a você toda vez que estamos ao redor de Victoire ou Teddy para ver sua boca.

—  Você não precisa me dizer isso! Eu sei que não xingo perto de criancinhas, Hermione. Eu não sou um maldito monstro. Que porra é essa?

— Não, você não é, mas aparentemente você não pode ir uma conversa sem a palavra “porra” nela, não é? — Ela cruzou os braços e apertou a mandíbula, como se já tivesse ganhado essa discussão.

 Agora eu era o único ficando chateado.

Eu olhei para trás de mim, torcendo a cabeça, olhei para a lareira e até abaixei a cabeça embaixo do sofá antes de olhar para ela. 

 

— Não há crianças aqui, Hermione. Eu só estou falando com você.

— Bem, é uma coisa boa que não haja crianças aqui, não é? — Ela disse, em seguida, balançou os braços ao redor e gritou. — Ou eles estariam correndo por aí gritando 'foda-se' e 'porra' e merda em todo o lugar! — Ela sentou-se lá absolutamente lívida e era tudo que eu podia fazer para não rir em seu rosto. As palavras se repetiram na minha cabeça e eu tive que fechar a boca para evitar que uma risada escapasse.

— Eu vou para a cama. Falaremos sobre isso amanhã. — Hermione disse, balançando a cabeça quando eu não respondia.

— Não, espere. — Eu disse, e estendi a mão para ela. Ela me sacudiu e sem outra palavra subiu as escadas para o nosso quarto.

— Bem, que merda. — Eu disse a mim mesmo e pela primeira vez o palavrão não fez nada para me fazer sentir melhor. Eu olhei para o meu livro e peguei de novo, virando-o para a página que eu marquei e reli as instruções para o Feitiço de Reversão da boca suja. Aparentemente, foi um novo feitiço, o livro foi escrito apenas cinco anos atrás. Eu nunca ouvi falar disso antes o livro ou o feitiço. Se eu tivesse aprendido alguma coisa com Hermione ao longo dos anos, sempre confiaria em um livro pela internet. Este conhecimento foi proveniente de um incidente envolvendo-me, um cartão de crédito apagado junto com algumas acusações muito embaraçosas. Em minha defesa queria dizer que só tenho permissão para usar o computador quando ela está na sala. Eu não vou entrar nos detalhes...

 

De qualquer forma, eu não vi nenhum mal em tentar este feitiço desde que foi encontrado em uma biblioteca, um lugar onde Hermione fica com a maioria das informações armazenadas dentro daquele grande cérebro dela. Que mal pode resultar disso?

Levantei-me e caminhei em silêncio até as escadas e escutei.

 Estava quieto, o que significava que ela estava na cama dormindo ou lendo na cama. De qualquer forma, eu poderia imaginar seu corpo coberto pela seda, bronzeado, macio, sexy e na nossa cama. Não parecia certo que eu estivesse lá embaixo falando do meu pinto a um passo de uma ereção e ela estava lá em cima seminua. Eu tive que levá-la ao meu lado esta noite. Amanhã começou a semana de trabalho para nós dois e eu não pude ir a semana inteira com ela não falando comigo. Ou pior, pensando que eu não seria um bom pai porque não posso controlar o que sai da minha boca. Se eu quisesse começar uma família, alguns sacrifícios teriam que ser feitos.

Voltei para a sala e sentei no sofá com o livro aberto no meu colo e varinha na mão. Eu disse o feitiço em voz alta para praticar e depois o movimento da varinha. Parecia fácil o suficiente, então depois de respirar fundo e limpar minha mente, eu balancei minha varinha sobre minha cabeça e disse: "Ostendosum nocelingua." Eu sacudi meu pulso e apontei a varinha para a minha testa e li em voz alta: "Restituo perexcolo probitas pietas.

Depois disso, sentei-me e esperei que algo acontecesse, sentir algo mudar dentro da minha cabeça ou algo assim. Nada parecia diferente. Meu cérebro parecia estar funcionando da mesma maneira.

Merda, porra, droga, bosta. Não, nada.

Suspirei e joguei o livro na mesa de café. Olhei para o relógio e percebi que estava ficando tarde, então apaguei as luzes e subi as escadas, esperando que Hermione já estivesse dormindo para que eu pudesse ir para a cama sem outra briga. Enquanto subia as escadas, mentalmente preparei minha mente e corpo por pelo menos uma semana de noites sem sombras. No patamar virei para a direita, cansado como todo o inferno, exausto por tentar falar com Hermione metade do dia e estudando aquele maldito feitiço, quando meu pé ficou preso na mesa do corredor. Por que ela insistiu que precisávamos de um lá que eu não tinha idéia. Eu tinha batido meu dedo mindinho descalço naquela maldita mesa de madeira inútil e doía demais. Porra!

— Carambolas!

Que porra foi isso? Foi isso que eu apenas gritei? Eu poderia jurar que gritei 'porra'! em vez de.

Eu balancei a cabeça para limpá-lo e esfreguei meu pescoço. 

Eu devo estar cansado, é isso.

Parei no armário de roupas de cama e peguei uma toalha antes de ir ao banheiro para tomar um banho. Eu imaginei que se eu fosse dormir ao lado de uma mulher sexy seminua que não iria desistir, eu poderia cuidar das coisas sozinho.

Eu estava no banho, a água agora fria escorrendo pelo meu lado, olhando para a parede de azulejos na minha frente. Eu estava confuso. Quero dizer, imediatamente eu pensei sobre o feitiço que eu acabei de fazer, mas como diabos evitar o xingamento, por sua vez, soa como o idiota do...Percy? Eu poderia pensar em xingar, mas isso não sairia da minha boca que eu pudesse lidar, mas soava como um absorvente gigante naquele momento e isso não estava bem.

Eu balancei a cabeça e rolei meus ombros. Eu precisava ter certeza de que essa coisa era algo para se preocupar antes de começar a ficar realmente incomodada. Eu pensei em dizer algo simples e não como palavrões. Eu pensei em dizer: Cale a boca, seu idiota! Sem palavrões por isso deve ser seguro.

— Por favor, fique quieto, seu panaca.

Oh meu maldito merlin.

Cobri a boca com as mãos e me virei para espiar a cortina do chuveiro. Claro que o banheiro estava vazio, mas eu só queria ter certeza de que ninguém me ouviu dizer algo tão ridículo. Foi a sensação mais estranha, pensar uma coisa e ter algo completamente diferente saindo da sua boca. Eu me senti como uma marionete, com outra pessoa mexendo minha boca e me fazendo falta. Bizarro!

Eu desliguei a torneira e saí do chuveiro. Depois de secar, enrolei uma toalha na cintura e me olhei no espelho.

Foda-se  —  Droga.

Merda  —  Oh, caramba.

Bolas  — Meu saco.

Eu não posso acreditar nisso. Eu posso ver minha boca se movendo em torno dessas palavras ridículas e eu não posso acreditar nisso.

Eu gemi em frustração, sabendo que não havia nada que eu pudesse fazer sobre isso, eu olhei para o relógio do banheiro e gemi novamente sete horas e trinta minutos. Apenas a tempo para o trabalho de manhã. Pelo menos eu posso contar com isso. A primeira coisa que planejei fazer quando acordei é levar aquele maldito livro de volta à biblioteca.

Droga do inferno — Puxa, vida!

Soltei um grunhido e abri a porta do banheiro. Eu andei até a porta do quarto e puxei isso também. Estava escuro, mas eu posso ver que Hermione estava dormindo, ou estava fingindo estar dormindo, quando eu puxei uma calça limpa e a vesti. Eu puxei as cobertas, caí de costas na cama e cruzei os braços, olhando para o teto escuro.

—  Você acabou de fazer barulho? —  Uma voz veio do meu lado, abafada de dentro das cobertas onde a cabeça de Hermione estava virada para longe de mim.

Agora, o que eu queria dizer, tão mal e sempre tão sarcasticamente, era não, eu estava pensando em aprender a tocar bateria agora, você se importa?

— Sinto muito por ter te acordado. Vou tentar não fazer mais barulho.

Porra, eu não posso nem ser sarcástico?

— Oh, — Ela disse e sua cabeça saiu das cobertas e se virou para mim. Eu olhei e, ao luar, pude ver seus cachos crespos ao redor do seu rosto enquanto ela olhava para mim. — Tudo bem. Eu não estava realmente dormindo de qualquer maneira.

Bem… Isso foi interessante.

— Er... Tudo bem. — Fiquei feliz quando meu pensamento correspondeu às minhas palavras... Ou não, já que era estúpido e incoerente. Eu acho que o feitiço não cobre isso.

— Você está bem? — Ela perguntou e sentou-se totalmente, alisando o cabelo para trás do rosto. Ela é tão linda que dói olhar para ela às vezes, especialmente com o cabelo selvagem ao redor da cabeça e com a luz pálida contra o lado do rosto.

— Não realmente. — Eu disse e fechei os olhos brevemente para esconder minha irritação em direção ao meu próprio cérebro. Pare de falar!

— Você quer falar sobre a nossa briga?

Não — Claro, eu gostaria de resolver nossos problemas. — Merda.

Hermione olhou para mim por um momento, depois se aproximou e agarrou minha mão, fazendo-me descruzá-los. Sentei-me ao lado dela e olhei para nossas mãos, entrelaçadas, nossas alianças de casamento alinhadas. 

— Acho que você será um excelente pai, Ron. Eu quero filhos com você. Eu não teria casado com você se pensasse diferente, você sabe disso.

— Sim. Eu também quero crianças. — Eu disse e ela sorriu. Brilhante.

— Você acha que poderia trabalhar no palavrão? — Ela tinha os olhos bem abertos, cheios de esperança. Eu queria dizer a ela que eu faria, mas não esperar muito, porque você não pode desfazer anos de prática na arte de trabalhar habilmente em palavras como foda e porra em conversas. Isso é muito para desistir. Eu sabia que soava idiota, mas achei engraçado, e é assim: para iluminar as coisas com humor quando as coisas ficaram pesadas demais.

— Eu... — Eu tentei lutar contra o feitiço para que eu pudesse dizer a ela o que eu realmente pensava, como sempre faço. —  Eu... Posso tentar e... Vou continuar tentando até que você esteja feliz. —  Fui honesto, mas era não o que eu queria dizer. Eu sempre quero fazê-la feliz e sempre tentarei qualquer coisa por ela. Meu estado atual poderia ser usado como evidência para esse fato. Eu me senti enganado, no entanto, como eu senti que não poderia ser mais eu mesmo.

Isso foi até Hermione me beijar, e então todos os princípios saíram pela janela. Suas mãos estavam no meu cabelo e ela estava gemendo na minha boca enquanto sua língua girava contra a minha. Ela se afastou e disse.

— Me desculpe, eu estava agindo tão tensa. Estou tão feliz por termos resolvido isso. Ela me beijou de novo e passou as unhas no meu peito nu, sobre meus mamilos, fazendo-me tremer. — Faça amor comigo.

Claro que sim. 

Seus lábios estavam vermelhos e molhados. Eu podia sentir seus vales dos seios através de sua camisola de seda esfregando contra o meu peito. Passei minhas mãos pelos braços até os quadris e sorri. Seria seriamente complicado transar usando esse feitiço maldito. Eu olhei para o corpo dela, o jeito que a camisola pousava em seus quadris, mostrando o fato de que ela não usava absolutamente nenhuma calcinha.

— Eu quero fazer amor com o seu belo corpo e te agradar muito.

Eu acho que é bem óbvio o que eu estava realmente pensando.

— Oh, Ron. — Ela praticamente ronronou. 

A próxima coisa que eu sabia era que estava deitado com Hermione em cima de mim, mãos no meu cabelo, nos meus ombros, brincando com meus mamilos. Ela estava em toda parte, o tempo todo seus lábios e língua dançando sobre minha boca e meu queixo, pescoço e orelhas. Quem sabia que ser educado na cama a deixaria tão excitada?

— Mmm, me diga o quanto você me quer, Ron. — Ela sussurrou no meu ouvido.

Eu tinha minhas mãos no cabelo dela enquanto ela falava e apertei suas coxas, fazendo-a ofegar, em seguida, gemer contra o meu pescoço. Então ela gostava quando eu era educado, mas ela gostava de algo áspero ao mesmo tempo? Minha mente estava confusa. Depois de muitos anos fazendo amor com essa mulher, acabei de descobrir essa merda.

Eu lambi meus lábios e estendi a mão para agarrar sua bunda sem calcinha. Oh doce Jesus, eu estou no maldito paraíso.

— Eu quero... fazer amor com você e fazer você gritar meu nome, porque isso me deixa tão animado.

Ela congelou em cima de mim e lentamente sentou-se para olhar para o meu rosto encolhido. 

— Mesmo?

— Eu só quero agradar a você. — Eu disse tentando manter meu rosto direto. — Eu te amo. —  Eu nem sequer tive que pensar sobre isso.

— Eu também te amo. — Ela disse com um sorriso e me beijou docemente nos lábios. — Obrigada por tentar. É gentil de sua parte.

Tudo o que tenho a fazer é manter minha boca fechada o tempo todo em que estamos fazendo sexo e depois ir para a cama. Então serei eu mesmo de manhã e ninguém vai ter descoberto.

Eu virei Hermione de costas e finalmente me livrei daquele pedaço provocante de material que ela chamava de camisola. Eu olhei para o seu corpo nu e delicioso, o cabelo espalhado no travesseiro atrás dela, braços acima da cabeça. Ela abriu as pernas e eu me inclinei entre elas, minhas mãos espalmadas no peito entre os seios dela. Normalmente eu diria algo incrivelmente sexy e viril neste momento, mas eu não confiei em mim e nesse feitiço para abrir minha boca então ao invés disso eu abaixei minha cabeça e peguei seu mamilo esquerdo em minha boca, usando minhas mãos para apertar seus seios juntos. Eu me mudei para o outro mamilo e ouvi Hermione gemer de cima de mim. Suas mãos estavam no meu cabelo, puxando, em seguida, me empurrando para baixo. Eu sabia o que ela queria, mas também sabia por experiência que ela também queria ser provocada. Eu costumo fazer isso com alguma conversa leve e uma voz rouca.

Eu me movi lentamente, lambendo e beijando suas costelas, em seguida, sua barriga, rolando minha língua pela sua barriga fazendo-a rir. Finalmente eu estava cara a cara com sua intimidade, digamos assim. O calor e o cheiro que só eram de Hermione, vindo entre suas pernas, eram inebriantes. Eu respirei profundamente e fechei meus olhos. Meu membro era duro como uma pedra, de vez em quando batendo na cama, sua ponta sensível enviando ondas de choque pelo meu corpo.

— Macacos me mordam.

— O quê? — Eu ouvi Hermione dizer.

Eu disse a mim mesmo para calar a boca e mergulhar nela em seu lugar. Ela gritou e suas mãos voaram para os meus ouvidos, apertando-as enquanto eu corria minha língua para cima e para baixo pelos lados de seus lábios rosados. Ela tinha um gosto tão doce e quente, melhor que limonada caseira.

— Oh Deus! Ron!

Eu sussurrei dentro dela e então chupei seus lábios.

 Ela puxou meus ouvidos, apertando meu nariz contra o clitóris.

— Ai sim! Porra!

Bem, pelo menos, se um de nós pudesse xingar que poderia ser ela também.

Eu tomei uma respiração rápida e profunda pela minha boca e comecei a chupar mais forte. Eu deslizei dois dedos dentro dela e de repente eu pude respirar novamente quando ela soltou para agarrar os lençóis em ambos os lados dela. Isso funciona toda vez

Mais gemidos e palavras desconexas.  Essa é a minha deixa para acelerar o ritmo. Eu movi meus dedos mais rápido enquanto lambia em seu clitóris, exercitando meu músculo bem treinado.

— Oh Deus! Oh Deus!

Eu tirei meus dedos e tomei outro fôlego na hora em que suas coxas apertaram minhas orelhas, mantendo minha cabeça no lugar. Eu enfiei minhas mãos sob sua bunda e puxei seu corpo para baixo em um ângulo. Eu parei minha língua e chupei novamente, ainda mais forte e gemi contra sua abertura molhada. Uma vez ela me disse que as vibrações da minha boca a fizeram se endurecer. Eu fiz questão de fazer isso o tempo todo.

— Oh! Não se mexa! Não se mexa! Oh Deus! Sim! Porra, sim!

Como se eu pudesse me mexer. Eu deixei escapar um longo zumbido e senti seu corpo tremendo e batendo contra o meu rosto. Seu orgasmo pulsou para fora dela, gozo caindo em minha boca que eu ansiosamente lambi. Então veio minha parte favorita que eu estava trabalhando o tempo todo, minha cabeça estava entre as pernas dela. Seu coração estava batendo na minha língua através de sua vagina e eu senti que ela estava dentro de mim. É a sensação mais incrivelmente foda que eu já tive e eu nunca vou me cansar disso. Seu orgasmo a deixou sem palavras por alguns longos segundos antes de cair na cama, finalmente me libertando de suas dobras quentes e úmidas.

Sentei-me em meus calcanhares imediatamente respirando fundo, ofegando por falta de ar, e limpei meu rosto com as costas da minha mão. Minha cabeça estava girando, mas valeu a visão à minha frente. Hermione tinha as mãos entre as pernas, os dedos tocando o clitóris inchado, fazendo seu corpo pular quando soltou um suspiro. Ela sempre me disse para não tocá-la depois porque era muito sensível. Quando perguntei por que ela faz isso, ela disse que era porque conhecia seu corpo e queria se sentir aquelas minúsculas rajadas de "eletricidade" que só poderiam acontecer depois de um forte orgasmo. O que diabos isso significava. Eu não me importei, porque vê-la se tocar era muito sexy.

Enquanto eu a observava virar de lado e sorrir para o meu travesseiro, rapidamente me livrei das calças, jogando-as no chão. Minha respiração agora regulada, eu subi em cima de seu corpo nu e suado, meu pau ainda duro arrastando para o lado de sua perna.

— Você e sua vagina estão extremamente escorregadios hoje à noite. Espero que tenha achado meus esforços satisfatórios. —  Beijei seu ombro e revirei os olhos quando ela não pôde ver meu rosto.

Ela se virou de costas e eu me movi para me acomodar entre suas pernas.

 Seu cabelo estava escuro ao redor do rosto, suando fazendo-o grudar em sua pele. Eu estendi a mão e alisei seu cabelo para trás e corri minhas mãos pelas bochechas até o pescoço.

— Muito. — Disse Hermione, em seguida, lambeu os lábios. Ela moveu-se debaixo de mim e eu podia sentir sua intimidade lisa em esfregando contra o meu pau enquanto deslizava entre seus lábios inchados. —  Eu tenho que dizer, estou surpresa com o quão bem comportado você esteve até agora. Eu teria ouvido pelo menos cinco palavrões. Pode haver esperança para você ainda. Suas unhas descendo pelas minhas costas fizeram meu corpo estremecer, mas suas palavras fizeram meu coração apertar. Eu senti como se estivesse enganando ela, o que eu estava. Eu sabia que, se tentasse dizer a ela, as palavras não sairiam certas. Por alguma razão, este feitiço estava fazendo as coisas certas para jogar com os desejos de Hermione e enquanto eu me sentia culpado, eu ainda estava excitado pra caralho. A ponta da minha ereção foi em sua abertura e com um empurrão eu estava dentro. Seu calor se espalhou ao meu redor como um cobertor em um dia frio.

Hermione engasgou e trouxe os joelhos até a minha cintura e trancou seus tornozelos contra as minhas costas, me empurrando mais para dentro.

— Oh doce Merlin barbado!

—  O quê! —  Hermione gritou e começou a rir. Eu abri meus olhos e olhei para ela. Sua expressão era descrença misturada com hilaridade. Eu apenas dei de ombros e comecei a mover meus quadris lentamente, esperando distraí-la. Seus olhos se fecharam e seus dedos seguraram meus ombros. Agradável.

— Mmm, você está tão duro, tão profundo. Isso é bom? —  Ela perguntou quando eu me abaixei para beijar seu pescoço. Eu mantive o ritmo enquanto pensava em quão brilhante pra caralho eu me sentia, mas não me atrevi a afastar meus lábios de sua pele, no caso deles começarem a bater de novo.

Eu gemi em seu pescoço e chupei sua pele. Ela riu baixinho e beijou meu ombro. Suas mãos estavam nas minhas costas, em seguida, deslizou para minha bunda e bateu. Hermione bateu na minha bunda.

— Pelo amor da bruxa tonta. — Eu gritei, contra a minha vontade.

Ela riu novamente. Eu rapidamente movi minha boca e prendi-a em um beijo ardente. Ela imediatamente retribuiu, ofegando em minha boca e mordendo meu lábio. Mordi o lábio para trás e apertei seus seios em minhas mãos.

Eu gemi de desejo enquanto me movia ainda mais rápido dentro dela. A fricção de suas paredes em volta do meu pau estava aumentando, assim como o meu orgasmo. Eu podia sentir isso ficando mais forte quanto mais rápido eu fui. Eu sabia que ela podia sentir isso também porque ela começou a mover seus quadris para cima da cama enquanto eu descia, encontrando-se duro no meio. Eu agarrei sob suas coxas e puxei suas pernas ao redor da minha cintura. Afastando-me do beijo, sentei-me nos meus pés. Enquanto eu continuava a me mover dentro dela, em seguida, segurei-a pelos quadris, me inclinando para olhar para o meu pau duro deslizando para dentro e para fora. Eu olhei para cima e vi Hermione me observando com as mãos amassando seus seios. Mordi meu lábio e rosnei minha frustração e desejo. Meu polegar se moveu para o clitóris e esfregou suavemente quando eu bati nela em um ângulo.

Ela  gemeu alto  enquanto suas pernas saltavam contra os meus ombros e ela segurava seus seios no lugar. Eu grunhi e gemi quando me senti prestes a perder um segundo. Esfreguei meu polegar com mais força até sentir a batida forte de seu orgasmo pendente batendo contra ele.

Ela gritou quando seu segundo orgasmo sacudiu seu núcleo e eu finalmente soltei, me movendo e derramando nela em rápida sucessão. Quando eu senti o último do que parecia ser todo o meu interior sendo expulso do meu corpo, eu puxei para fora com um gemido ofegante alto e rolei para a cama ao lado de Hermione.

 Eu gemi e enxuguei meu rosto vigorosamente com minhas mãos.

— Você está tão engraçado hoje à noite, Ron. — Hermione disse meio sonolenta. Eu adorava ouvi-la falar depois de fazer amor. Ela soava tão diferente de seu eu habitual. Não que eu não goste de sua voz normal, mas havia algo sobre Hermione pós-transa que era tão carinhosa, fofa e sexy.

Eu olhei para ela e sorri. Suas paredes estavam baixas e seu corpo se movia como um felino, esticando e se enrolando em uma bola com um sorriso no rosto. Sempre foi uma coisa boa que eu estava exausto durante estes tempos ou então eu teria que ir outra rodada. Eu não acho que meu corpo poderia lidar com isso.

Eu estava quente, suando e completamente gasto.

 Eu não tinha controle sobre nada depois de deixar uma parte de mim dentro dela. Abri os olhos e olhei para o teto, congelada em choque. 

Eu vim dentro dela. Dentro. Porra!

— Hermione?

— Sim? —  Ela rolou para o meu lado e enterrou o rosto no meu pescoço. Eu instintivamente envolvi meu braço ao redor de seus ombros e a coloquei mais perto.

— Você está ciente do fato de que  nós falhamos em usar contraceptivos? — Isso foi difícil de sair, mas eu tenho o meu sentido, eu acho.

— Eu sei. — Ela disse e eu podia sentir seu sorriso antes de beijar abaixo da minha orelha. Seu cabelo estava fazendo cócegas no meu nariz e eu o soprei impaciente.

— Hermione, eu.

— Não se preocupe. — Ela disse e se apoiou no cotovelo para olhar para mim. Ela sorriu e disse. — Pode não acontecer hoje à noite, mas prometo que vai acontecer em breve. Nós vamos continuar tentando.

Eu olhei para ela, incrédulo. — Você quer dizer.

Ela assentiu. 

— Estou pronta. Vamos ter um bebê. —  Antes que eu pudesse dizer qualquer outra coisa, ela segurou meu rosto e beijou meus lábios. Com os olhos brilhando, ela disse. — E eu sei o que você usou feitiço. Isso me mostrou o quanto você está disposto a tentar por nós e eu amo você, mas eu sinto falta do meu Rony com os palavrões e tudo mais. Só não perto dos meus pais e do bebê, está bem?

Eu balancei a cabeça, ainda em choque. 

Hermione sabia... O tempo todo. Claro que ela sabia! Que idiotice pensar que havia um feitiço que Hermione não conhecia ou não reconheceria. E ela não estava nem zangada comigo. Ela disse que queria um bebê! Inferno sangrento, eu a amo.

Ela bufou e balançou a cabeça para o meu rosto chocado. 

— Quero dizer, honestamente Ron. — Ela revirou os olhos e pegou o cobertor, cobrindo-nos ambos antes de se aninhar em mim mais uma vez.  — Falaremos mais pela manhã, quando acordarmos.

— Você é incrível. — Eu disse. Eu não precisava do feitiço estúpido para dizer isso.

 

 


Notas Finais


💗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...