História Save Me - Destiel - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Supernatural
Personagens Castiel, Dean Winchester, Sam Winchester
Tags Destiel, Entidade Cósmica, Jack
Visualizações 85
Palavras 2.536
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Famí­lia, Ficção, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi seus lindos. Tudo bem com vocês? Eu estou muito bem. Quero dizer, agora eu estou. É, eu não vou enrolar para ir para o que interessa porque já demorei demais para atualizar.

Obs: Eu comecei a fazer curso de administração e estou super atolada de coisas para fazer. Por isso, provavelmente demorarei para atualizar essa e minhas outra Fanfics. Sem contar que estou na produção de uma nova Fanfic Destiel (AU) e talvez logo eu traga o primeiro capítulo para vocês verem.

Boa leitura

Capítulo 3 - Eu Preciso Descobrir Quem Sou


Narração Dean on.         

Com tudo o que aconteceu acabei me esquecendo do encontro com a Rachel. Eu não sei por que, mas tenha a impressão que a conheço de algum lugar. Bom, isso não importa. Eu não estou mais com cabeça para sair.

(Sam): - Castiel está dormindo. – Sammy avisou entrando na sala com uma garrafa de cerveja, que ele me entregou assim que parou ao meu lado: - Você acha mesmo que ela é um anjo?

(Sam): - A Castiel está dormindo. – Sammy avisou entrando na sala com uma garrafa de cerveja, ele me entrega: - Você acha mesmo que ela é um anjo?

(Dean): - Pelo menos agora ela tem o nome de um. – Respondo frio, eu realmente queria ajudar aquela moça, mas eu estava incomodado com algo que eu não sabia o que era: - Havia mesmo necessidade de colocar o nome do Cas nela?

(Sam): - Castiel é um nome como qualquer outro. Eu apenas sugeri e ela gostou. – Sammy responde e eu reviro os olhos. Ás vezes me espanta a maneira fria que meu irmãozinho fala do Cas: - Eu não pensei que isso fosse chatear você.

(Dean): - Você nunca pensa. – Respondo com um sorriso ironico: - Mas eu não estou chateado. – Minto, eu não sei o motivo, mas me incomoda a ideia de ter outro anjo em nossas vidas, ainda mais um em uma casca feminina e o pior com o nome do meu melhor amigo: - Eu só espero que o garoto consiga curar ela logo. – Digo fitando o relógio no celular: - Bom, acho melhor irmos descansar porque temos muito trabalho pela frente. – Dou uma última golada na minha cerveja, deixo a garrafa em cima da mesa e sigo para o meu quarto. Eu preciso de um banho.

Narração Dean of.

***

Narração Castiel on.

Eu não conseguia dormir, então decidi ir até a cozinha pegar alguma coisa para comer. Eu estava faminta, parecia que não comia há dias, ou talvez anos.

Quando desci percebi que Dean e Sam estavam conversando, o mais velho parecia bravo com o mais novo.  Acho que o tal Castiel era um amigo do Dean e ele não gostou de eu ter pegado esse nome emprestado.

Resolvo voltar para o meu quarto, pegar as minhas coisas e ir embora. Eu não quero dar problema para os irmãos e o garoto, ele têm sido tão legal comigo.

(Dean): - Oi... – O loiro disse batendo na porta, colocando metade do corpo para dentro do quarto: - Eu posso entrar? – Aceno em sinal de sim e ele entra: - Eu ouvi um barulho e vim verificar se está tudo bem.

(Castiel): - Eu acho que sim. – Respondo sem olhar para ele, o contato com Dean fazia meu coração disparar e eu não entendia bem aquela sensação: - Amanhã eu vou arrumar outro lugar para ficar.

(Dean): - O que? Por quê? – Perguntou confuso: - Se for pela maneira que nós te tratamos no começo, eu quero que você saiba que...

(Castiel): - Eu vi você e os seus irmãos discutindo por minha causa. – Digo finalmente encarando o loiro de olhos verdes: - Eu não quero causar problemas.

(Dean): - Sam e eu não brigamos por sua causa. – Respondeu sério, aproximando-se de mim, mas eu me afasto e o loiro recua: - Ok, eu não gostei dele ter sugerido que você use o nome do Cas, mas isso é uma coisa pessoal minha. Não tem nada haver com você.

(Castiel): - Pelo o que eu entendi Castiel era um anjo, como talvez eu seja. – Dean assentiu, mas seu olhar estava distante: - Castiel era uma mulher de sorte. – Sorrio, ganhando um olhar confuso do Winchester mais velho: - Espera, ela não sabia que você era apaixonado por ela? – Perguntou ao perceber o olhar vazio do Winchester mais velho.

(Dean): - Sim, Castiel era um anjo, mas a casca dele não era tão bonita igual a sua. – O loiro respondeu com um sorriso, acho que galanteador e eu sinto uma sensação estranha, como se meu corpo estivesse em chamas: - Castiel era o meu melhor amigo. Nada mais que isso.  – Disse com um olhar convicto, como se ele mesmo estivesse tentando se convencer do que havia dito.

(Castiel): - É que pelo jeito que você fala dele, eu pensei que... Esquece. – Eu não acredito que dei um fora desses e ainda para piorar estou sentido um aperto ruim do peito, como se ouvir Dean dizer que o tal Castiel era apenas seu amigo me fizesse o ser maus infeliz do mundo: - O que aconteceu com ele? – Perguntou secando o liquido salgado que saia de meus olhos, voltando a me virar para encarar o loiro de olhos verdes que me fazia ter bilhões de emoções.

(Dean): - Ele morreu. – Seus olhos ficaram ainda mais sérios e eu percebo o mesmo liquido transparente tentando escapar de seus olhos, mas ele parecia fazer de tudo para impedir: - Mas vamos voltar a falar de você. – Disse esfregando os olhos, aproximando de mim. Sinto meu coração voltar a disparar: - Eu sei que você não acredita nessas coisas, mas eu acho que não é uma boa ideia te deixar enquanto você ainda está desse jeito.

(Castiel): - Eu não quero causar problemas. – Repito, voltando a me afastar do loiro que sorriu ao perceber meu estado toda vez que ele se aproxima: - Eu vou procurar ajuda para resolver o problema da minha memoria.  Um médico talvez.

(Dean): - Se você quiser ir embora, eu não vou poder te impedir. – Ele sorri e eu sinto meu coração sair pela boca: - Mas se Jack não conseguiu te curar, é pouco provável que um médico consiga. –  Quando percebo Dean está na minha frente: -Sam, Jack e eu queremos te ajudar. – Ele sorri, segurando a minha mão. Acho que vou ter um ataque coração ou algo do tipo: - Me deixa proteger você. – Ele pede, sussurrando em meu ouvido. Eu sinto cada parte do meu corpo se arrepiar.

(Castiel): - Está bem. – Eu não sei como, mas conseguir me afastar novamente: - Eu vou ficar até que consiga recuperar minha memoria. . – Digo tentando mais uma vez olhar diretamente para o loiro: - Agora acho que eu preciso dormir. – A verdade era que não estava com nenhum sono, mas se Dean continuasse ali, era capaz de algo muito errado acontecer.

(Dean): - Tudo bem. – Respondeu com um sorriso compreensivo: - Se precisar de alguma coisa é só me chamar. – Disse saindo do quarto.

Por que Dean mexe tanto comigo?

Narração Castiel of.

***

Narração autora on.

Dean estava em lugar escuro, sem portas, janelas ou qualquer coisa que poderia explicar onde ele estava.

(Dean): - Alguém! – Gritou mais uma vez sem sucesso: - Essa brincadeira já está ficando chata. – Reclamou.

(Castiel): - Dean... – O Winchester mais velho se estremeceu todo ao ouvir a voz do seu anjo, o seu melhor amigo.

(Dean): - Castiel? – Respondeu virando-se para trás, mas a voz vinha de longe: - Cas é você? – Perguntou tentando andar pela aquela escuridão: - Castiel está tudo bem. Eu estou aqui. – A voz de Castiel ficava cada vez mais distante e isso estava deixando o loiro desesperado.

(Castiel): - Dean acorda. – De repente Castiel apareceu e tomou a formula da mulher que Dean havia atropelado.

(Dean): - Castiel é você. – O loiro sorriu ao ver a morena de olhos azuis: - Mas espera, onde está o Castiel? – Perguntou confuso.

(Castiel): - Você tem que acordar. – Respondeu jogando uma garrafa com água no loiro que acordou rapidamente, afogando-se com a água.

Sonho Dean of.

Narração autora of.

Narração Dean on.

Acordo todo encharcado, na mesa da biblioteca do Bunker.  Como eu vim parar aqui?

(Dean): - O que aconteceu? – Perguntou confuso olhando para Castiel que ria sem parar: - Espera, foi você que me molhou?

(Castiel): - Desculpe. – A morena pediu, segurando os risos. Ela realmente achou graça em me molhar. Eu poderia pegar uma gripe: - Eu vim descer para comer alguma coisa e vi você dormindo, parecia que estava tendo um pesadelo. –Dessa vez ela respirou fundo e me entregou uma toalha para me enxugar: - Eu fiquei preocupada.

(Dean): - É eu tive mesmo um pesadelo. – Essa não é a primeira vez que sonho com o Castiel, mas dessa vez o sonho foi diferente, era como se Cas quisesse falar comigo, me pedir ajuda: - Eu acho que estou ficando louco.

(Castiel): - Eu acho que ter pesadelos é normal. – Não pude deixar de notar o sorriso tímido que ela fazia sempre que me encarava, isso quando ela o fazia: - E se você é mesmo um caçador de monstros como você diz, acho que seria estranho não sonhar com essas coisas.

(Dean); - Esses pesadelos são diferentes. – Respondi ganhando o olhar confuso da morena, aquele olhar, aquele jeito, me lembram tanto o ... Não, Dean. Isso é loucura: - Você já comeu? – Pergunto tentando espantar meus pensamentos malucos para longe.

(Castiel): - Na verdade não tinha muitas coisas na dispensa. – Respondeu tímida, percebendo a minha mudança de assunto: - Eu peguei um pedaço de torta que estava na geladeira.

(Dean): - Você pegou a minha torta? – Perguntou aumentando o tom de voz, o que eu acho que a assustou um pouco e eu me recomponho: - Ok, você pegou a minha torta e por incrível que pareça eu não estou bravo.

(Castiel): - Não é o que parece. – Murmurou tímida: - Me desculpe, eu não devia mexer nas coisas sem permissão.

(Dean): - Você pelo menos gostou da torta? – Pergunto me fazendo de sério, ganhando um sorriso como resposta positiva: - Então está tudo bem. – Respondo sincero: - Agora eu vou para o meu quarto tentar descansar um pouco. – Digo pegando a toalha e colocando nos meus ombros: - Se eu fosse você tentaria fazer o mesmo.

(Castiel): - Eu vou. – Respondeu sorrindo: - Dean... – Me chamou, fazendo-me virar para olha-la: - Obrigada por estar me ajudando.

(Dean): - É o mínimo que eu posso fazer depois de ter atropelado você. – Respondo com um sorriso tímido. Eu não sei por que, mas também ficava nervoso perto dela: - Amanhã eu vou com o Sam comprar algumas coisas para você comer. – Digo simpático, ganhando um sorriso doce de agradecimento de Castiel e isso fez meu coração bater forte, como só acontecia quando estava com... Para Dean, aquilo não tem nada haver com essa situação: - Até amanhã. – Me despeço, saindo praticamente correndo da sala, provavelmente deixando uma Castiel confusa para trás.

Eu realmente estou ficando louco.

Narração Dean of.

***

Narração Castiel on.

Acordo e escuto um barulho de televisão vindo do quarto ao lado. Acho que é o quarto do mais novo, se não estou enganada, o nome dele é Jack.

(Castiel): - Oi, Jack? – Digo dando uma batida na porta, colocando metade do meu corpo para dento do quarto: - Eu posso entrar? – O garoto sorri e faz sinal de “sim” com a cabeça: - Eu procurei o Dean e o Sam, mas acho que eles saíram.

(Jack): - Eles foram resolver um caso, mas o Dean já foi ao mercado e comprou um monte de coisas para você comer. – Respondeu todo simpático, esse garoto é tão doce: - Eu acho que eles vão chegar só no final da tarde.

(Castiel): - Você já comeu? – Perguntou preocupada, pelo jeito o garoto nem saiu do quarto: - O que acha de irmos comer alguma coisa e depois procurarmos alguma coisa legal pra gente ver nessa caixa falante.

(Jack): - Isso é uma televisão. – Explicou com um sorriso doce: - Eu também acho engraçado o jeito que ela fala. – Ele ri, me fazendo rir também: - Está tudo bem com você, Castiel?

(Castiel): - Tirando o fato de eu estar sem memória, eu estou muito bem. – Sorrio: - Você chegou a conhecer o outro Castiel, aquele que eu estou pegando o nome emprestado?

(Jack): - Mais ou menos. – Respondeu um olhar distante, o garoto parecia ter ficado triste; - A minha mãe deixou o Castiel para me proteger e por minha culpa ele morreu.

(Castiel): - Sua culpa? – Pergunto confusa, aproximando-se do garoto e sentando ao lado dele na cama: - Eu não acho que um garoto tão doce como você seria capaz de ser o culpado pela morte de alguém, ainda mais de alguém tão especial como esse tal Castiel parecia ser.  – Sorri, limpando as lagrimas que começaram a correr pelo rosto do menino: - Você sim é um anjo.

(Jack): - Na verdade eu sou um Nephilin. – Tá, agora eu estou mesmo muito confusa: - Eu sou filho de um anjo com uma humana.

(Castiel): - Então o Castiel é o seu pai? – Pelo o que eu entendi, esse tal Castiel era um anjo: - Isso é loucura.

(Jack): - O Castiel não é meu pai. – Respondeu sério, me encarando diretamente nos olhos: - Eu queria ser filho dele, queria poder ser bom e gentil como ele era. – Percebo as lagrimas querendo correr pelo rosto do garoto, sua vez estava embargada: - Mas eu sou filho do mal e por minha culpa Dean e o Sam, a única família que eu conheci, meus únicos amigos, perderam todas as pessoas que eles amavam. –  Nesse momento as luzes começam a explodir e os olhos de Jack fica dourado: - Se eu fosse você ficaria longe de mim.  – Eu estava assustada, aquilo tudo era muito surreal até pra mim que não me lembrava de nada antes de acordar no calabouço desse lugar: - Eu não quero machucar você, Castiel. – Disse calmo, voltando com os olhos normais: - Eu não quero ser mau como o Lú... Eu não quero ser mau como o anjo maldito que é o meu pai.

(Castiel): - Você não precisa. – Aquilo tudo ainda era muito loucura, apesar de ter visto o que acabei de ver com meus próprios olhos, pensar que Jack é realmente filho de um anjo com uma humana, e aceitar a ideia que eu sou realmente um anjo sem memória, me assustava muito: - Eu acredito que cada um de nós somos livres para escolher como queremos ser. – Começo a falar, ganhando o olhar atento e curioso de Jack, ele parecia estar mais tranquilo: - Não é porque o seu pai era um cara mau, que você também é assim. – Sinto uma vontade enorme de fazer carinho no rosto o garoto e ele pareceu gostar do gesto: - Eu tenho certeza que você é um bom menino.  – Nesse momento sou pega de surpresa por um abraço: - Agora que tal irmos comer antes que a minha barriga ronque tão alto que até quem está do outro lado do mundo vai ouvir. – Brinco, fazendo Jack rir: - Eu gosto de te ver assim, sorrindo. – Digo depositando um beijo na bochecha do garoto e depois partimos rumo à cozinha.

Jack e eu passamos uma tarde muito agradável, cozinhamos, assistimos filmes, jogamos e conversamos bastante. Ele é um bom garoto e apesar de não acreditar ainda na ideia de que eu seja um anjo, eu sinto que devo protegê-lo e cuidar para que nada de mal aconteça com ele.

Eu preciso descobrir quem sou.

Narração Castiel of.


Notas Finais


Dean sonhando com o "Grande Vazio"? Eu acho que lá no fundo Dean está percebendo que a Castiel é o seu Castiel. Vocês não acham o mesmo? Mec contem o que acharam do capítúlo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...