História Save Me (Camren G!P) - Capítulo 23


Escrita por:

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Ally Brooke, Austin Mahone, Brandon Flynn, Camila Cabello, Camren, Demi Lovato, Dinah Jane, Fifth Harmony, Lauren G!p, Lauren Jauregui, Lucy Vives, Megan Fox, Miles Heizer, Normani Kordei, Norminah, Selena Gomez, Shawn Mendes, Vercy, Veronica Iglesias
Visualizações 724
Palavras 3.957
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Nudez, Pansexualidade, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hi Babies!
Erros arrumo depois, boa leitura.

Capítulo 23 - Atrás do passado.


Atordoamento, confusão mental, desorientação.

Isso tudo Camila vem sentido desde a conversa na casa de Clara, isso já faz dois dias e como Camila está? Parecendo um zumbir. Ela está no piloto automático, não come, não bebe nada, não está dormindo, não presta atenção nas aulas e não abre a boca pra nada.

- O que será que a Cabello tem? - Ally sussurrou para Miles que deu de ombros.

Estavam no refeitório, as irmãs Jauregui estavam na mesa juntos com seus amigos e no outro lado do refeitório estavam os irmãos Cabello e seus amigos, parecia que Camila não estava lá, ela estava quieta enquanto seus amigos conversavam baixinho ao lado dela, Shawn também não estava muito concentrado na conversa mais assim mesmo falava algumas coisas.

Camila e nem Shawn haviam falado sobre a conversa na casa dos Jauregui, e não estavam preparados para isso.

- Lauren, brigou com a Camila? - Normani perguntou e a amiga negou.- Então porque tudo isso? - Lauren encarou a amiga e depois Megan, que estava apenas cutucando seu almoço com o garfo. - Será que alguém pode me responder?

- Não está acontecendo nada, Mani. - Megan respondeu e jogou o garfo no prato para logo passar as mãos no rosto.

- Vocês estão estranhas. - Vero se pronunciou. - O rei e a rainha alí...- apontou para mesa dos Cabello. - Estão iguais zumbis, e vocês estão com cara de quem esqueceu de estudar para uma super prova.

- Não está nada acontecendo! - Lauren bufou, ela já estava ficando irritada.

- Lauren, se você brigou com a rainha dos pompons não é culpa nossa tá bem?! - Miles resmungou.

- Não temos culpa se a vaca te fez algo. - Dessa vez Ally havia estourado o pouquinho de paciência que Megan e Lauren tinham.

Megan se irritou e pegou Ally pelo braço, assustando todos no refeitório, menos Camila que ainda olhava pro nada.

- Já chega, Allyson! - Ally estava assustada, Megan nunca havia falado assim com ela. - Problema é seu se não gosta da Camila, mas xinga-la na minha frente ou na frente de Lauren já é demais. Eu não estou me importando se temos uma amizade de anos, Camila pode ter aparecido como um estalo na minha vida e na de Lauren, mas se tornou como uma irmã pra mim e se você falar algo sem saber eu não respondo por mim. - Soltou bruscamente o braço da menor que assim como todos no refeitório estavam assustados. - Peço desculpa por isso, Allyson. Mas você passou dos limites, espero que um dia você entenda porque estou contra você.

- O que quer dizer?

- Não só pra você, mas pra todos. - olhou para seus amigos e suspirou. - Eu não tenho cabeça pra continuar a ouvir algo de uma pessoa tão maravilhosa como Camila e fica de braços cruzados. Quando à verem como eu vejo, vocês entenderam. - Ela virou e foi para mesa dos amigos de Shawn, sentou ao lado do namorado é o abraçou. Fez um leve carinho no braço de Camila que nem se quer se mexeu.

- Você também vai pra lá, Lauren? - Vero perguntou indignada ao ver a amiga levantar.

- Camila é uma boa pessoa, não é nada do que vocês acham dela ou do irmão e muito menos dos amigos. - Suspirou olhando para a namorada que levantou e antes de começar a andar para dentro da escola, falou. - Megan e nem eu falamos sobre isso pra vocês, mas eles perderam os pais a pouco tempo e perda deles, o que eles estão sentindo agora, e o que está acontecendo na vida deles está sendo doloroso. Como Megan disse, quando você os verem como são, vocês iram se arrepender e talvez seja tarde. - Ela jogou o almoço no lixo e seguiu para dentro da escola, indo atrás de Camila.

- Espera... Eles perderam os pais? Como não havíamos recebido essa notícia? - Miles perguntou totalmente surpreso.

- Você sabia, Mani? - Vero perguntou e a morena negou.

- Dinah não me falou nada. Talvez eles não queriam que soubéssemos.

- Tá tudo bem Ally? - Miles cutucou a amiga que apenas assentiu.

Ally se sentia mal, ela não sabia da perda dos irmãos, e estava tão triste por está agindo daquele jeito, talvez seja pena dos irmãos. É, talvez seja isso, Ally nunca se importou com nenhum daquele grupo, na verdade ela se importava apenas no Austin, mas não vinha ao caso.

A garota levantou e caminhou para dentro da escola, como estavam no refeitório poucos alunos passavam pelo corredor, ela ouviu alguém fungar e parou antes que virasse o corredor. Ela espiou rapidamente e viu Camila abraçada a Selena e Demi, falavam alguma coisa para ela que apenas assentiu, viu Selena pegar a bolsa e se despedir de Demi rapidamente, Lauren apareceu e entregou a bolsa de Camila a Selena, deu um beijo na testa de menor que se encolheu e começou a caminhar para fora da escola com a mãe.

Demi chamou Lauren para dentro da sala e Ally suspirou. Tinha mais alguma coisa alí, e ela iria descobrir, não sabe como, mas ia.

[...]

Sofia caminhou até as duas lápides que estavam os nomes de seus pais, colocou as rosas sobre elas e sorriu.

- Vocês nem se despediram. Isso é feio. - Suspirou. - Obrigada por tudo, mesmo às vezes não podendo irem me visitar e visitar Zooey. Eu falei com ela, falei que vocês foram ajudar papai do céu, a garota é esperta e sabe que vocês não vão voltar. - Sentou no gramado. - Quero dizer que irei atrás de Camila, vocês falaram que na hora certa era pra falar toda a verdade, e bom... é a hora. - Olhou para trás e viu seu amigo olhando para os lados. - Venho outro dia, e se der certo, trarei notícias boas. Eu amo vocês.

Sofia levantou e caminhou até Josh, seu amigo parecia nervoso.

- Você tá bem?

- Como alguém fica bem no meio de um cemitério? - Sofia riu e entrou no carro, Josh entrou no banco do motorista e ligou o carro, estava louco pra sair de lá. - Qual a próxima parada?

- Vamos pra casa, tenho que te contar algo.

Josh é seu único amigo, depois do acidente ela foi morar com os avós e Zooey, Alejandro e Sinu sempre iam visitá-la, levavam notícias de Shawn e Camila, soube que depois do acidente seus amigos e dos irmãos naquela época, que diziam serem amigos, se afastaram por pensarem que os dois haviam ficado loucos.

Sofia teve a oportunidade de explicar tudo a seu amigo, ele compreendeu bem e jurou ajudar Sofia a ir atrás dos irmãos. A garota agradecia aos céus por ter aquele garoto ao lado dela e Josh agradecia por ter ela ao lado dele. Um amor que nenhum dos dois sabiam que nasceria.

[...]

Camila olhou para o teto do consultório de Saen e se perguntou porque havia deixado de frequentar aquele lugar. Foram três longos anos sem ir ali, ela sentia falta do seu psicólogo.

- Minha menina, se você não começar a fala serei forçado a te colocar em uma cadeira elétrica. - Camila encarou o homem e ele viu a dor que ela sentia, seus olhos demonstravam isso. - Seus olhos estão mais claros, está se alimentando?

- Não consigo. - Sussurrou.

- Quer me contar o que te atormenta? - Ajeitou o óculos e Camila assentiu. - Pode começar, temos bastante tempo.

- Primeiro pela morte dos meus pais. - Voltou a encara o teto vermelho. Se ajeitou no divã e fechou os olhos. - Achei que depois que morreram eu estaria mais leve, sem saudade, mas está tudo ao contrário.

- Como ao contrário?

- Eu morro de saudades deles, todos dos dias. Olho para fotografias deles e sinto um aperto no peito, eu sinto tanta falta deles. - Suspirou.

- Sentir falta de algo ou alguém é totalmente normal. Intensas emoções, como tristeza extrema, raiva ou medo. Isso é normal, não se preocupe.

- Não me preocupo.

- Então, porque sinto que algo te preocupar?

- Tudo o que vem acontecendo após a morte deles. - Abriu os olhos encarando o teto. - Descobrir que tenho um irmã gêmea.

- Uau. - O doutor falou surpreso. - Isso não é bom? Qual o nome dela? Sabe alguma coisa dela?

- O nome dela é Sofia, e não sei nada além de que ela trabalha em uma lanchonete. E eu não sei se é uma coisa boa, eu ainda não consigo pensar direito, eu estou que nem um zumbir, Sean. - Suspirou e continuou. - Meu estado emocional está me acabando, e ainda mais descobrir que tenho uma filha.

- Como assim descobriu que tem uma filha?

- Eu fui atrás de respostas, mesmo sabendo que poderiam me machucar. - Camila sentiu lágrimas descerem por suas bochechas e limpou.

- Machucou como?

- Sinto uma dor no peito, saber que eu tenho uma filha e não poder segura-la, abraça-la e lembrar do tempo em que estive grávida é demais pra mim. Me dói mais saber que eu surtei ao vê-la no hospital, e surtar com Sofia. Meus pais não falaram a verdade, e eu não entendo porque!

Camila sentou-se e olhou para o psicólogo, o senhor de 86 anos tirou o óculos, limpou e pôs de volta.

- Entenda criança, seus pais também era esquizofrênicos, eles se trataram comigo por muitos anos e conseguiram até o momento em que o acidente aconteceu.

- Espera, você sabia do acidente?

- Todos sabiam querida. Os jornais passaram dias falando sobre isso. Eu só não sabia que estava grávida e tinha uma irmã. Seus pais protegeram não só vocês como sua irmã e sua filha, eles sabiam que se os surtos foram seguidos eles só iriam piorar, foi uma sábia decisão e ao mesmo tempo a pior.

- Eu tenho medo...- Encarou o médico novamente. - Medo que Sofia e minha filha também sejam esquizofrênicas.

- Não se preocupe com isso criança. Quando se é ou tem parentes com esquizofrenia a chance de um filho seu ou de outro parente ter é de dez por cento. Infelizmente vocês não tiverem a sorte dos noventa por cento. - Camila assentiu. - Sua irmã, ela é da mesma placenta que você?

- Não, não somos idênticas. Temos traços iguais como deveríamos, mas creio que não somos.

- Então não tenha medo, ela pode não ter essa doença e muito menos sua filha.

- Eu não sei o que fazer em relação a minha filha e Sofia.

- O que você quer fazer? - Camila mordeu lábio inferior e pensou. O que era realmente queria?

- O que eu quero? - Levantou a cabeça e encarou o médico que lhe ofereceu um sorriso incentivador. - Sair pelas ruas em Nova York, bater em cada porta atrás da minha filha e da minha irmã, abraça-las e dizer que nunca mais eu irei deixá-las, nunca mais irei surtar ao vê-las.

- E o que falta? O que te faz não querer ir?

- O medo da rejeição, novamente.

- Seu medo não é mais forte que você. Camila, você e seu irmão sabem como lidar com a doença, e sei que conseguem. - Colocou as mãos sobre a de Camila. - Você tem pessoas maravilhosas ao redor e não digo isso apenas por ter ouvido vocês falarem sim por ter um tempo não só com suas mães, e sim com seus amigos e com sua namorada e a do seu irmão. Tive a oportunidade de conversar com cada uma e ver que minha missão está acabando por aqui.

- O que quer dizer com isso, Sean?

- Quero dizer que não estou mais com condições de continuar trabalhando, tenho filhos e uma esposa que precisam da minha companhia. Você e seu irmão foram como filhos, cuidei de vocês por muito tempo e agora chegou a hora de vocês voarem. Deixar o medo no chão e voarem.

- Você vai se aposentar?

- Eu já estava. - Soltou um risinho e limpou as lágrimas do rosto de Camila. - Não chore. Eu sempre vou está com vocês, mesmo não estando nas consultas. Meu filho mais velho ficará em meu lugar, ele é um bom psicólogo, eu gostaria que continuassem as consultas e não parassem. Seu irmão e você são meus filhos e quero os dois bem, quero ter a honra de conhecer sua irmã e sua filha, meu tempo está curto e preciso curtir minha família e quero que faça um favor para mim certo?

- Claro. - Ela chorava e ao mesmo tempo sorria. Sean não estava diferente, ele realmente amava aqueles dois.

- Seja feliz minha filha, viva o amor, viva a sua vida, vá atrás de sua filha, da sua irmã, abrace o tempo e seja feliz. Sei que vai cumprir com isso e sei que assim como seus pais eu também ficarei orgulhoso. Avise o menino Shawn que ele terá uma consulta comigo ainda está semana, preciso me despedir dele também, e da alguns puxões de orelha. - Riram. - Eu amo você criança.

- Eu também amo você, Sean. - O abraço de um pai que Camila precisava, está ali, nos braços de Sean.

Camila iria continuar com sua consulta, queria da o melhor para sua família. Agora que ela tem um pequeno ser a ir atrás, ela precisa ficar bem. Por Zooey e por Sofia, e principalmente, por ela.

[...]

Megan abriu a porta do quarto e correu pra sua cama, ela estava cansada e precisava descansar. Mas seu sossego não durou muito, o celular começou a tocar, viu que era Camila e franziu o cenho.

- Oi, Mila. Tá tudo bem?

- Preciso da sua ajuda.

- Eu não sou especialista em esconder corpos. - Camila soltou uma risadinha e Megan sorriu, Camila estava bem.

- Não é nada disso.

- O que é então?

- Você pode me acompanhar até minha antiga casa?

- Porque você quer voltar lá?

- Te explico no caminho. Pode me acompanhar?

- Claro, posso sim. Quer que eu vá te buscar ou...

- Já estou aqui na frente. Só não fala nada pra Lauren tá bem?!

- Tá bem. Tô descendo.

Megan trocou de roupa e saiu rapidamente, pra não correr o risco de alguém vela. Entrou no carro de Camila e a abraçou.

- Você me parece mais viva. - Camila sorriu.

- Tive uma ótima conversa com um amigo. - Acelerou o carro. - Te chamei porque eu precisava de sua ajuda pra procurar algumas coisas no porão e bom, não queria meus outros amigos me perguntando nada, ainda irei conversar com eles. Não chamei Lauren porque sabia que ela não me deixaria ir.

- Tem razão. E Shawn?

- Tem uma consulta com o nosso psicólogo. - Megan assentiu e ligou o rádio. - Quero que me prometa que se algo acontecer, você me apague.

- Oi? Como assim? - Desligou o rádio rapidamente.

- Eu estou indo atrás de algo que eu sei que pode não me fazer bem, e se eu vim a surta irei precisar de alguém para me ajudar. Por isso te chamei, sei que ainda tem uma raivinha de mim escondida aí dentro. - Camila soltou uma risadinha e Megan a olhou como se ela fosse doida.

- Você come merda? - Camila revirou os olhos. - Eu não vou te apagar e se eu soubesse que se tratava de algo que vai te fazer mal, eu nem iria vim e deixar você vim.

- Se eu soubesse que ficaria reclamando iria chamar algum doido da rua pra fazer isso.

- Vamos voltar. - Megan mandou assim que entraram pelo portão da antiga casa de Camila.

- Não. Já estamos aqui e eu preciso fazer isso.

- Pra quê você quer fazer isso?

- Se eu quiser ter minha filha e minha irmã de volta, terei que enfrentar tudo. Do começo de tudo até agora. - Camila encarava Megan que suspirou.

Camila queria fazer o certo, ela iria enfrentar tudo pela filha e pela irmã, começando a lembrar do momento em que engravidou de Zooey, e ela não iria parar até lembrar de tudo.

- Eu te odeio, sapabello. - Resmugou Camila comemorou abraçando a amiga.

- Pega. - Entregou um vidrinho com um paninho branco.

- O que é isso?

- Clorofórmio.

- Ó sua idiota, quer morrer? Não vou te apagar com isso!

- É isso ou pega o taco no porta-malas. - Camila saiu do carro e Megan bufou, colocou o pequeno vidrinho no bolso no sobretudo e caminhou atrás de Camila. - Vem. - Abriu a porta e Megan a seguiu. Ligou as luzes e suspirou.

- Credo, dá medo.

- Sabe, eu não me sinto mais estranha aqui. Talvez seja porque não tenho mais o que temer.

Megan segurou a mão de Camila e caminharam para o porão, aquele lugar não era aberto por muitos anos. Entraram e ligaram as luzes, tinha várias caixas ali, enormes quantidades de poeira.

- Ai que horror! - Megan exclamou vendo uma baratinha passar ali.

- É só uma barata, Megan.

- Vai que é voadora. - Camila revirou os olhos. - O que vamos procurar?

- Todos os jornais do dia 16 de outubro em diante, preciso saber se meus pais guardaram aqui.

A caça aos jornais começou, Megan às vezes soltava uns gritinhos ou xingamentos quando se assustava.

Camila encontrou as caixas com troféus de seus pais, encontrou caixas cheio de livros antigos, e entre outras coisas.

- Mila, olha. - Megan levou a pequena caixa de vidro até Camila, ali estava o uniforme de líder de torcida de sua mãe, vermelho e branco, estava também a jaqueta das líderes com a letra "E". - Ela estudava no Dalton também?

- Sim, ela era capitã.

- Por isso você sempre foi?

- Sim, achava que eu deveria seguir o mesmo processo que ela. - Sorriu. - Acho que vou levar para casa.

- Tem o uniforme do seu pai ali. - Apontou para a outra caixa, estava o uniforme completo de Alejandro, assim como a jaqueta com a letra "C". - Leve dele também, Shawn vai gostar de ver.

- Tudo bem. Vamos deixar aqui.- Colocou as duas caixas de vidro sobre uma mesinha.

Continuaram procurando, passaram boas horas ali até encontrar o que queria. Uma caixa com vários jornais.

- Tá tudo bem.- Megan segurou no ombro de Camila que assentiu e tirou os jornais. Todos com legendas diferentes, mas as mesmas imagens, dês do dia 16 até o dia 20 de outubro, não se falava nada além daquilo. Nas primeiras folhas dos jornais.

"Proprietários da imobiliária KSS Cabello são vítimas de acidente quando estavam saindo da cidade"

"Um dia após a acidente envolvendo os proprietários e seus filhos da KSS Cabello aparece novas evidências sobre o caso"

"Filhos dos empresários Cabello sofrem amnésia retrógrada após acidente"

"Segundo o hospital Central, a causa do acidente fizeram os dois filhos do casal Cabello surtarem após acordarem"

"KSS entra no ranking de maiores empresas e a filha mais nova surta em comemoração"

- Megan...- Se apoiou na cunhada que a ajudou a sentar no chão, em sua cabeça começou a passar vários flashback do dia da comemoração e Camila parecia dormir de olhos abertos.

Camila deu um pequeno sorriso aos empresários que passavam por ela, Shawn falou que iria encontrar algum tipo de bebida para eles, aquilo estava um tédio.

- Olá. - Um homem se aproximou de Camila e ofereceu um sorriso.

- Oi. - Falou sem muita vontade.

- Meu nome é Jerry.

- Camila. - O homem que parecia ter quase uns 60 anos sorriu.

- É filha dos donos da KSS?

- Sim. - Ela estava procurando o irmão, mas ele resolveu sumir de sua vista.

- Você é bastante bonita. - ela encarou o homem.

- Olha, não sou pro seu bico velho babão.

- Qual é, menininhas como você adoram um homem como eu.

- Como é?

- Adoram dinheiro, poder e uma boa noite de sexo. - Camila acertou um belo tapa na cara do homem, isso chamou a atenção de todos que estavam ali.

- Olha aqui seu velho desgraçado, eu vou acabar com você! - Pegou uma garrafa de vinho que estava em uma mesa próxima e tacou na cabeça de Jerry, o homem cambaleou para trás e levantou um pouco a cabeça, Camila tinha um sorriso de satisfação ao ver o sangue escorrer pela cabeça do homem. Ela iria acertar outra garrafada no homem, mas Shawn apareceu e tirou a irmã dali, ela gritava que iria matar o homem enquanto Shawn a arrastava dali.

- Acorde Cabello! - Camila levantou de supetão do colo de Megan. - Graças a Deus! - abraçou Camila. - Camila...

- Tá... Tá tudo bem.- Megan suspirou. - Eu lembrei do dia do surto. - Comentou sentindo sua cabeça doer. - Aquele imbecil pediu por uma garrafada na cabeça. - Resmungou.

- Quem?

- Meu surto na comemoração. - Megan assentiu. - Vamos embora...

- Mas já?

- Eu acho que não foi legal vim aqui e...- Olhou para a parede e viu uma foto onde estava com seu irmão, Sofia, Jeremy e outras pessoas. Pareciam em uma festa...- Droga...- Pôs as mãos na cabeça.

- Vamos lá pessoal! - Nina gritou chamando todos para a foto. - Temos que está sóbrios antes de tirar a foto. - riram. - Vamos amiga! - gritou por Camila que sorriu para Jeremy.

- Vamos se não ela vem buscar a gente e não vai ser legal. - Selou seus lábios ao do namorado.

- Estou me arrependo de ter feito essa festa. - Resmungou assim que viu quebrarem o vaso de flores que sua mãe amava.

- Podemos resolver isso depois, vem! - Puxou o namorado até onde seus amigos estavam, ficaram lado a lado.

- Certo, agora...- Nina programou a câmera e correu para o meio de todos que estavam ali. - Digam, winx!

- Winx!

[...]

A noite estava agradável, todos se divertiam rindo e brincando uns com os outros, a festa estava animada e nada podia estragar, claro se não fosse o que tinha acabado de acontecer no andar de cima, pra ser exata, no quarto de Jeremy.

Camila soluçou e empurrou Jeremy que ainda estava encima dela para o seu lado, se arrastou na cama, vestiu suas roupas e pegou o celular no bolso de sua jaqueta, ligou para sua irmã que essa hora estaria dormindo, Sofia nunca foi de ir em festas.

- Alô? - Sofia atendeu sonolenta e logo pulou da cama ao ouvir o choro de Camila. - Camila? O que aconteceu?

- Vem me buscar aqui... por favor.

- Chegou em alguns minutos.

Em menos de cinco minutos, Sofia e Shawn já estava procurando por Camila na casa, entraram no quarto de Jeremy e viram Camila no canto do quarto, o garoto estava dormindo e não se mexeu quando entraram no quarto.

- Camila! - Sofia correu e abraçou a irmã. Shawn olhou em volta e viu as drogas e bebidas ali.

- O que aconteceu? - se ajoelhou na frente das duas irmãs que estavam abraçadas.

- E-Ele...Ele m-me forçou a transar com ele.

Shawn levantou e antes que pudesse fazer algo, Sofia o impediu.

- Agora não, vamos levá-la pra casa. - Shawn assentiu e pegou a irmã no colo, ninguém os virão saindo a não ser Nina.

- Jeremy, ele abusou de mim. - Megan arregalou os olhos abraçou Camila, as duas estavam chorando. - O garoto que me estrupou é o pai da minha filha, Megan. Eu sentir tanto medo dele...

- Shiu...- Apertou Camila em seus braços. - Tô aqui com você...vou cuidar de você.

- Não deixa isso acontecer comigo... não deixa ele fazer de novo. - Megan viu que Camila iria surta a qualquer momento, então pegou o paninho com clorofórmio e colocou sobre o nariz de Camila que imediatamente apagou.

- Vou cuidar sempre de você. Não vou deixar nada acontecer. - Sussurrou e pegou o celular para ligar pra irmã.

- Oi, Megan. Cadê você?

- Você pode vim me buscar na antiga casa da Camila? Estou com ela aqui.

- O que estão fazendo aí?

- Ela precisava se resolver com o passado. - ouviu Lauren suspirar. - Ela apagou, pode vim nós buscar?

- Chego em alguns minutos.


Notas Finais


E então o que acharam?

Caso queiram me xingar, vão no meu tt kk. @ccabeyodragon beijos ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...