História Save Me From Hate - Capítulo 1


Escrita por:

Visualizações 190
Palavras 3.267
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente 🤗

Acho que essa fic é um pouquinho diferente das que costumo postar,mas acho que não tanto que de pra dar uma estranhada...
Espero que gostem ♥️

Boa leitura! 💕

Capítulo 1 - O Forasteiro


Fanfic / Fanfiction Save Me From Hate - Capítulo 1 - O Forasteiro

Matt gemeu alto sentindo cada estocada, sabia que Jared era bom de cama era o que aqueles que passavam por sua mão falavam, e não estavam errados em nenhuma vírgula. O moreno tinha fama era de ser um homem frio, que não se apegava a sentimentos, não tinha família muito menos um passado, mas era um furacão na cama... o moreno nunca transava duas vezes com a mesma pessoa, para Matt isso era considerado sorte, porque assim podia dar para esse homem másculo e sexy.

 

- Ah que delícia cara! Mete mais assim. - Matt estava apoiado com as mãos no capô do carro e quase gozando. Adorava fazer programas, mas para esse cara ele daria de graça quantas vezes ele quisesse lhe comer, estava quase gritando e só não o fazia porque a mão grande do moreno tapou sua boca, o pau grande o abria sem dó, ele era bruto, forte e tinha uma pegada que fazia qualquer homem se sentir pequeno e frágil, era dominante e de natureza selvagem.

Jared segurou o rapaz pelo quadril e meteu forte e viu o outro sujar seu carro, o que não o agradou, meteu mais algumas vezes e gozou também dentro do rapaz, o soltou e fechou a calça, tirou as notas da carteira e estendeu ao moreno.

- Vai querer meu número? - Matt ofereceu com um largo sorriso, pensando se pegava realmente o pagamento.

- Não, você faz muito barulho. - Tirou uma flanela de dentro do carro e limpou o que o outro havia sujado.

Jared entregou o dinheiro e entrou no carro. Colocou uma música e deu a partida.

Comprou um rancho ali perto, esteve procurando por um homem a quase cinco anos, e finalmente o encontrou. Jeffrey Morgan, o homem que o tornou quem ele é, e está aqui para mostrar que aprendeu direitinho.

...

O seu grito ecoou no galpão abandonado, suas costas ardiam, estava sangrando, seus pulsos presos em correntes suspensas, e o homem com roupa de policial o chicoteava com prazer, podia ver ele rir enquanto o espancava, socava e o chicote cortava sua pele.

- Vai confessar Padalecki?

- Não fui eu!

- Filho da mãe! - Jeffrey socou seu rosto com força, o filete grosso de sangue desceu por sua boca.

....

Jared manobrou o carro, entrando em uma estrada de terra para ir para seu rancho, ficava a duas horas da cidade segundo a moça da imobiliária. O moreno ajeitou o relógio no pulso e viu a cicatrize, tinha muitas, mas não era no corpo.

Jeffrey foi o carrasco da sua vida, lhe tirou tudo, mas o ensinou a ser como ele, lhe tirou o dom de amar e sorrir, mas o tornou forte.

Viveu para se vingar, vai tirar tudo que aquele desagraçado tem.

...

- Bora Alex corre,a gente vai se atrasar!

- Jensen, o papai vai brigar, ele deixou bem claro que não era para sair de casa.

- Ele não está aqui e só vai voltar daqui uma semana, e eu vou na estreia daquela boate e você vai ficar lá na casa da Felícia.

- E porque eu não posso ir também?

- Porque não,eu vou não vou ficar de babá. - Jensen pegou o a mochila e colocou nas costas.

- Eu não preciso de babá,e eu queria dançar também.

- Eu não vou só dançar,vou beber,transar e voltar só de manhã. Agora anda logo - Jensen foi abrir a porta e bateu o pé na cômoda -droga! - não enxergava nada sem seus óculos,e odiava eles,era difícil parecer descolado usando óculos de grau. -Viu meus óculos?

- Só te falo se me levar na boate com você - Alexander escondeu o óculos atrás das costas,com um sorriso travesso. - eu tenho quase dezessete anos.

- É uma criança ainda. - Falou sem dar margens para reclamação.

- Até parece que você é um velho de oitocentos anos - Alexander revirou os olhos, chateado.

- Tenho dezenove e sou o mais velho, então eu tenho razão sempre. Agora me dá o meu óculos.

- Se não me levar eu vou contar para o papai.

- Me dá logo , pirralho! - Jensen empurrou o ombro do irmão rindo da sua chantagem,e pegou os óculos na mão dele.

- Ah Jen,me deixa ir também.

- Vou pensar - A resposta seria não,quer curtir a noite e conhecer um cara gostoso, Jeffrey nunca deixa eles sair de casa,parece que vive com medo. Disse que tinha um cara perigoso na cidade,até parece que são crianças. - vamos.

- De moto?

- Sim- pegou os capacetes sobre a cama e jogou para Alexander.

...

Jared dirigiu até o rancho,parou o carro em frente a casa e desceu, tirou os óculos escuros e apoiou o braço na porta carro que estava aberta, olhando a imensidão de campos verdes e as serras azuis distante. Uma vez imaginou que viveria em um lugar assim,a muitos anos atrás...

...

 

- Aqui é enorme Jay,tem certeza que o dono vai deixar a gente ficar aqui?

- Claro que vai, todos os invernos ele contrata alguém para cuidar do seu rebanho,ele não vem aqui até a primavera.

Jared sorriu para o loiro que estava no cavalo ao seu lado,Dean era seu melhor amigo da vida inteira,e também seu grande amor e o homem com quem vai se casar um dia,mas ela ainda não sabe dessa parte.

- Eu falei com o senhor Morgan a três dias e ele disse que podemos ficar na casa sede,e que hoje a tarde vem nos passar o serviço,e trazer mantimentos para passarmos o inverno,e também trato para as ovelhas.

- Acho que vai ser o melhor inverno da minha vida. Consegue me alcançar cawboy? - Dean fez o cavalo galopar e Jared ficou um tempo olhando ele galopar na estrada de terra rumo a casa da fazenda,e pensando como seu riso era gostoso de ouvir e o quanto o amava.

Não tinha dúvidas que seria o melhor inverno de duas vidas

....

E realmente foi...

Jared pegou a mochila no banco de trás do carro,e bateu a porta do mesmo com força, colocou o óculos preso na camisa e foi para dentro da casa.

Seus passos eram sempre firmes e decididos,a vida lhe ensinou que dever ser forte,mesmo que não veja um lugar para ir,apenas siga sem parar.

O vento suave das montanhas brincando em seus cabelos, dava um ar misterioso para o homem solitário e cheio de marcas que vida criou,na verdade não foi a vida,e sim Jeffrey Morgan,esse homem mora aqui perto,soube que ele andou fugindo dele durante alguns anos,mas não fez isso direito,porque Jared o encontrou,viveu os últimos anos para ter sua vingança,e não teria um lugar nesse mundo em que Morgan poderia se esconder que não o encontraria,porque aprendeu com ele como caçar alguém...

...

- Não vai fugir Padalecki,eu sei que está aqui.

Jared corria no escuro apavorado,ouvia os cães latindo,e os passos de botas pesadas do policial,ele estava perto. Seus pés doíam,suas roupas já tinha muitos rasgos,e sua pele também. E seu coração quase parava de bater,tinha medo,muito medo.

Essa floresta era muito escura,úmida e cheio de raízes,parecia que estava em filme de terror interminável.

- Peguei você! - Jared se virou e em direção da voz e sentiu apenas algo bater com força em seu rosto e tudo escureceu.

...

- Pode ter me mandado para o inferno Jeffrey Morgan,mas eu voltei, totalmente sem alma,e agora a brincadeira será mais divertida. - sussurrou ao abrir a porta. Hoje é o primeiro dia do fim do policial mau.

....

Jensen deixou a moto na garagem da casa de Felícia,deixou o irmão ali mais cedo e foi buscar algumas coisas no mercado para a amiga. Felícia é dona da confeitaria da cidade,e vende os melhores doces do lugar,e é lá que Jensen trabalha,para fugir um pouco do pai controlador, Jeffrey vive controlando onde ele pode ou não ir, vive dizendo que o mundo é perigoso. Que existe perigosos por aí que ele e o irmão desconhecem,as vezes pensa que pai foge de algum monstro do seu passado,talvez algum inimigo que fez nesses anos de policia,era o melhor do seu departamento, com certeza colecionou alguns desafetos,mas isso não quer dizer que vão persegui-lo ou tentar matar seus filhos.Jensen revirou os olhos,tempo demais trabalhando na polícia deixou o velho Jeffrey meio paranóico.

Não é mais uma criança faz tempo! E sabe se defender do lobo mau muito bem.O loiro entrou na casa e o cheiro de bolo de banana encheu suas narinas,foi em direção a cozinha, falando antes mesmo de ver a ruiva.

- Esse cheiro está ótimo, senhorita Day.

- Mestre confeiteira meu caro, aprendiz rebelde. - Felícia falou empinando o nariz de forma exagerada e Jensen riu ao entrar na cozinha. O rebelde Jensen sabia que era por ele não ser fã de fazer doces e não querer aprender com ela seus segredos culinários. E também por seu temperamento, não se considera rebelde,apenas sabe viver.

A ruiva tinha um sonho,ser uma mega máster chefe confeiteira.

O loiro viu a Felicia terminando de tirar o bolo do forno e Alexander escorado no balcão com um copo de suco na mão.

- Já decidiu se vai me levar a inauguração da boate? - Alexander perguntou esperançoso.

- Já decidi, você não vai.

- Você é igual o papai, Jensen,nunca me deixa fazer nada.

- Já falei que não vou voltar pra casa hoje,pirralho. E você não pode ficar sozinho na rua.

Alexander revirou os olhos, não era mais um bebê,mas Jensen e o pai parece que não sabem disso.

Jensen colocou as sacolas plásticas que trouxe,na mesa,pegou uma maçã e foi até a janela e se sentou.

- E você Felícia porque nunca sai? - Jensen deu uma mordida na fruta, olhando a ruiva esvaziar as sacolas.

- Não curto essas coisas e provavelmente meu irmão vai voltar da Califórnia e com ele aqui que não vou poder ir a lugar nenhum mesmo,ele é pior que seu pai e você com o Alex.

-Ta vendo? Eu disse que você é um controlador,igual o papai! - Alexander falou aproveitando a deixa, e Jensen atirou a maçã no irmão que a pegou no ar.

- Pra você não dizer que sou um irmão ruim,eu trouxe um filme pra você assistir antes de ir dormir.

- Sério Jen? - ergueu uma sobrancelha com ironia.

- Sério. O rei leão live action versão completa para meu irmãozinho.

- Eu odeio você.

Jensen e Felícia riram da cara emburrada do loiro.

3 HORAS DEPOIS...

 

Jensen vestiu seu jeans escuro,camisa branca e uma jaqueta de couro preta,e foi para a boate nova, não era muito perto da casa de Felicia,era fora da cidade,a noite funcionaria a parte de boate no estabelecimento,e durante o dia seria um clube privado para futuros sócios,com piscinas aquecidas,fontes termais, salão de massagem,e quadras de esportes segundo seu amigo Tom, foi ele que lhe deu o convite para a inauguração da boate. Tom é um apaixonado declarado,desde os quatorze anos,mas Jensen só o vê como um amigo e será assim sempre,Tom sabe disso. O moreno é barman,e conseguiu um bico ali na boate nos finais de semana,mas o amigo trabalga com o pai no bar do mesmo na cidade.

O loiro deixou a moto no estacionamento e foi conhecer o local,parecia estar lotado,o que não era novidade,em uma cidade rasoavelmente pequena era natural vir toda a região prestigiar um acontecimento novo.

O estacionamento estava cheio de carros,e tinha varias pessoas chegando ainda.

O salão principal era enorme com uma pista de danças grande,luz azul e uma fumaça aromática.

Jensen viu Tom atrás do balcão e foi até o amigo.

- O menininho do papai conseguiu fugir do velho dessa vez. - Falou com um sorriso enquanto entregava a bebida para o rapaz sentado ao lado de Jensen.

- Não enche Tom! Pega uma cerveja pra mim. - Jensen deu uma olhada no lugar e voltou a olhar para Tom outra vez - eu fiquei sabendo na faculdade que tem um cara muito gostoso na cidade,já viu ele?

- Ainda não tive o prazer. Lá no bar ele não apareceu,mas dizem que o cara é um furacão na cama.

- Bem do jeito que eu gosto. - Jensen falou com um sorriso sacana o que fez o outro rir também.

- Até parece que pega todo mundo quando fala assim. - Tom pegou um pano na pia para secar o balcão - como sabe que é seu tipo se nunca esteve com um cara?

- Porque é o tipo que quero na minha cama e pronto, não preciso ter pegado ninguém para saber o que gosto.

Tom riu do loiro,o amigo era bem sarcástico, insolente,mas no fundo era doce e romântico e por isso era apaixonado por ele,mas não tinha nenhuma ilusão com ele.

- Estaria disposto a dar pra o cara? Fiquei sabendo que não é versátil não. - Tom provocou o loiro,adorava ver suas bochechas corarem e ele perder a banca de bad boy fajuta dele.

- Eu posso fazer ele querer provar outras coisas,esta duvidando das minhas habilidades de conquista senhor Welling?

- Não bebê,mas ele é um homem experiente,e você é só o garotinho do papai.

- Cala boca Tom! Pega minha cerveja antes que eu te mostre o que o garotinho do papai sabe fazer,aqui mesmo.

- Ei, é sério?! É uma promessa? - deu um sorriso cheio de malícia para o loiro e Jensen virou para o outro lado.

- Você não vale nada Tom - Jensen sentou na banqueta de madeira em frente ao bar, para olhar para a pista para ver se tinha alguém interessante para animar sua noite,podia ser inexperiente nessa área,mas já transou com algumas garotas,e já beijou muito na boca,sabe do seu potencial,já chegou a ficar com um garoto,mas ficaram só nos beijos e uma mãozinha amiga. Mas ficou muito interessado em conhecer o tal forasteiro, principalmente porque seu pai falou um milhão de vezes para ficar longe do cara estranho que estava na cidade,e o pessoal da faculdade só fala nele,problema de morar em uma cidade pequena,nunca acontece nada,e quando surge uma pessoa nova causa alvoroço,se bem que ninguém nunca causou tanto quanto esse Jared Padalecki,para chamar a atenção até do seu pai.

- Sua cerveja, Dom Juan - Tom colocou a garrafa no balcão e o loiro pegou e tomou um gole ,sem tirar os olhos da pista e logo encontrou sua provável companhia. Um rapaz moreno e alto, dançava olhando para ele,devia ter sua idade, o moreno era até bonitinho,e era alto e moreno e isso já era um ponto a seu favor.

Jensen se levantou e foi dançar perto do moreno.

Tom ficou olhando do balcão Jensen conversar com o rapaz,e o moreno que o devorava com os olhos,e revirou os olhos. No fundo tinha que admitir que gostava que Jeffrey fosse o pai protetor que era, assim Jensen não saía,e não encontrava ninguém interessante que pudesse ganhar seu coração,e mesmo não sendo seu, também não era de ninguém e isso já era um conforto.

Alguns minutos depois Tom viu Jensen descer as escadarias com o moreno e suspirou pesado.

- Eu te conheço da faculdade.

O moreno falou para Jensen , segurando sua mão para descerem juntos.

- Conhece? - Jensen ficou tentando em pegar os óculos para ver melhor o rosto do rapaz,mas não faria isso por nada no mundo, não queria parecer um nerd fofinho como Felícia dizia que ele era quando coloca os óculos.

- É o filho do senhor Jeffrey,eu sou Renan,filho do diretor Benny,seu pai faz palestras iradas.

- É ele faz - Jensen tentou sorrir,agora que reconheceu o rapaz, é filho do diretor chato da faculdade.

O cara é todo mauricinho e mimado ,o "principe" da faculdade, não é o tipo de pessoa que lhe atrai,mas ao menos ele bonitinho,talvez podia ser uma boa companhia para curtir a noite.

- Está de carro?

- De moto,tem problema?

- Claro que não, podemos ir para meu apartamento.

Os dois foram até o estacionamento para pegar a moto.

O loiro pegou as chaves no bolso e jogou para cima voltando a pegar. Poderia ser legal afinal,nunca transou com um cara,mas sabia que seria capaz de fazer um gozar gostoso no seu pau.

- A moto esta aqui nos fundos - Jensen mostrou a moto,mas parou de falar ao ouvir vozes,se virou para o outro lado e viu o alvoroço perto de um BMW parado ali perto.

Havia dois homens brigando com alguém, e tinha quase certeza que ouviu a voz de Alexander vindo de lá.

- O que estava fazendo aqui em moleque? -o homem perguntou agressivo empurrando o garoto. - estava espiando a gente?

- Não,eu só estava procurando o meu irmão!

- Alex? - Jensen pegou os óculos e colocou,era ele mesmo. Um dos homens pegou o garoto pela camisa e Jensen correu para ajudar o irmão.

- Ei! Tira a mão do meu irmão seu idiota! - o loiro gritou alto chamando a atenção dos dois homens que se viraram para o seu lado.

- Jensen! - Alexander respirou aliviado,vendo o irmão ali.

- Me chamou de que, moleque? - O homem perguntou irritado, olhando para Jensen,e estalando o pescoço.

- De idiota,seu idiota, é surdo também? - repetiu,estava com medo? Óbvio! O cara era enorme careca,cheio de tatuagens e piercing e olhava para ele como se fosse comer seus rins no café da manhã. Mas precisava ajudar Alexander,pra depois socar aquela cara dele!

O homem soltou Alexander, jogando o garoto sentado no chão com força, e deu um soco na palma da mão insinuando que pegaria Jensen, enquanto el caminhava em sua direção.

"Merda!" Iria dar realmente uma surra no irmão por isso, se sobrevivessem.

falou para ele ficar em casa,e olha onde está,e com quem foi arrumar confusão! Jensen juntou todas as suas forças e agiu rápido, socando a cara do homem antes que ele o pegasse,e empurrou ele com as duas mãos, jogando o corpo grande em cima do BMW,o peso do homem amassou a lataria do capô. Jensen balançou a mão dolorida vendo o homem se levantar mais furioso ainda.

- Seu moleque eu arrancar todos os seus dentes! - O homem levantou furioso, e Jensen olhou para Alexander que ainda estava se levantando.

- Corre! - os dois correram e os dois caras correram atrás.

Jensen viu o mauricinho fugir despistado para o outro lado, fingindo que nem estavam juntos.

Era um babaca mesmo.

- Aqui Alex! - Jensen puxou o irmão para trás de carro no escuro,e os caras passaram direto.

Os dois esperaram um pouco até ver que eles não iriam mais voltar e saíram do esconderijo, voltando para onde estava a moto.

- O que você fez com aqueles cara,seu pirralho?

- Eu vi a sua moto e fui ver se ainda estava aqui no estacionamento e eles estavam lá no escuro se chupando,e eu me assustei quando vi eles.

- Você fez o que? - Jensen riu imaginando a cara do irmão vendo os caras no escuro tentando entender o que acontecia.

Os dois estavam rindo,mas pararam ao ver um homem alto de roupa preta escorado na moto do loiro com os braços cruzados, olhando para eles. Tinha o cabelo mais comprido que o tradicional,uma cicatriz no queixo e um olhar sério no rosto.

- Qual dos dois vai pagar pelo conserto do meu carro?

Os dois loiros se olharam ,estavam muito ferrados. Nenhum deles tinha dinheiro para isso,e se Jeffrey descobrisse isso ficariam de castigo o resto da vida.


Notas Finais


Beijos 😘❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...