História Save Me From Hate - Capítulo 9


Escrita por:

Visualizações 162
Palavras 3.452
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente! 🤗❤️

Vamos ver como estão nossos meninos hj? 😊

Espero que gostem do cap ♥️

Boa leitura! 💕

Capítulo 9 - Monstro


Fanfic / Fanfiction Save Me From Hate - Capítulo 9 - Monstro

Jared deixou Jensen e o irmão em casa, e estacionou o carro do outro lado da rua, atrás de um arbusto onde nem Jensen nem Jeffrey pudessem ver ele,caso saíssem da casa, esperou tanto tempo por esse momento, dezessete anos de sua vida foi dedicado a encontrar esse homem, e agora ele estava ali, a alguns passos de suas mãos, e da sua arma,fingindo ser um pai bom.

 

Chegava até ser irônico que Jensen fosse ser filho logo de Jeffrey. O loiro foi a única pessoa que depois de tantos anos, pela primeira vez conseguiu alguma coisa a mais dele que não apenas sexo, alguém que estava povoando seus pensamentos, alguém com quem Jared mesmo não querendo admitir, tinha pensado em seguir em frente depois de tudo.

Jared viu pela janela da casa, Jeffrey abraçando os dois garotos, e mexendo nos cabelos do caçula,e depois levando eles pelos ombros para outro cômodo da casa,e estreitou os olhos, sentindo o sangue ferver nas veias e sua gana de vingança aumentar mais,se isso fosse possível. Que direito Jeffrey tem de ser feliz depois de ter acabado com a sua família e com a sua vida? Porque ele merecia ter os filhos com ele, depois que tirou a vida do seu filho, e de seu marido! Jared apertou o volante com força, trincando os dentes.

Ligou o carro e saiu dali antes que entrasse naquela casa e acabasse com a vida daquele homem agora mesmo,e a morte seria um presente que ele não merece!

...

- Porque o Tom não entrou de manhã quando trouxe vocês? Nem vi o rapaz - Jeffrey perguntou do escritório quando ouviu Alexander chegar do colégio e Jensen logo atrás,da confeitaria.

- Ele estava com pressa pai - Jensen mentiu , olhando para o irmão que tentava conter o riso.

Alexander estava realmente ficando nervoso com isso de mentir para o pai. - Alex! - Jensen repreendeu o loiro.

- O que?

- Você com essa mania de rir nas horas erradas. - Falou baixo.

- Eu fico nervoso com isso de mentir pro papai,e se ele descobrir? - o garoto jogou a mochila no sofá , chutou os tênis dos pés, 

se jogando no sofá.

- Ele não vai descobrir. E trate de não ficar ficar nervoso, se quiser ver seu agente outra vez,porque o papai não vai concordar com isso se dissermos a verdade.

Jensen havia pedido a Tom que confirmasse sua história de que ele e Alexander dormiram na sua casa,e pediu ao amigo que buscasse sua moto,com sua caminhonete, no rancho de Jared. Ele concordou,e só lhe custou fazer todos os trabalhos do moreno da faculdade até o final do ano .

- O que vocês dois andam tramando,em? - Jeffrey perguntou da porta do sala, fazendo os dois sobressaltar.

- Nada pai - Alexander que respondeu se levantando do sofá.

- Então faça o favor de juntar esses tênis e mochila e levar para o quarto,e desce para o almoço,que hoje a comida é especial.

- Fez o prato preferido do Alex outra vez?- Jensen perguntou empurrando o ombro do irmão, e Jeffrey riu do ciúmes do loiro, e foi até o filho bagunçar seus cabelos.

- Não senhor Jensen Ackles,eu fiz torta de frango e fritas.

- Viu chorão! É o seu prato preferido - Alexander implicou com o irmão que riu como resposta.

- Vamos almoçar logo que estou morrendo de fome - Jeffrey pegou o caçula pelo pescoço e fingiu que dava um golpe de luta e o garoto riu - mas depois você vai guardar sua bagunça rapazinho,e arrumem aquele quarto vocês dois!

- Ei! Eu tenho que voltar pro trabalho daqui a pouco,o Alex arruma.

- Ah Jen! Toda vez é eu que limpo...

...

Já era final de tarde e Jared ainda não tinha voltado,e seu celular estava desligado. Bill tinha medo de pensar o que o amigo podia estar fazendo,apesar de conhecer bem a índole dele, e saber que Jared é um homem bom,sabe que a vingança o cega, e tem total conciência do que ele pode fazer.

E está aqui para tentar impedir ele de fazer algo que só vai despedaça-lo ainda mais.

Bill tentou outra vez ligar ,e só dava desligado,já conferiu o sinal do celular umas dez vezes,mas já tinha resolvido o problema de sinal ali no rancho. Aliás esse é um ponto que não entende em Jared,ele está ali com um único propósito,destruir Jeffrey,e ao mesmo tempo está tentando construir um lar,colocou internet no lugar,consertou o aquecedor, terminou de concertar a cerca da frente da casa,está reformando todo o lugar e falou de trazer ovelhas e outros animais,e se cumprir o que está planejando,lar é a última coisa que vai ter nessa cidade.

Talvez seja seu inconciente querendo paz,um lugar pra viver a vida de onde ela parou,de tentar ligar para Jared,largou o aparelho ali e foi para cozinha,pegou um café quente e foi procurar alguma pista de onde Jared poderia ter ido, olhando os arquivos do amigo,no seu notebook que o moreno deixou jogado na cama, senhas nunca foram um empecilho para Bill. O moreno destrancou o aparelho sem dificuldade, e abriu,mas antes de mexer em qualquer coisa o celular tocou na sala,Bill saltou por cima da cama,e empurrou a cadeira da sua frente, correndo para atender antes da ligação cair e não ter notícias de Jared.

Pegou o celular e atendeu, ofegante.

- Alô.

- Nossa estava correndo uma maratona?

- Pai?!

- Porque o espanto? Ah,pelo amor de Deus não me diga que estava...

- Não! - interrompeu o pai - é que eu pensei que fosse o Jay,vim correndo do quarto,ele sumiu o dia todo.

- Perdeu ele? Bill,está aí pra impedir esse cabeça dura de fazer uma besteira.

- Eu sei pai,mas é o Jared! - frisou bem o nome - você sabe que não é fácil parar esse cara.

- E porque não foi com ele? Ele já viu os filhos do Jeffrey? Estou muito preocupado com esses meninos.

- Bem,a história é um pouco complicada,mas ver, ele já viu eles sim.

- Porque é complicada? Não me diga que ele fez alguma coisa com as crianças.

- Bem - Bill fez uma careta, não era legal falar dessas coisas com seu pai - Ele, viu os filhos dele sim,viu bem até demais.

- Ele está transando com o filho do Jeffrey?! Meu Deus!

- E o outro garoto?

- Bem... Eu vi ele,e a gente bebeu e...

- Não fala nada! - interrompeu não tinha certeza se queria saber. - não deixa o Jared cometer nenhuma loucura ,eu estou investigando uma coisa sobre o Jeffrey,e se for mesmo verdade o que desonfio, acho que pode mudar muitas coisas. Assim que der estou indo para aí.

- Investigando o que? Pai? - escutou o som de desligado, e jogou o aparelho no sofá - Droga! - as vezes acha que Jared é mais filho do velho Jim,do que ele,os dois são muito parecidos.

O moreno foi até a janela olhar a imensidão desoladora do lugar,só tinha mato em volta e algumas construções velhas .

Tinha que ligar para a concessionaria urgente ,precisa de um carro,porque ficar preso no meio do mato era enlouquecedor.

...

Jensen ultimamente não via a hora do dia acabar para ir para seu lugar preferido no mundo,ver seu ranzinza chato. O loiro parou a moto em frente ao edifício onde Tom mora, e subiu para o andar do seu apartamento, tocou a campainha e o moreno não demorou a abrir a porta.

- E aí,sentiu saudades chateador? - empurrou o amigo da frente entrando antes de ser convidado.

Tom ficou olhando o loiro ir se jogar no seu sofá, não sabe porque concorda com as loucuras do amigo,na verdade,sabia sim,era porque é perdidamente apaixonado por esse maluquinho.

- Não reclama seu bad ned,o que te pedi é muito pouco em troca de arriscar meu pescoço.Você sabe que o seu pai corta meu pescoço se descobri que estou te ajudando a mentir para ele.

- Mata sim,mas não vai descobrir,e badnerd não existe,eu sou um menino mau. - falou sério e Tom riu,ele era o mau mais fofo que já viu.

- Existe sim, você!

Jensen revirou os olhos, não ia discutir .

- Tem alguma coisa pra beber,aí?

- Tem, refrigerante, nerd- Tom falou rindo,gostava de implicar o loiro,ele odiava ser chamado de nerd. O moreno foi até a geladeira buscar uma cerveja para os dois.- Vai mesmo voltar no rancho daquele cara, Jensen?

Tom entregou a cerveja para o loiro e se sentou na frente dele,com outra.

- Não é aquele cara,Tom, é Jared.e eu vou voltar sim,hoje e todas as noites que conseguir fugir do meu pai -Jensen tomou um grande gole da cerveja e olhou para o amigo - eu acho que ele gosta de mim, é todo durão e darck,mas é um vulcão na cama. - o loiro suspirou .

- Me poupa desses detalhes por favor.

- Ele é maravilhoso,e tem umas cicatrizes mais daora,ele é todo perfeito e tem uma pegada incrível!

- E você está literalmente caidinho pelo cara que mal conhece.

- E você tá morrendo de ciúmes - falou com um sorriso grande e Tom jogou uma almofada no loiro. Nunca foi segredo para Jensen o seu amor,mas apesar do loiro deixar bem claro que só o via como um amigo,quase um irmão,esse sentimento não fez Jensen se afastar ou mudar com ele,e adora esse jeitinho dele. Só queria que esse Jared não tivesse vindo para essa cidade,assim Jensen seria ainda o mesmo garotinho virgem tirando onda de bad boy.

- O que você quer que eu faça?

- Que continue sendo meu namorado para meu pai,ele amou a idéia de ter você como genro, é o cara ideal para ser meu marido, segundo o senhor Morgan - Jensen bebeu outro gole da cerveja.

- Eu também acho.

Jensen riu e Tom riu também.

- Eu vou pegar uma encomenda que fiz mais cedo e vou ver meu ogro,e se meu pai ligar diga que estou aqui,tá bom?

- O que eu não faço por você?

Jensen sorriu imaginando a cara de Jared ao dar o presente que comprou para ele. O contraste era gritante,mas ele precisava de algo para alegrar seus dias, é muito rabugento.

...

Jensen passou no petshopp e pegou o filhote de lulu da Pomerânia que tinha separado mais cedo. Era literalmente uma bolinha de pelos que cabia na palma da sua mão, colocou ele na mochila e colocou a mesma no seu peito,para não correr o risco de perder o filhote no caminho.

- Você vai gostar do Jared, ele é meio ogro,bruto e ranzinza,mas você vai ajudar ele a sorrir um pouco. - Falou com o animal,e fechou o zíper , deixando só a cabeça dele para fora,para ele respirar.

Prendeu o capacete e ligou a moto,e foi para o rancho de Jared.

Quando chegou na entrada do lugar e viu que Jared tinha mandado por luzes,perto da porteira e na frente da casa,e ficou cara de menos assombrado,mas desconfiava que quem fez isso foi o amigo dele,ele tinha um jeito de homem da cidade que não curte muito a vida no mato.

- Você espera aqui,eu vou falar com ele primeiro - Jensen pendurou a mochila no guidão da moto e subiu na porteira e saltou para o outro lado,ia para a porta da casa chamar o moreno, quando ouviu algumas ovelhas berrando,e se virou na direção que veio o som.

Tinha uma cerca de arame,velha,atrás do galinheiro que deveria ter concertado,por sua moto. E era de lá que vinha o barulho das ovelhas,e tinha iluminação ali também,agora.

Jensen olhou melhor e viu o moreno parado perto da cerca, olhando para ele com aquela sua postura dark, expressão séria e aquela roupa de cowboy que fazia o coração do loiro capotar em vez de bater.

Jensen acenou para o moreno e sorriu indo até ele.

- Oi,sentiu saudades? - perguntou antes de uma crise de espirros.

- Alergia? - perguntou,já sabendo a resposta.

-Esses bichinhos aí me fazem espirrar. - Falou sem dar importância ao fato - eu trouxe um presente para você.

Jared ergueu uma sobrancelha.

- Não vai me convidar para ir para casa? - Jensen espirrou outra vez e esfregou o nariz que coçava .

- Jensen,volta pra casa, não me procura mais.

- Sempre tão carinhoso. - falou irônico sem se importar com o que ele dizia.

Jared olhava o loiro a sua frente,ele não tinha nada daquele demônio que chama de pai,era doce,e apesar de querer ser um menino mau,era só um nerd fofinho,nem ele nem o irmão se parecia com seu pai,mas não tinha como poupa-los,para acabar com Jeffrey,vai ter que passar por cima dos filhos também.

- Você vai me odiar Jensen, muito,e é melhor começar a fazer isso agora mesmo..

- Do que você está falando? Eu não vou odiar você,acho que o caminho que estamos indo é o oposto.

-Nao é, não há outro caminho. Agora vá para casa e não me procure mais.

Jared virou as costas para o loiro para voltar para casa e Jensen correu e passou na sua frente, fazendo o moreno parar.

- Porque Jared? É por causa daquele homem da foto que se parece comigo? Quem é ele? Um antigo amor? Alguém que te traiu? Alguém que te espera?

Jared parou encarando o loiro na sua frente.

- Ninguém que você precisa saber. -Tirou o loiro da sua frente com o braço.

- Porque não fala comigo direito?

- Não tem nada para falar, garoto,vai embora.

Jared foi para a casa e Jensen viu ele ir,sabia que não adiantaria dizer nada,ele não brigou, não foi grosso como antes,apenas definitivo.

Jensen voltou para onde deixou a moto,pulou a porteira. Iria subir e sair dali logo,mas estava doendo ser dispensado assim. Porque aquele idiota não lhe dava a chance de gostar dele? De se aproximar?

- Ele não quer a gente - falou para o cachorro que fazia festa vendo ele. - ele não quer você, não gosta da gente. - Jensen pegou o filhote no colo e se sentou na moto deixando as lagrimas descer por rosto.

Jared estava parado perto da porteira olhando o garoto conversar com a mochila,e sabia que ele chorava. Não deveria ter ido atrás dele,nem sentir se tão mal por tê-lo mandado para casa.

O moreno abriu o cadeado da porteira e foi até o loiro.

- Fala com mochilas filhote de bad boy?

Jared viu o garoto limpar as lagrimas com as costas da mão antes de se virar para ele.

- Eu odeio você,seu ogro idiota. - falou olhando para o moreno.

Jared sabia que não era verdade,mas ele iria odiar,e não tinha porque adiar isso.

- Eu te falei que não seria a pessoa que iria caminhar ao seu lado.

- Você nem tentou.

- Quando você souber de onde eu venho,e para que estou aqui, irá entender, até lá não tente.

-Porque não me fala quem é você? Me deixa te conhecer.

Jared olhou o garoto, imaginando sua reação se dissesse que o pai dele matou a seu marido,e seu filho. Que o prendeu em um galpão e o torturou de todas as maneiras possíveis. Não acha que ele teria estruturas para ouvir isso. Viu a forma que Jeffrey os trata e a relação dele e o irmão com o pai é de amizade e muito amor...nunca entenderão e nem aceitaria que o monstro que o pai é. O achariam um louco.

- Já lhe disse,meu passado lhe causaria pesadelos.

- Só me fala,e deixa eu decidir se me assusta ou não. Me dê uma chance de chegar ao seu coração.

- Eu te daria,se eu tivesse um... - não era mentira. Mas sua vida é vazia,escura e cheia de dor e sangue.. e o que governa seus dias é seus desejo de vingança,e nada no mundo é maior que isso.

- Ninguém vive sem um coração, você escolhe o que coloca aí dentro,se não me quer ai e prefere guardar seus fantasmas,eu não vou tentar mudar isso.

Jared podia ver a tristeza brilhar no fundo daqueles olhos verdes,mas tinha determinação ali, quase tão grande quanto a sua.

O moreno se aproximou mais,vendo o que tinha dentro da mochila,e com quem Jensen conversa antes. Aquela pequena bola de pelos não tinha nada a ver com ele,mas era a cara do loiro,e mostrava bem quem ele era,doce, inocente e puro,tudo que não combina com ele,tudo que nunca combinará.

Jared estendeu a mão e colocou no rosto do loiro,e viu ele fechar os olhos, sentindo seu toque,tinha tanta esperança ali, e um sentimento que não podia retribuir.

Jared aproximou o rosto do dele e encostou os lábios dos dois,e as lembranças das cordas da chibata cortando sua pele vieram á sua mente,e era tão real que podia sentir elas,e ouvir a voz e a risada doente daquele monstro, sentir a dor e o sangue quente nas costas,podia ver os olhos inocentes do filho, olhando para ele,dos braços de Jeffrey,como um filme que nunca parava de se repetir em sua mente e som do disparo da arma de Jeffrey ainda era tão nítido na sua mente que o barulho ainda feria seus ouvidos. A possibilidade de se envolver com o filho o homem que destruiu tudo que tinha era pesado demais, não conseguiria.

- Não da...- sussurrou em um fio de voz.

Não era forte para esquecer e seguir.

Tudo é vivo demais e dói demais pra esquecer, é muito mais forte que ele,mas Jensen era tão... Tão...algo que não deveria ser... não queria que ele fosse filho de quem é...mas não tem como mudar isso, nem o passado e muito menos o que está para acontecer... Jeffrey Dean Morgan,vai cair e tudo que estiver a sua volta vai junto.

O moreno segurou os cabelos loiros, e trouxe Jensen para um beijo forte, sentindo a vontade do garoto em mostrar seus sentimentos,sua vontade de fazer ele mudar,e ficar e Jared só queria que ele ficasse bem depois.

Era uma despedida com gosto de "não vai embora"

Jared se afastou do beijo e encostou sua testa na dele, ficando assim um tempo. Sentindo a respiração dele contra seu rosto.

- Vai para casa babyboy e se cuida. - Jared pegou a bolinha de pelos na mochila e foi embora para a casa sem olhar para trás, ouvindo o barulho da moto se afastar. E tudo que precisava agora era se esquecer de tudo,deixou o filhote de cachorro na sala,pegou sua arma e sua jaqueta de couro preta.

- Onde você vai? - Bill perguntou do sofá onde estava deitado,sem tirar o braço de cima do rosto.

Jared esboçou um sorriso,sem alegria,mas algo em seu interior gostava de saber que o amigo se preocupava com ele,sabia que Bill estava ali para impedir ele de por em ação a sua vingança,mas infelizmente ele não vai conseguir,e sua missão será outra...levá-lo para a prisão,e espera que Bill consiga fazer isso.

- Treinar tiro na mata,a noite é mais divertido.

- Não deveria ter deixado ele ir, você gosta dele. Jared não respondeu,apenas saiu, talvez Bill estivesse certo.

Mas tem um lado seu que não queria mostrar a Jensen.

 

"The secret side of me

O meu lado secreto

I never let you see

Eu nunca deixarei você ver

I keep it caged, but I can't control it

Eu o mantenho preso, mas não consigo controlá-lo

So stay away from me

Então fique longe de mim

The beast is ugly

A fera é horrenda

I feel the rage and I just can't hold it

Eu sinto a raiva e eu não consigo aguentar isso

 

It's scratchin on the walls

Está arranhando as paredes

In the closet, in the halls

No armário, nos corredores

It comes awake and I can't control it

Isso acorda e eu não consigo controlar

Hidin under the bed

Escondido embaixo da cama

In my body, in my head

Em meu corpo, em minha cabeça

Why won't somebody come and save me from this?

Por que ninguém vem e me salva disso? Faça isso acabar

 

I feel it deep within

Eu sinto isso lá no fundo

It's just beneath the skin

Está logo debaixo da pele

I must confess that I feel like a monster

Confesso que eu me sinto como um monstro

 

I hate what I've become

Eu odeio o que me tornei

The nightmare's just begun

O pesadelo apenas começou

I must confess that I feel like a monster

Confesso que eu me sinto como um monstro

 

I, I feel like a monster

Eu, eu me sinto como um monstro"


Notas Finais


Beijos 😘♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...