História Say won't let go - Capítulo 25


Escrita por:

Postado
Categorias CNCO
Personagens Christopher Vélez, Erick Brian Colón, Joel Pimentel, Personagens Originais, Richard Camacho, Zabdiel De Jesús
Tags Cnco, Romance
Visualizações 93
Palavras 5.293
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Musical (Songfic), Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente, me desculpem pela demora. Nesses últimos dias, eu não tenho tido muito ânimo para escrever e não estou por um momento fácil, peço a compreensão de vocês. Eu tentarei fazer o possível para não demorar tanto a postar os capítulos.
Beijos❤️ Boa leitura💘

Capítulo 25 - A primeira briga.


O sinal final bateu. Eu estava completamente fora do ar e era um pouco óbvio o motivo. Eu fui uma das primeiras sair da sala, Erick e Lídia foram atrás de mim. 

– Ei! Seria muito legal da tua parte lembrar de nós. – Lídia riu. – Tá tudo bem? 

– Tá sim... – Eu dei um curto sorriso e Erick me encarava. Ele sabia que eu não estava bem. 

– Vocês estão indo pro estacionamiento? – Eu disse tentando sair do assunto. 

– Dessa vez, eu não estou indo para lá. Eu vou ter que ir na casa de um amigo meu, terá um teste de química no curso que estou fazendo. Ele irá me imprestar um resumo. – Os olhos verdes de Erick se arregalaram na direção de Lídia e eu comecei a rir. 

– Que amigo? – Ele cruzou os braços. 

– Pra ser mais específica, não temos um vínculo de amizade. Ele é um colega. 

– Hum. – Erick arqueou as sobrancelhas. 

– O conteúdo do teste é muito difícil? – Eu perguntei.

– Para uma nerd na qual, adora química e está sempre disposta a fazer experimentos... Não, não é difícil. – Eu e ela rimos. 

– Então, você não precisa desse resumo. Não precisa passar na casa do teu amiguinho. – Erick encarava ela. 

– Para de cena, Erick. – Eu falei dando um rapaz no braço dele. – A Lídia é toda tua, não te trocaria tão facilmente. 

– Dea! – Lídia exclamou já corada. – Erick, por favor, não seja tão imaturo. 

– Aí tá, Lídia. – Ele revirou os olhos. – Eu vou ir pro estacionamento, aproveita lá com o teu amigo. 

Ele bufou e foi em direção ao estacionamento. Lídia revirou os olhos e comecei a rir. 

– É isso que acontece nos relacionamentos do mundo real. Acho que o mundo virtual na tua opinião, é bem melhor. – Eu debochei dela. 

– Se com “bem melhor”, você quis dizer com “mais fácil”, sim, é mais fácil. O Erick por qualquer situação, está tendo seus chiliques. Ele está sendo imaturo. – Ela disse ajeitando os olhos. 

– Isso se chama “ciúmes.” – Eu ri. – Sabe o que é?

– Sei sim, mas nós não temos nada.

– Vocês dois têm que se assumirem logo, fala sério, vocês se gostam muito. 

– Ele não gosta de mim. A lógica dele é me ter como algum proveito sexual, ele apenas deve ter algum tipo de tesão em mim.

– Claro que não, Lídia! Você é incrível, qualquer um se apaixonaria por ti e outra, o Erick não ficaria sentindo ciúmes se não existisse sentimento. Pensa nisso. – Eu pisquei pra ela e ela riu. 

– Levarei essa possibilidade em júri. – Ela sorriu. – Bom, agora eu tenho que ir. Tchau, nos vemos mais tarde no ensaio. 

– Okay, beijo, te cuida! – Eu disse me afastando dela e indo na direção do estacionamento. 

Chegando lá, vi Scarlet junto com os meninos. 

– Nossa princesinha chegou. – Richard disse sorrindo e me dando um beijo na bochecha. Eu o abracei. 

– Oi, galera. – Eu dei um sorriso curto para todos.

– Tá tudo bem, Dea? – Chris me perguntou preocupado. – Tu parece tão tristinha. 

– Eu tô bem, só tô a fim de não falar com ninguém. – Eu falei seriamente. Os braços de Rich estavam ao redor do meu corpo, e estavam me abraçando bem forte. Aquele abraço, era o que eu precisava para me sentir um pouco melhor naquela manhã.

– Tá bem. – Chris me olhou e abriu o carro. Ele me conhecia, quando eu dizia que estava “sem vontade de falar com as pessoas”, é porque algo estava errado. 

– Você não está bem, né? – Rich sussurrou baixinho para mim. 

– Eu já disse que tô, apenas quero ficar sozinha. – Eu dei um sorriso tímido. 

– Conta outra, Dea. – Ele debochou. – Isso não me convenceu, mas não se preocupa; não vou ficar insistindo, você não é obrigada a falar. – Ele sorriu. – Mas... Me promete uma coisa? 

– Hum, depende. – Eu ri. 

– Eu quero te ver bem, no ensaio. Aquela Diara de sempre, a mau-humorada, marrenta e que tá sempre disposta pra tudo. 

Eu sorri. 

– Vou tentar. – Ele me deu um beijo na testa e sai de seus braços. Eu percebi os olhos de Joel me observarem, mas eu o ignorei. Scarlet estava se despedindo de todos e logo depois, Joel e Rich fizeram o mesmo. 

Eu entrei no carro, encaixei meus fones em meus ouvidos e rapidamente coloquei a música. Pra não dar tempo de Chris começar a fazer suas perguntas e tentei não olhar muito para ele. 

Depois de alguns minutos, ele estacionou o carro. Nós descemos e eu abri a porta, o cheiro bom de comida estava por toda a casa e aquilo me deixava com fome. 

– Oi, pai! – Eu disse sorrindo e dando um beijo em sua bochecha.

– Oi, filha. – Ele retribuiu o sorriso. – Vieram cedo, até. 

– A Dea não tava muito a fim de conversar. – Chris disse dando um breve abraço em papai. – Aí, nós viemos mais cedo, não estava a fim de vê-la irritada. 

– Eu não iria ficar irritada, apenas não queria conversar. – Eu revirei os olhos e eles dois riram. 

– Nós te conhecemos, tu fica irritadinha por tudo, ainda mais, quando tu pede alguma coisa e nós ignoramos. – Papai disse rindo. 

– Ela ainda bate pé e bufa, fica tão bonitinha! – Chris debochou e apertou minhas bochechas. 

– Aí, Christopher! Me solta! – Eu disse tirando as mãos dele de minhas bochechas. 

– Deixa a tua irmã. – Papai riu e desligou o fogão. 

– Okay. – Chris revirou os olhos e pegou os pratos e talheres, colocando-os na mesa. 

– O que tu fez de comida? – Eu perguntei. 

– Tacos. – Papai disse. 

– AEEE! Bem demais! – Chris disse esfregando as mãos e se servindo. 

– É um esfomeado mesmo! – Papai disse rindo. – Quer que eu te sirva, filha? 

– Quero. – Disse entragando o prato para ele, ele me serviu e logo depois me entregou o prato. Eu agradeci. 

Nós ouvimos o toque da campanhia. 

– Quem será? – Chris perguntou. 

– Deixa que eu abro. – Eu disse me levantando da mesa. Caminhei até a a porta e abri a mesma. 

– Essa casa não muda mesmo! – Era a própria e única, Eva Messi. 

– Mãe! – Eu exclamei rindo. 

– Sentiu saudade? – Ela disse colocando as suas malas para dentro e me dando um forte abraço. 

– AAAA MAMÃE! – Chris veio correndo na direção dela e entrando no abraço. 

– Vejo que vocês estão iguais! – Ela disse sorrindo. 

– Dona Eva, por que tu não avisou que vinha? – Chris perguntou. 

– Porque se não ia perder a graça. – Ela riu e pôs seu olhar na direção de papai, que nos olhava incrédulo. – Sentiu minha falta, Enrico Vélez? – Ela disse colocando seu óculos de sol emcima da mesinha de centro e indo em direção dele. 

– Eu não sabia que tu ia vim pra cá. – Ele disse com um sorriso debochado no rosto. – Que felicidade.

– Digo o mesmo! Estou revendo os meus filhos, os quais tu arrancou de mim. – Ela falou jogando os cabelos para trás, eu e Chris já sabíamos que a guerra entre eles iria começar. 

– Seus filhos não, nossos filhos. – Ele deu ênfase no “nossos”. – Eu falei pra tu ir para um hotel, parece que tu gosta de complicar a nossa convivência. 

– E desde quando eu sou obrigada a fazer o que tu pede? – Ela arqueou as suas sombrancelhas. Claramente, eu sabia da onde vinha meu gênio forte. 

Papai revirou os olhos. 

– Calma, calma. – Chris falou rindo e apoiando-se em papai. – Sem estresse. Pai, por favor, não seja mal-educado, nós temos quartos sobrando e seria ridículo da sua parte não deixar a mamãe aqui. 

– Eu ficaria muito braba. – Eu debochei. – Aí mãe, que saudade! – eu falei abraçando ela mais uma vez. 

– Aí, aí, tá bom. Seja bem-vinda, Eva. – Ele disse por fim. 

– Obrigada, Enrico. – Ela deu um breve sorriso. – Bom, que cheiro bom é esse? 

– Ah, é o almoço. Temos tacos! – Chris disse animado. – Quer que eu te sirva, mãe? 

– Quero sim, muito obrigada, meu amor. – Ela disse sorridente para Chris. – Bom, quando eu vou poder ver o resto da minha boyband favorita?! 

– Vai demorar um pouquinho, nós marcamos o ensaio às 3:00. – Eu falei sentando-me na mesa e dando uma mordida no taco. – Tá muito bom, pai! 

– Que bom, filha. – Ele sorriu e assentiu com a cabeça. 

– Aí, eu já não posso me conter de ansiedade. – Ela disse feliz. 

– Aqui ó, mãe. – Chris entregou o prato para ela e ela agradeceu. 

Ela deu uma mordida no taco e mastigou. 

– Está bom mesmo, pelo menos nisso tu sempre foi útil, Enrico. – Ela debochou.

– É que o gosto do veneno que eu coloquei deu um up na comida. – Ele lhe lançou um irônico, eu e Chris quase morremos de rir. 

– Socorro! Vocês são uma comédia mesmo! – Eu falei rindo. 

– Sempre foram! – Chris disse dando uma mordida no taco. 

– Ridículo. – Mamãe resmungou e revirou os olhos. – Bom, vocês já gravaram o vídeo? 

– Ainda não, achamos que tínhamos que ensaiar mais. – Chris disse. 

– Por mim, vocês já poderiam ter gravado isso há muito tempo. Vocês estão ótimo, meninos. – Papai elogiou. 

– Bom, teu pai é produtor musical, se ele está dizendo que vocês são ótimos, eu não posso duvidar do talento de vocês! Eu estou super feliz com tudo isso. – Ela disse sorrindo. 

– Tudo graças a Diara, que teve essa ideia louca! – Chris riu. – Uma ideia, que vai fazer nossos sonhos se tornarem realidade. 

– Não dêem o mérito do para mim, eu só dei o ponta pé inicial, se vocês estão se saindo bem, é porque merecem. – Eu disse sorrindo. 

– Vocês dois, demonstrando carinho, sem brigar, é incrivelmente fofo! – Mamãe exclamou. 

– É bem melhor vocês dois assim, do que um xingando o outro e a Dea te ameaçando de morte. – Papai disse rindo. 

– Quem fica arremessando o despertador na parede é ela, posso fazer nada. – Chris debochou. 

– Vai te fuder, Christopher. – Eu dei um soco no braço dele. 

– Aí! – Ele revirou os olhos e massageou o braço. – Macha.

– Teu cu. – Eu falei revirando os olhos. 

– Deu vocês dois! – Papai interrompeu nossa discussão. 

– É só elogiar que os dois começam. – Mamãe disse rindo. 

– Olha quem tá falando. – Chris disse. 

– Cala a boca. – Eu falei rindo. – Ela vai começar com o drama. 

– Eu mal chego nessa casa e já sou tratada assim, eu hein! – Ela disse terminando de comer. 

– Aí é brincadeira deles! – Papai disse rindo. 

– Eu sei, não se mete, Enrico! – Ela falou colocando o prato na pia. 

– Ui, me desculpa. – Ele falou debochando. 

– Aí Deus. – Chris disse rindo. 

Nós todos logo depois terminamos de comer. Mamãe foi para o quarto de hóspedes, arrumar suas coisas, tomar um banho e descansar. Papai e Chris ficaram na sala, jogando vídeogame. 

Eu desci para o meu quarto, fechei a porta e deitei na minha cama. Por algum tempo, eu me esqueci de tudo aquilo que havia acontecido de manhã e sinceramente, não tinha vontade nenhuma de lembrar. 

Eu não sabia ao certo, o que eu senti naquele momento. Se era tristeza, raiva, ciúmes e só sabia o fato que o beijo entre Scarlet e Joel havia me incomodado muito. Porém, sabia que não havia direito de cobrar, reclamar ou fazer quaisquer coisas que só namoradas fazem nesse tipo de situação. Meu orgulho, estava gritando alto para eu tratar ele friamente e parar de falar com ele e fazer com que ele percebesse o porquê de eu estar braba com ela; por outro lado, o meu racional dizia que isso seria um pouco de imaturidade da minha parte, eu sabia que não devia ter me sentindo assim desde o começo, porque eu “não tenho nada” com ele, ele me dizia para eu esquecer tudo isso e continuar tratando Joel como sempre tratei, pois sabia que se parasse de falar com ele, eu sentiria falta dele. 

Eu estava dívida, confusa com meus sentimentos. Eu vim para cá, com a intenção de transformar minha vida, sem desenvolver sentimentos po IP IPr ninguém. Eu estou transformando minha vida, mas eu estou desenvolvendo sentimentos por alguém. 

Você só sabe se contra-dizer.” 

Eu pensava. Essa frase me definia sempre e o fato dela me definir, me irritava ao extremo. 

O meu celular tocou. Era barulho de notificação. 

Eu estiquei o meu braço, o máximo que pude para tentar alcançar meu celular que estava na estante ao lado de minha cama. Eu estava com muita preguiça de levantar e pegar o telefone, isso me privaria de alguns segundos deitada na minha cama. 

Assim que conseguir pegar o telefone vi várias mensagens, meu celular não parava de vibrar. A que me chamou atenção era de Lídia, eu cliquei no ícone da conversa e a respondi. 

SMS on: 

Lídia: Tá, agora que Erick não está por perto e tenho quase certeza que ele já deve estar ciente do que passou. Me conte, por que você estava tão desanimada? 

Diara: Eu sabia que tu ia me perguntar isso, eu já disse que tá tudo bem.

Lídia: Não me convenço disso. 

Diara: Deixa de ser insistente, Lídia. Se eu tô dizendo que tá tudo bem, é porque tá. 

Lídia: Com a minha pouca experiência de relacionamentos, tantos de amizade, pelo o que eu saiba, quase sempre quando alguém está mal e perguntamos o motivo, ela quase sempre demonstra um falso sorriso e diz que está tudo bem. Não tente me enganar, Dea. 

Diara: Às vezes tu me confunde com tantas teorias. 

Lídia: Eu sou boa nisso, obrigada.

Diara: Convencida😂 

Lídia: Nesse quesito, posso me gabar😂 

Diara: Com certeza. 

Lídia: E aí? Você não vai me dizer? 

Diara: Esquece isso.

Lídia: Não tem como! Eu sei que algo está te incomodando e eu quero saber.

Diara: Curiosidade matou o gato.

Lídia: Nem tenta essa, Dea.

Diara: Scarlet e Joel se beijaram. 

Lídia: O QUE? COMO ASSIM? VOCÊ ESTÁ DE BRINCADEIRA COMIGO, DIGA QUE SIM! 

Diara: Até eu queria que você brincadeira. Para de histeria!

Lídia: Acho que isso é um comportamento bem comum, diante dessa informação. Meu deus, como você tá se sentindo com tudo isso? 

Diara: Tu tá me perguntando como se isso fosse algo terrível, tipo, como se alguém próximo meu tivesse morrido.

Lídia: Sem gracinhas, Dea. E sim, isso é algo terrível, a Scarlet está se divertindo com todos os meninos, realmente o encanto dela faz alguns milagres.

Diara: Milagres? 

Lídia: Sim, os outros meninos se encantarem profundamente por ela é algo esperado, agora o Joel? Ele parece estar bem focado em você, Diara.

Diara: Se com focado, você quis dizer “Eu gosto de você, mas acho que seria uma boa experiência beijar a boca da Scarlet.” 

Lídia: Por favor, não me diga que ele te disse isso! 

Diara: Eu nem falei com ele.

Lídia: Você sabe que uma hora, não tem como fugir. 

Diara: Eu sei, mas eu não sei como reagir.

Lídia: Está confusa? 

Diara: Talvez, eu não tô sabendo lidar com o que eu tô sentindo. Eu não sei o que eu tô sentindo, na verdade.

Lídia: A Ciências diz que quase sempre, quando descobrimos algo que nos causa certa frustração ou surpresa, costumamos ficar abertos a um misto de emoções. 

Diara: Bom, então a Ciência decifrou o que tô sentindo agora. Um misto de emoções. 

Lídia: Acho que é mais provável que você esteja sentindo ciúmes.

Diara: Vai um pouco além disso.

Lídia: Algo como tristeza? 

Diara: É. 

Lídia: Isso poderia ser indícios de você estar gostando dele, ciúmes, sentir tristeza por saber que ele está a par de se envolver com outras garotas. 

Diara: Nossa, como você está me ajudando Lídia. 

Lídia: Desculpa, eu só estou falando o óbvio. 

Diara: Eu tenho muito medo desse “óbvio”. Sério, eu não tô a fim de gostar de ninguém, Lídia. 

Lídia: Eu sei, Dea. Mas você tem que superar esse medo de confiar nas pessoas, o Joel não é como o Ícaro e você sabe disso.

Diara: Talvez, mas sei lá, eu me senti trocada. Nós não temos nada, eu não posso reclamar ou cobrar algo dele, é tão irônico essa situação. 

Lídia: Ela vai deixar de ser irônica, a partir do momento em que você começar aceitar que talvez, está gostando do Joel. 

Diara: Tu tá me assustando. 

Lídia: Como você diz, “só trabalhamos com fatos verídicos.” 

Diara: Ridícula😂🙄 

Lídia: Perdão, não podia perder a oportunidade. 

Diara: Percebi. 

Lídia: Bom, eu vou estudar um pouco mais de química, te vejo no ensaio. 

Diara: Falando em química, como foi lá pra pegar o resumo? 

Lídia: Normal, eu não sinto nenhuma atração sexual pelo meu colega, se era isso que você queria saber. Sua pergunta disfarça um pouco sua intenção. 

Diara: Haha, eu acredito em ti. Até porque, tu gosta do Erick. 

Lídia: E ele nunca deu bola, eu devia ter superado esse amor platônico desde a sétima série. 

Diara: Ele nunca deu bola, porque é um babaca, mas aí, Deus me colocou na vida dele e faz com que eu abra os olhos deles e veja o que está escancarado na frente dele. 

Lídia: Ele sabe disso há muito tempo, mas nem se importa.

Diara: Se importa sim, pelo menos agora. Ele gosta de ti, vai por mim.

Lídia: Não seja ridícula, Diara Maria. 

Diara: Olha o Christopher aqui, agora. 

Lídia: Mereço🙄 

Diara: Merece sim, o Erick sente ciúmes de ti e é super carinhoso contigo. 

Lídia: Eu devo ser mais uma conquista qualquer pra ele. 

Diara: Claro que não! Não fala bobagem. 

Lídia: Se você quiser continuar com essa possibilidade absurda, continue. Apenas, não me coloque no meio disso tudo, por favor. 

Diara: Aí, tá bom, tá bom, mas ainda não vou deixar de shippar meu casal.

Lídia: Aí deus😂 

Diara: Bom estudo, beijãoo❤️

Lídia: Beijo❤️

SMS off: 

Sai do ícone de conversa e vi que tinha várias mensagens de Erick. Ele e a Lídia eram tão bonitinhos juntos, que  até mandavam mensagem ao mesmo tempo, sem saber. 

Eu sabia sobre o que Erick queria conversar e sinceramente, não tinha paciente para aquilo. Não queria ficar tocando no assunto e repetindo milhares de vezes as mesmas coisas, eu conversava com ele no ensaio. 

Deixei meu celular de canto e fechei os olhos, eu escolhi dormir, é algo que não me estressa, não me magoa e faz com que eu esqueça dos meus problemas. Dormir foi a invenção mais perfeita que o homem já pode inventar. 

Fechei os olhos e cai em um sono.

{...} 

– Vamos acordar! Lalalalala. – Eu ouvi uma voz cantarolando. 

– Sai daí, Chris! – Eu falei bocejando.

– Que mané, Chris! Vamos, Diara Maria. – Esse alguém me puxou pra fora da cama, me fazendo cair da mesma, com a queda, eu me despertei de vez. Era o Zabd. 

– Vai te fuder, Zabdiel! Puta que pariu, vai acordar os outros assim lá na casa do caralho! – Eu esbravejei e me levantei do chão. 

– Calma, esquentadinha. – Ele disse rindo. – Eu te machuquei. 

– Não imagina, eu só devo ter quebrado alguns ossos da costela. – Eu debochei. 

– Dramática não eras. – Ele riu. 

– Tu vai ver o dramática! – Eu falei pegando um travesseiro e batendo com o mesmo nele. 

– Aí, desgraçada! – Ele riu e começou a me dar travesseiradas também. 

Eu corri para o corredor e quando fui descer as escadas, senti as mãos dele me agarrando da cintura e deixando meu quadril de frente, colocando o mesmo em seu ombro. 

– Me larga! – Eu falava rindo. – Eu vou cair.

– Deu de travesseirada, bela adormecida! – Ele disse rindo e desceu comigo. 

Assim que chegamos na sala, todos começaram a rir. Ele me jogou no sofá e eu bufei, a meio de risos.

– Seu idiota! Isso vai ter volta! – Eu gritei rindo. 

– Vai começar os chiliques da princesa. – Chris debochou. 

– Deixa tua irmã, não começa. – Papai disse rindo. 

– Ô Diara, dá pra se ajeitar no sofá, que eu não sou encosto não, tu é pesada! – Erick disse me empurrando, para tirar meu peso de seu corpo, eu estava encostada nele. 

– Aí, Erick! Tá me chamando de gorda? – Eu falei fingindo estar indignada. 

– Aí eu vou ser obrigada a concordar com a Dea, que absurdo Erick! – Scarlet disse revirando os olhos. 

– A Scarlet concordando com a Diara em algo, Jesus deve estar descendo pra Terra. – Richard disse rindo. 

– Cala a boca. – Eu falei. 

– Não fala nada, não estraga o momento. – Joel se pronunciando pela primeira vez. 

– Por que tu não continua quieto? – Eu perguntei. 

– Porque eu não quero. – Ele disse secamente. 

– Mais criatividade na resposta, na próxima vez. – Eu disse. 

– Meu deus, parem vocês dois. – Papai disse. – Tu adora chegar já causando.

– É a especialidade dela, adora chamar atenção. – Scarlet disse arrumando os seus cabelos. 

– Tu é outra que podia ficar quietinha. – Eu pisquei para ela e ela revirou os olhos. 

– Gente, sem estresse. – Zabdiel falou rindo. – Paz e amor, que nem o Richard diz. 

– É gente, paz e amor, mais compreensão no mundo. – Rich falou forçando uma voz mais grave que o normal. 

– Tá parecendo um drogado, credo. – Joel comentou e fez com que todo mundo caísse na risada. 

– Acho que o usa de entorpecentes é algo que se remete a essa voz. – Lídia riu. 

– Então, são os esses os nossos astros pop-latinos?! – Mamãe disse chagando na sala. 

Ela chegou no seu estilo Eva Messi de ser, sorridente e esbanjando simpatia. Os meninos e as meninas ficaram boquiabertos ao ver a Dona Eva, chegou até a ser engraçado. 

– Não brinca! – Zabdiel falou surpreso. 

– Me belisca, eu acho que tô sonhando! Gente do céu! – Erick disse sem acreditar. 

– Meu deus! – Lídia e Scarlet falaram ao mesmo tempo. 

– Eva Messi? – Richard disse com os olhos arregalados. 

– Ao vivo e a cores! – Ela disse rindo.  

– Nós estamos emocionados de conhecer a senhora. – Joel falou sorrindo.

– Por favor, senhora não, Eva. – Ela sorriu. – Como vocês estão? – Ela disse beijando cada um dos meninos e das meninas na bochecha, cumprimentando-os um por um. 

– Estamos ótimos! – Todos disseram em coro. 

– Então, se apresente. Ouvi muito falar de vocês e já sintam que vocês são incrivelmente talentosos! – Ela disse sorrindo.  

– Nós ficamos muito felizes de ouvir isso, Eva. – Richard disse. 

– Aí gente, eu tô nervoso, não é todo dia que eu vejo a Eva Messi, gente, eu não tô bem não! – Erick falou colocando a mão em seu peito, fazendo com que todos nós ríssemos.

– Erick sendo Erick. – Papai disse rindo. 

– Sempre tem que ter drama, né? – Eu disse bagunçando os cabelos dele.  

– Aí gente, drama é comigo mesmo. – Mamãe disse rindo. 

– Alguém que me entende. – Erick falou rindo.

– Bom, tu é o Erick. E os outros? – Mamãe perguntou se sentando ao lado de Lídia. 

– Eu me chamo Joel. 

– Eu sou o Zabdiel. 

– Eu o Richard, mas pode me chamar de Rich. 

– Eu sou a Lídia. 

– E eu, a Scarlet. 

– Nomes lindos! – Ela disse. – Bom, estou ansiosa para esse ensaio, vamos começar quando? 

– Se depender de mim, agora! – Chris disse esfregando as mãos. 

– Por mim também. – Os meninos disseram em coro e nós, as meninas assentiram com a cabeça.

– Então, peguem seus violões e mostrem o que sabem fazer de melhor; cantar e arrasar. – Papai disse. 

Os meninos riram, logo depois se posicionaram e pegaram os violões. Levaram alguns Breves minutos afinando os mesmo e depois, já estavam prontos. 

Déjala que vuelva 
Ay ay ay

¿Cómo podrás respirar cuando te falte mi piel? 
Si fuiste tú quien se alejó 
Pero esta vez no me dolió baby (No me dolió)

No quiero verte llorar por mí
Entiendo no sabes perder 
Aunque esta vez

No va a ser tan fácil 
Yo te lo juro, no va a ser tan fácil (No va a ser tan fácil) 
Lo hiciste difícil 
Lo tengo claro, si preguntan por ti diré

Volverá como la primera vez 
Déjala que vuelva 
Ella conoce solita el camino conmigo

Volverá como la primera vez 
Déjala que vuelva 
Ella conoce solita el camino conmigo

Tu cuerpo
Sabes que no dejo pensar en tus besos 
No hay nada más rico que probar tu boca 
Pero esta vez, mamacita, no es tan fácil la cosa

Tu cuerpo 
Sabes que no dejo pensar en tus besos 
No hay nada más rico que probar tu boca 
Pero esta vez, mamacita, no está fácil la cosa

Volverá como la primera vez 
Déjala que vuelva 
Ella conoce solita el camino conmigo

Volverá como la primera vez 
Déjala que vuelva 
Ella conoce solita el camino conmigo

Baby, yo sé que tú también me das 
Lo que es no por pedirme lo quieres 
Yo sé que es lo que tú quieres 
Que yo me desespere y te vuelva a ver

Por favor no le insistas 
Déjala que juegue sola ya no le insistías 
Sientes que por volver a ella mueres 
Esta vez no le daré lo que ella quiere

Volverá como la primera vez 
Déjala que vuelva 
Ella conoce solita el camino conmigo

Volverá como la primera vez 
Déjala que vuelva 
Ella conoce solita el camino conmigo

¿Como podrás respirar cuando te falte mi piel? (Piso 21) 
Si fuiste tú quien se alejó 
Pero esta vez no me dolió, baby

No quiero verte llorar por mí (No, no) 
Entiendo, no sabes perder 
Aunque esta vez

Volverá como la primera vez 
Déjala que vuelva 
Ella conoce solita el camino conmigo. 


Eles terminaram de cantar e mamãe, foi uma das primeiras que começou a aplaudir. 

– Vocês não são ótimos, vocês são perfeitos! – Ela disse sorridente. – Meninos, vocês vão ser a melhor banda desse universo, escrevam o que eu estou dizendo! 

– Gente, quem diria, hein? Nós estamos recebendo elogios da Eva Messi. – Erick disse sorrindo. 

– Realmente, nós devemos estar muito bem! – Zabdiel disse rindo. 

– Convenhamos, nós somos bons. – Chris disse rindo e Richard rindo também, deu um tapa na sua cabeça. 

– Nem é convencido. – Joel disse revirando os olhos rindo. 

– Mas Chris tem razão, assim como Eva. Vocês são perfeitos mesmo! – Scarlet disse.

– E acho que CNCO, vai ser uma grande sensação. – Lídia disse sorrindo.

– Meninos, acho que não falta muito para gravar o vídeo, não acham? – Papai perguntou.

– Acho melhor mais algumas passagens de som, o vídeo deverá ficar muito bom, bom não, perfeito. – Richard disse.

– O essencial vocês já tem, que é o talento. Só tem que deixar levar. – Eu disse. 

– Ownt, que fofa! – Erick disse fazendo uma voz infantilizada. 

– Nem parece uma eguinha pocotó. – Joel disse rindo. 

– Aí gente, deixa nossa princesinha em paz! – Richard disse rindo.

– Daqui a pouco ela se irrita e vira o cavalo da princesa. – Zabdiel debochou.

– São meus fãs mesmo, me amam muito! – Eu falei revirando os olhos.

– Enfim, como a Dea disse, é só deixar rolar e deixar o nervosismo de lado. – Scarlet afirmou.

– Concordo com a Scarlet. – Lídia disse. 

– Então, amanhã? – Papai sugeriu. 

– Ótimo! O que acham galera? – Mamãe perguntou. 

– Perfeito. – Dizemos todos em coro. 

– Vou fazer algo para a gente comer! – Mamãe se levantou e foi em direção a cozinha. 

Nós entramos em conversas paralelas, enquanto esperávamos o lanche. Alguns foram para os quartos, outros para a cozinha e assim ficamos. 

{...} 

Eu havia subido para o quarto para pegar meu celular, olhei rapidamente as horas no mesmo, já eram seis horas. 

Eu ouvi alguém bater na porta. 

– Entra. – Era Joel. Eu desviei meu olhar dele rapidamente, eu ouvi seus passos, ele devia estar se aproximando de mim. 

– Faz um tempinho que a gente não se fala. – Ele disse me olhando. 

Eu me sentia sem jeito quando ele me olhava assim, me fazia esquecer por um momento que eu estava irritada com ele. 

– É. 

– Por que tá me tratando assim?

– Eu tô te tratando normal. 

– Parece que você tá me evitando. 

Eu cheguei a conclusão que o Joel ou ele é burro, ou ele se faz de burro. 

– Impressão tua. – Eu falei tentando me esquivar dele. 

Ele parou na minha frente e me olhou diretamente nos olhos. Confesso que senti um pouco de medo. 

– Por que você tá braba comigo? 

– Eu não tô braba contigo.

– Então, por que tá assim? 

– Eu já falei que tô normal, sai da minha frente. 

– Pede com educação, que aí eu penso. 

– Sem gracinhas, Joel. Eu não tô com paciência. 

– Diara, eu te conheço. O que eu fiz? 

– Nasceu. – Eu fui sair para o lado, ele me encostou na parede delicadamente, senti minha respiração ficar acelerada. – Joel, sai. 

– Eu queria saber o porquê de você estar tratando todo mundo muito bem e eu ser o único excluído desse grupo. 

– Achava que tu já estava acostumado a receber esse tipo de tratamento, vindo de mim. 

– Eu tô falando sério, Dea. 

– Eu também tô. 

– Eu odeio quando você faz isso. 

– Isso o que? 

– Não me diz as coisas.

– O único que não conta as coisas aqui, é tu pelo visto! – Eu esbravejei e empurrei-o. 

– Do que você tá falando? – Ele me lançou um olhar confuso.

– Eu odeio quando tu se faz de sonso. Eu jurei para mim mesma que não ia discutir contigo sobre isso. 

– Se você me dissesse o que você não queria discutir contigo, eu agradeceria.  

Eu respirei fundo. 

– Por que tu mentiu pra mim? 

– Eu não menti pra você.

– Ah não? Então, por que tu não me disse nada sobre o teu beijo com a Scarlet? 

Ao ouvir aquilo, sua expressão ficou séria. 

– Como você descobriu? 

– Tu é ridículo mesmo, foda se como eu descobri, responde a minha pergunta! 

– Eu não sei! Eu achei melhor não te contar.

– Ah claro, vai colocar em prática a tua histórinha do “Só queria te proteger”? 

– Não foi isso que eu quis dizer.

– Claro, eu sempre interpreto mal as coisas. 

–  Diara, para de colocar palavras na minha boca! 

– Tu tá sendo um idiota. 

– Vem cá, qual o teu problema? Eu não sei o porquê de você estar tão irritada, nós não temos nada! – Ele esbravejou. 

Eu engoli em seco. Senti vontade de chorar. Ele falou exatamente o que eu estava com medo de ouvir.

Ele me olhou e respirou fundo.

– Dea, eu não queria ter fal..

– Vai te fuder, Joel! Sério, eu já sei que nós não temos nada e sinceramente, a partir de hoje, faz o que tu quiser. Tu e a Scarlet se merecem.

– Eu não vou fazer o que eu quiser, sabendo que você se importa.

– Eu não me importo, porra! 

– Se não se importa, por que sentiu ciúmes?

– Vai um pouco mais além do que sentir ciúmes, Joel! – Eu disse sentindo as lágrimas se formarem em meus olhos. – Se quer saber, eu odeio saber que tu beijou a Scarlet, eu odeio saber que tu não me contou nada, eu odeio saber que tu não se importa. 

– Eu me importo! E muito, Dea! Esse beijo com a Scarlet foi um impulso, eu não tenho nada com ela, é sério. 

– Não precisa me dar explicações.

– Mas eu quero te dar explicações.

– Mas eu não quero saber! Esquece tudo o que eu disse. 

– E você... Vai conseguir esquecer? 

– Uma briguinha ridícula dessas? 

– Ridícula tá sendo a tua atitude! 

– Falou o que tá agindo que nem um babaca! 

– Se eu tô agindo que nem um babaca, me troca! Vai lá, procura alguém melhor, porque “nós não temos nada”. 

Tu não é a minha única opção, não te preocupa! 

– Ah, claro que não, né? Tem o idiota do Matías é o Richard, vai lá, corre pros braços de um dos dois! 

– Pelo menos eles não são babacas que mentem para mim!  

Ao terminar essa frase, eu senti um aperto no coração. Eu me arrependi de ter falado isso, o olhar de Joel de bravo, havia mudado para triste. 

Ele deu um soco na parede. 

– Eu só espero que eles realmente gostem de ti, como eu gosto. – Ele falou baixinho, quase sussurrando. Acho que não era para eu escutar, acho que aquilo era só para ele escutar. 

Ele me olhou e depois saiu batendo a porta. 

Eu me sentei na cama e comecei a chorar. Eu odiava discutir quando estava com raiva, porque eu sempre falava coisas que iria me arrepender depois. 

Eu sempre coloquei os sentimentos dos outros acima dos meus, eu estava com medo de ter magoado o Joel com aquelas palavras, eu estava com medo de sei lá... Perdê-lo? Será que ele ainda ia querer falar comigo depois daquilo? Será que ele ainda insistiria em nós? E sobre aquilo que ele falou, ele realmente gosta de mim? Eu só queria chorar. Ao mesmo tempo, só queria atrás dele e pedir desculpas, mas meu orgulho ainda gritava; ele me dizia que eu só falei o que estava engasgado na minha garganta. 


Notas Finais


Link da música:
https://youtu.be/y7d9VLRO3vc
Espero que gostem 💕🌸


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...