História Se acalmem! - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Jaemin, Jeno, RenJun
Tags Comedia, Fantasia, Fluffy, Huang Renjun, Jaeje, Jaemin, Jaren, Jeno, Lee Jaeno, Lee Jeno, Na Jaemin, Nct, Nct Dream, Nomin, Noren, Norenmin, Poli Amor, Remin, Renjun, Reno, Renomin, Sereia, Tritão, Yaoi
Visualizações 237
Palavras 3.295
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Fluffy, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie, oie estrelinhas cadentes <3 Tudo bem com vocês?
Hoje eu vim trazer o capítulo dois dessa Renomin\Norenmin <3
E antes que vcs leiam gostaria de anunciar que agora essa historia irá ter mais que dois capítulos, pois agora ela é apenas uma historia minha e não mais dedicada ao projeto.
Mas por favor peço humildemente que vocês continuem apoiando o projeito SeakaIm <e
Sem mais enrolações boa leitura <3

Capítulo 2 - Two


Se acalmem!

 

A noite caia sobre Busan e com ela vinha o frio sinal de que estava na época exata de Jaemin iniciar sua busca, já havia se passado 6 anos que o garoto tinha ido para o mundo dos humanos e nunca nesses anos o coreano colocou seus pés na água salgada e bela do mar. Para ele estar caminhando descalço sobre a área branca e fofa da praia era como estar voltando para os braços de sua mãe mesmo que ela já não estivesse mais no Reino Shine para recebê-lo…

 

Jaemin respirou bem fundo e então passou a fitar aquele mar, a luz da lua não refletia sobre as águas do oceano pois o céu se encontrava nublado então tudo que o Na via era o mar se movendo calmamente no meio da escuridão. Olhou para os lados checando se havia alguém ali presente e como imaginava estava totalmente sozinho, sorriu e logo começou a entrar no oceano que o recebeu com alegria e a medida que o garoto ia adentrando as águas mais elas se tornavam agitadas, ondas rodeavam o corpo magro como se quisessem abraçar o jovem e magia já se fazia presente ao redor do Na fazendo com que ele se transformasse no seu verdadeiro eu.

 

A cauda de Jaemin era um tom de azul claro que brilhavam a cada mover do tritão, na pele branca era possível ver a marca da realeza, a marca dourada que começava no braço direito do garoto atravessava as costas largas e terminavam no braço esquerdo, a face trazia o brilho dourado do príncipe símbolo que tornavam o tritão tão importante, pois nunca na histórias das sereias e tritões foi visto alguém que possuísse um brilho tão forte e único como o do Na, as unhas das mãos do príncipe carregavam consigo pequenas pedrinhas de diamantes, sobre a cabeça nos cabelos cor de mel e brilhantes havia uma coroa cheia de pedras preciosas – a coroa de Jaemin não saia de sua cabeça por nada apenas o garoto podia tirá-la – , sua coroa era uma das fontes de seu poder a outra fonte era seu tridente feito pela a pedra mais preciosa do Reino Shine, grandidierite.

 

Sorridente adentrou o oceano e passou a mergulhar pelo mesmo aproveitando cada sessão de prazer oferecida, podia ouvir cada um de seus súditos, podia sentir cada um daqueles com o qual possuía laços e não havia como explicar quão grande era o amor de Jaemin por aquilo.

 

Jaemin estava quase chegando em seu reino quando passou a sentir-se observando e realmente estava sendo, era costume que seres aquáticos rebeldes tentasse atacar a família real e veja bem, ali estava o Na sozinho e sem proteção o momento exato para atacar o tão amado príncipe de Shine. Não aguentando mais a demora o tritão parou de nadar e passou a olhar ao seu redor, desta vez tendo a certeza que quem estava atrás de si não era boa companhia, pois podia sentir seu sangue ferver juntamente com suas marcas da realeza que brilhavam mais fortemente colocando ao redor do príncipe um campo de forças.

 

— Olha – começou a dizer o tritão se muita empolgação –, se for me atacar a hora é agora, só faltam – olhou para o caminho que antes seguia – vinte e cinco minutos para entrarmos nos territórios de Shine.

 

E não foi necessário mais nada, pois logo o garoto estava rodeado de rebeldes – Ninguém nunca tinha dito ser apenas um a seguir o príncipe –.

 

— Na Jaemin, príncipe herdeiro de Shine – Ditou um dos rebeldes que parecia ser o líder de todos os outros 20 que ali estavam, não era lá muito bonito carregava em sua cauda centenas de cicatrizes e sua face não possuía sequer um brilho de tritão decente tudo que rodeava aquele ser aquático era escuro e sombrio –. Amado pelo seus súditos e odiado pelo seu pai – Continuou enquanto se aproximava de Jaemin, que aparentemente se mantinha calmo porém não deixava de observar cada movimento que ocorria ao redor de si – O que o traz aos mares novamente, alteza?

 

A voz carregada de ironia e desprezo soou de maneira clara, fazendo com que Jaemin olhasse para aquele tritão buscando compreender um pouco do que ele queria, pois o jovem notou que o mesmo não era um rebelde comum, ele não parecia querer apenas um pouco do ouro do Na as marcas o avisam isso, o mar gritava nos ouvidos do príncipe.

 

— Coisas em particular – respondeu simplista sem tirar os olhos do recém chegado –, e você o que lhe traz aqui tão perto do meu reino?

 

O rebelde sorriu, agora estava apenas 1 metro de distância de Jaemin e o encarava como se estivesse no nível do príncipe e não o temesse nenhum pouco, o que era verdade aquele rebelde já havia deixado de temer a família real a muito tempo.

 

— Sua coroa – respondeu agora olhando para o objeto valioso –, sua coroa é o que me traz aqui.
 

Um silêncio se instalou no local e iria continuar assim se logo não fosse ouvia a risada de tom malicioso seguida por um sorriso psicopata vinda do Na.

 

— Você quer isso? – Jaemin perguntou ainda sorrindo de maneira medonha, apontou para a coroa e então desfez o campo de força que antes fora ativado envolta de si automaticamente pela suas marcas – Então tente pegá-la.


 

��


 

Renjun se encontrava encolhido no sofá de sua casa todo choroso enquanto Jeno estava na cozinha preparando o jantar, os dois garotos se sentiam angustiados e por mais que tentasse se animar parecia que nada funcionava o vazio que Jaemin deixava quando estava longe era grande.

 

— Jeno-ah, - chamou o chinês, porém não foi respondido - ei! Jeno!
 

Agora o mais novo já se encontrava na frente de seu namorado carregando consigo um do pratos que preparava, dos três rapazes Jeno era o único que sabia cozinhar.
 

— Sim Junnie? O que foi amor?

Perguntou todo preocupado, Jeno também era o mais amoroso da triple. RenJun, Jaemin e Jeno eram como macarrão, molho de tomate e almôndegas, cada um tinha um papel no relacionamento e cada um deles era essencial.

 

— Você se lembra daqueles amigos do Minnie? Aquele chinês e o coreano?
 

O coreano parou para pensar um pouco, Jaemin tinha tantos amigos que era quase impossível contá-los.  
 

— Amor, ChenLe e Jisung também são nossos amigos.
 

O mais velho acabou bufando, ele sabia que seu namorado era lerdinho e por isso juntou a paciência que tinha de sobra e pegou o celular entrando no instagram e logo procurando fotos das pessoas que estava falando.
 

— Aqui! - Falou animado assim que achou as contas dos dois - Lee DaeHwi e Huang Justin.
 

E mostrou a foto dos dois para o namorado que pareceu lembrar dos dois.
 

— O que tem eles amor?
 

E então Renjun se levantou e sorriu para o namorado.
 

— Já reparou nesse áurea, nesses rostinhos e cabelos brilhantes?
 

E como um baque as memórias de Jeno o atingiu, pode se lembrar dos momentos de Jaemin e os outros dois na faculdade e também se lembrou bem do dia que o Na segredou para o Lee “Eles são como eu amor, por isso você não consegue parar de olhar”.
 

— Oh! - gritou olhando chocado para Renjun - Oh! - disse mais uma vez tomando o celular do Huang de suas mãos - Jaemin já havia me dito isso antes, ele já tinha me contado sobre DaeHwi e Justin serem como ele!
 

E então RenJun sorriu grande com aquela novidade, seu plano poderia dar certo agora.
 

— Jeno eu tive uma ideia - falou animado atraindo a atenção do mais novo para si - ,Vamos chamar os dois para virem jantar aqui em casa - ia continuar explicando seu plano para o namorado, porém foi interrompido por uma sessão ruim que tomará seu corpo olhou para o Lee e viu que o mesmo também havia sentido - e vamos chamá-los rápido.
 

Continuou pegando o celular das mão do mais novo e discando o número dos mais novos que tinha na agenda telefônica graças aos contatinhos da vida.

 

��

 

Não era como se Jaemin já não estivesse acostumado aquilo, cresceu vendo milhares de rebeldes tentaram saquear seu reino e falhando miseravelmente. Desde muito pequeno o príncipe também foi ensinado a controlar seus poderes para um bem maior, isso envolve se defender e proteger o povo. Aqueles que ameaçaram pegar a coroa do Na até chegaram a lutar contra o mesmo, mas não era como a Água já não tivesse avisado a todos que o garoto estava de volta ao oceano, veja bem; assim que o príncipe adentrou o mar, a Água o sentiu e tratou de avisar para o rei e qualquer membro da família real que o príncipe estava de volta e também avisou quando o jovem tritão foi cercado por malfeitores que ousaram o ameaçar de pegar sua coroa, o Na não podia ouvir a Água ainda, nem falar com ela mas podia senti-la e sabia que futuramente quando herdasse tudo aquilo iria ser como seus pais capaz de controlar, ouvir e sentir cada extensão aquática existente - os rebeldes foram presos -. Jaemin chegará ao seu reino escoltado, não tinha ficado contente com aquilo mas no final acabou aceitando que foi melhor assim pois sabia que o único jeito de fazer os que o antes atacaram parar era a morte, e sinceramente o Na já estava cansado disso.

 

Adentrou o palácio já encontrando seu pai - o rei - , nas enorme cadeira de grandidierite em formato de concha, assim como o imaginado o rei não sorriu ao vê-lo ao invés disso olhou para seu filho com um certo desgosto e se levantou de seu trono, segurando na mão direita seu tridente com força e se virando em seguida de costas para o Na mais novo.

 

— O que você quer aqui?
 

Perguntou, chegava a ser palpável o desgosto na voz grossa e por mais que Jaemin fingisse não se importar, era difícil para o coração do príncipe se acostumar com aquela frieza toda que seu pai lançava em cima de si. Respirou fundo e tratou de escolher bem as palavras que usaria, não vinha seu pai a anos e só sabia que essa relação havia se tornado assim após a morte de sua progenitora.

 

— Eu vim pela tradição, vou até Rakkaus.
 

Diferente do esperado por Jaemin seu pai não surtou e o ameaçou, ele apenas balançou a cabeça em confirmação aceitando a decisão do mais novo sem nem o questionar.
 

— Você pode ir, mas… - Aquele mas fez o coração de Jaemin ficar ainda mais apertado, sempre que o mais velho falava um “mas” alguma condição absurda estava por vir - Quero que a general Hyuna e o general Taemin vá com você.
 

Não era com se a frieza ou qualquer outra coisa tivesse saído do tom de voz do pai de Jaemin, mas naquele momento o tritão sentiu que seu pai estava se preocupando com consigo e isso fez com que os olhos do mais novo se enchessem de lágrimas, que ele foi obrigado a segurar pois chorar na frente do mais velho não parecia correto.
 

— Hm…
 

Disse por fim, então nadou o mais rápido possível para longe do pai indo até onde sabia que a sereia e o tritão estariam.
 

Kim Hyun Ah, ou apenas Hyuna era como uma irmã mais velha para o Na, apesarem de terem 10 anos de diferença isso não impediu os dois de construírem uma amizade forte e bela. A mais velha sempre esteve com o garoto, viu o nascer e jurou por toda a eternidade o proteger e assim se tornou a guardiã de Jaemin e a general do exército de sereias Pearl - a segunda classe mais forte de sereias e tritões -. Kim HyoJong, surgiu depois dessa nomeação ele era de outro reino porém ao ver a general se apaixonou e então os dois se casaram, por causa dessa união o príncipe acabou ganhando dois guardiões e isso não é ruim, longe disso o príncipe nunca poderia ter guardiões melhores que aqueles.

Entrou fazendo o mínimo de barulho possível na na sala, onde a General costumava ficar e visto que não tinha ninguém presente sentou-se na cadeira de pérola - diferente de Jaemin que tinha sua fonte de poder vinda do grandidierite as sereias e tritões Pearl vinham das pérolas -. Não demorou muito para que fosse ouvido a voz da Kim dando ordem para alguém, provavelmente não havia sido avisada da volta do príncipe e muito menos da nova missão.
 

— Onde está o E'Dwan? - Jaemin agora ouvia mais claramente o que a sereia falava, pois estava próxima a porta de sua sala - Eu recebi uma carta do rei, mas aqui diz que devo abrir com ele.

 

O menor sorriu, sabia o que tinha naquela carta. Fez seu tridente aparecer e então segurou o mesmo, logo mexendo um pouquinho no mesmo e em seguida ficando “invisível”, na verdade Jaemin apenas se tornou água.
 

Observou a mulher adentrar sua sala e joga-se no sofá que havia ali a sereia não havia mudado nada, continuava ruiva e rosto ainda tinha as mesma sardinhas de sempre a diferença é que agora a cabeleira estava bem longa a cauda aparentemente havia ganhado mais marcas, estas que não era como as de Jaemin que indicavam que ele era da realeza as marcas que a Kim tinha seu corpo era de batalhas e as da cauda da sereia eram mais vermelhas que a cauda em si e brilhavam mais dando assim o ar de “eu sou a mais forte”.
 

— Hyuna, Hyuna, Hyuna! - A voz tão conhecida pelo os dois ali presente na sala, surgiu de forma afobada seguido por um tritão que nadava a toda velocidade - Amor, abre logo essa carta.
 

O tritão nem deu tempo para a esposa pegar a carta na mão, pois logo já estava segurando o papel e o abrindo. O casal leu o conteúdo juntos e tiveram a mesma reação, arregalaram os olhinhos puxados e se abraçaram a tempos não vinham o príncipe e saber que o mesmo havia voltado e que teriam que passar um tempo com o mesmo fora uma grande felicidade. Jaemin logo tratou de aparecer ali, sorrindo e entrando naquela comemoração. Saudade, era o que eles sentiam um do outro e estava tratando de matar.

 

��

 

DaeHwi e Justin tinham entendido muito bem o pedido do casal a sua frente mas não sabiam o que falar, sim era possível um humano entrar no mar e respirar lá porém se Jaemin tinha ido fazer a tradição em Rakkaus não deveria ser interrompido afinal isso poderia fazer com que tudo falhasse e o Na fosse punido pela rainha de Rakkaus.
 

O Lee olhou para MingHao que tinha na face o mesmo olhar que o coreano, receio. Respiraram fundo e então colocaram sobre a mesinha de centro os pratinhos com os bolos recém feitos por Jeno e RenJun.
 

— Olha - começou o Lee -, sabemos que vocês estão preocupados com Jaemin, mas…
 

Travou e olhou para Justin pedindo socorro.
 

— Não podemos levá-los.
 

Curto e reto, foi o Huang mais novo. Não queria ser malvados, mas eram as regras e eles não podiam simplesmente passar por cima delas. Jeno olhou para RenJun, vendo que o mais velho estava bem desapontado passou a mão pelas costas do namorado e sorriu para os dois a sua frente.
 

— Podem pelo menos nós explicar? Jaemin saiu daqui dizendo que tinha uma tradição e que ela o ajudaria a se encontrar… Eu e RenJun estamos com medo,  afinal a única coisa que sabemos sobre a terra natal o Minnie é que ela se chama Shine e que ele saiu de lá brigado com seu pai.
 

DaeHwi sorriu, ele era do reino Shine e sabia de toda a história assim como todo o povo de lá. Justin, é de um reino mais para o rumo da China, Butterfly - MingHao é uma espécie de sereia fada, no oceano ele possui uma cauda e fora do oceano ele possui asas, mas essas asas são como as asas de uma borboleta  -.
 

— Nosso reino possui uma tradição chamada Todellinen Rakkaani, significa; meu verdadeiro amor, essa tradição normalmente é realizada pela família real e como vocês devem saber Jaemin é um príncipe - olhou apenas para ver se estava certo e recebeu acenos positivos do casal -. Ótimo, bem então o Jaemin tem que iniciar sua jornada que dura quatro dias e nesses tempo ele deve passar pelo os quatros principais reinos do oceano, este que são Shine, Butterfly, Yume e Rakkaus e então ele deve pegar as quatros principais pedras de cada reino e como príncipe de Shine ele deve provar ao oráculo que é digno de cada uma dessas pedras puras e é que assim se inicia as provas. Eu não sei como são elas, só sei que pra cada pedra haverá uma e elas costumam durar o dia todo.


��

 

O oráculo, não era apenas um lugar era também uma pessoas quando você pisava nos territórios sagrados de Shine já estava ali tendo contado com o mesmo então era da tradição que o tritão ou sereia que fosse entrar no santuário passasse pela purificação, esta que envolvia tirar do indivíduo as marcas que possuísse e Jaemin passou por essa purificação. Nesse momento o Na não pertencia à realeza, o título de príncipe não lhe pertencia ele era apenas um tritão comum e isso era o que bastava para que o jovem pudessem pisar no território sagrado e fosse até o centro dele, onde ficava a enorme fonte de vida das pedras mais puras de Shine, grandidierite.
 

Jaemin passou pela barreira que tinha em volta do oráculo e então nadou calmamente até o centro, não havia nada demais ali era apenas uma enorme fonte, mas o príncipe sabia que era daquele lugar que nasciam as pedras tão preciosas que mantinham o seu reino tão forte e sorriu ao ver aquilo a energia que sai dali era tão boa que o tritão se sentia tentado em tocar a fonte, porém sabia das regras elas eram claras; “toque na fonte somente se o oráculo permitir”.

 

— Na Jaemin, filho de Na Jaebum e Na Bora - a voz do oráculo soou por todo o território sagrado -, vejo que veio finalmente fazer a prova - riu e então apareceu ao lado de Jaemin que acabou se assustando um pouco, ele não era um tritão nenhuma sereia ou até mesmo um humano o oráculo era um ser que o Na nunca tinha visto na vida e se fosse para compará-lo com algo o príncipe o compararia com uma água-viva. -. Mas é engraçado menino Jaemin, engraçado isso. Você ama duas pessoas? Oh! Vejo também que é correspondido e que seus amados estão sem você, visto que está aqui e não os trouxe.
 

— Como esperado, tu és muito sábio.
 

Disse finalmente, uma risada gostosa foi a resposta dada de início pelo a divindade.
 

— Ora, meu caro garoto, Na. Você diz que eu sou sábio, mas eu posso ver que tu vem se preparando a anos para isso. Sabe Jaemin, isso não deixa de ser engraçado nós somos o reino responsável pelo o brilho do mundo, aqueles que trazem a esperança e iluminam o caminho para que todos possam andar pelo o caminho das flores e somos também a raça de tritões e sereias mas sabia, porém aqui está você fazendo uma prova da qual você já sabe todas as respostas - O oráculo se aproximou de Jaemin e então passou por dentro do mesmo, fazendo com que o príncipe sentisse algo dentro de si mudar e logo fechasse os olhos por causa do incômodo -. Pode olhar agora, sua prova começou.


Notas Finais


NHaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
oie, oie de novo minhas estrelinhas lindas <3
Espero que tenham gostado e até o próximo cap <3
Beijinhos dos oppas, unnies, hyung noonas e dongsaengs <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...