1. Spirit Fanfics >
  2. Se eu fosse você (Ino x Deidara) >
  3. Cheguei! Digo, voltei!

História Se eu fosse você (Ino x Deidara) - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Olá!!!

Eis aqui a Ino chegando na Akatsuki e o Deidara em Konoha.

Capítulo 2 - Cheguei! Digo, voltei!


Fanfic / Fanfiction Se eu fosse você (Ino x Deidara) - Capítulo 2 - Cheguei! Digo, voltei!

(Ino)

Na entrada do esconderijo, analisei minhas novas vestes: Esse manto cobria o suficiente do meu corpo para evitar suspeitas. A maquiagem que fiz nas mãos ainda não haviam borrado, ótimo. Desenhei bocas fechadas com o delineador que Deidara me entregou, espero que nenhum dos colegas dele olhe muito para minhas mãos. Repeti mentalmente que deveria deixá-las viradas para baixo a maior parte do tempo, assim evitaria que alguém olhasse quando eu estivesse distraída.

Este penteado dá calor na nuca, não sei como Deidara aguenta. Queria prender meu cabelo todo em um rabo de cavalo.

— Cheguei. — eu disse passando pela porta. — Digo, voltei.

— Tire as sandálias antes de entrar! — a mulher de cabelos presos em um coque ao lado da cabeça falou, deve ser Konan, ela certamente não está com calor na nuca, queria prender o cabelo como o dela. Ela estava sentada no sofá da sala. — Estão embarradas.

— D-desculpe. — eu disse, as deixando ao lado da porta. Ela me olhou levemente desconfiada, então tentei disfarçar: — Hum.

Konan voltou a ler o livro que lia quando cheguei. Então fui até as escadas, mas lembrei que não sabia qual porta seria a que eu deveria entrar.

— Konan, eu vou tomar banho. — falei, querendo tirar toda essa terra e musgo de meu corpo.

— E daí? — ela perguntou sem tirar os olhos do seu livro.

— Eu não quero ser incomodado. — inventei uma desculpa. — Então haja o que houver, não vá bater na minha porta. — falei firme. — Hum.

— Por que eu iria bater na sua porta? — ela perguntou.

— Porque você vai naquele outro quarto... Ali perto... — tentei pescar a informação de onde era o meu quarto.

Foi quando ela fechou o livro e me olhou assustada.

— Eu sabia que você estava acordado! — ela acusou. — Eu disse para o Pain que era melhor ele ir para o meu quarto!

— E se alguém chegar, diga para não me incomodar. — falei. — Porque eu estarei no meu quarto. Que é perto do quarto do Pain.

— Você está bem? — ela perguntou parecendo preocupada.

— Na verdade, não. — vi a oportunidade. — Por que não vem comigo e eu te conto?

Konan veio até onde eu estava e passou em minha frente subindo as escadas. Agora eu só precisava segui-la. Ao fim das escadas, ela entrou em um corredor e seguiu até a terceira porta, parou na frente esperando que eu a abrisse.

— Quer saber? — perguntei. — Depois eu conto, lembrei que preciso tomar um banho. — entrei no quarto a dispensando, agora que já havia descoberto qual era o meu quarto.

— O Sasori estava certo. — ela gritou irritada do outro lado da porta. — Você está cada dia mais louco!

— E você está cada vez mais... — Deidara me parece ser do tipo que discute o tempo todo, mas eu não conheço tantos xingamentos. — ...velha!

Konan bufou e saiu batendo os pés pelo corredor, seu som se afastando cada vez mais. Quando finalmente não a escutava mais, me permiti respirar fundo e deslizar pala porta até sentar-me no chão.

Agora é tarde para pensar isso, mas acho que Deidara me deu poucas informações e tenho medo que eu tenha feito o mesmo com ele.

 

(Deidara)

Chegando na Vila da Folha, os jounins que ficavam no portão me recepcionaram alegremente.

— Seja bem-vinda de volta, Ino! — um deles disse.

— Está cada dia mais bonita. — o outro elogiou.

— Obrigada. — falei, me lembrando de usar o feminino. — Algum dos cavalheiros poderia me acompanhar até em casa? — fiz um biquinho para pedir. — Fiquei tonta de passar o dia no sol.

— Mas é claro! — o que havia me elogiado prontamente se levantou. Ele usava sua bandana virada para trás e carregava um palito entre os dentes.

Ele me ofereceu seu braço e eu aceitei, sendo guiado por este jounin burro até a casa de Ino.

— Foi buscar flores? — ele perguntou olhando a cesta de flores que eu carregava.

Que pergunta idiota, ele está claramente vendo a cesta!

— Não, fui plantar batatas. — respondi irônico.

O homem riu.

— Adoro seu humor, Ino. — notei ele se aproximar ainda mais de mim, tirar uma das flores de minha cesta e colocar atrás de minha orelha. — Chegamos.

— Genma. — a voz grossa veio de trás de nós. Me virei rapidamente, um homem alto, de ombros largos e de longos cabelos loiros em um rabo de cavalo: o pai de Ino, segundo a descrição dela. — Obrigado por ter acompanhado a Ino, mas tenho certeza de que não era necessário. Se descuidar seu posto na entrada na Vila, qualquer intruso poderá entrar.

— Sinto muito, seu Inoichi. — Genma olhou nos olhos do pai de Ino, sem se abalar. — Sua filha estava um pouco desorientada por ter ficado muito no sol, eu só estava ajudando. Mas não se preocupe, Kotetsu permanece na entrada da Vila.

— Não o deixe esperá-lo. — Inoichi disse sério. — Boa noite.

— Boa noite, senhor. — Genma disse e virou-se para mim, sorrindo. — Boa noite, Ino! Durma bem.

— Valeu, cara! — respondi. Quando ele se foi, entreguei a cesta a Inoichi. — Aqui suas flores, coroa.

Ele segurou a cesta e entrei em casa.

— Ino! — Inoichi veio atrás de mim. — Você tem que entender que, como pai, eu não gosto de ver a cada dia um shinobi diferente lhe acompanhando até em casa.

Acabo de descobrir que Ino é uma safada! Será que ela quis fugir da Vila para fugir de um cara chato e insistente? Ou desse pai que não deixa ela se divertir com os rapazes da aldeia?

— Por que não? — perguntei querendo vê-lo colocar em palavras.

— Bem, é que... Você sabe... — ele olhou para baixo. — Não é apropriado para uma garota jovem como você... Quem sabe se você saísse só com um garoto, algum da sua idade... Que tal o Shikamaru? É de boa família...

— Já peguei, beija mal. — menti para me divertir às custas de Inoichi. — O Genma é melhor.

Eu nem sei quem é esse tal Shikamaru, mas Inoichi ficou furioso.

— Já para seu quarto, mocinha! — ele gritou apontando para o corredor. — Você está de castigo!

Segurando o riso, fui para o corredor que ele havia indicado. A primeira porta dava para um quarto com decoração roxa, eu sabia que era o de Ino. Lembrando de Ino, imagino que ela vá ficar brava quando descobrir o que falei como se fosse ela.

Acho que posso me divertir bastante aqui em Konoha. E acho que posso fazer aquele Genma me pagar uns jantares caros. Também preciso descobrir quem é o tal Shikamaru, preciso saber se melhorei ou piorei a reputação de Ino.


Notas Finais


Vou deixar que vocês escolham:
1. Quem vocês querem que seja a próxima pessoa que a Ino vai conhecer na Akatsuki?
2. Quem vocês querem que o Deidara encontre nas ruas de Konoha?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...