História Se ocupe e não se sentirá tão vazio.


Escrita por:


Sinopse:
Estamos parados enquanto o tempo corre, e ele corre pra longe. Não se dá pra gente, embora o tenhamos de sobra.
Iniciado
Atualizada
Idioma Português
Visualizações 60
Favoritos 24
Comentários 4
Listas de Leitura 2
Palavras 200
Terminada Sim
Categorias Originais
Tags Antagonismo

Fanfic / Fanfiction Se ocupe e não se sentirá tão vazio.
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Droubble

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Lista de Capítulos

Capítulo
Palavras
1.
Único
4
60
200

Gostou da História? Compartilhe!

Comentários em Destaque

Postado por Jojiyoji
Capítulo 1 - Único
Usuário: Jojiyoji
Usuário
Eu quero me distrair pra que a dor passe, mas eu tenho medo. Eu não quero me esquecer da dor porque estou ocupada demais vivendo uma vida corrida e medíocre, onde meu único momento de reflexão é na fila do açougue e minha única reflexão é sobre o preço alto da carne. Dói pensar que a única maneira de parar de sentir dor é vivendo uma vida real, com esses problemas da vida real que não me darão tempo pra pensar em mais nada. Talvez não seja só isso, creio que existam outras formas distração, como coisas de que gostamos, por exemplo. Mas ainda que eu tente me distrair com coisas de que gosto, eu não tenho gostado de nada de verdade ultimamente. Está tudo tão "ah... legalzinho". Quando você esquece o seu sentido, as coisas ao seu redor perdem o sentido também, pois todas são partes de quem você é, da sua identidade. Estar apenas "gostandinho" das coisas que você costumava amar dói pra caramba.
Postado por Jojiyoji
Capítulo 1 - Único
Usuário: Jojiyoji
Usuário
Nós só vivemos de verdade quando estamos distraídos. Só nos sentimos verdadeiramente vivos quando não nos damos conta de que estamos vivendo. Como quando leio algo que você escreve, por exemplo. É uma pena que ultimamente eu tenha falhado tanto em encontrar momentos como esse, momentos que verdadeiramente me distraiam e me façam esquecer que existo, tão pequena, debaixo dessas expectativas enormes sobre a minha insignificante existência. Anseio por momentos, mesmo que vazios, onde eu possa me esquecer do quão vazia me tornei. Mas eu acabo me esquecendo que tentar esquecer também é uma maneira de lembrar. Realmente, deveria apenas deixar pra lá ao invés de tentar, com todas as minhas forças, deixar pra lá. Mesmo que o ócio tenha se tornado o meu melhor amigo e eu não consiga achar graça em nada, eu deveria mesmo me ocupar com alguma coisa.