1. Spirit Fanfics >
  2. Second chance to love - Kim Taehyung >
  3. Resignation

História Second chance to love - Kim Taehyung - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Boa madrugada meus amores, desculpem o atraso.

Fiquem com mais um capítulo.
Boa leitura ❤️

Capítulo 10 - Resignation


Fanfic / Fanfiction Second chance to love - Kim Taehyung - Capítulo 10 - Resignation

            Heyoon Point of View

A noite caia friamente através dos vidros do carro, podia se ver alguns pingos de água escorrer pelo parabrisa me confirmando que garoava do lado de fora. O carro estava quentinho me fazendo relaxar, os últimos dias não tinham sido fáceis e meu corpo aos poucos parecia responder aos estímulos negativos através das dores nas minhas costas. Já era madrugada, a escuridão através dos vidros era assustadora e não ver quase nenhum carro nos acompanhando na estrada era mais assustador ainda.

O silêncio reinava desde que saímos da minha antiga casa, não sabia muito bem o que dizer e também não achava necessário. Taehyung se manteve na dele e eu não quis me intrometer, não sabia o que ele estava pensando e qual seria o seu temperamento, então pensei que me manter calada fosse a melhor opção. No momento em que suas palavras saíram em direção a minha irmã, senti meu coração acelerar, ele falou tudo tão seriamente que eu mal o reconhecia. Fiquei em choque, jamais imaginaria ele me defendendo das ofensas infantis dela, mas ele pareceu realmente estressado com isso.

Ara ficou estática, seu rosto assumiu uma vermelhidão quase semelhante a um tomate. Minha mãe e minha vó esconderam um sorriso e depois me olharam sugestiva, mas não fui capaz de retribuir seus olhares, a única coisa que me chamava atenção naquele momento, era meu chefe. Não consegui o agradecer, depois de repreender minha irmã ele se curvou e saiu da casa até seu carro, rapidamente dei tchau a todos e o segui, não arriscaria ficar para trás mesmo sabendo que ele não me deixaria.

E cá estávamos, ambos em um silêncio constrangedor. Yong-nam dormia tranquilamente e praticamente desmaiado no banco de trás, cena digna de uma moldura na parede, e eu não estava diferente, meus olhos estavam pesados e por vezes piscava forte tentando os manter abertos. Estava com vergonha de dormir e deixar Taehyung sozinho e também com medo dele adormecer também e acabar causando alguma tragédia, hipótese tremendamente sem nexo, eu sei.

Aos poucos as luzes de Seul foram aparecendo no nosso campo de visão e me despertando por saber que estávamos chegando em casa. A cidade estava vazia, já era meio da madrugada e apenas alguns bêbados perambulavam pelas ruas, o caminho da minha casa foi reconhecido por mim e me senti aliviada, estava morrendo de saudade da minha caminha. Quando enfim chegamos suspirei, estáva na hora de encarar quem eu tanto ignorava.

– Muito obrigada por absolutamente tudo que fez por mim, sei que abusei muito da sua boa vontade e que talvez tenha sido folgada, então não se acanhe em descontar do meu salário ou me cobrar hora extra. – sua atenção veio a mim assim que terminei de falar, seus olhos me analisaram e fiquei um pouco nervosa por isso, ele não fazia idéia de como seu olhar era felino e intimidante.

– Apenas descanse senhorita Choi. – ele suspirou e sustentou meu olhar, fiquei envergonhada mas não sabia como agir, Taehyung conseguia me desconcentar sem fazer absolutamente nada e eu me sentia patética por isso – Até segunda feira.

Vi seu carro sumir por entre a escuridão da rua e não tardei em entrar dentro de casa. Como eu senti falta da minha casinha, era pequena e simples mas era minha, e nada no mundo substituiria isso. Caminhei silenciosamente até meu quarto e larguei minha mochila de roupas no chão, apenas peguei minha escova de dentes e fiz minha higiene bucal. Depois de trocar minha roupa por um moletom largo me deitei em minha cama me aconchegando em minhas cobertas, mesmo ela não sendo a mais confortável do mundo eu a amava de paixão, e não tardei a apagar depois de sentir meu corpo esgotar suas energias.

[...]

Depois de fechar meu casaco peguei minha bolsa e sai do quarto indo até a cozinha, Sayuri tomava café enquanto mexia no celular e sorriu assim que me viu, me sentei em sua frente e passei a desfrutar do lanchinho que ela tinha feito pra mim. Ao ver que estava quase atrasada peguei minhas coisas e sai depois de deixar um beijo em sua cabeça e desejar um bom dia.

O ônibus estáva cheio, era segunda feira de manhã e todo mundo parecia cansado de mais para trabalhar. Eu felizmente não era uma dessas pessoas, passar o final de semana todo quietinha em casa junto com minha amiga tinha renovado minhas energias, eu ainda sentia por tudo que havia acontecido, mas deixar aquele sentimento ruim me tomar seria de mais e me sobrecarregaria e além de fazer mal a saúde não resolveria nenhum dos meus problemas.

Caminhei calmamente até o prédio que eu já conhecia muito bem e dei bom dia ao porteiro que estava por ali todas as manhãs. Subi até o décimo segundo andar e fui em direção ao meu trabalho, usei minha senha de acesso e entrei no apartamento dos Kim's. A casa estava silenciosa talvez por ser ainda cedo, fui em direção a cozinha e encontrei senhora Jung conversando com a pessoa responsável pelos meus pensamentos durante todo o final de semana, e assim que me viram, cessaram a conversa e a mais velha logo veio me abraçar.

– Está melhor querida ? – perguntou assim que nos afastamos.

– Estou sim, obrigada por toda preocupação. – sorri igualmente a ela e acabei desviando minha atenção a Taehyung que nos olhava – Bom dia senhor Kim.

– Bom dia. – respondeu formalmente e mesmo que estranhando fiquei quieta.

O vi devolver a xícara de chá na pia e se retirar da cozinha em silêncio, suspirei, ele não parecia normal mas eu não podia supor nada já que não o conhecia tão bem. Dei de ombros e me aprontei para realizar minhas obrigações, depois de deixar minha bolsa na lavanderia como eu fazia todos os dias, fui até o quarto do pequeno Kim.

Durante toda cerimônia do funeral do meu avô ele ficou ao meu lado, todas as vezes em que eu chorava suas mãozinhas limpavam minhas lágrimas e ele se segurava para não chorar junto comigo. Não deixei de ficar emocionada com isso e também grata por tê-lo em minha vida, e mesmo que eu fosse alguém insignificante em sua história, poder receber seu carinho era gratificante.

Abri a porta e o encontrei deitado agarrado a outro de seus ursinhos, seus cabelos morenos e lisos iguais ao do pai estavam esparramados pelo travesseiro em uma cena muito adorável e não resisti em tirar uma foto, mas meu ato acabou o acordando já que meu celular estava com o volume no máximo.

– Noona ? – ele abriu os olhos devagar e os fechou em seguida, estava realmente morrendo de sono.

– Bom dia meu amor, dormiu bem ? – me sentei ao seu lado e acariciei seus fios logo recebendo um sorriso manhoso.

– Sim noona, mas eu ainda estou com sono.

– Foi dormir tarde ontem ? – cerrei os olhos e ele riu largamente, sabia que estava certa.

– O papai deixou eu assistir o filme todo do homem aranha. – falou empolgado e foi difícil não rir.

– Então vamos levantar logo para não nos atrasarmos, senhor Peter Parker.

Ele riu largamente e se levantou rápido me obedecendo. O ajudei a se arrumar para a escola e o agasalhei bem, pois fazia frio já que estávamos no final do outono. Eu tinha muita sorte com as casas que eu era destinada a trabalhar, nunca fiquei com crianças difíceis e desobedientes, e devo confessar, Yong-nam era o meu preferido.

Depois de dar seu café da manhã e pegar sua mochila o levei para a escola, o céu estava tremendamente azul mas o vento estava assustadoramente gelado, me perguntava como faria para o levar para escola quando o inverno enfim chegasse. Ao cumprir com as minhas obrigações matutinas voltei para a casa dos Kim's, senhora Jung fazia suas obrigações contando com a minha ajuda e conversávamos sobre tudo.

Ela era uma senhora muito sábia e amorosa, absorvia todos os seus ensinamentos e a tinha como alguém da família, adoraria a apresentar para minha vó, elas com certeza ficariam horas conversando. Em meio aos nossos papos não pude deixar de pensar em Taehyung, ele estava diferente dos dias em que passamos juntos e isso com certeza estava martelando em minha cabeça. Não consegui controlar as batidas frenéticas do meu coração ao o ver novamente, as lembranças de seus abraços confortáveis e suas palavras de apoio rondavam minha imaginação e eu sentia falta de ver esse seu lado.

Escutamos a campainha tocar, sai do meu transe e estranhei, geralmente o porteiro avisaria se alguém quisesse subir me fazendo ficar ainda mais confusa. Me levantei da banqueta do balcão e fui até a porta de entrada, ao abrir vi uma mulher extremamente bonita e elegante, vestia roupas em tons mais escuros que com certeza não eram nada baratas, um olhar severo e que faria qualquer um tremer na base. Me olhou de cima a baixo me analisando e foi impossível não me sentir pequena em sua frente, mas ignorando qualquer sentimento de baixa autoconfiança me arrisquei a falar.

– Pois não ?

– Quem é você ? – sua voz saiu ácida e tinha certeza que ela não tinha ido muito com a minha cara.

– Eu trabalho aqui, gostaria de falar com o Taehyung ? – perguntei tentando parecer confiante, coisa que não conseguia.

– Taehyung ? – perguntou se aproximando e me matando com os olhos, quem diabos era ela ? – Pra você é senhor Kim. – arregalei minimamente os olhos – Agora saia da minha frente.

Sem esperar que eu dissesse nada ela praticamente me empurrou e passou pela porta entrando dentro do apartamento, eu estava com um ponto de interrogação enorme na face, não sabia se deveria a impedir de entrar, mas por via das dúvidas me mantive calada sabendo que ela me esfolaria viva se eu tentasse.

Ela parecia conhecer muito bem o ambiente, retirou suas sapatilhas e sumiu dentro da casa, não sabendo quem ela era achei melhor a seguir para garantir que nada acontecesse. Ela foi diretamente na cozinha onde senhora Jung começava a preparar o almoço, ao vê-la a senhora se curvou e eu estranhei, Taehyung jamais deixou que nenhuma de nós duas fôssemos extremamente formais, tanto que odiava ser chamado de senhor e principalmente que nos curvássemos perante ele, mas aquela mulher parecia totalmente diferente, seu olhar impunha que fôssemos respeitosas.

– Quem é essa menina que Taehyung contratou ? – perguntou duramente e vi senhora Jung apertar o pano que segurava nas mãos.

– Ela é a nova babá do Yong-nam. – respondeu de forma calma e ambas olharam pra mim. Senhora Jung pareceu perceber meu olhar perdido e praticamente desesperado para saber quem era aquela mulher – Heyoon, essa é senhora Kim Woori, mãe do senhor Kim.

Eu gelei, meus olhos se arregalaram minimamente e tenho certeza que meu corpo empalideceu. Eu estava de frente com a mãe do meu chefe e ela pareceu me odiar no momento em que nossos olhos se encontraram, se tinha um momento que eu gostaria de enfiar minha cabeça em um buraco o momento era esse.

– É um prazer conhecê-la senhora Kim. – me curvei tentando ser educada e reparar meu erro de antes. Seus olhos me analisaram mais uma vez e me senti um filhote sendo encarado pela presa.

– Quantos anos tem ?

– Tenho 24 anos.

– A quanto tempo trabalha aqui ?

– Três meses.

Sem dizer mais nada ela saiu da cozinha, soltei o ar que eu nem havia percebido que prendi e olhei para senhora Jung desesperada, ela negou com a cabeça e me pediu para não dizer nada, a obedeci prontamente com medo daquela mulher resolver cortar minha língua. Ela foi direto para sala e sentou no sofá, aproveitei isso e me mantive o tempo todo escondida na cozinha ajudando a senhora Jung terminar o almoço, por que ela estava constantemente sendo chamada pela Kim que toda hora pedia alguma coisa.

[...]

Quando deu o horário sai da casa para buscar o pequeno Yong-nam e respirei fundo mais aliviada por sair daquela situação. Eu jamais imaginaria que ela fosse mãe do Taehyung, parando pra pensar em sua aparência, era realmente parecida com ele, mas suas personalidades eram totalmente opostas.

O pequeno ao me ver veio correndo e sorrindo, animado como em todas as manhãs me contou cada detalhe da sua aula e dos seus momentos divertidos, ver seu sorriso foi capaz de me acalmar e me fazer esquecer a megera que enfrentariamos ao chegar em sua casa. Subimos juntos e ele correu em direção a porta, digitei a senha e ele entrou todo afobado para ver o pai mas antes que isso fosse possível sua avó apareceu em seu campo de visão.

– Halmeoni! – exclamou animado e correu abraçá-la, Taehyung logo apareceu e sua cara não era das melhores.

– Oh meu amor, como você cresceu. – vi em sua voz uma doçura que eu jamais imaginaria, pelo menos com ele, ela era carinhosa – Se fosse por seu pai só veria você quando já fosse adulto.

– Mãe! – Taehyung a repreendeu e ela se levantou o olhando séria. Sabia que tinha coisa ali, mas realmente não queria me meter pra não acabar sobrando pra mim.

– Eu irei levá-lo para trocar de roupa. – interrompi aquela troca de olhares severa entre eles sendo mortalmente olhada por ela.

Chamei Yong-nam para ir comigo para tirá-lo daquela situação pois sabia que não era saudável pra ele e era extremamente incomodo pra mim. Ele saiu correndo até seu quarto e eu fui atrás calmamente pelo corredor que ligava os cômodos com a sala, mas antes que me afastece muito escutei a conversa na sala.

– De onde você tirou essa garota ?

– Mãe isso não é hora. – escutei seu suspiro.

– Endoidou de vez em colocar essa daí pra dentro da sua casa ?

– Mãe chega!

– Chega o caramba, eu quero que a demita imediatamente! Não quero essa garota perto do meu neto, está me entendendo ?



Notas Finais


Obrigada por lerem até aqui e me desculpem qualquer erro que eu não tenha percebido.

Até o próximo capítulo.
Beijo na bunda 😘❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...